Anemopaegma arvense (Vell.) Stellfeld & J.F. Souza

Sinonímia 
Anemopaegma mirandum (Cham.) Mart. ex DC.
Família 
Informações gerais 

A espécie A. arvense, não é endêmica do Brasil, mas encontra-se distribuída em diversas regiões do Cerrado, Amazônia e Mata Atlântica. Ocorre também na Bolívia, Paraguai, Argentina e México. Suas principais indicações são: estimulante e tonificante do sistema nervoso central, afrodisíaca, rejuvenescimento celular, antissifilítica, broncodilatadora, vasodilatadora, hipotensora e antitumoral[1,2,3,4].

Referências informações gerais
1 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 3 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 43-45.
2 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 168-169.
3 - SOARES, A. M.; BERTONI, B. W. Espécies medicinais nativas da região Centro-Oeste: Anemopaegma arvense. In: VIEIRA, R. P. et al. (Ed.). Espécies Nativas da Flora Brasileira de Valor Econômico Atual ou Potencial Plantas para o Futuro - Região Centro-Oeste. Brasília: Biblioteca do Ministério do Meio Ambiente, 2016. p. 699-706.
4 - TESKE, M. & TRENTINI, A. M. M. Compêndio de Fitoterapia. 4 ed. Curitiba: Herbarium Lab. Bot. Ltda, 2001, p. 97-98.
Descrição da espécie 

Subarbusto, perene, medindo de 30 a 40 cm de altura, decíduo, ereto, pouco ramificado, ramos flexuosos partindo da base lenhosa, hastes pubescentes, xilopódio desenvolvido de cor clara, grosso e duro, com atém 1,5 cm de diâmetro; as folhas opostas, sésseis, finas, compostas, trifolioladas, com folíolos rígido-coriáceos, lineares a oblongo-lanceolados, de base afilada, margem revoluta, sésseis ou curto-peciolados, de cor mais clara na face inferior, medem de 6 a 8 cm de comprimento; as flores são grandes campanuladas, pedunculadas, solitárias, axilares, brancas ou amareladas; os frutos são em cápsulas, deiscentes, achatadas, lenhosas, largo-elípticas, de cor cinza, medindo cerca de 8 cm de comprimento x 6 cm de largura, contendo, aproximadamente, 18 sementes; as sementes são aladas, elípticas, membranáceas, esbranquiçadas, com cerca de 1 cm de comprimento x 3 a 3,5 cm de largura[1,2,3,4,5].

Referências descrição da espécie
1 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 168.
2 - SOARES, A. M.; BERTONI, B. W. Espécies medicinais nativas da região Centro-Oeste: Anemopaegma arvense. In: VIEIRA, R. P. et al. (Ed.). Espécies Nativas da Flora Brasileira de Valor Econômico Atual ou Potencial Plantas para o Futuro - Região Centro-Oeste. Brasília: Biblioteca do Ministério do Meio Ambiente, 2016. p. 699.
3 - DURIGAN, G. et al. Plantas pequenas do cerrado: biodiversidade negligenciada. 1 ed. São Paulo: Rettec Artes Gráficas e Editora, 2018. p. 167.
4 - DURIGAN, G. et al. Plantas do cerrado paulista: imagens de uma paisagem ameaçada. São Paulo: Páginas & Letras Editora Gráfica, 2004, p. 78.
5 - GUPTA, M. P. (Ed.). 270 Plantas medicinales ibero-americanas. Bogotá: Programa Iberoamericano de Ciencia y Tecnología, Cyted, Convenio Andres Bello, 1995, p. 176-177.
Nome popular Local Parte da planta Indicação Modo de preparo Forma de uso Restrição de uso Referências
Catuaba verdadeira e catuíba Brasil -

estimulante, tônico, peitoral e afrodisíaca.

-

-

-

[ 1 ]
Catuaba Ceará (Brasil) Casca

Afrodisíaca e tônica.

Infusão.

Uso oral.

