Foeniculum vulgare Mill.

Funcho.

Família 
Informações gerais 

Originária da Europa e Ásia (Sul Mediterrâneo), atualmente apresenta distribuição cosmopolita. Ocorre em todo o Brasil, principalmente de forma cultivada. Suas principais indicações são: orexígena, antiespasmódica, carminativa, eupéptica, vermífuga, purgativa, anti-inflamatória, antisséptica, antifúngica, expectorante, galactagoga e diurética[1,2,3,4,5,6,7].

Referências informações gerais
1 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 2. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 22-28.
2 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 2 ed. São Paulo: Bertolucci, 2014, p. 126-127.
3 - PEREIRA, A. M. S. (Org.). Formulário de Preparação Extemporânea: Farmácia da Natureza – Chás Medicinais. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2017, p. 89-91.
4 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 78.
5 - TESKE, M. & TRENTINI, A. M. M. Compêndio de Fitoterapia. 4 ed. Curitiba: Herbarium Lab. Bot. Ltda, 2001, p. 136-138.
6 - LIPP, F. J. Herbalism. Healing and harmony symbolism, ritual, and folklore traditions of east and west. London: Duncan Baird Publishers, 1996, p. 46-47.
7 - CAMARGO, M. T. L. A. As plantas medicinais e o sagrado: a etnofarmacobotânica em uma revisão historiográfica da medicina popular no Brasil. 1 ed. São Paulo: Ícone, 2014, p. 45, 83.
Descrição da espécie 

Erva aromática, perene ou bianual, vertical, glabra, entouceirada e muito ramificada, de até 2 m de altura; caule estriado, fistuloso, ereto, cilíndrico e de cor verde-claro; folhas pinadas compostas, sendo as inferiores maiores, com até 40 cm de comprimento; pecíolos longos com bainhas envolventes; flores pequenas, hermafroditas, pentâmeras, de coloração amarela, dispostas em umbelas terminais e planas; os frutos são inicialmente verde azulados, oblongos à ovoides, glabros, achatados de um lado e convexos no outro, compostos de dois aquênios (mericarpos) de 3 a 5 mm de comprimento x 1 a 2 mm de largura, com estrias longitudinais; as sementes são elípticas, curvadas, levemente obtusas nas extremidades e de coloração amarelo-esverdeada; raiz fusiforme muito fibrosa a partir do primeiro ano do plantio[1,2].

Referências descrição da espécie
1 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 2. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 22-23.
2 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 78.
Nome popular Local Parte da planta Indicação Modo de preparo Forma de uso Restrição de uso Referências
Fennel e razianaj Pérsia Semente, Folha e raiz

Galactagoga.

Uso oral.

-

-

[ 1 ]
Hinojo e erva-doce (fenne) Navarra (Espanha) Broto e fruto

No tratamento de problemas oftálmicos.

-

Uso externo: aplicar diretamente no local.

-

[ 2 ]
- Pérsia -

No tratamento de tosse crônica. 

Lauq Shyrin bayan (medicamento tradicional): Glycyrrhiza glabra, Astragalus tragacantha, Ferula galbaniflua, Amygdalus communis, Foeniculum vulgare e mel.

Uso interno.

-

[ 3 ]
Fennel Arábia Saudita Ocidental -

Antialérgica (rinite, asma brônquica, dermatite atópica, urticária e alimentar).

-

-

-

[ 4 ]
Kagilani Tribos indígenas do Distrito de Bajaur (Paquistão) Folha e caule

Antipirética e no tratamento de dor de cabeça.

-

-

-

[ 5 ]
Kagilani Tribos indígenas do Distrito de Bajaur (Paquistão) Folha e fruto (imaturo)

Antidiarreica, antiemética e antidispéptica.

-

-

-

[ 5 ]
Morac Sul da Europa -

Carminativa, diurética, laxativa, orexígena, no tratamento de espasmos, problemas digestivos e laringite.

-

-

-

[ 6 ]
- Distrito de Chandauli (Índia) Semente

No tratamento da caspa do couro cabeludo.

Decocção: cozinhar as folhas de Eclipta alba juntamente com as sementes de F. vulgare em óleo de Cocos nicifera

Aplicar no couro cabeludo pela manhã/7 dias.

-

[ 7 ]
Fennel Nordeste do Líbano (Vale de Bekaa) Folha e semente

Reguladora digestiva e fortalecedora do sangue.

In natura, infusão ou decocção: 1 colher de sopa ou 1 ou 2 copos.

Ingerir diariamente (até 15 dias).

-

[ 8 ]
Funcho Comunidade pesqueira do Lami (Rio Grande do Sul, Brasil) Folha

No tratamento de doenças do sistema digestivo, circulatório, nervoso e geniturinário.

-

-

-

[ 9 ]
Hinojo Tlanchinol (Hidalgo, México) Parte aérea

Antitussígena.

Infusão.

Uso oral.

-

[ 10 ]
Fiolho, fionho, erva-doce e funcho Regiões Portuguesas (Trás-os-Montes, Arrábida, Açor, Alentejo e Algarve) Folha e flor

Depurativa, diurética, antisséptica, digestiva, carminativa, galactagoga, hipoglicemiante, antidiarreica, expectorante, antitussígena, antigripal e no tratamento de doenças do sistema geniturinário.

Infusão ou óleo.

-

Deve-se evitar o uso contínuo de decocção, pois pode causar dores abdominais. Evitar o uso desta planta na gravidez.

[ 11 ]
- Palestina Parte aérea

Antitussígena, antiasmática, no tratamento de infeções do sistema gastrointestinal e urinário.

-

-

-

[ 12 ]

Referências bibliográficas

1 - JAVAN, R. et al. Breastfeeding: a review of its physiology and galactogogue plants in view of traditional persian medicine. Breastfeed Med, v. 12, n. 7, p.401-409, 2017. doi: 10.1089/bfm.2017.0038
2 - CALVO, M. I.; CAVERO, R. Y. medicinal plants used for ophthalmological problems in Navarra (Spain). J Ethnopharmacol, v. 190, n. 212-218, 2016. doi: 10.1016/j.jep.2016.06.002
3 - KAREGAR-BORZI, H. et al. Laūq: a sustained-release dosage form for respiratory disorders in Traditional Persian Medicine. J Evid Based Complement Altern Med, v. 21, n. 1, p.63-70, 2016. doi: 10.1177/21565872115587417
4 - KOSHAK, A. E. et al. Prevalence of herbal medicines in patients with chronic allergic disorders in Western Saudi Arabia. Saudi Med J, v. 40, n. 4, p.391-396, 2019. doi: 10.15537/smj.2019.4.24006
5 - AZIZ, M. A. et al. traditional uses of medicinal plants reported by the indigenous communities and local herbal practitioners of Bajaur Agency, Federally Administrated Tribal Areas, Pakistan. J Ethnopharmacol, v. 198, p.268-281, 2017. doi: 10.1016/j.jep.2017.01.024
6 - JARIC, S. et al. Phytotherapy in Medieval Serbian Medicine according to the Pharmacological Manuscripts of the Chilandar Medical Codex (15-16th Centuries). J Ethnopharmacol, v. 137, n. 1, p.601-619, 2011. doi: 10.1016/j.jep.2011.06.016
7 - SINGH, A; SINGH, P. K. An ethnobotanical study of medicinal plants in Chandauli District of Uttar Pradesh, India. J Ethnopharmacol, v. 121, n. 2, p.324-329, 2009. doi: 10.1016/j.jep.2008.10.018
8 - JEAMBEY, Z. et al. Perceived Health and Medicinal Properties of Six Species of Wild Edible Plants in North-East Lebanon. Public Health Nutr, v. 12, n. 10, p.1902-1911, 2009. doi: 10.1017/S1368980009004832
9 - BAPTISTA, M. M. et al. Traditional botanical knowledge of artisanal fishers in Southern Brazil. J Ethnobiol Ethnomed, v. 9, p.1-16, 2013. doi: 10.1186/1746-4269-9-54
10 - ANDRADE-CETTO, A. Ethnobotanical study of the medicinal plants from Tlanchinol, Hidalgo, México. J Ethnopharmacol, v. 122, n. 1, p.163-171, 2009. doi: 10.1016/j.jep.2008.12.008
11 - BARROS, L. et al. Systematic evaluation of the antioxidant potential of different parts of Foeniculum vulgare Mill. from Portugal. Food Chem Toxicol, v. 47, n. 10, p.2458-2464, 2009. doi: 10.1016/j.fct.2009.07.003
12 - KAILEH, M. et al. Screening of indigenous Palestinian medicinal plants for potential anti-inflammatory and cytotoxic activity. J Ethnopharmacol, v. 113, n. 3, p.510-516, 2007. doi: 10.1016/j.jep.2007.07.008

Ansiolítica

Ansiolítica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Óleo essencial: a partir de 3 kg do material vegetal (fresco), por hidrodestilação. Doses para ensaio: 50, 100, 200 e 400 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss tratados com o óleo vegetal e submetidos aos testes de labirinto em cruz elevado, de escada e de campo aberto, com posterior análise de parâmetros comportamentais.

