Cocos nucifera L.

Coco da Bahia, coqueiro-comum e côco-da-bahia.

Família 
Informações gerais 

Originária da costa oriental da América do Sul. No Brasil ocorre principalmente na costa Atlântica do Nordeste, de forma silvestre ou cultivada. Suas principais indicações são: antiviral, antibacteriana, vermífuga, imunoestimulante, antioxidante, anti-inflamatória e laxante [1,2,3,4,5].

Referências informações gerais
1 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 1. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 244-248.
2 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 2 ed. São Paulo: Bertolucci, 2014, p. 81-83.
3 - WEDLER, E. Atlas de las plantas medicinales silvestres y cultivadas em la zona tropical. 2 ed. Colômbia: Todográficas Ltda, 2017, p. 170-171.
4 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 97-98.
5 - PEREIRA, A. M. S. (Org.). Formulário de Preparação Extemporânea: Farmácia da Natureza – Chás Medicinais. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2017, p. 54-56.
Descrição da espécie 

Palmeira com caule sem ramificação e anelado, podendo atingir até 30 m de altura e 20 por 40 cm de diâmetro; folhas grandes, pinadas, verticiladas, com cerca de 2 a 5 m de comprimento; inflorescência formada por um cacho de flores pequenas e de cor branca, as masculinas localizam na parte superior, e as femininas nas ramificações inferiores, protegida por uma espata lenhosa em forma de canoa virada; fruto drupáceo, ovoide ou elipsoide, de até 30 cm de diâmetro, com 5 camadas distintas, por fora o epicarpo, uma casca lisa, brilhante e impermeável a água, seguida do mesocarpo fibroso de 2 a 4 cm de espessura, a próxima camada é o endocarpo, lenhoso e duro, que recobre a semente, mais internamente está o endosperma sólido, uma camada carnuda, saborosa, de cor branca, a última camada é o endosperma líquido, conhecido com água de coco, de cor clara, levemente adocicada no fruto verde e um pouco ácida no fruto maduro, muito apreciada por sua ação refrescante e remineralizante[1,2,3].

Referências descrição da espécie
1 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 1. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 244-245.
2 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 97.
3 - MATOS, F. J. A. O formulário fitoterápico do professor Dias da Rocha: Informações sobre o emprego na medicina caseira, de plantas do Nordeste, especialmente do Ceará. 2 ed. Fortaleza: EUFC, 1997, p. 114.
Nome popular Local Parte da planta Indicação Modo de preparo Forma de uso Restrição de uso Referências
Coco-da-Bahia, coqueiro e coqueiro-da-praia Brasil -

Energético e no tratamento da prisão de ventre.

Óleo.

Tomar 2 colheres (de sopa), 2 a 3 vezes ao dia.

-

[ 1 ]
Coco-da-Bahia, coqueiro e coqueiro-da-praia Brasil Fruto (água)

diurética, reidratante (diarreia), útil nos casos de pessoas doentes e convalescentes.

-

Tomar 1 copo 4 vezes ao dia, ou mais.

-

[ 1 ]
Coco-da-Bahia, coqueiro e coqueiro-da-praia Brasil Fruto

Anti-helmíntico contra oxiúros.

Leite de coco.

-

-

[ 1 ]
Coqueiro Ceará (Brasil) Fruto verde (água)

Refrescante, diurético e no tratamento de icterícia essencial.

-

Uso oral.

-

[ 2 ]
Coco e kokospalme Colômbia (Zona Tropical) Fruto

No tratamento de Alzheimer, asma, bronquite, Tosse, disenteria, dor de ouvido, Febre, gonorreia, menstruação desregulada, cálculos renais, náusea, infecções cutâneas, sífilis, dor de dente, tuberculose, tumores, úlceras e feridas.

Óleo.

-

-

[ 3 ]
Coco e kokospalme Colômbia (Zona Tropical) Fruto (castanha)

antiviral, Antibacteriana, Antiparasitária, tônica, digestiva, Antioxidante, Imunoestimulante, antitumoral, anti-hemorroidária, gastroprotetora, Hepatoprotetora, litolítica, fortalece os dentes e auxilia na prevenção da osteoporose e infartos.

-

-

-

[ 3 ]
Yubi Manipur (nordeste da Índia) -

Problemas estomacais, urinários, respiratórios (amigdalite, sinusite, rinite e congestão nasal), cutâneos (câncer, queimaduras, feridas, micoses, cortes, rachaduras e lepra), osteomalite e tonturas.

-

-

-

[ 4 ]
Coco México Fruto (epicarpo)

Antiparasitária e antidisentérica.

-

-

-

[ 5 ]
Ehi Ilhas Marquesas Fruto

Usado como excipiente para preparações farmacológicas.

-

-

-

[ 6 ]
Lubi Tribo indígena Ati Negrito na Ilha Guimaras (Filipinas) Flor e fruto

Nos casos de alergias, queimaduras, cortes e feridas, fraturas, luxações, entorses, envenenamento, picadas de insetos e animais.

Na forma de infusão, ou processar em vinagre ou óleo e aplicar como pomada.

Uso externo.

-

[ 7 ]
Maganda ya nazi Bagamoyo (Tanzânia) Fruto

Repelente de insetos e carrapatos.

Óleo.

-

-

[ 8 ]
Fluy Ilha de Batan (Filipinas) Fruto (água)

Doenças do aparelho geniturinário (cistite, dificuldade de urinar).

-

Tomar a água fresca (in natura).

-

[ 9 ]
- Chandauli (Uttar Pradesh, Índia) Fruto

No tratamento da caspa.

Associar com folhas de Eclipta alba e sementes de Foeniculum vulgare, e cozinhar no óleo de coco.

Aplicar o preparado na cabeça diariamente, pela manhã/7 dias.

-

[ 10 ]
Coconut Trinidad e Tobago Raiz

Litolítica.

-

-

-

[ 11 ]
Coconut Trinidad e Tobago Flor e fruto

Antidiabética.

-

-

-

[ 11 ]
Coco Cuba Oriental Raiz

No tratamento de afecções renais.

Decocção: associar com Bambusa vulgaris (raiz).

Uso oral.

-

[ 12 ]
Coco Cuba Oriental Flor e raiz

Bactericida.

Decocção: associar com Lepidium virginicum (parte aérea).

Uso oral.

-

[ 12 ]
Coco Cuba Oriental Fruto

Antiasmática.

uco ou maceração: associar com Cittrus aurantifolia (fruto) ou Protium cubense (raiz).

Uso oral.

-

[ 12 ]
Coco Cuba Oriental Fruto

Fleumagoga.

Suco: associar com Solanum torvum (folha).

Uso oral.

-

[ 12 ]
Coco Cuba Oriental Fruto

Antiparasitária.

