Artemisia alba Turra

Família 
Informações gerais 

Cultivada em maior escala nas regiões de altitude no Sul do Brasil, e também na região Sudeste. Sua principal indicação é: anti-inflamatória[1,2].

Referências informações gerais
1 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 3 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 55-56.
2 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 118-119.

Anti-inflamatória e Antitumoral

Anti-inflamatória e Antitumoral
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Folha

Extrato: 50 g do material vegetal (pó) em 500 mL de metanol/água (3:1). Outras espécies em estudo: Ruta chalpensis e Peganum harmala.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através dos ensaios: DPPH, ABTS e AAPH.

Em células de carcinomas humanos da bexiga (RT112), da laringe (Hep2), leucemia mieloide (K562), macrófagos murino (RAW 264.7) e em células mononucleares de sangue periférico de humanos (PBMC) (presença ou ausência de fitohemaglutinina) incubadas com os extratos vegetais, com posterior análise da viabilidade celular (ensaio MTT); e estimuladas por IFN-γ/LPS, com posterior análise dos níveis de óxido nítrico e expressão de iNOS.

 

Os extratos de A. alba e R. chalpensis apresentam atividade antitumoral, anti-inflamatória e antioxidante, além de baixa citotoxicidade para PBMC.

[ 1 ]
Anti-inflamatória e Antitumoral

Antibacteriana

Antibacteriana
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Caule, Folha e flor

Extrato: maceração do material vegetal (seco) em 100 mL de água. Concentrações para ensaio: 0.005 a 1000 mg/mL. Outras espécies em estudo: Opuntia ficus-indica, Camellia sinensis e Phlomis crinita.

In vitro:

Em cultura de bactérias periodontais, Porphyromonas gingivalis e Prevotella intermedia, submetidas ao teste de disco-difusão em ágar e diluição em placas de Petri, para determinar a zona de inibição (mm) e a concentração inibitória mínima (CIM), respectivamente.

 

Os extratos aquosos de A. herba-alba, O. fícus-indica e C. sinensis apresentam atividade antibacteriana, mais potente.

[ 2 ]
Antibacteriana

Antinociceptiva

Antinociceptiva
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
-

Extrato: na forma de decocção. Doses para ensaio: 100 a 400 mg/kg. Outra espécie em estudo: Artemisia campestris.

In vivo:

Em ratos pré-tratados com os extratos vegetais (associados ou não), submetidos aos testes de contorções abdominais induzidas por ácido acético, edema de pata induzida por formalina e teste da placa quente.

A associação dos extratos de A. herba-alba e A. campestris apresenta sinergismo para a atividade antinociceptiva, dose-dependente.

[ 4 ]
Antinociceptiva

Antioxidante

Antioxidante
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Brotações

Extrato: 1 g do material vegetal em 35 mL de metanol a 80% ou água.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação dos radicais DPPH e ABTS.

 

Neste estudo, dos 20 diferentes extratos vegetais, A. herba-alba apresenta atividade antioxidante moderada, sendo os extratos de Quercus calliprinos, Punica granatum, Juniperus communis e Cinchona ledgeriana os mais potentes.

[ 3 ]
Antioxidante

Hipoglicemiante

Hipoglicemiante
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Parte aérea

Extrato aquoso: maceração de 100 g do material vegetal (pó) em 500 mL de água. Rendimento: 17,04%. Dose para ensaio: 0,39 g/kg.

In vivo:

Em coelhos normoglicêmicos ou portadores de diabetes induzido por aloxana, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise do nível glicêmico.

Observou-se que o extrato de A. herba-alba apresenta atividade hipoglicêmica, tempo-dependente.

[ 8 ]
Hipoglicemiante
Parte aérea

Extrato: maceração de 100 g de material vegetal em 200 mL de água. Dose para ensaio: 0,39 g/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar e coelhos albinos portadores de diabetes induzido por aloxana, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (glicose, hemoglobina glicosilada, colesterol, triglicerídeos e fosfolipídios) e peso corporal.

O extrato aquoso da parte aérea de A. herba alba apresenta atividade hipoglicêmica promissora.

[ 7 ]
Hipoglicemiante
Folha, casca do caule e raiz

Extrato: maceração de 100 g do material vegetal (pó) em 200 mL de água. Dose para ensaio: 0,39 g/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar tratados com os extratos vegetais, com posterior análise do nível glicêmico.

Observou-se que o extrato aquoso a partir das folhas de A. herba-alba apresenta atividade hipoglicemiante mais potente.

[ 6 ]
Hipoglicemiante

Hipoglicemiante e Hipolipemiante

Hipoglicemiante e Hipolipemiante
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Parte aérea

Extrato: maceração de 500 g de material vegetal (pó) em 5 L de água. Dose para ensaio: 400 mg/kg.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação do radical DPPH.

 

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de diabéticos e de dano oxidativo induzidos por aloxana, tratados com extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos plasmáticos (glicose, bilirrubina, ALT, AST, LDH, GGT, CT, TG, HDL e LDL), em homogenato hepático (TBARS, GSH, GPx, CAT, SOD e GST) e histopatológicos.

Observou-se que o extrato de A. herba-alba apresenta atividade hipoglicemiante, hipolipemiante e antioxidante.

[ 5 ]
Hipoglicemiante e Hipolipemiante
Ensaio Toxicológico

Dose letal média

Dose letal média
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Parte aérea

Extrato: maceração de 100 g do material vegetal (pó) em 200 mL de água.

In vivo:

Em ratos Wistar tratados com os extratos vegetais, com posterior análise da dose letal média (DL50).

Observou-se que o extrato de A. herba-alba apresenta DL50 = 4,4958 g/kg.

