Olea europaea L.

Azeitona, oliveira, oliva e olivo.

Família 
Informações gerais 

Originária da Região Mediterrânea, onde é muito cultivada para fins comerciais e terapêuticos. Ocorre no Brasil, principalmente nas regiões Sudeste e Sul. Suas principais indicações são: hipotensora, vasodilatadora, antiarrítmica, hipocolesterolemiante, hipoglicemiante, diurética, antiespasmódica, anti-inflamatória, analgésica, antimicrobiana, cicatrizante, antioxidante, imunorreguladora e tônica geral[1,2,3].

Referências informações gerais
1 - GARCÍA, E. C.; SOLÍS, I. M. Manual de fitoterapia. 2ª ed. Barcelona: Elsevier, 2016, p. 326-328.
2 - GRUENWALD, J. et al. PDR for Herbal Medicines. Montvale: Economics Company, Inc, 2000, p. 556-557.
3 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 2. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 283-291.
Descrição da espécie 

Árvore perene, com até 10 m de altura, com copa aberta e arredondada, tronco ereto e cilíndrico, com casca fissurada longitudinalmente e de cor acinzentada; folhas simples, opostas, inteiras, lanceoladas a obovada, curto-pecioladas, coriáceas, ápice mucronato e base afunilada, com cerca de 30 a 50 mm de comprimento x 10 a 15 mm de largura, face adaxial verde escura, lisa e brilhante, face abaxial prateada e pubescente (principalmente a longo das nervuras); flores em racemos axilares, pequenas, levemente perfumadas, brancas com centro amarelado; frutos carnosos, em drupas ovais, de cor verde, roxa ou preta (de acordo com a maturação); semente de cor variável, carnuda, oblongas, rica em azeite alimentício muito apreciável no mundo inteiro e muito saudável[1,2,3,4].

Referências descrição da espécie
1 - LONDRES. The Department of Health. British Pharmacopoeia 2012, vol. IV. London: Stationery Office Books, p. 3661, 2011.
2 - GRUENWALD, J. et al. PDR for Herbal Medicines. Montvale: Economics Company, Inc, 2000, p. 556.
3 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 2. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 284.
4 - BANJARI, I. et al. Traditional herbal medicines for diabetes used in Europe and Asia: remedies from Croatia and Sri Lanka. Altern Ther Health Med, v. 25, n. 3, p.40-52, 2019.
Nome popular Local Parte da planta Indicação Modo de preparo Forma de uso Restrição de uso Referências
Oliveira Brasil Folha

Coadjuvante para o emagrecimento.

Tintura: tomar de 40 a 60 gotas em 1 xícara de água (200 mL), antes das principais refeições até 4 vezes ao dia.

-

 Atenção ao associar com hipoglicemiantes, insulina e hipotensores.

[ 1 ]
Urìu Cosno (Alpes do Noroeste da Ligúria, Itália) Folha ou óleo

Anti-hipertensiva, depurativa hepática, no tratamento de otite, apendicite, problemas de pele (calosidade, queimadura e vermelhidão).

Decocção ou maceração.

-

-

[ 2 ]
Zaitoun Palestina Folha e fruto

Antidiabética.

Decocção, infusão ou in natura.

-

-

[ 3 ]
Maslina Sérvia (medieval) Fruto e óleo

Antiartrítica, antidispéptica, no tratamento de doenças de pele, dores de cabeça e ouvido, caquexia, esplenomegalia, mastite, queda de cabelo e problemas ginecológicos.

-

-

-

[ 4 ]
- Nieri (Quênia) -

Antimalárica.

-

-

-

[ 5 ]
Zitoune, zitoun, zebouj e zaitoun Argélia Folha, Fruto e semente

Hipoglicemiante, anti-hipertensiva, diurética, antigripal e no tratamento de doenças nas gengivas.

Decocção, infusão, óleo ou pó.

-

-

[ 6 ]
Zaytoun Região de Beni Mellal (Marrocos) Folha

Hipoglicemiante.

Decocção.

Uso interno.

-

[ 7 ]

Referências bibliográficas

1 - PANIZZA, S. T. et al. Uso tradicional de plantas medicinais e fitoterápicos. São Luiz: Conbrafito, 2012, p. 207.
2 - CORNARA, L. et al. Ethnobotanical and phytomedical knowledge in the North-Western Ligurian Alps. J Ethnopharmacol, v. 155, n. 1, p.463-84, 2014. doi: 10.1016/j.jep.2014.05.046
3 - ALI-SHTAYEH, M. S. et al. Complementary and alternative medicine use amongst Palestinian diabetic patients. Complement Ther Clin Pract, v. 18, n. 1, p.16-21, 2012. doi: 10.1016/j.ctcp.2011.09.001
4 - JARIĆ, S. et al. Phytotherapy in medieval Serbian medicine according to the pharmacological manuscripts of the Chilandar Medical Codex (15-16th centuries). J Ethnopharmacol, v. 137, n. 1, p.601-619, 2011. doi: 10.1016/j.jep.2011.06.016
5 - NJOROGE, G. N.; BUSSMANN, R. W. Diversity and utilization of antimalarial ethnophytotherapeutic remedies among the Kikuyus (Central Kenya). J Ethnobiol Ethnomed, v. 2, p.1-7, 2006. doi: 10.1186/1746-4269-2-8
6 - HAMZA, N. et al. A review of Algerian medicinal plants used in the treatment of diabetes. J Ethnopharmacol, v. 238, p.1-28, 2019. doi: 10.1016/j.jep.2019.111841
7 - MRABTI, H. N. et al. Integrative herbal treatments of diabetes in Beni Mellal region of Morocco. J Integr Med, v. 17, n. 2, p.93-99, 2019. doi: 10.1016/j.joim.2019.01.001

Analgésica

Analgésica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: 200 g do material vegetal (pó) em 1 L de etanol a 80%. Doses para ensaio: 50 a 200 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar tratados com o extrato vegetal (associado ou não a morfina), submetidos aos testes de movimento da cauda, da placa quente, edema de pata induzido por formalina e campo aberto.

O extrato de O. europaea apresenta atividade analgésica, dose-dependente, além de potencializar a ação antinociceptiva da morfina.

[ 37 ]

Anti-hipertensiva

Anti-hipertensiva
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: associação de 226 g do extrato hidroalcoólico (pó) de Hibiscus sabdariffa e 113 mg do extrato hidroalcoólico (pó) de Olea europaea. Doses para ensaio: 125 a 500 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley portadores de hipertensão induzida por L-NAME, tratados com o fitoterápico, com posterior análise da pressão arterial sistólica e diastólica, parâmetros histopatológicos (fígado, rim e coração), bioquímicos (LPO, ALT, AST, GGT, GSH, NO, HDL, LDL, ureia, creatinina, atividade de ECA, colesterol total e triglicerídeos) e expressão de eNOS (RT-PCR e imuno-histoquímica).

A associação dos extratos de H. sabdariffa e O. europaea apresenta atividade anti-hipertensiva, sendo promissor para tratamento como coadjuvante.

[ 40 ]
Folha

Pres Phytum® (13:2): associação dos extratos de Olea europaea e Hibiscus sabdariffa.

In vitro:

Em átrio, aorta, estômago, vesícula biliar, íleo, cólon, pulmão, anéis de traqueia, bexiga e ducto deferente isolados de porquinhos-da-Índia incubados com o fitoterápico, com posterior análise de contratilidade.

 

O fitoterápico apresenta atividade vasorelaxante (CI50 = 2,38 mg/mL) e cronotrópica negativa (CI50 = 1,04 mg/mL), sendo promissor para o tratamento da hipertensão.

[ 19 ]
Folha

Extrato: 5% do material vegetal (fresco) em água/etanol (50:50 v/v). Dose para ensaio: 40 mL/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar hipertensos (SHR) tratados com o extrato vegetal, com posterior análise da pressão arterial e frequência cardíaca.

Neste estudo, das 32 plantas medicinais, Allium sativum, Olea europaea e Hedychium coronarium apresentam atividade anti-hipertensiva mais potente, enquanto que Saccharum officinarum, Psychotria sessilis, Ocimum micranthum e Salvia officinalis reduzem os batimentos cardíacos.

[ 56 ]

Anti-inflamatória

Anti-inflamatória
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: etanólico a 95% e metanólico. Concentrações para ensaio: 0 a 200 μg/mL.

In vitro:

Em macrófagos murinos (RAW 264.7) estimulados com lipopolissacarídeos e incubados com os extratos vegetais, com posterior análise dos níveis de óxido nítrico e atividade inibitória de PGE2, viabilidade celular (MTT), expressão de COX-2, iNOS, IL-1β, IL-6 e TNF-α (RT-PCR) e expressão de p65, p50, IkBα, IKK, Akt, p85, Src e Syk (Western blotting).

