Eugenia uniflora L.

Pitanga, pitangueira-vermelha, ibipitanga e pitanga-mulata.

Família 
Informações gerais 

Nativa da América do Sul, ocorre espontaneamente no Brasil, Uruguai, Bolívia, Argentina e Paraguai. Cultivada para fins medicinais, alimentícios e ornamentais. Suas principais indicações são: antidiarreica, antimicrobiana, antitérmica, antirreumática, analgésica, anti-inflamatória, cicatrizante, antiúlcera, antigripal, antitussígena, hipotensiva, vasodilatadora, ansiolítica e hipoglicemiante[1,2,3,4].

Referências informações gerais
1 - BRANDÃO, M. G. L. Planta úteis e medicinais na obra de Frei Vellozo. 2ª ed. Belo Horizonte: Imprensa Universitária da UFMG, 2019, p. 85.
2 - WEDLER, E. Atlas de las plantas medicinales silvestres y cultivadas em la zona tropical. 2 ed. Colômbia: Todográficas Ltda, 2017, p. 220.
3 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 387-388.
4 - GRUENWALD, J. et al. PDR for Herbal Medicines. Montvale: Economics Company, Inc, 2000, p. 742.
Descrição da espécie 

Árvore ou arbusto, semidecíduo ou persistente, de 2 a 10 m de altura, de copa arredondada com 3 a 6 m de diâmetro, tronco externo liso, de de coloração castanho-claro, tronco interno fibroso, de cor creme com estrias rosadas; possui raiz pivotante profunda, com numerosas raízes secundarias e terciárias; folhas simples, opostas, glabras, curto-pecioladas, ovais, ápice acuminado-atenuado a obtuso, base arredondada ou obtusa, cartáceas, de 2,5 a 7 cm de comprimento e 1,2 a 4,5 de largura, verde-amarronzadas e brilhantes, com nervura central saliente na parte inferior; flores brancas, solitárias ou fasciculares, axilares (folhas) ou nas extremidades dos ramos; frutos na forma de bagas, globosos, com 7 a 10 sulcos verticais, medindo cerca de 1,5 a 5, cm de diâmetro, vermelho-escuro (quando maduros) e brilhantes, com polpa macia e suculenta, de sabor agridoce agradável, contendo, geralmente, de 1 a 3 sementes, globosas e achatadas[1,2,3,4,5,6,7].

Referências descrição da espécie
1 - MATOS, F. J. A. O formulário fitoterápico do professor Dias da Rocha: Informações sobre o emprego na medicina caseira, de plantas do Nordeste, especialmente do Ceará. 2 ed. Fortaleza: EUFC, 1997, p. 197.
2 - MING, L. C. Medicina verde: programa municipal de plantas medicinais e fitoterápicos de Botucatu (SP) – Agricultores. 1 ed. Prefeitura Municipal de Botucatu: Universidade Estadual Paulista, 2015, p. 30.
3 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 387.
4 - GUPTA, M. P. (Ed.). Plantas medicinales ibero-americanas. Bogotá: Programa Iberoamericano de Ciencia y Tecnología, Cyted, Convenio Andrés Bello, 2008. p. 673.
5 - GRUENWALD, J. et al. PDR for Herbal Medicines. Montvale: Economics Company, Inc, 2000, p. 742.
6 - BROURSCHEID, K. et al. Eugenia uniflora (pitangueira). In: CORADIN, L. et al. (Ed.). Espécies nativas da flora brasileira de valor econômico atual ou potencial: Plantas para o futuro: Região Sul. Brasília, DF: MMA, 2011. p. 170-171.
7 - BEZERRA, J. E. F. et al. Eugenia uniflora (pitanga). In: CORADIN, L. et al. (Ed.). Espécies nativas da flora brasileira de valor econômico atual ou potencial: Plantas para o futuro: Região Nordeste. Brasília, DF: MMA, 2018. p. 155-156.
Nome popular Local Parte da planta Indicação Modo de preparo Forma de uso Restrição de uso Referências
Cereza, pitanga, grosella e surinam cherry Colômbia Folha

No tratamento de irritações cutâneas e inseticida.

Infusão. 

Uso externo.

-

[ 1 ]
Cereza, pitanga, grosella e surinam cherry Colômbia Folha

Diurética, digestiva e antidiarreica.

Infusão. 

Uso interno.

-

[ 1 ]
Cereza, pitanga, grosella e surinam cherry Colômbia Córtex

No tratamento de angina e infecções de garganta.

Decocção.

Na forma de gargarejo.

-

[ 1 ]
Pitanga Brasil Folha

Adstringente, anti-hemorroidária (hemorrágica), antigripal e antitérmica.

Infusão.

Uso oral.

-

[ 2 ]
Pitanga Botucatu-SP (Brasil) Folha e fruto

Antidiarreica infecciosa.

-

Tomar 1 xícara (de chá) 2 a 4 vezes ao dia.

-

[ 3 ]
Pitanga Brasil Folha

Antidiarreica infecciosa.

Infusão: 3 g (1 colher de sopa) em 150 mL (1 xícara de chá).

Tomar após evacuação, no máximo 10 vezes ao dia.

Usar por até 30 dias. Não indicado para grávidas e lactantes.

[ 4 ]
Pitanga Brasil Folha

No tratamento de febre aguda.

Infusão: 1 a 2 colher (de sopa) da droga vegetal rasurada em 1 xícara de água fervente (fogo apagado). Tampar, deixar em repouso por 20 minutos e coar.

Tomar até 4 xícaras ao dia, associado com 30 gotas de tintura de gengibre.

Usar por até 30 dias. Não indicado para grávidas e lactantes.

[ 4 ]
Pitanga, ibipitanga, pitanga-do-mato e pitangatuba Brasil Folha

No tratamento de diarreia, febre e verminose infantis.

Chá: 1 colher (de sopa) do material vegetal picado em 1 copo de água fervente. 

Tomar meio a um copo do chá após cada evacuação ou 1 colher a cada 5 minutos.

-

[ 5 ]
Pitanga, ibipitanga, pitanga-do-mato e pitangatuba Brasil Folha

Antitussígena, antitérmica, anti-hipertensiva, no tratamento de bronquite, ansiedade e verminose.

Extrato alcoólico: 2 colheres (de sopa) do material vegetal picado em 1 xícara (média) de álcool de cereais a 70%, deixar em maceração por 7 dias.

Tomar 10 gotas diluídas em água 2 vezes ao dia. 

-

[ 5 ]
Ñangapiry Paraguai Folha

Digestiva, antiespasmódica, adstringente, antiflatulenta, no tratamento de infecções de garganta (forma de gargarejo).

Infusão.

-

-

[ 6 ]
Ñangapiry Paraguai Córtex (raiz)

Adstringente, depurativa, antidiarreica e no tratamento de doenças venéreas.

Infusão ou decocção.

-

-

[ 6 ]
Ñangapiry Paraguai Fruto

Laxante.

-

In natura.

-

[ 6 ]
Ñangapiry Paraguai Folha

Anti-hipertensiva.

Maceração em água fria.

-

-

[ 6 ]
- Argentina Córtex (seco)

Adstringente e anti-hipertensiva.

-

-

-

[ 6 ]
- Argentina Folha

Antidiarreica, digestiva, carminativa, diurética, antirreumática, antitérmica, emenagoga, hipotensora, hipolipemiante e hipouricemiante.