-

[ 2 ]
Catuaba, alecrim-do-campo, vergonteza e marapuama Brasil Caule e xilopódio (cascas)

Tônica geral, ansiolítica, antiasmática e no tratamento de bronquite.

Decocção: 20 g do material vegetal (picado) em água. Ferver por 30 minutos.

-

Pode provocar estímulos adrenérgicos e em doses excessivas pode produzir midríase. Não deve ser indicada para gestantes, recém-nascidos e crianças.

[ 3 ]
Catuaba, alecrim-do-campo, vergonteza e marapuama Brasil Raiz

Afrodisíaca.

Maceração (por 1 semana): 20 g do material vegetal (picado) em vinho.

Tomar 1 cálice durante as refeições (café da manhã, almoço e jantar).

Pode provocar estímulos adrenérgicos e em doses excessivas pode produzir midríase. Não deve ser indicada para gestantes, recém-nascidos e crianças.

[ 3 ]
Catuaba, alecrim-do-campo, vergonteza e marapuama Brasil Raiz

Peitoral e antissifilítica.

Xarope: a partir da infusão, espessada com açúcar.

Pode provocar estímulos adrenérgicos e em doses excessivas pode produzir midríase. Não deve ser indicada para gestantes, recém-nascidos e crianças.

-

[ 3 ]
Catuaba Brasil Rizoma

Tônica.

Pó (cápsula de 500 mg).

Tomar 1 a 2 cápsulas com água (250 mL), 2 vezes ao dia (1 hora antes das refeições).

Pode provocar taquicardia. Não indicado para pacientes portadores de glaucoma e uso com cautela em gestantes e lactantes.

[ 4 ]

Referências bibliográficas

1 - GUPTA, M. P. (Ed.). 270 Plantas medicinales ibero-americanas. Bogotá: Programa Iberoamericano de Ciencia y Tecnología, Cyted, Convenio Andres Bello, 1995. p. 177.
2 - MATOS, F. J. A. O formulário fitoterápico do professor Dias da Rocha: Informações sobre o emprego na medicina caseira, de plantas do Nordeste, especialmente do Ceará. 2 ed. Fortaleza: EUFC, 1997, p. 103.
3 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 168-169.
4 - PANIZZA, S. T. et al. Uso tradicional de plantas medicinais e fitoterápicos. São Luiz: Conbrafito, 2012, p. 102.

Neuroprotetora

Neuroprotetora
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Caule (casca)

Extrato: 250 mg do material vegetal (pó) em 1 mL de DMSO. Concentrações para ensaio: 0,0097 a 1,250 mg/mL.

In vitro:

Em células de neuroblastomas de humanos (SH-SY5Y) incubadas com rotenona, tratadas com o extrato vegetal, com posterior análise da viabilidade celular (MTT), morfológica (Microscopia invertida) e ultraestrutural (Microscopia Eletrônica).

 

Observou-se que A. mirandum apresenta atividade neuroprotetora, sendo promissora para o tratamento da doença de Parkinson.

[ 1 ]
Neuroprotetora

Referências bibliográficas

1 - DE ANDRADE, D. V. G. et al. Effects of the extract of Anemopaegma mirandum (Catuaba) on Rotenone-induced apoptosis in human neuroblastomas SH-SY5Y cells. Brain Res, v. 1198, p.188-196, 2008. doi: 10.1016/j.brainres.2008.01.006

Farmácia da Natureza
[ 1 ]

Fórmula

Tintura

Alcoolatura

Componente

Quantidade

Componente

Quantidade*

Etanol/água 70%

1000 mL

Etanol/água 80%

1000 mL

Raiz seca

100 g

Raiz fresca

200 g

* Após a filtragem ajustar o teor alcoólico da alcoolatura para 70%, com adição de etanol 98%, se necessário. 
Modo de Preparo

Tintura: pesar 100 g de raiz seca pulverizada e colocar em frasco de vidro âmbar; em seguida adicionar 1000 mL de etanol a 70%, tampar bem o frasco e deixar a planta em maceração por 7 dias, agitando o frasco diariamente. Após esse período, filtrar em papel de filtro e envasar em frasco de vidro âmbar.

