Mentha x piperita L.

Hortelã-pimenta, menta inglesa, hortelã das cozinhas e sândalo.

Sinonímia 
Mentha citrata Ehrh.
Família 
Informações gerais 

Originária da Europa, e encontra-se também bem distribuída na América do Norte. Ocorre em quase todo os continentes, sendo muito utilizada na indústria de perfumaria, bebida e alimentícia. No Brasil é muito cultivada em canteiros para uso medicinal. Suas principais indicações são: antiespasmódica, carminativa, anti-inflamatória, analgésica, antiúlcera, antidispéptica, colagoga, diurética, antisséptica, antibacteriana, antifúngica, antiviral, antiparasitária, antipruriginosa, expectorante e sedativa[1,2,3,4,5,6,7].

Referências informações gerais
1 - MATOS, F. J. A. Plantas medicinais: Guia de seleção e emprego de plantas medicinais usadas em fitoterapia no Nordeste do Brasil. 2 ed. Fortaleza: Imprensa Universitária – UFC, 2000, p. 231-232.
2 - PEREIRA, A. M. S. et al. (Org.). Manual Prático de Multiplicação e Colheita de Plantas Medicinais. Ribeirão Preto: Bertolucci, 2011, p. 151-154.
3 - TESKE, M. & TRENTINI, A. M. M. Compêndio de Fitoterapia. 4 ed. Curitiba: Herbarium Lab. Bot. Ltda, 2001, p. 182-184.
4 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 2. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 220-228.
5 - GERMOSÉN-ROBINEAU, L. (Ed.). Hacia una farmacopea caribeña. Tramil 7 edición. Santo Domingo, República Dominicana: Enda-Caribe, UAG & Universidad de Antioquia, 1995, p. 370-374.
6 - GRUENWALD, J. et al. PDR for Herbal Medicines. Montvale: Economics Company, Inc, 2000, p. 580-583.
7 - KRAFT, K.; HOBBS, C. Pocket Guide to Herbal Medicine. New York: Thieme Stuttgart, 2004, p. 102-104.
Descrição da espécie 

Erva aromática, perene, ramificada, de 20 a 90 cm de altura, semi-ereta, de talos rasteiros, caules quadrangulares, de cor verde escuro a roxo-purpúreo; dos rizomas emergem novas plantas, espalhando por todo o terreno; folhas inteiras, curtas, com 3 a 9 cm de comprimento x 1 a 3 cm de largura, oblongo-ovais, ápice acuminado, margem dentada, base assimétrica, pubescente na parte abaxial, possui pecíolo estriado, medindo cerca de 1 mm de diâmetro x 0,5 a 1 cm de comprimento; flores em espigas terminais, de 2,5 a 7,5 cm, rosa-arroxeadas[1,2,3,4,5,6].

Referências descrição da espécie
1 - MATOS, F. J. A. Plantas medicinais: Guia de seleção e emprego de plantas medicinais usadas em fitoterapia no Nordeste do Brasil. 2 ed. Fortaleza: Imprensa Universitária – UFC, 2000, p. 231.
2 - PEREIRA, A. M. S. et al. (Org.). Manual Prático de Multiplicação e Colheita de Plantas Medicinais. Ribeirão Preto: Bertolucci, 2011, p. 151.
3 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 2. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 221.
4 - LONDRES. The Department of Health. British Pharmacopoeia 2012, vol. IV. London: Stationery Office Books, p. 3686, 2011.
5 - GERMOSÉN-ROBINEAU, L. (Ed.). Hacia una farmacopea caribeña. Tramil 7 edición. Santo Domingo, República Dominicana: Enda-Caribe, UAG & Universidad de Antioquia, 1995, p. 370.
6 - GRUENWALD, J. et al. PDR for Herbal Medicines. Montvale: Economics Company, Inc, 2000, p. 580.
Nome popular Local Parte da planta Indicação Modo de preparo Forma de uso Restrição de uso Referências
Menta Botucatu-SP (Brasil) Folha e sumidade florida

No tratamento de cólicas, flatulências e problemas hepáticos.

-

Uso interno: tomar 1 xícara (de chá) de 2 a 4 vezes ao dia.

Não deve ser utilizada em caso de obstruções biliares, danos hepáticos severos e na lactação.

[ 1 ]
Hortelã-pimenta Ceará (Brasil) Folha

Antidispéptica, carminativa e antiemético.

Chá. 

Uso interno.

-

[ 2 , 3 ]
Hortelã-pimenta Ceará (Brasil) Folha

No tratamento de inflamações da boca e gengivas.

Chá.

Na forma de gargarejo e bochecho.

-

[ 2 , 3 ]
Hortelã-pimenta Ceará (Brasil) Folha

No Tramento de ferimentos e contusões na pele.

Chá. 

Uso externo.

-

[ 2 , 3 ]
Hortelã-pimenta Ceará (Brasil) Folha

Antidispéptica, carminativa, espasmolítica, antidiarreica e tônica.

 Infusão.

Uso oral.

-

[ 4 ]
Nana e đoz Timok e Svrljig (Sérvia) Parte aérea

Antidispéptica, laxante, analgésica (abdominal) e no tratamento de bronquite.

Chá. 

-

-

[ 5 ]
Nana pitoma Suva Planina (montanha na Sérvia) Parte aérea

Hipoglicemiante, antidispéptica e no tratamento de resfriados.

Chá.