Observou-se que o óleo essencial de F. vulgare apresenta atividade ansiolítica, principalmente nas doses de 100 e 200 mg/kg.

[ 8 ]

Anti-inflamatória

Anti-inflamatória
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Óleo essencial. Outras espécies em estudo: Citrus aurantium, Cupressus sempervirens, Eucalyptus globulus e Thymus vulgaris.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante (radicais ABTS, ORAC, hidroxil, peroxil, óxido nítrico, íons metálicos e peroxidação lipídica), anti-inflamatória através da enzima 5-lipoxigenase e antiproliferativa em células leucêmicas THP-1 através do ensaio MTT.

 

Observou-se que o extrato de F. vulgare apresenta atividade anti-inflamatória mais potente, contudo, T. vulgaris apresenta melhor atividade antioxidante e antiproliferativa.

[ 43 ]
Fruto

Óleo essencial: por hidrodestilação. Doses para ensaio: 100, 200 e 400 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wister portadores de colite induzida por ácido acético, tratados com o óleo vegetal, com posterior análise da atividade da mieloperoxidase, expressão de TNF-α (por imuno-histoquímica) e NF-kB p65 (por Western blotting), parâmetros macroscópicos e histológicos do cólon.

Observou-se que F. vulgare apresenta atividade anti-inflamatória, devido a inibição da via NF-kB, principalmente nas doses de 200 e 400 mg/kg.

[ 23 ]

Anti-inflamatória e Antioxidante

Anti-inflamatória e Antioxidante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto

Óleo essencial: 500 mg do material vegetal, por hidrodestilação. Dose para ensaio: 0,5 mL/kg.

In vivo:

Em ratos albinos submetidos a intoxicação com benzoato de emamectina, pré-tratados com o óleo vegetal, com posterior análise do peso corporal, parâmetros hematológicos e bioquímicos (ALT, ALP, proteína total e albumina), exame histopatológico, dos níveis de SOD e MDA (em homogenato hepático), IgG, IgM e TNF-α (ELISA).

Observou-se que o óleo essencial de F. vulgare apresenta atividades antioxidante e anti-inflamatória, reduzindo assim, os efeitos tóxicos provocados por benzoato de emamectina.

[ 26 ]
Fruto

Extrato: material vegetal (pó) em metanol à 80%. Rendimento: 6,4% (p/p). Dose para ensaio: 200 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos ICR e BALB/c e ratos Sprague-Dawley submetidos aos testes de edema de pata, de orelha e artrite (induzidos por carragenina, ácido araquidônico e formaldeído, respectivamente), da placa quente, de hipersensibilidade cutânea (induzida por 2,4-dinitrofluoro benzeno) e determinar os níveis plasmáticos de superóxido dismutase, catalase, malondialdeído, triglicerídeos e colesterol.

Observou-se que F. vulgare apresenta atividades anti-inflamatória, analgésica e antioxidante.

[ 29 ]

Anti-inflamatória e Redutora da motilidade intestinal

Anti-inflamatória e Redutora da motilidade intestinal
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto

Fitoterápico ColiMil®: contendo Foeniculum vulgare (extrato aquoso padronizado com 0,05 a 0,1% de óleo essencial), Matricaria recutita (flor, extrato metanólico padronizado com 0,3% de apigenina) e Melissa officinalis (parte aérea, extrato aquoso padronizado com 1,5% de ácido rosmarínico). Dose para ensaio: 0,4 e 0,8 mL/rato.

In vivo:

Em camundongos ICR portadores de inflamação intestinal induzida por óleo de cróton, pré-tratados com o extrato vegetal e carvão (marcador), com posterior análise do transito gastrointestinal.

Observou-se que o fitoterápico em estudo reduz motilidade intestinal, dose-dependente, além de apresentar atividade anti-inflamatória.

[ 46 ]

Antiagregante plaquetária

Antiagregante plaquetária
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Óleo essencial.

In vitro:

Em amostras de sangue de porquinhos-da-Índia e ratos Wistar, para obtenção do plasma rico em plaquetas, incubados com os óleos vegetais, associado com ADP, ácido araquidônico e tromboxano A2, para análise da atividade antiagregante plaquetária, e da retração do coágulo de fibrina após adição do óleo vegetal e trombina.

 

Neste estudo, das 23 diferentes espécies vegetais, observou-se que o óleo de Artemisia dracunculus, Foeniculum vulgare e Ocotea quixos apresentam atividade antiagregante plaquetária mais potente, além de inibir a formação de coágulo.

[ 49 ]

Antiartrítica e Antioxidante

Antiartrítica e Antioxidante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Semente

Extrato: 7 g do material vegetal (seco) em 100 mL de água. Doses para ensaio: 5 e 10 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Balb/c artríticos tratados com as nanopartículas de selênio contendo o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros clínicos, bioquímicos (DPPH e CAT) e histológicos das patas.

Observou-se que as nanopartículas de selênio contendo o extrato de F. vulgare apresenta atividades antiartrítica e antioxidante potentes.

[ 27 ]

Antibacteriana

Antibacteriana
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Parte aérea

Extrato: maceração de 50 g do material vegetal em hexano, clorofórmio, metanol e água. Concentração final para ensaio: 6,25 a 200 µg/mL. Outras espécies em estudo: Citrus aurantifolia, C. sinensis, Larrea tridentata, Mentha pulegium, Musa acuminata, Nasturtium officinale, Olea europaea e Rosa centifolia.

In vitro:

Em cepas de Mycobacterium tuberculosis sensíveis e resistentes à antibióticos submetidas ao teste de microdiluição para determinar a concentração inibitória mínima (CIM) e em células de carcinoma epidermoide humano incubadas com os extratos vegetais para determinar a concentração inibitória média (CI50).

 

Observou-que os extratos das espécies N. officinale (clorofórmio), C. sinensis (hexano), C. aurantifolia (hexano), F. vulgare (hexano), L. tridentata (clorofórmio), M. acuminata (metanol) e O. europaea (metanol) apresentam atividade antibacteriana mais potente, contudo não houve citotoxicidade.

[ 17 ]
Semente

Óleo essencial. Concentrações para ensaio: 0,5, 1,0, 2,0 e 100,0%. Outras espécies em estudo: Anethum graveolens, Carum capticum, Coriandrum sativum, Cuminum cyminum, Pimpinella anisum e Seseli indicum.

In vitro:

Em cepas de Corynebacterium diphtheriae, Staphylococcus aureus, Streptococcus haemolyticus, Bacillus subtilis, Pseudomonas aeruginosa, Escherichia coli, Klebsiella species e Proteus vulgaris submetidas ao ensaio de disco-difusão em ágar.

 

Observou-se que F. vulgare apresenta atividade antibacteriana moderada, principalmente nas concentrações de 2,0 e 100%, sendo os óleos essenciais de C. capticum, C. cyminum e A. graveolens os mais potentes.

[ 18 ]

Antibacteriana e Antitumoral

Antibacteriana e Antitumoral
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Semente

Óleo essencial: por hidrodestilação. Rendimento: 0,82%.

In vitro:

Em linhagens bacterianas gram-positivas e gram-negativas incubadas com o óleo vegetal e submetidas aos testes de disco-difusão e microdiluição em ágar, para determinar a concentração inibitória mínima (CIM).

Bioensaio de letalidade em Artemia salina.

Em células de câncer de mama (MDA-Mb) e de carcinoma epitelioide cervical (HeLa) de humanos, incubados com o óleo vegetal e submetidas ao ensaio MTT.

 

O óleo essencial de F. vulgare apresenta atividade antibacteriana, principalmente para Pseudomonas aeruginosa, Escherichia coli e Shigella dysenteriae, e antitumoral potente.

[ 5 ]

Antifúngica

Antifúngica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Semente

Óleo essencial. Volume para ensaio: 30 µL. Outras espécies em estudo: Punica granatum (fruto, extrato aquoso), Acacia nilotica (casca, extrato aquoso) e Cuminum cyminum (semente, óleo).

In vitro:

Em cepas de Candida albicans submetidas ao ensaio de disco-difusão em ágar.

