Tinospora cordifolia (Willd.) Miers ex Hook. f. & Thomson

Guduchi

Família 
Informações gerais 

Nativa do continente Asiático, especialmente na Índia e China. Suas principais indicações são: imunomoduladora, antitumoral, hepatoprotetora, hipoglicemiante, hipolipemiante, antioxidante, osteoprotetora, anti-inflamatória, antimicrobiana, analgésica, antidiarreica, antiúlcera, cicatrizante, hepatoprotetora, antirreumática, antiarrítmica, neuroprotetora, antipirético, trombolítica, nefroprotetora e cardioprotetora[1,2,3,4,5,6,7,8,9,10,11,12,13,14,15,16,17,18,19,20,21,22,23].

Referências informações gerais
1 - SINGH, D.; CHAUDHURI, P. K. Chemistry and Pharmacology of Tinospora cordifolia. Nat Prod Commun, v. 12, n. 2, p.299-308, 2017. 
2 - ARUNACHALAM, K. et al. Tinospora cordifolia (Willd.) Miers: protection mechanisms and strategies against oxidative stress-related diseases. J Ethnopharmacol, v. 283, p.1-259, 2022. doi: 10.1016/j.jep.2021.114540
3 - YATES, C. R. et al. Tinospora cordifolia: a review of its immunomodulatory properties. J Diet Suppl, v. 19, n. 2, p.271-285, 2022. doi: 10.1080/19390211.2021.1873214
4 - SHARMA, P. et al. The chemical constituents and diverse pharmacological importance of Tinospora cordifolia. Heliyon, v. 5, n. 9, p.1-8, 2019. doi: 10.1016/j.heliyon.2019.e02437
5 - AHSAN, R. et al. Therapeutic application, phytoactives and pharmacology of tinospora cordifolia: an evocative review. Chin J Integr Med, v. 29, n. 6, p.549-555, 2023. doi: 10.1007/s11655-023-3733-2
6 - DHAMA, K. et al. Medicinal and beneficial health applications of Tinospora cordifolia (guduchi): a miraculous herb countering various diseases/disorders and its immunomodulatory effects. Recent Pat Endocr Metab Immune Drug Discov, v. 10, n. 2, p.96-111, 2017. doi: 10.2174/1872214811666170301105101
7 - CHI, S. et al. Genus Tinospora: ethnopharmacology, phytochemistry, and pharmacology. Evid Based Complement Alternat Med, p.1-32, 2016. doi: 10.1155/2016/9232593
8 - SINGH, R. S. et al. Promising traditional Indian medicinal plants for the management of novel Coronavirus disease: a systematic review. Phytother Res, v. 35, n. 8, p.4456-4484. doi: 10.1002/ptr.7150
9 - SINGH, P. et al. Orthobiologics with phytobioactive cues: a paradigm in bone regeneration. Biomed Pharmacother, v. 130, p.1-22, 2020. doi: 10.1016/j.biopha.2020.110754
10 - GAONKAR, V. P.; HULLATTI, K. Indian Traditional medicinal plants as a source of potent Anti-diabetic agents: a review. J Diabetes Metab Disord, v. 19, n. 2, p.1895-1908, 2020. doi: 10.1007/s40200-020-00628-8
11 - THENT, Z. C.; DAS, S. Involvement of liver in diabetes mellitus: herbal remedies. Clin Ter, v. 165, n. 4, p.223-230, 2014.
12 - GROVER, J. K. et al. Medicinal plants of India with anti-diabetic potential. J Ethnopharmacol, v. 81, n. 1, p.81-100, 2002. doi: 10.1016/s0378-8741(02)00059-4
13 - GUO, R. et al. Herbal medicines for the treatment of allergic rhinitis: a systematic review. Ann Allergy Asthma Immunol, v. 99, n. 6, p.483-495, 2007. doi: 10.1016/S1081-1206(10)60375-4
14 - SPELMAN, K. et al. Modulation of cytokine expression by traditional medicines: a review of herbal immunomodulators. Altern Med Rev, v. 11, n. 2, p.128-150, 2006.
15 - SHARMA, A. et al. From ayurvedic folk medicine to preclinical neurotherapeutic role of a miraculous herb, Tinospora cordifolia. Neurochem Int, v. 141, n. 1-9, 2020. doi: 10.1016/j.neuint.2020.104891
16 - CHATTOPADHYAY, K. et al. Effectiveness and safety of Ayurvedic Medicines in type 2 diabetes mellitus management: a systematic review and meta-analysis. Front Pharmacol, v. 13, p.1-31, 2022. doi: 10.3389/fphar.2022.821810
17 - REGE, N. N. et al. Adaptogenic properties of six rasayana herbs used in Ayurvedic medicine. Phytother Res, v. 13, n. 4, p.275-291, 1999. doi: 10.1002/(SICI)1099-1573(199906)13:4<275::AID-PTR510>3.0.CO;2-S
18 - SHARMA, A. et al. From ayurvedic folk medicine to preclinical neurotherapeutic role of a miraculous herb, Tinospora cordifolia. Neurochem Int, v. 141, p.1-9, 2020.  doi: 10.1016/j.neuint.2020.104891
19 - CHOE, J. et al. The Efficacy of Traditional Medicinal Plants in modulating the main protease of SARS-CoV-2 and cytokine storm. Chem Biodivers, v. 19, n. 11, p.1-18, 2022. doi: 10.1002/cbdv.202200655
20 - KAUR, P. et al. Immunopotentiating significance of conventionally used plant adaptogens as modulators in biochemical and molecular signalling pathways in cell mediated processes. Biomed Pharmacother, v. 95, p.1815-1829, 2017. doi: 10.1016/j.biopha.2017.09.081
21 - SAHA, S.; GHOSH, S. Tinospora cordifolia: one plant, many roles. Anc Sci Life, v. 31, n. 4, p.151-159, 2012. doi: 10.4103/0257-7941.107344
22 - BACHHETI, R. et al. Prevention and treatment of cardiovascular diseases with plant phytochemicals: a review. Evid Based Complement Alternat Med, p.1-21, 2022. doi: 10.1155/2022/5741198      
23 - MUKHERJEE, P. K; HOUGHTON, P. J. Evaluation of Herbal Medicinal Products Perspectives on quality, safety and efficacy. London: Pharmaceutical Press, 2009, p. 101-104, 218-227.
Descrição da espécie 

Arbusto trepador, de grande porte, decíduo, caules com morfologia diversificada, filiforme, carnudo, suculento, com fina camada, branca ou acinzentada; raiz fina e aérea; folhas simples, glabras, medindo de 10 a 20 cm de comprimento, cordada, alternadas, membranosas, suculentas, pecioladas (aproximadamente 15 cm de comprimento); flores axilares, esverdeadas, unissexuais, as masculinas são pequenas, agrupadas, amarelas ou verdes, as femininas crescem isoladamente; frutos em forma de ervilha, carnudos, brilhantes, de coloração vermelha quando maduros; sementes são do tamanho de uma ervilha e possuem formato reniforme[1,2,3,4].

Referências descrição da espécie
1 - ARUNACHALAM, K. et al. Tinospora cordifolia (Willd.) Miers: protection mechanisms and strategies against oxidative stress-related diseases. J Ethnopharmacol, v. 283, p.1-259, 2022. doi: 10.1016/j.jep.2021.114540
2 - SHARMA, P. et al. The chemical constituents and diverse pharmacological importance of Tinospora cordifolia. Heliyon, v. 5, n. 9, p.1-8, 2019. doi: 10.1016/j.heliyon.2019.e02437
3 - DHAMA, K. et al. Medicinal and beneficial health applications of Tinospora cordifolia (guduchi): a miraculous herb countering various diseases/disorders and its immunomodulatory effects. Recent Pat Endocr Metab Immune Drug Discov, v. 10, n. 2, p.96-111, 2017. doi: 10.2174/1872214811666170301105101
4 - HAQUE, M. A. et al. Tinospora species: an overview of their modulating effects on the immune system. J Ethnopharmacol, v. 207, p.67-85, 2017. doi: 10.1016/j.jep.2017.06.013
Nome popular Local Parte da planta Indicação Modo de preparo Forma de uso Restrição de uso Referências
- Himachal Pradesh (Himalaia, Índia) Caule (fresco)

Hepatoprotetora (icterícia).

Suco: associar com Boerhaavia diffusa.

Tomar durante 7 a 10 dias.

-

[ 1 ]
Gloe e gadoh Distrito de Kathua (Jammu e Caxemira, Índia) Planta toda

Antitérmica.

-

Uso oral.

-

[ 2 ]
Giloe Comunidade indígena Gujjar (região sub-Himalaia, Uttarakhand) Caule

No tratamento da icterícia.

Em um recipiente de barro, adicionar o material vegetal (fragmentado) e água. Misturar.

Tomar 2 a 3 vezes ao dia/15 dias.

-

[ 3 ]
- Comunidade indígena Savara (Distrito de Srikakulam, Andhra Pradesh) Folha

No tratamento da icterícia.

Pasta: associar as folhas de Tinospora cordifolia e de Jatropha gossypifolia, açafrão (uma pitada) e água.

Uso externo: aplicar no rosto.

-

[ 3 ]
- Curandeiros tradicionais locais (Distrito de Koraput, Odisha) Caule

Hepatoprotetora (icterícia).

Pó: misturar em partes iguais com açúcar.

Misturar em água e tomar 1 vez ao dia/7 dias. 

-

[ 3 ]
- Comunidade de Gond (Distrito de Adilabad, Andhra Pradesh) Fruto

Hepatoprotetora (icterícia).

Pó: misturado com mel.

Tomar 2 colheres 1 vez ao dia, pela manhã/5 a 7 dias.

-

[ 3 ]
- Comunidade local (Distrito de Churu, Rajasthan) Caule

Hepatoprotetora (icterícia).

Suco.

Tomar associado ou não com mel.

-

[ 3 ]
- Comunidade Andha and Bhil (Distrito de Hingoli, Maharashtra) Folha

Hepatoprotetora (icterícia).

Extrato.

Uso oral. 

-

[ 3 ]
- Comunidade Taungya (Distritos de Gorakhpur e Maharajganj, Uttar Pradesh) Fruto

Hepatoprotetora (icterícia).

Pasta.

Tomar 1 a 2 colheres (de chá) 2 vezes ao dia. 

-

[ 3 ]
- Comunidade local (Distritos de Alwar, Bharatpur, Dausa, Dholpur, Karouli e Sawai Madhopur, Rajasthan) Planta toda

Hepatoprotetora (icterícia).

Suco.

-

-

[ 3 ]
- Distrito de Kancheepuram (Tamil Nadu, Índia) Folha

Cicatrizante (feridas).

Pasta.

Uso tópico.

-

[ 4 ]

Referências bibliográficas

1 - RAGHUVANSHI, D. et al. Ethnomedicinal plants traditionally used for the treatment of jaundice (icterus) in Himachal Pradesh in Western Himalaya-a review. Plants (Basel), v. 10, n. 2, p.1-24, 2021. doi: 10.3390/plants10020232
2 - RAO, P. K. et al. Ethnomedicinal plants of Kathua district, J&K, India. J Ethnopharmacol, v. 171, p.12-27, 2015. doi: 10.1016/j.jep.2015.05.028
3 - SHARMA, J. et al. The treatment of jaundice with medicinal plants in indigenous communities of the Sub-Himalayan region of Uttarakhand, India. J Ethnopharmacol, v. 143, n. 1, p.262-291, 2012. doi: 10.1016/j.jep.2012.06.034
4 - MUKHERJEE, P. K; HOUGHTON, P. J. Evaluation of Herbal Medicinal Products Perspectives on quality, safety and efficacy. London: Pharmaceutical Press, 2009, p. 231.

Androgênica

Androgênica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule

Extrato etanólico liofilizado. Concentrações para estudo: 0,1 a 100 µg/mL.

In vitro:

Em cultura de células de carcinoma da próstata de humanos (LNCaP) incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise da proliferação celular (MTT) e secreção do PSA associado ou não com o antiandrógeno flutamida (ELISA).

 

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade androgênica, possivelmente por ação na via dos receptores androgênicos.

[ 73 ]

Ansiolítica

Ansiolítica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule

Extrato: pó.

In vivo:

Em ratas Wistar jovens portadores de obesidade induzida por dieta rica em gordura, associada a ingestão do extrato vegetal, submetidos aos testes do labirinto em cruz elevado, rota-rod, análise de peso corporal, níveis de IL-6 e TNF-α (ELISA) e expressão de GFAP, Iba1, n-NOS, BDNF, pAkt, AP1, BAD, Bcl, Sirt1, PPAR-γ e NF-kB em homogenato do hipocampo e córtex (Western blotting).

O extrato vegetal de T. cordifolia apresenta atividade ansiolítica associada a obesidade, pois suprime a expressão de moléculas inflamatórias, modula a apoptose e a plasticidade sináptica, além de auxiliar no metabolismo energético e na homeostase celular.

[ 33 ]

Anti-inflamatória

Anti-inflamatória
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato: 10 g de material vegetal (pó) em clorofórmio. Rendimento: 3,85%.

Concentrações para ensaio (in vitro): 25 a 300 µg/mL. Doses para ensaio (in vivo): 125 a 500 µg/mL.

In vitro:

Em cultura de células monocíticas (THP-1) pré-tratadas com o extrato vegetal, estimuladas com lipopolissacarídeos, com posterior análise dos níveis óxido nítrico, expressão de proteínas (Western blotting), microscopia (Confocal), níveis de PGE2, IL-1β e IL-6 (ELISA) e viabilidade celular (MTT).

 

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de endotoxemia induzida por LPS, pré-tratados com o extrato vegetal, estimulados com LPS, com posterior análise da taxa de sobrevivência, parâmetros histológicos (pulmão, fígado, rins e coração), níveis de TNF-α e IL-1β (ELISA) e expressão de TNF-α, COX-2 e IL-1β (imuno-histoquímica).

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade anti-inflamatória, pois reduz os níveis de TNF-α, COX-2, IL-1β, IL-6 e iNOS.

[ 6 ]
Planta toda

Extrato: 10 g do material vegetal (pó) em 400 mL de clorofórmio. Rendimento: 3,85%. Concentrações para ensaio (in vitro): 50 a 200 µg/mL. Doses para ensaio (in vivo): 125 a 500 mg/kg.

In vitro:

Em cultura de macrófagos murinos (RAW 264.7) incubados com o extrato vegetal, estimulados com lipopolissacarídeos, com posterior análise da viabilidade celular (MTT), expressão de iNOS, TNF-α, COX-1 e 2, histona 3, p38, IkBα, NF-kBp65, HRP, PGE2, IL-6, IL-1β e TNF-α (RT-PCR, Western blotting e ELISA) e ativação de NF-kB e fosforilação de p38 MAPK (Imunoblotting e microscopia confocal).

 

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de edema de pata induzido por carragenina, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise da espessura da pata (mm) e parâmetros histoquímicos.

O extrato clorofórmico de T. cordifolia apresenta atividade anti-inflamatória, sem alterar a expressão de COX-1.

[ 59 ]

Anti-inflamatória e Ansiolítica

Anti-inflamatória e Ansiolítica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule

Extrato: associação dos pós de Tinospora cordifolia e Withania somnifera. Dose para ensaio: 200 mg/kg (cada espécie vegetal).

In vivo:

Em ratas Wistar submetidas a restrição alimentar, tratadas com a associação dos extratos vegetais, com posterior análise do teste do labirinto em cruz elevado e expressão de proteínas no tecido cerebral (Western blotting).

A associação de T. cordifolia e W. somnifera apresenta atividades anti-inflamatória e ansiolítica, em casos de restrição alimentar.