-

-

[ 6 ]
Nana pitoma Suva Planina Parte aérea

No tratamento da enxaqueca.

Chá: associar com erva-de-São-João, mil-folha e tomilho de Breckland ou com erva-cidreira, camomila e alecrim. 

-

-

[ 6 ]
Menthe ou mentha Ilhas Maurício (África) Folha

No tratamento da distenção abdominal e colite.

Decocção.

Uso oral.

-

[ 7 ]
Hortelã Maceió/AL (Brasil) -

Antitérmica, analgésica, no tratamento de doenças gastrointenias, respiratórias e cólicas menstruais.

Infusão, decocção, macerado, suco e xarope.

Via oral ou inalação.

-

[ 8 ]
Hierba buena Xalpatlahuac (Guerrero, México) Folha ou planta toda

Antirreumática (associar com Ruta chalepensis e Matricaria recutita), antidiarreica (associar com Artemisia ludoviciana subsp mexicana, vermífuga, no tratamento de dores no estomago (associar com Psidium guajava) e cabeça, bronquite e tosse (associar com Foeniculum vulgare).

Infusão.

Uso oral.

-

[ 9 ]
Hortelã-pimenta Baaualpur (Paquistão) Folha e caule

Antitussígena, antigripal e no tratamento da dor de garganta.

Suco, infusão e extrato. 

-

-

[ 10 ]
- Beni-Sueif (Egito) -

No tratamento da ansiedade e cólicas gastrointestinais.

Decocção.

-

-

[ 11 ]
Menta Sudeste de Porto Rico Folha (fresca)

No tratamento da sinusite.

Decocção.

Uso oral.

-

[ 12 ]
Pitoma nana Distrito de Zlatibor (Sudoeste da Sérvia) Parte aérea

Ansiolítica, antitérmica, no tratamento de doenças estomacais e para higiene bucal.

Infusão.

-

-

[ 13 ]
Podina Comunidades indígenas de Bajaur (Paquistão) Folha

Carminativa, estimulante, antiemética, no tratamento de infecções biliares, problemas gástricos e hepáticos.

-

-

-

[ 14 ]
Omujaja Budondo (Distrito de Jinja, Uganda, África) Folha, caule e raiz

Repelente de insetos.

Extrato: decocção do material vegetal (moído) em água.

Pulverizar o extrato vegetal nos ambientes. Pode-se também queimar folhas (frescas), caule e raízes para gerar fumaça.

-

[ 15 ]
Hortelã-pimenta Arquipélago dos Açores (Portugal) Folha (fresca)

Antigripal, analgésica, vermífuga e antidispéptica.

Infusão ou decocção.

Ingestão ou gargarejo.

Não indicado para crianças menores de 5 anos.

[ 16 ]
Hortelã-pimenta Arquipélago dos Açores (Portugal) Folha (fresca)

Descongestionante nasal.

Infusão ou decocção.

Inalação: inspire o vapor por 10 minutos.

 Não indicado para crianças menores de 5 anos.

[ 16 ]
Nane Kahramanmaraş (Turquia) Folha

No tratamento de dores no estômago e de cabeça, resfriados e halitose.

Infusão ou decocção.

-

-

[ 17 ]
- Pexauar (Paquistão) Folha e flor

No tratamento da Síndrome do Intestino Irritável, coceira, dores musculares e nos nervos.

-

-

-

[ 18 ]
- Rússia Folha

Hipoglicemiante.

Decocção: 4 colheres (de chá) do material vegetal em 200 mL de água. Esta preparação é referente a associação de: Taraxacum campylodes e Mentha piperita (1:3).

Tomar 100 mL 3 a 4 vezes ao dia, antes das refeições.

-

[ 19 ]
- Rússia Folha

Hipoglicemiante.

Infusão: 1 colher (de sopa) do material vegetal em 250 mL de água. Esta preparação é referente a associação de: Hypericum perforatum, Mentha piperita e Vaccinium myrtillus (1:1:1). Pode-se associar também com: Galega officinalis, Juglans regia, Polygonum aviculare, Ribes nigrum, Rubus caesium, Taraxacum campylodes, Arctostaphylos uva-ursi, Cichorium intybus, Bidens tripartita, Matricaria chamomilla, Equisetum arvense, Fragaria vesca, Inula helenium ou Rosa majalis.

Tomar 125 mL 2 vezes ao dia, antes das refeições. 

-

[ 19 ]
- Rússia Folha

Hipoglicemiante.

Infusão: 2 colheres (de sopa) do material vegetal em 500 mL de água. Esta preparação é referente a associação de: Vaccinium myrtillus, Phaseolus vulgaris e Mentha piperita (1:1:1). Pode-se associar também com: Galega officinalis, Juglans regia, Polygonatum odoratum, Polygonum aveculare, Arctium lappa, Capsella bursapastoris, Hypericum perforatum, Juglans regia, Rosa majalis, Vaccinium vitis-idaea, Zea mays, Syringa vulgaris, Gnaphalium uliginosum, Betula pubescens, Crataegus sanguinea, Orthosiphon aristatus, Veronica officinalis, Centaurium erytharaea, Leonurus quinquelobatus, Glycyrrhiza glabra ou Cichorium intybus.

Tomar 70 mL 3 vezes ao dia, antes das refeições.

-

[ 19 ]
- Rússia Folha

Hipoglicemiante.

