Annona muricata L.

Família 
Informações gerais 

Originária da América Central e do Sul, amplamente cultivada em todos os países de clima tropical, principalmente nos estados do Nordeste brasileiro. Muito utilizada na indústria alimentícia. Suas principais indicações são: antiviral, imunoestimulante, antiparasitária, inseticida, antidiarreica, antitérmica, antiespasmódica, hipoglicemiante, vasodilatadora e diurética[1,2,3,4].

Referências informações gerais
1 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 1. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 89-96.
2 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 3 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 47-48.
3 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 67-68.
4 - GUPTA, M. P. (Ed.). 270 Plantas medicinales ibero-americanas. Bogotá: Programa Iberoamericano de Ciencia y Tecnología, Cyted, Convenio Andres Bello, 1995. p. 26-28.
Descrição da espécie 

Espécie arbórea, de copa piramidal, perene, ereta, com cerca de 4 a 8 m de altura, possui caule único e ramificado de forma assimétrica, ramos jovens pubescentes; folhas medindo de 8 a 15 cm de comprimento, obovado-oblongas, verde brilhantes na parte inferior, com pecíolo cilíndrico, tricomas esparsos, simples, curtos, hialinos ou ferrugíneos; as flores grandes, solitárias, hermafroditas, com sépalas triangulares e pétalas externas grossas de cor amarelada; fruto ovoide ou em forma de coração, medindo de 25 a 35 cm de comprimento, de coloração verde, com falsos espinhos carnosos curtos e moles; a polpa é branca, doce, mas ligeiramente ácida; a semente mede de 1 a 2 cm de comprimento, é preta e torna-se marrom alguns dias após a coleta[1,2,3].

Referências descrição da espécie
1 - GUPTA, M. P. (Ed.). 270 Plantas medicinales ibero-americanas. Bogotá: Programa Iberoamericano de Ciencia y Tecnología, Cyted, Convenio Andres Bello, 1995. p. 27.
2 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 67.
3 - GERMOSÉN-ROBINEAU, L. (Ed.). Hacia una farmacopea caribeña. Tramil 7 edición. Santo Domingo, República Dominicana: Enda-Caribe, UAG & Universidad de Antioquia, 1995, p. 52.
Nome popular Local Parte da planta Indicação Modo de preparo Forma de uso Restrição de uso Referências
- Costa Rica Folha

Analgésica (gastrointestinal).

Infusão.

-

-

[ 1 ]
- Costa Rica Folha e semente (tostada e moída)

Anti-helmíntica e antidiarreica.

Decocção.

-

-

[ 1 ]
Guanábana, nejo e suiti Panamá Folha fresca

Antidispéptica.

Decocção: 3 folhas frescas/1 xícara de água.

-

-

[ 1 ]
Guanábana, nejo e suiti Panamá Folha

No tratamento da escabiose e pediculose.

Decocção.

Uso externo.

-

[ 1 ]
Guanábana, nejo e suiti Panamá Fruto

No tratamento de úlcera gástrica.

Extrato da polpa.

Uso diário.

-

[ 1 ]
Guanábana, nejo e suiti Panamá Casca do fruto

Antidiarreica.

Decocção: 4 pedaços da casca/3 xícaras e meia (chá) de água. Ferver até que se reduza pela metade.

-

-

[ 1 ]
Guanábana, nejo e suiti Panamá Semente.

Inseticida e ictiotóxica.

-

-

-

[ 1 ]
- Colômbia e Cuba Fruto

No tratamento de afecções renais.

Na forma de sorvete.

-

-

[ 1 ]
- Colômbia e Cuba Folha

Antidiarreica e antidisentérica.

Decocção.

-

-

[ 1 ]
- Colômbia e Cuba Folha

Antidispéptica e nos casos de cistite.

Decocção.

-

-

[ 1 ]
- Cuba -

Antitussígena, anticatarral e anti-inflamatória.

-

-

-

[ 1 ]
- Cuba Fruto

Diurética e no tratamento de uretrites.

Suco.

-

-

[ 1 ]
- Índia Fruto

Antiescorbútica e antidisentérica.

-

-

-

[ 1 ]
- República Dominicana -

Antiasmática.

Infusão.

-

-

[ 1 ]
- Guatemala Folha

No tratamento de afeções cutâneas.

-

-

-

[ 1 ]
- Guam (Oceania) Folha

Antiasmática.

-

-

-

[ 1 ]
- Ilhas Virgens (Caribe) Folha

Sedativa.

-

-

-

[ 1 ]
- Nigéria Caule seco

Antiartrítica.

-

-

-

[ 1 ]
Guanábana Colômbia Folha

Calmante, antiespasmódica, hipoglicemiante, vasodilatadora e antitumoral.

Decocção ou infusão.

-

-

[ 2 ]
Guanábana Colômbia Raiz

Vermífuga e desintoxicante.

Decocção.

-

-

[ 2 ]
Guanábana Colômbia Fruto e folha

Antitérmica e antidiarreica.

Decocção ou infusão.

-

-

[ 2 ]
Guanábana Colômbia Fruto

Diurética.

Sumo. 

-

-

[ 2 ]
Guanábana Colômbia Semente

Repelente de insetos.

Pó. 

-

-

[ 2 ]
Graviola Brasil Folha

Sudorífica, antitussígena, e no tratamento de bronquite.

Infusão.

Uso oral.

-

[ 3 ]
Graviola, araticum, coração-de-rainha e corossol Brasil Folha

Antidiarreica e antiespasmódica.

Decocção: após amassar o material vegetal em pilão.

-

-

[ 4 ]
Graviola, araticum, coração-de-rainha e corossol Brasil Semente

Adstringente e emética.

-

-

-

[ 4 ]
Graviola, araticum, coração-de-rainha e corossol Brasil Folha

Emagrecedora e antitumoral.

Decocção.

-

-

[ 4 ]
Graviola e araticum Brasil Folha

Antidiarreica.

Infusão: 1 a 2 colheres (de sopa) da droga vegetal (rasurada) em 200 mL de água. Abafar e deixar em repouso por 20 minutos e coar.

Tomar até 4 xícaras (de chá) ao dia.

O uso desta planta deve ser acompanhado por profissional competente, pois é considerada tóxica (em altas doses). Usar com cuidado na gravidez e lactação.

[ 5 ]
Graviola e araticum Brasil Caule (casca)

No tratamento de cólicas menstruais.

Tintura.

Tomar 40 a 60 gotas em 100 mL de água (meia xícara de chá) antes das refeições, até 4 vezes ao dia.

O uso desta planta deve ser acompanhado por profissional competente, pois é considerada tóxica (em altas doses). Usar com cuidado na gravidez e lactação.

[ 5 ]
Soursop Antígua e Barbuda (Caribe) Folha

Antitérmica, no tratamento de resfriados, flatulências e dor de cabeça (uso oral ou na forma de compressa).

Decocção.

Uso oral.

-

[ 6 ]
Corosol e kowosol Martinica (Caribe) e Venezuela Folha

Calmante.

Decocção.

Uso oral.

-

[ 6 ]
Guanábana Nicarágua Folha

Antiparasitária.

Infusão.

Uso oral.

-

[ 6 ]
Guanábana República Dominicana Folha

Antitérmica, calmante, no tratamento de resfriados e dor de cabeça.

Decocção.

Uso interno ou externo (em casos de problemas emocionais pode-se fazer banhos).

-

[ 6 ]
Soursop Trinidad e Tabago Folha

Anti-hipertensiva.

-

-

-

[ 7 ]
Sabissa Região Central de Togo Folha

Hipoglicemiante.

Decocção.

Uso oral. 