 

Observou-se que o óleo de F. vulgare apresenta atividade antifúngica discreta, sendo o extrato de P. granatum o mais potente.

[ 11 ]
-

Óleo essencial. Rendimento: 2,2%.

In vitro:

Em cepas de Cryptococcus neoformans, Aspergillus spp. e Candida albicans incubadas com o óleo vegetal para determinar a concentração inibitória mínima (CIM) e a concentração letal mínima (CLM).

Em macrófagos (RAW 264.7), queratinócitos (HaCaT), hepatócitos (HepG2) e fibroblastos (Cos7) incubados com o óleo vegetal e submetidos ao ensaio MTT.

 

Observou-se que o óleo essencial de F. vulgare apresenta atividade antifúngica, principalmente para C. neoformans e C. albicans (MIC = 0,32 a 0,64 µL/mL), e ausência de citotoxicidade.

[ 12 ]
Semente

Óleo essencial: por destilação à vapor, 1:4 (p/v) por 6 horas; 1:2 (p/v) por 6 horas e 1:4 (p/v) por 12 horas. Rendimento: 2,82, 3,00 e 3,38%, respectivamente.

In vitro:

Em linhagens fúngicas de Aspergillus spp., Penicillium spp., Trichoderma viride, Fusarium tricinctum, Trichophyton mentagrophytes, Microsposporum canis e Epidermophyton floccosum submetidas ao teste de microdiluição para determinar as concentrações inibitórias mínimas (MICs).

 

Observou-se que o óleo de F. vulgare apresenta atividade antifúngica, principalmente aqueles extraídos por até 6 horas.

[ 13 ]

Antioxidante

Antioxidante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Semente

Infusão. Outra espécie em estudo: Salvia officinalis (folha).

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley expostos ao ácido tricloroacético (ATA) e tratados com os extratos vegetais, com posterior análise de parâmetros bioquímicos em eritrócitos e tecidos (GSH, GR, GST, CAT, SOD e MDA) e níveis enzimáticos (AST, ALT, CPK, LDH, ACP e ALP).

Observou-se que as infusões de F. vulgare e S. officinalis reduz o estresse oxidativo induzido por ATC.

[ 37 ]
Broto, Folha, caule e inflorescência

-

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante (radical DPPH, redução do íon férrico, branqueamento do β-caroteno e inibição da peroxidação lipídica) dos extratos provenientes das diferentes partes do vegetal.

 

Observou-se que o extrato dos brotos de F. vulagre apresenta atividade antioxidante mais potente, devido à presença significativa de compostos fenólicos, ácido ascórbico, tocoferóis e flavonoides.

[ 47 ]
Semente

Extrato: 5 a 50 g do material vegetal (pó) em 50 a 100 mL de água/etanol (30:70). Concentração estoque: 100 mg/mL.

In vitro:

Em cultura de Helicobacter pylori incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise da viabilidade bacteriana, através da determinação de unidades formadores de colônias (UFC); em células AGS incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise da fragmentação do DNA; e em células AGS estimuladas por H. pylori ou TNF-α, incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise dos níveis de IL-8 (ELISA) e espécies reativas de oxigênio (citometria de fluxo).

 

Neste estudo das 24 plantas analisadas, observou-se que Cinnamomum cassia, Myrtus communis, Syzygium aromaticum e Terminalia chebula apresentam atividade anti-inflamatória mais potente, enquanto que Achillea millefolium, Berberis aristata, Coriandrum sativum, Foeniculum vulgare, Matricaria chamomilla e Prunus domestica suprimem o estresse oxidativo.

[ 14 ]
Fruto

Extrato: decocção de 1 kg do material vegetal (pó) em 5 L de água. Rendimento: 100 g. outras espécies em estudo: Carum carvil, Coriandrum sativum, Cuminum cyminum e Anethum graveolens.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da capacidade de inibição da peroxidação lipídica (TBARS), eliminação dos radicais superóxido (riboflavina) e hidroxila (método de desoxirribose).

 

Observou-se que as espécies em estudo apresentam atividade antioxidante potente, comparável ao ácido ascórbico.

[ 20 ]
Semente

Extrato: 50 g do material vegetal (pó) em 250 mL de metanol/acetona e 60 g do material vegetal (pó) em 1 L de água. Outra espécie em estudo: Trachyspermum ammi.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através dos radicais DPPH, redução do íon férrico e de danos ao DNA induzidos por H2O2.

 

Observou-se que os extratos vegetais apresentam atividade antioxidante potente, devido altas concentrações de compostos fenólicos e flavonoides.

[ 24 ]

Antioxidante e Antitumoral

Antioxidante e Antitumoral
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Semente

Extrato: 50 g do material vegetal (pó) em 300 mL de metanol/água (1:1). Concentrações para ensaio (in vitro) 25 a 2000 µg/mL. Doses para ensaio (in vivo): 100 mg/kg.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através do radical DPPH e da estabilidade oxidativa em óleo de girassol.

Em linhagens celulares de carcinomas humanos da mama (MCF-7), fígado (Hepg-2), cólon (HT-29), cervical (HeLa), pulmonar (H460) e cerebral (U251) incubadas com o extrato vegetal e submetidas ao ensaio citotoxicidade com sulforodamina B, e em células de carcinoma ascítico de Ehrlich incubadas com o extrato vegetal para análise da atividade antitumoral.

 

In vivo:

Em camundongos portadores de carcinoma ascítico de Ehrlich, expostos ou não a radiação gama (total de 6 Gy), pré-tratados com o extrato vegetal, com posterior análise do consumo de alimentos, peso corporal, sinais de toxicidade, mortalidade e parâmetros bioquímicos (plasmático, homogenato hepático e fluido ascítico).

Observou-se que o extrato de F. vulgare apresenta atividade antioxidante, antitumoral e citoprotetora, principalmente nas linhagens MCF-7 e Hepg-2.

[ 32 ]
Semente

Extrato: 50 g do material vegetal (pó) em 300 mL de metanol/água (1:1). Concentrações para ensaio (in vitro): 25 a 1000 µg/mL. Dose para ensaio (in vivo): 100 mg/kg.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através do radical DPPH e da estabilidade oxidativa em óleo de girassol.

Em células cancerígenas humanas de mama (MCF7), hepática (Hepg-2), cólon (HT-29), cervical (HeLa), pulmonar (H460) e cerebral (U251) incubadas com o extrato vegetal com posterior análise da concentração inibitória média (CI50).

 

In vivo:

Em camundongos Swiss infectados por carcinoma ascítico de Ehrlich, tratados com o extrato vegetal e submetidos a radiação gama (total de 6 Gy), com posterior análise de toxicidade e mortalidade, parâmetros bioquímicos (MDA, GST, proteína total, catalase, ferro sérico, transferrina, ferritina), volume tumoral e do líquido ascítico.

Observou-se que F. vulgare apresenta atividades antioxidante, radioprotetora e antitumoral, principalmente para células MCF-7 e Hepg-2.

[ 9 ]
Semente

In natura: 2, 4 e 6%, introduzido na dieta alimentar.

In vivo:

Em camundongos Swiss portadores de papilomas cutâneos e em parte do sistema digestivo, induzidos por DMBA e B(a) P, respectivamente, com posterior análise do peso corporal, número de papilomas, ação moduladora em enzimas hepáticas (GSH, GST, DTD, LDH, SOD, GPx, GR, GLY I e CAT), peroxidação lipídica (TBARS e MDA), níveis de citocromo P450 e citocromo b5 e de exames histológicos.

Observou-se as sementes de F. vulgare apresenta atividades antitumoral e antioxidante, principalmente nas doses de 4 e 6%.

[ 31 ]

Antioxidante e Gastroprotetora

Antioxidante e Gastroprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Parte aérea

Extrato: 230 g do material vegetal (pó) em água. Rendimento: 14,9 g. Doses para ensaio: 75, 150 e 300 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley portadores de lesões gástricas induzidas por etanol, pré-tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (MDA, GSH, nitrato, nitrito, ácido ascórbico, retino e β-caroteno) e histológicos (índice de úlcera).

Observou-se que o extrato de F. vulgare apresenta atividades gastroprotetora e antioxidante, dose-dependente.

[ 39 ]

Antioxidante e Hepatoprotetora

Antioxidante e Hepatoprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Raiz (casca)

Extrato etanólico à 70%. Doses para ensaio: 88, 176, 352 e 704 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Kunming portadores de fibrose hepática induzida por tetracloreto de carbono (CCl4), tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (AST, ALT, TG, HA e LN), peroxidação lipídica em homogenato hepático (GSH, SOD e MDA), expressão (TGF-β1, MMP-1, TIMP-1 e α-SMA) e histopatológicos.

