Eclipta prostrata (L.) L.

Erva botão.

Sinonímia 
Eclipta alba (L.) Hassk.
Família 
Informações gerais 

A origem desta espécie é incerta. Muito comum na Índia e no Brasil, onde é considerada como “erva daninha”. Esta espécie é muito utilizada na Medicina Ayurveda. Suas principais indicações são: antiofídica, colagoga, antidiarreica, hepatoprotetora, emética, purgativa, antitussígena, antissifilítica, antialérgica e antioxidante[1,2,3,4].

Referências informações gerais
1 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 136-137.
2 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 3 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 120-122.
3 - PEREIRA, A. M. S. (Org.). Formulário de Preparação Extemporânea: Farmácia da Natureza. 2 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 73-75.
4 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 1. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 328-333.
Descrição da espécie 

Planta herbácea anual, silvestre, semiprocumbente, ereta a prostrada, medindo de 0,4 a 0,8 cm de altura, de caule lenhoso na base e herbáceo nas extremidades, muito ramoso, cilíndrico, oco, áspero, estriado, verde-avermelhado, radicante nos nós quando em contato com solo úmido; folhas opostas, simples, sésseis (as superiores) ou curto-pecioladas (as inferiores), oblongo-lanceoladas, cartáceas, base cuneadas e extremidade aguda, margens inteiras ou ligeiramente denticulada, medindo 8 a 10 cm de comprimento x 2 cm de largura; flores brancas, em capítulos subglobosos, com 0,5 a 1,0 cm de diâmetro, formado por um invólucro campanulado em torno de duas séries de filárias com pilosidade esbranquiçada; os frutos são do tipo aquênio, de cor negra, obovoide, fosca, rugoso-tuberculada, de 1 mm de espessura x 4 mm de comprimento, muito numerosas, facilmente dispersadas[1,2,3].

Referências descrição da espécie
1 - PEREIRA, A. M. S. et al. (Org.). Manual Prático de Multiplicação e Colheita de Plantas Medicinais. Ribeirão Preto: Bertolucci, 2011, p. 103.
2 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 1. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 328-329.
3 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 136.
Nome popular Local Parte da planta Indicação Modo de preparo Forma de uso Restrição de uso Referências
Agrião-do-brejo Ceará (Brasil) Folha e flor

No tratamento de afecções do sistema respiratório (asma, bronquite, tosse).

Infusão.

Uso oral.

-

[ 1 ]
Agrião-do-brejo Ceará (Brasil) -

Hepatoprotetora, imunoestimulante e antiofídica.

Decocção: juntar 3 porções de 20 a 30 g do material vegetal (seco) em 150 mL de água, gradativamente, porção por porção.

-

-

[ 2 , 3 ]
Agrião-do-brejo Ceará (Brasil) -

Hepatoprotetora, imunoestimulante e antiofídica.

Tintura a 40% (preparada a quente com etanol diluído a 20 ou 30%).

Tomar meia xícara 2 vezes ao dia ou 15 mL em água 3 vezes ao dia (usar adoçante).

-

[ 2 , 3 ]
Botoncillo, botón blanco, clavel de pozo e monte negro Colômbia -

Purgativa, emética e antifúngica.

Decocção ou sumo.

-

-

[ 4 ]
Mò cǎo Povos Hoklos (Ilha de Hainan, China) Planta toda

Antitumoral, anti-hemorrágica (nasal e gástrica), anti-hipertensiva, no tratamento da hepatite e nefrite.

Decocção, maceração ou banho.

-

-

[ 5 ]

Referências bibliográficas

1 - MATOS, F. J. A. O formulário fitoterápico do professor Dias da Rocha: Informações sobre o emprego na medicina caseira, de plantas do Nordeste, especialmente do Ceará. 2 ed. Fortaleza: EUFC, 1997, p. 54.
2 - MATOS, F. J. A. Farmácias Vivas. 2 ed. Fortaleza: UFC, 1994, p. 39-40.
3 - MATOS, F. J. A. Plantas medicinais: Guia de seleção e emprego de plantas medicinais usadas em fitoterapia no Nordeste do Brasil. 2 ed. Fortaleza: Imprensa Universitária – UFC, 2000, p. 162.
4 - WEDLER, E. Atlas de las plantas medicinales silvestres y cultivadas em la zona tropical. 2 ed. Colômbia: Todográficas Ltda, 2017, p. 212.
5 - LI, D. L.; XING, F. W. Ethnobotanical study on medicinal plants used by local Hoklos people on Hainan Island, China. J Ethnopharmacol, v. 194, p.358-368, 2016. doi: 10.1016/j.jep.2016.07.050

Analgésica

Analgésica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Planta toda

Extrato: 5 g do material vegetal em etanol a 95%. Rendimento: 14% (p/p). Doses para ensaio: 250 e 500 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss tratados com o extrato vegetal, submetidos posteriormente aos testes do clipe de cauda de Haffner, movimento da cauda e contorções abdominais induzidas por ácido acético.

O extrato de E. alba apresenta atividade analgésica central e periférica.

[ 18 ]

Ansiolítica

Ansiolítica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato aquoso. Rendimento: 8 g. Doses para ensaio: 100 a 500 mg/kg.

In vivo:

Em ratas Wistar parturientes tratadas com o extrato vegetal, acomodadas em jaula juntamente com ratos machos, com posterior análise do teste de agressão.

Observou-se que o extrato de E. alba apresenta atividade ansiolítica no pós-parto, possivelmente por afinidade aos receptores estrogênicos beta (ER β).

[ 21 ]

Ansiolítica e Nootrópica

Ansiolítica e Nootrópica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Planta toda

Extrato aquoso (decocção) ou hidroalcoólico (Soxhlet). Rendimento: 31,44 e 26,87% (p/p), respectivamente. Doses para ensaio: 150 e 300 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar tratados com o extrato vegetal com posterior análise da atividade locomotora (actofotômetro), coordenação motora (rota rod), nootrópica (câmara com estímulos), ansiolítica (labirinto em cruz elevado e aparelho hole-board) e anti-inflamatória (úlcera induzidas por estresse de contenção a frio e leucocitose induzida por administração subcutânea de leite).

Observou-se que o extrato aquoso de E. alba apresenta atividade nootrópica e ansiolítica promissoras.

[ 19 ]

Anti-hemorrágica e Antimiotóxica

Anti-hemorrágica e Antimiotóxica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Parte aérea

Extrato aquoso.

In vitro:

Em músculo extensor digitorum longus (de ratos) incubados com venenos de Bothrops jararaca, B. jararacuçu e Lachesis muta (e algumas toxinas purficadas) e extrato vegetal, com posterior análise dos níveis da enzima creatina quinase.

 

In vivo:

Em ratos infectados com venenos de Bothrops jararaca, B. jararacuçu e Lachesis muta (e algumas toxinas purificadas), tratados com o extrato vegetal (misturado ou não ao veneno), com posterior análise da atividade hemorrágica e das enzimas creatina quinase plasmática, fosfolipase A2 e proteolítica.

O extrato aquoso de E. prostrata apresenta atividade antimiotóxica e anti-hemorrágica.

[ 41 ]

Anti-inflamatória

Anti-inflamatória
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato: decocção de 100 g do material vegetal em 1 L de água. Rendimento: 5%. Concentrações para ensaio (in vitro): 250 a 1000 µg/mL. Dose para ensaio (in vivo): 500 mg/kg.

In vitro:

Em cultura de células de adenocarcinoma de cólon de humanos (HT-29) incubadas com o extrato vegetal e estimuladas por TNF-α, com posterior análise da viabilidade celular (MTS) e expressão de COX-2, HIF-1α e NF-κB.