Decocção ou suco: associar com Brachiaria mutica (raiz), Chenopodium ambrosioides (folha ou parte aérea), Momordica charantia (parte aérea), Citrus aurantifolia (folha), Bromelia pinguin (fruto) ou Portulaca oleracea (parte aérea).

Uso oral.

-

[ 12 ]
Coco Cuba Oriental Raiz

No tratamento de doenças venéreas e corrimento vaginal.

Decocção: associar com Chiococca alba (raiz), Roystonea regia (raiz), Swietenia mahagoni (casca).

Uso oral.

-

[ 12 ]
Coco Cuba Oriental Raiz

No tratamento de corrimento vaginal.

Decocção: associar com Chiococca alba (raiz), Roystonea regia (raiz), Swietenia mahagoni (casca), Bambusa vulgaris (raiz), Rheum spp. (raiz), Smilax domingenis (rizoma), Amaranthus crassipes (raiz), Carica papaya (raiz), Erythroxylum havanense (raiz) ou Roystonea regia (raiz).

Uso oral.

-

[ 12 ]
Coco Cuba Oriental Fruto

Anti-hemorroidária.

Decocção: associar com Senna occidentalis (raiz).

Uso oral.

-

[ 12 ]
Coco Cuba Oriental Raiz

No tratamento da pneumonia.

Decocção: associar com Aloe vera (folha), Cleome gynandra (raiz), Colubrina elliptica (haste), Chioococca alba (raiz), Erythroxylum havanense (raiz), Roystonea regia (raiz) ou Swietenia mahagoni (casca).

Uso oral.

-

[ 12 ]
Coco Cuba Oriental Fruto

Anti-helmíntica.

-

 

Uso oral.

-

[ 12 ]

Referências bibliográficas

1 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 97-98.
2 - MATOS, F. J. A. O formulário fitoterápico do professor Dias da Rocha: Informações sobre o emprego na medicina caseira, de plantas do Nordeste, especialmente do Ceará. 2 ed. Fortaleza: EUFC, 1997, p. 114.
3 - WEDLER, E. Atlas de las plantas medicinales silvestres y cultivadas em la zona tropical. 2 ed. Colômbia: Todográficas Ltda, 2017, p. 170-171.
4 - DEB, L. et al. Past, present and perspectives of Manipur traditional medicine: A major health care system available for rural population in the North-East India. J Ethnopharmacol, v. 169, p.387-400, 2015. doi: 10.1016/j.jep.2014.12.074 
5 - ALANÍS, A. D. et al. Antibacterial properties of some plants used in Mexican traditional medicine for the treatment of gastrointestinal disorders. J Ethnopharmacol, v. 100, n. 1-2, p.153-157, 2005. doi: 10.1016/j.jep.2005.02.022
6 - GIRARDI, C. et al. Herbal medicine in the Marquesas Islands. J Ethnopharmacol, v. 161, p.200-213, 2015. doi: 10.1016/j.jep.2014.09.045
7 - ONG, H. G.; KIM, Y. D. et al. Quantitative ethnobotanical study of the medicinal plants used by the Ati Negrito indigenous group in Guimaras island, Philippines. J Ethnopharmacol, v. 157, p.228-242, 2014. doi: 10.1016/j.jep.2014.09.015
8 - INNOCENT, E. et al. Anti-mosquito plants as an alternative or incremental method for malaria vector control among rural communities of Bagamoyo District, Tanzania. J Ethnobiol Ethnomed, v. 10, p.1-11, 2014. doi: 10.1186/1746-4269-10-56
9 - ABE, R.; OHTANI, K. An ethnobotanical study of medicinal plants and traditional therapies on Batan Island, the Philippines. J Ethnopharmacol, v. 145, n. 2, p.554-565, 2013. doi: 10.1016/j.jep.2012.11.029
10 - SINGH, A.; SING, P. K. et al. An ethnobotanical study of medicinal plants in Chandauli District of Uttar Pradesh, India. J Ethnopharmacol, v. 121, n. 2, p.324-329, 2009. doi: 10.1016/j.jep.2008.10.018
11 - LANS, C. A. Ethnomedicines used in Trinidad and Tobago for urinary problems and diabetes mellitus. J Ethnobiol Ethnomed, v. 2, p.1-11, 2006. doi: 10.1186/1746-4269-2-45
12 - CANO, J. H.; VOLPATO, G. Herbal mixtures in the traditional medicine of eastern Cuba. J Ethnopharmacol, v. 90, n. 2-3, p.293-316, 2004. doi: 10.1016/j.jep.2003.10.012

Ansiolítica e Antidepressiva

Ansiolítica e Antidepressiva
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto (mesocarpo)

Extrato hidroalcoólico. Doses para ensaio: 50, 100 e 200 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss tratados com o extrato vegetal e submetidos aos testes de campo aberto, labirinto em cruz elevado, placa perfurada, suspensão da cauda e natação forçada.

Observou-se que o extrato de C. nucifera apresenta atividades ansiolítica (sistema gabaérgico) e antidepressiva (receptores serotoninérgico, noradrenérgico e dopaminérgico).

[ 7 ]

Anti-hipertensiva

Anti-hipertensiva
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto (endosperma sólido)

Óleo. Dose para ensaio: 2 mL/dia.

In vivo:

Em ratos espontaneamente hipertensos (SHR) suplementados com óleo vegetal, associado a prática de exercícios físicos, e submetidos a avaliação da pressão arterial e frequência cardíaca, peroxidação lipídica (TBARS) e níveis de superóxido, e teste de sensibilidade barorreflexa.

O óleo de C. nucifera associado a atividade física apresenta atividade anti-hipertensiva, além de reduzir o estresse oxidativo e melhorar a sensibilidade do barorreflexo.

[ 13 ]

Anti-hipertensiva e Vasorelaxante

Anti-hipertensiva e Vasorelaxante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto maduro (endocarpo)

Extrato etanólico: material vegetal (pó) em etanol à 95%. Rendimento: 2,164%. Doses para ensaio (in vitro): 0,25 a 2 mg/mL, e (in vivo): 300 mg/kg.

In vitro:

Em anéis da aorta (de ratos) incubados com norepinefrina, fenilefrina e cloreto de potássio para análise do efeito vasorelaxante.

 

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de hipertensão induzida por acetato de deoxicorticosterona associado ao sal (DOCA-sal), com posterior avaliação da pressão arterial.

O extrato de C. nucifera apresenta atividades vasorelaxante e anti-hipertensiva, dose-dependente.

[ 27 ]

Anti-inflamatória e Analgésica

Anti-inflamatória e Analgésica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Inflorescência

Extrato hidrometanólico: maceração do material vegetal (fresco) em metanol à 20%. Rendimento: 6,86%. Doses para ensaio: 250, 400 e 500 mg/kg.

In vitro:

Determinar o potencial antioxidante (DPPH, SOD, OH-, NO e ação redutora).

 

In vivo:

Em ratos albinos e camundongos Swiss submetidos aos testes de contorções abdominais induzidas por ácido acético, placa quente e edema de pata induzido por carragenina.