Observou-se que o extrato de F. vulgare apresenta atividades hepatoprotetora e antioxidante, dose-dependente.

[ 10 ]

Antioxidante e Neuroprotetora

Antioxidante e Neuroprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Semente

Extrato: 1000 g do material vegetal (pó) em etanol (25, 50, 75 e 100%), água e n-hexano. Doses para ensaio (in vivo): 20 e 200 mg/kg.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através do radical DPPH.

 

In vivo:

Em camundongos Balb/c portadores de neurotoxicidade induzida por chumbo (Pb), tratados com os extratos vegetais (etanólico à 75 e 100%), com posterior análise de expressão de marcadores de estresse oxidativo (SOD , Prdx6 e isoformas APP) no córtex e hipocampo e histológica cerebral.

Observou-se que os extratos etanólicos à 75 e 100% apresentam atividade antioxidante mais potente, além da ação neuroprotetora.

[ 22 ]

Antiparasitária

Antiparasitária
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Semente

Extrato: decocção de 250 g do material vegetal (seco) em 1000 mL de água. Outra espécie em estudo: Origanum majorana. Concentrações para ensaio: 1 a 1250 µg/mL.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através do radical DPPH.

Em células mononucleares de sangue periférico humano (PBMC) incubadas com os extratos vegetais e submetidas ao ensaio MTT.

Em Blastocystis spp. isolados de humanos incubados com os extratos vegetais com posterior análise da concentração inibitória (CI50 e CI90) e concentração letal mínima (CLM).

 

Observou-se que os extratos de F. vulgare e O. majorana apresentam atividade antiparasitária, nas concentrações de 250 e 400 µg/mL, respectivamente, contudo demonstram citotoxicidade para PBMC, dose-dependente.

[ 1 ]
Parte aérea

Extrato aquoso. Doses para ensaio: 0,02 a 2,5 mg/mL. Outras espécies em estudo: Achyrocline satureioides (folha e caule), Eugenia uniflora (casca) e Psidium guajava (casca).

In vitro:

Em trofozoítos de Giardia lamblia incubados com os extratos vegetais, com posterior análise de viabilidade por microscopia invertida e câmara de contagem.

 

Observou-se que o extrato de F. vulgare não apresenta atividade antiparasitária, contudo a espécie A. satureioides demonstra potente ação citotóxica para G. lamblia.

[ 50 ]
Folha

Óleo essencial: 1200 g do material vegetal (fresco), por hidrodestilação. Rendimento: 2,32% (p/p). Concentrações para ensaio: 10, 50 e 100 mg/mL.

In vitro:

Em parasitas adultos de Schitosoma mansoni incubados com o óleo vegetal com posterior análise de viabilidade através do ensaio MTT e do desenvolvimento de ovos viáveis por microscopia.

Em células V79 incubadas com o óleo vegetal e submetidas ao ensaio XTT.

 

O óleo essencial de F. vulgare apresenta atividade antiparasitária moderada, dose-dependente, além de baixa citotoxicidade.

[ 30 ]

Antipirética

Antipirética
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato: 100 g do material vegetal em 900 mL de água. Associação com (em quantidades iguais): Salix alba, Emblica officinalis, Glycyrrhiza glabra, Adhatoda vasica, Viola odorata, Thea sinensis, Valeriana officinalis, Sisymbrium irrio e Achillea millefolium. Doses para ensaio: 110 e 240 mg/kg, e 1 e 5 g/kg.

In vivo:

Em coelhos portadores de pirexia induzida por leveduras, tratados com a associação de extratos vegetais, com posterior análise da temperatura retal e teste de toxicidade aguda.

 (DL50).

A formulação em estudo apresenta atividade antipirética, principalmente na dose de 240 mg/kg, além da ausência de toxicidade.

[ 42 ]

Antitrombótica e Gastroprotetora

Antitrombótica e Gastroprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Óleo essencial. Doses para ensaio (in vivo): 10, 30 e 100 mg/kg.

In vitro:

Em plasma rico em plaquetas, de porquinhos-da-Índia, estimulados por ácido araquidônico, colágeno, ADP, U46619 e trombina, incubados com o óleo vegetal, com posterior análise da agregação plaquetária e retração do coágulo; em anéis da aorta de ratos Wistar, com endotélio ou não, incubados com fenilefrina, KCl e acetilcolina, com posterior análise da contratilidade e da presença de óxido nítrico.

 

In vivo:

Em camundongos Swiss portadores de tromboembolismo pulmonar agudo induzido por colágeno e epinefrina, tratados com o óleo vegetal, com posterior análise da atividade antitrombótica e sangramento através da transecção da cauda; e teste de ulcerogenicidade aguda e da atividade gastroprotetora após tratamento com etanol.

Observou-se que o óleo essencial de F. vulgare apresenta atividade antitrombótica, vasorelaxante e gastroprotetora, além da ausência de efeitos colaterais pró-hemorrágicos.

[ 25 ]

Antitumoral

Antitumoral
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Óleo essencial. Associação com: Syzygium aromaticum. Concentrações para ensaio: 30, 45 e 60 µg/mL (mistura de 20, 30 e 40 µg/mL de Foeniculum vulgare com 10, 15 e 20 µg/mL de S. aromaticum).

In vitro:

Em linfócitos normais de humanos e em células Caco-2 incubados com o óleo essencial, com posterior análise de citotoxicidade e do mecanismo antitumoral (morfologia celular, apoptose, ciclo celular, peroxidação lipídica, expressão de Bcl-2 e Ki-67).

 

A combinação dos óleos vegetais apresenta sinergismo para a atividade citotóxica, dose-dependente, sendo seletiva para células Caco-2.

[ 6 ]
Semente

Extrato: maceração de 1 kg do material vegetal em etanol à 80%. Fração: de clorofórmio. Concentrações para ensaio: 0,25 a 0,50 mg/mL.

In vitro:

Em células de carcinoma mamário de humanos (MCF-7 e MDA-MB-231) incubadas com a fração de clorofórmio, submetidas aos ensaios MTT e formação de colônias, com posterior análise morfológica, apoptose, ciclo celular, espécies reativas de oxigênio (EROs), potencial de membrana mitocondrial, caspases e fragmentação do DNA.

 

A fração de clorofórmio de F. vulgare apresenta atividade antitumoral, pois induz principalmente, a parada do ciclo celular e apoptose.

[ 7 ]
Semente

Extrato etanólico. Concentração para ensaio: 30 a 600 µg/mL. Outras espécies em estudo: Eryngium planum, Archangelica officinalis, Pastinaca sativa, Heracleum sibiricum, Carum carvi e Levisticum officinale.

In vitro:

Em células leucêmicas (ML-1, J-45.01, EOL, HL-60, 1301, C-8166 e U-266B1), célula B caucasiana normal (WICL) e célula T (H-9) de humanos incubadas com os extratos vegetais com posterior análise da citotoxicidade (ensaio de Azul de Tripan) e apoptose (ensaio de Anexina V).

 

Observou-se que os extratos vegetais, exceto a espécie C. carvi, induzem a apoptose, principalmente para as linhagens C-8166 e J-45.01.

[ 19 ]

Antitumoral e Imunomoduladora

Antitumoral e Imunomoduladora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Parte aérea

Extrato: material vegetal (seco) em diclorometano/metanol (1:1, v/v).

In vitro:

Em células de fibrossarcoma murino (L929aS), células humanas de câncer de mama (MDA-MB231 e MCF7) e renais embrionárias (HEK293T) incubadas com os extratos vegetais e submetidas ao ensaio MTT.

Em células L929aS de fibrossarcoma murino transfectadas com plasmídeo contendo o gene repórter Luciferase (p1168hu.IL6P), incubadas com os extratos vegetais com posterior análise da expressão de NFkB.

 

Neste estudo das 24 espécies analisadas, observou-se que os extratos de Withania somnifera, Psidium guajava, Laurus nobilis, Salvia fruticosa e Foeniculum vulgare apresentam atividade antitumoral e imunomoduladora (expressão de NFkB).

[ 16 ]

Dermatoprotetora

Dermatoprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto

Extrato: 500 g do material vegetal em metanol. Frações: n-hexano, diclorometano, acetato de etila e n-butanol. Extrato: 500 g do material vegetal em metanol. Frações: n-hexano, diclorometano, acetato de etila e n-butanol.

In vitro:

Em células HEK293T transfectadas com hORAI1 e STIM1, incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise dos canais de cálcio (ORAI1), dos níveis de cálcio intracelular e analise da atividade da enzima tirosinase.