-

[ 8 ]

Referências bibliográficas

1 - GUPTA, M. P. (Ed.). 270 Plantas medicinales ibero-americanas. Bogotá: Programa Iberoamericano de Ciencia y Tecnología, Cyted, Convenio Andres Bello, 1995. p. 27.
2 - WEDLER, E. Atlas de las plantas medicinales silvestres y cultivadas em la zona tropical. 2 ed. Colômbia: Todográficas Ltda, 2017, p. 63.
3 - MATOS, F. J. A. O formulário fitoterápico do professor Dias da Rocha: Informações sobre o emprego na medicina caseira, de plantas do Nordeste, especialmente do Ceará. 2 ed. Fortaleza: EUFC, 1997, p. 135.
4 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 67.
5 - PANIZZA, S. T. et al. Uso tradicional de plantas medicinais e fitoterápicos. São Luiz: Conbrafito, 2012, p. 159.
6 - GERMOSÉN-ROBINEAU, L. (Ed.). Hacia una farmacopea caribeña. Tramil 7 edición. Santo Domingo, República Dominicana: Enda-Caribe, UAG & Universidad de Antioquia, 1995, p. 52-53.
7 - LANS, C. A. Ethnomedicines used in Trinidad and Tobago for urinary problems and diabetes mellitus. J Ethnobiol Ethnomed, v. 2, p.1-11, 2006. doi: 10.1186/1746-4269-2-45
8 - KAROU, S. D. et al. Ethnobotanical study of medicinal plants used in the management of diabetes mellitus and hypertension in the Central Region of Togo. Pharm Biol, v. 49, n. 12, p.1286-1297, 2011. doi: 10.3109/13880209.2011.621959

Anti-hipertensiva e Nefroprotetora

Anti-hipertensiva e Nefroprotetora
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Folha

Extrato: material vegetal (pó) em etanol a 96%. Dose para ensaio: 250 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de hipertensão induzida por dicromato de potássio (K2Cr2O7), pré-tratados com extrato vegetal, com posterior análise da pressão arterial, eletrocardiograma, parâmetros bioquímicos e marcadores de estresse oxidativo e antioxidante (rins e coração), histopatológica e teste do micronúcleo em eritrócitos, expressão de Kim-1, CTnI, p38 MARPK e Nrf2 (imuno-histoquímica).

O extrato de A. muricata apresenta atividades anti-hipertensiva, antioxidante e nefroprotetora.

[ 35 ]
Anti-hipertensiva e Nefroprotetora

Anti-hperglicêmica

Anti-hperglicêmica
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Folha

Extrato: maceração de 600 g do material vegetal (pó) em 5 L de metanol a 70%. Doses para ensaio: 100 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar (Rattus norvegicus) portadores de diabetes induzido por estreptozotocina, tratados com extrato vegetal, com posterior análise da glicemia, peso corporal, histomorfológica e histomorfométrica das células β das ilhotas pancreáticas.

O extrato de A. muricata apresenta atividade anti-hiperglicêmica, através da regeneração e proliferação nas células β das ilhotas pancreáticas.

[ 39 ]
Anti-hperglicêmica

Anti-inflamatória

Anti-inflamatória
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Folha

Extrato: decocção de 3 g do material vegetal (pó) em 500 mL de água. Outra espécie em estudo: Jasminum glandiflorum. Concentrações para ensaio: 15,63 a 250,00 µg/mL.

In vitro:

Em cultura de macrófagos (RAW 264.7) estimulados por lipopolissacarídeos (LPS), incubados com extratos vegetais, com posterior análise de viabilidade celular (MTT), níveis de óxido nítrico (NO) e atividade da fosfolipase A2 (PLA2).

 

Os extratos aquosos de A. muricata e J. glandiflorum apresentam atividade anti-inflamatória, além da ausência de citotoxicidade nas concentrações em estudo.

[ 32 ]
Anti-inflamatória

Anti-inflamatória e Analgésica

Anti-inflamatória e Analgésica
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Fruto (pericapo)

Suco: 1500 g do material vegetal (fresco) sem sementes. Rendimento: 23,50%. Doses para ensaio: 50, 100 e 200 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley tratados com o suco do fruto de graviola, submetidos aos testes antinociceptivos (contorções abdominais, formalina, placa quente, edema de pata e orelha) e testes para elucidação da ação analgésica.

O suco do fruto de A. muricata apresenta atividade analgésica e anti-inflamatória, através da via opioidérgica e inibição da COX/aumento dos níveis de óxido nítrico.

[ 31 ]
Anti-inflamatória e Analgésica

Anti-inflamatória e Antinociceptiva

Anti-inflamatória e Antinociceptiva
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Folha

Extrato: maceração 600 g do material vegetal (pó) em 2,5 L de etanol. Rendimento: 36,40 g. Doses para ensaio: 100 a 400 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar e camundongos Swiss tratados com o extrato vegetal, submetidos aos testes de contorções abdominais induzidas por ácido acético, edema de pata induzido por formalina e carragenina, placa quente e pleurisia induzida por carragenina.

O extrato etanólico das folhas de A. muricata apresenta atividade antinociceptiva e anti-inflamatória, dose-dependente.

[ 34 ]
Anti-inflamatória e Antinociceptiva

Anti-inflamatória e Antioxidante

Anti-inflamatória e Antioxidante
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Folha

Extrato: 1 kg do material vegetal (pó) em 1500 mL de acetato de etila. Rendimento: 15 g. Concentrações para ensaio: 5 e 10% (p/p).

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley portadores de feridas excisionais, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise da porcentagem de fechamento da ferida, parâmetros imuno-histoquímicos e histológicos, e atividade antioxidante (CAT, GPx, SOD e MDA) em homogenato do tecido da ferida.

Observou-se que A. muricata apresenta atividade anti-inflamatória e antioxidante, sendo promissora para o processo de cicatrização.

[ 30 ]
Anti-inflamatória e Antioxidante
Fruto (polpa) e semente

Extrato: 60 g do material vegetal (polpa, pó) em 300 mL de metanol. Rendimento: 13,28%. 

Extrato: 10 g do material vegetal (polpa, pó) em 100 mL de água. 

Extrato: 20 g do material vegetal (semente, pó) em 100 mL de metanol. Rendimento: 8,21%. 

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação do radical DPPH e redução do íon férrico (FRAP), e anti-inflamatória por estabilização da membrana de glóbulos vermelhos após indução de hemólise por solução hipotônica.

Em células de câncer de mama (MDA-MB-231 e MCF-7) incubadas com extratos vegetais, com posterior análise de viabilidade celular (MTT), ciclo celular e apoptose (citometria de fluxo).

 

Observou-se que os extratos de A. muricata apresentam atividades anti-inflamatória, antioxidante e antitumoral promissoras.

[ 4 ]
Anti-inflamatória e Antioxidante
Semente

Extrato: material vegetal (pó) em n-hexano. Rendimento: 20%. Doses para ensaio: 10 e 50 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar castrados, portadores de hiperplasia prostática induzida por propionato de testosterona, tratados com extrato vegetal (associado ou não com finasterida), com posterior análise de parâmetros bioquímicos (proteínas, fosfatase alcalina e ácida), antioxidantes (SOD, CAT, GSH, GPx e GST) e histopatológicos, níveis de marcadores de inflamação (nitrito e mieloperoxidase) e expressão de iNOS, Bcl2, β-catenina, receptores andrógenos e estrógenos (imuno-histoquímica). 

O extrato de A. muricata apresenta atividade anti-inflamatória e antioxidante, reduzindo o volume da próstata, associado ou não a finasterida.

[ 40 ]
Anti-inflamatória e Antioxidante

Anti-inflamatória e Hipocolesterolemiante

Anti-inflamatória e Hipocolesterolemiante
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Folha

Extrato: 1 kg do material vegetal (pó) em 3 L de água. Doses para ensaio: 50 a 150 mg/kg.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação do radical DPPH.

 

In vivo:

Em camundongos C57BL/6 submetidos a dieta hiperlipídica e tratados com extrato vegetal, com posterior análise do peso corporal, ingestão de alimentos, parâmetros bioquímicos (glicose, índice aterogênico, CT, TG, HDL, VLDL e LDL) e histopatológicos (fígado, pâncreas e tecido adiposo epididimal), testes de tolerância oral à glicose e de sensibilidade à insulina, níveis de citocinas no tecido adiposo (IL-10, IL-6, MCP-1 e TNF-α) e índice de adiposidade.

O extrato de A. muricata apresenta atividade anti-inflamatória e hipocolesterolemiante, contudo não demonstra resultado promissor na redução da glicemia.

[ 37 ]
Anti-inflamatória e Hipocolesterolemiante

Antibacteriana

Antibacteriana
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Folha

Extrato: 30 gm do material vegetal (pó) em 300 mL de água. Rendimento: 0,6 gm. Outra espécie em estudo: Simarouba glauca. Volume para ensaio: 10 µL.

In vitro:

Em cultura de Enterococcus faecalis submetidas ao teste de disco-difusão em ágar.

 

Observou-se que o extrato de A. muricata apresenta atividade antibacteriana mais potente, semelhante ao hipoclorito de sódio.

[ 6 ]
Antibacteriana

Antibacteriana e Antioxidante

Antibacteriana e Antioxidante
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
-

Extrato: 1 kg do material vegetal (seco) em etanol a 70%. Concentrações para ensaio: 10, 100 e 1000 µg/mL.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação do radical DPPH.