Extrato aquoso. 

Uso oral.

-

[ 6 ]
- Paraguai Folha (fresca)

Hipotensora, hipocolesterolemiante e hipouricemiante.

Infusão ou decocção. 

-

-

[ 6 ]
Pitanga Comunidade Quilombola da Mata Atlântica (Brasil) -

Antitérmica, antigripal, antitussígena, no tratamento de dores de cabeça, inflamação de garganta e dentes.

-

-

-

[ 7 ]
Pitanga Comunidade Lami (Porto Alegre-RS, Brasil) Folha e fruto

No tratamento de doenças do sistema digestivo.

-

-

-

[ 8 ]
Pitanga Brasil Folha

No tratamento de infecções de garganta.

-

-

-

[ 9 ]

Referências bibliográficas

1 - WEDLER, E. Atlas de las plantas medicinales silvestres y cultivadas em la zona tropical. 2 ed. Colômbia: Todográficas Ltda, 2017, p. 220.
2 - MATOS, F. J. A. O formulário fitoterápico do professor Dias da Rocha: Informações sobre o emprego na medicina caseira, de plantas do Nordeste, especialmente do Ceará. 2 ed. Fortaleza: EUFC, 1997, p. 197.
3 - LIMA, G. P. P. Medicina verde: programa municipal de plantas medicinais e fitoterápicos de Botucatu (SP) – Saúde - Prescritores. 1 ed. Prefeitura Municipal de Botucatu: Universidade Estadual Paulista, 2015, p. 27.
4 - PANIZZA, S. T. et al. Uso tradicional de plantas medicinais e fitoterápicos. São Luiz: Conbrafito, 2012, p. 212.
5 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 387-388.
6 - GUPTA, M. P. (Ed.). Plantas medicinales ibero-americanas. Bogotá: Programa Iberoamericano de Ciencia y Tecnología, Cyted, Convenio Andrés Bello, 2008. p. 673.
7 - DE SANTANA, B. F. et al. Ethnomedicinal survey of a maroon community in Brazil's. J Ethnopharmacol, v. 181, p.37-49, 2016. doi: 10.1016/j.jep.2016.01.014
8 - BAPTISTA, M. M. et al. Traditional botanical knowledge of artisanal fishers in southern Brazil. J Ethnobiol Ethnomed, v. 9, p.1-16, 2013. doi: 10.1186/1746-4269-9-54
9 - HOLETZ, F. B. et al. Screening of some plants used in the Brazilian folk medicine for the treatment of infectious diseases. Mem Inst Oswaldo Cruz, v. 97, n. 7, p.1027-1031, 2002. doi: 10.1590/s0074-02762002000700017

Anti-hiperuricêmica

Anti-hiperuricêmica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: 765 g do material vegetal (pó) em 3,7 L de etanol/água (7:3). Rendimento: 230 g. Concentrações para ensaio (in vitro): 12,6 a 31,4 µg/mL.

In vitro:

Determinar a atividade inibitória da enzima xantina oxidase (derivada do leite de vaca), com posterior análise dos substratos por espectrofotometria.

 

O extrato hidroalcoólico das folhas de E. uniflora inibe a atividade da enzima xantina oxidase (CI50 = 22,0 µg/mL), sendo promissor para tratamento da hiperuricemia.

[ 31 ]

Anti-inflamatória

Anti-inflamatória
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto

Suco: contendo 35% de polpa e 7,1% de glicose, em água.

In vitro:

Em fibroblastos gengivais de humanos (HGF-1) estimulados ou não por LPS (de Porphyromonas gingivalis), incubados com o suco vegetal, posterior análise da expressão de CXCL8 (RT-PCR) e viabilidade celular (citometria de fluxo).

 

O suco de E. uniflora apresenta atividade anti-inflamatória, contudo demonstra citotoxicidade.

[ 10 ]

Anti-inflamatória e Hipoglicemiante

Anti-inflamatória e Hipoglicemiante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: maceração de 1 kg do material vegetal (pó) em metanol. Rendimento: 130 g.

Concentrações para ensaio (in vitro): 25 a 1000 mg/mL. Doses para ensaio (in vivo): 100 a 400 mg/kg.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através dos ensaios ABTS, DPPH, FRAP e TAC.

Em queratinócitos imortais humanos (HaCaT) incubados com extrato vegetal, com posterior análise da viabilidade celular (MTT); e expostos a irradiação UVA, com posterior análise do estresse oxidativo (ROS), níveis de glutationa (GSH), expressão de p38 e atividade de COX 1, COX-2 e LOX.

 

In vivo:

Em ratos Wistar e camundongos Swiss submetidos aos testes de edema de pata e migração de leucócitos para cavidade peritoneal, contorções abdominais, febre e diabetes, induzidos por carragenina, ácido acético, levedura, estreptozotocina, respectivamente, e teste da placa quente.

O extrato E. uniflora apresenta atividade antioxidante potente, antidiabética, anti-inflamatória e antinociceptiva.

[ 4 ]

Anti-inflamatória e Sedativa

Anti-inflamatória e Sedativa
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato aquoso a 15%: por infusão e decocção (material vegetal fresco ou seco). Volume para ensaio (in vitro): 200 µL. Dose para ensaio (in vivo): 300 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar e camundongos Swiss tratados com os extratos vegetais e submetido aos testes de edema de pata induzido por carragenina, contorções induzidas por ácido acético, análise do trânsito intestinal com carvão ativado e tempo de sono induzido por pentobarbital.

A infusão das folhas frescas de E. uniflora apresenta atividade sedativa e anti-inflamatória, contudo, não houve ação analgésica e antimicrobiana.

[ 27 ]

Antibacteriana

Antibacteriana
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto

Dentifrício: contendo o 3% do extrato hidroalcoólico vegetal. Concentrações para ensaio: 0,005 a 0,3 g/mL.

In vitro:

Em culturas de Streptococcus mutansS. oralis e Lactobacillus casei, submetidas ao teste de difusão em ágar, para determinar concentração inibitória (CIM).

 

O creme dental contendo o extrato hidroalcoólico de E. uniflora apresenta atividade antibacteriana significativa.

[ 1 ]
Folha

Óleo essencial. Rendimento: 0,19%. Outras espécies em estudo: Caryophyllus aromaticus, Cinnamomum zeylanicum, M recutita, Rosmarinus oficinallis, Baccharis dracunculifolia e Vernonia polyanthes.

In vitro:

Em cepas de Staphylococcus aureus (MRSA e MSSA), Escherichia coli, Salmonella typhymurim, S. enteritidis e Pseudomonas aeruginosa submetidas ao teste de diluição em ágar, para determinar concentração inibitória mínima (CIM e CIM90), curva tempo-morte e sinergismo.

 

O óleo essencial de E. uniflora apresenta baixa atividade antibacteriana, enquanto que C. zeylanicum e C. aromaticus demonstram ser os mais ativos.

[ 37 ]

Antibacteriana e Anti-inflamatória

Antibacteriana e Anti-inflamatória
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato (10% p/v): 50 g de material vegetal (pó) em acetona/água (7:3 v/v). Rendimento: 10 g. Frações: acetato de etila e aquosa. Concentrações para ensaio (in vitro): 0,039 a 25 mg/mL. Doses para ensaio (in vivo): 50 a 200 mg/kg.