 

O extrato metanólico de O. europaea apresenta atividade anti-inflamatória mais potente, por inibição direta de Src e Syk, via NF-kβ.

[ 7 ]
Folha

Extrato metanólico. Rendimento: 17,4%. Concentrações para ensaio: 50 a 200 µg/mL.

In vitro:

Em culturas de macrófagos murinos (RAW 264.7) e células renais embrionárias humanas (HEK293T) incubadas o extrato vegetal, com posterior análise da viabilidade celular (MTT), e estimuladas com lipopolissacarídeos para análise dos níveis de óxido nítrico, expressão de genes IL-2, IL-6, COX-2, TNF-α, MMP-9, MCP1 e ICAM-1; em células HEK293T transfectadas com pCMV-HA tratadas com HA-TAK, incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise da expressão de c-Fos, JNK, Lamin A/C, p38, ERK, MKK4/7, c-Jun, MKK3/6, MEK1/2, TAK1, IRAK4 e HA.

 

O extrato de O. europaea apresenta atividade anti-inflamatória, através da supressão de TAK1/AP-1.

[ 9 ]
Folha

Extrato: material vegetal (seco) em metanol/água. Concentrações para ensaio (in vitro): 0,1 a 100 μg/mL. Doses para ensaio (in vivo): 0,5 a 25 mg/kg.

In vitro:

Em cultura de células RAW 264, CMT-93, Caco-2 e PBMCs incubadas com o extrato vegetal e estimuladas com LPS ou IL-1β, com posterior análise dos níveis de citocinas e viabilidade celular.

Em mucosas intestinais de humanos incubadas com o extrato vegetal e estimuladas com LPS, com posterior análise dos níveis de citocinas pró-inflamatórias.

 

In vivo:

Em camundongos CD1 e C57BL/6J portadores de colite induzida por DNBS ou DSS, respectivamente, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos e histopatológicos.

O extrato de O. europaea apresenta atividade anti-inflamatória, pois reduz a expressão de IL-1β, IL-6, IL-8, TNF-α e iNOS, e estimula a expressão de ZO-1, MUC-2 e TFF-3.

[ 15 ]
Fruto

Extrato: 50 g do material vegetal (fresco) em 4500 mL de n-hexano e etanol a 80%. Rendimento: 20,3 e 11,9%, respectivamente. Doses para ensaio: 100 a 400 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss tratados com os extratos vegetais e submetidos aos testes de edema de pata induzido por carragenina, aumento da permeabilidade capilar induzida por ácido acético, contorções abdominais induzidas por p-benzoquinona e da placa quente.

O extrato de hexano de O. europaea apresenta atividade anti-inflamatória, principalmente na dose de 400 mg/kg, além da ausência de toxicidade (aguda e gástrica).

[ 33 ]

Anti-inflamatória (ácido úrico)

Anti-inflamatória (ácido úrico)
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato seco: a partir do extrato etanólico a 80%. Concentrações para ensaio: 0 a 100 µg/mL.

In vitro:

Determinar a atividade da enzima xantina oxidase (citocromo c e medições cinéticas).

 

O extrato de O. europaea inibe a atividade da enzima xantina oxidase, sendo útil para a redução dos níveis de ácido úrico, bem como no tratamento de processos inflamatórios.

[ 50 ]

Anti-inflamatória e Antiartrítica

Anti-inflamatória e Antiartrítica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato etanólico. Concentrações para ensaio (in vitro): 0 a 200 μg/mL. Doses para ensaio (in vivo): 100 e 200 mg/kg.

In vitro:

Em macrófagos (RAW 264.7) incubados com o extrato vegetal, estimulados com LPS, com posterior análise dos níveis da viabilidade celular, níveis de óxido nítrico e PGE2.

 

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley portadores de artrite induzida por adjuvante completo de Freund (AIA), tratados com o extrato vegetal, com posterior análise da sensibilidade à dor (retirada da pata), peso corporal, parâmetros histológicos da cartilagem, níveis de PGE2, expressão de IL-1β, IL-6, iNOS e MMP2 (RT-PCR) e c-Jun, c-Fos, IkBα, p65 e p50 (imunoblotting).

O extrato etanólico de O. europaea apresenta atividade anti-inflamatória e antiartrítica, sendo promissor para o tratamento da artrite reumatoide.

[ 26 ]

Anti-inflamatória e Antinociceptiva

Anti-inflamatória e Antinociceptiva
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto

Óleo. Doses para ensaio: 1 a 10 mL/kg.

In vivo:

Em camundongos Balb/C tratados com o óleo vegetal, submetidos aos testes de edema de pata e orelha induzido por formalina e xileno, respectivamente, da placa quente e contorções abdominais induzidas por ácido acético.

O óleo de O. europaea apresenta atividade anti-inflamatória e antinociceptiva, demonstrando ação analgésica periférica.

[ 43 ]

Anti-inflamatória e Antioxidante

Anti-inflamatória e Antioxidante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: 10 g do material vegetal (liofilizado) em 100 mL de etanol. Concentração para ensaio: 0,1 e 0,2 mg/mL.

In vitro:

Em macrófagos murinos (RAW 264.7) e macrófagos derivados da medula óssea de camundongos C57BL/6 incubados com o extrato vegetal, estimulados com palmitato de sódio, com posterior análise da expressão e quantificação de mediadores pró-inflamatórios e inflamatórios (RT-PCR e ELISA), fenotípica de macrófagos M1/M2 (citometria de fluxo), expressão de proteínas (Western blotting) e viabilidade celular (MTT).

 

O extrato de O. europaea apresenta atividade anti-inflamatória e antioxidante, pois modula os níveis de TNF-α, IL-1β, IL-6, IL-10, NO, PGE2, NFR2/KEAP1, NF-kB e PPAR-γ.

[ 16 ]
Folha

Extrato: 4 kg do material vegetal (fresca) em 16 L de etanol. Rendimento: 835 mL. Dose para ensaio: 30 mL/kg (3% da dieta).

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de síndrome metabólica induzida por suplementação de dieta rica em amido ou hipercalórica contendo o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros cardiológicos (ecocardiograma), histológicos (coração e fígado) e bioquímicos, função ventricular esquerda (Langendorff), contratilidade de anéis da aorta (na presença de noradrenalina, acetilcolina e nitroprussiato de sódio) e pesos de órgãos internos.

O extrato de O. europaea apresenta atividade antioxidante e anti-inflamatória, reduzindo os danos cardiovasculares, hepáticos e metabólicos provenientes da obesidade e diabetes.

[ 51 ]

Antiasmática e Antioxidante

Antiasmática e Antioxidante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: maceração de 200 g do material vegetal em 1 L de água. Dose para ensaio: 1 mL.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação do radical DPPH, redução do íon férrico (FRAP) e capacidade antioxidante total (método fosfomolibdênio).

 

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de asma induzida por sensibilização com ovalbumina, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise, em homogenato pulmonar, dos níveis de peroxidação lipídica, GSH, GPx, CAT e SOD, e exame histopatológico pulmonar.

O extrato de O. europaea apresenta atividade antioxidante e antiasmática.

[ 54 ]

Antibacteriana

Antibacteriana
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: 50 g do material vegetal (pó) em 1 L de etanol. Concentrações para ensaio: 0,0008 a 0,1 mg/mL.

Óleo essencial: 200 g do material vegetal (pó) em 200 mL de água, por hidrodestilação. Concentrações para ensaio: 0,05 a 33,3 mg/mL.

In vitro:

Em culturas de Streptococcus agalactiae incubadas com o óleo e extrato vegetais, com posterior análise do halo de inibição e concentração inibitória mínima (CIM), respectivamente.

 

O óleo e o extrato de O. europaea apresentam atividade antibacteriana, sendo promissores como fonte alternativa de tratamento.

[ 4 ]
Folha

Extrato: 100 g do material vegetal (seco) em 500 mL de metanol. Rendimento: 5,89%. Concentrações para ensaio: 31,25 a 250 µg/mL.

In vitro:

Em culturas de Acinetobacter calcoaceticus, Staphylococcus aureus, S. epidermidis, S. faecalis, Streptococcus pyogenes, S. agalactiae, Salmonella serovar Typhi, Pseudomonas aeruginosa, Candida albicans, Proteus vulgaris, Shigella dysenteriae, Klebsiella pneumoniae, Escherichia coli, Vibrio cholerae e Corynebacterium xerosis submetidas ao teste de microdiluição em ágar, com posterior análise da concentração inibitória mínima (CIM).

 

Neste estudo, dentre as 26 espécies vegetais, Syzygium aromaticum, Ficus carica, Olea europaea e Peganum harmala apresentam atividade antibacteriana mais potente, principalmente para S. aureus, S. epidermidis e S. pyogenes.