[ 85 ]

Anti-inflamatória e Antioxidante

Anti-inflamatória e Antioxidante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule

Extrato: maceração de 100 g de material vegetal (pó) com metanol a 75%. Rendimento: 8% (p/p). Concentração para ensaio: 200 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss portadores urotoxicidade induzida por ciclofosfamida, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de peso corporal, parâmetros morfológicos, histopatológicos, bioquímicos (GSH, proteína e nitrogênio ureico) e níveis de IL-2, IFN-γ e TNF-α.

O extrato de T. cordifolia apresenta atividades anti-inflamatória e antioxidante, reduzindo os danos na bexiga provenientes da ciclosporina (imunossupressor).

[ 17 ]
Folha

Extrato: 180 mg do material vegetal (pó) em 20 mL de etanol a 80% ou 4 mL de água. Concentrações para ensaio: 0,2 a 0,8 mg/kg.

In vitro:

Em culturas de células monocíticas humanas (THP-1) incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise da viabilidade celular (MTT); estimuladas com ácido araquidônico e LPS, com posterior análise do nível de espécies reativas ao oxigênio intracelular, expressão de CAT, TNF-α, NF-kB p65, IkB e P-IkB (PCR e Imunoblotting), atividade de CAT, quantificação de TNF-α (ELISA) e translocação de NF-Kb (imunofluorescência).

 

O extrato etanólico de T. cordifolia apresenta atividades antioxidante e anti-inflamatória mais potentes.

[ 18 ]

Anti-inflamatória e Antipirética

Anti-inflamatória e Antipirética
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Planta toda

Extrato: maceração do material vegetal (pó) em água e metanol (30:70). Doses para ensaio: 100 a 300 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos tratados com o extrato, submetidos aos testes de contorções abdominais induzida por ácido acético, da placa quente, movimento da cauda, inflamação induzida por carragenina e pirexia induzida por levedura.

O extrato de T. cordifolia apresenta atividades analgésica, anti-inflamatória e antipirética, principalmente na dose de 300 mg/kg.

[ 15 ]

Antianêmica

Antianêmica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato aquoso. Doses para ensaio: 100 a 400 mg/kg

In vitro:

Em macrófagos de camundongos (RAW 264.7) estimulados por LPS, pré-tratados com o extrato vegetal, com posteriormente análise dos níveis de óxido nítrico e expressão de TNF-α, HAMP e IL-1β.

 

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de anemia inflamatória, induzida por antígeno de Brucella abortus (HKBA), tratados com o extrato vegetal, com posterior análise dos níveis de hemoglobina, hemácias e ferro, parâmetros histológicos (fígado e do baço) e expressão de TNF-α, COX-2, HAMP e TLR-4.

O extrato de T. cordifolia apresenta resultado promissor para o tratamento da anemia inflamatória, pois reduz a expressão de HAMP (aumenta o ferro circulante) e de citocinas inflamatórias.

[ 29 ]

Antianêmica e Imunomoduladora

Antianêmica e Imunomoduladora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule

Extrato: material vegetal (pó) em água ou etanol. Rendimento: 12,2 e 5,6%, respectivamente. Dose para ensaio: 100 mg/kg. Outra espécie em estudo: Tinospora sinensis.

In vivo:

Em camundongos Swiss portadores de anemia induzida por ciclofosfamida, tratados com os extratos vegetais, com posterior análise de parâmetros hematológicos.

Os extratos de T. cordifolia e T. sinensis apresentam atividade imunomoduladora e antianêmica.

[ 54 ]

Antiangiogênica

Antiangiogênica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule

Extrato: maceração de 100 g de material vegetal (pó) em metanol a 70%. Concentrações para ensaio (in vitro): 10 e 20 µg/mL. Dose para ensaio (in vivo): 20 mg/kg.

In vitro:

Em anéis da aorta de ratos Sprague-Dawley incubados com células de melanoma de camundongo (B16F10) e extrato vegetal, com posterior análise da angiogênese.

 

In vivo:

Em camundongos machos C57BL/6 portadores de angiogênese induzida por células B16F10, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de níveis de IL-1β, IL-2, IL-6, TNF-α, VEGF e TIMP-1 (ELISA).

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade antiangiogênica, através da modulação dos níveis de citocinas e fatores angiogênicos.

[ 71 ]

Antiartrítica

Antiartrítica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Parte aérea

Extrato metanólico. Rendimento: 10%. Dose para ensaio: 1 g/kg.

In vitro:

Em células linfonodais, aderente do baço e infiltrantes sinoviais, reestimuladas com antígeno ou Mtb sonicato, com posterior análise dos níveis de citocinas, quimiocinas, mediadores da regulação óssea e atividade de MMP-2 e 9 (RT-PCR, citometria de fluxo e zimografia).

 

In vivo:

Em ratos Lewis portadores de artrite induzida por Mycobacterium tuberculosis, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise histológica (patas traseiras).

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade antiartrítica, sendo promissor como terapia coadjuvante.

[ 22 ]
Caule

Cápsula: contendo a associação de Zingiber officinale (raiz), Tinospora cordifolia, Phyllanthus emblica (fruto) e Boswellia serrata (resina) (1:2:5:3 p/v).

In vitro:

Em cartilagem articular de grau 1-2 não calcificada dos côndilos femorais da articulação do joelho de humanos portadores de osteoartrite crônica, incubadas com o fitoterápico, com posterior análise dos níveis de glicosaminoglicano, agrecano e óxido nítrico.

 

O fitoterápico apresenta atividade antiartrítica, reduzindo significativamente os danos na cartilagem articular do joelho.

[ 98 ]

Antiasmática

Antiasmática
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule

Extrato: 20 g de material vegetal (pó) em100 mL de etanol a 50%. Rendimento: 8,32%. Dose para ensaio: 100 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Balb/c portadores de asma induzida por sensibilização à ovalbulmina, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise do líquido broncoalveolar (citocinas, peroxidase eosinofílica, mieloperoxidase e NO), níveis de IgE, GSH, GSSG, SOD, MDA, ABTS, CAT, GPx, GSR e proteína carbonil (tecido, sangue e liquido broncoalveolar), expressão de iNOS, COX-2, ICAM-1, IkBα, JNK e pJNK (Western blotting) em homogenato pulmonar e parâmetros histopatológicos.

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade antiasmática, sendo promissora para o tratamento de doenças pulmonares inflamatórias.

[ 21 ]

Antiaterogênica

Antiaterogênica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule

Fitoterápico (HT2): associação de 100 g de cada material vegetal (pó), Commiphora mukul, Allium sativum, Plumbago indica, Semecarpus anacardium, Hemidesmus indicus, Terminalia arjuna, Tinospora cordifolia, Withania somnifera e Ocimum sanctum, em metanol a 70%. Rendimento: 17% (p/p). Doses para ensaio (in vivo): 100 e 500 mg/kg.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação do radical superóxido e hidroxila, e inibição da peroxidação lipídica.

Em plasma de coelhos ausentes de plaquetas, incubados com o fitoterápico, com posterior análise da atividade antiagregante plaquetária (na presença de ADP) e do nível de lipoproteína lipase (na presença de glicerol).

 

In vivo:

Em coelhos submetidos a administração intravenosa do fitoterápico, com posterior análise da atividade anticoagulante (recalcificação plasmática).

Em ratos Wistar portadores de edema de pata induzido por formalina e carragenina, pré-tratados com o fitoterápico, com posterior análise da espessura da pata.

Em ratos Wistar portadores de diabetes induzido por dieta hipercalórica, tratados com o fitoterápico, para avaliar os níveis de colesterol total, triglicerídeos, fosfolipídios, LDL, HDL, índice aterogênico e peso corporal.

O fitoterápico HT2 apresenta atividade antiaterogênica, sendo promissor na prevenção da doença arterial coronariana.

[ 94 ]

Antibacteriana

Antibacteriana
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule

Extratos: 10 g do material vegetal (pó) em clorofórmio, metanol acetona, etanol e extrato sem conteúdo lipídico. Outras espécies em estudo: Phyllanthus fraternus, P. niruri, Asparagus racemosus, Eupatorium triplinerve, Leucas aspera, Glycosmis pentaphyllia, Azadirachta indica, Euphorbia hirta e Cassia javanica.

In vitro:

Em culturas uropatógenos nosocomiais, Staphylococcus epidermidis, S. aureus, Enterococcus faecalis, Pseudomonas aeruginosa, Klebsiella pneumoniae, Escherichia coli, Proteus mirabilis, Serratia marcescens, Citrobacter freundii, C. koseri e Enterobacter cloacae, submetidas ao teste de disco-difusão, com posterior análise do halo de inibição.

 

Os extratos saponificados de A. indica, T. cordifolia e E. hirta apresentam atividade antibacteriana mais potente.

[ 96 ]
Caule

Extrato: 30 g do material vegetal (pó) em etanol a 95%. Concentrações para ensaio: 0 a 12 mg/mL. Outras espécies em estudo: Alstonia scholaris e Crataeva nurvala

In vitro:

Em cepas de Staphylococcus aureus, Escherichia coli, Pseudomonas aeruginosa, Klebsiella pneumoniae, Proteus mirabilis e Candida albicans submetidas ao teste de microdiluição em ágar, para avaliar o crescimento microbiano.

Em fibroblastos pulmonares embrionários humanos (HEL), incubados com os extratos vegetais, com posterior análise de citotoxicidade (ensaio XTT).

 

Os extratos T. cordifolia e A. scholaris apresentam atividade antibacteriana mais potente, além da ausência de citotoxicidade.

[ 30 ]

Antibacteriana e Antitumoral

Antibacteriana e Antitumoral
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule

Extrato: material vegetal (pó) em éter de petróleo, benzeno, clorofórmio, acetato de etila, acetano, álcool etílico e água, seguidamente. Concentrações para ensaios: 0,66 a 3,33 mg/mL e 10 a 40 g; 0,15 a 227,3 mg/mL; 100 µg/mL.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através do teste de redução e quelação de íons ferrosos.

Em culturas de Escherichia coli, Klebsiella pneumonia, Pseudomonas aeruginosa e Proteus spp. submetidas ao teste de disco-difusão e diluição em ágar, com posterior análise do halo de inibição e da concentrações inibitória mínima (CIM) e bactericida mínima (CBM).

Em culturas de células de humanos de câncer de próstata (DU-145), ovário (IGR OV-1) e mama (MCF-7) incubadas com os extratos vegetais, com posterior análise de citotoxicidade (Sulforrodamina B).

 

Os extratos de T. cordifolia apresentam atividades antioxidante, antibacteriana e antitumoral (MCF-7).

[ 61 ]

Antileishmaniose

Antileishmaniose
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Dose para ensaio: 100 mg/kg. Outras espécies em estudo: Withania somnifera e Asparagus racemosus.

In vivo:

Em camundongos BALB/c infectados com Leishmania donovani (promastigota), tratados com os extratos vegetais e cisplatina, com posterior do nível de linfócitos T reguladores CD4+, CD25+ e FoxP3+ (citometria de fluxo) e alterações ultraestruturais no rim, fígado e baço (microscopia eletrônica de transmissão).

Os extratos de T. cordifolia, W. somnifera e A. racemosus apresentam atividade antileishmaniose, principalmente quando associados a cisplatina.

[ 97 ]

Antimicrobiana e Antitumoral

Antimicrobiana e Antitumoral
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Planta toda

Extrato.

In vitro:

Em cultura de macrófagos (J774A.1) incubados com o extrato vegetal, com posterior análise de viabilidade celular (MTT e CI50), estimulados por lipopolissacarídeo, para análise da atividade enzimática (NADH, NADPH-oxidase e MPO).

 

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade antitumoral e antimicrobiana, devido ao aumento da atividade de NADH, NADPH-oxidase e MMP através da ativação de macrófagos.

[ 43 ]

Antimutagênica

Antimutagênica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule

Fitoterápico (Immu-21): associação dos extratos de Tinospora cordifolia, Withania somnifera, Emblica officinalis e Ocimum sanctum. Doses para ensaio: 30 e 100 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss portadores mutagenicidade induzida por ciclofosfamida, pré-tratados com o fitoterápico, com posterior análise do micronúcleo e aberração cromossômica em eritrócitos da medula óssea.

O fitoterápico apresenta atividade antimutagênica, sendo promissor na redução da genotoxicidade induzida por ciclofosfamida.

[ 92 ]

Antioxidante

Antioxidante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Raiz

Extrato: 100 g de material vegetal (pó) em 400 mL água. Rendimento: 2,3% (p/p). Doses 2,5 a 7,5 g/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de diabetes induzido por aloxana, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise dos níveis plasmáticos de TBARS, α-tocoferol, glutationa reduzida, ceruloplasmina e vitamina C.

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade antioxidante, reduzido as complicações da hiperglicemia.

[ 69 ]
Raiz aérea

Extrato: material vegetal (seco) em etanol a 80%. Doses para ensaio: 50 e 100 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de peso corporal, níveis e atividades de GST, DTD, GSH, GPx, CAT, SOD, LDH, TBARS e proteínas (fígado, pulmão, rim e estomago); em suspensão microssomal para análise dos níveis de citocromo P450 e citocromo b5, atividades de NADPH-citocromo P450 redutase e NADH-citocromo b5 redutase.

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade antioxidante, pois aumenta a atividade enzimática, de fase I e II, e aquelas envolvidas na redução do estresse oxidativo, sendo um quimiopreventivo promissor.

[ 28 ]

Antioxidante (embrioletalidade)

Antioxidante (embrioletalidade)
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule

Pó. Dose para ensaio: 1 e 2% da dieta.

In vivo:

Em ratas Wistar prenhes e portadoras de diabetes induzido por estreptozotocina, tratadas com o extrato vegetal, com posterior análise de ingestão de alimentos, peso corporal e produção de urina maternos, níveis de marcadores do estresse oxidativo (MDA, ERO's, GSH, TSH, CAT, SOD, GPx e GST) hepático e cerebral (materno e fetal).

O extrato de T. cordifolia reduz o estresse oxidativo, consequentemente, a embrioletalidade induzida por diabetes materno.

[ 46 ]

Antioxidante e Hepatoprotetora

Antioxidante e Hepatoprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato (MHC): decocção da associação de Punica granatum, Putranjiva roxburghii, Swertia chirata, Tinospora cordifolia e Trigonella corniculata, 33, 27, 25, 10 e 5%, respectivamente. Doses para ensaio: 50 a 200 mg/kg.

In vivo:

Em ratas Wistar portadoras de hepatotoxicidade induzida por paracetamol, pré-tratadas com o extrato vegetal, com posterior análise biomarcadores hepáticos (SGOT, SGPT, ALP e bilirrubina), níveis enzimáticos em homogenato hepático (fase I e II, e ligadas a membrana), níveis de biomarcadores oxidantes e antioxidantes (LDH, LPO, CAT, GSH, SOD, GPx, GR proteína e hidroperóxido lipídico), de parâmetros hematológicos e histopatológicos.

A associação dos extratos vegetais apresenta atividade hepatoprotetora e antioxidante, principalmente na dose de 200 mg/kg.

[ 80 ]

Antioxidante e Hipoglicemiante

Antioxidante e Hipoglicemiante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Raiz

Extrato: 100 g de material vegetal em 400 mL de água. Rendimento: 2,3 (p/p). Doses para ensaio: 2,5 a 7,5 g/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de diabetes induzido por aloxana, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (glicemia), níveis de TBARS GSH, SOD, CAT, proteínas em homogenato dos rins, fígado e coração.

O extrato de T. cordifolia apresenta atividades antioxidante e hipoglicemiante, principalmente na dose de 5,0 mg/kg, com resultados superiores a glibenclamida.

[ 67 ]
Raiz

Extrato: material vegetal (pó) em éter de petróleo, posteriormente em álcool etílico a 95%. Rendimento: 4,04 (p/p). Dose para ensaio: 100 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de diabetes induzido por aloxana, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise do nível glicêmico e parâmetros bioquímicos em homogenato do cérebro e coração (TBARS, SOD, CAT, GSH e proteínas).