O extrato de C. nucifera apresenta atividade anti-inflamatória, dose-dependente, e analgésica.

[ 21 ]
Fruto (endosperma sólido)

Óleo. Dose para ensaio: 1, 2 e 4 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley e camundongos Swiss submetidos ao edema de orelha induzido por etil fenilpropionato, edema de pata induzido por carragenina e ácido araquidônico, granuloma induzido por “pellet de algodão”, contorções abdominais induzidas por ácido acético e hipertermia induzida por levedura.

O óleo de C. nucifera apresenta atividade anti-inflamatória (crônica e aguda), analgésica e antipirética, dose-dependente.

[ 29 ]

Anti-inflamatória e Anti-hipertensiva

Anti-inflamatória e Anti-hipertensiva
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto (endosperma líquido)

Dose para ensaio: 4 mL/100 g.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley suplementados com dieta rica em frutose, com posterior análises de parâmetros bioquímicos (glicemia, insulina plasmática, triglicerídeos e ácidos graxos séricos, enzimas antioxidantes e marcadores de peroxidação lipídica) e histopatológicos.

Observou-se que nucifera apresenta atividades antioxidante, hipoglicemiante e anti-hipertensiva, além da ação anti-inflamatória no tecido hepático.

[ 22 ]

Anti-inflamatória e Antinociceptiva

Anti-inflamatória e Antinociceptiva
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto (mesocarpo)

Extrato aquoso. Rendimento: 10%. Doses para ensaio: 50, 100 e 150 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss e ratos Wistar submetidos aos testes de contorções abdominais induzidas por ácido acético, movimento da cauda, placa quente, teste da formalina, edema de pata induzido por carragenina, histamina e serotonina, e estudo de mecanismo de ação.

O extrato de C. nucifera apresenta atividades anti-inflamatória e antinociceptiva periférica e central.

[ 31 ]

Anti-inflamatória e Antioxidante

Anti-inflamatória e Antioxidante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto (endosperma líquido)

Dose para ensaio: 20 mL/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar submetidos ao estresse oxidativo induzido por calor, com monitoramento da temperatura retal, avaliação morfológica do tecido testicular, análise dos níveis plasmáticos de transaminase glutâmica oxalacética serica (SGPT)/alanina aminotransferase (ALT), transaminase sérica glutâmica pirúvica (SGOT)/aspartato transaminase, determinação intracelular de espécies reativas de oxigênio (iEROs), peroxidação lipídica (LPO), superóxido dismutase (SOD), catalase (CAT), glutadiona (GSH), óxido nítrico (NO), citocina pró-inflamatórias (TNF-α e IL-6) e de expressão proteica (citometria de fluxo e imunofluorescência).

Observou-se que C. nucifera protege as células reprodutoras, devido as atividades antioxidante e anti-inflamatória.

[ 1 ]

Antibacteriana

Antibacteriana
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto (epicarpo)

Extrato: maceração de 100 g do material vegetal (pó) em 300 mL de metanol, ou por decocção em água. Outras espécies vegetais foram inseridas neste estudo.

In vitro:

Em cepas de Escherichia coli, Shigella spp. e Salmonella spp. incubadas com os extratos vegetais, com técnica de diluição em ágar para determinar a concentração inibitória mínima (MIC).

 

Observou-se que o extrato metanólico de C. nucifera apresentou atividade antibacteriana potente, assim como as espécies vegetais Caesalpinia pulcherria, Chiranthodendron pentadactylon, Geranium mexicanum, Hippocratea excelsa e Punica granatum.

[ 36 ]
Fruto (epicarpo e mesocarpo)

Extrato etanólico: 1,5 kg do material vegetal (pó) em etanol. Rendimento: 110,5 g.

In vitro:

Em cepas de Porphyromonas gingivalis, Provotella intermedia e Enterecoccus faecalis submetidas ao método de diluição em ágar para determinar a concentração inbitoria mínima (CIM) e a concentração bactericida mínima (CBM) do extrato vegetal.

Em fibroblastos humanos periodontais para análise de citotoxicidade.

 

Observou-se que C. nucifera apresenta atividade antibacteriana, contra o biofilme dental, na concentração de 1,5%, sendo comparável à clorexidina (2%), além da ausência de toxicidade em fibroblastos.

[ 40 ]
Fruto (epicarpo e mesocarpo)

Extrato metanólico: 1,5 kg do material vegetal (pó) em metanol/água (3:2 v/v). Rendimento: 110,5 g. Frações: n-hexano, clorofórmio, acetato de etila e n-butanol.

In vitro:

Em cepas de Bacillus cereus, B. polymyxa, B. anthracis, B. subtilis, B. stearothermophillus, Clostridium sporogenes, Corynebactarium pyogenes, Staphylococcus aureus, Enterococcus faecalis, Micrococcus pneumoniae, Escherichia coli, Klebsiella pneumoniae, Pseudomonas aeruginosa e P. flourescens, submetidas a determinação da concentração inibitória mínima (CIM) e taxa de mortalidade.

 

O extrato de C. nucifera apresentou atividade antibacteriana, principalmente para E. faecalis, e a fração mais ativa foi a de acetato de etila.

[ 41 ]
Fruto (mesocarpo)

Extrato aquoso (por infusão). Concentração: 20 mg/mL. Dose para ensaio (in vivo): 1, 4 e 5 g/kg. Outras espécies em estudo: Ziziphus joazeiro (casca), Caesalpinia pyramidalis (folha) e Aristolochia cymbifera (caule).

In vitro:

Em cepas da cavidade oral: Prevotella intermedia, Porphyromonas gingivalis, Fusobacterium nucleatum, Streptococcus mutans e Lactobacillus casei, submetidas aos métodos disco-difusão em ágar, microdiluição em ágar para determinar a concentração inibitória mínima (CIM), cinética de morte microbiana, em biofilmes artificiais e atividade antioxidante pelo radical DPPH.

 

In vivo:

Em ratos submetidos ao teste toxicidade aguda.

Observou-se que todas as espécies apresentaram atividade antibacteriana, principalmente, C. nucifera, C. pyramidalis e A. cymbifera, bem como ação antioxidante e baixa toxicidade.

[ 43 ]

Anticonvulsivante

Anticonvulsivante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto (óleo)

Dose para ensaio: 69,79%.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de epilepsia induzida por pilocarpina e suplementados com dieta hipercalórica contendo óleo de coco.

Observou-se que C. nucifera não apresenta ação protetora sobre as convulsões (tempo de latência, frequência e duração).

[ 3 ]

Antidepressiva

Antidepressiva
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto (endosperma líquido)

Dose para ensaio: 4 mL/100 g.

In vivo:

Em ratos albinos submetidos aos testes de natação forçada, modelo de toxicidade com noradrenalina e quantificação de monoaminas cerebrais por HPLC-ECD.