[ 20 ]
Folha

Extrato: maceração de 50 g do material vegetal (pó) em hexano, clorofórmio, metanol ou água. Concentração para ensaio: 6,25 a 200 μg/mL. Outras espécies em estudo: Citrus aurantifolia, C. sinensis, Foeniculum vulgare, Larrea tridentata, Mentha pulegium, Musa acuminata, Nasturtium officinale e Rosa centifolia.

In vitro:

Em cultura de Mycobacterium tuberculosis incubadas com os extratos vegetais, com posterior análise da concentração inibitória mínima (CIM).

Em cultura de células de carcinoma epidermoide de nasofaringe de humanos (KB) incubada com o extrato vegetal, com posterior análise de citotoxicidade (eosina B).

 

Os extratos de N. officinale (clorofórmio), O. europaea, C. sinensis e C. aurantifolia (hexano) apresentam atividade antibacteriana mais potente, contudo não demonstram citotoxicidade para células KB.

[ 22 ]

Antibacteriana e Antitumoral

Antibacteriana e Antitumoral
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Nanopartículas de prata: contendo o extrato vegetal [10 g do material vegetal (pó) em 100 mL de água].

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação do radical DPPH.

Em culturas de Pseudomonas aeruginosa, Klebsiella pneumoniae, Staphylococcus aureus e Bacillus subtilis incubadas com a nanopartícula de prata contendo o extrato vegetal, com posterior análise do teste de diluição seriada (contagem bacteriana em placa), morte bacteriana (microscópio confocal de varredura a laser) e níveis intracelulares de ERO's.

Em células de câncer de mama (MCF-7) incubadas com a nanopartícula de prata contendo o extrato vegetal, com posterior análise da viabilidade celular (MTT); e em células humanas renais embrionárias (HEK293T) e células-tronco mesenquimais (hMSCs) para análise de biocompatibilidade.

 

As nanopartículas de prata contendo o extrato de O. europaea apresentam atividades antibacteriana, antitumoral e biocompatibilidade com células HEK293T e hMSCs.

[ 10 ]

Antileucêmica

Antileucêmica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: 10 g do material vegetal (pó) em 100 mL de etanol a 70%.

In vitro:

Em cultura de células de leucemia promielocítica humana (HL-60) incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise da proliferação e diferenciação celular (MTT e Microscopia de contraste de fase), e fragmentação do DNA (eletroforese).

 

O extrato de O. europaea, proveniente da Tunísia (cultivar gerboui), apresenta atividade antileucêmica, pois induz a diferenciação celular e a morte de células hematopoiéticas imaturas.

[ 23 ]

Antimalárica

Antimalárica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: maceração de 600 g do material vegetal em 1,5 L de metanol a 80%. Frações: clorofórmio, n-butanol e água. Doses para ensaio: 200 a 600 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss infectados com Plasmodium berghei, tratados com o extrato e frações vegetais, com posterior análise da atividade quimiossupressora, quantificação da parasitemia, do volume das hemáceas, temperatura retal e peso corporal.

O extrato de O. europaea apresenta atividade antimalárica mais potente, principalmente na dose de 600 mg/kg.

[ 34 ]

Antimicrobiana

Antimicrobiana
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato. Concentrações para ensaio: 0,002 a 50% (v/v).

In vitro:

Em culturas de Acinetobacter calcoaceticus, Bacillus spp., Campylobacter jejuni, Candida spp., Enterococcus faecalis, Escherichia coli, Helicobacter pylori, Klebsiella pneumoniae, Kocuria rhizophila, Lactobacillus spp., Listeria spp., Micrococcus luteus, Pseudomonas aeruginosa, Salmonella enterica, Serratia marcescens e Staphylococcus spp. submetidas ao teste de diluição e microdiluição em ágar, com posterior análise das concentrações inibitória mínima (CIM), bactericida mínima (CBM) e fungicida mínima (CFM).

 

O extrato de O. europaea apresenta atividade antimicrobiana, principalmente para C. jejuni, H. pylori e S. aureus.

[ 18 ]

Antioxidante

Antioxidante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: 10 g do material vegetal (pó) em 500 mL de água. Rendimento: 16,7%. Outra espécie em estudo: Camellia sinensis. Doses para ensaio: 200 e 400 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos (MF1) submetidos a intoxicação com diazinon, pré-tratados com os extratos vegetais (associados ou não), com posterior análise de parâmetros bioquímicos (ALT, AST, GGT, ALP, CK, creatinina, glicose, proteínas totais, triglicerídeos e colesterol).

A associação dos extratos de C. sinensis e O. europaea apresenta atividade antioxidante, reduzindo a hepatotoxicidade, cardiotoxicidade, nefrotoxicidade e os distúrbios metabólicos induzidos pelo organofosforado.

[ 38 ]
Folha

Extrato: 10 g do material vegetal (pó) em etanol a 70%. Doses para ensaio: 500 e 1000 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar velhos, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (ALT, AST, LDH e CK) e níveis de MDA, DC, PC, SOD, GSH e GST em homogenato dos tecidos hepáticos, cardíacos e cerebrais.

O extrato de O. europaea reduz o estresse oxidativo nos tecidos em estudo, proveniente do envelhecimento, principalmente na dose de 1000 mg/kg.

[ 47 ]
Fruto

Óleo. Dose para ensaio: 0,6 g/kg.

In vivo:

Em ratas Wistar portadoras de estresse oxidativo induzido por deltametrina, tratadas com o óleo vegetal, com posterior análise do peso corporal, da glândula tireoide e ovários, níveis hormonais (TSH, T4, T3, FSH, LH, Pg e E2), parâmetros oxidativos (LPO, CAT, SOD, GST, GPx e PCs), citologia vaginal e ciclo estral.

O óleo de O. europaea apresenta atividade antioxidante, reduzindo os danos na função da glândula tireoide (TSH e T4) e nos ovários (FSH e hormônios esteroides) induzidos por deltametrina.

[ 32 ]

Antioxidante e Antitumoral

Antioxidante e Antitumoral
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto

Extrato (cultivares diferentes): 200 g do material vegetal (pasta homogênea) em etanol a 70%, seguidamente, em hexano. Rendimento: 10%. Concentrações para ensaio: 0 a 2000 µg/mL.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação dos radicais DPPH e ABTS.

Em culturas de células cancerígenas hepáticas (HepG2) e do cólon (Caco-2), incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise da viabilidade celular (MTT), ciclo celular e expressão de caspases (citometria de fluxo), fragmentação do DNA (gel de agarose) e expressão de P-Akt, Akt, P-Erk, Erk, p53 (Western blotting).

 

Os extratos de O. europaea apresentam atividades antioxidante e antitumoral (CI50 = 1,6 mg/mL).

[ 3 ]

Antioxidante e Genoprotetora

Antioxidante e Genoprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: 25 g do material vegetal (pó) em 3000 mL de etanol. Rendimento: 0,75% (p/v). Concentrações para ensaio: 50 e 400 mg/L.

In vitro:

Em células sanguíneas de humanos incubadas com o extrato vegetal e permetrina, na presença de enzimas do citocromo P450 (S9 mix), com posterior análise dos testes de troca de cromátides irmãs (SCE), aberrações cromossômicas (ACs), capacidade antioxidante total (CAT) e estado oxidativo total (EOT).

 

O extrato de O. europaea apresenta atividade genoprotetora e antioxidante, principalmente a partir da concentração de 100 mg/L.

[ 12 ]

Antioxidante e Hepatoprotetora

Antioxidante e Hepatoprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato (pó): contendo 20% de oleuropeína. Dose para ensaio: 80 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley portadores de lesões hepáticas induzidas por tetracloreto de carbono, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (concentração de hemoglobina, MDA, SOD, CAT, ALP, AST e ALT), fragmentação do DNA, níveis hepáticos de p53 e caspase 3, e parâmetros histopatológicos.

O extrato de O. europaea apresenta atividade hepatoprotetora e antioxidante, além de reduzir danos ao DNA.

[ 5 ]
Folha

Extrato seco etanólico (EFLA® 943): padronizado com 17% de oleuropeína. Dose para ensaio: 80 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de lesões hepáticas induzidas por tetracloreto de carbono, pré-tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (ALT e AST), oxidativos (MDA, GSH e CAT), histopatológicos e expressão de caspase-3, citocromo c, LC3-II, p62 e AMPK.

O extrato de O. europaea apresenta atividade hepatoprotetora e antioxidante, reduzido significativamente a ação da proteína AMPK.

[ 41 ]

Antioxidante e Hipocolesterolemiante

Antioxidante e Hipocolesterolemiante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: 100 g do material vegetal (pó) em 1 L de água e maceração de 10 g do material vegetal em etanol a 50%. Dose para ensaio: 200 mg/kg.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação do radical DPPH, branqueamento do β-caroteno, capacidade antioxidante total, redução do íon férrico e ensaio de tiocianato férrico.

