Sambucus australis Cham. & Schltdl.

Sabuguerio, acapora, sabugo-negro e sabugueirinho.

Família 
Informações gerais 

Nativa da América do Sul, principalmente na Argentina, Paraguai, Uruguai e Brasil. No Brasil ocorre especialmente nas regiões Sul e Sudeste. Além do uso como medicinal, encontra-se ocosionalmente cultivada como ornamental e alimentícia. Suas principais indicações são: desintoxicante, anti-inflamatória, antioxidante, cicatrizante, antitérmica, diaforética, antialérgica, antisséptica, antiviral, diurética e imunoestimulante[1,2,3,4,5,6].

Referências informações gerais
1 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 2 ed. São Paulo: Bertolucci, 2014, p. 257-259.
2 - PEREIRA, A. M. S. (Org.). Formulário de Preparação Extemporânea: Farmácia da Natureza – Chás Medicinais. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2017, p. 197-199.
3 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 40-41.
4 - LIPP, F. J. Herbalism. Healing and harmony symbolism, ritual, and folklore traditions of east and west. London: Duncan Baird Publishers, 1996. p. 64-65.
5 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 3. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 177-185.
6 - DICKEL, M. L. et al. Sambucus australis (sabugueiro). In: CORADIN, L. et al. (Ed.). Espécies nativas da flora brasileira de valor econômico atual ou potencial: Plantas para o futuro: Região Sul. Brasília, DF: MMA, 2011. p. 684.
Descrição da espécie 

Arbusto de 3 a 6 m de altura, de copa muito ramificada e irregular; caule tortuoso com casca fissurada e acinzentada; folhas compostas, pecioladas, imparipinadas, opostas, caducas, com 7 a 13 folíolos membranáceos (com odor desagradável quando macerada), ovalado-lanceolados, assimétricos, com borda serreada; flores pequenas com cerca de 1 cm de diâmetro, brancas a branco-amareladas, em inflorescências corimbosas terminais; frutos em drupas globosas, de cor arroxeada (quase negra) quando maduros, medindo cerca de 6,0 a 7,5 mm de diâmetro, e com 3 sementes no seu interior[1,2,3].

Referências descrição da espécie
1 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 40.
2 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 3. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 178.
3 - DICKEL, M. L. et al. Sambucus australis (sabugueiro). In: CORADIN, L. et al. (Ed.). Espécies nativas da flora brasileira de valor econômico atual ou potencial: Plantas para o futuro: Região Sul. Brasília, DF: MMA, 2011. p. 684.
Nome popular Local Parte da planta Indicação Modo de preparo Forma de uso Restrição de uso Referências
Sabugueiro Nordeste (Brasil) -

No tratamento do sarampo.

Chá.

-

-

[ 1 ]
Sabugueiro, acapora, sabugueriro-do-Brasil e sabugueiro-do-Rio-Grande Brasil Flor e fruto

Anticatarral, no tratamento de resfriados e sinusite.

-

-

-

[ 2 ]
Sabugueiro, acapora, sabugueriro-do-Brasil e sabugueiro-do-Rio-Grande Brasil Entrecasca

Diurética, antiatrítica, no tratamento da gota, nefrite e cálculos renais.

Chá (decocção): 1 colher (de chá) da entrecasca picada em 1 xícara (de chá) de água em fervura por 5 minutos.

Tomar 1 xícara (de chá) 3 a 4 vezes ao dia, até as 17 horas.

-

[ 2 ]
Sabugueiro, acapora, sabugueriro-do-Brasil e sabugueiro-do-Rio-Grande Brasil Flor

Antitérmica, analgésica, diaforética, no tratamento do sarampo e catapora.

Chá (infusão): 1 colher (de sobremesa) das flores secas em 1 xícara (de chá) de água fervente.

Tomar 1 xícara (de chá) de 1 a 2 vezes ao dia.

-

[ 2 ]
Sabugueiro, acapora, sabugueriro-do-Brasil e sabugueiro-do-Rio-Grande Brasil Flor

No tratamento de irritação dos olhos, dermatoses, queimaduras leves, úlceras bocais e pequenas infúrias.