Os resultados sugerem que C. nucifera apresenta atividade antidepressiva, atuando na homeostase da síntese de monoaminas.

[ 8 ]
Fruto

Óleo. Dose para ensaio: 11%.

In vivo:

Em ratas Wistar suplementadas com óleo vegetal, antes do acasalamento, na gestação (submetidas ao estresse pré-natal) e lactação, e as proles (machos) submetidas aos testes de natação forçada e campo aberto, e dosagem de corticosterona.

Observou-se que o óleo de C. nucifera provocou alterações comportamental e hormonal na prole, exercendo ação antidepressiva.

[ 25 ]

Antidepressiva e Neuroprotetora

Antidepressiva e Neuroprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto (mesocarpo)

Extrato hidroalcoólico (etanol/água, 2:1). Doses para ensaio: 50, 100 e 200 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss tratados com o extrato vegetal, e submetidos a avaliação comportamental (testes de campo aberto, natação forçada e suspensão da cauda), determinação dos parâmetros de estresse oxidativo (ensaio nitrito/nitrato, peroxidação lipídica e atividade da catalase) e dos níveis do fator neutrófico derivado do cérebro (BDNF).

Observou-se que o extrato de C. nucifera apresenta atividades antidepressiva, antioxidante e neuroprotetora, principalmente nas doses de 100 e 200 mg/kg.

[ 9 ]

Antimicrobiana

Antimicrobiana
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto (mesocarpo)

Extrato aquoso: decocção de 414 g do material vegetal (pó) em 6 L de água. Rendimento: 21 g. Concentração: 10 mg/mL.

In vitro:

Em cepas de Staphyloccocus aureus, Candida albicans, Cryptococcus neoformans e Fonsecaea pedrosi para determinar a atividade antimicrobiana através do método de disco-difusão em ágar.

Em células de carcinoma humano da laringe (HEp-2) e epiteliais do rim de Cercopitheccus aethiops (VERO) submetidas a infecção viral (HSV-1-ACVr) e teste de citotoxicidade.

 

Observou-se que C. nucifera apresenta seletividade contra S. aureus e HSV-1, além da ausência de toxicidade celular.

[ 38 ]

Antioxidante

Antioxidante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto (endosperma líquido)

Concentração para ensaio: 3 mg/100 mL.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante: radicais DPPH, ABTS, superóxido e hidroxila, e formação de metemoglobina induzida por nitrito em hemolisado e eritrócitos.

Em tecido cerebral e lipossomas isolados de ratos albinos para análise de peroxidação lipídica.

 

Observou-se que C. nucifera apresenta atividade antioxidante, principalmente o endosperma líquido do fruto imaturo, que possui ácido ascórbico em sua constituição química (2,714 ± 0,297 mg/100 mL).

[ 37 ]
Fruto (endosperma líquido)

Liofilizado. Doses para ensaio: 200 e 400 g/mL.

In vitro:

Em hepatócitos isolados de camundongos Swiss, incubados com peróxido de hidrogênio (H2O2), com posterior avaliação da viabilidade celular, parâmetros oxidativos (ROS, TBARS, SOD, GSH, formação de nitrato) e mutagenicidade.

 

Observou-se que o concentrado de C. nucifera apresenta atividade antioxidante potente, prevenido e reduzindo os danos oxidativos nos hepatócitos.

[ 15 ]

Antioxidante e Hipoglicemiante

Antioxidante e Hipoglicemiante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Inflorescência imatura

Extrato: 25 g do material vegetal (pó) em 80% (v/v) de metanol ou 95% (v/v) de etanol. Rendimento: 6,29 e 5,62, respectivamente. Doses para ensaio (extrato metanólico): 100, 200 e 400 mg/kg.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através do radical DPPH.

 

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley portadores de diabetes induzido por estreptozotocina, com posterior análise de parâmetros bioquímicos e toxicológicos.

Observou-se que o extrato metanólico da inflorescência de C. nucifera apresenta atividades antioxidante potente, hipoglicemiante (dose-dependente) e citoprotetora.

[ 16 ]
Fruto (endosperma líquido)

Dose para ensaio: 4 mL/100 g.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley portadores de diabetes induzido por aloxana, com posterior análises de parâmetros bioquímicos (glicemia, insulina plasmática, hemoglobina, enzimas antioxidantes e marcadores de peroxidação lipídica).

Observou-se que C. nucifera apresenta atividade antioxidante e hipoglicemiante.

[ 20 ]

Antiparasitária

Antiparasitária
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto

Extrato: maceração do material vegetal (pó) em metanol. Rendimento: 4,19%. Doses para ensaio: 50, 100, 200 e 400 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos ICR infectados por Plasmodium berghei e tratados com o extrato vegetal, com posterior análise da porcentagem de parasitemia.

Observou-se que o extrato de C. nucifera reduz a carga parasitária, nas doses de 200 e 400 mg/kg, contudo não houve erradicação da doença.

[ 26 ]

Antiproliferativa

Antiproliferativa
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto (mesocarpo)

Extrato etanólico: 100 g do material vegetal (pó) em 500 mL de etanol à 95%. Rendimento: 5,8% (p/p). Frações: hexano, acetato de etila, butanol e metanol. Outras espécies em estudo: Nephelium lappaceum (fruto) e Garcinia mangostana (fruto).

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante: radical DPPH e redução do íon férrico (FRAP).

Em carcinoma epidérmico (KB) e células de adenocarcinoma colorretal (Caco-2) de humanos, e amostras de sangue de voluntários saudáveis, submetidos ao ensaio MTT.

 

Observou-se que a fração hexânica de C. nucifera apresenta ação antiproliferativa potente para a linhagem celular KB, e ausência de citotoxicidade em células normais, enquanto que N. lappaceum apresentou atividade antioxidante mais potente.

[ 42 ]

Antitrombótica e Hipoglicemiante

Antitrombótica e Hipoglicemiante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto (endosperma líquido)

Dose para ensaio: 4 mL/100 g.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley portadores de diabetes induzido por aloxana, tratados com líquido vegetal, L-arginina e L-NAME, com posterior análise de parâmetros bioquímicos.

Observou-se que C. nucifera apresenta atividade antidiabética e antitrombótica, principalmente quando em associação com L-arginina, sendo este o principal bioativo da água de coco.

[ 12 ]

Antiulcerogênica

Antiulcerogênica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto (endosperma líquido e sólido)

Leite de coco: triturar o endosperma sólido em 200 mL de água, e filtrar. Dose para ensaio: 2 mL/dia (água e leite de coco).

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de úlceras gástrica induzidas por indometacina.

Observou-se que o leite de C. nucifera apresenta ação antiulcerogênica mais potente, quando comparada a água, 54 e 39%, respectivamente.

[ 34 ]

Cicatrizante

Cicatrizante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto (endosperma líquido)

Pó. Dose para ensaio: 100 mL/kg.