 

In vivo:

Em camundongos BALB/c portadores de colite aguda induzida por dextran sulfato de sódio (DSS), tratados com o extrato vegetal, com posterior análise da perda de peso, diarreia com sangue e muco, encurtamento do cólon, parâmetros histológicos, níveis de PGE2 e VEGF-A, e expressão de COX-2 e HIF-1α.

A decocção de E. alba apresenta atividade anti-inflamatória, por regulação de COX-2, HIF-1α e NF-κB.

[ 33 ]
Planta toda

Extrato: 4,5 kg do material vegetal (pó) em 23 L de metanol. Padronizado com: 0,02% de orobosídeo, 1,69% de desmetilvedelolactona e 1,71% de wedelolactona. Rendimento: 155 g. Doses para ensaio: 100, 250 e 500 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos BALB/c sensibilizados com albumina de ovo, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise da hiperresponsividade brônquica, níveis de IgE e células inflamatórias em lavado broncoalveolar, níveis de IL-4, IL-5, IL-10, IL-13 e IFN-γ em homogenato pulmonar.

O extrato metanólico de E. prostrata apresenta atividade anti-inflamatória, principalmente na dose de 250 mg/kg, sendo promissora para o tratamento da asma.

[ 36 ]

Anti-inflamatória e Antioxidante

Anti-inflamatória e Antioxidante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato: 6 kg de material vegetal (pó) em etanol a 80%, posteriormente em éter de petróleo. Rendimento: 12,77%. Doses para ensaio: 0,625 a 2,5 g/kg.

In vivo:

Em camundongos ICR portadores de fibrose pulmonar induzida por bleomicina, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros histopatológicos, quantificação do índice pulmonar, níveis de MDA, SOD, hidroxiprolina e expressão de MMP-2, MMP-9, TIMP-1, COX-2, α-SMA e TGF-β1.

O extrato de E. prostrata apresenta atividade antioxidante e anti-inflamatória, sendo promissor para o tratamento da fibrose pulmonar induzida por bleomicina.

[ 48 ]

Antiadipogênica e Antidislipidêmica

Antiadipogênica e Antidislipidêmica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências

Extrato: 10 kg do material vegetal (pó) em etanol. Rendimento: 377 g. Frações: n-hexano, acetato de etila, n-butanol e aquosa. Concentração para ensaio: 50 µg/mL. Dose para ensaio (in vivo): 100 mg/kg.

In vitro:

Em células-tronco mesenquimais humanas (hMSCs) incubadas com o extrato e frações vegetais e estimuladas a diferenciação em pré-adipócitos (3T3-L1), com posterior análise da expressão de proteínas, ciclo celular e excreção de glicerol em células 3T3-L1.

 

In vivo:

Em hamsters sírios portadores de hiperlipidemia induzida por dieta hipercalórica, tratados com a fração de acetato de etila, com posterior análise parâmetros bioquímicos (TG, CT, HDL e LDL) e histopatológicos.

A fração de acetato de etila apresenta atividade antiadipogênica e antidislipidêmica mais potente.

[ 11 ]

Antiangiogênica e Antitumoral

Antiangiogênica e Antitumoral
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Parte aérea

Sumo: 3 kg do material vegetal (fresco) picado e espremido em pano. Rendimento: 58,6 g. Extratos: maceração de 1 kg do material vegetal (fresco) em água a 60°C ou metanol. Rendimentos: 13,6 g e 16,5 g, respectivamente.

In vitro:

Em células humanas de carcinoma hepatocelular (HCC-S102 e SK-Hep-1), de adenocarcinoma pulmonar (A549), carcinoma de mama (MDAMB-231), endoteliais da veia umbilical (HUVEC) e em fibroblastos embrionários pulmonares (MRC-5) incubadas com o suco e extratos vegetais, com posterior análise de invasão, migração e adesão celular.

Determinar a atividade angiogênica do suco e extratos vegetais através do ensaio de membrana corioalantoide de embrião de galinha (CAM).

 

O sumo de E. alba apresenta atividades antitumoral e antiangiogênica mais potentes, além de baixa citotoxicidade em células normais.

[ 31 ]

Antigiardia

Antigiardia
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Planta toda

Extrato: material vegetal (seco) em clorofórmio, metanol e água. Concentrações: 31,25 a 1000 µg/mL.

In vitro:

Em cultura de Giardia intestinalis (trofozoítos) incubada com os extratos vegetais, com posterior análise das concentrações inibitória mínima (CIM) e inibitória média (CI50).

 

Neste estudo, das 12 plantas medicinais, Alpinia galanga, Boesenbergia pandurata, Eclipta prostrata, Piper betle, P. chaba e Zingiber zerumbet apresentam atividade antigiardia, principalmente os extratos de clorofórmio e metanol.

[ 51 ]

Antileishmaniose e Citotóxica

Antileishmaniose e Citotóxica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Galho

Extrato aquoso. Concentrações para ensaio: 0,001 a 2,0 mg/mL.

In vitro:

Em cultura de Leishmania donovani (forma promastigota e amastigota axênica) incubada com os extratos vegetais, com posterior análise da concentração efetiva mínima (CEM) e da viabilidade celular.

Em células mononucleares de sangue periférico de humanos incubadas com os extratos vegetais, com posterior análise da citotoxicidade (MTT).

 

Neste estudo, entre as 30 plantas medicinais, Agave americana, Azadirachta indica, Eclipta alba e Piper longum apresentam atividade antileishmania mais potente, contudo, apenas E. alba e P. longum demonstram baixa citotoxicidade.

[ 7 ]

Antimicrobiana

Antimicrobiana
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Planta toda

Extrato: material vegetal (pó) em éter de petróleo, benzeno, clorofórmio, acetona, metanol ou água.

In vitro:

Em microrganismos isolados de culturas de sangue e esfregaços orais de pacientes portadores de cancro oral (em tratamento radioterápico), submetidos ao teste de disco-difusão e microdiluição em ágar, com posterior análise do halo de inibição, concentração inibitória mínima (CIM) e concentração fungicida mínima (CFM).

 

Neste estudo, das 10 plantas medicinais, Asphodelus tenuifolius, Asparagus racemosus, Balanites aegyptiaca, Eclipta alba, Murraya koenigii, Ricinus communis, Pedalium murex e Trigonella foenum graecum apresentam atividade antimicrobiana significativa, principalmente contra Pseudomonas aeruginosa.

[ 8 ]

Antimiotóxica e Neutralizante

Antimiotóxica e Neutralizante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Parte aérea

Extrato: material vegetal (fresco) em etanol a 40 ou 96%.

In vitro:

Em músculo extensor digitorum longus (de ratos) incubados com veneno de Crotalus durissus terrifwus (e algumas toxinas purificadas) e extratos vegetais, com posterior análise dos níveis da enzima creatina quinase.

 

In vivo:

Em ratos infectados com veneno de Crotalus durissus terrifwus (e algumas toxinas purificadas), tratados com os extratos vegetais (misturado ou não ao veneno), com posterior análise da ação neutralizante dos extratos vegetais (DL50) e atividade da enzima creatina quinase.

Os extratos de E. prostrata apresentam atividades neutralizante e antimiotóxica.

[ 46 ]

Antiosteoporótica

Antiosteoporótica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Parte aérea

Óleo essencial: 200 g do material vegetal, por hidrodestilação. Rendimento: 0,24% (p/p). Extrato: 10 g do material vegetal (pó) em 100 mL de etanol a 75% (v/v). Rendimento: 1,3 g. Doses para ensaio: 1 a 100 µg/mL.

In vitro:

Em cultura de osteoblastos primários isolados de ratos Sprague-Dawley, incubadas com o óleo e extrato vegetais, com posterior análise da proliferação celular (ensaio MTT) e atividade da enzima fosfatase alcalina (ALP).

 

O óleo e extrato de E. prostrata estimula a proliferação dos osteoblastos e a atividade de ALP, sendo promissora para o tratamento da osteoporose.