In vitro:

Em culturas de Staphylococcus aureusS. epidermidisEnterococcus faecalis, Escherichia coliSalmonella enteritidisPseudomonas aeruginosa submetidas ao teste de diluição em ágar, para determinar concentração inibitória mínima (CIM).

 

In vivo:

Em camundongos Swiss portadores de peritonite induzida por carragenina, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise da atividade de mieloperoxidase (MPO), níveis de malondialdeído (MDA), glutationa total e citocinas (TNF-α e IL-1β) no líquido peritoneal; determinar a atividade antinociceptiva através dos testes de contorções abdominais induzidas por ácido acético e da placa quente. 

O extrato e frações de E. uniflora apresenta atividade antibacteriana, anti-inflamatória, antioxidante e analgésica, além da ausência de efeitos adversos.

[ 2 ]

Antidepressiva

Antidepressiva
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: maceração de 100 g do material vegetal (seco) em etanol a 96%. Rendimento: 19,20 g. Doses pare ensaio: 0,1 a 100 mg/kg. Outras espécies em estudo: Eugenia beaurepaireana, E. brasiliensis, E. catharinae e E. umbeliflora.

In vivo:

Em camundongos Swiss tratados com os extratos vegetais, com posterior análise dos testes de campo aberto, suspensão de cauda e envolvimento dos sistemas monoaminérgicos através da associação de substâncias agonistas e antagonistas.

Os extratos de E. uniflora e E. beaurepaireana não apresentam atividade antidepressiva, contudo, a espécie E. brasiliensis, demonstra resultados promissores para esta atividade farmacológica.

[ 19 ]

Antidiarreica

Antidiarreica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: infusão de 16,67 g de material vegetal (seco) em 1 L de solução Tyrode ou água. Outras espécies em estudo: Psidium guajava, Stachytarpheta cayenensis, Polygonum punctatum e Aster squamatus.

In vivo:

Em ratos Wistar tratados com extrato vegetal, com posterior análise transporte de água (jejuno, íleo, duodeno e cólon) e propulsão gastrointestinal na presença de carvão vegetal a 10%.

Os extratos vegetais analisados apresentam atividade antidiarreica promissora.

[ 32 ]

Antidislipidêmica e Hipoglicemiante

Antidislipidêmica e Hipoglicemiante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto

Extrato: material vegetal em 90 mL de etanol/água (70:30 v/v). Outra espécie em estudo: P. cattleianum.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de resistência à insulina induzida por dexametasona, tratados com os extratos vegetais, com posterior análise do peso corporal e do pâncreas, parâmetros bioquímicos (glicose, ALT e AST) e níveis de marcadores oxidativos (TBARS, SOD, CAT, GPx, ALA-C, tiol e proteínas).

Os extratos de E. uniflora e P. cattleianum apresenta atividade hipoglicemiante, antidislipidêmica e antioxidante.

[ 20 ]

Antifúngica

Antifúngica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato:10 g de material (pó) em 100 mL de acetona/água 7:3 (v/v). Concentrações para ensaio: 19,53 a 10,000 µg/mL.

In vitro:

Em culturas de Candida spp. (isoladas da cavidade oral de transplantados renais), submetidas ao teste de diluição em ágar, para determinar concentração inibitória mínima (CIM).

Em eritrócitos humanos e células epiteliais bucais humanas (HBECs) incubados com o extrato vegetal, com posterior análise da atividade hemolítica e citotoxicidade, respectivamente.

Em células HBECs infectadas por Candida spp. e incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise de adesão, formação de biofilme e hidrofobicidade da superfície celular.

 

O extrato de E. uniflora apresenta atividade antifúngica, reduzindo a adesão e formação de biofilme, além da ausência de citotoxicidade e ação hemolítica.

[ 8 ]
Folha

Extrato: 10 g de material vegetal (pó) em 100 mL de acetona/água (7: 3 v/v). Concentração para ensaio: 2000 μg/mL.

In vitro:

Em culturas de Candida albicans isoladas da cavidade oral de pacientes de submetidos ao transplante renal, incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise micromorfológica, morfogênese e secreção enzimas hidrolíticas (proteinase e fosfolipase).

 

O extrato de E. uniflora apresenta atividade antifúngica, sendo promissora para o tratamento da candidíase oral.

[ 14 ]
Folha

Extrato: maceração de 200 g do material vegetal (pó) em 1 L de etanol a 95%. Rendimento: 5,6 g. Concentrações para ensaio: 0,5 a 1024 μg/mL.

In vitro:

Em cultura de Candida albicansC. tropicalisC. krusei submetidas ao teste de microdiluição em ágar, com posterior análise de concentração inibitória mínima (CIM) e sinergismo com drogas sintéticas (anfotericina B, mebendazol, nistatina e metronidazol).

 

O extrato de E. uniflora apresenta atividade antifúngica, principalmente quando associado com metronidazol.

[ 23 ]

Antimicrobiana

Antimicrobiana
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato: metanólico. Rendimento:  145 mg/mL. Óleo essencial. Rendimento: 0,19%. Outras espécies em estudo: Baccharis dracunculifolia, Matricaria chamonilla e Vernonia polyanthes.

In vitro:

Em cultura de Escherichia coli e Staphylococcus aureus submetidas ao teste de diluição em ágar, para determinar concentração inibitória mínima (CIM90%) dos extratos vegetais e óleos essenciais.

 

Os extratos e óleos vegetais apresentam atividade antimicrobiana, principalmente contra cepas de S. aureus.

[ 36 ]
Folha

Extrato: maceração do material vegetal em etanol a 96%. Concentração para ensaio (in vivo): formulação tópica contendo 0,5 e 2% (v/v). Outras espécies em estudo: Punica granatum, Senna siamea e Schinus terebinthifolia.

In vitro:

Em cepas de Staphylococcus aureusS. epidermidisPseudomonas aeruginosaEscherichia coli submetidas ao teste de perfuração em ágar, para determinar concentração inibitória mínima (CIM) e zonas de inibição (mm).

 

In vivo:

Em ratos Wistar (Rattus norvegicus) portadores de infecção cutânea induzida por S. aureusS. epidermidis, tratados com as formulações tópicas, com posterior análise de catalase, DNase, coagulase e novobiocina.

A associação dos extratos de P. granatum e E. uniflora apresenta atividade antimicrobiana promissora, principalmente contra cepas de S. epidermidis e S. epidermidis.

[ 18 ]
Folha

Extrato hidroalcoólico.

In vitro:

Em culturas de Escherichia coli, Pseudomonas aeruginosa, Bacillus subtilis, Staphylococcus aureus e Candida spp. submetidos ao teste de microdiluição em ágar, com posterior análise da concentração inibitória mínima (CIM) e concentração bactericida mínima (CBM).

 

Neste estudo, dentre as 10 espécies vegetais promissoras para a atividade antimicrobiana, E. uniflora demonstra efetividade, principalmente, para Staphylococcus aureus e Candida spp.