O extrato etanólico de T. cordifolia apresenta atividade antioxidante, sendo promissor na redução da hiperglicemia.

[ 70 ]
Raiz

Extrato etanólico. Dose para ensaio: 100 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de diabetes induzido por aloxana, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise dos níveis de glicemia, TBARS, GSH, SOD e CAT nos rins e fígado.

O extrato de T. corfifolia apresenta atividade hipoglicemiante e antioxidante potente.

[ 53 ]
Caule

Extrato aquoso. Concentrações para ensaio: 2,5 a 100 μg/mL. Outras espécies em estudo: Phyllanthus emblica e Curcuma longa.

In vitro:

Em células de insulinoma de ratos (RINm5F) incubadas com os extratos vegetais, com posterior análise da viabilidade celular (MTT); e estimuladas com estreptozotocina (indução de estresse oxidativo), para analisar os níveis de peroxidação lipídica, apoptose e secreção de insulina.

 

Os extratos de T. cordifolia, P. emblica e C. longa reduzem o estresse oxidativo e a apoptose, devido a ação antioxidante, além da atividade hipoglicemiante.

[ 93 ]

Antiparasitária (ameba)

Antiparasitária (ameba)
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Fitoterápico (30 g/300 mL): 6 g de cada material vegetal (pó), Boerhavia diffusa, Berberis aristata, Tinospora cordifolia, Terminalia chebula e Zingiber officinale, em etanol a 80%. soxhlet. Concentrações para ensaio (in vitro): 0,1 a 1000 μg/mL; 100 a 400. Doses para ensaio: 250 a 500 mg/kg.

In vitro:

Em cultura de Entamoeba histolytica (SFL3), incubada com os extratos vegetais e fitoterápico, com posterior análise da concentração inibitória mínima (CIM).

Determinar a atividade inibitória do fitoterápico na atividade enzimática (DNase, RNase, aldolase, fosfatase alcalina, fosfatase ácida, alfa-amilase e protease) de E. histolytica.

 

In vivo:

Em ratos Wistar infectados por amebíase (na região do ceco), tratados com o fitoterápico, com posterior análise de parâmetros macroscópicos, microscópicos e grau de infecção.

O fitoterápico apresenta atividade antiparasitária promissora.

[ 101 ]

Antiparasitária e Imunomoduladora

Antiparasitária e Imunomoduladora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Fitoterápico (30 g/300 mL): associação de 6 g de cada espécie vegetal (pó), Boerhavia diffusa, Tinospora cordifolia, Berberis aristata, Terminalia chebula e Zingiber officinale, em 300 mL de etanol a 80%. Doses para ensaio: 400 a 800 mg/kg.

In vivo:

Em Hamsters infectados com Entamoeba histolytica, tratados com o fitoterápico, com posterior análise de parâmetros microscópicos, macroscópicos e o grau de infecção.

Em ratos Wistar inoculados com eritrócitos de ovelha (SRBCs), pré-tratados com o fitoterápico, com posterior análise da hemaglutinação, contagem de células B e T e inibição da migração de leucócitos (IML).

A formulação contendo ervas apresenta efetividade para o tratamento da amebíase hepática, principalmente na dose de 800 mg/kg, além de ação imunomoduladora.

[ 100 ]

Antitérmica

Antitérmica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule

Extrato: percolação do material vegetal (pó) em etanol a 90%. Frações: hexano, clorofórmio e água. Rendimento: 1,20, 1,68 e 4,81%, respectivamente. Outras espécies em estudo: Aconitum napellus, A. heterophyllum, Corchorus depressus, Gmelina asiatica, Melia azadirachta, Vitex trifolia e Hedysarum alhagi.

In vivo:

Em coelhos portadores de pirexia induzida por levedura, tratados com os extratos vegetais, para determinar atividade antipirética.

O extrato e frações de T. cordifolia não apresentam efetividade para o tratamento da pirexia, contudo, as espécies A. napellus, C. depressus e G. asiatica demonstram resultados promissores.

[ 99 ]

Antitumoral

Antitumoral
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule

Extrato etanólico. Rendimento: 4,94%. Frações: éter de petróleo, diclorometano e álcool n-butílico. Outra espécie em estudo: Withania somnifera. Concentrações para ensaio: 10 a 50 µg/mL.

In vitro:

Em cultura de células de carcinomas de humanos cervical (HeLa), pulmonar (A549), mamário (BT474, MDA-MB-231, MDA-MB-453 e T47D) e melanoma (MDAMB-435S, G361 e WM Células 266.4) incubadas com os extratos e frações vegetais, submetidas ao teste de população lateral (SP), expressão dos transportadores ABC (citometria de fluxo) e citotoxicidade (MTT).

 

As frações de éter de petróleo e diclorometano de T. cordifolia apresentam atividade antitumoral mais potente, pois inibem a população de células SP e o nível de transportadores ABC-B1 e ABC-G2, além de aumentar a citotoxicidade.

[ 104 ]
Caule

Extrato: 20 kg do material vegetal (pó) em 5 L de éter de petróleo, clorofórmio e diclorometano, respectivamente. Rendimento: 1,2% (p/p). doses para ensaio: 25 a 100 mg/kg.

In vivo:

Em ratos transplantados com células de carcinoma ascítico de Ehrlich, submetidos a radiação hemicorporal (6 Gγ), pré e pós-tratados com o extrato vegetal, com posterior análise da expectativa de vida e parâmetros bioquímicos (GSH, GST e LPx).

O extrato de diclorometano de T. cordifolia apresenta atividade antitumoral, principalmente quando associado à radiação gama.

[ 72 ]
Caule

Extrato: material vegetal (pó) em etanol a 50%. Concentrações para ensaio: 10 a 1000 μg/mL.

In vitro:

Em cultura de células de neuroblastoma humano (IMR-32) incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise da proliferação celular (MTT), citotoxicidade (LDH), parâmetros morfológicos (microscopia), expressão de genes e proteínas (qRT-PCR e Western blotting), ciclo celular, cicatrização de feridas e atividade enzimática (zimografia).

 

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade antitumoral, pois induz a diferenciação de células de neuroblastoma, bem como a apoptose.

[ 7 ]
Folha

Extrato: 10 g do material vegetal (fresco) em 100 mL de água. Nanopartículas de prata (AgNO3): contendo 10 ml do extrato vegetal e 90 mL da solução de AgNO3.

In vitro:

Em cultura de células de carcinoma pulmonar humano (A549) incubadas com as nanopartículas de prata contendo o extrato vegetal, com posterior análise da viabilidade celular (MTT e corante de Azul de Tripano), alterações citomorfológicas (microscopia invertida), apoptose (Anexina V-FITC e PI), parâmetros morfológicos (coloração DAPI), nível de espécies reativas ao oxigênio intracelular e potencial de membrana (fluorescência).

 

As AgNO3 contendo o extrato de T. cordifolia apresenta atividade antitumoral.

[ 74 ]
Caule

Extrato: 20 g do material vegetal (seco) em éter de petróleo, clorofórmio, posteriormente, em diclorometano. Rendimento: 1,2% (p/p). Doses para ensaio (in vivo): 25 a 100 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss transplantados com células de carcinoma de ascite de Ehrlich, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise do peso corporal, do tempo médio de sobrevivência (AST e MST) e parâmetros bioquímicos (AST e LPx).

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade antitumoral, devido a ação citotóxica, principalmente na dose de 50 mg/kg.

[ 75 ]
Caule

Extrato: 100 g de material vegetal (pó) em 500 mL de água. Dose para ensaio: 200 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos BALB/c portadores de carcinogênese pulmonar induzida por benzo(a)pireno, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise da expressão Bcl-2, Bax, caspase-3 e 9, MMP-2 e 9 (eletroforese e ELISA), fragmentação do DNA (eletroforese), atividade de MMP-2 e 9 (zimografia), nível de telomerase (ELISA) e proteínas.

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade antitumoral, por indução da apoptose.

[ 9 ]
Caule

Extrato: 300 g do material vegetal (pó) em 2 L de etanol/água (1:1). Rendimento: 28,4 g. Concentrações para ensaio: 30,9, 92,7, 154,5 e 309,0 µg/mL.

In vitro:

Em cultura de células de adenocarcinoma de cólon de humanos (HCA-7) incubados com o extrato vegetal, com posterior análise da viabilidade celular (PrestoBlue) e expressão de genes (RT-PCR).

 

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade antitumoral, atuando em várias vias de sinalização celular (proliferação, diferenciação e transição epitelial-mesenquimal).

[ 10 ]
Caule

Extratos: metanol, aquoso e cloreto de metileno. Doses para ensaio (in vivo): 5 a 100 mg/kg.

In vitro:

Em culturas de células HeLa S3 incubadas com os extratos vegetais, com posterior análise de citotoxicidade (azul de Tripano), ensaios clonogênico e do micronúcleo.

 

O extrato de cloreto de metileno de T. cordifolia apresenta atividade antitumoral mais potente.

[ 77 ]
-

Extrato: 1 g do material vegetal (pó) em 100 mL de etanol. Dose para ensaio: 100 a 300 mg/kg.

In vitro:

Em cultura de macrófagos isolados de camundongos BALB/c transplantados com células de linfoma de Dalton e tratados com o extrato vegetal, com posterior análise da citotoxicidade (MTT e TNF), níveis nitrito (ELISA), expressão de iNOS (PCR), capacidade de apresentação de antígeno (adjuvante completo de Freund e hemocianina), níveis de IL-1 e arginase, fagocitose (presença de levedura) e fragilidade osmótica.

 

In vivo:

Em camundongos BALB/c transplantados com células de linfoma de Dalton, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise do tempo médio de sobrevivência.

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade antitumoral, por ativação de macrófagos associados ao tumor.

[ 45 ]
Caule

Extrato: 4 kg do material (pó) em etanol absoluto. Frações: éter de petróleo, diclorometano, n-butanol e água. Concentrações para ensaio: 25 a 200 μg/mL.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação dos radicais DPPH, ABTS e NO, atividade quelante de íons de ferro e redução do fosfomolibdênio.

Em cultura de células de câncer cervical humano (HeLa), incubadas com o extrato e frações vegetais, com posterior análise da viabilidade celular (MTT e SRB).

 

A fração de diclorometano de T. cordifolia apresenta atividade antiproliferativa mais potente, em seguida, o extrato etanólico.

[ 13 ]
Caule

Extrato: 20 kg do material vegetal (pó) em 5 L de éter de petróleo, clorofórmio e diclorometano, seguidamente. Rendimento: 1,2% (p/p). Concentrações para ensaio: 0 a 4 µg/mL.

In vitro:

Em cultura de células HeLa S3 expostas a radiação gama (0 a 4 Gγ), pré-incubadas com o extrato vegetal de diclorometano, com posterior análise da viabilidade celular (teste Pratt e Willis e ensaio clonogênico) e parâmetros bioquímicos (LDH, TBARS e GST).

 

A associação do extrato de diclorometano de T. cordifolia e radiação gama apresenta atividade citotóxica promissora, principalmente na concentração de 4 µg/mL após radiação de 4 Gγ.

[ 81 ]
-

Extrato: 1 g do material vegetal (pó) em etanol a 70%. Concentração para ensaio (in vitro): 0 a 400 µg/mL. Dose para ensaio (in vivo): 200 mg/kg.

In vitro:

Em cultura de timócitos de camundongos portadores de tumor, estimulados com concanavalina A, incubados com o extrato vegetal, com posterior análise da proliferação celular (ensaio MTT).

 

In vivo:

Em camundongos BALB/c transplantados com células de linfoma de Dalton, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise morfológica dos timócitos apoptóticos (microscopia óptica), níveis de IL-2, IL-4, IL-10 e IFN-γ (ELISA) e parâmetros histológicos do timo (microscopia óptica).

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade antitumoral, prolongando a sobrevivência dos portadores tumorais (restaura a homeostase do timo e regula negativamente a apoptose dos timócitos).

[ 83 ]
Caule

Extrato etanólico a 50 %. Concentração para ensaio: 10 a 1000 µg/mL.

In vitro:

Em cultura de células de glioma de rato (C6), glioma humano (U87MG), de câncer de próstata (PC3) e câncer cervical (HeLa), incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise de citotoxicidade (MTT), morfologia celular e nuclear (DAPI), diferenciação celular, expressão de NCAM, GFAP, HSP70, bcl-xl, mortalina e ciclina D (imunocoloração e Western blotting) e de mRNA (RT-PCR), apoptose (Anexina-V-FITC), ciclo celular (fluorescência), migração celular (cicatrização de feridas)  e atividade de MMP (zimografia).

 

O extrato T. cordifolia apresenta atividade antitumoral, principalmente nas concentrações de 250 e 350 µg/mL.

[ 55 ]
Caule

Extrato: percolação de 10 kg do material vegetal (pó) em metanol. Frações: hexano, clorofórmio, acetato de etila e metanol. Doses para ensaio: 0 a 400 mg/mL.

In vitro:

Em cultura de células de câncer de mama (MDAMB-231 e MCF-7) incubadas com a fração vegetal de clorofórmio, com posterior análise da formação de colônias (corante Coomassie), parâmetros morfológicos (Hoechst 33342), nível de espécies reativas ao oxigênio intracelular (microscopia de fluorescência), expressão de p21, p53, Bax, Bcl2, Bad, c-myc, PARP e Caspase-3 (PCR semiquantitativo e Western blotting).

 

A fração butanólica de T. cordifolia apresenta atividade antitumoral, pois aumenta os níveis de ERO's, reduz a formação de colônias e induz a apoptose.

[ 58 ]
Caule

Fitoterápico HC9: associação dos extratos etanólicos de Tinospora cordifolia, Picrorhiza kurroa, Cyperus rotundus, Zingiber officinale, Cedrus deodara, Holarrhena antidysenterica, Swertia chirata, Cissampelos pareira e Hemidesmus indicus (1:1). Concentrações para ensaio: 0 a 640 μg/mL.

In vitro:

Em cultura de células humanas de câncer de mama (MCF-7 e MDA-MB-231) e epiteliais de mama normais (MCF-10A) incubadas com o fitoterápico, com posterior análise da viabilidade e crescimento celular (MTT e azul de tripano), teste de formação de colônias, cicatrização de feridas e migração celular (microscopia), ciclo celular (citometria de fluxo), expressão do gene HIF-1α (RT-PCR) e de proteínas MMP-2 e 9, CDP/Cux, p21, Rb, VEGF, NF-kB e COX-2 (Zimografia e Western blotting).

 

O fitoterápico HC9 apresenta atividade antitumoral, demonstrando seletividade para células cancerígenas, principalmente para MCF-7 (CI50 = 150,29 μg/mL).

[ 90 ]

Cardioprotetora

Cardioprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule

Extrato: material vegetal (pó) em éter de petróleo, seguidamente, em metanol. Dose para ensaio: 100 mg/kg.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação do radical DPPH e redução do íon férrico (FRAP).

 

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de lesões cardíacas induzidas por cádmio, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de marcadores cardíacos (CK e LDH), níveis de peroxidação lipídica, proteína carbonila, glicoproteínas teciduais, GSH, SOD, CAT, GPx, GST, atividade de ATPases e parâmetros histopatológicos.

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade cardioprotetora promissora.

[ 5 ]
Planta toda

Extrato alcoólico. RDE: 4,57:1. Doses para ensaio: 250 a 1000 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley portadores de lesões do miocárdio induzidas por isquemia-reperfusão, pré-tratados com o extrato vegetal, com posterior análise do tamanho do infarto, frequência cardíaca e parâmetros bioquímicos (peroxidação lipídica).

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade cardioprotetora, dose dependente.

[ 79 ]

Estimuladora da fagocitose

Estimuladora da fagocitose
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato: material vegetal em 200 mL metanol. Concentração para ensaio: 80 µg/mL.