Em cultura de Helicobacter pylori submetida ao teste de disco-difusão e análise da viabilidade microbiana.

Em cultura de macrófagos (RAW 264.7) incubados com os extratos vegetais, com posterior análise da citotoxicidade (ensaio MTS).

 

Neste estudo, das 20 espécies vegetais, Annona muricata, Scutellaria baicalensis e Agrimonia pilosa apresentam atividade antibacteriana e antioxidante, significativas, além da ausência de citotoxicidade.

[ 14 ]
Antibacteriana e Antioxidante

Antileishmaniose

Antileishmaniose
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Pericarpo

Extrato: material vegetal (seco) em hexano, acetato de etila e metanol. Rendimento: 0,89, 0,58 e 12,2%, respectivamente.

In vitro:

Em cultura de células monocíticas de humanos (U-937) incubadas com os extratos vegetais, com posterior análise de citotoxicidade.

Em cultura de Leishmania brasiliensis e L. panamensis (forma promastigota) incubada com extratos vegetais, com posterior análise da atividade antileishamania.

 

Observou-se que o extrato de acetato de etila apresenta atividade antileishamaniose e citotóxica mais potente.

[ 15 ]
Antileishmaniose

Antimalárica

Antimalárica
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Folha

Extrato: material vegetal (pó) em etanol. Concentrações para ensaio: 1 a 1000 µg/mL. Outras espécies em estudo: Kaempferia parviflora, Stemona tuberosa, Ananas comosus, Punica granatum, Musa sapientum e Pseuderanthemun palatiferum.

In vitro:

Em células de fibroblasto de prepúcio humano (HFF) incubadas com extratos vegetais, com posterior análise de viabilidade celular.

Em eritrócitos humanos infectados por Plasmodium falciparum (3D7), incubados com os extratos vegetais, com posterior análise da atividade antiplasmódica; e em células de fibroblasto de prepúcio humano (HFF) infectadas por Toxoplasmose gondii (RH-GFP), incubados com extratos vegetais, com posterior análise da atividade anti-toxoplasma.

 

Os extratos de A. muricata, K. parviflora e P. palatiferum apresentam atividade antimalárica, enquanto a M. sapientum e K. parviflora apresentam promissoras para o tratamento da toxoplasmose.

[ 16 ]
Antimalárica

Antimetastática e Antitumoral

Antimetastática e Antitumoral
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Folha e caule

Cápsula. Concentrações para ensaio (in vitro): 10 a 200 μg/mL. Doses para ensaio (in vivo): 50 e 100 mg/kg.

In vitro:

Em células de câncer pancreático (FG/COLO357 e CD18/HPAF) incubadas com extrato vegetal, com posterior análise de citotoxicidade, metabolismo celular, expressão de genes e proteínas (HIF-1α, NF-kB, GLUT1, GLUT4, HKII e LDAH), apoptose e necrose, ciclo celular, motilidade/migração celular e microscopia confocal.

 

In vivo:

Em camundongos imunodeficientes transfectados com células de câncer pancreático (CD18/HPAF) contendo partículas retrovirais (gene repórter de Luciferase), tratados com extrato vegetal, com posterior análise da tumorigenicidade.

Observou-se que o extrato de A. muricata apresenta atividade antitumoral e antimetastática promissoras.

[ 24 ]
Antimetastática e Antitumoral

Antinociceptiva

Antinociceptiva
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Folha

Extrato (PCCA): infusão de 500 g de cada material vegetal (pó) em etanol. Rendimento 103 g. Associção com: Pouteria campechiana, Chrysophyllum cainito e Citrus limonum. Dose para ensaio: 50 a 600 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar normoglicêmicos ou hiperglicêmicos (induzido por aloxana), tratados com o extrato vegetal, submetidos ao teste de formalina, capsaicina e estímulos de resfriamento com acetona.

O extrato vegetal PCCA apresenta atividade antinociceptiva, dose-dependente, em ratos normais ou diabéticos.

[ 33 ]
Antinociceptiva

Antioxidante

Antioxidante
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Folha

Extrato: 350 g do material vegetal (pó) em etanol a 95%. Concentrações para ensaio: 100 a 500 µg/mL. Outras espécies em estudo: Annona squamosa e A. reticulata.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante dos extratos vegetais através da eliminação do radical DPPH, ABTS, OH-, NO e O2.-, e peroxidação lipídica (em homogenato hepático).

 

Observou-se que o extrato de A. muricata apresenta atividade antioxidante, concentração dependente, mais potente.

[ 48 ]
Antioxidante

Antioxidante e Citoprotetora

Antioxidante e Citoprotetora
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Fruto (sem pele e semente)

Extrato: 10 g do material vegetal (polpa) em 100 mL de metanol/água a 80% (v/v). Concentrações para ensaio: 0,1 a 1,0 mg/mL.

In vitro:

Em cultura de fibroblastos (NIH/3T3) estimulados por peróxido de hidrogênio, pré-tratados com extrato vegetal, com posterior análise de danos celulares oxidativos, níveis de espécies reativas ao oxigênio e expressão de p22, p40, p67, Rac1, DUOX1, DUOX2 e Noxa2.

 

Observou-se que o extrato de A. muricata apresenta atividade antioxidante e citoprotetora.

[ 46 ]
Antioxidante e Citoprotetora

Antioxidante e Hipoglicemiante

Antioxidante e Hipoglicemiante
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Folha

Extrato seco. Dose para ensaio: 100 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de diabetes induzido por estreptozotocina, tratados com o extrato vegetal, submetidos aos testes campo aberto e labirinto de cruz elevado, análise de parâmetros bioquímicos (glicose sérica, testosterona, estradiol, fosfatase ácida e alcalina, malondialdeído, óxido nítrico, glutationa, superóxido dismutase e proteínas totais) e expressão genética (CYP17A1, ACAT2, Bax, Bcl2, IL-1β e GAPDH).

O extrato de A. muricata apresenta atividade hipoglicemiante e antioxidante testicular, além de melhorar as alterações comportamentais induzidas pelo diabetes.

[ 26 ]
Antioxidante e Hipoglicemiante
Folha

Extrato: 1 kg do material vegetal (pó) em 3 L de água. Rendimento: 5%. Doses para ensaio: 100 e 200 mg/kg.

In vitro:

Em ratos Wistar normoglicêmicos e diabéticos induzidos por estreptozotocina tratados com extrato vegetal (agudo ou sub-crônico), com posterior análise de parâmetros bioquímicos (níveis de glicose, creatinina, índice aterogênico, LDL, HDL, CT, TG, AST, ALT, NO, MDA, SOD e CAT) e em células β pancreáticas (imuno-histoquímica).

 

O extrato de A. muricata apresenta atividade hipoglicemiante e antioxidante, demonstrando ação protetora para as células β pancreáticas.

[ 28 ]
Antioxidante e Hipoglicemiante
Folha

Extrato: maceração de 1 kg do material vegetal (seco) em 5 L de etanol a 98%. Rendimento: 12,5%. Frações: hexano, diclorometano, acetato de etila, n-butanol e água. Concentrações para ensaio: 0,15 a 1000 μg/mL.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante (ORAC, FRAP e DPPH), enzimática (α-amilase, α-glucosidase e lipase pancreática), inibidora da glicação (BSA-frutose, BSA-metilglioxal e arginina-metilglioxal), peroxidação lipídica não enzimática (TBARS) em homogenato hepático de ratos Wistar e a citotoxicidade (MTT) em fibroblastos NIH/3T3, do extrato e frações vegetais.

 

As frações acetato de etila e n-butanol de A. muricata apresentam atividades hipoglicemiante, antioxidante e antiglicante mais potentes, além de baixa citotoxicidade.

[ 29 ]
Antioxidante e Hipoglicemiante

Antiparasitária

Antiparasitária
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Folha

Extrato: material vegetal (pó) em diclorometano, sequentemente, metanol e água.

In vitro:

Em cepas de Plasmodium falciparum resistentes à cloroquina (linhagem K1), incubadas com os extratos vegetais, submetidas aos ensaios ELISA (HRP2 - quantificação de proteínas ricas em histidina) e MTT em células MDBK. 

 

Neste estudo foram analisadas 14 espécies vegetais, dentre as quais Curcuma zedoaria, C. aeruginosa, C. mangga, Alpinia galanga, Morinda elliptica, Scaber elephantopus, Vitex negundo, Brucea javanica, Annona muricata, Cinnamomun iners e Vernonia amygdalina apresentam atividade antiparasitária significativa, além de baixa citotoxicidade.

