Stachytarpheta cayennensis (Rich.) Vahl

Gervão, gervão-roxo, rincão, aguarapondá e mocotó.

Sinonímia 
Abena cayennensis (Rich.) Hitchc.
Família 
Informações gerais 

Originária da América do Sul, ocorre também no México até o Panamá. No Brasil é considerada, em algumas regiões, como “planta daninha”. Suas principais indicações são: anti-helmíntica, antimicrobiana, laxativa, antisséptica, anti-inflamatória, cicatrizante, hipoglicemiante, eupéptica, hepatoprotetora, galactagoga, antitérmica, diurética e ansiolítica[1,2,3,4,5].

Referências informações gerais
1 - GUPTA, M. P. (Ed.). Plantas medicinales ibero-americanas. Bogotá: Programa Iberoamericano de Ciencia y Tecnología, Cyted, Convenio Andrés Bello, 2008. p. 909.
2 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 2 ed. São Paulo: Bertolucci, 2014, p. 263-265.
3 - PEREIRA, A. M. S. (Org.). Formulário de Preparação Extemporânea: Farmácia da Natureza – Chás Medicinais. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2017, p. 199-202.
4 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 532-533.
5 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 3. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 207-216.
Descrição da espécie 

Planta subarbustiva anual, perene e ereta, bastante ramificada, com até 1 m de altura, caule semiquadrangular, pubescente ou glabro em sua parte inferior; folhas simples, alternas, lobadas ou inteiras, enrugadas, obovais ou largo-espatuladas, com base atenuada ou decorrente no pecíolo, margens crenado-serrilhada, pubescentes, com até 8 cm de comprimento x 3 cm de largura; inflorescências em espigas terminais, azuladas ou púrpura, de até 4 cm de comprimento e glabras; fruto marrom-escuro, com cerca de 3 mm de comprimento[1,2,3,4].

Referências descrição da espécie
1 - GUPTA, M. P. (Ed.). Plantas medicinales ibero-americanas. Bogotá: Programa Iberoamericano de Ciencia y Tecnología, Cyted, Convenio Andrés Bello, 2008. p. 909.
2 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 532.
3 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 3. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 208.
Nome popular Local Parte da planta Indicação Modo de preparo Forma de uso Restrição de uso Referências
Gervão, chá brasileiro e erva daninha de cobra azul Colômbia (Zona Tropical) Planta toda

Bactericida, laxante, antiviral, anti-hipertensiva, anti-inflamatória, antialérgica, hipoglicemiante, antiparasitária, antitérmica e galactagoga.

Decocção ou suco.

Tomar 1 copo ao dia por 3 meses.

-

[ 1 ]
Gervão, chá brasileiro e erva daninha de cobra azul Colômbia (Zona Tropical) Folha

No tratamento de cólicas hepáticas.

Sumo: adicionar água e limão. 

Tomar 1 copo ao dia.

-

[ 1 ]
Gervão, chá brasileiro e erva daninha de cobra azul Colômbia (Zona Tropical) Folha

No tratamento de problemas na gravidez e parto, constipação intestinal, antiparasitária e antitérmica.

Decocção.

-

-

[ 1 ]
Gervão Brasil Folha

Digestiva.

Infusão: 1 a 2 colheres (de sobremesa) da droga vegetal rasurada em 200 mL de água. Tambar, deixar em repouso por 20 minutos e coar.

Tomar o chá após as principais refeições.

– Usar com cautela pois apresenta propriedade depressora do sistema nervoso central. Atenção ao indicar na gravidez e lactação.

[ 2 ]
- Caribe e Jamaica -

Vermífuga e anti-helmíntica.

-

-

-

[ 3 ]
- Índia Folha

Antidisintérica, antitérmica, anti-inflamatória e externamente no tratamento de úlceras purulentas.

Chá. 

-

-

[ 3 ]
Gervão, gervão-roxo, chá-do-Brasil e verbena Brasil Folha

Estimulante digestivo e no tratamento da prisão de ventre.