[ 6 ]
Dose letal média
Parte aérea

Extrato: maceração de 100 g do material vegetal (pó) em 500 mL de água.

In vivo:

Em ratos Wistar tratados com o extrato vegetal com posterior análise da dose letal média (DL50).

Observou-se que o extrato de A. herba-alba apresenta DL50 = 3,6 g/kg.

[ 8 ]
Dose letal média

Toxicidade aguda

Toxicidade aguda
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
-

Extrato: decocção. Outra espécie em estudo: Artemisia campestris.

In vivo:

Em ratos submetidos ao teste de toxicidade aguda.

Observou-se que os extratos das espécies não apresentam sinais de toxicidade, com DL50 maior que 2000 mg/kg.

[ 4 ]
Toxicidade aguda

Referências bibliográficas

1 - KHLIFI, D. et al. Composition and anti-oxidant, anti-cancer and anti-inflammatory activities of Artemisia herba-alba, Ruta chalpensis L. and Peganum harmala L. Food Chem Toxicol, v. 55, p.202-208, 2013. doi: 10.1016/j.fct.2013.01.004
2 - ARBIA, L. et al. Antimicrobial activity of aqueous extracts from four plants on bacterial isolates from periodontitis patients. Environ Sci Pollut Res Int, v. 24, n. 15, p.13394-13404, 2017. doi: 10.1007/s11356-017-8942-4
3 - AL-MUSTAFA, A.; AL-THUNIBAT, O. Y. Antioxidant activity of some Jordanian medicinal plants used traditionally for treatment of diabetes. Pak J Biol Sci, v. 11, n. 3, p.351-358, 2008. doi: 10.3923/pjbs.2008.351.358
4 - KADI, I. et al. Synergistic antinociceptive activity of combined aqueous extracts of Artemisia campestris and Artemisia herba-alba in several acute pain models. Nat Prod Res, v. 33, n. 6, p.875-878, 2019. doi: 10.1080/14786419.2017.1410802
5 - SEKIOU, O. et al. Mitigating effects of antioxidant properties of Artemisia herba-alba aqueous extract on hyperlipidemia and oxidative damage in alloxan-induced diabetic rats. Arch Physiol Biochem, v. 125, n. 2, p.163-173, 2019. doi: 10.1080/13813455.2018.1443470
6 - AL-KHAZRAJI, S. M. et al. Hypoglycaemic effect of Artemisia herba alba. I. Effect of different parts and influence of the solvent on hypoglycaemic activity. J Ethnopharmacol, v. 40, n. 3, p.163-166, 1993. doi: 10.1016/0378-8741(93)90064-C
7 - AL-SHAMAONY, L. et al. Hypoglycaemic effect of Artemisia herba-alba. II. Effect of a valuable extract on some blood parameters in diabetic animals. J Ethnopharmacol, v. 43, n. 3, p.167-171, 1994. doi: 10.1016/0378-8741(94)90038-8
8 - TWAIJ, H. A; AL-BADR, A. A. Hypoglycemic activity of Artemisia herba alba. J Ethnopharmacol, v. 24, n. 2-3, p.123-126, 1988. doi.org/10.1016/0378-8741(88)90143-2

Farmácia da Natureza
[ 1 ]

Fórmula

Tintura

Alcoolatura

Componente

Quantidade

Componente

Quantidade*

Etanol/água 70%

1000 mL

Etanol/água 80%

1000 mL

Folha seca

100 g

Folha fresca

200 g

* Após a filtragem ajustar o teor alcoólico da alcoolatura para 70%, com adição de etanol 98%, se necessário. 
Modo de Preparo

Tintura: pesar 100 g de folhas secas rasuradas e colocar em frasco de vidro âmbar; em seguida adicionar 1000 mL de etanol a 70%, tampar bem o frasco e deixar a planta em maceração por 7 dias, agitando o frasco diariamente. Após esse período, filtrar em papel de filtro e envasar em frasco de vidro âmbar.

Alcoolatura: pesar 200 g de folhas frescas, lavar, picar e colocar em frasco de vidro âmbar; em seguida adicionar 1000 mL de etanol a 80%, tampar bem o frasco e deixar a planta em maceração por 7 dias, agitando o frasco diariamente. Após esse período, filtrar em papel de filtro e envasar em frasco de vidro âmbar.

Principais indicações

Processos inflamatórios em geral.

Posologia

Uso tópico.

Referências bibliográficas

1 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 3 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 55-56.

Dados Químicos
[ 1 , 2 ]
Marcador:
Principais substâncias:

Compostos fenólicos

Flavonoides

vicentina-2, schaftosídeo, isoschaftosídeo, 5’,4-dihidroxi-6,7,3-trimetoxiflavona, quercetina-3-rutinosídeo, pultetina 3-rutinosídeo e pultetina 3-glucosídeo.

Lactonas sesquiterpênicas

Óleos essenciais

1,8-cineol, chrisantenona, chrisantenol, α- e β-tujona, cânfora, acetanto cis-chrisantenil, (2E, 3Z) 3,5-heptadienal-2-etildeno-6-metil, acetato de mirtenil e verbenona.

Referências bibliográficas

1 - KADI, I. et al. Synergistic antinociceptive activity of combined aqueous extracts of Artemisia campestris and Artemisia herba-alba in several acute pain models. Nat Prod Res, v. 33, n. 6, p.875-878, 2019. doi: 10.1080/14786419.2017.1410802
2 - MOUFID, A.; EDDOUKS, M. Artemisia herba alba: a popular plant with potential medicinal properties. Pak J Biol Sci, v. 15, n. 24, p.1152-1159, 2012. doi: 10.3923/pjbs.2012.1152.1159