[ 47 ]
Antiparasitária

Antiproliferativa

Antiproliferativa
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Folha

Extrato: maceração de 10 g do material vegetal (triturado) em 300 mL de metanol. Concentração para ensaio: 10 a 250 µg/mL.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através do radical DPPH.

Em células de câncer de laringe (HEp-2) e de pulmão (NCI-H29) incubadas com extratos vegetais, com posterior análise da atividade antiproliferativa (MTT e Azul tripano).

 

Neste estudo, das 14 plantas medicinais, Annona muricata, Lantana camara, Handroanthus impetiginosus e Mentzelia aspera apresentam atividade antiproliferativa mais potente, enquanto que Poincianella pyramidalis, Jatropha mollissima, Anadenanthera colubrina e Croton blanchetianus demonstram propriedade antioxidante mais potente.

[ 23 ]
Antiproliferativa
Folha, galho e raiz

Extrato: maceração do material vegetal (pó) em etanol a 95%. Concentrações para ensaio: 1 a 100 μg/mL.

In vitro:

Em células de leucemia promielocítica humana (HL-60) incubadas com os extratos vegetais, com posterior análise da viabilidade celular (ensaio MTT), morfologia nuclear (coloração Hoechst), níveis de espécies reativas de oxigênio (citometria de fluxo), potencial de membrana (fluorescência), conteúdo de DNA e fases do ciclo celular (citometria de fluxo e fluorescência).

 

Observou-se que os extratos de A. muricata apresenta atividade antiproliferativa, por apoptose.

[ 7 ]
Antiproliferativa
Folha

Extrato: 1 kg do material vegetal (pó) em 1500 mL de n-hexano, posteriormente, com acetato de etila e metanol. Concentrações para ensaio: 1,56 a 100 µg/mL.

In vitro:

Em células de câncer de pulmão (A549), mama (MCF-7 e MDA-MD-231), hepática (HepG2 e WRL-68), incubadas com os extratos vegetais, com posterior análise de viabilidade celular (MTT).

Em células A549 incubadas com o extrato de acetato de etila, com posterior análise de citotoxicidade (LDH e múltipla), morfológica (ensaio colorimétrico), apoptose (Anexina-V-FITC), ciclo celular (citometria de fluxo), níveis de espécies reativas de oxigênio, expressão de genes e proteínas (Bax, Bcl-2 e caspases) e atividade de NF-kB.

 

O extrato de acetato de etila apresenta atividade antiproliferativa, por supressão da translocação de NF-kB e indução a apoptose, exibindo seletividade significativa para células A549.

[ 9 ]
Antiproliferativa
Folha

Extrato: 1 kg do material vegetal (pó) em 1500 mL de n-hexano, posteriormente, em acetato de etila e metanol. Rendimentos: 7, 11 e 5 g, respectivamente. Concentração para ensaio: 5 a 80 µg/mL.

In vitro:

Em células humanas do cólon, epiteliais normais (HT-29) e cancerígenas (HT-29 e HCT-116), incubadas com os extratos vegetais, com posterior análise de viabilidade celular (ensaio MTT), citotoxicidade (LDH e múltipla), níveis de espécies reativas ao oxigênio, apoptose (Anexina-V-FITC e múltipla), ciclo celular (citometria de fluxo), expressão de genes e proteínas (Bax, Bcl-2 e caspases), migração e invasão celular.

 

O extrato de acetato de etila de A. muricata apresenta atividade antiproliferativa mais potente, por indução da apoptose.

[ 12 ]
Antiproliferativa
Folha

Extrato: 1 kg do material vegetal em 4 L de água, com adição de mais 3 L de água. Rendimento: 25,2 g. Concentrações para ensaio (in vitro): 0,5 a 1,5 mg/mL. Doses para ensaio (in vivo): 30 e 300 mg/kg.

In vitro:

Em células de hiperplasia prostática (HPB-1) incubadas com extrato vegetal, com posterior análise de viabilidade celular (MTT) e expressão de Bcl-2 e Bax (RT-PCR).

 

In vivo:

Em ratos F344 submetidos a suplementação com o extrato vegetal, com posterior análise histopatológica da próstata, vesícula seminal e testículos.

Observou-se que o extrato de A. muricata apresenta atividade antiproliferativa, além de reduzir o tamanho da próstata, sendo promissora para o tratamento da HPB.

[ 13 ]
Antiproliferativa

Antitumoral

Antitumoral
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Fruto (polpa)

Extrato: 1 g do material vegetal (pó) com 30 mL de 0,5 mol/L de solução de cloreto de 1-butil-3-metilimidazólio [C4MIM] [Cl-].

In vitro:

Em células de câncer de mama (MCF-7) e células de rim de macaco (Vero) incubadas com extrato vegetal, com posterior análise de viabilidade celular (ensaio MTT), concentração inibitória media (CI50), crescimento cinético, ciclo celular e apoptose.

 

Observou-se que o extrato iônico de A. muricata apresenta atividade antitumoral significativa, com CI50 = 4,75 µg/mL, além da ausência de toxicidade para célula normal.

[ 19 ]
Antitumoral
Folha

Extrato etanólico a 70%. Concentrações para ensaio: 0 a 240 µg/mL.

In vitro:

Em células de câncer hepático (HepG2) e câncer de cólon (HCT 116) incubadas com extrato vegetal, com posterior análise da viabilidade celular, apoptose, proteômica, parâmetros bioinformáticos e expressão de proteínas.

 

O extrato de A. muricata apresenta atividade antitumoral por apoptose, através da via de estresse do reticulo endoplasmático (Bip-PERK-eIF2α-CHOP).

[ 20 ]
Antitumoral
Folha

Extrato (1:10): maceração do material vegetal (seco) em etanol. Concentrações para ensaio (in vitro): 3,125 a 100 µg. Doses para ensaio (in vivo): 100 µg/kg. Outra espécie em estudo: Morinda citrofolia.

In vitro:

Em células de fibroblastos (3T3) incubadas com extrato vegetal, com posterior análise de citotoxicidade.

 

In vivo:

Em camundongos Swiss infectados com células tumorais de Ehrlich, tratados com os extratos vegetais, com posterior análise do desenvolvimento da ascite e taxa de sobrevivência dos animais.

Observou-se que A. muricata e M. citrofolia não apresentam atividade antitumoral, além de demonstrarem citotoxicidade para a linhagem 3T3.

[ 27 ]
Antitumoral
Folha

Cápsula de 300 mg (fração etanólica): a partir do extrato aquoso, padronizado com 3,6 mg (p/p) de acetogenina.

In vitro:

Em células humanas de câncer de colorretal (DLD-1 e COLO 205) e renal embrionária normal (HEK), incubadas com o soro de pacientes tratados com o fitoterápico em estudo (ensaio clínico), com posterior análise da viabilidade celular (ensaio MTT).

 

Observou-se que a fração etanólica de A. muricata apresenta atividade antitumoral, além da ausência de citotoxicidade para as células HEK.

[ 1 ]
Antitumoral
Folha

Extrato: material vegetal (pó) em etanol a 80%. Frações: hexano, diclorometano e metanol. Concentração para ensaio: 100 mg/mL.

In vivo:

Em camundongos ICR portadores de tumorigênese cutânea induzida por DMBA/TPA, tratados topicamente com as frações vegetais, com posterior análise morfológica tumoral, histopatológica cutânea e bioquímica (TBARS, SOD, CAT e GSH, em homogenato hepático). 

Observou-se que as frações das folhas de A. muricata apresentam atividade antitumoral promissora.

[ 36 ]
Antitumoral
Folha

Extrato:10 g do material vegetal (pó) 200 mL de água. Concentrações para ensaio (in vitro): 0 a 1200 µg/mL. Dose para ensaio (in vivo): 20 mg/20 g de animal.

In vitro:

Em células de câncer de mama (MCF-7, MDA-MB-231 e 4T1) e células normais (MCF-10A), incubadas com extrato vegetal, com posterior análise de viabilidade e proliferação celular (MTT), apoptose (Anexina V/FITC), viabilidade celular/apoptose (ensaio colorimétrico), ciclo celular (citometria de fluxo), migração/invasão celular (Matrigell) e cicatrização de feridas (Microscopia).

 

In vivo:

Em camundongos BALB/c infectados com células de câncer de mama 4T1, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros histopatológicos, ensaios clonogênico pulmonar, imunofenotipagem e proteômico, níveis de óxido nítrico e MDA tumorais.