[ 30 ]

Antimicrobiana e Antioxidante

Antimicrobiana e Antioxidante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Óleo essencial: a partir de 600 g do material vegetal (fresco), por hidrodestilação. Concentrações para ensaio (in vitro): 1 a 3000 µg/mL; 10 a 200 mg/kg; 0,85 a 500 µg/mL.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da redução do íon férrico (FRAP), eliminação dos radicais DPPH e ABTS.

Em homogenato do cérebro, rins e fígado de camundongos Swiss incubados com o óleo vegetal, com posterior análise da peroxidação lipídica (MDA), atividade das enzimas δ-aminolevulinato desidratase e catalase, e níveis de vitamina C.

Em culturas de Listeria monocytogenes, Salmonella typhimurium, Staphylococcus aureus, Candida spp., Cryptococcus laurentii e Trichosporon asahii, submetidas ao teste de microdiluição em ágar para determinar a concentração inibitória mínima.

 

O óleo essencial de E. uniflora apresenta atividade antioxidante, antibacteriana (S. aureus e L. monocytogenes) e antifúngica (Candida lipolytica e C. guilliermondii).

[ 11 ]

Antimicrobiana e Citotóxica

Antimicrobiana e Citotóxica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Óleo essencial: 2,6 kg de material vegetal. Concentrações para ensaio: 5 µg/ ml e 10 mg/ml.

In vitro:

Em culturas Staphylococcus aureus, S. epidermidis, Bacillus licheniformis, B. subtilis, Enterococcus faecalis, Escherichia coli, Klebsiella pneumoniae, Pseudomonas aeruginosa, Candida albicans e C. parapsilosis submetidos ao teste de microdiluição em ágar para determinar a concentração inibitória mínima (CIM) e concentração microbicida mínima (CMM).

Em cultura de Trypanossoma brucei e células de câncer de mama de humanos (MCF-7) incubadas com óleos essenciais, com posterior análise de citotoxicidade (ensaio MTT).

 

O óleo essencial de E. uniflora apresenta atividade antimicrobiana, principalmente para B. licheniformis e T. brucei, e citotóxica.

[ 7 ]

Antinociceptiva e Antitérmica

Antinociceptiva e Antitérmica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Óleo essencial: 150 g de material vegetal (fresco) em 1000 mL de água, por hidrodestilação. Frações: pentano, diclorometano e metanol. Doses para ensaio: 50 a 500 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss tratados com o óleo e frações vegetais e submetidos aos testes de contorções abdominais induzida por ácido acético, placa quente e aferição da temperatura retal.

[ 6 ]

Antioxidante

Antioxidante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto

Extrato (1:3, p/v): material vegetal (fresco, verde, laranja e roxo) em etanol a 95%. Rendimento: 0,15 mL/g de fruto. Outras espécies em estudo: Psidium cattleianum, Rubus sp. e Butia eriospatha.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da redução de íons férrico (FRAP), eliminação do radical DPPH, potencial antioxidante reativo total (TRAP) e reatividade antioxidante total (TAR).

 

Os extratos de Eugenia uniflora (fruto roxo), Rubus sp. e Psidium cattleianum apresentam atividade antioxidante mais potentes. 

[ 34 ]
Folha

Extrato: 1 g de material vegetal (pó) em 25 mL de água.

Extrato: 1 g de material vegetal em 15 mL de etanol a 60%.

Extrato: 1 g de material vegetal em 10 mL de metanol a 50%, com posterior adição de 10 mL de acetona a 70%.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante (DPPH, ABTS, ORAC e FRAP).

 

In vivo:

Em camundongos BALB/c saudáveis e diabéticos não obesos (NOD), tratados ou não com extrato vegetal aquoso, com posterior análise de peso corporal, parâmetros bioquímicos plasmáticos e hepáticos (glicose, insulina, TBARS e GSH) e histológicos (pâncreas).

O extrato aquoso de E. uniflora apresenta atividade antioxidante, mais potente, além de demonstrar, através do uso crônico, efeito anti-inflamatório e antidiabético.

[ 35 ]
Folha

Extrato: 650 g de material vegetal (fresco) em etanol. Rendimento: 1,07%. Concentrações para ensaio: 1 a 480 mg/mL.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação do radical DPPH.

Em cultura de leucócitos e eritrócitos humanos incubados com extrato vegetal e peróxido de hidrogênio, com posterior análise de citotoxicidade (Azul de tripano), danos no DNA (Ensaio do cometa) e fragilidade osmótica.

Em homogenato do cérebro e fígado de ratos incubados com sulfato de ferro e extrato vegetal, com posterior análise da peroxidação lipídica (TBARS).

 

O extrato de E. uniflora apresenta atividade antioxidante, além de ausência de citotoxicidade, genotoxicidade e ação hemolítica.

[ 5 ]
Folha e semente

Extrato: infusão do material vegetal (pó) em metanol. Frações: acetato de etila, butanol e aquosa. Outra espécie em estudo: Eugenia malaccensis. Concentrações para ensaio: 1 a 1000 μg/mL.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação do radical DPPH; em eritrócitos isolados de voluntários saudáveis, incubados com o extrato e frações vegetais, com posterior análise da atividade hemolítica.

Em esplenócitos isolados de camundongos BALB/c incubadas com o extrato e frações vegetais, com posterior análise de citotoxicidade (3H-timidina), viabilidade (Anexina e Iodeto Propídio), níveis de citocinas (IFN-γ, IL-2 e IL-6) e óxido nítrico.

 

Os extratos e frações de E. uniflora e E. malaccensis apresentam atividade antioxidante potente, além de baixa toxicidade, sendo promissores para o tratamento de processos inflamatórios.

[ 13 ]
Folha

Extrato: 10 g de material vegetal (seco ao sol ou em ar circulante, pó) em 400 mL de etanol. Concentrações para ensaio: 0,0063 a 0,5 mg/mL.

In vitro:

Em homogenatos cerebral e hepático de ratos Wistar incubados com os extratos vegetais e agentes pró-oxidantes, com posterior análise da peroxidação lipídica (TBARS).

 

O extrato das folhas de E. uniflora, secas em ar circulante, apresenta atividade antioxidante mais potente.

[ 15 ]
Parte aérea

Extrato: material vegetal (pó) em metanol. Frações: n-hexano, clorofórmio, acetato de etila e aquosa. Concentrações para ensaio: 1 a 100 µg/mL. Outras espécies em estudo: Aristolochia giberti, Cecropia pachystachya, Piper fulvescens, Schinus terebinthifolia e S. weinmannifolia.

In vitro:

Determinar a peroxidação lipídica em microssomas hepáticos de ratos Wistar induzida por sulfato de ferro e tetracloreto de carbono.

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação dos radicais DPPH e O2-.

 

Os extratos metanólicos de C. pachystachya, E. uniflora e S. weinmannifolia apresentam atividade antioxidante mais potentes.

[ 22 ]

Antioxidante e Inibidora da enzima α-glicosidase

Antioxidante e Inibidora da enzima α-glicosidase
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: 1 g de material vegetal em 100 mL de etanol a 95%. Rendimento: 6,87%. Outra espécie em estudo: Camellia sinensis.

In vitro:

Determinar a atividade inibitória da enzima α-glicosidase (espectrofotometria), antioxidante através da eliminação do radical DPPH e a inibição da peroxidação lipídica (ácido linoleico), na presença dos extratos vegetais (em associação ou não).