[ 38 ]

Antioxidante e Cérebro protetora

Antioxidante e Cérebro protetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Planta toda

Extrato: material vegetal (pó) em etanol a 60%. Rendimento: 8,5% (p/p). Doses para ensaio: 250 e 500 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores lesões neuronais induzidas por oclusão bilateral/reperfusão da artéria carótida, pré-tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (SOD, GPx, GSH, CAT, GST, GR, MDA e níveis de proteínas) e histopatológicos, edema cerebral e tamanho do infarto cerebral.

Observou-se que o extrato hidroalcoólico de E. alba apresenta atividade antioxidante e cérebro protetora, principalmente na dose de 500 mg/kg.

[ 13 ]

Antioxidante e Citoprotetora

Antioxidante e Citoprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Parte aérea

Extrato (1:2): decocção do material vegetal (pó) em água. Concentrações para ensaio: 0,1 a 1 mg/mL.

In vitro:

Determinar atividade antioxidante (eliminação dos radicais DPPH e superóxido, redução e capacidade quelante de íons ferrosos).

Em queratinócitos humanos (HaCaT) e fibroblastos de camundongos (3T3), tratadas com o extrato vegetal, expostas a radiação UVB (30 ou 60 mJ/cm2), com posterior análise da citotoxicidade (MTT e ELISA).

 

O extrato aquoso de E. alba apresenta atividade antioxidante e citoprotetora contra a radiação ultravioleta.

[ 30 ]

Antioxidante e Citotóxica

Antioxidante e Citotóxica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato: material vegetal (pó) em etanol a 80%. Rendimento: 12,5%.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante do extrato vegetal através da capacidade antioxidante total, eliminação dos radicais DPPH e óxido nítrico livres, peroxidação lipídica (MDA) e níveis de espécies reativas ao oxigênio (EROs).

Em culturas de células cancerígenas de humanos, de mama (MCF 7 e MDA-MB-231), cervical (HeLa), ovário (SK-OV-3), cólon (SW620), próstata (DU145), pulmão (A549) e pâncreas (PANC-1), incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise da viabilidade, apoptose, microscópica, potencial de membrana mitocondrial e migração celular.

 

O extrato de E. alba apresenta atividade citotóxica, principalmente para as linhagens MCF-7 e MDA-MB-231, concentração dependente, além da ação antioxidante.

[ 1 ]

Antioxidante e Hipolipidêmica

Antioxidante e Hipolipidêmica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Planta toda

Extrato: 5 kg do material vegetal (pó) em 40 L de etanol a 70%. Doses para ensaio: 75 a 250 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos KM portadores de hiperlipidemia induzida por dieta hipercalórica, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (TC, TG, HDL, LDL, ALT, AST e índice aterogênico), morfológicos hepáticos, níveis de SOD, GSH-Px e MDA em homogenato hepático e expressão de HMGR, LCAT, SR-BI, PPARα e LDLR.

O extrato hidroalcoólico de E. prostrata apresenta atividade hipolipemiante, modulando a expressão de genes envolvidos no metabolismo lipídico, além da ação antioxidante.

[ 43 ]

Antioxidante e Nefroprotetora

Antioxidante e Nefroprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: em metanol. Doses para ensaio: 300 e 600 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley portadores de nefrotoxicidade induzida por gentamicina, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (nitrogênio ureico, creatinina e microproteína urinária), oxidativos em homogenato renal (CAT e TBARS) e histopatológicos.

Observou-se que o extrato de E. alba apresenta atividade nefroprotetora, devido a ação antioxidante potente.

[ 16 ]

Antioxidante e Neuroprotetora

Antioxidante e Neuroprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Planta toda

Extrato: 10% do material vegetal (pó) em etanol a 95%. Concentrações para ensaio (in vitro): 3,1 a 100 µg/mL. Doses para ensaio (in vivo): 100 a 400 mg/kg.

In vitro:

Em células de neuroblastoma (S-SY5Y), estimuladas ou não com 1-metil-4-fenilpiridínio (MPP), incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise da viabilidade celular (MTT), concentração inibitória média (CI50) e expressão de biomarcadores (α-sinucleína, tirosina hidroxilase e mortalina).

 

In vivo:

Em ratos Wistar submetidos a administração de MPP, pré-tratados com o extrato vegetal, com posterior análise dos testes rota rod, atividade locomotora, extensão da catalepsia, parâmetros bioquímicos e expressão de biomarcadores (α-sinucleína, tirosina hidroxilase e mortalina) em homogenato do mesencéfalo.

O extrato hidroalcoólico de E. alba apresenta atividade neuroprotetora e antioxidante.

[ 9 ]

Antiparasitária e Citotóxica

Antiparasitária e Citotóxica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Nanopartículas de paládio (Pd NPs): sintetizadas a partir do extrato aquoso vegetal. Concentrações para ensaio (in vitro): 1 a 500 µg/mL. Dose para ensaio (in vivo): 150 mg/kg.

In vitro:

Em células de câncer hepático (Hep-G2) incubadas com as nanopartículas contendo o extrato vegetal, com posterior análise de citotoxicidade (ensaio MTT).

 

In vivo:

Em camundongos Swiss infectados por Plasmodium berghei, tratados com as nanopartículas contendo o extrato vegetal, com posterior análise da parasitemia.

Observou-se que as nanopartículas de paládio contendo o extrato vegetal apresenta atividade citotóxica e antiparasitária.

[ 34 ]

Antiproliferativa

Antiproliferativa
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato (1:3): material vegetal (pó) em etanol a 50%. Rendimento: 11,6%. Concentrações para ensaio: 1,5 a 1600 µg/mL.

In vitro:

Em cultura de células cancerígenas, de fígado humano (HepG2), de rim e glioma de ratos (A498 e C6), incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise da viabilidade celular (MTT), expressão de NF-Kb (Western blotting e RT-PCR) e nível de MMP-2 e 9 (Zimografia).

 

O extrato de E. alba apresenta atividade antiproliferativa, concentração dependente, por apoptose e regulação negativa da expressão de MMP e NF-kB.

[ 4 ]

Antitumoral

Antitumoral
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato (1:3): material vegetal (pó) em etanol a 50%. Rendimento: 11,6% (p/p). Dose para ensaio: 500 mg/kg.

In vivo:

Em ratos portadores de câncer hepático induzido por dietilnitrosamina e 2-acetilaminofluoreno e resistente a múltiplas drogas (MDR), tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros histológicos hepáticos e bioquímicos (AST, ALT, HDL, GGT, bilirrubina e nível de alfa fetoproteína), fragmentação do DNA hepático e expressão de metaloproteínas, NF-kB e mdr1.

Observou-se que o extrato de E. alba apresenta atividade antitumoral, além da ação promissora na reversão da MDR.

[ 10 ]
Folha

Extrato: material vegetal (fresco) em acetona. Outras espécies em estudo: Trigonella foenumgraecum e Calendula officinalis. Dose para ensaio: 100 µL.

In vivo:

Em camundongos Swiss portadores de carcinogênese cutânea induzida por DMBA e óleos de cróton, pré-tratados com o extrato vegetal, com posterior análise do número, incidência e multiplicação dos tumores, parâmetros histológicos, oxidativo e antioxidantes (em homogenato cutâneo), expressão de NF-kB, p38 MAPK, COX-2, p53 e PCNA e apoptose no tecido tumoral.

Os extratos vegetais apresentam atividade antitumoral, pois reduzem a proliferação celular e induzem a apoptose mediada por p53.

[ 27 ]

Antitumoral e Hepatoprotetora

Antitumoral e Hepatoprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Planta toda

Extrato: material vegetal (pó) em metanol. Frações: hexano, clorofórmio, n-butanol e aquosa.