In vivo:

Em ratas Wistar ovariectomizadas, submetidas a lesões cutâneas de 1 cm de espessura, com posterior analises imuno-histoquímica, histomorfometria quantitativa e quantificação dos níveis de estradiol.

Observou-se que C. nucifera apresenta características semelhantes ao estradiol, com ação importante no processo de cicatrização de feridas cutâneas.

[ 18 ]

Depressora do sistema nervoso central

Depressora do sistema nervoso central
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Raiz

Extrato etanólico. Rendimento: 10,7% (p/p). Doses para ensaio: 40, 60 e 80 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss aos testes de potenciação de barbitúricos, contorções abdominais induzidas por ácido acético, placa quente e atividade anticonvulsivante.

O extrato de C. nucifera apresenta ação depressora do sistema nervoso central.

[ 24 ]

Estrogênica e Hipoglicêmica

Estrogênica e Hipoglicêmica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Flor

Extrato hidroalcoólico. Doses para ensaio: 100 e 200 mg/kg.

In vivo:

Em ratas Wistar virgens portadoras de síndrome do ovário policístico induzido por letrozol, tratadas com o extrato vegetal, e posterior avaliação de parâmetros bioquímicos, hematológicos, hormonais e histopatológicos.

O extrato de C. nucifera normaliza a estrutura histológica dos ovários, além de apresentar ação estrogênica, hipoglicêmica e hipolipidêmica.

[ 14 ]

Estrogênica e Neuroprotetora

Estrogênica e Neuroprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto imaturo (endosperma líquido)

Pó. Dose para ensaio: 100 mL/kg.

In vivo:

Em ratas Wistar ovariectomizadas, tratadas com o extrato vegetal, com posterior avaliação do tecido cerebral por imuno-histoquímica, e quantificação do nível de estradiol sérico.

Observou-se que C. nucifera apresenta características semelhantes ao estrogênio, além de ação neuroprotetora.

[ 32 ]

Gastroprotetora

Gastroprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto (endosperma líquido e sólido)

Leite (extrato aquoso): 50 g do material vegetal em 500 mL de água. Dose para ensaio: 4 mL/100 g.

In vivo:

Em ratos albinos portadores de úlcera gástrica induzida por etanol ou ácido acético, com posterior análises hematológica, sorológica, histopatológica e imuno-histoquímica.

Observou-se que o leite e a água de C. nucifera apresentam atividades gastroprotetora, anti-inflamatória e cicatrizante.

[ 6 ]

Hipocolesterolemiante e Hipoglicemiante

Hipocolesterolemiante e Hipoglicemiante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto

Banaban®: óleo e pó. Dose para ensaio: 200 g/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar submetidos a dieta hipercalórica, com posterior avaliação de parâmetros fisiológicos, bioquímicos, morfológicos e histopatológicos.

Observou-se que C. nucifera (óleo e pó) apresenta atividades hipocolesterolemiante, hipoglicemiante e anti-hipertensiva, auxiliando no tratamento da obesidade.

[ 4 ]

Hipoglicemiante

Hipoglicemiante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Inflorescência imatura

Pó. Dose para ensaio: 20% (p/p).

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley portadores de diabetes induzido por aloxana, pré e pós tratados com o pó vegetal, com posterior análises de parâmetros bioquímicos e histopatológicos.

Observou-se que a inflorescência de C. nucifera apresenta atividade hipoglicemiante, atuando como protetora na citotoxicidade pancreática.

[ 19 ]

Hipolipemiante

Hipolipemiante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto imaturo e maduro (endosperma)

Dose para ensaio: 4 mL/100 g.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley submetidos a dieta hipercalórica em associação com água de coco, com posterior análise de parâmetros bioquímicos.

Observou-se que C. nucifera apresenta atividade hipolipemiante, semelhante ao sintético lovastatina.

[ 33 ]
Fruto (óleo)

Associação de óleo de coco (Cerin®) e extrato de Glycyrrhiza uralensis (raiz). Dose para ensaio: 337,6 µL e 37,5 mg/kg, respectivamente.

In vivo:

Em camundongos C57BL/6J submetidos a dieta hipercalórica, com posterior avaliação e quantificação do perfil lipídico (plasmático e hepático intracelular), parâmetros bioquímicos e de expressão de proteica.

A associação de C. nucifera e G. uralensis apresentou atividade hipolipemiante, reduzindo a esteatose hepática, além da ausência de toxicidade.

[ 2 ]
Fruto imaturo e maduro (endosperma)

Dose para ensaio: 4 mL/100 g.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley submetidos a dieta hipercalórica em associação com água de coco, com posterior análise de parâmetros bioquímicos e histopatológicos.

Observou-se que C. nucifera apresenta atividade hipolipemiante, sendo esta ação mais potente para o endosperma do fruto maduro.

[ 35 ]
Fruto (endosperma líquido)

Dose para ensaio: 10 mL/kg.

In vivo:

Em ratas Wistar prenhes, submetidas a dieta hipercalórica associada a ingestão do endosperma vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (glicemia em jejum, insulina sérica, leptina, perfil lipídico e enzimas hepáticas) e histológicos (fígado, pâncreas e rins).

Observou-se que C. nucifera apresenta atividade hipolipidêmica materna, além de reduzir efeitos adversos no feto, provenientes da dieta rica em lipídeos.

[ 5 ]

Hipolipemiante e Hipoglicemiante

Hipolipemiante e Hipoglicemiante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Inflorescência

Extrato hidrometanólico: maceração do material vegetal (fresco) em metanol à 20%. Rendimento: 6,86%. Doses para ensaio: 250 e 500 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de diabetes induzido por estreptozotocina, com posterior análise de parâmetros bioquímicos séricos e níveis de enzimas antioxidantes.

 O extrato de C. nucifera apresenta atividades hipoglicemiante, hipolipemiante e antioxidante.

[ 23 ]

Metabolismo ósseo

Metabolismo ósseo
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto (endosperma líquido)

Extrato seco: liofilização de 5000 mL do material vegetal. Rendimento: 449,03 g. Dose para ensaio: 10 mL/kg.

In vivo:

Em ratas Wistar ovariectomizadas, tratadas com o extrato vegetal, com posterior avaliação do metabolismo ósseo por densitometria e histomorfometria, em fêmur e tíbia, respectivamente.

Observou-se que o extrato de C. nucifera reduz a perda óssea, atuando positivamente no metabolismo ósseo, contudo não houve alteração na reabsorção óssea.

[ 10 ]

Neuroprotetora

Neuroprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto imaturo (endosperma líquido)

Pó. Dose para ensaio: 100 mL/kg.

In vivo:

Em ratas Wistar ovariectomizadas, tratadas com o extrato vegetal, com posterior avaliação do tecido cerebral por imuno-histoquímica, e quantificação do nível de estradiol sérico.