Alcoolatura: pesar 200 g de raiz fresca, lavar, picar e colocar em frasco de vidro âmbar; em seguida adicionar 1000 mL de etanol a 80%, tampar bem o frasco e deixar a planta em maceração por 7 dias, agitando o frasco diariamente. Após esse período, filtrar em papel de filtro e envasar em frasco de vidro âmbar.

Principais indicações

Esgotamento físico e mental e nos estados de convalescença.

Posologia

Uso oral: tomar de 1 a 3 gotas por quilo de peso divididas em 3 vezes ao dia, sempre diluídas em água (cerca de 50 mL ou meio copo).

Referências bibliográficas

1 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 3 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 43-45.

Dados Químicos
[ 1 , 2 , 3 , 4 ]
Marcador:
Principais substâncias:

Alcaloides

catuabina.

Flavonoides

hesperidina, quercetina-3-O-glucosídeo, quercetina-3-O-ramnosídeo, cinchonainas IIa-IIb e kandelina A1.

Lipídeos

Resinas

Saponinas

Taninos

Triterpenos

ácido oleanólico, betulina, ácido betulínico, ácido ursólico e ácido oleanólico.

Referências bibliográficas

1 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 169.
2 - TESKE, M. & TRENTINI, A. M. M. Compêndio de Fitoterapia. 4 ed. Curitiba: Herbarium Lab. Bot. Ltda, 2001, p. 97.
3 - SOARES, A. M.; BERTONI, B. W. Espécies medicinais nativas da região Centro-Oeste: Anemopaegma arvense (catuaba). In: VIEIRA, R. P. et al. (Ed.). Espécies Nativas da Flora Brasileira de Valor Econômico Atual ou Potencial Plantas para o Futuro - Região Centro-Oeste. Brasília: Biblioteca do Ministério do Meio Ambiente, 2016. p. 700.
4 - TABANCA, N. et al. Flavan-3-ol-phenylpropanoid conjugates from Anemopaegma arvense and their antioxidant activities. Planta Med, v. 73, n. 10, p.1107-1111, 2007. doi: 10.1055/s-2007-981563

Propagação: 

por semente. Deve-se retirar a expansão alada que recobre a semente, pois favorece o processo de desenvolvimento do sistema radicular. Introduzir as sementes em saquinhos plásticos de 15 cm de comprimento x 10 cm diâmetro, contendo substrato e solo arenoso. Transferir os saquinhos para viveiro, com irrigação diária. Posteriormente, as mudas devem ser transferidas para local definitivo, quando atingirem 20 cm de altura, em solo arenoso, sobre leiras e em covas com espaçamento de 0,4x0,4 m [ 1 , 2 ] .

Tratos culturais & Manejo: 

apresenta resistência ao estresse hídrico, sendo prescindível a utilização de sistema de irrigação no campo [ 2 ] .

Colheita: 

as raízes devem ser colhidas após o terceiro ano de cultivo [ 2 ] .

Problemas & Soluções: 

as sementes apresentam dormência inicial de 42 dias, após este período a emergência das plântulas ocorre até, aproximadamente, o 84º dia a semeadura. A micropropagação in vitro é técnica que pode ser utilizada para a propagação desta espécie, com técnicas validadas [ 2 , 3 ] .

Referências bibliográficas

1 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 168.
2 - SOARES, A. M.; BERTONI, B. W. Espécies medicinais nativas da região Centro-Oeste: Anemopaegma arvense (catuaba). In: VIEIRA, R. P. et al. (Ed.). Espécies Nativas da Flora Brasileira de Valor Econômico Atual ou Potencial Plantas para o Futuro - Região Centro-Oeste. Brasília: Biblioteca do Ministério do Meio Ambiente, 2016. p. 702-703.
3 - PEREIRA, A. M. et al. Micropropagation of Anemopaegma arvense: conservation of an endangered medicinal plant. Planta Med, v. 69, n. 6, p.571-573, 2003. doi: 10.1055/s-2003-40644