Observou-se que o extrato de A. muricata apresenta atividade antitumoral, regulando o sistema imunológico e reduzindo a inflamação.

[ 3 ]
Antitumoral
Folha e caule

Cápsula: 500 mg, em DMSO (500 mg/mL). Frações: n-hexano, diclorometano e metanol. Concentrações para ensaio: 1 a 160 µg/mL.

In vitro:

Em células humanas de câncer não melanoma (W-BCC1 e A431) e renais embrionárias normais (NHEK), incubadas com o extrato e frações vegetais, com posterior análise do crescimento, proliferação e viabilidade celular, expressão proteica, apoptose e ciclo celular, ensaios de migração/motilidade celular e clonogênico. 

 

O extrato seco da parte aérea de A. muricata apresenta atividade antitumoral, sendo a fração de diclorometano a mais potente.

[ 8 ]
Antitumoral
Folha

Extrato: 1,5 kg do material vegetal (pó) em etanol a 80%. Rendimento: 10,55%. Concentrações para ensaio: 30, 100 e 300 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos ICR portadores de papilomagênese cutânea induzida por aplicação DMBA (aplicação única) e óleo de cróton (aplicação repetida), pré-tratados com extrato vegetal, com posterior análise morfológica do tumor e histopatológica cutânea.

O extrato de A. muricata apresenta atividade antitumoral, principalmente nas concentrações de 100 e 300 mg/kg.

 

[ 44 ]
Antitumoral
Folha

Extrato: decocção de 10 g do material vegetal (fresco) em 100 mL de água. Nanopartículas de prata: contendo 12 mL extrato vegetal. Concentrações para ensaio: 6 e 180 µg/mL.

In vitro:

Em células humanas de adenocarcinoma pulmonar (A549) e pulmonar embrionária normal (L132) incubadas com o extrato bruto e nanopartículas contendo o extrato vegetal, com posterior análise de citotoxicidade (MTT), apoptose (ensaio colorimétrico), ciclo celular (citometria de fluxo), níveis de espécies reativas de oxigênio e potencial de membrana mitocondrial (fluorescência), expressão de genes e proteínas (RT-PCR e Western blotting).  

 

As nanopartículas de prata contendo extrato vegetal de A. muricata apresentam atividade antitumoral mais potente, por ativação da via apoptótica.

[ 11 ]
Antitumoral

Antiviral

Antiviral
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Caule (casca)

Extrato: 500 g do material vegetal (pó) em 3 L de éter de petróleo, posteriormente, em 2 L de etanol a 95% ou 2 L de água. Concentrações para ensaio: 1 a 2 mg/mL. Outra espécie: Petunia nyctaginiflora.

In vitro:

Em células de rim de macaco (Vero) infectadas por vírus HSV-1 (isolado da ceratite humana), incubadas com os extratos vegetais, com posterior análise do efeito citopático e determinação da concentração inibitória mínima (CIM).

 

O extrato etanólico de A. muricata e o extrato aquoso de P. nyctaginiflora apresentam atividade antiviral relevante.

[ 18 ]
Antiviral

Citoprotetora

Citoprotetora
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Folha

Extrato (1:6): material vegetal (pó) em metanol ou água. Concentrações para ensaio: 12,5 a 100 µg/mL.

In vitro:

Em células hepáticas de humanos (WEL-68) e eritrócitos humanos expostos a toxicidade induzida por arsenito de sódio (NaAsO2), incubados com extrato vegetal, com posterior análise de citotoxicidade (XTT) e inibição da hemólise, respectivamente.

 

Observou-se que o extrato metanólico de A. muricata apresenta atividade citoprotetora, contra o arsênio, mais potente.

[ 21 ]
Citoprotetora

Citotóxica

Citotóxica
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Fruto, Caule, semente e galho

Extrato: material vegetal (pó) em metanol/água (1:1). Concentrações para ensaio: 1 a 1000 µg/mL.

In vitro:

Em células de fibrossarcoma (HT1080) incubadas com os extratos vegetais, com posterior análise da viabilidade celular (ensaio MTT), expressão de MMP-2, MMP-9, RECK e TIMP-2 e ensaios de invasão celular (Transwell e 3D).

 

Os extratos de A. muricata apresentam atividade citotóxica, pois inibem a expressão de MMP-2 e MMP-9, concentração dependente.

[ 2 ]
Citotóxica
Folha

Extrato (1:6): 50 g do material vegetal (pó) em n-butanol. Rendimento: 5,4 g. Concentrações para ensaio: 5 a 400 µg.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante (radical DPPH e redução do íon férrico).

Em células humanas hepáticas normais (WRL-68), de carcinoma de mama (MDA-MB-435S) e queratinócitos imortalizados (HaCaT) incubados com extrato vegetal, com posterior análise de viabilidade celular (ensaio XTT).

 

O extrato de A. muricata apresenta atividade citotóxica, com CI50 = 52,4, 30,1 e 29,2 µg, para as células WRL-68, HaCaT e MDA-MB-435S, respectivamente.

[ 17 ]
Citotóxica

Gastroprotetora

Gastroprotetora
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Folha

Extrato: maceração de 1981 g do material vegetal (pó) em acetato de etila. Rendimento: 4,1%. Doses para ensaio: 200 e 400 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley portadores de lesões gástricas induzidas por etanol, pré-tratados com o extrato vegetal, com posterior análise parâmetros macroscópicos e histopatológicos, do muco e acidez do suco gástrico, atividade enzimática do tecido gástrico e expressão de Bax e Hsp70 (imuno-histoquímica).

O extrato de A. muricata apresenta atividade gastroprotetora, principalmente na dose de 400 mg/kg, devido a redução do estresse oxidativo e ação conservadora do muco gástrico.

[ 43 ]
Gastroprotetora

Hepatoprotetora e Hipoglicemiante

Hepatoprotetora e Hipoglicemiante
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Raiz

Extrato. Dose para ensaio: 100 mg/kg. Outra espécie em estudo: Zingiber officinale.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de diabetes induzido por estreptozotocina, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (níveis insulina, hemoglobina glicada, resistência à insulina, proteínas totais e enzimas antioxidantes, marcadores da função hepática e inflamatórios), expressão genética (INSR e GLUT2) e histopatológicos hepáticos.

Os extratos de A. muricata e Z. officinale apresentam atividade hipoglicemiante e hepatoprotetora, devido as ações antioxidante e moduladora de proteínas apoptóticas hepáticas.

[ 25 ]
Hepatoprotetora e Hipoglicemiante

Hipotensora

Hipotensora
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Folha

Extrato: maceração do material vegetal (pó) em água. Rendimento: 9,10 g. Concentrações para ensaio (in vivo): 0,5 a 4,0 mg/mL. Doses para ensaio (in vivo): 9,17 a 48,5 mg/kg.

In vitro:

Em anéis aórticos de ratos com ou sem endotélio, incubados com o extrato vegetal, fenilefrina, acetilcolina e cálcio, com posterior análise da contração muscular.

 

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley normotensos tratados com extrato vegetal, atropina, propranolol, mepiramina e L- NAME, com posterior análise de medições de pressão arterial e frequência cardíaca.

O extrato aquoso das folhas de A. muricata apresenta atividade hipotensora, provavelmente por mecanismos periféricos através do bloqueio de canais de cálcio.

[ 45 ]
Hipotensora

Inotrópica positiva

Inotrópica positiva
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Folha

Extrato: maceração do material vegetal (seco) em água. Rendimento: 15 a 20 g. Concentrações para ensaio: 0,001 a 1 mg/mL. Outras espécies em estudo: Abelmoschus esculentus, Bixa orellana, Psidium guajava e Terminalia catappa.

In vitro:

Em átrios isolados de porquinhos-da-Índia portadores de lesões induzidas por isquemia-reperfusão, incubados com os extratos vegetais, com posterior análise de contratilidade e frequência de batimentos/min.

 

Os extratos de A. muricata e B. orellana apresentam atividade inotrópica positiva, em miocárdios após a lesão de reperfusão isquêmica.

[ 42 ]
Inotrópica positiva

Permeabilidade cutânea

Permeabilidade cutânea
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Fruto

Extrato: 100 g do material vegetal em 500 mL de acetona a 70%. Gel de carbopol a 2%: contendo 4% do extrato vegetal e 8% de óleo de cravo (com ou sem).

In vitro:

Em pele de coelho incubada com o fitoterápico na presença de ácido ascórbico, com posterior análise da permeabilidade cutânea (Célula de difusão de Franz).

 

O gel contendo o extrato de A. muricata e óleo de cravo melhora a permeabilidade cutânea do ácido ascórbico.