In vitro:

Em células epiteliais de mama não-tumorigênica (MCF 10A), células de câncer de mama humano (MCF-7 e MDA-MB-231) e de camundongo (4T1), incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise de citotoxicidade, apoptose, potencial de membrana mitocondrial, expressão das proteínas Hsp60 e XIAP.

 

In vivo:

Em camundongos (fêmeas) portadores de câncer de mama (4T1), tratados com o extrato vegetal, com posterior análise das dimensões tumorais e parâmetros bioquímicos (hepatorrenal).

A fração de clorofórmio apresenta atividade antitumoral promissora, hepatoprotetora e ausência de toxicidade para células normais.

[ 5 ]

Citotóxica

Citotóxica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato hidroalcoólico. Concentrações para ensaio: 1,55 a 1600 µg/mL.

In vivo:

Em células de carcinoma hepatocelular multirresistente (DR-HepG2) incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise da viabilidade celular (MTT), expressão de MDR1 (RT-PCR) e de glicoproteína P (Western blotting).

Observou-se que o extrato hidroalcoólico de E. alba apresenta citotoxicidade promissora, nas concentrações de 10 e 20 µg/mL.

[ 3 ]
-

Extrato: 100 g do material vegetal em etanol a 50%. Concentrações para ensaio: 0 a 100 µg/mL.

In vitro:

Em cultura de células de humanos de carcinoma escamoso da língua (HSC-3 e SCC-9) e de câncer oral (TW2.6) incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise da migração e invasão celular, atividade da enzima MMP-2 e expressão de MMP-2, FAK e MAPKs.

 

Observou-se que E. alba apresenta atividade citotóxica, pois inibe a expressão de MMP-2.

[ 32 ]

Estimuladora do crescimento capilar

Estimuladora do crescimento capilar
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Parte aérea

Extrato: em éter de petróleo. Rendimento: 0,89%.

In vivo:

Em camundongos Balb/c sem pelos submetidos a administração tópica do extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros para avaliar o crescimento e densidade dos pelos, morfológica e histológica folicular, proliferação de queratinócitos foliculares e expressão de TGF-β1 em homogenato da pele.

O extrato de E. alba estimula a proliferação de queratinócitos, prolongando a fase de crescimento capilar, contudo, regula negativamente a expressão de TGF-β1.

[ 2 ]
Parte aérea

Extrato: 500 g do material vegetal (pó) em metanol a 95%. Rendimento: 12,40%. Concentração para ensaio: 2,5%. Outras espécies em estudo: Asiasarum sieboldii e Panax ginseng.

In vivo:

Em camundongos Balb/c sem pelos submetidos a administração tópica dos extratos vegetais, com posterior análise de parâmetros para avaliar o crescimento e densidade dos pelos, morfológica e histológica folicular, e proliferação de queratinócitos foliculares.

O extrato metanólico de E. alba estimula o desenvolvimento e crescimento de pelos, sendo promissora para o tratamento da alopecia, além da ausência de toxicidade.

[ 6 ]
Planta toda

Extrato: 1000 g do material vegetal (pó) em metanol a 95%. Rendimento: 100 g. concentrações para ensaio: 1,6 mg/15 cm2 e 3,2 mg/15 cm2.

In vivo:

Em camundongos C57/BL6 normais submetidos a administração tópica (dorsal) do extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros histopatológicas, histomorfométricos e expressão de promotores envolvidos no crescimento do cabelo (FGF-7, Shh e BMP4).

O extrato de E. alba estimula o crescimento capilar, dose-dependente, pois potencializa a transição do pelo da fase telógena para a anágena.

[ 12 ]
-

BeauTop (BT): associação dos extratos aquosos de Ginseng radix, Astragali radix, Radix Angelicae sinensis, Ligustri fructus, Rehmannia glutinosa e Eclipta prostrata. Dose para ensaio: 0,6 g/kg.

In vivo:

Em camundongos C57bl/ 6 portadores de alopecia (por cera depilatória), suplementados com o fitoterápico, com posterior análise do crescimento capilar e expressão de EGF, IGF-1, FGF-5 e FGF-7 no tecido cutâneo.

Observou-se que o fitoterápico estimula o crescimento capilar por modulação dos genes EGF, FGF-7 e FGF-5.

[ 47 ]
Parte aérea

Extrato: 500 g do material vegetal (pó) em éter de petróleo ou etanol a 95%. Rendimento: 3,9 e 4,2% (p/p), respectivamente. Pomada: contendo de 2 ou 5% do extrato vegetal.

In vivo:

Em ratos Wistar com pele sem pelos, submetidos a administração tópica do fitoterápico, com posterior análise do tempo de crescimento de pelos.

O extrato de éter de petróleo de E. alba estimula o crescimento capilar, comparável ao minoxidil a 2%, pois aumenta o número de folículos na fase anágena.

[ 22 ]
-

Creme: contendo 5% dos extratos de éter de petróleo de Cuscuta reflexa, Citrullus colocynthis e Eclipta alba (1:2:3; 2:3:1 e 3:1:2, respectivamente).

In vivo:

Em ratos Wistar desprovidos de pelos tratados topicamente com o fitoterápico, com posterior análise quantitativa do crescimento dos pelos (tempo início e conclusão do crescimento).

As formulações apresentam resultados promissores no crescimento de pelos, principalmente aquela na proporção de 3:1:2.

[ 24 ]
-

Extrato: 100 g do material vegetal em 2 L de metanol. Rendimento: 6,38%. Concentrações para ensaio (in vitro): 5 a 50 µg/mL. Doses para ensaio (in vivo): 1 e 10 mg/dia.

In vitro:

Em cultura de células da papila dérmica humana (HDPs) incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise da expressão de FGF-5, FGF-7, hFGF-5, hFGF-7, p-Akt e p-S6K.

 

In vivo:

Em camundongos C57BL/6N desprovidos de pelos, submetidos a administração oral do extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros histológicos e expressão de FGF-7, FGF-5, p-Akt e p-S6K.

O extrato de E. alba estimula o crescimento de pelos, especificamente na fase anágena, através da regulação de FGF-5 e FGF-7.

[ 29 ]

Farmacocinética

Farmacocinética
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato: 2 kg do material vegetal (seco) em 20 L de etanol a 70%.

In vivo:

Em ratos submetidos a administração oral do extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros farmacocinéticos (plasma, coração, fígado, baço, pulmão e rim), por Cromatografia Líquida de Ultra-Alto Desempenho Acoplado à Espectrometria de Massa (UPLC-MS/MS).

Observou-se que a UPLC-MS/MS é uma técnica eficiente para detectar compostos químicos de E. prostrata no plasma e tecidos.

[ 37 ]
-

Fração: clorofórmio.

In vivo:

Em camundongos BALB/c submetidos a administração oral da fração vegetal, com posterior análise de parâmetros farmacocinéticos (quantitativo e qualitativo) dos bioativos luteolina, wedelolactona e apigenina por Cromatografia Líquida Acoplada à Espectrometria de Massas (LC-MS/MS).

Observou-se que a LC-MS/MS é uma técnica eficiente para detectar compostos químicos de E. alba no plasma.

[ 28 ]

Hepatoprotetora

Hepatoprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Parte aérea

Extrato: 2 kg do material vegetal (pó) em 6 L de metanol a 70%. Doses para ensaio: 50 a 300 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de doença hepática gordurosa não alcoólica (DHGNA) induzida por dieta hipercalórica, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (AST, ALT, TC, TG, HDL e LDL) e lipidômica plasmática (CG-MS).

Observou-se que E. prostrata apresenta eficiência para o tratamento da DHGNA, principalmente nas doses de 200 e 300 mg/kg.