Em células de melanoma murino (B16F10) incubadas com o extrato vegetal e frações, submetidas ao ensaio MTT, a radiação ultravioleta (UVB), com posterior análise da concentração de melanina.

 

Observou-se que F. vulgare inibe a melanogênese induzida por radiação UV, devido ao bloqueio dos canais ORAI1, inibição da enzima tirosinase e redução dos níveis de melanina, além da citotoxicidade, sendo a fração de n-hexano a mais potente.

[ 2 ]
Semente

Extrato: 10 g do material vegetal (pó) em 1000 mL de etanol à 50%. Concentrações para ensaio (in vitro): 1, 10 e 100 µg/mL, e (in vivo): 0,1 e 1%.

In vitro:

Em fibroblastos dérmicos normais de humanos (NHDFs) submetidos a radiação UVB e tratados com o extrato vegetal, com posterior análise dos níveis de espécies reativas de oxigênio (EROs), lactato desidrogenase (LDH), glutationa (GSH), metaloproteinases (MMPs), pró-colágeno tipo 1, interleucina-6, fator de crescimento transformador β1 (TGF-β1) e expressão de Nrf2, p-ERK e p38 (Western blotting).

 

In vivo:

Em camundongos sem pelos (HR-1) submetidos a radiação UVB (pele dorsal) e tratados com o extrato vegetal, com posterior análise histológica e de expressão (Nrf2, histone, ERK, JNK, p38, HRP, β-actina, MMP-1, pró-colágeno tipo 1, TGF-β1 e elastina) por Western blotting.

Observou-se que o extrato de F. vulgare previne os danos causados pela radiação UVB, devido a inibição da via de sinalização de MAPK e ativação da via Nrf2.

[ 4 ]

Hepatoprotetora

Hepatoprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências

Óleo essencial. Dose para ensaio (in vivo): 1 g da nanoemulsão (equivale à 130 mg/kg do óleo vegetal).

In vitro:

Em pele de ratos da região abdominal (ausência de pelos) para determinar a permeabilidade da nanoemulsão contendo 2% de óleo vegetal, 4,67% de LauroglicolTM 90 e 60% de emulsificante.

 

In vivo:

Em ratos albinos portadores de disfunção hepática induzida por tetracloreto de carbono (CCl4) submetidos ao tratamento tópico com a nanoemulsão contendo o óleo vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (ALT, AST, ALP, MDA, bilirrubina, albumina e amônia).

A nanoemulsão contendo 2% do óleo essencial de F. vulgare apresenta atividade hepatoprotetora.

[ 36 ]
Semente

Óleo essencial: por destilação à vapor. Rendimento: 1%. Dose para ensaio: 0,4 mL/kg.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley portadores de lesões hepáticas induzidas por tetracloreto de carbono (CCl4), tratados com o óleo vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (AST, ALT, ALP e bilirrubina).

O óleo essencial de F. vulgare apresenta atividade hepatoprotetora potente.

[ 45 ]

Hipotensora

Hipotensora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: decocção e infusão de 5 g do material vegetal (pó) em 100 mL de água. Rendimento: 9% (p/p).

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley tratados com o extrato vegetal associado a agentes vasodilatadores ou vasoconstritores (adrenérgicos, colinérgicos e histaminérgicos), através da artéria femoral, com posterior análise da pressão arterial, frequência cardíaca e respiratória.

Observou-se que a decocção de F. vulgare apresenta atividade hipotensora mais potente, além de não influenciar a frequência cardíaca e respiratória.

[ 48 ]

Hipotensora intraocular

Hipotensora intraocular
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Semente

Extrato aquoso. Rendimento: 8:1 (p/p). Concentrações para ensaio: 0,3, 0,6 e 1,2% (p/v).

In vivo:

Em coelhos portadores de glaucoma induzida por esteroide, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise da pressão intraocular por tonometria.

O extrato aquoso de F. vulgare apresenta atividade hipotensora intraocular (dose-dependente), comparável ao medicamento timolol, contudo, demonstra ação terapêutica mais lenta e curto tempo de duração do efeito.

[ 38 ]

Laxante

Laxante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Semente

Extrato etanólico (1:8, p/v): 1:1 (associação) do material vegetal (pó) em etanol à 70%. Associação com: Cassia obtusifolia. Doses para ensaio: 100, 300 e 500 mg/kg.

In vitro:

Em ratos Sprague-Dawley portadores de constipação intestinal induzida por loperamida, pré-tratados com o extrato vegetal (em associação ou isolados), com posterior análise do peso corporal, ingestão de alimentos e água, número de evacuações, peso das fezes, propulsão gastrointestinal do sulfato de bário, expressão de mRNA e proteínas (acetilcolina, receptores muscarínicos M3 e M3) e histológica do cólon transverso.

 

Observou-se que a associação dos extratos de C. obtusifolia e F. vulgare apresenta atividade laxante significativa.

[ 21 ]

Melhora a função cognitiva

Melhora a função cognitiva
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto

Extrato: 1 kg do material vegetal (seco) em metanol à 90%. Rendimento: 18%. Doses para ensaio: 50, 100 e 200 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss tratados com o extrato vegetal, submetidos a testes exteroceptivo (esquiva passiva) e interoceptivo (escopolamina e envelhecimento natural), com posterior análise da função locomotora e atividade da enzima acetilcolinesterase cerebral.

O extrato de F. vulgare melhora o desempenho cognitivo (nootrópico positivo), pois aumenta a latência e inibe a acetilcolinesterase cerebral.

[ 40 ]

Melhora a função vascular

Melhora a função vascular
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Semente

Extrato: 3 g do material vegetal em 20 mL de água destilada. Concentração para ensaio: 0,069 µg/g.

In vitro:

Em células endoteliais incubadas com o extrato vegetal com posterior análise dos níveis de óxido nítrico (NO); em células EAhy926 tratadas com o extrato vegetal com posterior análise dos níveis de cGMP intracelular; em células ECV-304 incubadas com o extrato vegetal submetidas ao ensaio de cicatrização de feridas; quantificação de RBC e hemoglobina após tratamento com o extrato vegetal; e análise de vasorelaxamento em gema de ovo de galinha após tratamento com o extrato vegetal.

 

O extrato das sementes de F. vulgare melhora as funções vasculares (angiogênese, vasorelaxamento e migração celular).

[ 15 ]

Preventiva da perda óssea

Preventiva da perda óssea
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Semente

Extrato: 200 g do material vegetal (pó) em 1000 mL de água. Concentração: 100 mg/mL. Doses para ensaio: 30 e 100 mg/kg.

In vitro:

Em osteoclastos maduros derivados de monócitos da medula óssea (tíbia e fêmur) de camundongos ICR incubados com o extrato vegetal com posterior análise da diferenciação e viabilidade celular.

 

In vivo:

Em camundongos fêmeas (C57BL/6) ovariectomizadas, tratadas com o extrato vegetal, com posterior análise de marcadores bioquímicos do metabolismo ósseo (osteocalcina e telopeptídeos C-terminais de colágeno tipo I), parâmetros morfométricos ósseos (DMO, BMC, BVF, DTM, Tb.Sp e Cr.BMD) e da resistência femoral mecânica.

Observou-se que o extrato de F. vulgare suprime a diferenciação e a reabsorção de osteoclastos.

[ 34 ]

Redutora de cálcio vascular

Redutora de cálcio vascular
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Óleo essencial. Concentrações para ensaio: 0,001 a 0,1%.

In vitro:

Em células endoteliais vasculares humanas (EA.hy926) incubadas com o óleo vegetal e submetidas ao ensaio MTT; estimuladas por cálcio (Ca2+) extracelular, com posterior análise da concentração cistólica de Ca2+, por fluorescência de Fura-2, e do mecanismo de ação na presença de bloqueadores de canais de Ca2+.

 

Observou-se que o óleo de F. vulgare suprime a entrada de cálcio extracelular induzida (SOCE) em células endoteliais vasculares.

[ 3 ]

Redutora de danos no DNA

Redutora de danos no DNA
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Semente

Óleo essencial: 100 g do material vegetal (pó), por hidrodestilação. Dose para ensaio: 1 e 2 mL/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss submetidos a intoxicação por ciclosporina e pré-tratados com o óleo vegetal, com posterior análise de aberrações cromossômica e do micronúcleo em células da medula óssea, anormalidades espermáticas e em homogenato hepático (SOD, CAT, GSH e MDA).

O óleo essencial de F. vulgare reduz a genotoxicidade e citotoxicidade induzida por ciclosporina.

[ 28 ]

Relaxante muscular

Relaxante muscular
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto

Óleo essencial: por hidrodestilação. Associação com: Angelica sinensis, Ligusticum chuanxiong, Cinnamomum cassia e Zingiber officinale.