 

Os extratos de E. uniflora e C. sinensis apresentam sinergismo para o efeito inibidor da enzima α-glicosidase e antioxidante.

[ 33 ]

Antiparasitária

Antiparasitária
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Óleo essencial: 300 g do material vegetal (seco), por hidrodestilação. Rendimento: 0,3%. Concentrações para ensaio (in vitro): 0,78 a 400 µg/mL.

In vitro:

Em cultura de Leishmania amazonensis (forma promastigota), macrófagos murinos, hemácias de humanos incubados com o óleo vegetal, com posterior análise da atividade antileishmania (hemocitômetro), citotóxica (ensaio MTT) e hemolítica (espectrofotômetro), respectivamente.

Em macrófagos murinos infectados com Leishmania amazonensis (forma amastigota), incubados com o óleo vegetal, com posterior análise da atividade lipossomal, fagocitose e níveis de óxido nítrico.

 

O óleo essencial de E. uniflora apresenta atividade antiparasitária, mediada por ação lisossomal e fagocitose, além de baixa citotoxicidade.

[ 38 ]
Casca

Extrato aquoso. Concentrações para ensaio: 0,02 a 2,5 mg/mL. Outras espécies em estudo: Achyrocline satureioides, Foeniculum vulgare e Psidium guajava.

In vitro:

Em cultura trofozoítos de Giardia lamblia incubados com os extratos vegetais, com posterior análise de suscetibilidade qualitativa e quantitativa (microscopia invertida e hemocitômetro).

 

Os extratos de A. satureioides, Psidium guajava e E. uniflora apresentam atividade antiparasitária (giardíase), exceto F. vulgare.

[ 25 ]

Antiproliferativa

Antiproliferativa
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto

Extrato (1:3 p/v): material vegetal (fresco) em etanol a 95%. Concentrações para ensaio: 5 a 100 mg/1mL.

In vitro:

Em cultura de células estreladas hepáticas isoladas de camundongos (C3H/HeN), infectadas com cercárias de Schistosoma mansoni, incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise da proliferação celular, viabilidade celular, potencial de membrana mitocondrial, morte celular e ciclo celular.

 

O extrato de E. uniflora apresenta atividade antiproliferativa, citotóxica e apoptótica, sendo promissor para o tratamento da fibrose hepática.

[ 9 ]

Hepatoprotetora

Hepatoprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto

Extrato (1:3, p/v): material vegetal (fresco, roxo) em etanol a 95%. Concentrações para ensaio: 5, 50 e 100 μg/mL.

In vitro:

Em células estreladas hepáticas de camundongos (C3H/HeN) infectadas por cercárias de Schistosoma mansoni, tratadas com o extrato vegetal, com posterior análise da expressão de ATG-7 (RT-PCR), quantificação da autofagossomo (citometria de fluxo) e parâmetros ultraestruturais (microscopia).

 

O extrato de E. uniflora apresenta eficácia no tratamento de fibrose hepática, pois estimula a autofagia.

[ 21 ]

Hipotensora

Hipotensora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: 6 g de material vegetal (seco) em 100 mL de água. Rendimento: 17% (p/p). Concentrações para ensaio (in vitro): 0,3 a 1,2%. Dose para ensaio (in vivo): 16 mg/kg.

In vitro:

Em ventrículos de ratos Wistar perfundidos com o extrato vegetal, acetilcolina e propranolol, com posterior análise da pressão intraventricular.

 

In vivo:

Em ratos Wistar normotensos submetidos a administração do extrato vegetal, com posterior análise da frequência cardíaca e pressão arterial.

O extrato de E. uniflora apresenta atividade hipotensora, devido a seletividade para receptores β-adrenérgicos e bloqueio de cálcio.

[ 24 ]
Folha

Extrato aquoso (material vegetal seco). Rendimento: 17% (p/p).

In vivo:

Em ratos Wistar normotensos tratados com o extrato vegetal e fenilefrina, com posterior análise da pressão arterial; em ratas submetidas a perfusão na aorta abdominal com solução de Krebs e extrato vegetal, com posterior análise da contratilidade vascular; e submetidas a administração de solução de cloreto de sódio (0,9%), amilorida e extrato vegetal, com posterior análise do volume da urina e níveis de Na+, Cl e K+.

O extrato de E. uniflora apresenta atividade hipotensora, mediada por ações de vasodilatação e diurese.

[ 29 ]

Inibidora enzimática (α-glucosidase e acetilcolinesterase)

Inibidora enzimática (α-glucosidase e acetilcolinesterase)
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto

Suco. Outra espécie em estudo: Plinia cauliflora. Concentrações para ensaio: 1 e 5 mg/mL.

In vitro:

Determinar a atividade inibitória das enzimas α-glucosidase e acetilcolinesterase por Microanálise Mediada por Eletroforese Capilar (EMMA).

 

O suco dos frutos de E. uniflora e P. cauliflora inibem a atividade das enzimas α-glucosidase (1 mg/mL) e acetilcolinesterase (5 mg/mL), sendo promissor para o tratamento do diabetes tipo 2 e doença Alzheimer.

[ 3 ]

Reguladora da síndrome metabólica

Reguladora da síndrome metabólica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Fruto

Extrato: 30 g do material vegetal (fresco, vermelho) em 90 mL de etanol/água (70:30, v/v). Dose para ensaio: 200 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de síndrome metabólica induzida por dieta hipercalórica, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise do peso corporal, ingestão de alimentos, parâmetros bioquímicos (glicose, ureia, ácido úrico, ALT, CT, LDL, HDL e TAG), histopatológicos (hepático e tecido adiposo), comportamentais (campo aberto, natação forçada e labirinto em cruz elevado) e neuroquímicos (TBARS, CAT, SOD, GPX e tiol) e atividade da enzima acetilcolinesterase.

O extrato de E. uniflora apresenta efetividade no tratamento da síndrome metabólica, devido as ações hipolipidêmica, hipoglicemiante, antioxidante e neuroprotetora.

[ 16 ]
Fruto

Extrato: 30 g do material vegetal (fresco, vermelho) em 90 mL de etanol/água (70:30, v/v). Dose para ensaio: 200 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de síndrome metabólica induzida por dieta hipercalórica, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise do peso corporal, ingestão de alimentos, parâmetros bioquímicos (glicose, ureia, ácido úrico, ALT, CT, LDL, HDL e TAG), histopatológicos (hepático e tecido adiposo), comportamentais (campo aberto, natação forçada e labirinto em cruz elevado) e neuroquímicos (TBARS, CAT, SOD, GPX e tiol) e atividade da enzima acetilcolinesterase.

O extrato de E. uniflora apresenta efetividade no tratamento da síndrome metabólica, devido as ações hipolipidêmica, hipoglicemiante, antioxidante e neuroprotetora.

[ 16 ]

Vasorelaxante

Vasorelaxante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato (1:20, p/v): maceração do material vegetal (pó) em etanol a 80%. Rendimento: 7,3%. Frações: acetato de etila e diclorometano. Concentrações para ensaio: 1 a 300 µg/mL.

In vitro:

Em anéis da aorta torácica de ratos Wistar, com ou sem endotélio, incubados com substâncias vasorelaxantes/vasoconstritoras e extrato e frações vegetais, com posterior análise da contratilidade vascular.