Infusão: 1 colher (sobremesa) do material vegetal fatiado, em 1 xícara (de chá).

Tomar 1 xícara (de chá) 2 vezes ao dia, antes das refeições.

-

[ 3 ]
Gervão, gervão-roxo, chá-do-Brasil e verbena Brasil Folha

Antitérmica e no tratamento de resfriados, gripes e bronquite catarral.

Xarope: 1 colher (sobremesa) do material vegetal fatiado, em 1 xícara (de chá).

-

-

[ 3 ]
Gervão, gervão-roxo, chá-do-Brasil e verbena Brasil Folha

No tratamento de contusões e afecções cutâneas (ferida, eczema e erisipela).

Cataplasma.

Uso externo.

-

[ 3 ]
- Colômbia Planta toda

Emenagoga.

Decocção.

Uso interno.

-

[ 4 ]
Gervão Brasil Planta toda seca

Inseticida e vermífuga.

-

-

-

[ 4 ]
Gervão Brasil Planta toda seca

Anti-inflamatória, diurética e analgésica.

Decocção.

Uso interno.

-

[ 4 ]
Gervão Brasil Folha fresca

Laxante, anti-hemorroidária e emenagoga. 

-

Uso interno.

-

[ 4 ]
San Diego verbena Guatemala Folha

Antimalárica, febrífuga, analgésica (dores de cabeça) e no tratamento de problemas urinários. 

Decocção.

Uso interno.

-

[ 4 ]
- - Folha e raiz

No tratamento de feridas cutâneas. 

Maceração.

Uso externo.

-

[ 4 ]

Referências bibliográficas

1 - WEDLER, E. Atlas de las plantas medicinales silvestres y cultivadas em la zona tropical. 2 ed. Colômbia: Todográficas Ltda, 2017, p. 457.
2 - PANIZZA, S. T. et al. Uso tradicional de plantas medicinais e fitoterápicos. São Luiz: Conbrafito, 2012, p. 154.
3 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 532.
4 - GUPTA, M. P. (Ed.). Plantas medicinales ibero-americanas. Bogotá: Programa Iberoamericano de Ciencia y Tecnología, Cyted, Convenio Andrés Bello, 2008. p. 909.

Analgésica e Gastroprotetora

Analgésica e Gastroprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Planta toda, Caule, Flor e folha

Extrato aquoso (2,5% p/v). Fração: etanol. Doses para ensaio: 0,5 à 2 g/kg.

In vivo:

Em ratos FI e Wistar tratados com os extratos vegetis, submetidos aos testes de edema de pata induzido por carragenina, dextrano e histamina, inflamação crônica induzida por bolsas de ar, pleurisia induzida por carragenina, contorções abdominais induzidas por ácido acético, movimento de cauda, dor induzida por formalina, edema de orelha, dor neurogênica induzido por capsaicina, produção de secreção gástrica por ligadura do piloro e motilidade gastrointestinal.

Observou-se que S. cayennensis apresenta atividade analgésica, gastroprotetora e laxante, além da ausência de toxicidade.

[ 6 ]

Ansiolítica e Estimulante

Ansiolítica e Estimulante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: 500 g do material vegetal (pó) em 3 L de metanol/água (1:1). Rendimento: 17,7% (p/p). Frações: acetato de etila, n-butanol e aquosa. Rendimentos: 21,69, 40,13 e 32,52%, respectivamente. Concentrações para ensaio: 2,5 à 100 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss tratados com extrato vegetal e frações, com posterior análise comportamental na criação induzida por novidade (NIR), atividade locomotora espontânea, tempo de sono induzido por pentobarbitona de sódio, labirinto em cruz elevado e campo aberto.

Observou-se que S. cayennensis apresenta atividade sedativa (extrato metanólico, frações n-butanol e aquosa), ansiolítica (frações n-butanol e aquosa) e estimulante (fração acetato de etila).