Observou-se que C. nucifera reduz as lesões cerebrais (como por exemplo, na doença de Alzheimer), causadas pela ovariectomização.

[ 28 ]

Protetora do sistema urinário

Protetora do sistema urinário
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto (endosperma líquido)

Dose para ensaio: 10%.

In vivo:

Em ratos Wistar submetidos a dieta indutora de urolitíase, com posterior análise de parâmetros bioquímicos, oxidativos, histopatológico e expressão proteica.

Observou-se que C. nucifera apresenta ação protetora do sistema urinário, pois reduz a deposição de cristais e o estresse oxidativo.

[ 17 ]

Redutora da atividade enzimática

Redutora da atividade enzimática
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto (endosperma sólido)

Dose para ensaio: 30%. Outra espécie em estudo: Phaseolus mungo.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley suplementados com o material vegetal, com posterior indução de carcinogênese do cólon por 1,2-dimetil-hidrazina (DMH), e análise do ensaio de beta-glucuronidase.

Observou-se que C. nucifera é mais potente que P. mungo, na redução da atividade da enzima beta-glucuronidase, sendo promissora na prevenção do câncer de cólon.

[ 39 ]

Redutora dos movimentos peristálticos

Redutora dos movimentos peristálticos
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto (mesocarpo)

Extrato metanólico: maceração de 20 g do material vegetal (pó) em 300 mL de metanol. Rendimento: 29,1% (p/p). Dose para ensaio: 300 mg/kg. Outras espécies vegetais foram envolvidas neste estudo.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley portadores de hiperperistalsia induzida por carvão-goma-acácia, com posterior análise do estômago e intestino delgado.

O extrato de C. nucifera reduziu em 30% os movimentos peristálticos, assim como as espécies Geranium mexicanum, Artemisia absinthium, Matricaria recutita, Caesalpinia pulcherrima, Lygodium venustum, Chenopodium ambrosioides, Aloysia triphylla, Artemisia ludoviciana e Chiranthodendron pentadactylon (100 a 30%).

[ 30 ]
Ensaios toxicológicos

Citotoxicidade e Ação hemolítica

Citotoxicidade e Ação hemolítica
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto

Com e sem incineração. Dose para ensaio: 1 mg/100 mL, e (in vivo): 75 mg/1,5 mL.

In vitro:

Em macrófagos alveolares de porquinhos-da-Índia para teste de citotoxicidade, e atividade hemolítica em sangue de ovelhas.

 

In vivo:

Em porquinhos-da-Índia suplementados com o material vegetal, com posterior avaliação dos tecidos pulmonares, hepático, renal e baço.

Observou-se que C. nucifera (sem incineração) apresentou citotoxicidade e ação hemolítica leves, bem como alterações microscópicas no pulmão e rins, contudo, o processo de incineração intensificou a ação hemolítica da fibra de coco.

[ 44 ]

Citotoxicidade e Genotoxicidade

Citotoxicidade e Genotoxicidade
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato: 2,5 g do material vegetal (pó) em 25 mL de clorofórmio, metanol ou água. Concentrações (estoque): 2500 mg/mL (clorofórmio e metanol) e 100 mg/mL (água). Concentrações para ensaio: 0,75 a 75 mg/mL, e 0,78 a 25 mg/mL. Outras espécies em estudo: Anethum graveolens, Carthamus tinctorius, Cocos nucifera, Glycyrrhiza glabra, Melissa officinalis, Nigella arvensis, Pinus pinea, Prunus mahaleb e Zingiber officinale.

In vitro:

Em células renais de rato (NRK-52E) submetidas ao teste MTT e em linhagens de Salmonella typhimurium para o teste de Ames.

 

Observou-se que somente o extrato aquoso das plantas em estudo não apresentou citotoxicidade, contudo, apresentou maior genotoxicidade, quando comparado ao clorofórmico e metanólico.

[ 11 ]

Toxicidade na prole

Toxicidade na prole
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto (endosperma sólido)

Óleo.

In vivo:

Em ratas submetidas a dieta com óleo de coco, antes da copulação, durante a gestação, até o desmame, e os filhotes tratados com a mesma dieta materna até 6 semanas de idade.

O óleo de C. nucifera reduziu o peso corporal da prole, além de provocar alterações fenotípicas (“pelos espetados”).

[ 45 ]