In vitro:

Ensaio em músculo uterino de ratas submetidos a contração induzida por ocitocina e incubados com a associação de extratos vegetais, com posterior análise da contratilidade muscular e investigação dos constituintes ativos por Cromatografia Gasosa Acoplada à Espectrometria de Massas (GC-MS) e método quimiométrico.

 

Neste estudo, os principais vegetais que compõe o fitoterápico Shao-Fu-Zhu-Yu (SFZYD) apresentam efetividade no relaxamento da musculatura uterina, sendo identificado os principais constituintes químicos: cariofileno, ftaleto 3-butilideno, (Z)-ligustilida e senkyunolídeo A.

[ 41 ]
Ensaios toxicológicos

Interação medicamentosa

Interação medicamentosa
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto

Extrato: 5 g do material vegetal (pó) em 50 mL de água. Dose para ensaio (1 mL): 2 g/kg.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley tratados com ciprofloxacina e extrato vegetal, simultaneamente, com posterior análise de parâmetros farmacocinéticos (sangue e urina).

Observou-se que o extrato de F. vulgare reduz a absorção e eliminação do antibiótico em estudo, aumentando assim a distribuição tecidual.

[ 33 ]

Letalidade

Letalidade
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto

Extrato etanólico à 96% e aquoso. Outras espécies em estudo: Acacia Senegal (fruto), Ambrosia maritima (folha), Ammi visnaga (fruto), Nigella sativa (semente) e Sesamum indicum (semente).

In vitro:

Determinar a letalidade (CL50) em Artemia salina, a atividade antioxidante (DPPH e íons ferro) e inibição da enzima glicogênio fosforilase.

 

O extrato etanólico de F. vulgare demonstra toxicidade potente (CL50 = 0,012); todos os extratos demonstram atividade antioxidante, contudo, nenhum destes inibem, significativamente, a ação enzimática.

[ 44 ]

Toxicidade aguda

Toxicidade aguda
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Parte aérea

Óleo essencial: a partir de 3 kg do material vegetal (fresco), por hidrodestilação. Dose para ensaio: 2000 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos submetidos ao teste de toxicidade aguda.

Observou-se que o óleo essencial de F. vulgare na dose indicada não apresenta sinais de toxicidade, bem como mortalidade.

[ 8 ]
Semente

Extrato: 50 g do material vegetal (pó) em 300 mL de metanol/água (1:1). Doses para ensaio (in vivo): 0 a 2000 g/kg.

In vivo:

Em ratos albinos submetidos ao teste de toxicidade aguda.

Observou-se que o extrato metanólico de F. vulgare na dose de 100 mg/kg é considerado seguro, enquanto que a partir de 500 mg/kg apresenta sinais de toxicidade.

[ 32 ]

Toxicidade aguda e crônica

Toxicidade aguda e crônica
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto

Extrato etanólico à 95%. Rendimento: 9,5%. Doses para ensaio: 0,5, 1,0 e 3 g/kg, e 100 mg/kg. Outra espécie em estudo: Ruta chalepensis (parte aérea, rendimento: 11%).

In vivo:

Em camundongos Swiss submetidos aos testes de toxicidade aguda e crônica, com posterior análise do peso corporal e dos órgãos vitais, parâmetros bioquímicos e espermatogênicos.

Os extratos e F. vulgare e R. chalepensis não apresentam efeitos adversos significativos, espermotoxicidade e mortalidade.

[ 35 ]