Infusão: 3 colheres (de sopa) do material vegetal em 400 mL de água. Esta preparação é referente a associação de: Galega officinalis, Mentha piperita, Phaseolus vulgaris e Zea mays (1:1:7:2). Pode-se associar também com: Crataegus sanguinea, Rosa majus, R. majalis, Urtica dioica, Leonurus quinquelobatus, Linum usitatissimum, Asparagus officinalis, Thymus serpyllum, Vaccinium myrtillus, Hypericum perforatum, Plantago major, Ribes nigrum, Fragaria vesca ou Sambucus nigra.

Tomar 100 mL 3 vezes ao dia.

-

[ 19 ]
- Rússia Folha

No tratamento da obesidade.

Infusão: 10 g do material vegetal em 200 mL de água. Esta preparação é referente a associação de: Mentha piperita, Foeniculum vulgare, Matricaria chamomilla e Tilia cordata (4:3:3:3). Pode-se associar também com: Sambucus nigra, Achillea millefolium, Ribes nigrum, Sorbus aucuparia, Vaccinium myrtillus e V. vitis-idaea, Equisetum arvense, Filipendula ulmaria, Glycyrrhiza glabra, Hypericum spp., Sambucus nigra, Stachys officinalis, Betula spp., Fragaria vesca, Petroselinum crispum, Phaeophyceae thallus, Polygonum aviculare, Rosa spp., Urtica dioica, Cichorium intybus, Frangula alnus, Morus spp., Orthosiphon aristatus, Taraxacum campylodes, Zea mays, Anethum graveolens, Rheum palmatum ou Salvia officinalis.

Tomar 200 mL 2 a 3 vezes ao dia.

-

[ 19 ]
- Rússia Folha

No tratamento da obesidade.

Infusão: 2 colheres (de sopa) do material vegetal em 500 mL de água. Esta preparação é referente a associação de: Foeniculum vulgare, Frangula alnus, Mentha piperita, Petroselinum crispum e Taraxacum campylodes (1:3:1:1:1). Pode-se associar também com: Hypericum perforatum, Sambucus nigra, Tilia cordata, Zea mays ou Cichorium intybus.

Tomar 500 mL pela manhã, antes da alimentação.

-

[ 19 ]
- Rússia Folha

No tratamento do diabetes com diarreia frequente.

Infusão: 60 g do material vegetal em 1000 mL de água. Esta preparação é referente a associação de: Alnus spp., A. glutinosa, Centaurium erythraea, Mentha piperita, Quercus spp., Vaccinium myrtillus (2:1:1:4:4). Pode-se associar também com: Hypericum perforatum, Sambucus nigra, Tilia cordata, Achillea millefolium, Matricaria chamomilla, Hypericum spp. ou Tanacetum vulgare.

Tomar 50 mL 3 a 4 vezes ao dia, antes das refeições/7 a 10 dias.

-

[ 19 ]
- Rússia Folha

No tratamento do diabetes associado a pancreatite crônica.

Infusão: 1 colher (de sopa) do material vegetal em 200 mL de água. Esta preparação é referente a associação de: Anethum graveolens, Mentha piperita, Crataegus sanguinea, Helichrysum arenarium, Matricaria chamomilla (3:3:2:2:2).

Tomar 100 mL 3 vezes ao dia, 1 hora antes das refeições. 

-

[ 19 ]
- Rússia Folha

Hipoglicemiante.

Infusão: 6 g do material vegetal em 300 mL de água. Esta preparação é referente a associação de: Mentha piperita, Rosa spp., Sorbus aucuparia, Taraxacum campylodes, Urtica dioica e Vaccinium myrtillus (1:1:1:1:1:1). Pode-se associar também com: Arctium spp., Equisetum arvense, Fragaria vesca, Betula spp., Foeniculum vulgare, Petroselinum crispum, Ribes nigrum, Galega officinalis, Laurus nobilis, Phaseolus vulgaris, Sorbus aucuparia, Bidens tripartita, Matricaria chamomilla, Hypericum perforatum, Inula helenium, Alchemilla xanthochlora, Centaurium erythraea, Elymus repens, Gnaphalium uliginosum, Juniperus communis, Rumex confertus, Syringa vulgaris, Trifolium pratense ou Helichrysum arenarium.

Tomar 100 mL 3 vezes ao dia antes das refeições.

-

[ 19 ]
- Rússia Folha

No tratamento da desordem metabólica com furúnculos cutâneos.

Infusão: 6 colheres (de sopa) do material vegetal em 3000 mL de água. Esta preparação é referente a associação de: Acorus calamus, Artemisia absinthium, Bidens tripartita, Mentha piperita, Origanum vulgare, Pinus sylvestris e Thymus serpyllum (2:3:3:3:3:3:2). 

Uso externo: na forma de banhos.

-

[ 19 ]
Toronjil de mentha Cuba Parte aérea

Tônica, no tratamento de dores estomacais e hipotensão.

 Decocção.

Uso oral. 

-

[ 20 ]
Peppermint Dominica Folha

Antiflatulenta e antidispéptica.

Infusão.

Uso oral.

-

[ 20 ]
Mant Martinica Folha

Antigripal e antiemética.

Infusão ou decocção.

Uso oral.

-

[ 20 ]
Toronjil República Dominicana Folha

Anti-hipertensiva.

Decocção.

Uso oral.

-

[ 20 ]
Hierbabuena Honduras Planta toda

Antitussígena e antiespasmódica.