 

O extrato e frações de E. unifora apresentam atividade vasorelaxante (com endotélio intacto), concentração dependente, via L-arginina-óxido-nítrico.

[ 17 ]
Ensaios toxicológicos

Letalidade

Letalidade
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Parte aérea

Extrato: maceração de material vegetal (pó) em etanol a 99,8%. Concentrações para ensaio: 1 a 1000 µg/mL. Outras espécies em estudo: Acmella uliginosaAgeratum conyzoides, Plectranthus neochilusMoringa oleiferaJusticia pectoralis e Equisetum sp.

In vitro:

Determinar a letalidade através do bioensaio em Artemia salina.

 

O extrato de A. uliginosa exibe maior letalidade, seguido de P. neochilus, A. conyzoides e E. uniflora.

[ 26 ]

Letalidade e Toxicidade aguda/subaguda

Letalidade e Toxicidade aguda/subaguda
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: 765 g do material vegetal (pó) em 3,7 L de etanol/água (7:3). Rendimento: 230 g. Doses para ensaio: 50 a 4200 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos BALB/c submetidos aos testes de letalidade (CL50), toxicidade oral aguda e subaguda.

O extrato de E. uniflora não apresenta sinais de toxicidade oral significativa até a dose de 4200 mg/kg, contudo, demonstra DL50 = 200 mg/kg via intraperitoneal.

[ 31 ]

Toxicidade aguda

Toxicidade aguda
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Óleo essencial: a partir de 600 g do material vegetal (fresco), por hidrodestilação. Doses para ensaio (in vivo): 10 a 200 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss submetidos ao teste de toxicidade aguda.

O óleo essencial de E. uniflora não apresenta sinais de toxicidade até a dose de 200 mg/kg.

[ 12 ]
Folha

Extrato aquoso a 15%: por infusão e decocção (material vegetal fresco ou seco). Dose para ensaio (in vivo): 300 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss submetidos ao teste de toxicidade aguda.

A infusão ou decocção de E. uniflora não apresentam sinais de toxicidade na dose de 300 mg/kg.

[ 28 ]