[ 42 ]
Parte aérea

Extrato: material vegetal (fresco) em etanol a 50%. Dose para ensaio: 500 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Charles Foster portadores de hepatotoxicidade induzida por tetracloreto de carbono, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise da atividade de enzimas mitocondriais (amidopirina N-desmetilase, anilina hidroxilase, succinato desidrogenase, adenosina 5’-trifosfatase, glicose 6-fosfatase, fosfatase alcalina e fosfatase ácida) isoladas de homogenato hepático.

Observou-se que E. alba apresenta atividade hepatoprotetora, pois regula os níveis de enzimas microssomais hepáticas (metabolizadoras).

[ 23 ]
-

Extrato. Doses para ensaio: 6,6 mL/kg.

In vivo:

Em porquinhos da Índia portadores de lesões hepáticas agudas induzidas por tetracloreto de carbono (CCl4), pré-tratados com o extrato vegetal, com posterior análise do índice de mortalidade, parâmetros bioquímicos (ALP, AST e ALT) e histológico hepático.

Observou-se que o extrato de E. alba apresenta atividade hepatoprotetora contra a toxicidade por CCl4.

[ 25 ]

Hipocolesterolemiante

Hipocolesterolemiante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato metanólico. Frações: clorofórmio, etanol, acetato de etila e butanol. Doses para ensaio: 25, 50 e 100 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley suplementados com dieta hipercalórica associada com a fração butanólica vegetal, com posterior análise dos níveis plasmáticos de triacilglicerol sérico, colesterol total, LDL, HDL, índice aterogênico, peroxidação lipídica, níveis de radicais hidroxila e conteúdo carbonil.

A fração de butanol de E. prostrata apresenta resultados promissores para o tratamento da hipercolesterolemia e aterosclerose, principalmente nas doses de 50 e 100 mg/kg.

[ 35 ]

Hipoglicemiante

Hipoglicemiante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato etanólico. Doses para ensaio: 100 e 250 mg/kg.

In vivo:

Em ratos portadores de portadores de diabetes induzido por estreptozotocina, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (glicemia, glicemia glicada, insulina, ureia, ácido úrico e creatinina) e atividade das enzimas α-redutase e aldose redutase (CI50).

O extrato de E. alba apresenta atividade hipoglicemiante, pois reduz a ação das enzimas α-redutase e aldose redutase (CI50 = 54 e 4,5 µg/mL, respectivamente).

[ 15 ]
Folha

Suspensão: pó vegetal em goma de acácia. Dose para ensaio: 2 e 4 g/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de diabetes induzido por aloxana, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (glicemia, proteínas, hemoglobina, fósforo inorgânico e ureia) e atividade das enzimas hexoquinase, glicose-6-fosfatase e frutose 1,6-bisfosfatase em homogenato hepático. 

O extrato de E. alba apresenta atividade hipoglicemiante, principalmente na dose de 2 g/kg.

[ 17 ]

Hipolipemiante

Hipolipemiante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Lei-gong-gen (grânulos): a partir da decocção do material vegetal (seco) de Centella asiatica, Eclipta prostrata e Smilax glabra em água (3:1:2). Doses para ensaio: 10 e 20 g/kg.

In vivo:

Em ratos Srague-Dawley portadores de hiperlipidemia induzida por dieta hipercalórica, tratados com o fitoterápico, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (TC, TG, LDL e HDL), histopatológicos hepáticos, farmacológicos (molecular docking) e expressão de genes e proteínas (RT-PCR e Western blotting) associados a hiperlipidemia.

O fitoterápico apresenta atividade hipolipemiante por sinalização da via Cgmp-PKG, através da regulação negativa dos genes ADRB2 e NOS3, e positiva para o gene LDLR.

[ 44 ]
Planta toda

Extrato: percolação a frio de 2,5 kg do material vegetal (pó) em etanol a 90%. Rendimento: 5,3%. Doses para ensaio: 50 a 200 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar suplementados com dieta hipercalórica associada ao extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (LT, CT, TG, fosfolipídeos e ácido livres) plasmáticos e nos tecidos (fígado e coração).

O extrato hidroalcoólico de E. prostrata apresenta atividade hipolipemiante, principalmente na dose de 150 mg/kg.

[ 45 ]
Folha

Extrato: material vegetal (pó) em água. Doses para ensaio: 100 e 200 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de hiperlipidemia induzida por dieta hipercalórica associado ao tratamento com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (CT, TG, PT e HDL) e índice aterogênico.

Observou-se que o extrato aquoso de E. prostrata apresenta atividade hipolipidêmica significativa.

[ 50 ]

Imunomoduladora

Imunomoduladora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Planta toda

Extrato metanólico: contendo 1,6% de wedelolactona. Doses para ensaio: 100 a 500 mg/kg. Outra espécie em estudo: Centella asiatica.

In vivo:

Em camundongos Swiss submetidos ao ensaio de mielossupressão induzida por ciclofosfamida e imunização com eritrócitos de ovelhas (SRBC), tratados com o extrato vegetal, com posterior análise do peso corporal (depuração de carbono) e dos níveis de leucócitos.

Observou-se que os extratos de C. asiatica e E. alba apresentam atividade imunomoduladora.

[ 14 ]

Neurotônica

Neurotônica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato metanólico. Frações: clorofórmio, etanol, acetato de etila e butanol. Doses para ensaio: 25, 50 e 100 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley suplementados com dieta hipercalórica associada com a fração butanólica vegetal, com posterior análise da atividade do neurotransmissor acetilcolina, das enzimas acetilcolinesterase e monoamina oxidase-B em homogenato cerebral, níveis dos radicais superóxido e atividade das enzimas superóxido dismutase e catalase no plasma. 

A fração de butanol de E. prostrata aumenta os níveis de acetilcolina e reduz a estresse oxidativo cerebral, sendo promissora para a prevenção da demência e perda de memória, principalmente nas doses de 50 e 100 mg/kg.

[ 39 ]
-

Extrato: 4200 g do material vegetal (pó) em 7 L de etanol a 70%. Padronizado com: 0,85% de wedelolactona. Rendimento: 17,8%. Dose para ensaio: 25 a 200 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos ICR com déficit de memória induzido por escopolamina, tratados com o extrato vegetal, submetidos posteriormente aos testes de esquiva passiva, labirinto (Y e aquático de Morris) e campo aberto, análise da potenciação de longa duração (LTP) e expressão de Akt e GSK-3β no hipocampo.

Observou-se que o extrato hidroalcoólico de E. prostrata apresenta atividade neurotônica.

[ 40 ]
Folha

Extrato aquoso. Doses para ensaio: 100 e 200 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar tratados com o extrato vegetal, submetidos aos testes do labirinto em cruz elevado e campo aberto.

Observou-se que E. alba apresenta atividade significativa na recuperação da memória.

[ 20 ]

Neutralizante

Neutralizante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: material vegetal (fresco) em metanol, posteriormente em água. Frações: acetato de etila e butanol. Doses para ensaio: 2,5 a 50 mg/mL.

In vivo:

Em camundongos Swiss submetidos a administração do veneno de Calloselasma rhodostoma e extrato vegetal, com posterior análise da neutralização da letalidade (DL50), atividade hemorrágica, proteolítica e da fosfolipase A2.

A fração butanólica de E. prostrata, na dose de 2,5 mg, reduz a letalidade, contudo não demonstra ação significativa como anti-hemorrágica, proteolítica e antifosfolipase A2

[ 49 ]
Ensaios toxicológicos

Toxicidade aguda

Toxicidade aguda
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato: material vegetal (pó) em etanol a 80%. Rendimento: 12,5%. Doses para ensaio: 500, 1000, 1500 e 2000 mg/kg.

In vivo:

Em ratos CF submetidos ao teste de toxicidade aguda.

Observou-se que o extrato de E. alba não apresenta sinais de toxicidade, nas doses indicadas.

[ 1 ]
Parte aérea

Extrato: 500 g do material vegetal (pó) em metanol a 95%. Rendimento: 12,40%. Concentração para ensaio: 5%. Outras espécies em estudo: Asiasarum sieboldii e Panax ginseng.