Decocção.

 Uso oral.

-

[ 20 ]
- Nicarágua Folha

Antiparasitária.

-

-

-

[ 20 ]

Referências bibliográficas

1 - LIMA, G. P. P. Medicina verde: programa municipal de plantas medicinais e fitoterápicos de Botucatu (SP) – Saúde - Prescritores. 1 ed. Prefeitura Municipal de Botucatu: Universidade Estadual Paulista, 2015, p. 26.
2 - MATOS, F. J. A. Farmácias Vivas. 2 ed. Fortaleza: UFC, 1994, p. 107.
3 - MATOS, F. J. A. Plantas medicinais: Guia de seleção e emprego de plantas medicinais usadas em fitoterapia no Nordeste do Brasil. 2 ed. Fortaleza: Imprensa Universitária – UFC, 2000, p. 232.
4 - MATOS, F. J. A. O formulário fitoterápico do professor Dias da Rocha: Informações sobre o emprego na medicina caseira, de plantas do Nordeste, especialmente do Ceará. 2 ed. Fortaleza: EUFC, 1997, p. 137.
5 - MATEJIC, J. et al. Traditional uses of autochthonous medicinal and ritual plants and other remedies for health in Eastern and South-Eastern Serbia. J Ethnopharmacol, v. 261, p.1-28, 2020. doi: 10.1016/j.jep.2020.113186
6 - JARIC, S. et al. An ethnobotanical survey of traditionally used plants on Suva planina mountain (south-eastern Serbia). J Ethnopharmacol, v. 175, p.93-108, 2015. doi: 10.1016/j.jep.2015.09.002
7 - SUROOWAN, S.; MAHOMOODALLY, F. Complementary and alternative medicine use among Mauritian women. Complement Ther Clin Pract, v. 19, n. 1, p.36-43, 2013. doi: 10.1016/j.ctcp.2012.07.002
8 - GRIZ, S. A. S. et al. Medicinal plants profile used by the 3rd District population of Maceió-AL. Braz J Biol, v. 77, n. 4, p.794-802, 2017. doi: 10.1590/1519-6984.01116
9 - JUÁREZ-VÁZQUEZ, M. C. et al. Ethnobotany of medicinal plants used in Xalpatlahuac, Guerrero, México. J Ethnopharmacol, v. 148, n. 2, p.521-527, 213. doi: 10.1016/j.jep.2013.04.048
10 - AFZAL, S. et al. Use of Medicinal plants for respiratory diseases in Bahawalpur, Pakistan. Biomed Res Int, p.1-10, 2021. doi: 10.1155/2021/5578914
11 - ABOUZID, S. F.; MOHAMED, A. A. Survey on medicinal plants and spices used in Beni-Sueif, Upper Egypt. J Ethnobiol Ethnomed, v. 7, p.1-6, 2011. doi: 10.1186/1746-4269-7-18
12 - ALVARADO-GUZMÁN, J. A. et al. TRAMIL ethnopharmacological survey: knowledge distribution of medicinal plant use in the southeast region of Puerto Rico. P R Health Sci J, v. 28, n. 4, p.329-339, 2009
13 - SAVIKIN, K. et al. Ethnobotanical study on traditional use of medicinal plants in South-Western Serbia, Zlatibor district. J Ethnopharmacol, v. 146, n. 3, p.803-810, 2013. doi: 10.1016/j.jep.2013.02.006
14 - AZIZ, M. A. et al. Traditional uses of medicinal plants reported by the indigenous communities and local herbal practitioners of Bajaur Agency, Federally Administrated Tribal Areas, Pakistan. J Ethnopharmacol, v. 198, p.268-281, 2017. doi: 10.1016/j.jep.2017.01.024
15 - BAANA, K. et al. Ethnobotanical survey of plants used as repellents against housefly, Musca domestica L. (Diptera: Muscidae) in Budondo Subcounty, Jinja District, Uganda. J Ethnobiol Ethnomed, v. 14, n. 1, p.1-8, 2018. doi: 10.1186/s13002-018-0235-6
16 - SILVA, P. T. M. et al. Ethnobotanical knowledge in Sete Cidades, Azores Archipelago: first ethnomedicinal report. Plants (Basel), v. 8, n. 8, p.1-20. doi: 10.3390/plants8080256
17 - UZUN, S. P.; KOCA, C. Ethnobotanical survey of medicinal plants traded in herbal markets of Kahramanmaraş. Plant Divers, v. 42, n. 6, p.443-454, 2020. doi: 10.1016/j.pld.2020.12.003
18 - SULAIMAN et al. Ethnoecological, elemental, and phytochemical evaluation of five plant species of Lamiaceae in Peshawar, Pakistan. Scientifica (Cairo), p.1-8, 2020. doi: 10.1155/2020/2982934
19 - SHIKOV, A. N. et al. Medical species used in Russia for the management of diabetes and related disorders. Front Pharmacol, v. 12, p.1-40, 2021. doi: 10.3389/fphar.2021.697411
20 - GERMOSÉN-ROBINEAU, L. (Ed.). Hacia una farmacopea caribeña. Tramil 7 edición. Santo Domingo, República Dominicana: Enda-Caribe, UAG & Universidad de Antioquia, 1995, p. 370-371.

Anti-inflamatória

Anti-inflamatória
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato etanólico. Associação de: Mentha piperita, Chrysanthemum zawadskii e Glycyrrhiza glabra (75:15:10). Concentrações para ensaio: 0 a 200 µg/mL.