Cataplasma, compressa e gargarejo. 

Uso externo: aplicar diretamente sobre a área afetada.

-

[ 2 ]
Sabugueiro, sabugueiro-do-Rio-Grande, sabugueiro-do-Brasil Brasil Folha

Inseticida.

-

-

-

[ 3 ]

Referências bibliográficas

1 - MATOS, F. J. A. Plantas medicinais: Guia de seleção e emprego de plantas medicinais usadas em fitoterapia no Nordeste do Brasil. 2 ed. Fortaleza: Imprensa Universitária – UFC, 2000, p. 59.
2 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 40-41.
3 - DICKEL, M. L. et al. Sambucus australis (sabugueiro). In: CORADIN, L. et al. (Ed.). Espécies nativas da flora brasileira de valor econômico atual ou potencial: Plantas para o futuro: Região Sul. Brasília, DF: MMA, 2011. p. 684.

Anti-inflamatória

Anti-inflamatória
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: maceração do material vegetal (triturado) em metanol. Concentração para ensaio: 12,5 à 100 µg/mL.

In vitro:

Em células do baço de camundongos BALB/c, estimuladas por mitógeno e incubadas com extrato vegetal, com posterior análise de marcadores inflamatórios (IL-4, IL-5, IL-10, IFN-γ e NF-kB) e citotoxicidade (MTT).

Em eritrócitos de camundongos BALB/c, incubados com o extrato vegetal, com posterior análise da estabilização da membrana e inibição da hemólise.

 

In vivo:

Em camundongos BALB/c, submetidos a administração de lipopolissacarídeo (LPS), com posterior isolamento de macrófagos, incubados com LPS e extrato vegetal, para avaliar os níveis de óxido nítrico.

Observou-se que o extrato de S. australis apresenta atividade anti-inflamatória, além da ausência de citotoxicidade.

[ 2 ]

Anti-inflamatória e Antimicrobiana

Anti-inflamatória e Antimicrobiana
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha e casca

Extrato: 100 g do material (seco) em 1 L de etanol. Rendimento: 12,7 g (folha) e 3,5 g (casca). Concentrações para ensaio: 2 à 1000 µg/mL.

In vitro:

Determinar atividade antioxidante através do radical (DPPH), eliminação do radical óxido nítrico (NO) e redução do íon férrico (FRAP).

Em macrófagos de camundongos RAW 264.7, fibroblastos 3T3 de camundongos Swiss e células de hepatoma murino (Hepa 1c1c7) incubadas com os extratos vegetais, com posterior análise da viabilidade celular (ensaio MTT).

Em macrófagos de camundongos RAW 264.7 incubados com os extratos vegetais e estimuladas por lipopolissacarídeo (LPS) e interferon-gama (IFN-γ), com posterior análise dos níveis de NO e TNF-α, por ELISA e EIA, respectivamente, e em células renais embrionárias humanas 293, incubadas com os extratos vegetais e estimuladas por fator de necrose tumoral (TNF-α), submetidas ao ensaio de Luciferase, com posterior análise dos níveis de NF-kB.

Em cepas de Staphylococcus aureus, Streptococcus agalactiae, Eschericia coli, Salmonella typhimurium, Klebsiella pneumoniae e Candida albicans, incubadas com extratos vegetais, submetidas ao teste de diluição em caldo, para determinar a concentração mínima inibitória (CIM).

 

Observou-se que o extrato das folhas de S. australis apresenta atividades anti-inflamatória, antioxidante e antibacteriana (S. typhimurium e K. pneumoniae), mais potentes, além da ausência de citotoxicidade.

[ 1 ]

Antigenotóxica e Antiproliferativa

Antigenotóxica e Antiproliferativa
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha e inflorescência

Extrato: material vegetal (seco) em 1 L de água. Concentrações para ensaio: 0,003 e 0,012 g/mL.

In vitro:

Determinar a atividade antiproliferativa e antigenotóxica (induzida por glifosato) dos extratos vegetais em ensaio com Allium cepa.

 

Observou-se que ambos extratos apresentam atividade antiproliferativa e ausência de genotoxicidade, contudo apenas o extrato das folhas demonstra ação antigenotóxica.