In vitro:

Em cultura de macrófagos (J774A1) incubados com o extrato vegetal, submetidos aos testes de fagocitose (na presença de leveduras ou células de Escherichia coli), pinocitose (na presença de peroxidase de rábano) e hemólise.

Em células (RBC), incubadas com extratos vegetal, para avaliar citotoxicidade.

 

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade estimuladora de macrófagos (fagocitose).

[ 35 ]

Hepatoprotetora

Hepatoprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule

Comprimido: contendo o extrato vegetal puro. Dose para ensaio: 100 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos BALB/c infectados com Leishmania donovani (promastigota), tratados com o extrato vegetal associado ou não com cisplatina, com posterior análise da taxa parasitária, hipersensibilidade de tipo retardado, níveis séricos de isótopos específicos IgG1, IgG2a, IFN-c, IL-2, IL-4 e IL-10 (ELISA), imunofenotipagem (citometria de fluxo), função hepática e renal (SGOT, SGPT, APL, BUN, bilirrubina, ureia, creatinina, ácido úrico e eletrólitos) e parâmetros histopatológicos.

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade hepatoprotetora, reduzindo os efeitos adversos da cisplatina.

[ 8 ]
Caule

Extrato: material vegetal (pó) em 40 mL de água. Dose para ensaio: 100 mg/kg. Outra espécie em estudo: Phyllanthus emblica.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de lesões hepáticas induzidas por drogas antituberculosas (isoniazida, rifampicina e pirazinamida), tratados com os extratos vegetais, com posterior análise de parâmetros bioquímicos e histopatológicos.

Os extratos de T. cordifolia e P. emblica apresentam atividade hepatoprotetora, principalmente em associação (100 e 300 mg/kg, respectivamente).

[ 47 ]
-

Fitoterápico (HP-1): associação de Tinospora cordifolia, Terminalia belerica, T. chebula, Phyllanthus emblica e P. niruri (3:2:1:1:3 p/p). Concentrações para ensaio (in vitro): 5 a 90 µg/mL. Dose para ensaio (in vivo): 10 a 90 µg/mL.

In vitro:

Em cultura de hepatócitos incubadas com tetracloreto de carbono (CCl4) e fitoterápico, com posterior análise da viabilidade celular (azul de tripano), níveis de GSH, LDH, GPT e ânion superóxido.

 

In vivo:

Em ratos Charles Foster portadores de hepatotoxicidade induzida por tetracloreto de carbono, tratados com o fitoterápico, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (LDH, SGOT, SGPT, LPO, MDA, SOD e proteína).

O fitoterápico apresenta atividade hepatoprotetora, devido a ação antioxidante potente.

[ 86 ]

Hepatoprotetora e Imunoestimulante

Hepatoprotetora e Imunoestimulante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Raiz aérea

Pó: padronizado com tinocordina. Dose para ensaio: 200 mg/kg. Outras espécies em estudo: Curcuma longaOcimum sanctum Zizyphus mauritiana.

In vivo:

Em cobaias Duncan Hartley portadoras de hepatotoxicidade induzida por isoniazida, rifampicina e pirazinamida (AKT), tratados com os extratos vegetais, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (AST, ALT, LDH, ALP e bilirrubina), imunológicos em células polimorfonucleares (ensaio fagocítico) e histológicos hepáticos (microscopia ótica).

Os extratos de T. cordifolia, C. longa e Z. mauritiana apresentam atividades hepatoprotetora e imunoestimulante mais potentes.

[ 95 ]

Hepatoprotetora e Imunomoduladora

Hepatoprotetora e Imunomoduladora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule

Extrato aquoso (sedimentado). Dose para ensaio: 100 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de lesões hepáticas induzidas por tetracloreto de carbono (CCl4), tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (SGOT, SGPT, ALP e bilirrubina) e dos macrófagos peritoneais (fagocitose, migração e adesão celular, e níveis de MPO).

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade hepatoprotetora e imunomoduladora, reduzindo os danos provenientes da intoxicação por CCl4.

[ 39 ]

Hepatoprotetora e Renoprotetora

Hepatoprotetora e Renoprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule

Extrato: maceração do material vegetal (pó) em etanol absoluto. Dose para ensaio: 400 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Charles Foster, portadores de toxicidade hepatorrenal induzida por arsênio, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros hematológicos (RBC, HGB, HCT, HCM, VCM, PLT e leucócitos), bioquímicos (SGPT, SGOT, ALP, bilirrubina, ureia, creatinina e ácido úrico), histopatológicos (hepático e renal), nível de peroxidação lipídica e de arsênio (sangue e tecidos).

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade hepatoprotetora e renoprotetora contra a intoxicação por arsênio.

[ 40 ]

Hipoglicemiante

Hipoglicemiante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule

Extrato: 75 g do material vegetal (seco) em 450 mL de etanol a 95%. Rendimento: 18,53%. Dose para ensaio: 250 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Charles Foster portadores de diabetes induzido por aloxana, tratados com os extratos vegetais, com posterior análise da glicemia.

Neste estudo, das 30 espécies vegetais, Coccinia indica, Tragia involucrata, Gymnema sylvestre, Pterocarpus marsupium, Trigonella foenum-graecum, Moringa oleifera, Eugenia jambolana e Tinospora cordifolia, apresentam atividade hipoglicemiante mais potente.

[ 102 ]
-

G-400: associação de Salacia oblonga (30%), 10% Tinospora cordifolia (10%), Emblica officinalis (10%), Curcuma longa (10%) e Gymnema sylvestre (40%). Dose para ensaio: 100 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de diabetes induzido por estreptozotocina, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise dos níveis de glicemia, insulina e teste oral de tolerância à glicose.

O fitoterápico em estudo apresenta atividade hipoglicemiante promissora.

[ 1 ]
-

Fitoterápico (Ilogen-Excel): associação de Curcuma longa, Strychnos potatorum, Salacia oblonga, Tinospora cordifolia, Vetivelia zizanioides, Coscinium fenestratum, Andrographis paniculata e Mimosa pudica. Doses para ensaio: 50 e 100 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de diabetes induzido por estreptozotocina, tratados com o fitoterápico, com posterior análise de parâmetros bioquímicos plasmático e em homogenato renal e hepático (glicose, hemoglobina, insulina, glicogênio hepático, hexoquinase, glicose-6-fosfatase, frutose-1,6 bifosfatase, hidroperóxidos lipídicos, vitamina C e E, ceruloplasmina, proteínas, GSH e TBARS).

O fitoterápico apresenta atividade hipoglicemiante, principalmente na dose de 100 mg/kg.

[ 103 ]
Caule

Extrato: decocção do material vegetal (pó) em água. Rendimento: 20%. Concentrações para ensaio (in vitro) 100 a 1000 μg/mL. Doses para ensaio (in vivo): 200 a 1000 mg/kg.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação dos radicais DPPH, TBARS e NO e a atividade da enzima dipeptidil peptidase (DPP)-IV e da proteína tirosina fosfatase (PTP)-1B.

Em cultura de células secretoras de insulina (RIN-m5f) estimuladas com IL-1β e IFN-γ, incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise da viabilidade celular, níveis de NO e insulina (MTT e ELISA).

Em adipócitos 3T3-L1 incubados com o extrato vegetal, com posterior análise da diferenciação celular, captação de glicose e translocação de GLUT4 (fluorescência e Western blotting).

 

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de diabetes induzido por estreptozotocina, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise dos níveis de glicose, glicogênio hepático, TBARS, triglicerídeos, colesterol, insulina, óxido nítrico e atividade da enzima DPP-IV.

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade hipoglicemiante, devido a ação citoprotetora (RIN-m5f) e aumento da captação de glicose nos adipócitos.

[ 14 ]
Caule

Extrato: maceração do material vegetal (pó) em água. Dose para ensaio: 400 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de diabetes induzido por dieta rica em frutose, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (glicose, insulina e triglicerídeos), níveis de peroxidação lipídica, proteínas, GSH, SOD, CAT, GPx, GST e GR em homogenato hepático.

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade hipoglicemiante, pois reduz a resistência à insulina, bem como estresse oxidativo.

[ 50 ]
Caule

Extrato: material vegetal (pó) em éter de petróleo, seguidamente, a extração com etanol/água (70:30). Doses para ensaio: 100 e 200 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley portadores de diabetes induzido por dieta hiperlipídica e estreptozotocina, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (glicemia em jejum e insulina plasmática), marcadores de estresse oxidativo em homogenato hepático (TBARS, GSH, SOD e GPx), expressão de tioredoxina e glutaredoxina (RT-PCR), atividade enzimática (glicose 6-fosfatase e frutose 1,6-difosfatase) e quantificação e visualização de glicogênio.

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade hipoglicemiante, pois promove a secreção de insulina e inibe a gliconeogênese e a glicogenólise.

[ 16 ]
Caule

Extrato hidroalcoólico. Concentrações para ensaio: 10 a 200 μg/mL. Outras espécies em estudo: Phyllanthus emblica e Curcuma longa.

In vitro:

Em cultura de fibroblastos (3T3-L1) diferenciados em adipócitos após exposição a insulina, incubados com os extratos vegetais, com posterior análise de captação de glicose.

 

Os extratos de P. emblica e T. cordifolia apresentam atividade hipoglicemiante mais potente (aumentam a captação de glicose), contudo, na presença da insulina observa-se redução na absorção de glicose (interação droga-planta).

[ 84 ]
-

Extratos: alcoólico e aquoso. Doses para ensaio: 100 a 400 mg/kg. Outra espécie em estudo: Eugenia jambolana.

In vivo:

Em ratos Wistar e camundongos albinos portadores de diabetes (leve a grave) induzido por aloxana e estreptozotocina, tratados com os extratos vegetais, com posterior análise de parâmetros hematológicos, bioquímicos (glicose, glicose 6-fosfato, glucoquinase, hexoquinase e fosfofrutoquinase hepáticas) e nível de glicogênio no fígado, cérebro, coração e musculo esquelético.

Os extratos de T. cordifolia e E. jambolana apresentam atividade hipoglicemiante, sendo este último mais potente, principalmente, em casos leves a moderados e não dependentes de insulina.

[ 52 ]
Caule

Extrato: material vegetal (pó) em éter de petróleo, seguidamente, a extração em etanol a 70%. Concentração para ensaio: 10 g/mL.

In vitro:

Em miócitos diferenciados (células L6), na presença ou ausência de HNMPA-(AM)3 (inibidor da tirosina quinase do receptor de insulina), wortmanina (inibidor da fosfatidilinositol 3-quinase) e citocalasina (inibidor do transporte de glicose-4), incubados com o extrato vegetal, com posterior análise da expressão genética (qPCR).

 

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade hipoglicemiante, através da via dependente de insulina e regulação positiva da expressão de Glut-4 e PPAR.

[ 20 ]
Caule

Extrato: 100 g do material vegetal (pó) em clorofórmio. Doses para ensaio:  250 e 500 mg/kg. Rendimento: 9,69%. Outras espécies em estudo: Acacia arabica, Benincasa hispida, Ocimum sanctum e Jatropha curcus.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores diabetes induzido por aloxana, tratados com os extratos vegetais, com posterior análise parâmetros bioquímicos (glicose, colesterol, triglicerídeos, HDL e LDL).

Os extratos vegetais em estudo apresentam atividade hipoglicemiante promissora.

[ 89 ]
Folha

Extratos: aquoso, alcoólico e clorofórmico. Doses para ensaio: 50 a 200 mg/kg.

In vivo:

Em coelhos portadores de diabetes induzido por aloxana, tratados com os extratos vegetais, com posterior análise dos níveis de glicose e lipídios totais.

Os extratos de T. cordifolia apresentam atividade hipoglicemiante, contudo, não há alteração dos níveis lipídicos.

[ 27 ]

Hipoglicemiante (retinopatia diabética)

Hipoglicemiante (retinopatia diabética)
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule

Extrato metanólico. Dose para ensaio: 250 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de diabetes induzido por estreptozotocina, tratados com extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros glicêmicos (glicemia e HbA1c), angiogênicos (VEGF e PKC-β1), anti-inflamatórios (TNF-α e IL-1β), antioxidantes (GSH e CAT), histopatológicos e imuno-histoquímicos (retina, pâncreas, coração, fígado e rim).

O extrato de T. cordifolia apresenta resultados promissores para o tratamento de complicações vasculares do diabetes, como por exemplo a retinopatia diabética.

[ 37 ]

Hipoglicemiante e Hipolipemiante

Hipoglicemiante e Hipolipemiante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Raiz

Extrato: 100 g de material vegetal (pó) em 400 mL de água. Rendimento: 2,3% (p/p). Doses para ensaio: 2,5 a 7,5 g/kg.

In vivo:

Em ratos albinos portadores de diabetes induzido por aloxana, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos no sangue, tecido cerebral e hepático (glicose, hemoglobina, colesterol, fosfolipídios, ácidos graxos, FA, ALP e LDH).

O extrato de T. cordifolia apresenta atividades hipoglicemiante e hipolipemiante (cerebral), além da ação hepatoprotetora.

[ 36 ]
Raiz

Extrato alcoólico. Doses para ensaio: 25 a 100 mg/kg.

In vivo:

Em ratos albinos Wistar portadores de diabetes induzido por aloxana, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (glicemia, hemoglobina, colesterol, fosfolipídios e ácidos graxos).

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade hipoglicemiante e hipolipemiante, principalmente na dose de 100 mg/kg.

[ 44 ]
Caule

Extrato aquoso. Dose para ensaio: 200 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de hiperlipidemia e resistência à insulina induzidos por dieta rica em gordura e açúcar, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (glicose, insulina, colesterol, triglicerídeos, LDL, VLDL, HDL e índice aterogênico) e histopatológicos (aorta abdominal e coração), nível de estresse oxidativo (MDA e CAT) e taxa de esvaziamento gástrico.

O extrato de T. cordifolia apresenta efetividade no tratamento das doenças cardiovasculares, especialmente, a hiperlipidemia e a resistência à insulina.

[ 88 ]
Caule

Extrato liofilizado. Nanopartícula de poli (D, L-lactídeo): contendo extrato vegetal. Concentrações para ensaio: 7,8 a 1000 µg/mL. Doses para ensaio: 5 e 10 mg/kg

In vitro:

Em cultura de glóbulos vermelhos incubados com as nanopartículas contendo o extrato vegetal, com posterior análise de hemólise.

Em cultura de células RIN5F incubadas com as nanopartículas contendo o extrato vegetal, para determinar viabilidade celular (MTT).

 

In vivo:

Em ratas Wistar portadoras de diabetes tipo 2 induzido por estreptozotocina, tratadas com as nanopartículas contendo o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (AST, ALT, HDL, LDL, TGs, CAT, SOD, GPx e LPx) e histopatológico (hepático).

As nanopartículas contendo o extrato de T. cordifolia apresentam atividades hipoglicemiante e hipolipemiante.

[ 62 ]
Caule

Extrato: maceração do material vegetal (pó) em água. RDE: 10:1. Dose para ensaio: 400 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar suplementados com dieta rica em frutose, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (insulina, glicose, ácidos graxos livres, fosfolipídios, colesterol e lipídeos totais, triglicerídeos, glicogênio e proteínas) e enzimáticos (hexoquinase, fosfofrutoquinase, piruvato quinase, glicose-6-fosfatase, frutose-1,6-bifosfatase, glicogênio fosforilase, glicose-6-fosfato desidrogenase, frutoquinase e málica).

O extrato de T. cordifolia reduz a resistência à insulina, além de melhorar o metabolismo de carboidratos e lipídeos.

[ 31 ]
Raiz

Extrato: 100 g do material vegetal (pó) em 400 mL de água. Doses para ensaio: 2,5 a 7,5 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de diabetes induzido por aloxana, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (colesterol, fosfolipídios, ácidos graxos livres e glicemia) e histopatológicos (rim, fígado e coração).