Referências bibliográficas

1 - KUMAR, S. S. et al. Tender coconut water attenuates heat stress-induced testicular damage through modulation of the NF-κB and Nrf2 pathways. Food Funct, v. 9, n. 10, p.5463-5479, 2018. doi: 10.1039/c8fo01207e 
2 - LEE, E. J. et al. Lipid-lowering effects of medium-chain triglyceride-enriched coconut oil in combination with licorice extracts in experimental hyperlipidemic mice. J Agric Food Chem, v. 66, n. 40, p.10447-10457, 2018. doi: 10.1021/acs.jafc.8b04080
3 - MELO, I. T. et al. Ketogenic diet based on extra virgin coconut oil has no effects in young wistar rats with pilocarpine-induced epilepsy. Lipids, v. 53, n. 2, p.251-254, 2018. doi: 10.1002/lipd.12019
4 - PANCHAL, S. K. et al. Coconut products improve signs of diet-induced metabolic syndrome in rats. Plant Foods Hum Nutr, v. 72, n. 4, p.418-424, 2017. doi: 10.1007/s11130-017-0643-0 
5 - KUNLE-ALABI, O. T. et al. Cocos nucifera water improves metabolic functions in offspring of high fat diet fed Wistar rats. J Basic Clin Physiol Pharmacol, v. 19, n. 2, p.185-194, 2018. doi: 10.1515/jbcpp-2017-0005
6 - AJEIGBE, K. O. et al. Gastroprotective and mucosa homeostatic activities of coconut milk and water on experimentally induced gastropathies in male wistar rats. Tissue Cell, v. 49, n. 5, p.528-536, 2017. doi: 10.1016/j.tice.2017.06.004 
7 - LIMA, E. B. C. et al. Involvement of monoaminergic systems in anxiolytic and antidepressive activities of the standardized extract of Cocos nucifera L. J Nat Med, v. 71, n. 1, p.227-237, 2017. doi: 10.1007/s11418-016-1053-6
8 - RAO, S. S.; NAJAM, R. et al. Young coconut water ameliorates depression via modulation of neurotransmitters: possible mechanism of action. Metab Brain Dis, v. 31, n. 5, p.1165-1170, 2016. doi: 10.1007/s11011-016-9866-2
9 - LIMA, E. B. et al. Antidepressant, antioxidant and neurotrophic properties of the standardized extract of Cocos nucifera husk fiber in mice. J Nat Med, v. 70, n. 3, p.510-521, 2016. doi: 10.1007/s11418-016-0970-8
10 - MORRI, Y. et al. Young coconut juice supplementation results in greater bone mass and bone formation indices in ovariectomized rats: a preliminary study. Phytother Res, v. 29, n. 12, p.1950-1955, 2015. doi: 10.1002/ptr.5489 
11 - ABUDAYYAK, M. et al. Toxic potentials of ten herbs commonly used for aphrodisiac effect in Turkey. Turk J Med Sci, v. 45, n. 3, p.496-506, 2015. doi: 10.3906/sag-1401-153
12 - PREETHA, P. P. et al. Mature coconut water exhibits antidiabetic and antithrombotic potential via L-arginine-nitric oxide pathway in alloxan induced diabetic rats. J Basic Clin Physiol Pharmacol, v. 26, n. 6, p.575-583, 2015. doi: 10.1515/jbcpp-2014-0126
13 - ALVES, N. F. et al. Coconut oil supplementation and physical exercise improves baroreflex sensitivity and oxidative stress in hypertensive rats. Appl Physiol Nutr Metab, v. 40, n. 4, p.393-400, 2015. doi: 10.1139/apnm-2014-0351 
14 - SOUMYA, V. et al. GC-MS analysis of Cocus nucifera flower extract and its effects on heterogeneous symptoms of polycystic ovarian disease in female Wistar rats. Chin J Nat Med, v. 12, n. 9, p.677-684, 2014. doi: 10.1016/S1875-5364(14)60103-5
15 - MANNA, K. et al. Protective effect of coconut water concentrate and its active component shikimic acid against hydroperoxide mediated oxidative stress through suppression of NF-κB and activation of Nrf2 pathway. J Ethnopharmacol, v. 155, n. 1, p.132-146, 2014. doi: 10.1016/j.jep.2014.04.046
16 - RENJITH, R. S. et al. Cytoprotective, antihyperglycemic and phytochemical properties of Cocos nucifera (L.) inflorescence. Asian Pac J Trop Med, v. 6, n. 10, p.804-810, 2013. doi: 10.1016/S1995-7645(13)60142-X 
17 - GANDHI, M. et al. Prophylactic effect of coconut water (Cocos nucifera L.) on ethylene glycol induced nephrocalcinosis in male wistar rat. Int Braz J Urol, v. 39, n. 1, p.108-117, 2013. doi: 10.1590/S1677-5538.IBJU.2013.01.14
18 - RADENAHMAD, N. et al. Young coconut juice can accelerate the healing process of cutaneous wounds. BMC Complement Altern Med, v. 12, p.1-10, 2012. doi: 10.1186/1472-6882-12-252
19 - RENJITH, R. S.; RAJAMOHAN, T. et al. Protective and curative effects of Cocos nucifera inflorescence on alloxan-induced pancreatic cytotoxicity in rats. Indian J Pharmacol, v. 44, n. 5, p.55-559, 2012. doi: 10.4103/0253-7613.100368
20 - PREETHA, P. P. et al. Hypoglycemic and antioxidant potential of coconut water in experimental diabetes. Food Funct, v. 3, n. 7, p.753-757, 2012. doi: 10.1039/c2fo30066d
21 - NASKAR, S. et al. Evaluation of antinociceptive and anti-inflammatory activity of hydromethanol extract of Cocos nucifera L. Inflammopharmacology, v. 21, n. 1, p.31-35, 2013. doi: 10.1007/s10787-012-0135-7
22 - BHAGYA, D. et al. Therapeutic effects of tender coconut water on oxidative stress in fructose fed insulin resistant hypertensive rats. Asian Pac J Trop Med, v. 5, n. 4, p.270-276, 2012. doi: 10.1016/S1995-7645(12)60038-8
23 - NASKAR, S. et al. Evaluation of antihyperglycemic activity of Cocos nucifera Linn. on streptozotocin induced type 2 diabetic rats. J Ethnopharmacol, v. 138, n. 3, p.769-773, 2011. doi: 10.1016/j.jep.2011.10.021 
24 - PAL, D. et al. CNS depressant activities of roots of Coccos nucifera in mice. Acta Pol Pharm, v. 68, n. 2, p.249-254, 2011. 
25 - BORSONELO, E. C. et al. Effect of fish oil and coconut fat supplementation on depressive-type behavior and corticosterone levels of prenatally stressed male rats. Brain Res, v. 1385, p.144-150, 2011. doi: 10.1016/j.brainres.2011.02.043 
26 - AL-ADHROEY, A. H. et al. Evaluation of the use of Cocos nucifera as antimalarial remedy in Malaysian folk medicine. J Ethnopharmacol, v. 134, n. 3, p.988-991, 2011. doi: 10.1016/j.jep.2011.01.026
27 - BANKAR, G. R. et al. Vasorelaxant and antihypertensive effect of Cocos nucifera Linn. endocarp on isolated rat thoracic aorta and DOCA salt-induced hypertensive rats. J Ethnopharmacol, v. 134, n. 1, p.50-54, 2011. doi: 10.1016/j.jep.2010.11.047
28 - RADENAHMAD, N. et al. Young coconut juice, a potential therapeutic agent that could significantly reduce some pathologies associated with Alzheimer's disease: novel findings. Br J Nutr, v. 105, n. 5, p.738-746, 2011. doi: 10.1017/S0007114510004241 
29 - INTAHPHUAK, S. et al. Anti-inflammatory, analgesic, and antipyretic activities of virgin coconut oil. Pharm Biol, v. 48, n. 2, p.151-157, 2010. doi: 10.3109/13880200903062614 
30 - CALZADO, F. et al. Effect of plants used in Mexico to treat gastrointestinal disorders on charcoal-gum acacia-induced hyperperistalsis in rats. J Ethnopharmacol, v. 128, n. 1, p.49-51, 2010. doi: 10.1016/j.jep.2009.12.022
31 - RINALDI, S. Characterization of the antinociceptive and anti-inflammatory activities from Cocos nucifera L. (Palmae). J Ethnopharmacol, v. 122, n. 3, p.541-546, 2009. doi: 10.1016/j.jep.2009.01.024 
32 - RADENAHMAD, N. et al. Young coconut juice significantly reduces histopathological changes in the brain that are induced by hormonal imbalance: a possible implication to postmenopausal women. Histol Histopathol, v. 24, n. 6, p.667-674, 2009. doi: 10.14670/HH-24.667 
33 - SANDHYA, V. G.; RAJAMOHAN, T. Comparative evaluation of the hypolipidemic effects of coconut water and lovastatin in rats fed fat-cholesterol enriched diet. Food Chem Toxicol, v. 46, n. 12, p.3586-3592, 2008. doi: 10.1016/j.fct.2008.08.030
34 - NNELI, R. O.; WOYIKE, O. A. et al. Antiulcerogenic effects of coconut (Cocos nucifera) extract in rats. Phytother Res, v. 22, n. 7, p.970-972, 2008. doi: 10.1002/ptr.2318
35 - SANDHYA, V. G.; RAJAMOHAN, T. Beneficial effects of coconut water feeding on lipid metabolism in cholesterol-fed rats. J Med Food, v. 9, n. 3, p.400-407, 2006. doi: 10.1089/jmf.2006.9.400
36 - ALANÍS, A. D. et al. Antibacterial properties of some plants used in Mexican traditional medicine for the treatment of gastrointestinal disorders. J Ethnopharmacol, v. 100, n. 1-2, p.153-157, 2005. doi: 10.1016/j.jep.2005.02.022
37 - MANTENA, S. K. et al. In vitro evaluation of antioxidant properties of Cocos nucifera Linn. water. Nahrung, v. 47, n. 2, p.126-131, 2003. doi: 10.1002/food.200390023
38 - ESQUENAZI, D. et al. Antimicrobial and antiviral activities of polyphenolics from Cocos nucifera Linn. (Palmae) husk fiber extract. Res Microbiol, v. 153, n. 10, p.647-652, 2002. doi: 10.1016/S0923-2508(02)01377-3
39 - MANOJ, G. et al. Effect of dietary fiber on the activity of intestinal and fecal beta-glucuronidase activity during 1,2-dimethylhydrazine induced colon carcinogenesis. Plant Foods Hum Nutr, v. 56, n. 1, p.13-21, 2001. d: 10.1023/A:1008188009174
40 - KOHLI, D. et al. Comparative evaluation of the antimicrobial susceptibility and cytotoxicity of husk extract of Cocos nucifera and chlorhexidine as irrigating solutions against Enterococcus faecalisPrevotella intermedia and Porphyromonas gingivalis - An in-vitro study. J Indian Soc Pedod Prev Dent, v. 36, n. 2, p.142-150, 2018. doi: 10.4103/JISPPD.JISPPD_1176_17
41 - AKINPELU, D. A. et al. Probable mechanisms of biocidal action of Cocos nucifera Husk extract and fractions on bacteria isolates. BMC Complement Altern Med, v. 15, p.1-9, 2015. doi: 10.1186/s12906-015-0634-3
42 - KHONKARN, R. et al. Investigation of fruit peel extracts as sources for compounds with antioxidant and antiproliferative activities against human cell lines. Food Chem Toxicol, v. 48, n. 8-9, p.2122-2129, 2010. doi: 10.1016/j.fct.2010.05.014
43 - ALVIANO, W. S. et al. In vitro antioxidant potential of medicinal plant extracts and their activities against oral bacteria based on Brazilian folk medicine. Arch Oral Biol, v. 53, n. 6, p.545-552, 2008. doi: 10.1016/j.archoralbio.2007.12.001
44 - SAXENA, R. P. et al. Coir fibre toxicity: in vivo and in vitro studies. Toxicol Lett, v. 10, n. 4, p.359-365, 1982. doi: 10.1016/0378-4274(82)90230-2
45 - GUNASEKARAN, R. et al. Maternal intake of dietary virgin coconut oil modifies essential fatty acids and causes low body weight and spiky fur in mice. BMC Complement Altern Med, v. 17, n. 1, p.1-8, 2017. doi: 10.1186/s12906-017-1600-z