[ 3 ]

Referências bibliográficas

1 - BAHIENSE, J. B. et al. Potential anti-inflammatory, antioxidant and antimicrobial activities of Sambucus australis. Pharm Biol, v. 55, n. 1, p.991-997, 2017. doi: 10.1080/13880209.2017.1285324
2 - CARNEIRO, N. V. Q. Sambucus australis modulates inflammatory response via inhibition of nuclear factor kappa B (NF-kB) in vitro. An Acad Bras Cienc, v. 91, n. 1, p.e20170831. doi: 10.1590/0001-3765201920170831
3 - TEDESCO, M. et al. Assessment of the antiproliferative and antigenotoxic activity and phytochemical screening of aqueous extracts of Sambucus australis Cham. & Schltdl. (Adoxaceae). An Acad Bras Cienc, v. 89, n. (Suppl 3), p.2141-2154, 2017. doi: 10.1590/0001-3765201720150138

Formulário de Fitoterápico

Referências bibliográficas

1 - BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira 2ª edição. Brasília: Anvisa, p. 179, 2021.

Farmácia da Natureza
[ 1 ]

Fórmula

Tintura

Alcoolatura

Componente

Quantidade

Componente

Quantidade*

Etanol/água 70%

1000 mL

Etanol/água 80%

1000 mL

Flor seca

100 g

Flor fresca

200 g

                                                               * Após a filtragem ajustar o teor alcoólico da alcoolatura para 70%, com adição de etanol 98%, se necessário. 
Modo de preparo

Tintura: pesar 100 g de flor seca, colocar em frasco de vidro âmbar; em seguida adicionar 1000 mL de etanol a 70%, tampar bem o frasco e deixar a planta em maceração por 7 dias, agitando o frasco diariamente. Após esse período, filtrar em papel de filtro e envasar em frasco de vidro âmbar.

Alcoolatura: pesar 200 g de flor fresca e colocar em frasco de vidro âmbar; em seguida adicionar 1000 mL de etanol a 80%, tampar bem o frasco e deixar a planta em maceração por 7 dias, agitando o frasco diariamente. Após esse período, filtrar em papel de filtro e envasar em frasco de vidro âmbar. (Não lavar as flores)

Principais indicações

Infecções das vias aéreas superiores, febre, alergias, doenças exantemáticas e como diaforética, mucolítica e expectorante.

Posologia

Uso oral: tomar de 1 a 3 gotas por quilo de peso, divididas em 3 vezes ao dia, sempre diluídas em água (cerca de 50 mL ou meio copo).

Farmácia da Natureza
[ 2 ]

Fórmula

Componente

Quantidade

Base de sabonete de glicerina (hipoalergênica)

1 kg

Achillea millefolium (tintura ou alcoolatura)

20 mL

Matricaria chamomilla (tintura)

20 mL

Sambucus australis (tintura ou alcoolatura)

20 mL

Essência para sabonete (opcional)

3 mL

Modo de preparo

Picar a base em pedaços pequenos e levar para derreter em banho-maria ou chapa elétrica. Se for em chapa, o recipiente deve ser de ágata ou Becker. Quando estiver derretido, colocar as tinturas ou alcoolaturas, misturar bem e retirar do fogo. Adicionar a essência (opcional). Envasar o sabonete em formas próprias. Depois de esfriar, desenformar, embalar com filme plástico e etiquetar. 

Principais indicações

Anti-inflamatório e antialérgico.

Posologia

Uso externo: passar na área afetada 1 a 2 vezes ao dia, deixando agir por 1 minuto e enxaguar. 

Farmácia da Natureza
[ 3 ]

Fórmula

Componente

Quantidade

Flor seca íntegra

0,4 a 0,6 g ou uma colher de chá cheia

Água q.s.p.

150 mL

 
Modo de preparo

Preparar por infusão, por 5 minutos.

Principais indicações

Infecções das vias aéreas superiores, febre, alergias, doenças exantemáticas e como diaforética, mucolítica e expectorante.

Posologia

Uso oral: adultos devem tomar 150 mL (1 xícara de chá) do infuso duas a três vezes ao dia.