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade hipolipemiante, principalmente na dose de 5 mg/kg, e hipoglicemiante, nas doses de 2,5 e 5,0 mg/kg.

[ 66 ]

Hipoglicemiante e Neuroprotetora

Hipoglicemiante e Neuroprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule (casca)

Extrato aquoso. Concentrações para ensaio (in vitro): 5 a 200 mcg/mL. Doses para ensaio (in vivo): 100 a 400mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de neuropatia diabética induzida por estreptozotocina, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise da glicemia, peso corporal e teste de movimento de cauda.

O extrato de T. cordifolia apresenta resultados promissora no tratamento da neuropatia diabética, principalmente, devido a atividade inibitória da enzima aldose redutase (CI50 = 103 mcg/mL).

[ 48 ]

Hipoglicemiante e Renoprotetora

Hipoglicemiante e Renoprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule

Extrato: percolação de 500 g do material vegetal (pó) em etanol a 70%. Rendimento: 12,96%. Concentrações para ensaio (in vitro): 6,25 a 800 µg/mL. Doses para ensaio (in vivo): 50 a 200 mg/kg.

In vitro:

Em culturas de células renais epitelial de rato (NRK-52E) e mesangial (SV40 MES13), expostas a toxicidade por glicose alta (HG), incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise da viabilidade celular (ensaio MTT), ciclo celular (citometria de fluxo) e expressão de TGF-β, αSMA e PPARγ (imuno-histoquímica).

 

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de diabetes induzido por estreptozotocina, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (glicose, ureia, creatinina e micro albumina), histológicos renais, expressão de TNF-α, IL-6, produtos finais de glicação avançada (ELISA), NF-κB, MCP-1 e P-selectina (ELISA e qRT-PCR).

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade hipoglicemiante e renoprotetora, devido as ações anti-inflamatória e antifibrinogênica, mediadas pela regulação positiva da via PPARγ.

[ 2 ]

Imunoestimulante

Imunoestimulante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule

Extrato: material vegetal (pó) em água ou metanol. Concentrações para ensaio: 25 a 100 µg/poço. Concentrações para ensaio (in vitro): 100 µg/poço; 0 a 500 µg/mL. Doses para ensaio (in vivo): 50 e 100 mg/kg.

In vitro:

Em culturas de Salmonella typhimurium submetidas ao teste de disco-difusão e diluição em ágar, para determinar o halo de inibição e a concentração inibitória mínima (CIM), respectivamente.

Em culturas de macrófagos murinos (J774) infectados com S. typhimurium, incubadas com os extratos vegetais, com posterior análise dos níveis de IFN-γ, TNF-α e IL-1β (ELISA).

 

In vivo:

Em camundongos BALB/c infectados por S. typomurium, tratados com extratos os vegetais, com posterior análise da carga bacteriana no baço, taxa de sobrevivência, parâmetros bioquímicos em homogenato do baço (SOD, CAT, AST e ALT).

O extrato metanólico de T. cordifolia apresenta atividades imunoestimulante, antimicrobiana, hepatoprotetora e antioxidante mais potentes.

[ 4 ]

Imunomoduladora

Imunomoduladora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule

Extrato: maceração de 100 g do material vegetal (pó) em 1 L de água. Doses para ensaio: 40 e 150 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss portadores de hepatotoxicidade induzida por tetracloreto de carbono (CCl4), tratados com o extrato vegetal, com posterior análise dos macrófagos peritoneais (parâmetros morfológicos, adesão, fagocitose, níveis de mieloperoxidase e óxido nítrico, fragmentação do DNA e morte celular).

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade imunomoduladora.

[ 65 ]

Inibidora enzimática (AChE)

Inibidora enzimática (AChE)
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule

Extrato: 20 g do material vegetal (pó) em 200 mL de água, metanol e hidrometanólico (1:1). Outras espécies em estudo: Bacopa monnieri, Withania somnifera, Convolvulus pluricaulis e Celastrus paniculatus.

In vitro:

Determinar a atividade inibitória da enzima acetilcolinesterase.

 

In vivo:

Determinar a atividade inibitória da enzima acetilcolinesterase.

O extrato metanólico de T. cordifolia apresenta atividade inibitória da enzima acetilcolinesterase mais potente (CI50 = 202,64 µg/mL).

[ 87 ]

Inibidora enzimática (α-glucosidase)

Inibidora enzimática (α-glucosidase)
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule

Extrato: 20 g do material vegetal (pó) em 100 mL de hexano, clorofórmio, acetato de etila e diclorometano. Concentrações para ensaio (in vitro): 1 a 5 mg (extrato diclorometano). Doses para ensaio (in vivo): 15 mg/mL e 300 mg/kg.

In vitro:

Determinar a atividade da inibitória da enzima α-glucosidase isolada do intestino delgado de rato.

 

In vivo:

Em ratos albinos portadores de diabetes induzido por aloxana, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise do teste de tolerância a glicose (maltose), níveis glicêmicos, atividade de α-glucosidase intestinal, amilase pancreática e salivar.

O extrato de diclorometano de T. cordifolia apresenta atividade inibitória da enzima α-glucosidase mais potente.

[ 63 ]

Nefroprotetora

Nefroprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule

Nanopartícula: contendo 50 mg de ácido polilático e 5 mg de extrato seco vegetal. Dose para ensaio: 10 mg/kg.

In vitro:

Em ratos Wistar portadores de nefropatia diabética induzida por estreptozotocina, tratados com as nanopartículas contendo o extrato vegetal, com posterior análise de peso corporal, parâmetros funcionais e bioquímicos (volume de urina, proteína total, albumina, ureia, creatinina, BUN, TNF-α e IL-6), expressão de genes (TGF-β1, colágeno tipo 1, VEGF, AGER e EGR-1) e histopatológicos.

 

As nanopartículas de T. cordifolia apresenta atividade nefroprotetora, pois reduz a glicemia, e outras complicações do diabetes.

[ 64 ]

Neuroprotetora

Neuroprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule

Extrato: 50 g do material vegetal (pó) em 500 mL de água. Doses para ensaio: 100 a 400 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss portadores de doença neurodegenerativa induzida por MPTP (modelo parkinsoniano), pré-tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros comportamentais (teste de rota-rod, suspensão e caminhada em viga estreita), bioquímicos (LPO, GSH, SOD e CAT), expressão de TH, NK-kB, TNF-α, IL-1β, IL-10, IL-12, (Western blotting e qRT-PCR) e imuno-histoquímicos (TH, Iba-1, GFAP, TNF-α e IL-12) do tecido cerebral.

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade neuroprotetora, devido as ações antioxidante e anti-inflamatória.

[ 38 ]
Caule

Extrato: percolação de 1,5 kg do material vegetal (pó) em etanol a 50%. Rendimento: 220 g. Frações: n-hexano, clorofórmio, acetato de etila e n-butanol. Rendimentos: 1,17, 10, 12 e 56,2 g, respectivamente. Concentrações para ensaio: 10 e 20 µg/mL.

In vitro:

Em cultura de células neuronais cerebelares primárias isoladas de ratos Wistar, submetidas a excitotoxicidade induzida por glutamato, pré-tratadas com a fração de butanol, com posterior análise de parâmetros morfológicos (celular e nuclear), expressão de α-tubulina, NF-κB, MAP-2, NF200, GAP-43, HSP70, mortalina, Bcl-xL, ciclina D1, NCAM, PSA-NCAM, AP-1, PCNA, TNF-α, IL-1β, IL-6 e MPP-2 e 9 (RT-PCR, imunocoloração, Western blotting, ELISA e zimografia) e ensaio de cicatrização de feridas

 

A fração butanólica de T. cordifolia apresenta atividade neuroprotetora, sendo promissor para o tratamento de doenças neurovegetativas

[ 41 ]
-

Concentração para ensaio: 2 mg/mL. Outras espécies em estudo: Rubia cordifolia e Fagonia cretica.

In vitro:

Em fatias do hipocampo isoladas do cérebro de ratos Wistar, submetidas a isquemia (privação oxigênio-glicose), incubadas com extratos vegetais, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (GSH, iNOS, TBARS, óxido nítrico e proteínas), níveis de radicais livres (Ressonância Paramagnética Eletrônica) e expressão de iNOS, GCLC e GAPDH (RT-PCR).

 

Os extratos vegetais em estudo apresentam atividade neuroprotetora, pois atenuam o estresse oxidativo, sendo promissores na redução de danos cerebrais isquêmicos.

[ 42 ]
Caule

Extrato: material vegetal (pó) em etanol a 50%. Dose para ensaio (in vivo): 140 mg/kg.

In vivo:

Em ratas Wistar submetidas a privação de sono, tratadas com o extrato vegetal, com posterior análise dos testes de labirinto de cruz elevado, reconhecimento de objetos, comportamento de higiene, rota rod, parâmetros microscópicos (imuno-histoquímica) e expressão de proteínas (Imunoblotting) no tecido cerebral.

O extrato de T. cordifolia reduz o estresse oxidativo, melhorando as funções cognitivas em animais expostos a privação de sono.

[ 11 ]
Caule

Extrato: percolação de 1 kg de material vegetal (pó) em etanol a 50%. Rendimento: 108 g. Frações: n-hexano, clorofórmio, acetato de etila e n-butanol. Rendimentos: 0,245, 2,23, 3,833 e 13,25 g, respectivamente. Dose para ensaio: 35 mg/kg.

In vivo:

Em ratas Wistar submetidas a privação de sono, pré-tratadas com a fração vegetal de butanol, com posterior análise dos testes de reconhecimento de objeto, rota-rod e expressão de proteínas (Western blotting) no hipocampo e córtex piriforme.

A fração de butanol de T. cordifolia apresenta atividade neuroprotetora, pois melhora as deficiências cognitivas e neuromusculares, provenientes da privação de sono.

[ 12 ]
Parte aérea

Extrato: percolação do material vegetal (seco) em etanol a 70%. Rendimento: 17% (p/p). Doses para ensaio: 200 e 400 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de parkinsonismo induzido por cirurgia estereotáxica (6-OHDA), tratados com o extrato vegetal, submetidos aos testes rota-rod e de catatonia, parâmetros bioquímicos cerebrais (dopamina, estresse oxidativo, atividade de ubiquinona oxidorredutase-complexo I e a razão assimétrica de ferro cerebral).

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade neuroprotetora, pois reduz o estresse oxidativo e o acúmulo de ferro.

[ 51 ]
Caule

Extrato: material vegetal em etanol a 50%. Frações: hexano, clorofórmio, acetato de etila e butanol. Concentração para ensaio: 20 µg/mL. Dose para ensaio: 35 mg/kg.

In vitro:

Em culturas neuronais primárias (hipocampal e cerebelar) de ratos Wistar, submetidas a excitotoxicidade induzida por glutamato, incubadas com fração vegetal de butanol, com posterior análise da expressão de α-tubulina, MAP-2, ciclina D1, Bcl-xl, AP-1 e PSA-NCAM (imunocoloração), distribuição mitocondrial (coloração Mitotracker) e a migração celular (teste de arranhões de feridas).

 

In vivo:

Em ratas Wistar portadoras de neurotoxicidade (excitotoxicidade) induzida por glutamato, pré-tratados com a fração de butanol, com posterior análise dos testes de reconhecimento de objetos novos, labirinto de cruz elevado, rota-rod, expressão de genes e proteínas na região do hipocampo (Imuno-histoquímica, Western blotting, RT-PCR e ELISA).

A fração de butanol de T cordifolia apresenta atividade neuroprotetora, através da ativação das vias NMDAR, ERK e PI3K/AKt (plasticidade sináptica e sobrevivência celular).

[ 57 ]
-

Extrato. Concentração para ensaio: 2 mg/mL. Outras espécies em estudo: Rubia cordifolia e Fagonia cretica.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante em relação aos radicais O2-, OH, NO e ONOO, por ressonância paramagnética eletrônica

Em fragmentos do hipocampo de ratos Wistar, submetidos a privação de oxigênio-glicose (isquemia hipóxica), incubados com os extratos vegetais, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (Cu-Zn SOD, GSH, GPx, NO e proteína) e expressão de expressão GCLC, iNOS e Cu-Zn SOD (RT-PCR).

 

Os extratos de T. cordifolia, R. cordifolia e F. cretica apresentam atividade neuroprotetora, sendo promissora contra danos cerebrais isquêmicos.

[ 26 ]
Caule

Extrato: 200 mg do material vegetal (pó) em 1000 mL de etanol/água (70:30).

In vivo:

Em camundongos Swiss portadores de parkinsonismo induzido por rotenona, pré-tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de testes comportamentais, expressão e quantificação de proteínas em homogenato do mesencéfalo (qRT-PCR e proteômica) e análise de bioinformática

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade neuroprotetora, pois regula várias vias de sinalização, protege os neurônios dopaminérgicos e restaura a função mitocondrial.

[ 60 ]

Osteoprotetora

Osteoprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Parte aérea

Extrato etanólico. Rendimento: 10%. Concentrações para ensaio (in vitro): 12,5 a 100 µg/mL. Doses para ensaio (in vivo): 50 a 100 mg/kg.

In vitro:

Em cultura de células semelhante a osteoblastos humanos (MG-63), de células osteoblásticas primarias isoladas de fêmur de rato e macrófagos murinos (RAW 264.7) submetidos a diferenciação em osteoclastos, incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise da viabilidade e proliferação celular (MTT e BrdU) e expressão de colágeno tipo 1, fosfatase alcalina, sialoproteína óssea, osteopontina, osteonectina, osteomodulina e osteocalcina (RT-PCR)

 

In vivo:

Em ratas Sprague-Dawley ovariectomizadas, pré e pós-tratadas com o extrato vegetal, com posterior análise do peso uterino, parâmetros radiológicos, histomorfométricos, bioquímicos, expressão de osteocalcina (marcador de osteoblastos) e TRAP (marcador de osteoclastos) e nível de colágeno.

O extrato de T. cordifolia apresenta efetividade no tratamento de fraturas e doenças ósseas, relacionadas ou não a deficiência de estrogênio.

[ 23 ]
Parte aérea

Extrato etanólico. Rendimento: 10%.

In vitro:

Em cultura de células semelhantes aos osteoblastos humanos (MG-63) e de osteoblastos isolados do fêmur de ratos Sprague-Dawley, incubados com o extrato vegetal, com posterior análise da viabilidade e citotoxicidade, proliferação celular, atividade da fosfatase alcalina, mineralização da matriz, parâmetros microscópicos, mutagenicidade.

 

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade antiosteoporótica, principalmente na concentração de 25 µg/mL.

[ 25 ]

Ovário policístico

Ovário policístico
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule e folha

Extrato (rotaevaporado): 1 kg do material vegetal (pó, caule) em etanol a 70%.

Extrato (liofilizado): maceração do material vegetal (fresco) em água.

Óleo essencial: 100 g de material vegetal (fresco, folha), por hidrodestilação.

Doses para ensaio: 200 e 400 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss (fêmeas) portadoras de síndrome do ovário policístico (SOP) induzida por desidroepiandrosterona, pré-tratadas com os extratos e óleo vegetais, com posterior análise do ciclo estral, peso corporal, parâmetros bioquímicos (glicose, insulina, testosterona, progesterona, estradiol, colesterol, triglicerídeos, LH e FSH) e histológicos.

O extrato aquoso e o óleo essencial de T. cordifolia apresentam resultados promissões na redução dos sintomas relacionados a síndrome do ovário policístico.

[ 34 ]

Preventiva da perda óssea

Preventiva da perda óssea
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule

Extrato: 500 g do material vegetal (pó) em etanol a 50%. Doses para ensaio (in vivo): 10 a 100 mg/kg.