[ 5 ]
Permeabilidade cutânea

Toxicidade aguda

Toxicidade aguda
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Folha

Extrato: maceração de 1981 g do material vegetal (pó) em acetato de etila. Rendimento: 4,1%. Doses para ensaio: 1 e 2 g/kg.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley submetidos ao teste de toxicidade aguda para avaliar a dose letal média (DL50).

Observou-se que o extrato de A. muricata não apresenta sinais de toxicidade, com DL50 superior a 2 g/kg.

[ 43 ]
Toxicidade aguda
Ensaio Toxicológico

Genotoxicidade e Toxicidade crônica

Genotoxicidade e Toxicidade crônica
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Folha

Extrato etanólico a 70% (80:10:10): associação de Cordia lutea, Curcuma longa e Annona muricata. Rendimento: 12,96 g. Concentrações para ensaio (in vitro): 0 a 5000 µg/mL. Doses para ensaio (in vivo): 125, 500 e 2000 mg/kg.

In vitro:

Em cepas de Salmonella typhimurium (teste Ames) para determinar a mutagenicidade do fitoterápico.

 

In vivo:

Em ratas tratadas com o fitoterápico, com posterior análise da toxicidade oral crônica e genotoxicidade (teste do micronúcleo).

O fitoterápico contendo a associação de C. lutea, C. longa e A. muricata não apresenta sinais de toxicidade nas dosagens indicadas.

[ 41 ]
Genotoxicidade e Toxicidade crônica

Interação medicamentosa

Interação medicamentosa
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
-

Extrato hidroalcoólico: contendo 10% da tintura-mãe. Dose para ensaio: 25 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar tratados com extrato vegetal, submetidos a administração de radiofármacos (99mTc-DMSA e 99mTc-fitato de sódio), com posterior análise da biodistribuição dos radiofármacos, parâmetros bioquímicos (ALT, LDH, AST, CT, LDL, HDL, TG, glicose, creatinina, proteínas totaise, albumina e globulina) e histológicos.

Observou-se que o extrato de A. muricata reduz a captação 99mTc-DMSA nos tecidos da bexiga, rins e sangue, contudo não demonstra hepatotoxicidade.

[ 38 ]
Interação medicamentosa

Neurotoxicidade

Neurotoxicidade
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Fruto

Suco: diluído em água (1:4). Dose para ensaio: 20% durante 12 meses.

In vivo:

Em camundongos portadores do gene que super expressa a proteína tau sem ou com mutação (R406W) e em camundongos não transgênicos, tratados cronicamente com suco da fruta de graviola, com posterior análise da expressão de proteínas, esterológica e densidade sináptica no tecido cerebral.

O uso prolongado do suco do fruto de A. muricata apresenta neurotoxicidade, devido ao aumento da proteína tau fosforilada (tautopatia).

[ 10 ]
Neurotoxicidade
Fruto (polpa) In vitro:

Em cultura de células mesencefálicas humanas (LUHMES) incubadas com extratos vegetais, com posterior análise de viabilidade celular (MTT) e morte celular (LDH).

 

Os extratos vegetais apresentam neurotoxicidade, especialmente A. muricata, a partir da concentração de 1 µg/mL.

[ 22 ]
Neurotoxicidade

Toxicidade aguda

Toxicidade aguda
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Fruto (pericapo)

Suco: 1500 g do material vegetal (fresco) sem sementes. Rendimento: 23,50%. Doses para ensaio: 250 a 4000 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley submetidos ao teste de toxicidade aguda.

O suco do fruto de A. muricata não apresenta toxicidade até a dose de 4000 mg/kg.

[ 31 ]
Toxicidade aguda
Folha

Extrato: maceração 600 g do material vegetal (pó) em 2,5 L de etanol. Rendimento: 36,40 g. Doses para ensaio: 0,5 a 3 g/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar e camundongos Swiss submetidos ao teste de toxicidade aguda.

Observou-se que o extrato de A. muricata apresenta toxicidade, com DL50 = 0,5 g/kg.

[ 34 ]
Toxicidade aguda
Folha

Extrato: 1 kg do material vegetal (pó) em 3 L de água. Dose para ensaio: 2000 mg/kg.

In vivo:

Em ratas Wistar (Rattus norvegicus) submetidas ao teste de toxicidade aguda.

Observou-se que o extrato de A. muricata não apresenta sinais de toxicidade na dose analisada.

[ 37 ]
Toxicidade aguda

Toxicidade aguda e subaguda

Toxicidade aguda e subaguda
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Folha

Extrato: 1 kg do material vegetal (pó) em 3 L de água. Rendimento: 5%. Doses para ensaio: 200 a 5000 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar submetidos aos testes de toxicidade aguda e subaguda.

Observou-se que o extrato de A. muricata não apresenta toxicidade até a dose de 5000 mg/kg.