[ 2 ]

Anti-inflamatória e Antinociceptiva

Anti-inflamatória e Antinociceptiva
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: infusão e decocção de 5% do material vegetal (seco) em água. Extrato: 120 g do material vegetal (seco) em etanol à 70%. Rendimento: 30,4% (p/p). Frações: acetato de etila e n-butanol. Rendimento: 9,5 e 38,9 %, respectivamente. Doses para ensaio: 100 à 300 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar e camundongos Swiss tratados com os extratos vegetais e frações, submetidos aos testes de edema de pata induzido por carragenina e placa quente.

Os extratos e frações de S. cayennensis apresentam atividade anti-inflamatória e antinociceptiva.

[ 8 ]

Anti-inflamatória e Gastroprotetora

Anti-inflamatória e Gastroprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Parte aérea

Extrato: maceração de 55 g do material vegetal (fresco e seco) em etanol/água (70:30 e 96:4). Rendimento: 4,61 g e 6,5, respectivamente. Dose para ensaio: 100 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss tratados com os extratos vegetais, submetidos aos testes de edema de pata induzido por carragenina e zimosan, pleurisia induzida por carragenina, zimosan e lipopolissacarídeos, lesão gástrica induzida por diclofenaco de potássio.

Observou-se que os extratos de S. cayennensis apresentam ação anti-inflamatória e gastroprotetora.

[ 5 ]

Antileishmaniose

Antileishmaniose
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: 20 g do material vegetal (pó) em 1 L de água. Fração: n-butanol.

Concentrações para ensaio: 1 à 1000 mg/mL.

In vitro:

Determinar a atividade da enzimática em arginase recombinante de Leishmaniose amazonensis e de macrófagos, expressa em concentração inibitória média (CI50).

Em macrófagos (RAW 264.7) infectados por Leishmania amazonensis (forma amastigota), incubados com a fração butanólica vegetal, com posterior análise da concentração efetiva média (CE50) e índice de infectividade; e teste toxicidade através do ensaio MTT.

Em culturas de Leishmania amazonensis (forma promastigota) e em macrófagos infectados (forma amastigota), estimulados por L-ornitina, incubados com a fração butanólica vegetal, com posterior análise da viabilidade celular e índice de infectividade.

 

Observou-se que a fração de n-butanol de S. cayennensis apresenta atividade antileshimaniose, através da inibição da enzima arginase.

[ 1 ]

Antimalárica

Antimalárica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: maceração de 1 kg do material vegetal (pó) em etanol à 70%. Rendimento 0,48%. Doses para ensaio: 90, 180 e 270 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss submetidos à inoculação via intraperitoneal com sangue infectado por Plasmodium berguei (sensível à cloroquina), tratados com extrato vegetal, com posterior análise do nível da parasitemia e tempo médio de sobrevivência.

Observou-se que o extrato de S. cayennensis apresenta atividade antimalárica.

[ 3 ]

Gastroprotetora e Laxante

Gastroprotetora e Laxante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato aquoso (2,5% p/v). Rendimento: 11% (p/v). Doses para ensaio: 0,5 à 2 g/kg.

In vivo:

Em ratos F1 e Wistar tratados com o extrato vegetal, submetidos aos testes de motilidade intestinal após ingestão de carvão, produção de ácido gástrico induzida por ligadura do piloro, betanecol e histamina, e lesões gástricas induzidas por estresse, etanol e indometacina.

O extrato aquoso de S. cayennensis apresenta atividade laxante e gastroprotetora, além da ausência de toxicidade.

[ 9 ]

Hipoglicemiante

Hipoglicemiante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: infusão 24 g do material vegetal (fresco) em 200 mL de água. Rendimento: 4,8% (p/p). Extrato: 2,6 kg do material vegetal (pó) em metanol. Rendimento: 27,3 % (p/p). Frações: acetato de etila, n-butanol e aquosa. Rendimento: 17,0, 59,2 e 9,0%, respectivamente. Doses para ensaio (in vivo): 125 à 2000 mg/kg.