Referências bibliográficas

1 - MÉABED, E. M. H. et al. Chemical analysis of aqueous extracts of Origanum majorana and Foeniculum vulgare and their efficacy on Blastocystis sp. cysts. Phytomedicine, v. 43, p.158-163, 2018. doi: 10.1016/j.phymed.2018.04.017
2 - NAM, J. H. et al. Foeniculum vulgare extract and its constituent, trans-anethole, inhibit UV-induced melanogenesis via ORAI1 channel inhibition. J Dermatol Sci, v. 84, n. 3, p.305-313, 2016. doi: 10.1016/j.jdermsci.2016.09.017
3 - HAN, A. Y. et al. Foeniculum vulgare Mill. increases cytosolic Ca 2+ concentration and inhibits store-operated Ca 2+ entry in vascular endothelial cells. Biomed Pharmacother, v. 84, p.800-805, 2016. doi: 10.1016/j.biopha.2016.10.013
4 - SUN, Z. et al. Dietary Foeniculum vulgare Mill extract attenuated UVB irradiation-induced skin photoaging by activating of Nrf2 and inhibiting MAPK pathways. Phytomedicine, v. 23, n. 12, p.1273-1284, 2016. doi: 10.1016/j.phymed.2016.06.008
5 - AKHBARI, M. et al. Analysis and evaluation of the antimicrobial and anticancer activities of the essential oil isolated from Foeniculum vulgare from Hamedan, Iran. Nat Prod Res, v. 33, n. 11, p.1629-1632, 2019. doi: 10.1080/14786419.2017.1423310
6 - EL-GARAWANI, I. M. et al. Triggering of apoptosis and cell cycle arrest by fennel and clove oils in Caco-2 cells: the role of combination. Toxicol Mech Methods, v. 29, n. 9, p.710-722, 2019. doi: 10.1080/15376516.2019.1650149
7 - SYED, F. Q. et al. Chloroform fraction of Foeniculum vulgare induced ROS mediated, mitochondria-caspase-dependent apoptotic pathway in MCF-7, human breast cancer cell line. J Ethnopharmacol, v. 218, p.16-26, 2018. doi: 10.1016/j.jep.2018.02.029
8 - MESFIN, M. et al. evaluation of anxiolytic activity of the essential oil of the aerial part of Foeniculum vulgare Miller in mice. BMC Complement Altern Med, v. 14, p.1-7, 2014. doi: 10.1186/1472-6882-14-310
9 - MOHAMAD, R. H. et al. Antioxidant and anticarcinogenic effects of methanolic extract and volatile oil of fennel seeds (Foeniculum vulgare). J Med Food, v. 14, n. 9, p.986-1001, 2011. doi: 10.1089/jmf.2008.0255
10 - ZHANG, C. et al. Protective effects of Foeniculum vulgare root bark extract against carbon tetrachloride-induced hepatic fibrosis in mice. World J Gastroenterol, v. 23, n. 31, p.5722-5731, 2017. doi: 10.3748/wjg.v23.i31.5722
11 - PAI, M. B. H. et al. Antifungal efficacy of Punica granatum, Acacia nilotica, Cuminum cyminum and Foeniculum vulgare on Candida albicans: an in vitro study. Indian J Dent Res, v. 21, n. 3, p.334-336, 2010. doi: 10.4103/0970-9290.70792
12 - CABRAL, C. et al. Assessment of safe bioactive doses of Foeniculum vulgare Mill. essential oil from Portugal. Nat Prod Res, v. 31, n. 22, p.2654-2659, 2017. doi: 10.1080/14786419.2017.1292266
13 - RASUL, A. et al. Formulation development of a cream containing fennel extract: in vivo evaluation for anti-aging effects. Pharmazie, v. 67, n. 1, p.54-58, 2012.  
14 - ZAIDI, S. F. et al. Anti-inflammatory and cytoprotective effects of selected Pakistani medicinal plants in Helicobacter pylori-infected gastric epithelial cells. J Ethnopharmacol, v. 141, n.1, p.403-410, 2012. doi: 10.1016/j.jep.2012.03.001
15 - SWAMINATHAN, A. et al. Nitrites derived from Foeniculum vulgare (fennel) seeds promotes vascular functions. J Food Sci, v. 77, n. 12, p.H273-H279, 2012. doi: 10.1111/j.1750-3841.2012.03000.x
16 - KAILEH, M. et al. Screening of indigenous Palestinian medicinal plants for potential anti-inflammatory and cytotoxic activity. J Ethnopharmacol, v. 113, n. 3, p.510-516, 2007. doi: 10.1016/j.jep.2007.07.008
17 - CAMACHO-CORONA, M. del R. et al. Activity against drug resistant-tuberculosis strains of plants used in mexican traditional medicine to treat tuberculosis and other respiratory diseases. Phytother Res, v. 22, n. 1, p.82-85, 2008. doi: 10.1002/ptr.2269
18 - SINGH, G. et al. Studies on essential oils: part 10; antibacterial activity of volatile oils of some spices. Phytother Res, v. 16, n. 7, p.680-682, 2002. doi: 10.1002/ptr.951
19 - BOGUCKA-KOCKA, A. et al. Apoptotic activities of ethanol extracts from some Apiaceae on human leukaemia cell lines. Fitoterapia, v. 79, n. 7-8, p.487-497, 2008. doi: 10.1016/j.fitote.2008.07.002
20 - SATYANARAYANA, S. et al. Antioxidant activity of the aqueous extracts of spicy food additives--evaluation and comparison with ascorbic acid in in-vitro systems. J Herb Pharmacother, v. 4, n. 2, p.1-10, 2004. doi: 10.1080/J157v04n02_0
21 - JANG, S. H.; YANG, D. K. The Combination of Cassia obtusifolia L. and Foeniculum vulgare M. exhibits a laxative effect on loperamide-induced constipation of rats. PLoS One, v. 13, n. 4, p.1-13, 2018. doi: 10.1371/journal.pone.0195624
22 - BHATTI, S. et al. Neuroprotective effects of Foeniculum vulgare seeds extract on lead-induced neurotoxicity in mice brain. Drug Chem Toxicol, v. 41, n. 4, p.399-407, 2018. doi: 10.1080/01480545.2018.1459669
23 - REZAYAT, S. M. et al. Foeniculum vulgare essential oil ameliorates acetic acid-induced colitis in rats through the inhibition of NF-kB pathway. Inflammopharmacol, v. 26, n. 3, p.851-859, 2018. doi: 10.1007/s10787-017-0409-1
24 - GOSWAMI, N.; CHATTERJEE, S. Assessment of free radical scavenging potential and oxidative dna damage preventive activity of Trachyspermum ammi L. (carom) and Foeniculum vulgare Mill. (fennel) seed extracts. Biomed Res Int, p.1-8, 2014. doi: 10.1155/2014/582767
25 - TOGNOLINI, M. et al. Protective effect of Foeniculum vulgare essential oil and anethole in an experimental model of thrombosis. Pharmacol Res, v. 56, n. 3, p.254-260, 2007. doi: 10.1016/j.phrs.2007.07.002
26 - EL-SHEIKH, E. S. A.; GALAL, A. A. A. toxic effects of sub-chronic exposure of male albino rats to emamectin benzoate and possible ameliorative role of Foeniculum vulgare essential oil. Environ Toxicol Pharmacol, v. 39, n. 3, p.1177-1188, 2015. doi: 10.1016/j.etap.2015.04.008
27 - ARIF, A. et al. Therapeutic potential of Foeniculum vulgare Mill. derived selenium nanoparticles in arthritic Balb/c mice. Int J Nanomedicine, v. 14, p.8561-8572, 2019. doi: 10.2147/IJN.S226674
28 - TRIPATHI, P. et al. Investigation of antimutagenic potential of Foeniculum vulgare essential oil on cyclophosphamide induced genotoxicity and oxidative stress in mice. Drug Chem Toxicol, v. 36, n. 1, p.35-41, 2013. doi: 10.3109/01480545.2011.648328
29 - CHOI, E. M.; HWANG, J. K. Antiinflammatory, analgesic and antioxidant activities of the fruit of Foeniculum vulgare. Fitoterapia, v. 75, n. 6, p.557-565, 2004. doi: 10.1016/j.fitote.2004.05.005
30 - WAKABAYASHI, K. A. L. et al. Anthelmintic effects of the essential oil of fennel (Foeniculum vulgare Mill., Apiaceae) against Schistosoma mansoni. Chem Biodivers, v. 12, n. 7, p.1105-1114, 2015. doi: 10.1002/cbdv.201400293
31 - SINGH, B.; KALE, R. K. Chemomodulatory action of Foeniculum vulgare (fennel) on skin and forestomach papillomagenesis, enzymes associated with xenobiotic metabolism and antioxidant status in murine model system. Food Chem Toxicol, v. 46, n. 12, p.3842-3850, 2008. doi: 10.1016/j.fct.2008.10.008
32 - MOHAMAD, R. H. et al. Antioxidant and anticarcinogenic effects of methanolic extract and volatile oil of fennel seeds (Foeniculum vulgare). J Med Food, v. 14, n. 9, p.986-1001, 2011. doi: 10.1089/jmf.2008.0255
33 - ZHU, M. et al. Effect of oral administration of fennel (Foeniculum vulgare) on ciprofloxacin absorption and disposition in the rat. J Pharm Pharmacol, v. 51, n. 12, p.1391-1396, 1999. doi: 10.1211/0022357991777218
34 - KIM, T. H. et al. Potent inhibitory effect of Foeniculum vulgare Miller extract on osteoclast differentiation and ovariectomy-induced bone loss. Int J Mol Med, v. 29, n. 6, p.1053-1059, 2012. doi: 10.3892//ijmm.2012.950
35 - SHAH, A. H. et al. Toxicity studies in mice of ethanol extracts of Foeniculum vulgare fruit and Ruta chalepensis aerial parts. J Ethnopharmacol, v. 34, n. 2-3, p.167-172, 1991. doi: 10.1016/0378-8741(91)90034-b
36 - MOSTAFA, D. M. et al. Transdermal fennel essential oil nanoemulsions with promising hepatic dysfunction healing effect: in vitro and in vivo study. Pharm Dev Technol, v. 24, n. 6, p.729-738, 2019. doi: 10.1080/10837450.2019.1584633
37 - CELIK, I.; ISIK, I. Determination of chemopreventive role of Foeniculum vulgare and Salvia officinalis infusion on trichloroacetic acid-induced increased serum marker enzymes lipid peroxidation and antioxidative defense systems in rats. Nat Prod Res, v. 22, n. 1, p.66-75, 2008. doi: 10.1080/14786410701590426
38 - AGARWAL, R. et al. Oculohypotensive effects of Foeniculum vulgare in experimental models of glaucoma. Indian J Physiol Pharmacol, v. 52, n. 1, p.77-83, 2008.
39 - BIRDANE, F. M. et al. Beneficial effects of Foeniculum vulgare on ethanol-induced acute gastric mucosal injury in rats. World J Gastroenterol, v. 13, n. 4, p.607-611, 2007. doi: 10.3748/wjg.v13.i4.607
40 - JOSHI, H.; PARLE, M. cholinergic basis of memory-strengthening effect of Foeniculum vulgare Linn. J Med Food, v. 9, n. 3, p.413-417, 2006. doi: 10.1089/jmf.2006.9.413
41 - SU, S. et al. Hypothesis of active components in volatile oil from a chinese herb formulation, 'Shao-Fu-Zhu-Yu Decoction', using GC-MS and Chemometrics. J Sep Sci, v. 31, n. 6-7, 1085-1091, 2008. doi: 10.1002/jssc.200700492
42 - KHAN, M. S. Antipyretic potential of herbal coded formulation (Pyrexol). Pak J Pharm Sci, v. 30, n. 1, p.195-198, 2017. 
43 - AAZZA, S. et al. Anti-oxidant, anti-inflammatory and anti-proliferative activities of Moroccan Commercial essential oils. Nat Prod Commun, v. 9, n. 4, p.587-594, 2014. 
44 - HILMI, Y. et al. A study of antioxidant activity, enzymatic inhibition and in vitro toxicity of selected traditional sudanese plants with anti-diabetic potential. BMC Complement Altern Med, v. 14, p.1-5, 2014. doi: 10.1186/1472-6882-14-149
45 - OZBEK, H. et al. Hepatoprotective effect of Foeniculum vulgare essential oil. Fitoterapia, v. 74, n. 3, p.317-319, 2003. doi: 10.1016/s0367-326x(03)00028-5
46 - CAPASSO, R. et al. Effects of the herbal formulation ColiMil on upper gastrointestinal transit in mice in vivo. Phytother Res, v. 21, n. 10, p.999-1101, 2007. doi: 10.1002/ptr.2192
47 - BARROS, L. et al. Systematic evaluation of the antioxidant potential of different parts of Foeniculum vulgare Mill. from Portugal. Food Chem Toxicol, v. 47, n. 10, p.2458-2464, 2009. doi: 10.1016/j.fct.2009.07.003
48 - ABDUL-GHANI, A. S.; AMIN, R. The vascular action of aqueous extracts of Foeniculum vulgare leaves. J Ethnopharmacol, v. 24, n. 2-3, p.213-218, 1988. doi: 10.1016/0378-8741(88)90154-7
49 - TOGNOLINI, M. et al. Comparative screening of plant essential oils: phenylpropanoid moiety as basic core for antiplatelet activity. Life Sci, v. 78, n. 13, p.1419-1432, 2006. doi: 10.1016/j.lfs.2005.07.020
50 - BRANDELLI, C. L. C. et al. Indigenous Traditional medicine: in vitro anti-giardial activity of plants used in the treatment of diarrhea. Parasitol Res, v. 104, n. 6, p.1345-1349, 2009. doi: 10.1007/s00436-009-1330-3

Referências bibliográficas

1 - BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira 1ª edição. Brasília: Anvisa, p. 78, 2011.
2 - BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira 1ª edição – Primeiro Suplemento. Brasília: Anvisa, p. 46, 2018.
3 - BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira 2ª edição. Brasília: Anvisa, p. 88, 2021.