In vitro:

Em cultura de macrófagos (RAW 264.7) estimuladas por lipopolissacarídeos (LPS), pré-tratadas com o fitoterápico, com posterior análise dos níveis de NO (Tecan), TNF‑α, IL‑1β e IL‑6 (ELISA), expressão de iNOS, COX‑2, p‑NF‑κB, p‑IκB, p‑Akt, p‑STAT1, STAT1 e HO‑1 (Western blotting), detecção de NF‑κB e p65 (Imunofluorescência) e atividade de NF-κB (Tecan) e HO-1 (ELISA).

 

A associação dos extratos de M. piperita, C. zawadskii e G. glabra apresenta atividade anti-inflamatória, por sinalização da via AKT/Ikb/NF-kB.

[ 65 ]

Anti-inflamatória e Analgésica

Anti-inflamatória e Analgésica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Nanoemulsão: contendo o óleo essencial de Mentha piperita e Rosmarinus officinalis. Dose para ensaio: 1 mL (uso tópico).

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de osteoartrite induzida por injeção intra-articular de iodoacetato monossódico (MIA), tratados topicamente com o fitoterápico, com posterior análise de testes comportamentais para análise da dor (hiperalgesia térmica, alodinia mecânica e fria), parâmetros bioquímicos, hematológicos e histopatológicos.

A nanoemulsão contendo os óleos de M. piperita e R. officinalis apresenta atividade anti-inflamatória, analgésica e antioxidante, sendo promissora para o tratamento da osteoartrite.

[ 60 ]

Anti-inflamatória e Antinociceptiva

Anti-inflamatória e Antinociceptiva
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: 100 g de material vegetal (seco) em etanol a 80%. Rendimento: 112 g/kg. Doses para ensaio: 200 e 400 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss tratados com os extratos vegetais, submetidos aos testes de contorções abdominais induzidas por ácido acético, placa quente, edema de orelha induzido por xileno e granuloma induzido por pellets de algodão.

Neste estudo, das 11 espécies vegetais, Mentha piperita, Cinnamomum zeylanicum, Apium graveolens, Eucalyptus camaldulentis, Ruta graveolens, Jasminum officinale, Commiphora molmol e Beta vulgaris apresentam atividade antinociceptiva e anti-inflamatória.

[ 58 ]

Anti-inflamatória e Antioxidante

Anti-inflamatória e Antioxidante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: material vegetal (pó) em etanol a 70%. Concentrações para ensaio: 1 a 300 µg/mL.

In vitro:

Em cultura de macrófagos peritoneais murinos estimulados ou não por lipopolissacarídeos (LPS), incubados com o extrato vegetal, com posterior análise da viabilidade celular, fagocitose, níveis nitrito, nitrato e peróxido de hidrogênio, atividade de SOD e GPx. 

 

O extrato de M. piperita apresenta atividade antioxidante, além de modular a resposta inflamatória mediada por macrófagos.

[ 39 ]

Anti-inflamatória e Antiparasitária

Anti-inflamatória e Antiparasitária
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Óleo essencial: por hidrodestilação. Concentrações para ensaio (in vitro): 3,12 a 25,0 mg/mL. Dose para ensaio (in vivo): 46,9 mg em 0,5 mL de óleo de oliva.

In vitro:

Em cultura de nematoides Anisakis spp. tipo 1 (larvas) incubada com o óleo vegetal, com posterior análise da morte parasitária.

 

In vivo:

Em ratos Wistar infectados com larvas de Anisakis spp. tipo 1, tratados com o óleo vegetal, com posterior análise de lesões gastrointestinais através dos níveis de mieloperoxidase (MPO).

O óleo de M. piperita apresenta atividade antiparasitária e anti-inflamatória, reduzindo a lesões gastrointestinais provenientes de larvas de A. simplex e A. pegreffii.

[ 30 ]

Anti-inflamatória e Antitumoral

Anti-inflamatória e Antitumoral
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Óleo essencial: por hidrodestilação. Concentrações para ensaio (in vitro): 0,2 a 1 mg/mL; 5 a 100 µg/mL. Doses para ensaio (in vivo): 200, 400 e 800 mg/orelha.

In vitro:

Em macrófagos (RAW 264.7) estimulados por lipopolissacarídeos (LPS) e incubados com o óleo vegetal, com posterior análise da viabilidade celular (MTT), níveis de óxido nítrico (NO) e prostaglandina (PGE2); em células cancerosas de humanos (SPC-A1, SGC-7901, K562 e BEL-7402) incubadas com o óleo vegetal, com posterior análise de citotoxicidade (MTT).

 

In vivo:

Em camundongos ICR portadores de edema de orelha induzido por óleo de cróton, tratados topicamente com o óleo vegetal, com posterior análise do volume do edema.

O óleo essencial de M. piperita apresenta atividade antioxidante, antitumoral (SPC-A1, K562 e SGC-7901) e anti-inflamatória (inibe a produção de NO e PGE2).

[ 6 ]

Antibacteriana

Antibacteriana
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Dentifrício (50 mL): contendo 10, 20, 30 e 40 mL do óleo vegetal, com 200, 400, 600 e 800 ppm, respectivamente, em cada dentifrício. Outra espécie em estudo: Cuminum cyminum.