 

In vivo:

Em camundongos Swiss portadores hipercolesterolemia induzida por dieta hipercalórica, tratados com os extratos vegetais, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (CT, TG, LDL, HDL e VLDL).

O extrato etanólico de O. europaea apresenta atividade hipocolesterolemiante e antioxidante, mais potente, sendo promissora na prevenção e tratamento da aterosclerose.

[ 2 ]

Antiparasitária

Antiparasitária
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: 50 g do material vegetal (pó) em 250 mL de metanol a 70%. Associação com: Ficus carica. Dose para ensaio: 200 mg/kg (nas proporções de 1:1, 1:3, 1:5 e 1:7, figo e oliveira, respectivamente).

In vivo:

Em camundongos Swiss imunossuprimidos com corticoide e infectados com oocistos de Cryptosporidium parvum, tratados com a associação dos extratos vegetais, com posterior análise do exame parasitológico das fezes, parâmetros histopatológicos (intestino delgado) e bioquímicos (AST, ALT, SOD, GSH e CAT).

A associação dos extratos de F. carica e O. europaea apresenta atividade antiparasitária (criptosporidiose), principalmente nas proporções de 1:3 e 1:5.

[ 28 ]

Antitrombótica

Antitrombótica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: maceração do material vegetal (pó) em etanol. Rendimento: 113,16 g. Doses para ensaio: 100 e 200 mg/kg.

In vivo:

Em coelhos portadores de trombose induzida por ligadura da veia cava (modelo de trombose venosa profunda), pré-tratados com o extrato vegetal, com posterior análise da coagulação, tempo de protrombina e tromboplastina.

O extrato de O. europaea apresenta atividade antitrombótica, pois prolonga o tempo de protrombina e altera a morfologia do trombo (filamentoso e menos aderente).

[ 53 ]

Antitumoral

Antitumoral
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: 5 g do material vegetal em 250 mL de água. Concentrações para ensaio: 35 a 2500 µg/mL.

In vitro:

Em células de câncer colorretal (HT29) e próstata (PC3) incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise de citotoxicidade (MTT), ciclo celular (citometria de fluxo), migração celular e aspectos morfológicos (fluorescência), apoptose (fragmentação do DNA), expressão de ACTB, BCL2 e BAX (cDNA), parâmetros oxidativos e antioxidantes (proteína carbonil, MDA, GSH e CAT).

 

O extrato de O. europaea apresenta atividade antitumoral, principalmente para células HT29.

[ 6 ]
Folha

Extratos: aquoso (60:1 mL/g), metanol a 50% (20:1 mL/g) e etanol a 50% (20:1 mL/g). Concentrações para ensaio: 0 a 200 µg/mL.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação do radical DPPH, redução do íon férrico (FRAP) e cúprico (CUPRAC).

Em células de câncer pancreático (MiaPaCa-2) incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise do crescimento celular (CCK-8).

 

O extrato aquoso de O. europaea apresenta atividade antiproliferativa mais potente, principalmente na concentração de 50 µg/mL.

[ 8 ]
Folha

Extrato (1:10 p/v): material vegetal (pó) em etanol a 80%. 

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação do radical DPPH.

Em culturas de células humanas leucêmicas (Jurkat) e de linfócitos mononucleares incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise de citotoxicidade e viabilidade (ELISA), proliferação celular (radioatividade), apoptose (Anexina V/PI) e expressão de p53, Bax e Bcl-2α (Western blotting).

 

O extrato de O. europaea apresenta atividade antiproliferativa, por indução da apoptose, além de baixa citotoxicidade.

[ 11 ]
Folha

Extrato (1:10 p/v): material vegetal (pó) em etanol a 70%. Concentrações para ensaio: 50 a 150 µg/mL.

In vitro:

Em células humanas de leucemia crônica (K562) incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise da proliferação (MTT), viabilidade (citometria de fluxo), morfologia (microscopia), ciclo celular (citometria de fluxo), apoptose (Anexina V), diferenciação de leucócitos (expressão de CD11b e CD14) e mecanismo indutor da diferenciação celular (Microarray).

 

O extrato de O. europaea apresenta atividade antitumoral, pois induz a apoptose, bem como a diferenciação de monócitos/macrófagos.

[ 13 ]
Folha

Extrato: n-hexano e aquoso. Concentrações para ensaio: 2 mg/mL.

In vitro:

Em células de glioblastoma (T98G) incubadas com os extratos vegetais, associado ou não a temozolomida, com posterior análise de citotoxicidade e proliferação celular, teste de cicatrização de feridas e expressão de Twist, Snail, Zeb1, N-caderina e E-caderina (marcadores envolvidos na transição epitelial-mesenquimal).

 

O extrato de O. europaea apresenta atividade antitumoral, pois suprime a expressão de marcadores envolvidos na transição epitelial-mesenquimal, principalmente quando associado a temozolomida.

[ 14 ]
Folha

Extrato seco etanólico (EFLA® 943): padronizado com 19,8% de oleuropeína. Concentração para ensaio (in vitro): 0,6 mg; 0,15 a 1,2 mg/mL. Dose para ensaio (in vivo): 40 mg/kg.

In vitro:

Em cultura de células de melanoma murino (B16), de glioma de rato (C6), de fibrossarcoma murino (L929), de insulinoma de rato (RINm5F), de melanoma (A375) e de câncer colorretal (HCT116) de humanos, incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise da viabilidade celular, apoptose, ciclo celular, fragmentação do DNA, ensaio clonogênico e expressão de genes e proteínas.

Em células B16 incubadas com o extrato vegetal, associado ou não com cisplatina, paclitaxel, doxorrubicina e temozolomida, com posterior análise de sinergismo ou antagonismo. 

 

In vivo:

Em camundongos C57BL/6 portadores de melanoma induzido por células B16, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos urinários, crescimento do tumor e histológicos.

O extrato de O. europaea apresenta atividade antitumoral promissora, contudo, a associação com drogas citostáticas deve ser realizada com cautela.

[ 48 ]
Folha

Extrato: material vegetal (pó) em etanol a 80%. Padronizado com: 15% de oleuropeína. Concentrações para ensaio: 5 µg/mL a 3 mg/mL.

In vitro:

Em células humanas de glioblastoma multiforme (T98G) incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise de citotoxicidade (Azul de tripano), proliferação celular (WST-1), sinergismo ou antagonismo com temozolomida (TMZ) e expressão de microRNA.

 

O extrato de O. europaea apresenta atividade antiproliferativa, pois modula a expressão de miRNAs envolvidos no ciclo celular e apoptose, além do sinergismo com TMZ.

[ 17 ]

Dermatoprotetora

Dermatoprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato (1:1 p/p): 123 g do material vegetal (Spirodela polyrhiza e Olea europaea) em etanol a 60%. Rendimento: 100 mg. Doses para ensaio: 50, 100 e 200 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos NC/Nga portadores de dermatite atópica induzida por 1-cloro-2,4-dinitrobenzeno (DNCB), tratados oralmente com a associação dos extratos vegetais, com posterior análise de parâmetros histológicos, níveis séricos de IgE, expressão de citocinas, genes (na pele dorsal e esplenócitos) e proteínas (filagrina, sirtuína 1 e claudina 1).

A associação dos extratos de S. polyrhiza e O. europaea reduz os sintomas da dermatite atópica, pois regula o equilíbrio imunológico e a função da barreira cutânea.

[ 27 ]

Estimuladora da glândula tireoide

Estimuladora da glândula tireoide
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: aquoso liofilizado. Doses para ensaio: 100 a 500 µg.

In vivo:

Em ratos Wistar submetidos a administração do extrato vegetal, com posterior análise dos níveis plasmáticos de tiroxina (T4), tiiodotironina (T3) e hormônios tireotrópicos (TSH).

O extrato de O. europaea demonstra atividade estimuladora da tireoide, através da conversão de T4 em T3, contudo, houve redução dos níveis de TSH.

[ 55 ]

Gastroprotetora

Gastroprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: material vegetal (pó) em metanol a 70% (v/v). Doses para ensaio: 100 a 300 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de gastrite induzida por ácido clorídrico e etanol, pré-tratados com o extrato vegetal, com posterior análise do índice de úlcera gástrica, nível de muco aderente gástrico, parâmetros histológicos, bioquímicos (LPO, NO e GSH), antioxidantes/oxidantes (SOD, CAT, GPx, GRd, GSSG, GSH e MPO), imuno-histoquímicos (NF-kB, COX-2 e TNF-α) e de expressão gênica (SOD2, CAT, GPx, GRd, Nrf2, iNOS, IL-1β e TNF-α).