In vivo:

Em ratas Sprague-Dawley portadoras de perda óssea induzida por ovariectomia, tratadas com o extrato vegetal, com posterior análise da densidade óssea mineral (tíbia), parâmetros bioquímicos (osteocalcina, fosfatase alcalina e perfil lipídico) e histológicos (útero e glândula mamária).

O extrato de T. cordifolia apresenta resultado promissor na redução da perda óssea pós-menopausa, semelhante ao estrogênio.

[ 68 ]

Radioprotetora

Radioprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule

Extrato: material vegetal (seco) em etanol/água (50:50 v/v). Doses para ensaio (in vivo): 150 a 250 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss expostos a radiação gama (10 Gy) em todo o corpo, pré-tratados com o extrato vegetal, com posterior análise da taxa de sobrevivência, peso corporal, colônias macroscópicas no baço, parâmetros hematológicos, ciclo celular e micronúcleo.

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade radioprotetora, principalmente na dose de 200 mg/kg.

[ 76 ]
-

Extrato aquoso (pó). Doses para ensaio: 5 a 20 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss expostos a radiação gama (8 Gγ, cobalto 60) em todo o corpo, pré-tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de enjoos provenientes da radiação, mortalidade, toxicidade e índice de sobrevivência.

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade radioprotetora, principalmente nas doses de 5 e 10 mg/kg.

[ 78 ]
-

Extrato: maceração de 10 g do material vegetal (pó) em 100 mL de metanol a 70%. Rendimento 2,2%. Concentração para ensaio: 1 ng a 1 µg/mL.

In vitro:

Em culturas de PC12 expostas ou não a radiação UV, incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise da viabilidade celular (Azul de tripano) e quantificação de dímeros de ciclobutano pirimidina (ELISA).

 

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade radioprotetora, além da ausência de citotoxicidade.

[ 19 ]
Caule

Extrato hidroalcoólico (50:50 v/v). Concentrações para ensaio (in vitro): 6,25 a 100 µg/mL. Dose para ensaio (in vivo): 200 mg/kg.

In vitro:

Em esplenócitos isolados do baço de camundongos, incubados com o extrato vegetal, com posterior análise proliferação celular (MTT).

 

In vivo:

Em camundongos Swiss expostos a radiação gama (colbato-60), pré-tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de peso do baço; em esplenócitos isolados do baço e macrófagos peritoneais para análise da apoptose (citometria de fluxo), fragmentação do DNA (ELISA), adesão e propagação celular, atividade fagocítica (presença de levedura), níveis de IL-1β e GM-CSF e capacidade redutora de íons férrico plasmático (FRAP).

O extrato de T. cordifolia apresenta atividade radioprotetora promissora, por diversos modo de ação.

[ 32 ]

Redutora da atrofia muscular

Redutora da atrofia muscular
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule

Extrato (4:1 p/v): percolação de 1000 g de material vegetal (pó) em água. Rendimento: 3 g. Concentrações para ensaio (in vitro): 0,005 a 5 mg/mL. Dose para ensaio (in vivo): 200 mg/kg.

In vitro:

Em culturas de mioblastos do músculo esquelético de camundongos (C212), incubados com o extrato vegetal, com posterior análise da viabilidade celular (MTT) e da concentração inibitória média (CI50).

Em culturas de C212 incubados com TNF-γ e extratos vegetais, com posterior análise de da diferenciação celular e atrofia muscular.

Em linfócitos isolados de sangue periférico de humanos saudáveis, incubados com fitohemaglutinina e extrato vegetal, com posterior análise de proliferação celular (MTT).

 

In vivo:

Em camundongos Swiss portadores de atrofia muscular, induzida por desnervação ciática, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros morfológicos e bioquímicos (MPO, CK, CAT, GPx e SOD), nível de glicogênio, atividade proteolítica (zimografia) e expressão de proteínas (imunoblotting) no músculo sóleo.

O extrato de T. cordifolia apresenta resultados promissores na prevenção da atrofia muscular, pois promove a diferenciação miogênica e reduz os efeitos proteolíticos e o estresse oxidativo.

[ 3 ]

Toxicidade aguda

Toxicidade aguda
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Planta toda

Extrato: 10 g do material vegetal (pó) em 400 mL de clorofórmio. Rendimento: 3,85%. Dose para ensaio: 2 g/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar submetidos ao teste de toxicidade aguda.

O extrato clorofórmico de T. cordifolia não apresenta sinais de toxicidade na dose de 2000 mg/kg.

[ 59 ]
Ensaios toxicológicos

Genotoxicidade

Genotoxicidade
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule

Extrato (1:5 p/v): material vegetal (pó) em água. Rendimento: 8%. Concentrações para ensaio (in vitro): 312,5 a 5000 µg/placa; 750 a 3000 µg/mL. Doses para ensaio (in vivo): 150 a 250 mg/kg.

In vitro:

Em cepas de Salmonella typhimurium submetidas ao teste de Ames.

Em linfócitos de sangue periférico humano incubados com o extrato vegetal e ciclofosfamida, com posterior análise de citotoxicidade (aberrações cromossômicas).

 

In vivo:

Em camundongos Balb/c tratados com o extrato vegetal, com posterior análise dos micronúcleos de eritrócitos policromáticos e normocromáticos isolados da medula óssea e teste do Cometa (em amostra de sangue).

O extrato de T. cordifolia não apresenta genotoxicidade, nas concentrações e doses avaliadas neste estudo.

[ 49 ]

Interação medicamentosa

Interação medicamentosa
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Parte aérea

Extrato: 200 g de material vegetal (pó) em 500 mL de etanol a 70%. Rendimento: 11,78% (p/p). Concentrações para ensaio: 1 a 1000 µg/mL.

In vitro:

Em microssomas hepáticos de rato (RLM) incubados com o extrato vegetal, com posterior análise da atividade de CYP450.

Determinar a atividade das enzimas CYP2D6, CYP3A4, CYP2C9 e CYP1A2 de humanos, na presença do extrato vegetal e substratos.

 

O extrato de T. cordifolia não influencia significativamente a atividade de metabolização das isoenzimas CYP3A4, CYP2C9, CYP2D6 e CYP1A2.

[ 24 ]
Caule

Extrato: padronizado com 2,6% de substância amarga. Concentrações para ensaio (in vitro): 0,05 a 5 mg/mL; 0 a 5000 µg/mL. Doses para ensaio (in vivo): 100 e 400 mg/kg.

In vitro:

Determinar a atividade inibitória das isoformas CYP3A4 (testosterona), CYP2C9 (diclofenaco), CYP2C19 (mefenitoína), CYP2D6 (bufuralol) e CYP1A2 (fenacetina) em microssomas hepáticos de ratos, através das concentrações dos substratos 6-β-hidroxitestosterona, 4-hidroxi-diclofenaco, 4-hidroxi-mefenitoína, 1-OH-bufuralol e paracetamol, respectivamente.

Em microssomas hepáticos e de ratos incubados com o extrato vegetal e glibenclamida, com posterior análise do metabolismo do medicamento hipoglicemiante (LC-HRMS).

 

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley submetidos a administração do extrato vegetal e glibenclamida, com posterior análise de parâmetros farmacocinéticos do medicamento hipoglicemiante (LC-HRMS).

O extrato de T. cordifolia pode aumentar a biodisponibilidade da glibenclamida, principalmente na dose de 400 mg/kg, quando administrado por longo período (ordem de inibição CYP2C9 > CYP2D6 > CYP2C19 > CYP1A2 > CYP3A4).

[ 56 ]
Caule

Extrato: decocção do material vegetal (pó) em água. Concentrações para ensaio: 10 a 6000 µg/mL. Outras espécies em estudo: Asparagus racemosus e Withania somnifera.

In vitro:

Determinar a atividade inibitória do CYP3A4, na presença do substrato testosterona e extratos vegetais, com posterior análise dos níveis de 6-β-hidroxitestosterona (Cromatografia Líquida de Alta Eficiência).

 

Os extratos de T. cordifolia, A. racemosus e W. somnifera não apresentam atividade inibitória significativa do CYP3A4.

[ 91 ]

Teste de dose máxima tolerada (DMT)

Teste de dose máxima tolerada (DMT)
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule

Extrato: material vegetal (seco) em etanol/água (50:50 v/v). Doses para ensaio (in vivo): 200 a 600 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss submetidos ao teste de dose máxima tolerada (DMT).

O extrato de T. cordifolia apresenta DMT = 400 mg/kg.

[ 76 ]

Toxicidade aguda

Toxicidade aguda
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Planta toda

Extrato: maceração do material vegetal (pó) em água e metanol (30:70). Doses para ensaio: 1000 a 4000 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos submetidos ao teste de toxicidade aguda.

O extrato de T. cordifolia não apresenta sinais de toxicidade significativos, até a dose de 4000 mg/kg.

[ 15 ]
Folha

Extratos: aquoso, alcoólico e clorofórmico. Doses para ensaio: 50 a 200 mg/kg.

In vivo:

Em coelhos submetidos ao teste de toxicidade aguda.

Os extratos de T. cordifolia não apresentam sinais de toxicidade nas doses em estudo.

[ 27 ]
-

Extrato aquoso. Dose para ensaio: 2000 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar submetidos ao teste de toxicidade aguda.

O extrato de T. cordifolia não apresenta toxicidade até a dose de 2000 mg/kg.

[ 29 ]
Caule

Extrato liofilizado. Nanopartícula de poli (D, L-lactídeo): contendo extrato vegetal. Concentrações para ensaio: 7,8 a 1000 µg/mL. Doses para ensaio: 5 a 50 mg/kg.

In vivo:

Em ratas Wistar submetidas ao teste de toxicidade aguda.

As nanopartículas contendo o extrato de T. cordifolia apresenta sinais de toxicidade na dose de 50 mg/kg.

[ 62 ]
Caule

Extrato: percolação do material vegetal (pó) em etanol a 90%. Frações: hexano, clorofórmio e água. Doses para ensaio: 100 a 1600 mg/kg. Outras espécies em estudo: Aconitum napellus, A. heterophyllum, Corchorus depressus, Gmelina asiatica, Melia azadirachta, Vitex trifolia e Hedysarum alhagi.

In vivo:

Em ratos albinos e coelhos submetidos ao teste de toxicidade aguda.

Os extratos vegetais em estudo não apresentam toxicidade, exceto a espécie A. napellus.

[ 99 ]

Toxicidade no sistema reprodutor masculino

Toxicidade no sistema reprodutor masculino
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Caule

Extrato: material vegetal (pó) em metanol a 70%. Dose para ensaio: 100 mg.

In vivo:

Em ratos Wistar submetidos a administração do extrato vegetal, com posterior análise do peso corporal, dos testículos, epidídimo, vesícula seminal e próstata, motilidade e densidade dos espermatozoides, espermatogênese, parâmetros bioquímicos (proteínas, ácido salicílico, glicogênio, frutose, colesterol e testosterona).

Em ratos Wistar submetidos a administração do extrato vegetal, com posterior análise do peso corporal, dos testículos, epidídimo, vesícula seminal e próstata, motilidade e densidade dos espermatozoides, espermatogênese, parâmetros bioquímicos (proteínas, ácido salicílico, glicogênio, frutose, colesterol e testosterona).

[ 82 ]

Toxicidade subaguda

Toxicidade subaguda
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extratos aquoso. Dose para ensaio: 400 mg/kg. Outra espécie em estudo: Eugenia jambolana.

In vivo:

Em camundongos albinos submetidos ao teste de toxicidade subaguda.

O extrato de T. cordifolia não apresenta toxicidade na dose 400 mg/kg.

[ 52 ]