Farmácia da Natureza
[ 1 ]

Fórmula

Alcoolatura

Componente

Quantidade*

Etanol/água 80%

1000 mL

Mesocarpo fresco

200 g

                                                                  * Após a filtragem ajustar o teor alcoólico da alcoolatura para 70%, com adição de etanol 98%, se necessário. 
Modo de preparo

Alcoolatura: pesar 200 g do mesocarpo do coco verde fresco, lavar, picar e colocar em frasco de vidro âmbar; em seguida adicionar 1000 mL de etanol a 80%, tampar bem o frasco e deixar a planta em maceração por 7 dias, agitando o frasco diariamente. Após esse período, filtrar em papel de filtro e envasar em frasco de vidro âmbar.

Principais indicações

Infecções virais, principalmente respiratórias e herpes zoster.

Posologia

Uso oral: tomar de 1 a 3 gotas por quilo de peso divididas em 3 vezes ao dia, sempre diluídas em água (cerca de 50 mL ou meio copo).

Farmácia da Natureza
[ 2 ]

Fórmula

Componente

Quantidade

Tintura de Echinacea purpurea e tintura de Cocos nucifera

1:1

 
Modo de preparo

Em uma proveta graduada, medir as quantidades de tinturas desejadas e verter em frasco de vidro âmbar esterilizado. Tampar, agitar e rotular.

Principais indicações

Infecções virais agudas.

Posologia

Uso oral: tomar 30 gotas, 3 vezes ao dia, por 10 dias.

Farmácia da Natureza
[ 3 ]

Fórmula

Componente

Quantidade

Mesocarpo seco fragmentado

0,9 a 1,1 g ou uma colher de chá caseira cheia cheia

Água q.s.p.

150 mL

 
Modo de preparo

Preparar por infusão, por 5 minutos.

Principais indicações

Infecções virais, principalmente respiratórias e herpes zoster.

Posologia

Uso oral: adultos devem tomar 150 mL (1 xícara de chá) do infuso três vezes ao dia.

Referências bibliográficas

1 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 3 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 87-89.
2 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 3 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 311.
3 - PEREIRA, A. M. S. (Org.). Formulário de Preparação Extemporânea: Farmácia da Natureza. 2 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 54-55.

Dados Químicos
[ 1 , 2 , 3 ]
Marcador:
Principais substâncias:

Ácidos graxos

ácidos láurico, capróico, caprílico, cáprico, mirístico, palmítico, esteárico, araquídico, oleico e linoleico.

Açucares

glucose e levulose.

Aminoácidos

arginina, alanina, cistina e serina.

Compostos fenólicos

Fibras

Flavonoides

Minerais

potássio, magnésio, cálcio e manganês.

Polifenóis

ácidos clorogênico, vanílico, cafeico, ferúlico e cinâmico, quercetina, naringenia, catequina, epicatequina, rutina e cafeato de metila.

Proteínas

Resinas

Taninos

procianidinas.

Vitaminas

ácido ascórbico.

Referências bibliográficas

1 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 97-98.
2 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 1. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 245.
3 - BISPO, V. S. et al. Reduction of the dna damages, hepatoprotective effect and antioxidant potential of the coconut water, ascorbic and caffeic acids in oxidative stress mediated by ethanol. An Acad Bras Cienc, v. 89, n. 2, p.1095-1109, 2017. doi: 10.1590/0001-3765201720160581

Propagação: 

é realizada por frutos-sementes. Prefere solo alcalino, bem drenado e arenoso, clima quente, não suportando geada e frio [ 1 ] .

Tratos culturais & manejo: 

a produção dos frutos ocorre somente a partir do sexto ano de plantio [ 1 ] .

Referências bibliográficas

1 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 1. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 245.

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 1926
Arquivo: PDF icon Download (74.27 KB)

Parceiros