In vivo:

Em camundongos Balb/c sem pelos submetidos a administração tópica dos extratos vegetais, com posterior análise de toxicidade.

Observou-se que o extrato de E. alba não apresenta toxicidade significativa.

[ 6 ]
Planta toda

Extrato aquoso (decocção) ou hidroalcoólico (Soxhlet). Rendimento: 31,44 e 26,87% (p/p), respectivamente. Doses para ensaio: 100 a 800 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar submetidos ao teste de toxicidade aguda.

Os extratos, aquoso e hidroalcoólico, de E. alba não apresentam sinais de toxicidade, nas doses analisadas.

[ 19 ]
Folha

Extrato: material vegetal (pó) em água. Doses para ensaio: 500 a 3000 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss submetidos ao teste de toxicidade aguda, com posterior análise da dose letal média (DL50), níveis de ALP, SGPT, proteína total e albumina, e parâmetros histológicos.

O extrato aquoso de E. alba demonstra sinais de toxicidade em doses acima de 2000 mg/kg e DL50 = 2316,626 mg/kg.

[ 26 ]
Planta toda

Extrato: 5 kg do material vegetal (pó) em 40 L de etanol a 70%. Dose para ensaio: 10,4 g/kg.

In vivo:

Em camundongos KM submetidos ao teste de toxicidade aguda.

O extrato hidroalcoólico de E. prostrata não demonstra sinais de toxicidade na dose indicada.

[ 43 ]