In vitro:

Em células insulinoma INS-1 incubadas com os extratos vegetais e glicose, com posterior análise dos níveis de insulina por radioimunoensaio.

 

In vivo:

Em ratos Wistar normoglicêmicos ou portadores de diabetes induzido por aloxana, tratados com extratos vegetais, com posterior análise do teste de tolerância à glicose.

Observou-se que S. cayennensis apresenta atividade hipoglicemiante, sendo a fração de n-butanol a mais potente.

[ 7 ]

Imunoestimulante

Imunoestimulante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: maceração de 700 g do material vegetal (pó) em metanol. Rendimento: 13,6% (p/p). Concentrações para ensaio: 25 à 100 µg/mL. Doses para ensaio: 100 à 500 mg/kg.

In vitro:

Em leucócitos polimorfonucleares (PMN) de ratos, incubados com extrato vegetal, associado ou não com artesunato, na presença de cepas de Candida albicans, com posterior análise do índice fagocítico (IF).

 

In vivo:

Em camundongos Swiss e ratos tratados com o extrato vegetal, submetidos a administração de glóbulos vermelhos de ovelha (SRBC), com posterior análise da espessura do edema de pata (hipersensibilidade tardia) e níveis de anticorpos (resposta imune humoral).

Em camundongos submetidos a administração do extrato vegetal e ágar à 3%, com posterior análise da mobilização e contagem total de leucócitos.

Observou-se que o extrato de S. cayennensis apresenta atividade imunoestimuladora, com efeito sinérgico quando associado ao medicamento artesunato.

[ 4 ]
Ensaios toxicológicos

Toxicidade aguda

Toxicidade aguda
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: 500 g do material vegetal (pó) em 3 L de metanol/água (1:1). Rendimento: 17,7% (p/p). Frações: acetato de etila, n-butanol e aquosa. Rendimentos: 21,69, 40,13 e 32,52%, respectivamente. Concentrações para ensaio: 20 à 140 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss submetidos aos testes de toxicidade aguda para determinar a dose letal média (LD50) e índice terapêutico (DL50/DE50).

Observou-se que S. cayannensis apresenta baixo índice terapêutico, sugerindo cautela na administração de fitoterápicos a partir desta espécie.

[ 2 ]
Folha

Extrato: maceração de 700 g do material vegetal (pó) em metanol. Rendimento: 13,6% (p/p). Doses para ensaio: 10 à 5000 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss e ratos, submetidos ao teste de toxicidade aguda para determinar a dose letal média (DL50).

Observou-se que o extrato de S. cayennensis apresenta baixa toxicidade, com DL50 = 5000 mg/kg.

[ 4 ]

Toxicidade e Dose letal

Toxicidade e Dose letal
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: maceração de 1 kg do material vegetal (pó) em etanol à 70%. Rendimento 0,48%. Doses para ensaio: 500 à 4000 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss submetidos ao teste de toxicidade para determinar a dose letal média (DL50).

Observou-se que o extrato de S. cayennensis apresenta sinais de toxicidade (500 à 1000 mg/kg) e DL50 = 938,08 mg/kg.

[ 3 ]

Toxicidade excessiva e subaguda

Toxicidade excessiva e subaguda
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: infusão e decocção de 5% do material vegetal (seco) em água. Extrato: 120 g do material vegetal (seco) em etanol à 70%. Rendimento: 30,4% (p/p). Frações: acetato de etila e n-butanol. Rendimento: 9,5 e 38,9 %, respectivamente. Doses para ensaio: 100 à 500 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss e ratos Wistar submetidos ao ensaio de toxicidade excessiva e subaguda.

Observou-se que o extrato de S. cayenennesis não apresenta toxicidade até a dose de 500 mg/kg.