[ 28 ]
Toxicidade aguda e subaguda

Referências bibliográficas

1 - INDRAWATI, L. et al. The effect of an Annona muricata leaf extract on nutritional status and cytotoxicity in colorectal cancer: a randomized controlled trial. Asia Pac J Clin Nutr, v. 26, n. 4, p.606-612, 2017. doi: 10.6133/apjcn.062016.02
2 - DRISHYA, G. et al. RECK and TIMP-2 mediate inhibition of MMP-2 and MMP-9 by Annona muricata. J Biosci, v. 45, p.89, 2020.
3 - NAJMUDDIN, S. U. F. S. et al. Anti-cancer effect of Annona muricata Linn leaves crude extract (AMCE) on breast cancer cell line. BMC Complement Altern Med, v. 16, n. 1, p.1-20, 2016. doi: 10.1186/s12906-016-1290-y
4 - PRASAD, S. K. et al. Phytochemical fractions from Annona muricata seeds and fruit pulp inhibited the growth of breast cancer cells through cell cycle arrest at G 0/G 1 phase. J Cancer Res Ther, v. 16, n. 6, p.1235-1249, 2020. doi: 10.4103/jcrt.JCRT_494_19
5 - MEER, S.; AKHTAR, N. Annona muricata extract containing pharmaceutical emulgels with and without penetration enhancer for depigmenting and antierythmic effects. Pak J Pharm Sci, v. 31, n. 6 Suppl, p.2683-2688, 2018.
6 - MATHEW, J. et al. Antibacterial activity of leaf extract of Annona muricata and Simarouba glauca on Enterococcus faecalis. J Contemp Dent Pract, v. 17, n. 8, p.650-653, 2016. doi: 10.5005/jp-journals-10024-1906
7 - PIEME, C. A. et al. Antiproliferative activity and induction of apoptosis by Annona muricata (Annonaceae) extract on human cancer cells. BMC Complement Altern Med, v. 14, p.1-10, 2014. doi: 10.1186/1472-6882-14-516
8 - CHAMCHEU, J. C. et al. Graviola (Annona muricata) exerts anti-proliferative, anti-clonogenic and pro-apoptotic effects in human non-melanoma skin cancer UW-BCC1 and A431 cells in vitro: involvement of hedgehog signaling. Int J Mol Sc, v. 19, n. 6, p.1791, 2018. doi: 10.3390/ijms19061791
9 - MOGHADAMTOUSI, S. Z. et al. Annona muricata leaves induced apoptosis in A549 cells through mitochondrial-mediated pathway and involvement of NF-κB. BMC Complement Altern Med, v. 14, p.1-13, 2014. doi: 10.1186/1472-6882-14-299
10 - ROTTSCHOLL, R. et al. Chronic consumption of Annona muricata juice triggers and aggravates cerebral tau phosphorylation in wild-type and MAPT transgenic mice. J Neurochem. 2016 Nov;139(4):624-639. doi: 10.1111/jnc.13835
11 - MEENAKSHISUNDARAM, S. et al. Annona muricata assisted biogenic synthesis of silver nanoparticles regulates cell cycle arrest in NSCLC cell lines. Bioorg Chem, p.1-34, 2020. doi: 10.1016/j.bioorg.2019.103451
12 - MOGHADAMTOUSI, S. Z. et al. Annona muricata leaves induce G₁ cell cycle arrest and apoptosis through mitochondria-mediated pathway in human HCT-116 and HT-29 colon cancer cells. J Ethnopharmacol, v. 156, p.277-289, 2014. doi: 10.1016/j.jep.2014.08.011
13 - ASARE, G. A. et al. Antiproliferative activity of aqueous leaf extract of Annona muricata L. on the prostate, BPH-1 cells, and some target genes. Integr Cancer Ther, v. 14, n. 1, p.65-74, 2015. doi: 10.1177/1534735414550198
14 - LEE, J. H.; PARK, J. S. Antibacterial effect of traditional food ingredients for healthcare on Helicobacter pylori. Technol Health Care, v. 27, n. 5, p.509-518, 2019. doi: 10.3233/THC-191735
15 - JARAMILLO, M. C. et al. Cytotoxicity and antileishmanial activity of Annona muricata pericarp. Fitoterapia, v. 71, n. 2, p.183-186, 2000. doi: 10.1016/s0367- 326x(99)00138-0
16 - LEESOMBUN, A. et al. Ethanol extracts from Thai plants have anti-plasmodium and anti-toxoplasma activities in vitro. Acta Parasitol, v. 64, n. 2, p.257-261, 2019. doi: 10.2478/s11686-019-00036-w
17 - GEORGE, V. C. et al. Quantitative assessment of the relative antineoplastic potential of the n-butanolic leaf extract of Annona muricata Linn. in normal and immortalized human cell lines. Asian Pac J Cancer Prev, v. 13, n. 2, p.699-704, 2012. doi: 10.7314/apjcp.2012.13.2.699
18 - PADMA, P. et al. Effect of the extract of Annona muricata and Petunia nyctaginiflora on Herpes simplex vírus. J Ethnopharmacol, v. 61, n. 1, p.81-83, 1998. doi: 10.1016/s0378-8741(98)00013-0
19 - DAKKIOUAISSA, D. et al. Antiproliferative activity of ionic liquid-graviola fruit extract against human breast cancer (MCF-7) cell lines using flow cytometry techniques. J Ethnopharmacol, v. 236, p.466-473, 2019. doi: 10.1016/j.jep.2019.03.003
20 - LIU, N. et al. Functional proteomic analysis revels that the ethanol extract of Annona muricata L. induces liver cancer cell apoptosis through endoplasmic reticulum stress pathway. J Ethnopharmacol, v. 189, p.210-217, 2016. doi: 10.1016/j.jep.2016.05.045
21 - GEORGE, V. C. et al. In vitro protective potentials of Annona muricata leaf extracts against sodium arsenite-induced toxicity. Curr Drug Discov Technol, v. 12, n. 1, p.59-63, 2015. doi:10.2174/1570163812666150602144154
22 - HÖLLERHAGE, M. et al. Neurotoxicity of dietary supplements from Annonaceae species. Int J Toxicol, v. 34, n. 6, p.543-350, 2015. doi: 10.1177 / 1091581815602252
23 - DE MELO, J. G. et al. Antiproliferative activity, antioxidant capacity and tannin content in plants of semi-arid Northeastern Brazil. Molecules, v. 15, n. 12, p.8534-8542, 2010. doi: 10.3390/molecules15128534
24 - TORRES, M. P. et al. Graviola: a novel promising natural-derived drug that inhibits tumorigenicity and metastasis of pancreatic cancer cells in vitro and in vivo through altering cell metabolismo. Cancer Lett, v. 323, n. 1, p.29-40, 2012. doi: 10.1016/j.canlet.2012.03.031
25 - SYAAD, K. M. A. et al. Effect of graviola (Annona muricata l.) and ginger (Zingiber officinale Roscoe) on Diabetes Mellitus induced in male Wistar albino rats. Folia Biol (Praha), v. 65, n. 5-6, p.275-284, 2019. 
26 - ALSENOSY, A. W. A. et al. Graviola (Annona muricata) attenuates behavioural alterations and testicular oxidative stress induced by streptozotocin in diabetic rats. PLoS One, v. 14, n. 9, p.1-18, 2019. doi:10.1371/journal.pone.0222410
27 - TORRES, C. S. et al. Effect of Morinda citrifolia and Annona muricata on Erhlich tumor cells in Swiss albino mice and in vitro fibroblast cells. J Med Food, v. 22, n. 1, p.46-51, 2019. doi: 10.1089/jmf.2018.0061
28 - FLORENCE, N. T. et al. Antidiabetic and antioxidant effects of Annona muricata (Annonaceae), aqueous extract on streptozotocin-induced diabetic rats. J Ethnopharmacol, v. 151, n. 2, p.784-790, 2014. doi: 10.1016/j.jep.2013.09.021
29 - JUSTINO, A. B. et al. Annona muricata Linn. leaf as a source of antioxidant compounds with in vitro antidiabetic and inhibitory potential against α-amylase, α-glucosidase, lipase, non-enzymatic glycation and lipid peroxidation. Biomed Pharmacother, v. 100, p.83-92, 2018. doi: 10.1016/j.biopha.2018.01.172
30 - MOGHADAMTOUSI, S. Z. et al. Annona muricata leaves accelerate wound healing in rats via involvement of Hsp70 and antioxidant defence. Int J Surg, v. 18, p.110-117, 2015. doi: 10.1016/j.ijsu.2015.03.026
31 - ISHOLA, I. O. et al. Mechanisms of analgesic and anti-inflammatory properties of Annona muricata Linn. (Annonaceae) fruit extract in rodents. J Med Food, v. 17, n. 12, p.1375-1382, 2014. doi: 10.1089/jmf.2013.0088
32 - OLIVEIRA, A. P. et al. Exploratory studies on the in vitro anti-inflammatory potential of two herbal teas (Annona muricata L. and Jasminum grandiflorum L.), and relation with their phenolic composition. Chem Biodivers, v. 14, n. 6, p.1-16, 2017. doi: 10.1002/cbdv.201700002
33 - DÉCIGA-CAMPOS, M. et al. Antinociceptive and antihyperalgesic activity of a Traditional Maya Herbal Preparation composed of Pouteria campechiana, Chrysophyllum cainito, Citrus limonum, and Annona muricata. Drug Dev Res, v. 78, n. 2, p.91-97, 2017. doi: 10.1002/ddr.21378
34 - DE SOUZA, O. V. et al. Antinociceptive and anti-inflammatory activities of the ethanol extract of Annona muricata L. leaves in animal models. Int J Mol Sci, v. 11, n. 5, p.2067-2078, 2010. doi: 10.3390/ijms1105206
35 - OLA-DAVIES, O. E. et al. Ameliorative effects of Annona muricata Linn. (Annonaceae) against potassium dichromate-induced hypertension in vivo: involvement of Kim-1/p38 MAPK/Nrf2 signaling. J Basic Clin Physiol Pharmacol, v. 30, n. 4, p.1-21, 2019. doi: 10.1515/jbcpp-2018-0172
36 - RODUAN, M. R. M. et al. Annona muricata leaves extracts prevent DMBA/TPA-induced skin tumorigenesis via modulating antioxidants enzymes system in ICR mice. Biomed Pharmacother, v. 94, p.481-488, 2017. doi: 10.1016/j.biopha.2017.07.133
37 - SASSO, S. et al. Use of an extract of Annona muricata Linn to prevent high-fat diet induced metabolic disorders in C57BL/6 mice. Nutrients, v. 11, n. 7, p.1-22, 2019. doi: 10.3390/nu11071509
38 - HOLANDA, C. M. C. X. et al. Influence of Annona muricata (soursop) on biodistribution of radiopharmaceuticals in rats. Acta Cir Bras, v. 29, n. 3, p.145-50, 2014. doi: 10.1590/S0102-86502014000300001
39 - ADEYEMI, D. O. et al. Histomorphological and morphometric studies of the pancreatic islet cells of diabetic rats treated with extracts of Annona muricata. Folia Morphol (Warsz), v. 69, n. 2, p.92-100, 2010.
40 - ADARAMOYE, O. A. et al. Hexane fraction of Annona muricata (Sour sop) seed ameliorates testosterone-induced benign prostatic hyperplasia in rats. Biomed Pharmacothe, v. 111, p.403-413, 2019. doi:10.1016/j.biopha.2018.12.038
41 - SEMPLE, H. A. et al. Toxicology of a Peruvian botanical remedy to support healthy liver function. J Complement Integr Med, v. 13, n. 2, p.163-173, 2016. doi: 10.1515/jcim-2015-0054
42 - BIPAT, R. et al. Beneficial effect of medicinal plants on the contractility of post-hypoxic isolated guinea pig atria - potential implications for the treatment of ischemic-reperfusion injury. Pharm Biol, v. 54, n. 8, p.1483-1489. doi: 10.3109/13880209.2015.1107103
43 - MOGHADAMTOUSI, S. Z. et al. Gastroprotective activity of Annona muricata leaves against ethanol-induced gastric injury in rats via Hsp70/Bax involvement. Drug Des Devel Ther, v. 8, p.2099-2110, 2014. doi: 10.2147/DDDT.S70096
44 - HAMIZAH, S. et al. Chemopreventive potential of Annona muricata L leaves on chemically-induced skin papillomagenesis in mice. Asian Pac J Cancer Prev, v. 13, n. 6, p.2533-2539, 2012. doi: 10.7314/apjcp.2012.13.6.2533
45 - NWOKOCHA, C. R. et al. Possible mechanisms of action of the hypotensive effect of Annona muricata (soursop) in normotensive Sprague-Dawley rats. Pharm Biol, v. 50, n. 11, p.1436-1441, 2012. doi: 10.3109/13880209.2012.684690
46 - ZAMUDIO-CUEVAS, Y. et al. The antioxidant activity of soursop decreases the expression of a member of the NADPH oxidase Family. Food Funct, v. 5, n. 2, p.303-309, 2014. doi: 10.1039/c3fo60135h
47 - RAZAK, M. R. M. A. et al. Effect of selected local medicinal plants on the asexual blood stage of chloroquine resistant Plasmodium falciparum. BMC Complement Altern Med, v. 14, p.1-13, 2014. doi: 10.1186/1472-6882-14-492 
48 - BASKAR, R. et al. In vitro antioxidant studies in leaves of Annona species. Indian J Exp Biol, v. 45, n. 5, p.480-485, 2007. 