Referências bibliográficas

1 - JOVITO, V. C. et al. Eugenia uniflora dentifrice for treating gingivitis in children: antibacterial assay and randomized clinical trial. Braz Dent J, v. 27, n. 4, p.387-392, 2016. doi: 10.1590/0103-6440201600769
2 - FALCÃO, T. R. et a. Crude extract and fractions from Eugenia uniflora Linn leaves showed anti-inflammatory, antioxidant, and antibacterial activities. BMC Complement Altern Med, v. 18, n. 1, p.1-12, 2018. doi: 10.1186/s12906-018-2144-6
3 - SIEBERT, D. A. et al. Determination of acetylcholinesterase and α-glucosidase inhibition by electrophoretically-mediated microanalysis and phenolic profile by HPLC-ESI-MS/MS of fruit juices from Brazilian Myrtaceae Plinia cauliflora (Mart.) Kausel and Eugenia uniflora L. Nat Prod Res, v. 34, n. 18, p.2683-2688, 2020. doi: 10.1080/14786419.2018.1550760
4 - SOBEH, M. et al. Chemical profiling of secondary metabolites of Eugenia uniflora and their antioxidant, anti-inflammatory, pain killing and anti-diabetic activities: a comprehensive approach. J Ethnopharmacol, v. 240, p.1-12, 2019. doi: 10.1016/j.jep.2019.111939
5 - DA CUNHA, F. A. B. et al. Cytotoxic and antioxidative potentials of ethanolic extract of Eugenia uniflora L. (Myrtaceae) leaves on human blood cells. Biomed Pharmacother, v. 84, p.614-621, 2016. doi: 10.1016/j.biopha.2016.09.089
6 - AMORIM, A. C. L. Antinociceptive and hypothermic evaluation of the leaf essential oil and isolated terpenoids from Eugenia uniflora L. (Brazilian pitanga). Phytomedicine, v. 16, n. 10, p.923-928, 2009. doi: 10.1016/j.phymed.2009.03.009
7 - SOBEH, M. et al. Chemical profiling of the essential oils of Syzygium aqueum, Syzygium samarangense and Eugenia uniflora and their discrimination using chemometric analysis. Chem Biodivers, v. 13, n. 11, p.1537-1550, 2016. doi: 10.1002/cbdv.201600089
8 - SOUZA, L. B. F. C. et al. Influence of Eugenia uniflora extract on adhesion to human buccal epithelial cells, biofilm formation, and cell surface hydrophobicity of Candida spp. from the oral cavity of kidney transplant recipients. Molecules, v. 23, n. 10, 2018. doi: 10.3390/molecules23102418
9 - DENARDIN, C. C. et al. Antiproliferative and cytotoxic effects of purple pitanga (Eugenia uniflora L.) extract on activated hepatic stellate cells. Cell Biochem Funct, v. 32, n. 1, p.16-23, 2014. doi: 10.1002/cbf.2965
10 - SOARES, D. J. et al. Pitanga (Eugenia uniflora L.) fruit juice and two major constituents thereof exhibit anti-inflammatory properties in human gingival and oral gum epithelial cells. Food Funct, v. 5, n. 11, p.2981-2988, 2014. doi: 10.1039/c4fo00509k
11 - VICTORIA, F. N. et al. Essential oil of the leaves of Eugenia uniflora L.: antioxidant and antimicrobial properties. Food Chem Toxicol, v. 50, n. 8, p.2668-2674, 2012. doi: 10.1016/j.fct.2012.05.002
12 - VICTORIA, F. N. et al. Essential oil of the leaves of Eugenia uniflora L.: antioxidant and antimicrobial properties. Food Chem Toxicol, v. 50, n. 8, p.2668-2674, 2012. doi: 10.1016/j.fct.2012.05.002
13 - FIGUEIRÔA, E. O. et al. Evaluation of antioxidant, immunomodulatory, and cytotoxic action of fractions from Eugenia uniflora L. and Eugenia malaccensis L.: correlation with polyphenol and flavanoid contente. ScientificWorld J, p.1-7, 2013. doi: 10.1155/2013/125027
14 - SILVA-ROCHA, W. P. et al. Effect of the crude extract of Eugenia uniflora in morphogenesis and secretion of hydrolytic enzymes in Candida albicans from the oral cavity of kidney transplant recipientes. BMC Complement Altern Med, p.1-15, 2015. doi: 10.1186/s12906-015-0522-x
15 - KADE, I. J. et al. Sun-drying diminishes the antioxidative potentials of leaves of Eugenia uniflora against formation of thiobarbituric acid reactive substances induced in homogenates of rat brain and liver. Exp Toxicol Pathol, v. 60, n. 4-5, p.365-371, 2008. doi: 10.1016/j.etp.2007.12.001
16 - OLIVEIRA, P. S. et al. Eugenia uniflora fruit (red type) standardized extract: a potential pharmacological tool to diet-induced metabolic syndrome damage management. Biomed Pharmacother, v. 92, p.935-941, 2017. doi: 10.1016/j.biopha.2017.05.131
17 - QAZLAWIK, E. et al. Analysis of the role of nitric oxide in the relaxant effect of the crude extract and fractions from Eugenia uniflora in the rat thoracic aorta. J Pharm Pharmacol, v. 49, n. 4, p.433-437, 1997. doi: 10.1111/j.2042-7158.1997.tb06820.x
18 - BERNARDO, T. H. L. et al. Antimicrobial analysis of an antiseptic made from ethanol crude extracts of P. granatum and E. uniflora in Wistar rats against Staphylococcus aureus and Staphylococcus epidermidis. ScientificWorld J, p.1-7, 2015. doi: 10.1155/2015/751791
19 - COLLA, A. R. S. et al. Involvement of monoaminergic systems in the antidepressant-like effect of Eugenia brasiliensis Lam. (Myrtaceae) in the tail suspension test in mice. J Ethnopharmacol, v. 143, n. 2, p.720-31, 2012. doi: 10.1016/j.jep.2012.07.038
20 - CARDOSO, J. S. et al. Antioxidant, antihyperglycemic, and antidyslipidemic effects of Brazilian-native fruit extracts in an animal model of insulin resistance. Redox Rep, v. 23, n. 1, p.41-46, 2018. doi: 10.1080/13510002.2017.1375709
21 - DENARDIN, C. C. et al. Autophagy induced by purple pitanga (Eugenia uniflora L.) extract triggered a cooperative effect on inducing the hepatic stellate cell death. Cell Biol Toxicol, v. 33, n. 2, p.197-206, 2017. doi: 10.1007/s10565-016-9366-5
22 - VELÁZQUEZ, E. et al. Antioxidant activity of Paraguayan plant extracts. Fitoterapia, v. 74, n. 1-2, p.91-97, 2003. doi: 10.1016/s0367-326x (02)00293-9
23 - SANTOS, K. K. A. et al. Enhancement of the antifungal activity of antimicrobial drugs by Eugenia uniflora L. J Med Food, v. 16, n. 7, p.669-671, 2013. doi: 10.1089/jmf.2012.0245
24 - CONSOLINI, A. E.; SARUBBIO, M. G. Pharmacological effects of Eugenia uniflora (Myrtaceae) aqueous crude extract on rat's heart. J Ethnopharmacol, v. 81, n. 1, p.57-63, 2002. doi: 10.1016/s0378-8741(02)00039-9
25 - BRANDELLI, C. L. C. et al.  Indigenous traditional medicine: in vitro anti-giardial activity of plants used in the treatment of diarrhea. Parasitol Res, v. 104, n. 6, p.1345-1349, 2009. doi: 10.1007/s00436-009-1330-3
26 - ARCANJO, D. D. R. et al. Bioactivity evaluation against Artemia salina Leach of medicinal plants used in Brazilian Northeastern folk medicine. Braz J Biol, v. 72, n. 3, p.505-509, 2012. doi: 10.1590/s1519-69842012000300013
27 - SCHAPOVAL, E. E. et al. Evaluation of some pharmacological activities of Eugenia uniflora L. J Ethnopharmacol, v. 44, n. 3, p.137-142, 1994. doi: 10.1016/0378-8741(94)01178-8
28 - SCHAPOVAL, E. E. et al. Evaluation of some pharmacological activities of Eugenia uniflora L. J Ethnopharmacol, v. 44, n. 3, p.137-142, 1994. doi: 10.1016/0378-8741(94)01178-8
29 - CONSOLINI, A. E. et al. Pharmacological basis for the empirical use of Eugenia uniflora L. (Myrtaceae) as antihypertensive. J Ethnopharmacol, v. 66, n. 1, p.33-39, 1999. doi: 10.1016/s0378-8741(98)00194-9
30 - HOLETZ, F. B. et al. Screening of some plants used in the Brazilian folk medicine for the treatment of infectious diseases. Mem Inst Oswaldo Cruz, v. 97, n. 7, p.1027-1031, 2002. doi: 10.1590/s0074-02762002000700017
31 - SCHMEDA-HIRSCHMANN, G. et al. Preliminary pharmacological studies on Eugenia uniflora leaves: xanthine oxidase inhibitory activity. J Ethnopharmacol, v. 21, n. 2, p.183-186, 1987. doi: 10.1016/0378-8741(87)90128-0
32 - ALMEIDA, C. E. et al. Analysis of antidiarrhoeic effect of plants used in popular medicine. Rev Saude Publica, v. 29, n. 6, p.428-433, 1995. doi: 10.1590/s0034-89101995000600002
33 - VINHOLES, J.; VIZZOTTO, M. Synergisms in alpha-glucosidase inhibition and antioxidant activity of Camellia sinensis L. Kuntze and Eugenia uniflora L. ethanolic extracts. Pharmacognosy Res, v. 9, n. 1, p.101-107, 2017. doi: 10.4103/0974-8490.197797
34 - DENARDIN, C. C. et al. Antioxidant capacity and bioactive compounds of four Brazilian native fruits. J Food Drug Anal, v. 23, n. 3, p.387-398, 2015. doi: 10.1016/j.jfda.2015.01.006
35 - SCHUMACHER, N. S. G. et al. Identification and antioxidant activity of the extracts of Eugenia uniflora leaves. Characterization of the anti-inflammatory properties of aqueous extract on diabetes expression in an experimental model of spontaneous type 1 diabetes (NOD mice). Antioxidants (Basel), v. 4, n. 4, p.662-680, 2015. doi: 10.3390/antiox4040662
36 - SILVA, N. C. C. et al. Antimicrobial activity and phytochemical analysis of crude extracts and essential oils from medicinal plants. Nat Prod Res, v. 26, n. 16, p.1510-1514, 2012. doi: 10.1080/14786419.2011.564582 
37 - BARBOSA, L. N. et al. In vitro antibacterial and chemical properties of essential oils including native plants from Brazil against pathogenic and resistant bactéria. J Oleo Sci, v. 64, n. 3, p.289-298, 2015. doi: 10.5650/jos.ess14209
38 - RODRIGUES, K. A. F. et a. Eugenia uniflora L. essential oil as a potential anti-leishmania agent: effects on Leishmania amazonensis and possible mechanisms of action. Evid Based Complement Alternat Med, p.1-10, 2013, doi: 10.1155/2013/279726

Formulário de Fitoterápico

Referências bibliográficas

1 - BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira 2ª edição. Brasília: Anvisa, p. 87-88, 2021.

Dados Químicos
[ 1 , 2 , 3 , 4 , 5 , 6 , 7 , 8 , 9 , 10 , 11 , 12 , 13 ]
Marcador:
Principais substâncias:

Ácidos fenólicos

elágico, gentísico, gálico, clorogênico e cafeico.

Ácidos orgânicos

ácido cítrico.

Antocianinas

delfinidina-3-O-β-glucopiranosídeo e cianidina.

Carboidratos

L-frutose, D-glucose e sacarose.

Fitosteroides

Flavonoides

miricitrina, quercetina, quercitrina, isoquercitrina, galocatequina, miricetina, prodelfinidina, procianidina, caempferol, luteolina e rutina.

Minerais

cálcio, ferro e fósforo.

Óleos essenciais

curzereno, germacreno, γ e β-elemeno, alcanfor, cer-3-eno, 1,8-cineol, p-cimeno, geranato de metila, limoneno, linalol, β-mirceno, ocimeno, α-felandreno, β-pineno, p-dimetil-α-estireno, terpineno, tepinoleno, alloaromadendreno, biciclogermacreno, α e β-cariofileno, furanodieno, furanoelemeno, globulol, humuleno, ledeno, selineno, espatulenol, viridiflorol, carvona, pulegona, nerolidol, verbenona, selina, isofuranodieno, α-copaeno, β-cadieno, cadinol, muurola-4,10-dien-1-β-ol, α-santalol e cedr-8-en-13-ol.