O extrato de O. europaea apresenta atividade gastroprotetora, principalmente na dose de 300 mg/kg, por inibir a expressão de NF-kB e a mobilização de leucócitos.

[ 35 ]

Hipoglicemiante

Hipoglicemiante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Cápsula: contendo 500 do extrato vegetal, a partir da extração com hexano, seguidamente, solução etanólica 80%.

In vitro:

Em intestinos delgados isolados de animais normais, obesos, diabéticos (induzido por estreptozotocina), incubados com o extrato vegetal, com posterior análise dos níveis plasmáticos de glicose, e submetidos ao (teste do saco intestinal invertido (solução de amido), com posterior análise da digestão e absorção da glicose.

 

O extrato de O. europaea apresenta atividade hipoglicêmica, pois reduz a digestão e absorção da glicose, na mucosa e membrana serosa intestinal.

[ 1 ]
Folha

Extrato: 60 g do material vegetal (pó) em 300 mL de etanol a 80%. Doses para ensaio: 0,1 a 0,5 g/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de diabetes induzido por estreptozotocina, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (glicose, insulina, colesterol total, triglicerídeos, ureia, ácido úrico, creatinina, AST e ALT).

O extrato de O. europaea apresenta atividade hipoglicemiante, com resultado superior quando comparado ao medicamento sintético glibenclamida.

[ 36 ]
Folha

Extrato seco etanólico (EFLA® 943): padronizado com 19,8% de oleuropeína. Doses para ensaio (in vivo): 100 mg/kg (via oral) e 40 mg/kg (via intraperitoneal).

In vitro:

Em culturas de células peritoneais e esplenóticos estimuladas com concavalina A e marcadas com [3H]timidina, incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise da proliferação de linfócitos, expressão e níveis de insulina, IL-4, IL-6, IL-10, IL-17, IL-1β, TNF-α, IFN-γ e NO.

 

In vivo:

Em camundongos C57BL/6, CBA/H e NOD/ShiLtJ portadores de diabetes induzido por estreptozotocina e ciclofosfamida, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise histológica e imuno-histoquímica do pâncreas, e níveis de citocinas e óxido nítrico em células do pâncreas, baço e peritoneais.

O extrato de O. europaea apresenta atividade hipoglicemiante (diabetes autoimune), pois suprime a produção de mediadores pró-inflamatórios e citotóxicos.

[ 45 ]
Folha

Extrato: maceração do material vegetal em etanol a 60%. Doses para ensaio: 200 e 400 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de diabetes induzido por dieta hipercalórica e estreptozotocina, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise do peso corpora, parâmetros bioquímicos, hematológicos, peroxidação lipídica/atividade antioxidante e atividade de δ-aminolevulinato desidratase no tecido renal.

O extrato de O. europaea apresenta atividade hipoglicemiante promissora, além de reduzir os níveis de marcadores inflamatórios envolvidos nesta patologia.

[ 30 ]

Imunomoduladora

Imunomoduladora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: 20 g do material vegetal (pó) com 200 mL de etanol/água (70:30). Concentrações para ensaio: 6,25 a 25 µg/mL.

In vitro:

Em macrófagos peritoneais isolados de camundongos BALB/c infectados por Leishmania major (promastigota), incubados com o extrato vegetal, com posterior análise dos níveis de IFN-γ, TNF-α, TGF-β (ELISA) e NO (teste colorimétrico).

 

O extrato de O. europaea apresenta atividade imunomoduladora, pois aumenta os níveis de IFN-γ e TNF-α, reduz os de TGF-β e não altera a quantidade de NO.

[ 42 ]

Melhora a função cognitiva

Melhora a função cognitiva
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Óleo essencial. Outra espécie em estudo: Nigella sativa. Doses para ensaio: 0,1 a 0,25 mL/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar tratados com os óleos vegetais e submetidos aos testes de atividade na caixa, campo aberto, labirinto em cruz elevado, labirinto aquático de Morris e dos níveis de aminas biogênicas cerebrais, 5-HT, DA, 5-HIAA, DOPAC e HVA (HPLC-ECD).

Os óleos essenciais de O. europaea e N. sativa melhoram a cognição (aumento de dopamina), contudo não apresentam ação ansiolítica.

[ 25 ]

Nefroprotetora

Nefroprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: material vegetal (pó) em etanol a 80%. Doses para ensaio: 100 e 200 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de nefrotoxicidade induzida por ciclofosfamida, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (ureia, creatinina, óxido nítrico, MDA, GSH, SOD e CAT), histológicos, níveis de TNF-α, IL-1β, caspase-3 e citocromo-c em homogenato renal, expressão de Bcl-2, Bax, caspase-3, NF-kB, Nrf2, HO-1 e NQO-1.

O extrato de O. europaea apresenta atividade nefroprotetora, pois regula positivamente a sinalização de Nrf2/ARE/HO-1, além de anti-inflamatória e antiapoptótica.

[ 29 ]

Neuroprotetora

Neuroprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: material vegetal (pó) em 1 L de etanol a 80%. Concentração para ensaio (in vitro): 100 a 600 µg/mL. Doses para ensaio (in vivo): 100 a 600 mg/kg.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação do radical DPPH.

Em células de feocromocitoma de ratos (PC12) incubadas com o extrato vegetal e alta concentração de glicose, com posterior análise da diferenciação e viabilidade celular (MTT), e expressão de caspase 3 e Bax/Bcl-2 (imunoblotting).

 

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de diabetes induzido por estreptozotocina, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise do teste de movimento da cauda, parâmetros bioquímicos e expressão de caspase 3 e Bax/Bcl-2 em homogenato da coluna vertebral (imunoblotting).

O extrato de O. europaea apresenta reduz os danos neurais e suprime a hiperalgesia térmica provenientes do diabetes, possivelmente por atenuar a apoptose neuronal.

[ 39 ]
Folha

Extrato etanólico a 70%. Doses para ensaio: 75 a 300 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores da doença de Parkinson induzida por rotenona, tratados com o extrato vegetal, submetidos aos testes rota-rod e suspensão dos membros, análise dos níveis de CAT, GPx, SOD, MDA e número de neurônios positivos a tirosina hidroxilase no mesencéfalo.

O extrato de O. europaea apresenta atividade neuroprotetora, pois inibe a morte de neurônios dopaminérgicos, além da ação antioxidante, sendo, portanto, promissor para o tratamento da doença de Parkinson.

[ 44 ]

Reguladora da síndrome metabólica

Reguladora da síndrome metabólica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha In vivo:

Em camundongos C57BL/6J portadores de obesidade induzida por dieta hipercalórica, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise do peso corporal, parâmetros bioquímicos (glicose, insulina, LDL e HDL), expressão de marcadores inflamatórios nos tecidos hepático, adiposo e intestinal (RT-pPCR), fluxo de células imunes do tecido adiposo, disfunção vascular e composição da microbiota intestinal (citometria de fluxo), e transplante de microbiota fecal (TMF).

O extrato de O. europaea melhora o perfil lipídico e inflamatório, e a disfunsão vascular, sendo promissor para o tratamento da síndrome metabólica, além de melhorar a composição da microbiota intestinal.

[ 24 ]

Renoprotetora

Renoprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato seco etanólico (EFLA® 943): padronizado com 17% de oleuropeína. Dose para ensaio: 80 mg/kg.

In vivo:

Em ratos hipertensos (SHR) portadores de glomeruloesclerose segmentar focal (Gesf) e induzida por doxorrubicina, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros hemodinâmicos, bioquímicos, oxidativo/antioxidantes, de expressão genética e histopatológicos renais.

O extrato de O. europaea apresenta atividade antioxidante, hipolipidêmica e anti-inflamatória, podendo ser útil no tratamento da Gesf.

[ 46 ]

Vasodilatadora

Vasodilatadora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: por decocção. Rendimento: 39,7% (liofilizado). Doses para ensaio (in vivo): 0,25 a 50,0 mg/kg.

In vitro:

Em aortas isoladas de ratos Wistar, com ou sem endotélio, incubadas com o extrato vegetal, fenilefrina, vasopressina, acetilcolina e nitroprussiato de sódio, com posterior análise da contratilidade do músculo liso vascular.

 

In vivo:

Em ratos Wistar submetidos a administração do extrato vegetal, com posterior análise da pressão diastólica.

O extrato de O. europaea apresenta atividade vasodilatadora independente da integridade endotelial.

[ 52 ]
Ensaios toxicológicos

Antigenotóxica

Antigenotóxica
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato seco etanólico (EFLA® 943): padronizado com 17% de oleuropeína. Outras espécies em estudo: Sonchus oleraceus e Mangifera indica.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação dos radicais DPPH e ABTS.