Farmácia da Natureza
[ 1 ]

Fórmula

Tintura

Alcoolatura

Componente

Quantidade

Componente

Quantidade*

Etanol/água 70%

1000 mL

Etanol/água 80%

1000 mL

Entrecasca seca

100 g

Entrecasca fresca

200 g

* Após a filtragem ajustar o teor alcoólico da alcoolatura para 70%, com adição de etanol 98%, se necessário.
Modo de Preparo

Tintura: pesar 100 g de entrecasca seca pulverizada e colocar em frasco de vidro âmbar; em seguida adicionar 1000 mL de etanol a 70%, tampar bem o frasco e deixar a planta em maceração por 7 dias, agitando o frasco diariamente. Após esse período, filtrar em papel de filtro e envasar em frasco de vidro âmbar.

Alcoolatura: pesar 200 g de entrecasca fresca, lavar, picar e colocar em frasco de vidro âmbar; em seguida adicionar 1000 mL de etanol a 80%, tampar bem o frasco e deixar a planta em maceração por 7 dias, agitando o frasco diariamente. Após esse período, filtrar em papel de filtro e envasar em frasco de vidro âmbar.

Principais indicações

Herpes simples.

Posologia

Uso oral: tomar de 1 a 3 gotas por quilo de peso divididas em 3 vezes ao dia, sempre diluídas em água (cerca de 50 mL ou meio copo).

Referências bibliográficas

1 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 3 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 47-48.

Dados Químicos
[ 1 , 2 , 3 , 4 , 5 , 6 , 7 , 8 , 9 , 10 , 11 ]
Marcador:
Principais substâncias:

Acetogeninas

muricatetrocina, longifolicina, corossolina, corossolona, anonacina, annonaciona, annomuricina, muricoreacina, murihexocinase, muricatocina e annohexocina, annomontacina, murisolina, xilomaticina, anocatalina, annocatacina, neoanonina, desacetiluvaricina, bullatacina, asimicina, annoglaucina, squamocina, rollimusina, muricina, annopentocina, annonacina, goniothalamicina, arianacina, javoricina, gigantetrocina, gigantetronenina, muricatenol e gigantetrocinona.

Ácidos

cítrico, málico e hidrocinâmico.

Ácidos graxos

palmítico, oleico, linoléico, linolênico, lignocérico e esteárico.

Alcaloides

annonamina, anomonicina, anomurina, annonaina, anoniina, aterospermina, aterosperminina, estelarina, coclaurina, coreximina, reticulina, tiramina, muricinina, argentinina, xilopina, nornuciferina, asimilobina e tetrahidroisoquinolínico higenamina.

Amidas

N-p-coumaroil-tiramina.

Aminoácidos

ácido γ-aminobutírico e prolina.

Carboidratos

glicose, frutose, xilose, sacarose, galactose e glactomanana.

Compostos fenólicos

leucoantocianina, ácido cafeico, p-cumárico e ácido clorogênico.

Cumarinas

Fitosteróis

sitosterol, estigmasterol, arronol e ipuranol.

Flavonoides

quercetina e epicatequina.

Lactonas

annocatalina, annomonicina, annomuricatina, annonacinona, cohibina, corepoxilona, coronina, donhexocina, epomuricenina, montanacina, montecristina, muracina, muricapentocina, muricatalicina, muricatina, murihexol, murina, muricatacina, reticulatacina, robustocina, rolina, rolliniastatina, sabadelina, solamina e uvariamicina.

Minerais

cálcio, fósforo, ferro, sódio, potássio, zinco e magnésio.

Óleos essenciais

β-cariofileno, γ-cadieno, α-elemeno e α-copaeno.

Óleos fixos

Saponinas

Taninos

Vitaminas

A, B e C.

Referências bibliográficas

1 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 1. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 90.
2 - GUPTA, M. P. (Ed.). 270 Plantas medicinales ibero-americanas. Bogotá: Programa Iberoamericano de Ciencia y Tecnología, Cyted, Convenio Andres Bello, 1995. p. 27.
3 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 67-38.
4 - GERMOSÉN-ROBINEAU, L. (Ed.). Hacia una farmacopea caribeña. Tramil 7 edición. Santo Domingo, República Dominicana: Enda-Caribe, UAG & Universidad de Antioquia, 1995, p. 53-54.
5 - NUGRAHA, A. S. et al. Alkaloids from the root of Indonesian Annona muricata L. Nat Prod Res, v. 35, n. 3, p.481-489, 2021. doi: 10.1080/14786419.2019.1638380
6 - JARAMILLO, M. C. et al. Cytotoxicity and antileishmanial activity of Annona muricata pericarp. Fitoterapia, v. 71, n. 2, p.183-186, 2000. doi: 10.1016/s0367- 326x(99)00138-0
7 - KIM, G. S. et al. Muricoreacin and murihexocin C, mono-tetrahydrofuran acetogenins, from the leaves of Annona muricata. Phytochemistry, v. 49, n. 2, p.565-571, 1998. doi: 10.1016/s0031-9422(98)00172-1
8 - WU, F. E. et al. New bioactive monotetrahydrofuran Annonaceous acetogenins, annomuricin C and muricatocin C, from the leaves of Annona muricata. J Nat Prod, v. 58, n. 6, p.909-915, 1995. doi: 10.1021/np50120a014
9 - LIAW, C. C. et al. New cytotoxic monotetrahydrofuran annonaceous acetogenins from Annona muricata. J Nat Prod, v. 65, n. 4, p.470-475, 2020. doi: 10.1021/np0105578
10 - CHANG, F. R. et al. New adjacent bis-tetrahydrofuran annonaceous acetogenins from Annona muricata. Planta Med, v. 69, n. 3, p.241-246, 2003. doi: 10.1055/s-2003-38485
11 - CHANG, F. R.; WU, Y. C. Novel cytotoxic annonaceous acetogenins from Annona muricata. J Nat Prod, v. 64, n. 7, p.925-931, 2001. doi: 10.1021/np010035s

Propagação: 

a propagação é realizada por sementes, estaquia ou enxertia. A mudas devem ser produzidas em viveiros a meia sombra. A emergência das plântulas ocorre e 20 a 30 dias após a semeadura. O plantio no campo deve ser realizado após 18 meses, a partir da semeadura, com espaçamento de 6x4 m. Prefere solos férteis, com boa drenagem, profundos, com pH entre 6,0 e 6,5. Não tolera geadas e vegeta muito bem em altitudes até 1200 m [ 1 ] .

Tratos culturais & manejo: 

quando as mudas atingirem 60 cm em altura, poderão ter o broto terminal cortado para maior ramificação [ 1 ] .

Problemas & Soluções: 

esta espécie apresenta protogenia, ou seja, a maturação dos órgãos femininos e masculinos não ocorrem simultaneamente, assim para obter maior produtividade dos frutos recomenda-se a polinização manual. O florescimento ocorre de outubro a abril, e temperaturas inferiores a 12°C provocam o abortamento das flores. Em regiões tropicais a gravioleira pode produzir flores e frutos o ano todo [ 1 ] .

Referências bibliográficas

1 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 1. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 89-90.