Uso oral: crianças devem tomar 3 mL (1 colher de chá caseira) do infuso por quilograma de peso corporal por dose, duas a três vezes ao dia.

Uso tópico: fazer bochechos ou gargarejos com o infuso duas a três vezes ao dia.

Uso tópico: borrifar o infuso sobre as lesões de pele duas a três vezes ao dia.

Referências bibliográficas

1 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 3 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 259-261.
2 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 3 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 374-375.
3 - PEREIRA, A. M. S. (Org.). Formulário de Preparação Extemporânea: Farmácia da Natureza. 2 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 173-175.

Dados Químicos
[ 1 , 2 , 3 , 4 ]
Marcador:
Principais substâncias:

Ácidos fenólicos

clorogênico, p-cumarínico e cafeico.

Ácidos graxos

linoleico, linolênico e palmítico.

Ácidos hidroxicinâmicos

ácido ferúlico.

Ácidos orgânicos

cítrico, tartárico, málico e gálico.

Ácidos triterpênicos

ursólico e oleanólico.

Alcaloides

sambucina.

Esteroides

Fitosteróis

Flavonoides

rutina, quercetina, isoquercetina, eldrina, kaempferol, astragalina e apigenina.

Heterosídeos cianogênicos

sambunigrina, prunassina e holocalina.

Mucilagens

Óleos essenciais

linalol, nerol e geraniol.

Outras substâncias

colina, ácido baldriânico, sais de potássio, lectinas, fito-hemaglutininas, ácido aspártico, plastocininas e açúcares.

Pectinas

Polifenóis

ácido elágico, catequina e rosmarínico.

Resinas

Taninos

Terpenos

Triterpenos

betulina e α-amirina.

Vitaminas

A e C.

Referências bibliográficas

1 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 41. 
2 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 3. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 179.
3 - BAHIENSE, J. B. et al. Potential anti-inflammatory, antioxidant and antimicrobial activities of Sambucus australis. Pharm Biol, v. 55, n. 1, p.991-997, 2017. doi: 10.1080/13880209.2017.1285324
4 - TEDESCO, M. et al. Assessment of the antiproliferative and antigenotoxic activity and phytochemical screening of aqueous extracts of Sambucus australis Cham. & Schltdl. (Adoxaceae). An Acad Bras Cienc, v. 89, n. (Suppl 3), p.2141-2154, 2017. doi: 10.1590/0001-3765201720150138

Propagação: 

por sementes, estaca ou rebentos das raízes da planta matriz. O enraizamento deve ser realizado em substrato organo-mineral e aclimatar em viveiro com sombrite de 50 a 70%, com irrigação diária. As mudas são muito suculentas, murchando facilmente se forem deixadas ao sol. Plantio deve ser realizado 60 dias após o plantio das estacas, no outono, verão e primavera [ 1 , 2 , 3 ] .

Tratos culturais & Manejo: 

adapta-se melhor em terras férteis, úmidas e ricas em nitrogênio, e suporta até 1000 m de altitude. O florescimento ocorre durante o ano todo [ 2 ] .

Colheita: 

inicia-se 8 meses após o plantio, posteriormente, pode ser realizada mensalmente. A colheita das partes aéreas da planta deve ser feita, segundo a sabedoria popular, preferencialmente pela manhã, na lua cheia ou nova [ 2 ] .

Problemas & Soluções: 

as folhas contém um glicosídeo cianogênico tóxico, não sendo indicado o uso oral [ 1 , 2 ] .

Referências bibliográficas

1 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 40-41. 
2 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 3. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 178-179.
3 - DICKEL, M. L. et al. Sambucus australis (sabugueiro). In: CORADIN, L. et al. (Ed.). Espécies nativas da flora brasileira de valor econômico atual ou potencial: Plantas para o futuro: Região Sul. Brasília, DF: MMA, 2011. p. 685.

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 2019
Arquivo: PDF icon Download (225.66 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 2017
Arquivo: PDF icon Download (548.02 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 2010
Arquivo: PDF icon Download (422.75 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 1926
Arquivo: PDF icon Download (51.73 KB)

Parceiros