Em células de sangue periférico de humanos incubadas com os extratos vegetais, pré ou pós-tratadas com 17β-estradiol e dietilestilbestrol, com posterior análise de genotoxicidade (ensaio do Cometa).

 

O extrato seco de O. europaea apresenta atividade antigenotóxica, além da ação antioxidante.

[ 21 ]

Mutagenicidade e Genotoxicidade

Mutagenicidade e Genotoxicidade
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato seco (BonoliveTM):  a partir do extrato hidroalcoólico. Padronizado com 40% de compostos fenólicos. Concentrações para ensaio (in vitro): 0 a 5000 µg/placa. Doses para ensaio (in vitro): 0 a 2000 mg/kg.

In vitro:

Em cepas de Salmonella typhimurium para determinar a mutagenicidade do extrato vegetal (teste Ames).

Em células pulmonares de hamsters chinês (V79) incubadas com o extrato vegetal, na presença ou ausência de ativador metabólico (S9), com posterior análise de aberrações cromossômicas.

 

In vivo:

Em camundongos tratados com o extrato vegetal, com posterior análise dos testes do micronúcleo e toxicidade crônica.

O extrato de O. europaea não apresenta sinais de genotoxicidade e mutagenicidade nas doses em estudo.

[ 49 ]

Toxicidade aguda

Toxicidade aguda
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: maceração de 600 g do material vegetal em 1,5 L de metanol a 80%. Frações: clorofórmio, n-butanol e água. Dose para ensaio: 2000 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss submetidos ao teste de toxicidade aguda.

O extrato e frações vegetais apresentam DL50 superior a 2000 mg/kg.

[ 34 ]

Toxicidade aguda e subaguda

Toxicidade aguda e subaguda
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: maceração do material vegetal em etanol a 60%. Doses para ensaio: 2000 mg/kg; 100 a 400 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar submetidos aos testes de toxicidade aguda e subaguda.

O extrato de O. europaea não apresenta sinais de toxicidade em ambos os testes.

[ 31 ]