Referências bibliográficas

1 - YADAV, N. K. et al. Alcoholic extract of Eclipta alba shows in vitro antioxidant and anticancer activity without exhibiting toxicological effects. Oxid Med Cell Longev, p.1-18, 2017. doi: 10.1155/2017/9094641
2 - BEGUM, S. et al. Exogenous stimulation with Eclipta alba promotes hair matrix keratinocyte proliferation and downregulates TGF-β1 expression in nude mice. Int J Mol Med, v. 35, n. 2, p.496-502, 2015. doi: 10.3892/ijmm.2014.2022
3 - CHAUDHARY, H. et al. Evaluation of hydro-alcoholic extract of Eclipta alba for its multidrug resistance reversal potential: an in vitro study. Nutr Cancer, v. 65, n. 5, p.775-780, 2013. doi: 10.1080/01635581.2013.789116
4 - CHAUDHARY, H. et al. Evaluation of hydro-alcoholic extract of Eclipta alba for its anticancer potential: an in vitro study. J Ethnopharmacol, v. 136, n. 2, p.363-367, 2011. doi: 10.1016/j.jep.2011.04.066
5 - ARYA, R. K. et al. Anti-breast tumor activity of Eclipta extract in-vitro and in-vivo: novel evidence of endoplasmic reticulum specific localization of Hsp60 during apoptosis. Sci Rep, v. 5, p.1-14, 2015. doi: 10.1038/srep18457
6 - BEGUM, S. et al. Comparative hair restorer efficacy of medicinal herb on nude (Foxn1nu) mice. Biomed Res Int, p.1-9, 2014. doi: 10.1155/2014/319795
7 - SINGH, S. K. et al. Leishmania donovani: assessment of leishmanicidal effects of herbal extracts obtained from plants in the visceral leishmaniasis endemic area of Bihar, India. Exp Parasitol, v. 127, n. 2, p.552-558, 2011. doi: 10.1016/j.exppara.2010.10.014
8 - PANGHAL, M. et al. In vitro antimicrobial activity of ten medicinal plants against clinical isolates of oral cancer cases. Ann Clin Microbiol Antimicrob, v. 20, p.1-11, 2011. doi: 10.1186/1476-0711-10-21
9 - BHATIA, G. et al. Neuroprotective effects of hydro-alcoholic extract of Eclipta alba against 1-methyl-4-phenylpyridinium-induced in vitro and in vivo models of Parkinson's disease. Environ Sci Pollut Res Int, v. 28, n. 8, p.9390-9406, 2020. doi: 10.1007/s11356-020-11452-1
10 - CHAUDHARY, H. et al. In vivo evaluation of Eclipta alba extract as anticancer and multidrug resistance reversal agente. Nutr Cancer, v. 66, n. 5, p.904-913, 2014. doi: 10.1080/01635581.2014.916324
11 - GUPTA, A. et al. Ethyl acetate fraction of Eclipta alba: a potential phytopharmaceutical targeting adipocyte differentiation. Biomed Pharmacother, v. 96, p.572-583, 2017. doi: 10.1016/j.biopha.2017.10.002
12 - DATTA, K. et al. Eclipta alba extract with potential for hair growth promoting activity. J Ethnopharmacol, v. 124, n. 3, p.450-456, 2009. doi: 10.1016/j.jep.2009.05.023
13 - MANSOORALI, K. P. et al. Cerebroprotective effect of Eclipta alba against global model of cerebral ischemia induced oxidative stress in rats. Phytomedicine, v. 19, n. 12, p.1108-1116, 2012. doi: 10.1016/j.phymed.2012.07.004
14 - JAYATHIRTHA, M. G.; MISHRA, S. H. Preliminary immunomodulatory activities of methanol extracts of Eclipta alba and Centella asiatica. Phytomedicine, v. 11, n. 4, p.361-365, 2004. doi: 10.1078/0944711041495236
15 - JAISWAL, N. et al. Antidiabetic effect of Eclipta alba associated with the inhibition of alpha-glucosidase and aldose reductase. Nat Prod Res, v. 26, n. 24, p.2363-2367, 2012. doi: 10.1080/14786419.2012.662648
16 - DUNGCA, N. T. et al. Protective effect of the methanolic leaf extract of Eclipta alba (L.) Hassk. (Asteraceae) against gentamicin-induced nephrotoxicity in Sprague Dawley rats. J Ethnopharmacol, v. 184, p.18-21, 2016. doi: 10.1016/j.jep.2016.03.002
17 - ANANTHI, J. et al. Antihyperglycemic activity of Eclipta alba leaf on alloxan-induced diabetic rats. Yale J Biol Med, v. 76, n. 3, p.97-102, 2003.
18 - SAWANT, M. et al. Analgesic studies on total alkaloids and alcohol extracts of Eclipta alba (Linn.) Hassk. Phytother Res, v. 18, n. 2, p.111-113, 2004. doi: 10.1002/ptr.1165
19 - THAKUR, V. D.; MENGI, S. A. Neuropharmacological profile of Eclipta alba (Linn.) Hassk. J Ethnopharmacol, v. 102, n. 1, p.23-31, 2005. doi: 10.1016/j.jep.2005.05.037
20 - BANJI, O. et al. Investigation on the effect of Eclipta alba on animal models of learning and memory. Indian J Physiol Pharmacol, v. 51, n. 3, p.274-278, 2007.
21 - BANJI, D. et al. Impact of the aqueous extract of Eclipta alba on maternal aggression in rats. Pak J Pharm Sci, v. 23, n. 2, p.138-142, 2010.
22 - ROY, R. K. et al. Hair growth promoting activity of Eclipta alba in male albino rats. Arch Dermatol Res, v. 300, n. 7, p.357-364, 2008. doi: 10.1007/s00403-008-0860-3
23 - SAXENA, A. K. et al. Hepatoprotective effects of Eclipta alba on subcellular levels in rats. J Ethnopharmacol, v. 40, n. 3, p.155-161, 1993. doi: 10.1016/0378-8741(93)90063-b
24 - ROY, R. K. et al. Development and evaluation of polyherbal formulation for hair growth-promoting activity. J Cosmet Dermatol, v. 6, n. 2, p.108-112, 2007. doi: 10.1111/j.1473-2165.2007.00305.x
25 - MA-MA, K. et al. The protective effect of Eclipta alba on carbon tetrachloride-induced acute liver damage. Toxicol Appl Pharmacol, v. 45, n. 3, p.723-728, 1978. doi: 10.1016/0041-008x(78)90165-5
26 - SINGH, T. et al. Biochemical and histopathological effects on liver due to acute oral toxicity of aqueous leaf extract of Eclipta alba on female Swiss albino mice. Indian J Pharmacol, v. 45, n. 1, p.61-65, 2013. doi: 10.4103/0253-7613.106437
27 - ALI, F. et al. Assessment of augmented immune surveillance and tumor cell death by cytoplasmic stabilization of p53 as a chemopreventive strategy of 3 promising medicinal herbs in Murine 2-stage skin carcinogenesis. Integr Cancer Ther, v. 13, n. 4, p.351-367, 2014. doi: 10.1177/1534735413513831
28 - CHERUVU, H. S. et al. LC-MS/MS method for the simultaneous quantification of luteolin, wedelolactone and apigenin in mice plasma using hansen solubility parameters for liquid-liquid extraction: application to pharmacokinetics of Eclipta alba chloroform fraction. J Chromatogr B Analyt Technol Biomed Life Sci, p.76-86, 2018. doi: 10.1016/j.jchromb.2018.01.035
29 - LEE, K. H. et al. Eclipta prostrata promotes the induction of anagen, sustains the anagen phase through regulation of FGF-7 and FGF-5. Pharm Biol, v. 57, n. 1, p.105-111, 2019. doi: 10.1080/13880209.2018.1561729
30 - CHAN, C. F. et al. Potent antioxidative and UVB protective effect of water extract of Eclipta prostrata L. ScientificWorldJournal, p.1-8, 2014. doi: 10.1155/2014/759039
31 - LIRDPRAPAMONGKOL, K. et al. Juice of Eclipta prostrata inhibits cell migration in vitro and exhibits anti-angiogenic activity in vivo. In Vivo, v. 22, n. 3, p.363-368, 2008. 
32 - LIAO, M. Y. et al. Antimetastatic effects of Eclipta prostrata extract on oral cancer cells. Environ Toxicol, v. 33, n. 9, p.923-930, 2018. doi: 10.1002/tox.22577
33 - KIM, D. S. et al. Eclipta prostrata improves DSS-induced colitis through regulation of inflammatory response in intestinal epithelial cells. Am J Chin Med, v. 45, n. 5, p.1047-1060, 2017. doi: 10.1142/S0192415X17500562
34 - RAJAKUMAR, G. et al. Antiplasmodial activity of eco-friendly synthesized palladium nanoparticles using Eclipta prostrata extract against Plasmodium berghei in Swiss albino mice. Parasitol Res, v. 114, n. 4, p.1397-1406, 2015. doi: 10.1007/s00436-015-4318-1
35 - KIM, D. I. et al. The butanol fraction of Eclipta prostrata (Linn) effectively reduces serum lipid levels and improves antioxidant activities in CD rats. Nutr Res, v. 28, n. 8, p.550-554, 2008. doi: 10.1016/j.nutres.2008.05.003
36 - MOREL, L. J. F. et al. A standardized methanol extract of Eclipta prostrata (L.) L. (Asteraceae) reduces bronchial hyperresponsiveness and production of Th2 cytokines in a murine model of asthma. J Ethnopharmacol, v. 198, p.226-234, 2017. doi: 10.1016/j.jep.2016.12.008
37 - DU, G. et al. Validated UPLC-MS/MS method for quantification of seven compounds in rat plasma and tissues: application to pharmacokinetic and tissue distribution studies in rats after oral administration of extract of Eclipta prostrata L. Biomed Chromatogr, v. 32, n. 6, p.e4191, 2018. doi: 10.1002/bmc.4191
38 - LIN, X. H. et al. Effects of volatile components and ethanolic extract from Eclipta prostrata on proliferation and differentiation of primary osteoblastos. Molecules, v. 15, n. 1, p.241-250, 2010. doi: 10.3390/molecules15010241
39 - KIM, D. I. et al. The butanol fraction of Eclipta prostrata (Linn) increases the formation of brain acetylcholine and decreases oxidative stress in the brain and serum of cesarean-derived rats. Nutr Res, v. 30, n. 8, p.579-584, 2010. doi: 10.1016/j.nutres.2010.08.001
40 - JUNG, W. Y. et al. The ethanolic extract of the Eclipta prostrata L. ameliorates the cognitive impairment in mice induced by scopolamine. J Ethnopharmacol, v. 190, p.165-173, 2016. doi: 10.1016/j.jep.2016.06.010
41 - MELO, P. A. et al. Inhibition of the myotoxic and hemorrhagic activities of crotalid venoms by Eclipta prostrata (Asteraceae) extracts and constituents. Toxicon, v. 32, n. 5, p.595-603, 1994. doi: 10.1016/0041-0101(94)90207-0
42 - HUSSEIN, N. S. et al. Lipidomic analysis reveals the efficiency of Eclipta prostrata on diet-induced nonalcoholic fatty liver disease in rats. J Pharm Biomed Anal, v. 165, p.224-232, 2019. doi: 10.1016/j.jpba.2018.11.060
43 - ZHAO, Y. et al. Effect of Eclipta prostrata on lipid metabolism in hyperlipidemic animals. Exp Gerontol, v. 62, p.37-44, 2015. doi: 10.1016/j.exger.2014.12.017
44 - LAN, T. et al. Lei-gong-gen formula granule attenuates hyperlipidemia in rats via cGMP-PKG signaling pathway. J Ethnopharmacol, v. 260, p.1-33, 2020. doi: 10.1016/j.jep.2020.112989
45 - KUMARI, C. S. et al. Lipid lowering activity of Eclipta prostrata in experimental hyperlipidemia. J Ethnopharmacol, v. 105, n. 3, p.332-335, 2006. doi: 10.1016/j.jep.2005.10.031
46 - MORS, W. B. et al. Neutralization of lethal and myotoxic activities of South American rattlesnake venom by extracts and constituents of the plant Eclipta prostrata (Asteraceae). Toxicon, v. 27, n. 9, p.1003-1009, 1989. doi: 10.1016/0041-0101(89)90151-7
47 - LEE, C. Y. et al. Hair growth is promoted by BeauTop via expression of EGF and FGF‑7. Mol Med Rep, v. 17, n. 6, p.8047-8052, 2018. doi: 10.3892/mmr.2018.8917
48 - YOU, X. Y. et al. Preventive effects of Ecliptae Herba extract and its component, ecliptasaponin A, on bleomycin-induced pulmonary fibrosis in mice. J Ethnopharmacol, v. 175, p.172-180, 2015. doi: 10.1016/j.jep.2015.08.034
49 - PITHAYANUKUL, P. et al. Anti-venom potential of butanolic extract of Eclipta prostrata against Malayan pit viper venom. J Ethnopharmacol, v. 90, n. 2-3, p.347-352, 2004. doi: 10.1016/j.jep.2003.10.014
50 - DHANDAPANI, R. et al. Hypolipidemic activity of Eclipta prostrata (L.) L. leaf extract in atherogenic diet induced hyperlipidemic rats. Indian J Exp Biol, v. 45, n. 7, p.617-619, 2007.
51 - SAWANGJAROEN, N. et al. The in vitro anti-giardial activity of extracts from plants that are used for self-medication by AIDS patients in southern Thailand. Parasitol Res, v. 95, n. 1, p.17-21, 2005. doi: 10.1007/s00436-004-1264-8

Farmácia da Natureza
[ 1 ]

Fórmula

Tintura

Alcoolatura

Componente

Quantidade

Componente

Quantidade*

Etanol/água 70%

1000 mL

Etanol/água 80%

1000 mL

Planta toda seca

100 g

Planta toda fresca

200 g

                                                                   * Após a filtragem ajustar o teor alcoólico da alcoolatura para 70%, com adição de etanol 98%, se necessário. 
Modo de preparo

Tintura: pesar 100 g de planta toda seca pulverizada e colocar em frasco de vidro âmbar; em seguida adicionar 1000 mL de etanol a 70%, tampar bem o frasco e deixar a planta em maceração por 7 dias, agitando o frasco diariamente. Após esse período, filtrar em papel de filtro e envasar em frasco de vidro âmbar.