Farmácia da Natureza
[ 1 ]

Fórmula

Tintura

Alcoolatura

Componente

Quantidade

Componente

Quantidade*

Etanol/água 70%

1000 mL

Etanol/água 80%

1000 mL

Fruto ou folha seca

100 g

Folha fresca

200 g

                                                                * Após a filtragem ajustar o teor alcoólico da alcoolatura para 70%, com adição de etanol 98%, se necessário. 
Modo de preparo

Tintura: pesar 100 g de folha seca rasurada ou fruto seco e colocar em frasco de vidro âmbar; em seguida adicionar 1000 mL de etanol a 70%, tampar bem o frasco e deixar a planta em maceração por 7 dias, agitando o frasco diariamente. Após esse período, filtrar em papel de filtro e envasar em frasco de vidro âmbar.

Alcoolatura: pesar 200 g de folha fresca, lavar, picar e colocar em frasco de vidro âmbar; em seguida adicionar 1000 mL de etanol a 80%, tampar bem o frasco e deixar a planta em maceração por 7 dias, agitando o frasco diariamente. Após esse período, filtrar em papel de filtro e envasar em frasco de vidro âmbar.

Principais indicações

Cólicas, flatulência e dispepsias (BLUMENTHAL, 1998; BRASIL, 2018), para dismenorreia primária (NAMAVAR JAHROMI et al., 2003; OMIDVAR et al, 2012; BOKAIE et al., 2013) e para hirsutismo idiopático leve a moderado (AKHA et al., 2014).

Posologia

Uso oral: tomar de 1 a 3 gotas por quilo de peso, divididas em 3 vezes ao dia, sempre diluídas em água (cerca de 50 mL ou meio copo).

Farmácia da Natureza
[ 2 ]

Fórmula

Componente

Quantidade

Folha seca rasurada

0,9 a 1,1 g ou uma colher de sopa caseira rasa

Água q.s.p.

150 mL

 

Componente

Quantidade

Fruto seco íntegro

0,9 a 1,1 g ou uma colher de café rasa

Água q.s.p.

150 mL

 
Modo de preparo

Folha seca rasurada: preparar por infusão, por 5 minutos.

Fruto seco íntegro: preparar por infusão, por 5 a 10 minutos

Principais indicações

Cólicas, flatulência e dispepsias (BLUMENTHAL, 1998; BRASIL, 2018), para dismenorreia primária (NAMAVAR JAHROMI et al., 2003; OMIDVAR et al, 2012; BOKAIE et al., 2013) e para hirsutismo idiopático leve a moderado (AKHA et al., 2014).

Posologia

Uso oral: adultos devem tomar 150 mL (1 xícara de chá) do infuso duas a três vezes ao dia.

Uso oral: crianças devem tomar 3 mL (1 colher de chá caseira) do infuso por quilograma de peso corporal por dose, duas a três vezes ao dia.

Referências bibliográficas

1 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 3 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 131-133.
2 - PEREIRA, A. M. S. (Org.). Formulário de Preparação Extemporânea: Farmácia da Natureza. 2 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 84-85.

Dados Químicos
[ 1 , 2 , 3 , 4 , 5 , 6 , 7 ]
Marcador:
Principais substâncias:

Ácidos fenólicos

3-O-ácido cafeoilquínico, 4-O-ácido cafeoilquínico, 1,3-O-ácido di-cafeoilquínico, 1,4-O-ácido dicafeoilquínico e 1,5-O-ácido di-cafeoilquínico, 3,4-dihidroxifenetilalcool-6-O-cafeoil-β-D-glucopiranosídeo e 3’,8’-binaringenina.

Ácidos orgânicos

málico, cafeico, clorogênico, cinâmico, cumário, ferrúlico, quínico e cítrico.

Aminoácidos

leucina, isoleucina, fenilalanina, triptofano, glicina e prolina.

Carboidratos

Cumarinas

umbeliferona e bergapteno.

Fitosteróis

β-sitosterol e estigmasterol.

Flavonoides

quercetina, quercetol, rutosídeo, quercitrosídeo, kaempferol, eriodictiol-rutinosídeo, isoquercitrina, isorhamnetina glucosídeo, isorhamnetina-3-O-α-rhamnosídeo, quercetina-3-O-β-glucosídeo, quercetina-3-rutinosídeo, quercetina-3-O-galactosídeo, quercetina-3-O-rutinosídeo, quercetina-3-glucuronídeo, quercetina-3-arabinosídeo, kaempferol-3-glucuronídeo, kaempferol-3-arabinodídeo, kaempferol-3-arabinosídeo, kaempferol-3-O-rutinosídeo e kaempferol-3-O-glucosídeo.

Minerais

potássio, cálcio, ferro, magnésio, fósforo, sódio e zinco.

Óleos essenciais

anetol, trans-anetol, metilchavicol, anisaldeído, linalol, eugenol, fenchol, fenchona, foeniculina, miristicina, α- e β-pineno, limoneno, cineol, estragol, mirceno, sabineno, γ-terpineno, neofitadieno, (E)-fitol, acetato de exofenchil, 1-octen-3-ol, α- e β-felandreno, p-cimeno e anisaldeído.

Óleos graxos

ácidos oleico, linoleico, palmítico e petroselínico.

Proteínas

Taninos

Vitaminas

A, C, B1, B2, B3, B6, E, K e folato.

Referências bibliográficas

1 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 2. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 23-24.
2 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 78. 
3 - TESKE, M. & TRENTINI, A. M. M. Compêndio de Fitoterapia. 4 ed. Curitiba: Herbarium Lab. Bot. Ltda, 2001, p. 136.
4 - BADGUJAR, S. B. et al. Foeniculum vulgare Mill: a review of its botany, phytochemistry, pharmacology, contemporary application, and toxicology. Biomed Res Int, p.1-32, 2014. doi: 10.1155/2014/842674
5 - MIMICA-DUKIC, N. et al. Essential oil composition and antifungal activity of Foeniculum vulgare Mill obtained by different distillation conditions. Phytother Res, v. 17, n. 4, p.368-371, 2003. doi: 10.1002/ptr.1159
6 - DÍAZ-MAROTO, M. C. et al. Volatile components and key odorants of fennel (Foeniculum vulgare Mill.) and thyme (Thymus vulgaris L.) oil extracts obtained by simultaneous distillation-extraction and supercritical fluid extraction. J Agric Food Chem, v. 53, n. 13, p.5385-5389, 2005. doi: 10.1021/jf050340+
7 - HAN, A. Y. et al. Foeniculum vulgare Mill. increases cytosolic Ca 2+ concentration and inhibits store-operated Ca 2+ entry in vascular endothelial cells. Biomed Pharmacother, v. 84, p.800-805, 2016. doi: 10.1016/j.biopha.2016.10.013

Propagação: 

é realizada principalmente por sementes, e também através da coroa e fragmentos da raiz. As sementes podem ser plantadas diretamente no solo rico em matéria orgânica e boa irrigação. O plantio ideal deve ser realizado no ínicio da Primavera. Prefere climas temperados com muita luz solar [ 1 ] .

Colheita: 

deve ser realizada 3 meses após o plantio, com os frutos ainda imaturos, preferencialmente no mês de Outubro [ 1 ] .

Problemas & Soluções: 

pode ser acometida por fungos Fusarium sp. e Alternaria sp. Deve-se evitar o plantio do funcho próximo ao do coentro, pois estas espécies podem cruzar-se entre si, originando progênies com características distintas dos materiais originais [ 1 ] .

Referências bibliográficas

1 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 2. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 23.

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 2019
Arquivo: PDF icon Download (309.17 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 2017
Arquivo: PDF icon Download (316.3 KB)

Tipo: Internacional
Tipo de Monografia: Organização Mundial de Saúde
Ano de Publicação: 2007
Arquivo: PDF icon Download (129.47 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 2000
Arquivo: PDF icon Download (159.68 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 1959
Arquivo: PDF icon Download (55.57 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 1926
Arquivo: PDF icon Download (89.82 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 1926
Arquivo: PDF icon Download (33.77 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 1926
Arquivo: PDF icon Download (38.64 KB)

Parceiros