Referências bibliográficas

1 - WAINSTEIN, J. et al. Olive leaf extract as a hypoglycemic agent in both human diabetic subjects and in rats. J Med Food, v. 15, p. 7, p.605-610, 2012. doi: 10.1089/jmf.2011.0243
2 - CHEURFA, M. et al. Hypocholesterolaemic and antioxidant properties of Olea europaea L. leaves from Chlef province, Algeria using in vitro, in vivo and in silico approaches. Food Chem Toxicol, v. 123, p.98-105, 2019. doi: 10.1016/j.fct.2018.10.002
3 - MAALEJ, A. et al. Assessment of Olea europaea L. fruit extracts: phytochemical characterization and anticancer pathway investigation. Biomed Pharmacother, v. 90, p.179-186, 2017. doi: 10.1016/j.biopha.2017.03.034
4 - MUKESI, M. et al. The activity of commercial antimicrobials, and essential oils and ethanolic extracts of Olea europaea on Streptococcus agalactiae isolated from pregnant women. BMC Complement Altern Med, v. 19, n. 1, p.1-9, 2019. doi: 10.1186/s12906-019-2445-4
5 - USTUNER, D. et al. Posttreatment effects of Olea europaea L. leaf extract on carbon tetrachloride-induced liver injury and oxidative stress in rats. J Med Food, v. 21, n. 9, p.899-904, 2018. doi: 10.1089/jmf.2017.0143
6 - ALBOGAMI, S.; HASSAN, A. M. Assessment of the efficacy of olive leaf (Olea europaea L.) extracts in the treatment of colorectal cancer and prostate cancer using in vitro cell models. Molecules, v. 26, n. 13, p.1-21, 2021. doi: 10.3390/molecules26134069
7 - SONG, C. et al. Suppression of Src and Syk in the NF-κB signaling pathway by Olea europaea methanol extract is leading to its anti-inflammatory effects. J Ethnopharmacol, v. 235, p.38-46, 2019. doi: 10.1016/j.jep.2019.01.024
8 - GOLDSMITH, C. D. et al. Phytochemical properties and anti-proliferative activity of Olea europaea L. leaf extracts against pancreatic cancer cells. Molecules, v. 20, n. 7, p.12992-3004, 2015. doi: 10.3390/molecules200712992
9 - SONG, C. et al. Olea europaea suppresses inflammation by targeting TAK1-Mediated MAP kinase activation. Molecules, v. 26, n. 6, p.1-16, 2021. doi: 10.3390/molecules26061540
10 - SELLAMI, H. et al. Green synthesis of silver nanoparticles using Olea europaea leaf extract for their enhanced antibacterial, antioxidant, cytotoxic and biocompatibility applications. Int J Mol Sci, v. 22, n. 22, p.1-16, 2021. doi: 10.3390/ijms222212562
11 - FARES, R. et al. The antioxidant and anti-proliferative activity of the Lebanese Olea europaea extract. Plant Foods Hum Nutr, v. 66, n. 1, p.58-63, 2011. doi: 10.1007/s11130-011-0213-9
12 - TÜRKEZ, H.; TOĞAR, B. Olive (Olea europaea L.) leaf extract counteracts genotoxicity and oxidative stress of permethrin in human lymphocytes. J Toxicol Sci, v. 36, n. 5, p.531-537, 2011. doi: 10.2131/jts.36.531
13 - SAMET, I. et al. Olive (Olea europaea) leaf extract induces apoptosis and monocyte/macrophage differentiation in human chronic myelogenous leukemia K562 cells: insight into the underlying mechanism. Oxid Med Cell Longev, p.1-16, 2014. doi: 10.1155/2014/927619
14 - MUTLU, M. et al. Inhibitory effects of Olea europaea leaf extract on mesenchymal transition mechanism in glioblastoma cells. Nutr Cancer, v. 73, n. 4, p.713-720, 2021. doi: 10.1080/01635581.2020.1765260
15 - VEZZA, T. et al. Immunomodulatory properties of Olea europaea leaf extract in intestinal inflammation. Mol Nutr Food Res, v. 61, n. 10, p.1-22, 2017. doi: 10.1002/mnfr.201601066
16 - DE CICCO, P. Olive leaf extract, from Olea europaea L., reduces palmitate-induced inflammation via regulation of murine macrophages polarization. Nutrients, v. 12, n. 12, p.1-17, 2020. doi: 10.3390/nu12123663
17 - TUNCA, B. et al. Olea europaea leaf extract alters microRNA expression in human glioblastoma cells. J Cancer Res Clin Oncol, v. 138, n. 11, p.1831-1844, 2012. doi: 10.1007/s00432-012-1261-8
18 - SUDJANA, A. N. et al. Antimicrobial activity of commercial Olea europaea (olive) leaf extract. Int J Antimicrob Agents, v. 33, n. 5, p.461-463, 2009. doi: 10.1016/j.ijantimicag.2008.10.026
19 - MICUCCI, M. et al. Hibiscus sabdariffa L. flowers and Olea europea L. leaves extract-based formulation for hypertension care: in vitro efficacy and toxicological profile. J Med Food, v. 19, n. 5, p.504-512, 2016. doi: 10.1089/jmf.2015.0072
20 - ALI, N. H. et al. Antibacterial activity in spices and local medicinal plants against clinical isolates of Karachi, Pakistan. Pharm Biol, v. 49, n. 8, p.833-839, 2011. doi: 10.3109/13880209.2010.551136
21 - TOPALOVIĆ, D. et al. Dry olive leaf extract attenuates DNA damage induced by estradiol and diethylstilbestrol in human peripheral blood cells in vitro. Mutat Res Genet Toxicol Environ Mutagen, v. 845, p.1-23, 2019. doi: 10.1016/j.mrgentox.2018.12.001
22 - CAMACHO-CORONA, M. D. R. et al. Activity against drug resistant-tuberculosis strains of plants used in Mexican traditional medicine to treat tuberculosis and other respiratory diseases. Phytother Res, v. 22, n. 1, p.82-85, 2008. doi: 10.1002/ptr.2269
23 - ABAZA, L. et al. Induction of growth inhibition and differentiation of human leukemia HL-60 cells by a Tunisian gerboui olive leaf extract. Biosci Biotechnol Biochem, v. 71, n. 5, p.1306-1312, 2007. doi: 10.1271/bbb.60716
24 - VEZZA, T. et al. The metabolic and vascular protective effects of olive (Olea europaea L.) leaf extract in diet-induced obesity in mice are related to the amelioration of gut microbiota dysbiosis and to its immunomodulatory properties. Pharmacol Res, v. 150, p.1-53, 2019. doi: 10.1016/j.phrs.2019.104487
25 - CHEEMA, M. A. R. et al. Neurochemical and behavioral effects of Nigella sativa and Olea europaea oil in rats. Nutr Neurosci, v. 21, n. 3, p.185-194, 2018. doi: 10.1080/1028415X.2016.1257417
26 - HONG, Y. H. et al. Tunisian Olea europaea L. leaf extract suppresses Freund's complete adjuvant-induced rheumatoid arthritis and lipopolysaccharide-induced inflammatory responses. J Ethnopharmacol, v. 268, p.1-9, 2021. doi: 10.1016/j.jep.2020.113602
27 - LEE, Y. S. et al. A combination of Olea europaea leaf extract and Spirodela polyrhiza extract alleviates atopic dermatitis by modulating immune balance and skin barrier function in a 1-chloro-2,4-dinitrobenzene-induced murine model. Phytomedicine, v. 82, p.1-46, 2021. doi: 10.1016/j.phymed.2020.153407
28 - EL-HAMED, W. F. A. et al. Anticryptosporidium efficacy of Olea europaea and Ficus carica leaves extract in immunocompromised mice associated with biochemical characters and antioxidative system. Cells, v. 10, n. 9, p.1-12, 2021. doi: 10.3390/cells10092419
29 - ALHAITHLOUL, H. A. S. et al. Olea europaea leaf extract up-regulates Nrf2/ARE/HO-1 signaling and attenuates cyclophosphamide-induced oxidative stress, inflammation and apoptosis in rat kidney. Biomed Pharmacother, v. 111, p.676-685, 2019. doi: 10.1016/j.biopha.2018.12.112
30 - GUEX, C. G. et al. Antidiabetic effects of Olea europaea L. leaves in diabetic rats induced by high-fat diet and low-dose streptozotocin. J Ethnopharmacol, v. 235, p.1-7, 2019. doi: 10.1016/j.jep.2019.02.001
31 - GUEX, C. G. et al. Safety assessment of ethanolic extract of Olea europaea L. leaves after acute and subacute administration to Wistar rats. Regul Toxicol Pharmacol, v. 95, p.395-399, 2018. doi: 10.1016/j.yrtph.2018.04.013
32 - MEKIRCHA, F. et al. The possible ameliorative effect of Olea europaea L. oil against deltamethrin-induced oxidative stress and alterations of serum concentrations of thyroid and reproductive hormones in adult female rats. Ecotoxicol Environ Saf, v. 161, p.374-382, 2018. doi: 10.1016/j.ecoenv.2018.05.086
33 - SÜNTAR, I. P. et al. Assessment of anti-inflammatory and antinociceptive activities of Olea europaea L. J Med Food, v. 13, n. 2, p.352-356, 2010. doi: 10.1089/jmf.2009.0067
34 - MISGANAW, D. et al. Evaluation of the anti-malarial activity of crude extract and solvent fractions of the leaves of Olea europaea (Oleaceae) in mice. BMC Complement Altern Med, v. 19, n. 1, p.1-12, 2019. doi: 10.1186/s12906-019-2567-8
35 - AL-QURAISHY, S. et al. Olive (Olea europaea) leaf methanolic extract prevents HCl/ethanol-induced gastritis in rats by attenuating inflammation and augmenting antioxidant enzyme activities. Biomed Pharmacother, v. 91, p.338-349, 2017. doi: 10.1016/j.biopha.2017.04.069
36 - EIDI, A. et al. Antidiabetic effect of Olea europaea L. in normal and diabetic rats. Phytother Res, v. 23, n. 3, p.347-350, 2009. doi: 10.1002/ptr.2629
37 - ESMAEILI-MAHANI, S. et al. Olive (Olea europaea L.) leaf extract elicits antinociceptive activity, potentiates morphine analgesia and suppresses morphine hyperalgesia in rats. J Ethnopharmacol, v. 132, n. 1, p.200-205, 2010. doi: 10.1016/j.jep.2010.08.013
38 - AL-ATTAR, A. M.; ZEID, I. M. A. Effect of tea (Camellia sinensis) and olive (Olea europaea L.) leaves extracts on male mice exposed to diazinon. Biomed Res Int, p.1-6, 2013. doi: 10.1155/2013/461415
39 - KAEIDI, A. et al. Olive (Olea europaea L.) leaf extract attenuates early diabetic neuropathic pain through prevention of high glucose-induced apoptosis: in vitro and in vivo studies. J Ethnopharmacol, v. 136, n. 1, p.188-196, 2011. doi: 10.1016/j.jep.2011.04.038
40 - ABDEL-RAHMAN, R. F. et al. Antihypertensive effects of roselle-olive combination in L-NAME-induced hypertensive rats. Oxid Med Cell Longev, p.1-24, 2017. doi: 10.1155/2017/9460653
41 - VIDIČEVIĆ, S. et al. Standardized Olea europaea L. leaf extract exhibits protective activity in carbon tetrachloride-induced acute liver injury in rats: the insight into potential mechanisms. Arch Physiol Biochem, v. 126, n. 5, p.399-407, 2020. doi: 10.1080/13813455.2018.1550095
42 - KHEIRANDISH, F. et al. Olive (Olea europaea) leaf extract alters the cytokine profile of Leishmania major-infected macrophages: New insight into the underlying mechanism. Parasite Immunol, v. 40, n. 4, p.1-22, 2018. doi: 10.1111/pim.12520
43 - EIDI, A. et al. Antinociceptive and anti-inflammatory effects of olive oil (Olea europeae L.) in mice. Pharm Biol, v. 50, n. 3, p.332-337, 2012. doi: 10.3109/13880209.2011.600318
44 - SARBISHEGI, M. et al. The neuroprotective effects of hydro-alcoholic extract of olive (Olea europaea L.) leaf on rotenone-induced Parkinson's disease in rat. Metab Brain Dis, v. 33, n. 1, p.79-88, 2018. doi: 10.1007/s11011-017-0131-0
45 - CVJETIĆANIN, T. et al. Dried leaf extract of Olea europaea ameliorates islet-directed autoimmunity in mice. Br J Nutr, v. 103, n. 10, p.1413-1424, 2010. doi: 10.1017/S0007114509993394
46 - KARANOVIC, D. et al. Olive leaf extract attenuates adriamycin-induced focal segmental glomerulosclerosis in spontaneously hypertensive rats via suppression of oxidative stress, hyperlipidemia, and fibrosis. Phytother Res, v. 35, n. 3, p.1534-1545, 2021. doi: 10.1002/ptr.6920
47 - ÇOBAN, J. et al. Olive leaf extract decreases age-induced oxidative stress in major organs of aged rats. Geriatr Gerontol Int, v. 14, n. 4, p.996-1002, 2014. doi: 10.1111/ggi.12192
48 - MIJATOVIC, S. A. et al. Multiple antimelanoma potential of dry olive leaf extract. Int J Cancer, v. 128, n. 8, p.1955-1965, 2011. doi: 10.1002/ijc.25526
49 - CLEWELL, A. E. et al. A comprehensive toxicological safety assessment of an extract of Olea europaea L. leaves (Bonolive™). Int J Toxicol, v. 35, n. 2, p.208-221, 2016. doi: 10.1177/1091581815619764
50 - FLEMMIG, J. et al. Olea europaea leaf (Ph.Eur.) extract as well as several of its isolated phenolics inhibit the gout-related enzyme xanthine oxidase. Phytomedicine, v. 18, n. 7, p.561-566, 2011. doi: 10.1016/j.phymed.2010.10.021
51 - POUDYAL, H. et al. Olive leaf extract attenuates cardiac, hepatic, and metabolic changes in high carbohydrate-, high fat-fed rats. J Nutr, v. 140, n. 5, p.946-953, 2010. doi: 10.3945/jn.109.117812
52 - ZARZUELO, A. et al. Vasodilator effect of olive leaf. Planta Med, v. 57, n. 5, p.417-419, 1991. doi: 10.1055/s-2006-960138
53 - DUB, A. M.; DUGANI, A. M. Antithrombotic effect of repeated doses of the ethanolic extract of local olive (Olea europaea L.) leaves in rabbits. Libyan J Med, v. 8, n. 1, p.1-7, 2013. doi: 10.3402/ljm.v8i0.20947
54 - ROUIBAH, Z. et al. Chemical composition, antioxidant activities, in an allergic asthma model, of Olea europaea L. leaf extracts from Collo (Skikda, Algeria). Drug Chem Toxicol, v. 45, n. 1, p.197-208, 2022. doi: 10.1080/01480545.2019.1679827
55 - AL-QARAWI, A. A. et al. Effect of freeze dried extract of Olea europaea on the pituitary-thyroid axis in rats. Phytother Res, v. 16, n. 3, p.286-287, 2002. doi: 10.1002/ptr.855
56 - RIBEIRO, R. A. et al. Acute antihypertensive effect in conscious rats produced by some medicinal plants used in the state of São Paulo. J Ethnopharmacol, v. 15, n. 3, p.261-269, 1986. doi: 10.1016/0378-8741(86)90164-9

Referências bibliográficas

1 - BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira 2ª edição. Brasília: Anvisa, p. 141-143, 2021.