In vitro:

Em cultura de Streptococcus mutans e S. pyogenes submetidas ao teste de disco-difusão em ágar, com posterior análise do halo de inibição (mm), microdiluição para determinar a concentração inibitória mínima (CIM) e concentração bactericida mínima (CBM), cinética bacteriana e formação de biofilme.

 

O óleo essencial de M. piperita apresenta atividade antibacteriana mais potente, reduzindo a adesão bacteriana e a formação de biofilme.

[ 1 ]
Parte aérea

Óleo essencial: por hidrodestilação. Concentrações para estudo: 1000, 2000, 4000 e 8000 ppm. Outra espécie em estudo: Rosmarinus officinalis.

In vitro:

Em cultura de patógenos orais, Streptococcus mutans e S. pyogenes, submetidos ao teste de disco-difusão em ágar, para determinar a concentração inibitória mínima (CIM) e a concentração bactericida mínima (CBM), tempo de redução decimal e formação de biofilme.

 

O óleo essencial de M. piperita apresenta atividade antibacteriana mais potente, comparável à clorexidina.

[ 10 ]
Folha e caule

Extrato: 15 g do material vegetal em 600 mL de água ou em 200 mL de metanol. Rendimento: 2,1 e 4,4%, respectivamente. Concentrações para ensaio: 7,8 a 1000 µg/mL.

In vitro:

Em cultura de Helicobacter pylori submetidas ao teste de microdiluição em ágar, para determinar a concentração inibitória mínima (CIM).

 

Neste estudo, das 53 plantas medicinais, os extratos aquosos de Artemisia ludoviciana subsp. mexicana, Cuphea aequipetala, Ludwigia repens e Mentha piperita, e os extratos metanólicos de Persea americana, Annona cherimola, Guaiacum coulteri e Moussonia deppeana, demonstram atividade antibacteriana mais potente.

[ 55 ]
-

Óleo essencial. Outras espécies em estudo: Eucalyptus globulus, Thymus vulgaris, Allium cepa, A. sativum, Salvia officinalis, Dianthus caryophyllus e Mentha spicata

In vitro:

Em cepas de Escherichia coli (O157:H7) submetidas aos testes de disco-difusão em ágar e microdiluição em ágar para determinar a concentração inibitória mínima (CIM) e a concentração bactericida mínima (CBM).

 

A combinação dos óleos essenciais de Eucalyptus globulus, Dianthus caryophyllus, Mentha piperita e Thymus vulgaris demonstra atividade antibacteriana potente.

[ 21 ]
Folha

Óleo essencial: a partir de 100 g do material vegetal, por destilação a vapor. Outras espécies em estudo: Thymus vulgaris, Carum carvi, Foeniculum vulgare, Artemisia dracunculus e Mentha pullegium.

In vitro:

Em culturas de Staphylococcus aureus e Escherichia coli submetidas ao teste de diluição em ágar, para determinar a concentração inibitória mínima (CIM) e concentração bactericida mínima (CBM).

 

Os óleos essenciais de M. piperita, M. pullegium, C. carvi e F. vulgare apresentam atividade antibacteriana moderada, sendo o óleo de T. vulgaris o mais potente.

[ 22 ]
Folha

Extrato: 20 g do material vegetal (pó) em 200 mL de água. Nanopartículas de nitrato de prata (AgNO3) e ácido cloroáurico (HAuCl4): contendo o extrato vegetal.

In vitro:

Em cultura de Staphylococcus aureus e Escherichia coli submetidas ao teste de disco-difusão com as nanopartículas contendo o extrato vegetal.

 

As nanopartículas de prata e ouro contendo o extrato de M. piperita apresenta atividade antibacteriana promissora.

[ 25 ]

Antibacteriana (Helicobacter pylori)

Antibacteriana (Helicobacter pylori)
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato: 100 g do material vegetal (pó) em 200 mL de água/etanol. Concentrações para ensaio (in vitro): 100 a 1000 µg/mL. Doses para ensaio (in vivo): 125 a 1000 mg/kg. Outras espécies em estudo: Trachyspermum ammi, Viola odorata e Foeniculum vulgare.

In vitro:

Em cepas de Helicobacter pylori, isoladas de humanos, submetidas ao teste de disco-difusão e diluição em ágar, com posterior análise do halo de inibição (mm) e concentração inibitória mínima (CIM), respectivamente.

 

In vivo:

Em ratos Wistar submetidos a administração do extrato vegetal e inoculação intragástrica de H. pylori, com posterior análise de infecção ativa e parâmetros histopatológicos.

O extrato hidroalcoólico de M. piperita apresenta atividade anti-H. pilori mais potente.

[ 67 ]

Antibacteriana e Antifúngica

Antibacteriana e Antifúngica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Parte aérea

Óleo essencial: material vegetal (seco), por hidrodestilação. Outras espécies em estudo: Mentha aquatica e M. longifolia.

In vitro:

Determinar a capacidade antioxidante através da eliminação dos radicais DPPH e OH.

Em culturas de Pseudomonas aeruginosa, Escherichia coli, Salmonella enteritidis, S. typhi, Shigella sonei, Sarcina lutea, Micrococcus flavus, Staphylococcus aureus, S. epidermidis e Bacillus subtilis submetidas ao teste de disco-difusão em ágar, para determinar o halo de inibição (mm).