Alcoolatura: pesar 200 g de planta toda fresca, lavar, picar e colocar em frasco de vidro âmbar; em seguida adicionar 1000 mL de etanol a 80%, tampar bem o frasco e deixar a planta em maceração por 7 dias, agitando o frasco diariamente. Após esse período, filtrar em papel de filtro e envasar em frasco de vidro âmbar.

Principais indicações

Alergias em geral, sobretudo em picadas de insetos e afecções hepáticas.

Posologia

Uso oral: tomar de 1 a 3 gotas por quilo de peso, divididas em 3 vezes ao dia, sempre diluídas em água (cerca de 50 mL ou meio copo).

Uso externo: na forma de creme ou gel, passar na área afetada 3 vezes ao dia.

Farmácia da Natureza
[ 2 ]

Fórmula

Componente

Número da cápsula e quantidade

Eclipta alba  (droga vegetal)

N° 0 (245 a 255 mg)

Q.s.p

1 cápsula

 
Modo de preparo

Pulverizar a droga vegetal (planta toda) e encapsular.

Principais indicações

Alergias em geral, sobretudo em picadas de insetos e afecções hepáticas, sobretudo esteatose hepática.

Posologia

Uso oral: tomar de 1 a 3 gotas por quilo de peso divididas em 3 vezes ao dia, sempre diluídas em água (cerca de 50 mL ou meio copo).

Uso externo: na forma de creme ou gel, passar na área afetada 3 vezes ao dia.

Farmácia da Natureza
[ 3 ]

Fórmula

Componente

Quantidade

Planta toda seca pulverizada

0,4 a 0,6 g ou uma colher de café cheia

Água q.s.p.

150 mL

 
Modo de preparo

Preparar por infusão, por 5 minutos.

Principais indicações

Alergias em geral, sobretudo em picadas de insetos e afecções hepáticas.

Posologia

Uso oral: adultos devem tomar 150 mL (1 xícara de chá) do infuso três a quatro vezes ao dia.

Uso tópico: aplicar o infuso sobre a pele ou úlcera duas a três vezes ao dia.

Referências bibliográficas

1 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 3 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 120-122.
2 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 3 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 386-388.
3 - PEREIRA, A. M. S. (Org.). Formulário de Preparação Extemporânea: Farmácia da Natureza. 2 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 73-75.

Dados Químicos
[ 1 , 2 , 3 , 4 , 5 , 6 , 7 , 8 ]
Marcador:
Principais substâncias:

Ácidos fenólicos

ácido clorogênico.

Alcaloides

ecliptamina.

Cumestanos

wedelolactona, dimetil-wedelolactona e tertienilcarbinol.

Fitosteróis

sitosterol e estigmasterol.

Flavonoides

apigenina, euteolina, luteolina, quercetina, caempferol, catequina, epicatequina, pratensein, diosmetina, 3’-hidroxibiocanina A e 3’-O-metilorobol.

Óleos essenciais

heptadecano, pentadecanona, pentadecano, hexadecano, eudesmol, fitol, ácido octadec-9-enóico e ácido n-hexadecanóico.

Outras substâncias

ácido mandélico, derivados do tiofeno, β-caroteno, entriacontanol e 14-heptacosanol.

Poliacetilenos

Saponinas

ecliptina e eclalbasaponina.

Taninos

Tiofenos

α-tertienilmetanol e α-formiltertienil.

Triterpenos

ácido echinocístico, ecliptasaponina, eclalbasaponina e ácido 3-Oxo-16-α-hidroxi-olean-12-en-28-óico.

Referências bibliográficas

1 - PEREIRA, A. M. S. et al. (Org.). Manual Prático de Multiplicação e Colheita de Plantas Medicinais. Ribeirão Preto: Bertolucci, 2011, p. 105.
2 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 1. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 328.
3 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 136-137.
4 - GUENNÉ, S. et al. Phytochemistry and neuroprotective effects of Eclipta alba (L.) Hassk. J Complement Integr Med, v. 17, n. 1, p.1-7, 2019. doi: 10.1515/jcim-2019-0026
5 - LIU, Q. M. et al. Eclipta prostrata L. phytochemicals: isolation, structure elucidation, and their antitumor activity. Food Chem Toxicol, v. 50, n. 11, p.4016-4022, 2012. doi: 10.1016/j.fct.2012.08.007
6 - KIM, H. Y. et al. Constituents of the aerial parts of Eclipta prostrata and their cytotoxicity on human ovarian cancer cells in vitro. Arch Pharm Res, v. 38, n. 11, p.1963-1969, 2015. doi: 10.1007/s12272-015-0599-2
7 - XI, F. M. et al. Thiophenes, polyacetylenes and terpenes from the aerial parts of Eclipta prostrata. Bioorg Med Chem, v. 22, n. 22, p.6515-6522, 2014. doi: 10.1016/j.bmc.2014.06.051
8 - LEE, M. K. et al. Stimulatory constituents of Eclipta prostrata on mouse osteoblast differentiation. Phytother Res, v. 23, n. 1, p.129-131, 2009. doi: 10.1002/ptr.2560

Propagação: 

por sementes ou estacas. A semeadura pode ser realizada em canteiros com sulcos transversais de 2 cm, recobertos por fina camada de solo e após a germinação das plântulas, deve se fazer o desbaste. A propagação também pode ser realizada em caixilhos de isopor ou bandejas plásticas contendo substrato industrializado. O plantio definitivo deve ser realizado 60 dias após a germinação, a pleno sol e a meia sombra, com espaçamento de 0,3 m entre plantas e 0,3 m entre linhas. A propagação por estacas deve ser realizada em canteiros contendo solo orgânico e úmido [ 1 , 2 , 3 ] .

Eclipta prostrata

Eclipta prostrata

Eclipta prostrata

Eclipta prostrata

Tratos culturais & Manejo: 

esta espécie adapta-se em diferentes tipos de solo, contudo, prefere os úmidos e menos ácidos. A irrigação pode ser realizada em dias alternados [ 1 , 2 ] .

Colheita: 

a planta toda (folha, flor e raiz) deve ser colhida entre 60 a 90 dias após a germinação das sementes, preferencialmente no final do período da lua cheia. As sementes devem ser colhidas manualmente, esfregando os frutos em peneira de malha fina (2 mm) [ 1 ] .

Pós-colheita: 

o processo de secagem deve ser realizado em estufa de ar circulante em temperatura de 45°C/36 horas. Posteriormente, armazenar a droga vegetal em ambiente não úmido por um período de 6 meses. O processo de moagem da droga vegetal em moinho de faca (até 40 mesh) deve ser realizada para a preparação de tinturas e extratos. O armazenamento de droga vegetal moída não deve ultrapassar de 90 dias. O fitoterápico pode ser preparado a partir do material vegetal fresco ou seco, sendo esta uma espécie sazonal, torna-se indispensável o processo de secagem [ 1 ] .

Problemas & Soluções: 

as sementes podem ser armazenadas por mais de 2 anos, sem perder a viabilidade [ 1 ] .

Referências bibliográficas

1 - PEREIRA, A. M. S. et al. (Org.). Manual Prático de Multiplicação e Colheita de Plantas Medicinais. Ribeirão Preto: Bertolucci, 2011, p. 104.
2 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 1. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 328.
3 - MATOS, F. J. A. Farmácias Vivas. 2 ed. Fortaleza: UFC, 1994, p. 39.

Parceiros