Referências bibliográficas

1 - KURIAN, G. A. et al. Short-term effect of G-400, polyherbal formulation in the management of hyperglycemia and hyperlipidemia conditions in patients with type 2 diabetes mellitus. Nutrition, v. 30, n. 10, p.1158-1164, 2014. doi: 10.1016/j.nut.2014.02.026
2 - PATIAL, V. et al. Tinospora cordifolia activates PPARγ pathway and mitigates glomerular and tubular cell injury in diabetic kidney disease. Phytomedicine, v. 91, p.1-12, 2021. doi: 10.1016/j.phymed.2021.153663
3 - SHARMA, B. et al. Tinospora cordifolia protects from skeletal muscle atrophy by alleviating oxidative stress and inflammation induced by sciatic denervation. J Ethnopharmacol, v. 254, p.1-17, 2020. doi: 10.1016/j.jep.2020.112720
4 - ALSUHAIBANI, S; KHAN, M. A. Immune-stimulatory and therapeutic activity of Tinospora cordifolia: double-edged sword against Salmonellosis. J Immunol Res, p.1-9, 2017. doi: 10.1155/2017/1787803
5 - PRIYA, L. B. et al. Tinospora cordifolia extract attenuates cadmium-induced biochemical and histological alterations in the heart of male Wistar rats. Biomed Pharmacother, v. 87, p.280-287, 2017. doi: 10.1016/j.biopha.2016.12.098
6 - PHILIP, S. et al. Tinospora cordifolia chloroform extract inhibits LPS-induced inflammation via NF-κB inactivation in THP-1cells and improves survival in sepsis. BMC Complement Med Ther, v. 21, n. 1, p.1-13, 2021. doi: 10.1186/s12906-021-03244-y
7 - MISHRA, R.; KAUR, G. Tinospora cordifolia induces differentiation and senescence pathways in neuroblastoma cells. Mol Neurobiol, v. 52, n. 1, p.719-733, 2015. doi: 10.1007/s12035-014-8892-5
8 - SACHDEVA, H. et al. Tinospora cordifolia as a protective and immunomodulatory agent in combination with cisplatin against murine visceral leishmaniasis. Exp Parasitol, v. 137, p.53-65, 2014. doi: 10.1016/j.exppara.2013.12.006
9 - MOHAN, V.; ASHWANI, K. Pro-apoptotic, anti-metastatic, and anti-telomerase activity of Tinospora cordifolia and its active polysaccharide arabinogalactan during benzo(a)pyrene-induced lung carcinogenesis. Indian J Pharmacol, v. 54, n. 3, p.198-207, 2022. doi: 10.4103/ijp.ijp_962_20
10 - PALMIERI, A. et al. Berberine and Tinospora cordifolia exert a potential anticancer effect on colon cancer cells by acting on specific pathways. Int J Immunopathol Pharmacol, v. 33, p.1-10, 2019. doi: 10.1177/2058738419855567
11 - MISHRA, R. et al. Tinospora cordifolia ameliorates anxiety-like behavior and improves cognitive functions in acute sleep deprived rats. Sci Rep, v. 6, p.1-15, 2016. doi: 10.1038/srep25564
12 - BAJAJ, P. et al. Butanol extract of Tinospora cordifolia alleviates acute sleep deprivation-induced impairments in cognitive functions and neuromuscular coordination in middle-aged female rats. Neuromolecular Med, v. 24, n. 2, p.202-214, 2022. doi: 10.1007/s12017-021-08683-x
13 - POLU, P. R. et al. Assessment of free radical scavenging and anti-proliferative activities of Tinospora cordifolia Miers (Willd). BMC Complement Altern Med, v. 17, n. 1, p.1-12, 2017. doi: 10.1186/s12906-017-1953-3
14 - SHARMA, B. R. et al. Tinospora cordifolia preserves pancreatic beta cells and enhances glucose uptake in adipocytes to regulate glucose metabolism in diabetic rats. Phytother Res, v. 33, n. 10, p.2765-2774, 2019. doi: 10.1002/ptr.6462
15 - HUSSAIN, L. et al. The analgesic, anti-inflammatory and anti-pyretic activities of Tinospora cordifolia. Adv Clin Exp Med, v. 24, n. 6, p.957-964, 2015. doi: 10.17219/acem/27909
16 - SANGEETHA, M. K. et al. Tinospora cordifolia attenuates oxidative stress and distorted carbohydrate metabolism in experimentally induced type 2 diabetes in rats. J Nat Med, v. 65, n. 3-4, p.544-550, 2011. doi: 10.1007/s11418-011-0538-6
17 - HAMSA, T. P.; KUTTAN, G. et al. Tinospora cordifolia ameliorates urotoxic effect of cyclophosphamide by modulating GSH and cytokine levels. Exp Toxicol Pathol, v. 64, n. 4, p.307-314, 2012. doi: 10.1016/j.etp.2010.09.003
18 - REDDI, K. K.; TETALI, S. D. Dry leaf extracts of Tinospora cordifolia (Willd.) Miers attenuate oxidative stress and inflammatory condition in human monocytic (THP-1) cells. Phytomedicine, v. 61, p.1-9, 2019. doi: 10.1016/j.phymed.2019.152831
19 - MASUMA, R. et al. Effect of Tinospora cordifolia on the reduction of ultraviolet radiation-induced cytotoxicity and DNA damage in PC12 cells. J Environ Sci Health, v. 49, n. 6, p.416-421, 2014. doi: 10.1080/03601234.2014.894777
20 - SANGEETHA, M. K. et al. Anti-diabetic property of Tinospora cordifolia and its active compound is mediated through the expression of Glut-4 in L6 myotubes. Phytomedicine, v. 20, n. 3-4, p.246-248, 2013. doi: 10.1016/j.phymed.2012.11.006
21 - TIWARI, M. et al. Tinospora cordifolia extract modulates COX-2, iNOS, ICAM-1, pro-inflammatory cytokines and redox status in murine model of asthma. J Ethnopharmacol, v. 153, n. 2, p.326-337, 2014. doi: 10.1016/j.jep.2014.01.031
22 - SANNEGOWDA, K. M. et al. Tinospora cordifolia inhibits autoimmune arthritis by regulating key immune mediators of inflammation and bone damage. Int J Immunopathol Pharmacol, v. 28, n. 4, p.521-531, 2015. doi: 10.1177/0394632015608248
23 - ABIRAMASUNDARI, G. et al. Ethnomedicine based evaluation of osteoprotective properties of Tinospora cordifolia on in vitro and in vivo model systems. Biomed Pharmacother, v. 87, p.342-354, 2017. doi: 10.1016/j.biopha.2016.12.094
24 - BAHADUR, S. et al. Metabolism-mediated interaction potential of standardized extract of Tinospora cordifolia through rat and human liver microsomes. Indian J Pharmacol, v. 48, n. 5, p.576-581, 2016. doi: 10.4103/0253-7613.190758
25 - ABIRAMASUNDARI, G. et al. Effects of Tinospora cordifolia (Menispermaceae) on the proliferation, osteogenic differentiation and mineralization of osteoblast model systems in vitro. J Ethnopharmacol, v. 141, n. 1, p.474-480, 2012. doi: 10.1016/j.jep.2012.03.015
26 - RAWAL, A. K. et al. Rubia cordifolia, Fagonia cretica Linn and Tinospora cordifolia exert neuroprotection by modulating the antioxidant system in rat hippocampal slices subjected to oxygen glucose deprivation. BMC Complement Altern Med, v. 4, p.1-9, 2004. doi: 10.1186/1472-6882-4-11
27 - WADOOD, N. et al. Effect of Tinospora cordifolia on blood glucose and total lipid levels of normal and alloxan-diabetic rabbits. Planta Med, n. 58, n. 2, p.131-136, 1992. doi: 10.1055/s-2006-961414
28 - SINGH, R. P. et al. Tinospora cordifolia induces enzymes of carcinogen/drug metabolism and antioxidant system, and inhibits lipid peroxidation in mice. Phytomedicine, v. 13, n. 1-2, p.74-84, 2006. doi: 10.1016/j.phymed.2004.02.013
29 - GHATPANDE, N. S. et al. Tinospora cordifolia protects against inflammation associated anemia by modulating inflammatory cytokines and hepcidin expression in male Wistar rats. Sci Rep, v. 9, n. 1, p.1-11, 2019. doi: 10.1038/s41598-019-47458-0
30 - BONVICINI, F. et al. Ethanolic extracts of Tinospora cordifolia and Alstonia scholaris show antimicrobial activity towards clinical isolates of methicillin-resistant and carbapenemase-producing bactéria. Nat Prod Res, v. 28, n. 18, p.1438-1445, 2014. doi: 10.1080/14786419.2014.909421
31 - REDDY, S. S. et al. Beneficiary effect of Tinospora cordifolia against high-fructose diet induced abnormalities in carbohydrate and lipid metabolism in Wistar rats. Horm Metab Res, v. 41, n. 10, p.741-746, 2009. doi: 10.1055/s-0029-1220922
32 - SINGH, L. et al. Effect of Tinospora cordifolia on gamma ray-induced perturbations in macrophages and splenocytes. J Radiat Res, v. 48, n. 4, p.305-15, 2007. doi: 10.1269/jrr.07001
33 - SINGH, H. et al. Tinospora cordifolia ameliorates brain functions impairments associated with high fat diet induced obesity. Neurochem Int, v. 143, p.1-11, 2021. doi: 10.1016/j.neuint.2020.104937
34 - RANI, R. et al. Regulation of insulin resistance, lipid profile and glucose metabolism associated with polycystic ovary syndrome by Tinospora cordifolia. Nutrients, v. 15, n. 10, p.1-23, 2023. doi: 10.3390/nu15102238
35 - MORE, P.; PAI, K. Effect of Tinospora cordifolia (guduchi) on the phagocytic and pinocytic activity of murine macrophages in vitro. Indian J Exp Biol, v. 55, n. 1, p.21-26, 2017.
36 - STANELY, P. et al. Hypoglycaemic and other related actions of Tinospora cordifolia roots in alloxan-induced diabetic rats. J Ethnopharmacol, v. 70, n. 1, p.9-15, 2000. doi: 10.1016/s0378-8741(99)00136-1
37 - AGRAWAL, S. S. et al. Prevention and management of diabetic retinopathy in STZ diabetic rats by Tinospora cordifolia and its molecular mechanisms. Food Chem Toxicol, v. 50, n. 9, p.3126-3132, 2012. doi: 10.1016/j.fct.2012.05.057
38 - BIRLA, H. et al. Tinospora cordifolia suppresses neuroinflammation in parkinsonian mouse model. Neuromolecular Med, v. 21, n. 1, p.42-53, 2019. doi: 10.1007/s12017-018-08521-7
39 - BISHAYI, B. et al. Hepatoprotective and immunomodulatory properties of Tinospora cordifolia in CCl4 intoxicated mature albino rats. J Toxicol Sci, v. 27, n. 3, p.139-146, 2002. doi: 10.2131/jts.27.139
40 - KUMAR, V. et al. Phytoremedial effect of Tinospora cordifolia against arsenic induced toxicity in Charles Foster rats. Biometals, v. 33, n. 6, p.379-396, 2020. doi: 10.1007/s10534-020-00256-y
41 - SHARMA, A.; KAUR, G. Tinospora cordifolia as a potential neuroregenerative candidate against glutamate induced excitotoxicity: an in vitro perspective. BMC Complement Altern Med, v. 18, n. 1, p.1-17, 2018. doi: 10.1186/s12906-018-2330-6
42 - RAWAL, A. et al. Effect of Rubia cordifolia, Fagonia cretica Linn, and Tinospora cordifolia on free radical generation and lipid peroxidation during oxygen-glucose deprivation in rat hippocampal slices. Biochem Biophys Res Commun, v. 324, n. 2, p.588-596, 2004. doi: 10.1016/j.bbrc.2004.09.094
43 - MORE, P.; PAI, K. In vitro NADH-oxidase, NADPH-oxidase and myeloperoxidase activity of macrophages after Tinospora cordifolia (guduchi) treatment. Immunopharmacol Immunotoxicol, v. 34, n. 3, p.368-372, 2012. doi: 10.3109/08923973.2011.606324
44 - PRINCE, P. S. M.; MENON, V. Hypoglycaemic and hypolipidaemic action of alcohol extract of Tinospora cordifolia roots in chemical induced diabetes in rats. Phytother Res, v. 17, n. 4, p.410-413, 2003. doi: 10.1002/ptr.1130
45 - SINGH, N. et al. Immunomodulatory and antitumor actions of medicinal plant Tinospora cordifolia are mediated through activation of tumor-associated macrophages. Immunopharmacol Immunotoxicol, v. 26, n. 1, p.145-162, 2004. doi: 10.1081/iph-120029952
46 - SHIVANANJAPPA, M. M.; MURALIDHARA. Abrogation of maternal and fetal oxidative stress in the streptozotocin-induced diabetic rat by dietary supplements of Tinospora cordifolia. Nutrition, v. 28, n. 5, p.581-587, 2012. doi: 10.1016/j.nut.2011.09.015
47 - PANCHABHAI, T. S. et al. Protective effect of Tinospora cordifolia, Phyllanthus emblica and their combination against antitubercular drugs induced hepatic damage: an experimental study. Phytother Res, v. 22, n. 5, p.646-650, 2008. doi: 10.1002/ptr.2356
48 - NADIG, P. D. et al. Effect of Tinospora cordifolia on experimental diabetic neuropathy. Indian J Pharmacol, v. 44, n. 5, p.580-583, 2012. doi: 10.4103/0253-7613.100380
49 - CHANDRASEKARAN, C. V. et al. Tinospora cordifolia, a safety evaluation. Toxicol In Vitro, v. 23, n. 7, p.1220-1226, 2009. doi: 10.1016/j.tiv.2009.07.030
50 - REDDY, S. S. et al. Preventive effect of Tinospora cordifolia against high-fructose diet-induced insulin resistance and oxidative stress in male Wistar rats. Food Chem Toxicol, v. 47, n. 9, p.2224-2229, 2009. doi: 10.1016/j.fct.2009.06.008
51 - KOSARAJU, J. et al. Neuroprotective effect of Tinospora cordifolia ethanol extract on 6-hydroxy dopamine induced parkinsonism. Indian J Pharmacol, v. 46, n. 2, p.176-180, 2014. doi: 10.4103/0253-7613.129312
52 - GROVER, K. et al. Anti-hyperglycemic effect of Eugenia jambolana and Tinospora cordifolia in experimental diabetes and their effects on key metabolic enzymes involved in carbohydrate metabolismo. J Ethnopharmacol, v. 73, n. 3, p.461-470, 2000. doi: 10.1016/s0378-8741(00)00319-6
53 - PRINCE, P. S. M. et al. Restoration of antioxidant defence by ethanolic Tinospora cordifolia root extract in alloxan-induced diabetic liver and kidney. Phytother Res, v. 18, n. 9, p.785-787, 2004.  doi: 10.1002/ptr.1567
54 - MANJREKAR, P. N. et al. Comparative studies of the immunomodulatory activity of Tinospora cordifolia and Tinospora sinensis. Fitoterapia, v. 71, n. 3, p.254-257, 2000. doi: 10.1016/s0367-326x(99)00167-7
55 - MISHRA, R.; KAUR, G. Aqueous ethanolic extract of Tinospora cordifolia as a potential candidate for differentiation based therapy of glioblastomas. PLoS One, v. 8, n. 10, p.e78764, 2013. doi: 10.1371/journal.pone.0078764
56 - SAHU, R. et al. Effect of Tinospora cordifolia aqua-alcoholic extract on pharmacokinetic of glibenclamide in rat: an herb-drug interaction study. J Pharm Biomed Anal, v. 151, p.310-316, 2018.  doi: 10.1016/j.jpba.2018.01.010
57 - SHARMA, A. et al. Butanol extract of Tinospora cordifolia ameliorates cognitive deficits associated with glutamate-induced excitotoxicity: a mechanistic study using hippocampal neurons. Neuromolecular Med, v. 22, n. 1, p.81-99, 2020. doi: 10.1007/s12017-019-08566-2
58 - ANSARI, J. A. et al. ROS mediated pro-apoptotic effects of Tinospora cordifolia on breast cancer cells. Front Biosci (Elite Ed), v. 9, n. 1, p.89-100, 2017.  doi: 10.2741/e788
59 - PHILIP, S. et al. Evaluation of the anti-inflammatory activity of Tinospora cordifolia (Willd.) Miers chloroform extract - a preclinical study. J Pharm Pharmacol, v. 70, n. 8, p.1113-1125, 2018.  doi: 10.1111/jphp.12932
60 - BIRLA, H. et al. Unraveling the neuroprotective effect of Tinospora cordifolia in a parkinsonian mouse model through the proteomics approach. ACS Chem Neurosci, v. 12, n. 22, p.4319-4335, 2021. doi: 10.1021/acschemneuro.1c00481
61 - MISHRA, A. et al. Scientific validation of the medicinal efficacy of Tinospora cordifolia. ScientificWorldJournal, p.1-8, 2013. doi: 10.1155/2013/292934
62 - AMBALAVANAN, R. et al. Nano-encapsulated Tinospora cordifolia (Willd.) using poly (D, L-lactide) nanoparticles educe effective control in streptozotocin-induced type 2 diabetic rats. IET Nanobiotechnol, v. 14, n. 9, p.803-808, 2020. doi: 10.1049/iet-nbt.2020.0085
63 - CHOUGALE, A. D. et al. Alpha glucosidase inhibition by stem extract of Tinospora cordifolia. J Enzyme Inhib Med Chem, v. 24, n. 4, p.998-1001, 2009. doi: 10.1080/14756360802565346
64 - AMBALAVANAN, R. et al. Nephroprotective role of nanoencapsulated Tinospora cordifolia (Willd.) using polylactic acid nanoparticles in streptozotocin-induced diabetic nephropathy rats. IET Nanobiotechnol, v. 15, n. 4, p.411-417, 2021. doi: 10.1049/nbt2.12030
65 - SENGUPTA, M. et al. Effect of aqueous extract of Tinospora cordifolia on functions of peritoneal macrophages isolated from CCl4 intoxicated male albino mice. BMC Complement Altern Med, v. 10, p.1-9, 2011. doi: 10.1186/1472-6882-11-102
66 - PRINCE, P. S. M. et al. Hypolipidaemic action of Tinospora cordifolia roots in alloxan diabetic rats. J Ethnopharmacol, v. 64, n. 1, p.53-57, 1999. doi: 10.1016/s0378-8741(98)00106-8
67 - PRINCE, P. S. M. et al. Antioxidant action of Tinospora cordifolia root extract in alloxan diabetic rats. Phytother Res, v. 15, n. 3, p.213-218, 2001. doi: 10.1002/ptr.707
68 - KAPUR, P. et al. Evaluation of the antiosteoporotic potential of Tinospora cordifolia in female rats. Maturitas, v. 59, n. 4, p.329-338, 2008. doi: 10.1016/j.maturitas.2008.03.006
69 - PRINCE, P. S.; MENON, V. P. Antioxidant activity of Tinospora cordifolia roots in experimental diabetes. J Ethnopharmacol, v. 65, n. 3, p.277-281, 1999. doi: 10.1016/s0378-8741(98)00164-0
70 - PRINCE, P. S. M. et al. Restoration of antioxidants by ethanolic Tinospora cordifolia in alloxan-induced diabetic Wistar rats. Acta Pol Pharm, v. 61, n. 4, p.283-287, 2004.
71 - LEVON, P. V.; KUTTAN, G. Effect of Tinospora cordifolia on the cytokine profile of angiogenesis-induced animals. Int Immunopharmacol, v. 4, n. 13, p.1569-1575, 2004. doi: 10.1016/j.intimp.2004.06.015
72 - RAO, S. K. et al. Preliminary investigation of the radiosensitizing activity of guduchi (Tinospora cordifolia) in tumor-bearing mice. Phytother Res, v. 22, n. 11, p.1482-1489, 2008. doi: 10.1002/ptr.2508
73 - KAPUR, P. et al. Androgenic action of Tinospora cordifolia ethanolic extract in prostate cancer cell line LNCaP. Phytomedicine, v. 16, n. 6-7, p.679-682, 2009. doi: 10.1016/j.phymed.2008.10.005
74 - MITTAL, J. et a. Unveiling the cytotoxicity of phytosynthesised silver nanoparticles using Tinospora cordifolia leaves against human lung adenocarcinoma A549 cell line. IET Nanobiotechnol, v. 14, n. 3, p.230-238, 2020.  doi: 10.1049/iet-nbt.2019.0335
75 - JAGETIA, G. C.; RAO, S. K. Evaluation of the antineoplastic activity of guduchi (Tinospora cordifolia) in Ehrlich ascites carcinoma bearing mice. Biol Pharm Bull, v. 29, n. 3, p.460-466, 2006.  doi: 10.1248/bpb.29.460
76 - GOEL, H. C. et al. Radioprotective potential of an herbal extract of Tinospora cordifolia. J Radiat Res, v. 45, n. 1, p.61-68, 2004. doi: 10.1269/jrr.45.61
77 - JAGETIA, G. C. et al. Evaluation of the antineoplastic activity of guduchi (Tinospora cordifolia) in cultured HeLa cells. Cancer Lett, v. 127, n. 1-2, p.71-82, 1998. doi: 10.1016/s0304-3835(98)00047-0
78 - PAHADIYA, S; SHARMA, J. Alteration of lethal effects of gamma rays in Swiss albino mice by Tinospora cordifolia. Phytother Res, v. 17, n. 5, p.552-554, 2003. doi: 10.1002/ptr.1156
79 - RAO, P. R. et al. Cardioprotective activity of alcoholic extract of Tinospora cordifolia in ischemia-reperfusion induced myocardial infarction in rats. Biol Pharm Bull, v. 28, n. 12, p.2319-2322, 2005. doi: 10.1248/bpb.28.2319
80 - KAUR, P. et al. Biofunctional significance of multi-herbal combination against paracetamol-induced hepatotoxicity in Wistar rats. Environ Sci Pollut Res Int, v. 28, n. 43, p.61021-61046, 2021. doi: 10.1007/s11356-021-15019-6
81 - RAO, S. K.; RAO, P. S. Alteration in the radiosensitivity of HeLa cells by dichloromethane extract of guduchi (Tinospora cordifolia). Integr Cancer Ther, v. 9, n. 4, p.378-384, 2010. doi: 10.1177/1534735410387598
82 - GUPTA, R. S.; SHARMA, A. Antifertility effect of Tinospora cordifolia (Willd.) stem extract in male rats. Indian J Exp Biol, v. 41, n. 8, p.885-889, 2003.
83 - SINGH, N. et al. Restoration of thymic homeostasis in a tumor-bearing host by in vivo administration of medicinal herb Tinospora cordifolia. Immunopharmacol Immunotoxicol, v. 27, n. 4, p.585-599, 2005. doi: 10.1080/08923970500416764
84 - KALEKAR, S. A. et al. Insulin sensitizing effect of 3 Indian medicinal plants: an in vitro study. Indian J Pharmacol, v. 45, n. 1, p.30-33, 2013. doi: 10.4103/0253-7613.106431
85 - SINGH, H. et al. Intermittent fasting combined with supplementation with Ayurvedic herbs reduces anxiety in middle aged female rats by anti-inflammatory pathways. Biogerontology, v. 18, n. 4, p.601-614, 2017. doi: 10.1007/s10522-017-9706-8
86 - TASADUQ, S. A. et al. Hepatocurative and antioxidant profile of HP-1, a polyherbal phytomedicine. Hum Exp Toxicol, v. 22, n. 12, p.639-645, 2003. doi: 10.1191/0960327103ht406oa
87 - BALKRISHNA, A. et al. Anti-acetylcholinesterase activities of mono-herbal extracts and exhibited synergistic effects of the phytoconstituents: a biochemical and computational study. Molecules, v. 24, n. 22, p.1-15, 2019. doi: 10.3390/molecules24224175
88 - MUNSHI, R. P. et al. Development of an experimental diet model in rats to study hyperlipidemia and insulin resistance, markers for coronary heart disease. Indian J Pharmacol, v. 46, n. 3, p.270-276, 2014. doi: 10.4103/0253-7613.132156
89 - PATIL, R. N. et al. Evaluation of antidiabetic and related actions of some Indian medicinal plants in diabetic rats. Asian Pac J Trop Med, v. 4, n. 1, p.20-23, 2011. doi: 10.1016/S1995-7645(11)60025-4
90 - SURYAVANSHI, S. et al. A polyherbal formulation, HC9 regulated cell growth and expression of cell cycle and chromatin modulatory proteins in breast cancer cell lines. J Ethnopharmacol, v. 242, p.1-10, 2019. doi: 10.1016/j.jep.2019.112022
91 - PATIL, D. et al. Effect of botanical immunomodulators on human CYP3A4 inhibition: implications for concurrent use as adjuvants in cancer therapy. Integr Cancer Ther, v. 13, n. 2, p.167-175, 2014. doi: 10.1177/1534735413503551
92 - JENA, G. B. et al. Protective effect of a polyherbal formulation (Immu-21) against cyclophosphamide-induced mutagenicity in mice. Phytother Res, v. 17, n. 4, p.306-310, 2003. doi: 10.1002/ptr.1125
93 - KALEKAR, S. A. et al. Do plants mediate their anti-diabetic effects through anti-oxidant and anti-apoptotic actions? an in vitro assay of 3 Indian medicinal plants. BMC Complement Altern Med, v. 13, p.1-9, 2013. doi: 10.1186/1472-6882-13-257
94 - MARY, N. K. et al. Antiatherogenic effect of Caps HT2, a herbal Ayurvedic medicine formulation. Phytomedicine, v. 10, n. 6-7, p.474-482, 2003. doi: 10.1078/094471103322331412
95 - ADHVARYU, M. R. et al. Effects of four Indian medicinal herbs on isoniazid-, rifampicin- and pyrazinamide-induced hepatic injury and immunosuppression in guinea pigs. World J Gastroenterol, v. 13, n. 23, p.3199-3205, 2007. doi: 10.3748/wjg.v13.i23.3199
96 - NARAYANAN, A. S. et al. Antibacterial activity of selected medicinal plants against multiple antibiotic resistant uropathogens: a study from Kolli Hills, Tamil Nadu, India. Benef Microbes, v. 2, n. 3, p.235-243, 2011. doi: 10.3920/BM2010.0033
97 - SACHDEVA, H. et al. Cisplatin along with herbal drug treatment reduces the percentage of regulatory T cells and decreased the severity of experimental visceral leishmaniasis. J Microbiol Immunol Infect, v. 51, n. 4, p.435-445, 2018. doi: 10.1016/j.jmii.2017.03.001
98 - SUMANTRAN, V. N. et al. Antiarthritic activity of a standardized, multiherbal, Ayurvedic formulation containing Boswellia serrata: in vitro studies on knee cartilage from osteoarthritis patients. Phytother Res, v. 25, n. 9, p.1375-1380, 2011. doi: 10.1002/ptr.3365
99 - IKRAM, M. et al. Antipyretic studies on some indigenous Pakistani medicinal plants: II. J Ethnopharmacol, v. 19, n. 2, p.185-92. doi: 10.1016/0378-8741(87)90040-7
100 - SOHNI, Y. R.; BHATT, R. M. Activity of a crude extract formulation in experimental hepatic amoebiasis and in immunomodulation studies. J Ethnopharmacol, v. 54, n. 2-3, p.119-124, 1996. doi: 10.1016/s0378-8741(96)01457-2
101 - SOHNI, Y. R. et al. The antiamoebic effect of a crude drug formulation of herbal extracts against Entamoeba histolytica in vitro and in vivo. J Ethnopharmacol, v. 45, n. 1, p.43-52, 1995. doi: 10.1016/0378-8741(94)01194-5
102 - KAR, A. et al. Comparative evaluation of hypoglycaemic activity of some Indian medicinal plants in alloxan diabetic rats. J Ethnopharmacol, v. 84, n. 1, p.105-108, 2003. doi: 10.1016/s0378-8741(02)00144-7
103 - UMAMAHESWARE, S.; PRINCE, P. S. M. Antihyperglycaemic effect of 'Ilogen-Excel', an ayurvedic herbal formulation in streptozotocin-induced diabetes mellitus. Acta Pol Pharm, v. 64, n. 1, p.53-61, 2007.
104 - MALIYAKKAL, N. et al. Effects of Withania somnifera and Tinospora cordifolia extracts on the side population phenotype of human epithelial cancer cells: toward targeting multidrug resistance in câncer. Integr Cancer Ther, v. 14, n. 2, p.156-171, 2015. doi: 10.1177/1534735414564423