Em culturas de Trichophyton mentagrophytes, T. rubrum, T. tonsurans, Microsporum canis, Epidermophyton floccosum e Candida albicans submetidas ao teste de microdiluição em ágar para determinar a concentração inibitória mínima (CIM) e concentração fungicida mínima (CFM).

 

O óleo essencial de M. piperita apresenta atividade antioxidante, antibacteriana (E. coli, S. sonei e M. flavus) e antifúngica (T. tonsurans e C. albicans), mais potente.

[ 9 ]

Antibacteriana e Antioxidante

Antibacteriana e Antioxidante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Óleo essencial: por hidrodestilação. Concentrações para ensaio: 0,25 a 5,0 mg/mL; 1 a 1250 µg/mL; 10 a 100 mg/mL.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação do radical DPPH.

Determinar a toxicidade (CL50) em bioensaio com Artemia salina.

Em culturas de Staphylococcus aureus e Escherichia coli submetidas ao teste de disco-difusão em ágar.

 

O óleo essencial de M. piperita apresenta atividade antioxidante e antibacteriana, com CL50 = 414,6 µg/mL.

[ 41 ]

Anticarcinogênica

Anticarcinogênica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: 100 g do material vegetal (pó) em 500 mL de éter de petróleo, benzeno, clorofórmio, acetato de etila, metanol ou água. Concentrações para ensaio: 1, 10 e 100 µg/µL.

In vitro:

Em cultura de células humanas cancerígenas (HeLa, MCF-7, Jurkat, T24, HT-29 e MIAPaCa-2) e normais (IMR90 e HEK-293) incubadas com os extratos vegetais, com posterior análise de citotoxicidade (apoptose e fragmentação do DNA), potencial anticarcinogênico (potencial de membrana mitocondrial, atividade da caspase-3, ciclo celular, expressão de genes e proteínas, senescência celular, parâmetros oxidativos e inflamatórios.

 

Os extratos de clorofórmio e acetato de etila apresentam atividade anticarcinogênica promissora.

[ 11 ]
Folha

Extrato: 1 kg do material vegetal (pó) em 5 L de água.

In vivo:

Em camundongos egípcios portadores de carcinogênese em epitélio da língua, induzidos por DMBA e formol, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros histológicos e imuno-histoquímicos.

O extrato de M. piperita apresenta atividade anticarcinogênica, sendo promissor para o tratamento e prevenção de doenças malignas.

[ 31 ]

Antiemética

Antiemética
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Óleo essencial.

In vitro:

Em cultura de células N1E-115 incubadas com o óleo vegetal, com posterior análise da atividade de receptores serotoninérgicos (5-HT3) através do influxo de [14C]guanidínio e da ligação de competição na presença do antagonista seletivo do receptor [3H]GR65630.

Em íleos isolados de ratos Wistar incubados com o óleo vegetal e serotonina, com posterior análise da contratilidade muscular.

 

O óleo de M. piperita apresenta atividade antiemética, pois relaxa a musculatura lisa, possivelmente por modulação dos receptores de ligação da serotonina.

[ 26 ]

Antiespasmódica

Antiespasmódica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Óleo vegetal. Concentrações para ensaio: 1 a 300 µg/mL.

In vitro:

Em anéis da traqueia isolados de ratos Wistar incubados com o óleo vegetal, carbacol, indometacina, L-NAME, hexametônio e tetraetilamônio, com posterior análise da contratilidade muscular.

 

O óleo de M. piperita apresenta atividade antiespasmódica no músculo liso respiratório, por ação das prostaglandinas e da óxido nítrico sintase.

[ 48 ]
Folha

Iberogast (STW 5): associação de Iberis amara, Mentha piperita, Matricaria recutita, Glycyrrhiza glabra, Angelica archangelica, Carum carvi, Silybum marianum, Melissa officinalis e Chelidonium majus. Concentrações para ensaio: 2,5 a 10 mL/L.

In vitro:

Em íleos de ratos incubados com acetilcolina, histamina e fitoterápico, com posterior análise da contratilidade da musculatura lisa.

 

O fitoterápico apresenta atividade antiespasmódica e tonificante, sendo promissora para o tratamento de distúrbios da motilidade intestinal.

[ 56 ]

Antifibrogênica

Antifibrogênica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Óleo essencial. Dose para ensaio: 50 mg/kg.

In vivo:

Em ratos portadores de fibrose hepática induzida por tetracloreto de carbono, tratados com o óleo vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos em homogenato hepático (ALT, AST, NO, MDA, SOD, CAT, GSH e TAC), histológicos, expressão de α-SMA, TGF-β1 e SMAD3 (imuno-histoquímica) e Tp-53 e CYP2E1 (RT-PCR).

O óleo essencial de M. piperita apresenta atividade antifibrogênica, sendo promissora na prevenção da fibrose hepática.

[ 12 ]

Antifúngica

Antifúngica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Óleo essencial.

In vitro:

Em culturas de Candida albicans, C. tropicalis e C. glabrata submetidas aos testes de diluição em ágar, para determinar a concentração inibitória mínima (CIM), concentração fungicida mínima (CFM), análise da atividade de bombeamento prótons, níveis de esterol intracelular, parâmetros microscópicos, atividade hemolítica e sinergismo com fluconazol.

 

O óleo essencial de M. piperita apresenta atividade antifúngica promissora (MIC = 225 µg/mL), pois reduz os níveis de ergosterol intracelular e inibe a atividade da ATPase na membrana celular, propiciando a morte celular.