[ 8 ]

Referências bibliográficas

1 - MAQUIAVELI, C. C. et al. Stachytarpheta cayennensis extract inhibits promastigote and amastigote growth in Leishmania amazonensis via parasite arginase inhibition. J Ethnopharmacol, v. 192, p.108-113, 2016.  doi: 10.1016/j.jep.2016.07.044
2 - OLAYIWOLA, G. et al. Sedative and anxiolytic effects of the extracts of the leaves of Stachytarpheta cayennensis in mice. Afr J Tradit Complement Altern Med, v. 10, n. 6, p.568-579, 2013. doi: 10.4314/ajtcam.v10i6.32
3 - OKOKON, J. E. et al. In vivo antimalarial activity of ethanolic leaf extract of Stachytarpheta cayennensis. Indian J Pharmacol, v. 40, n. 3, p.111-113, 2008. doi: 10.4103/0253-7613.42303
4 - OKOYE, T. C. et al. Immunomodulatory effects of Stachytarpheta cayennensis leaf extract and its synergistic effect with artesunate. BMC Complement Altern Med, v. 14, p.1-8, 2014. doi: 10.1186/1472-6882-14-376
5 - PENIDO, C. et al. Anti-inflammatory and anti-ulcerogenic properties of Stachytarpheta cayennensis (L.C. Rich) Vahl. J Ethnopharmacol, v. 104, n. 1-2, p.225-233, 2006. doi: 10.1016/j.jep.2005.09.006
6 - MESIA-VELA, S. et al. Pharmacological study of Stachytarpheta cayennensis Vahl in rodents. Phytomedicine, v. 11, n. 7-8, p.616-624, 2004. doi: 10.1016/j.phymed.2003.05.001
7 - ADEBAJO, A. C. et al. Hypoglycaemic constituents of Stachytarpheta cayennensis leaf. Planta Med, v. 73, n. 3, p.241-250, 2007. doi: 10.1055/s-2007-967125
8 - SCHAPOVAL, E. E. et al. Antiinflammatory and antinociceptive activities of extracts and isolated compounds from Stachytarpheta cayennensis. J Ethnopharmacol, v. 60, n. 1, p.53-59, 1998. doi: 10.1016/s0378-8741(97)00136-0
9 - VELA, S. M. et al. Inhibition of gastric acid secretion by the aqueous extract and purified extracts of Stachytarpheta cayennensis. Planta Med, v. 63, n. 1, p.36-39, 1997. doi: 10.1055/s-2006-957599

Farmácia da Natureza
[ 1 ]

Fórmula

Tintura

Alcoolatura

Componente

Quantidade

Componente

Quantidade*

Etanol/água 70%

1000 mL

Etanol/água 80%

1000 mL

Planta seca

100 g

Planta fresca

200 g

                                                                 * Após a filtragem ajustar o teor alcoólico da alcoolatura para 70%, com adição de etanol 98%, se necessário. 
Modo de preparo

Tintura: pesar 100 g de planta seca, pulverizada e colocar em frasco de vidro âmbar; em seguida adicionar 1000 mL de etanol a 70%, tampar bem o frasco e deixar a planta em maceração por 7 dias, agitando o frasco diariamente. Após esse período, filtrar em papel de filtro e envasar em frasco de vidro âmbar.

Alcoolatura: pesar 200 g de planta fresca, lavar, picar e colocar em frasco de vidro âmbar; em seguida adicionar 1000 mL de etanol a 80%, tampar bem o frasco e deixar a planta em maceração por 7 dias, agitando o frasco diariamente. Após esse período, filtrar em papel de filtro e envasar em frasco de vidro âmbar.

Principais indicações

Doenças inflamatórias do sistema respiratório, processos dolorosos crônicos, afecções digestivas e hepáticas em geral.

Posologia

Uso oral: tomar de 1 a 3 gotas por quilo de peso, divididas em 3 vezes ao dia, sempre diluídas em água (cerca de 50 mL ou meio copo).

Farmácia da Natureza
[ 2 ]

Fórmula

Componente

Quantidade

Planta toda seca pulverizada

0,4 a 0,6 g ou uma colher de café rasa

Água q.s.p.

150 mL

 
Modo de preparo

Preparar por infusão, por 5 a 10 minutos.