Farmácia da Natureza
[ 1 ]

Fórmula

Tintura

Alcoolatura

Componente

Quantidade

Componente

Quantidade*

Etanol/água 70%

1000 mL

Etanol/água 80%

1000 mL

Caule seco

100 g

Caule fresco

200 g

                                                                  *Após a filtragem ajustar o teor alcoólico da alcoolatura para 70%, com adição de etanol 98%, se necessário. 
Modo de preparo

Tintura: pesar 100 g de caule seco pulverizado e colocar em frasco de vidro âmbar; em seguida adicionar 1000 mL de etanol a 70%, tampar bem o frasco e deixar a planta em maceração por 7 dias, agitando o frasco diariamente. Após esse período, filtrar em papel de filtro e envasar em frasco de vidro âmbar.
Alcoolatura: pesar 200 g de caule fresco, lavar, picar e colocar em frasco de vidro âmbar; em seguida adicionar 1000 mL de etanol a 80%, tampar bem o frasco e deixar a planta em maceração por 7 dias, agitando o frasco diariamente. Após esse período, filtrar em papel de filtro e envasar em frasco de vidro âmbar.

Principais indicações

Miomatose uterina, imunoestimulante, irregularidade menstrual e dismenorreia.

Posologia

Uso oral: tomar de 1 a 3 gotas por quilo de peso, divididas em 3 vezes ao dia, sempre diluídas em água (cerca de 50 mL ou meio copo).

Farmácia da Natureza
[ 2 ]

Fórmula

Componente

Quantidade

Caule fragmentado

0,9 a 1,1 g ou uma colher de chá caseira cheia

Água q.s.p.

150 mL

Modo de preparo

Preparar por decocção, por 5 minutos.

Principais indicações

Miomatose uterina, imunoestimulante, irregularidade menstrual e dismenorreia.

Posologia

Uso oral (adultos): tomar 150 mL (1 xícara de chá) do decocto duas vezes ao dia.

Referências bibliográficas

1 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 3 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 285-287.
2 - PEREIRA, A. M. S. (Org.). Formulário de Preparação Extemporânea: Farmácia da Natureza. 2 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 190-192.

Dados Químicos
[ 1 , 2 , 3 , 4 , 5 , 6 , 7 , 8 , 9 , 10 , 11 , 12 ]
Marcador:
Principais substâncias:

Alcaloides

protoberberina, berberina, palmatina, tetrahidropalmatina, jatrorrizina, magnoflorina, coridina, tinosporina, ácido tinospórico, tembetarina, colina, isocolumbina, reticulina, aporfina, menisperina, tinoscorsida A e B, tembererina, tembetarina e tembetrina.

Compostos alifáticos

heptacosanol, octacosanol e nonacosan-15-one diclorometano.

Compostos fenólicos

Esteroides

β e δ-sitosterol, octacosanol, heptacosanol, nonacosan-15-ona, tetrahidrofurano, hidroxiecdisona, maquisterona A, giloinsterol, ecdisterona, estigmasterol e cordifolida.

Flavonoides

epicatequina.

Glicosídeos

siringina, siringinapiosilglicosida, cordifoliosida A, B, C e D, tinosporal, tinosporídeo, tinocordisida, tinocordifolisida, cordiosida A, B, C e D, palmatosida C e P, cordifolisida A, B, C, D e E, tinocrodifoliosida A, 18-nonderodano e furanoide.

Lignanas

3(α,4-diidroxi-3-methoxibenzil)-4-(4-hidroxi-3-methoxibenzil).

Minerais

cálcio, fósforo, zinco, cobre, ferro e manganês.

Outras substâncias

gilotinona, gilo-esterol, acetato de tinosporano, acetato de tinosporal, ácido tinospórico, acetato de tinosporal, tinosporal, tinosporidina, cordifolona, tinosponona, tinosporol, cordifelona, giloinina, arabinogalactano, heptacosanol, octacosanol e ácido sinápico.

Polissacarídeos

glicose, arabinose, ramnose, xilose, manose, galactose, glucaneno, arabinogalactana e jatrorrizina.

Proteínas

Terpenoides

cicloeufordenol, tinocordifolina, tinosporona, jateorina, columbina, 8 e 10-hidroxicolumbina, tinosporida, furanolactona, ecdisterona, cordifoliosida A, B, C e D, cordiosídeo, palmatosídeos C e F, tinocordifoliosida, clerodano, tinosporonal e tinocordina.

Referências bibliográficas

1 - SINGH, D.; CHAUDHURI, P. K. Chemistry and Pharmacology of Tinospora cordifolia. Nat Prod Commun, v. 12, n. 2, p.299-308, 2017.
2 - ARUNACHALAM, K. et al. Tinospora cordifolia (Willd.) Miers: protection mechanisms and strategies against oxidative stress-related diseases. J Ethnopharmacol, v. 283, p.1-259, 2022. doi: 10.1016/j.jep.2021.114540
3 - YATES, C. R. et al. Tinospora cordifolia: a review of its immunomodulatory properties. J Diet Suppl, v. 19, n. 2, p.271-285, 2022. doi: 10.1080/19390211.2021.1873214
4 - SHARMA, P. et al. The chemical constituents and diverse pharmacological importance of Tinospora cordifolia. Heliyon, v. 5, n. 9, p.1-8, 2019. doi: 10.1016/j.heliyon.2019.e02437
5 - AHSAN, R. et al. Therapeutic application, phytoactives and pharmacology of tinospora cordifolia: an evocative review. Chin J Integr Med, v. 29, n. 6, p.549-555, 2023. doi: 10.1007/s11655-023-3733-2
6 - DHAMA, K. et al. Medicinal and beneficial health applications of Tinospora cordifolia (Guduchi): a miraculous herb countering various diseases/disorders and its immunomodulatory effects. Recent Pat Endocr Metab Immune Drug Discov, v. 10, n. 2, p.96-111, 2017. doi: 10.2174/1872214811666170301105101
7 - PANCHABHAI, T. S. et al. Validation of therapeutic claims of Tinospora cordifolia: a review. Phytother Res, v. 22, n. 4, p.425-441, 2008. doi: 10.1002/ptr.2347
8 - SINGH, P. et al. Orthobiologics with phytobioactive cues: a paradigm in bone regeneration. Biomed Pharmacother, v. 130, p.1-22, 2020. doi: 10.1016/j.biopha.2020.110754
9 - CHAVDA, V. P. et al. Herbal remedies, nutraceuticals, and dietary supplements for COVID-19 management: an update. Clin Complement Med Pharmacol, v. 2, n. 1, p.1-14, 2022. doi: 10.1016/j.ccmp.2022.100021
10 - SHARMA, A. et al. From Ayurvedic folk Medicine to preclinical neurotherapeutic role of a miraculous herb, Tinospora cordifolia. Neurochem Int, v. 141, n. 1-9, 2020. doi: 10.1016/j.neuint.2020.104891
11 - PUSHP, P. et al. Antioxidant activity and detection of (-)epicatechin in the methanolic extract of stem of Tinospora cordifolia. J Food Sci Technol, v. 50, n. 3, p.567-72, 2013. doi: 10.1007/s13197-011-0354-8
12 - SIVASUBRAMANIAN, A. et al. A new antifeedant clerodane diterpenoid from Tinospora cordifolia. Nat Prod Res, v. 27, n. 16, p.1431-1436, 2013.  doi: 10.1080/14786419.2012.722088

Parceiros