Pigmentos

Saponinas

Sesquiterpenos

atractilona e 3-furanoeudesmeno.

Taninos

galocatequina, telimagrandina II, enoteína B, eugeniflorina D1 e D2.

Triterpenos pentacíclicos

Vitaminas

A, B1, B2, B3, e C.

Referências bibliográficas

1 - GUPTA, M. P. (Ed.). Plantas medicinales ibero-americanas. Bogotá: Programa Iberoamericano de Ciencia y Tecnología, Cyted, Convenio Andrés Bello, 2008. p. 674-675.
2 - GRUENWALD, J. et al. PDR for Herbal Medicines. Montvale: Economics Company, Inc, 2000, p. 742.
3 - BROURSCHEID, K. et al. Eugenia uniflora (pitangueira). In: CORADIN, L. et al. (Ed.). Espécies nativas da flora brasileira de valor econômico atual ou potencial: Plantas para o futuro: Região Sul. Brasília, DF: MMA, 2011. p. 172.
4 - LEE, M. H. et al. EBV DNA polymerase inhibition of tannins from Eugenia uniflora. Cancer Lett, v. 154, n. 2, p.131-136, 2000. doi: 10.1016/s0304-3835(00)00353-0
5 - BARBOSA, L. N. et al. In vitro antibacterial and chemical properties of essential oils including native plants from Brazil against pathogenic and resistant bactéria. J Oleo Sci, v. 64, n. 3, p.289-298, 2015. doi: 10.5650/jos.ess14209
6 - BAILÃO, E. F. L. C. et al. bioactive compounds found in Brazilian Cerrado fruits. Int J Mol Sci, v. 16, n. 10, p.23760-23783, 2015. doi: 10.3390/ijms161023760
7 - DE ARAÚJO, F. F. et al. Wild Brazilian species of Eugenia genera (Myrtaceae) as an innovation hotspot for food and pharmacological purposes. Food Res Int, v. 121, p.57-72, 2019. doi: 10.1016/j.foodres.2019.03.018
8 - FIGUEIREDO, P. L. B. et al. Composition, antioxidant capacity and cytotoxic activity of Eugenia uniflora L. chemotype-oils from the Amazon. J Ethnopharmacol, v. 232, p.30-38, 2019. doi: 10.1016/j.jep.2018.12.011
9 - SOBEH, M. et al. Chemical profiling of secondary metabolites of Eugenia uniflora and their antioxidant, anti-inflammatory, pain killing and anti-diabetic activities: a comprehensive approach. J Ethnopharmacol, v. 240, p.1-12, 2019. doi: 10.1016/j.jep.2019.111939
10 - DA CUNHA, F. A. B. et al. Cytotoxic and antioxidative potentials of ethanolic extract of Eugenia uniflora L. (Myrtaceae) leaves on human blood cells. Biomed Pharmacother, v. 84, p.614-621, 2016. doi: 10.1016/j.biopha.2016.09.089
11 - SOBEH, M. et al. Chemical profiling of the essential oils of Syzygium aqueum, Syzygium samarangense and Eugenia uniflora and their discrimination using chemometric analysis. Chem Biodivers, v. 13, n. 11, p.1537-1550, 2016. doi: 10.1002/cbdv.201600089
12 - AMORIM, A. C. L. et al. Antinociceptive and hypothermic evaluation of the leaf essential oil and isolated terpenoids from Eugenia uniflora L. (Brazilian pitanga), Phytomedicine, v. 16, n.10, p.923-928, 2009. doi: 10.1016/j.phymed.2009.03.009
13 - MIGUES, I. et al. Phenolic profiling and antioxidant capacity of Eugenia uniflora L. (pitanga) samples collected in different Uruguayan locations. Foods, v. 7, n. 5, p.1-12, 2018. doi: 10.3390/foods7050067

Propagação: 

por estaquia, enxertia, alporquia ou sementes (mais comum). As sementes devem ser despolpadas dos frutos maduros, lavadas e secas à sombra. As sementes devem ser introduzidas de 2 em 2 duas, em sacos plásticos de 12x16 cm, contendo terra e esterco orgânico. Realizar cobertura com palha ou capim para manter a umidade nas sementes e proteger do calor. A germinação ocorre cerca de 20 a 25 dias após a semeadura, assim deve-se remover a cobertura de palha ou capim. As mudas devem ser acomodadas em local protegidas do sol intenso (sombrite). Após 6 meses da semeadura, as mudas, com aproximadamente 25 cm de comprimento, devem ser transplantadas para local definitivo, selecionando aquelas mais vigorosas. O plantio deve ser realizado em covas de 30 cm em todas as direções, contendo adubo orgânico misturado à terra. O espaçamento deve ser de 4x5 m, em forma de retângulo. Esta espécie prefere solos úmidos e ricos em matéria orgânica, bem como a meia-sombra [ 1 , 2 ] .

Tratos culturais & Manejo: 

a irrigação deve ser realizada até o enraizamento, posteriormente, pode ser realizada somente em períodos de secas severas. Faz-se necessário a roçagem e capinas (em coroa) para estimular o desenvolvimento das mudas [ 1 , 2 , 3 ] .

Colheita: 

as folhas devem ser colhidas no verão ou início de outono, sendo realizado a desfolha parcial, garantido assim, a sobrevivência do vegetal. Os frutos maduros devem ser colhidos na primavera [ 1 ] .

Pós-colheita: 

as folhas devem ser secas imediatamente após a colheita, em temperatura de 35 a 38°C [ 1 ] .

Problemas & Soluções: 

esta espécie adapta-se bem a diversas condições climáticas, altitudes e luminosidade, contudo, prefere ambientes quentes e úmidos, não tolerando o estresse hídrico. Pode ser acometida por pragas, como por exemplo, coleobrocas (tronco e ramos), mosca-da-fruta e formigas saúvas [ 1 , 2 ] .

Referências bibliográficas

1 - MING, L. C. Medicina verde: programa municipal de plantas medicinais e fitoterápicos de Botucatu (SP) – Agricultores. 1 ed. Prefeitura Municipal de Botucatu: Universidade Estadual Paulista, 2015, p. 30.
2 - BROURSCHEID, K. et al. Eugenia uniflora (pitangueira). In: CORADIN, L. et al. (Ed.). Espécies nativas da flora brasileira de valor econômico atual ou potencial: Plantas para o futuro: Região Sul. Brasília, DF: MMA, 2011. p. 173-175.
3 - BEZERRA, J. E. F. et al. Eugenia uniflora (pitanga). In: CORADIN, L. et al. (Ed.). Espécies nativas da flora brasileira de valor econômico atual ou potencial: Plantas para o futuro: Região Nordeste. Brasília, DF: MMA, 2018. p. 158-163.

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 2019
Arquivo: PDF icon Download (748.65 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 2017
Arquivo: PDF icon Download (628.39 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 2010
Arquivo: PDF icon Download (352.98 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 2003
Arquivo: PDF icon Download (199.92 KB)

Parceiros