Principais indicações

Doenças inflamatórias do sistema respiratório, processos dolorosos crônicos, afecções digestivas e hepáticas em geral.

Posologia

Uso oral: adultos devem tomar 150 mL (1 xícara de chá) do infuso duas a três vezes ao dia.

Referências bibliográficas

1 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 3 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 267-269.
2 - PEREIRA, A. M. S. (Org.). Formulário de Preparação Extemporânea: Farmácia da Natureza. 2 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 177-179.

Dados Químicos
[ 1 , 2 , 3 , 4 , 5 , 6 , 7 , 8 , 9 ]
Marcador:
Principais substâncias:

Ácidos fenólicos

ácido clorogênico.

Alcaloides

Arilpropanoides glicosilados

verbacosídeo e isovervacosídeo.

Esteroides

espinasterol, estigmasterol e 3-O-(β-D-glucosil)-espinasterol.

Fenilpropanoides

acteosídeo.

Flavonoides

escutelareína, hispidulina e luteína.

Monoterpenos

ipolamida.

Óleos essenciais

citral e geraniol.

Outras substâncias

ácido butírico, ácido salicílico, stachytarpina, tarphetalina, triacontane e escutelareína.

Polissacarídeos

Saponinas

lanostano.

Taninos

Triterpenos

ácido ursólico, oleanólico e fridelina.

Referências bibliográficas

1 - GUPTA, M. P. (Ed.). Plantas medicinales ibero-americanas. Bogotá: Programa Iberoamericano de Ciencia y Tecnología, Cyted, Convenio Andrés Bello, 2008. p. 910.
2 - PANIZZA, S. T. et al. Uso tradicional de plantas medicinais e fitoterápicos. São Luiz: Conbrafito, 2012, p. 144.
3 - MAQUIAVELI, C. C. et al. Stachytarpheta cayennensis extract inhibits promastigote and amastigote growth in Leishmania amazonensis via parasite arginase inhibition. J Ethnopharmacol, v. 192, p.108-113, 2016.  doi: 10.1016/j.jep.2016.07.044
4 - OKOYE, T. C. et al. Immunomodulatory effects of Stachytarpheta cayennensis leaf extract and its synergistic effect with artesunate. BMC Complement Altern Med, v. 14, p.1-8, 2014. doi: 10.1186/1472-6882-14-376
5 - PENIDO, C. et al. Anti-inflammatory and anti-ulcerogenic properties of Stachytarpheta cayennensis (L.C. Rich) Vahl. J Ethnopharmacol, v. 104, n. 1-2, p.225-233, 2006. doi: 10.1016/j.jep.2005.09.006
6 - MESIA-VELA, S. et al. Pharmacological study of Stachytarpheta cayennensis Vahl in rodents. Phytomedicine, v. 11, n. 7-8, p.616-624, 2004. doi: 10.1016/j.phymed.2003.05.001
7 - ADEBAJO, A. C. et al. Hypoglycaemic constituents of Stachytarpheta cayennensis leaf. Planta Med, v. 73, n. 3, p.241-250, 2007. doi: 10.1055/s-2007-967125
8 - SCHAPOVAL, E. E. et al. Antiinflammatory and antinociceptive activities of extracts and isolated compounds from Stachytarpheta cayennensis. J Ethnopharmacol, v. 60, n. 1, p.53-59, 1998. doi: 10.1016/s0378-8741(97)00136-0
9 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 3. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 208-209.

Propagação: 

por sementes, estacas ou divisão das raízes. Cresce melhor em solos ricos, arenosos e bem drenados, não tendo muita preferência quanto ao clima [ 1 ] .

Colheita: 

deve ser realizada quando a planta atinge a fase adulta [ 1 ] .

Referências bibliográficas

1 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 3. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 208.

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 1926
Arquivo: PDF icon Download (97.27 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 1926
Arquivo: PDF icon Download (29.94 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 1926
Arquivo: PDF icon Download (15.14 KB)

Parceiros