Farmácia da Natureza
[ 1 ]

Fórmula

Tintura

Alcoolatura

Componente

Quantidade

Componente

Quantidade*

Etanol/água 70%

1000 mL

Etanol/água 80%

1000 mL

Planta seca

100 g

Planta fresca

200 g

                                                                * Após a filtragem ajustar o teor alcoólico da alcoolatura para 70%, com adição de etanol 98%, se necessário. 
Modo de preparo

Tintura: pesar 100 g de folha seca, rasurada e colocar em frasco de vidro âmbar; em seguida adicionar 1000 mL de etanol a 70%, tampar bem o frasco e deixar a planta em maceração por 7 dias, agitando o frasco diariamente. Após esse período, filtrar em papel de filtro e envasar em frasco de vidro âmbar. 

Alcoolatura: pesar 200 g de folha fresca, lavar, picar e colocar em frasco de vidro âmbar; em seguida adicionar 1000 mL de etanol a 80%, tampar bem o frasco e deixar a planta em maceração por 7 dias, agitando o frasco diariamente. Após esse período, filtrar em papel de filtro e envasar em frasco de vidro âmbar. 
Principais indicações

Edema por retenção hídrica (EMA, 2011), hipertensão arterial leve, insuficiência cardíaca leve, dislipidemias (EL et al., 2009; SUSALIT et al., 2011), diabetes mellitus tipo 2 (BOCK et al., 2013) e arritmias. 

Posologia

Uso oral: tomar de 1 a 3 gotas por quilo de peso, divididas em 3 vezes ao dia, sempre diluídas em água (cerca de 50 mL ou meio copo). 

Farmácia da Natureza
[ 2 ]

Fórmula

Componente

Quantidade

Fase A (infuso)

 

Água destilada

1000 mL

Olea europaea (folha seca)

30 g

Fase B (tintura)

 

Olea europaea (tintura 10% p/v em etanol 70%)

80 mL

Nipagin® 0,2%

2 g

 
Modo de preparo

Fase A: colocar as folhas secas pesadas e rasuradas em água fervente, desligar o fogo, deixando em infusão por no mínimo 2 horas.

Fase B: filtrar o chá em papel de filtro, na temperatura de 50°C, adicionar tintura e o conservante (Nipagin®) diluído em q.s. álcool etílico 98°GL. Deixar esfriar, envasar em frascos de vidro âmbar esterilizados e etiquetar.

Principais indicações

Hipertensão arterial, insuficiência cardíaca leve e dores articulares.

Posologia

Uso oral: tomar 1 colher de sobremesa 2 a 3 vezes ao dia. 

Farmácia da Natureza
[ 3 ]

Fórmula

Componente

Número da cápsula e quantidade

Olea europaea (droga vegetal)

N° 0 (280 a 300 mg)

Q.s.p

1 cápsula

 
Modo de preparo

Pulverizar a droga vegetal e encapsular.

Principais indicações

Edema por retenção hídrica (EMA, 2011), hipertensão arterial leve, insuficiência cardíaca leve, dislipidemias (EL et al., 2009; SUSALIT et al., 2011), diabetes mellitus tipo 2 (BOCK et al., 2013) e arritmias.

Posologia

Uso oral: tomar 1 cápsula, 1 a 3 vezes ao dia. 

Farmácia da Natureza
[ 4 ]

Fórmula

Componente

Quantidade

Folha seca rasurada

1,4 a 1,6 g ou uma colher de sopa caseira rasa

Água q.s.p.

150 mL

Modo de preparo

Preparar por infusão, por 10 minutos.

Principais indicações

Edema por retenção hídrica (EMA, 2011), hipertensão arterial leve, insuficiência cardíaca leve, dislipidemias (EL et al., 2009; SUSALIT et al., 2011), diabetes mellitus tipo 2 (BOCK et al., 2013) e arritmias. 

Posologia

Uso oral: adultos devem tomar 150 mL (1 xícara de chá) do infuso três a quatro vezes ao dia. 

Referências bibliográficas

1 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 3 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 204-205.
2 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 3 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 226-227.
3 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 3 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 398-400.
4 - PEREIRA, A. M. S. (Org.). Formulário de Preparação Extemporânea: Farmácia da Natureza. 2 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 129-130.

Dados Químicos
[ 1 , 2 , 3 , 4 , 5 , 6 , 7 , 8 , 9 ]
Marcador:
Principais substâncias:

Ácidos fenólicos

cafeico, clorogênico, siríngico, elágico e cumárico.

Ácidos graxos

linoléico, oleico e palmítico.

Ácidos orgânicos

málico, tartárico, lático, gálico e ferrúlico,

Aldeídos alinfáticos

hexanal, nonanal, (E)-2-hexenal, (E)-2-heptenal, (E)-2-octenal e (E)-2-nonenal.

Chalconas

olivina.

Esteroides

β-sitosterol, ∆-7-estigmasterol, ∆-5-avenasterol, campesterol e estigmasterol.

Flavonoides

rutina, quercetina, apigenina, luteolina, diosmetina, catequina, naringenina, taxifolina, caempferol e crisoeriol.

Iridoides

oleuropeína e ligusterosídeo.

Lactonas sesquiterpênicas

olivamarina.

Minerais

K, Mg e P.

Outras substâncias

manitol, verbacosídeo, hidroxitirosol, oleocantal, oleaceína, metil galato, pirocatecol, vanilina e ácido cinâmico.

Princípios amargos

olivamarina.

Taninos

Triterpenos

ácido oleanólico, ácido maslínico, uvaol e eritrodiol.

Vitaminas

E.

Referências bibliográficas

1 - PANIZZA, S. T. et al. Uso tradicional de plantas medicinais e fitoterápicos. São Luiz: Conbrafito, 2012, p. 207.
2 - GARCÍA, E. C.; SOLÍS, I. M. Manual de fitoterapia. 2ª ed. Barcelona: Elsevier, 2016, p. 326.
3 - GRUENWALD, J. et al. PDR for Herbal Medicines. Montvale: Economics Company, Inc, 2000, p. 556.
4 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 2. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 285.
5 - MAALEJ, A. et al. Assessment of Olea europaea L. fruit extracts: phytochemical characterization and anticancer pathway investigation. Biomed Pharmacother, v. 90, p.179-186, 2017. doi: 10.1016/j.biopha.2017.03.034
6 - ALBOGAMI, S.; HASSAN, A. M. Assessment of the efficacy of olive leaf (Olea europaea L.) extracts in the treatment of colorectal cancer and prostate cancer using in vitro cell models. Molecules, v. 26, n. 13, p.1-21, 2021. doi: 10.3390/molecules26134069
7 - BATTINELLI, L. et al. In vitro antifungal and anti-elastase activity of some aliphatic aldehydes from Olea europaea L. fruit. Phytomedicine, v. 13, n. 8, p.558-563, 2006. doi: 10.1016/j.phymed.2005.09.009
8 - SÁNCHEZ-QUESADA, C. et al. Bioactive properties of the main triterpenes found in olives, virgin olive oil, and leaves of Olea europaea. J Agric Food Chem, v. 61, n. 50, p.12173-12182, 2013. doi: 10.1021/jf403154e
9 - HASHMI, M. A. et al. Traditional uses, phytochemistry, and pharmacology of Olea europaea (olive). Evid Based Complement Alternat Med, p.1-30, 2015. doi: 10.1155/2015/541591

Problemas & Soluções: 

o gênero Olea pode ser acometido por nematoides Meloidogyne arenaria, M. incognita, M. lusitanica, Xiphinema spp. e Rotylenchus spp [ 1 ] .

Referências bibliográficas

1 - PALOMARES-RIUS, J. E. et al. Evaluation of the phytopathological reaction of wild and cultivated olives as a means of finding promising new sources of genetic diversity for resistance to root-knot nematodes. Plant Dis, v. 103, n. 10, p.2559-2568, 2019. doi: 10.1094/PDIS-02-19-0322-RE

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 2019
Arquivo: PDF icon Download (210.47 KB)

Tipo: Internacional
Tipo de Monografia: Medicamentos e Produtos de Saúde do Canadá
Ano de Publicação: 2018
Arquivo: PDF icon Download (56.1 KB)

Tipo: Internacional
Tipo de Monografia: Agência Europeia de Medicamentos
Ano de Publicação: 2017
Arquivo: PDF icon Download (116.98 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 2017
Arquivo: PDF icon Download (28.79 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 2002
Arquivo: PDF icon Download (55.58 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 1926
Arquivo: PDF icon Download (126.92 KB)

Parceiros