[ 2 ]
-

Óleo essencial. Concentrações para ensaio: 0,0075 a 1,0% (v/v). Outra espécie em estudo: Syzygium aromaticum.

In vitro:

Em cultura de Candida albicans incubadas com os óleos vegetais, com posterior análise da morfologia das colônias, expressão proteica e perfil do DNA cromossômico.

 

Os óleos de M. piperita e S. aromaticum reduz a patogenicidade desta levedura, pois suprime a atividade enzimática. 

[ 15 ]
Parte aérea

Extrato: 100 g do material vegetal (pó) em metanol e clorofórmio. Outras espécies em estudo: Mentha longifolia, Prongos ferulaceae, Galium verum, Salvia limbata, Artemisia austriaca, Plantago lanceolata e Urtiga dioica.

In vitro:

Em cultura de Candida albicans, C. tropicalis e C. glabrata submetidas ao teste de disco-difusão e microdiluição em ágar, com posterior análise do halo de inibição e da concentração inibitória mínima (CIM), respetivamente.

 

O extrato metanólico de M. piperita apresenta atividade antifúngica mais potente, com halo de inibição de 12,3 mm e CIM =1,25 mg/mL.

[ 16 ]
Folha

Óleo essencial: 100 g do material vegetal (pó), por hidrodestilação. Concentrações para ensaio: 50 e 100 µg/mL.

In vitro:

Em culturas de Microsporum canis, Epidermophyton floccosum, Trichophyton rubrum e T. mentagrophytes submetidas ao teste de disco-difusão, com posterior análise da concentração inibitória mínima (MIC) e do índice antifúngico.

 

Neste estudo, das 26 espécies vegetais, os óleos essenciais de Prunus armeniaca, P. dulcis var. amara, Olea europaea e Mentha piperita apresentam atividade antifúngica mais potente.

[ 18 ]

Antigenotóxica e Quimiopreventiva

Antigenotóxica e Quimiopreventiva
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: material vegetal (pó) em água. Dose para ensaio: 1 g/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss submetidos a administração de benzo[a]pireno (BP) e extrato vegetal, com posterior análise do índice tumoral pulmonar, parâmetros citogenéticos (aberração cromossômica e ensaio do micronúcleo) e bioquímicos (GSH, SOD, CAT, LPO e proteínas totais).

O extrato de M. piperita apresenta atividade quimiopreventiva, antigenotóxica e antioxidante.

[ 36 ]

Antimicrobiana

Antimicrobiana
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: 15 gm do material vegetal (pó) em 100 mL de água.

In vitro:

Em culturas de patógenos orais, Streptococcus mutans, Aggregatibacter actinomycetem-comitans e Candida albicans, submetidos ao teste de disco-difusão em ágar, com posterior análise do halo de inibição (mm).

 

O extrato de M. piperita apresenta atividade antimicrobiana, principalmente contra S. mutans.

[ 7 ]
-

Óleo essencial. Outras espécies em estudo: Melaleuca alternifolia, Thymus vulgaris e Rosmarinus officinalis.

In vitro:

Em culturas de Staphylococcus aureus, Klebsiella pneumoniae e Candida albicans incubadas com os óleos vegetais, associados com antimicrobianos convencionais (ciprofloxacino e anforericina B), com posterior análise de interação (antagônica, sinérgica e aditiva).

 

O óleo essencial de M. piperita apresenta sinergismo (com ciprofloxacino), principalmente contra K. pneunomiae, e antagonismo (com ciprofloxacino e anfotericina B) contra S. aureus e C. albicans, respectivamente.

[ 17 ]
-

Óleo essencial: a 2% em óleo de oliva. Outra espécie em estudo: Saturenja hortensi.

In vivo:

Em camundongos BALB/c imunossuprimidos e portadores de lesões cutâneas (protetocose) induzidas por Prototheca zopfii, tratados topicamente com os óleos vegetais, com posterior análise de parâmetros histopatológicos e imuno-histoquímicos.

Os óleos de M. piperita e S. hortensi apresentam atividade antimicrobiana, sendo eficaz para o tratamento da protetocose cutânea.

[ 29 ]

Antioxidante

Antioxidante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Óleo essencial: 3 kg do material vegetal (seco), por hidrodestilação. Doses para ensaio: 5 a 40 mg/kg.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação do radical DPPH e ânion superóxido.

 

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de hepato e renotoxicidade induzidas por tetracloreto de carbono (CCl4), pré-tratados com o óleo vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos plasmáticos, hepáticos e renais (TBARS, SOD, CAT, AST, ALT, ALP, γ-GT, CT, TG, HDL, LDL, creatinina, ureia e proteínas) e histopatológicos (renal e hepático).

O óleo de M. piperita apresenta atividade antioxidante, reduzindo o estresse oxidativo hepático e renal, principalmente na dose de 40 mg/kg.

[ 34 ]
-

Óleo essencial. Outras espécies em estudo: Lavandula dentata e Mentha spicata.

In vivo:

Em ratos Kunming submetidos à condição de baixa concentração de oxigênio e inalação dos óleos vegetais, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (contagem de plaquetas, glóbulos brancos e vermelhos), níveis de malondialdeído (MDA), atividade e expressão de enzimas (SOD, GP-x e CAT) em diferentes tecidos.

Os óleos de M. piperita, M. spicata e L. dentata apresentam atividade antioxidante, reduzindo o estresse induzido por hipóxia.

[ 38 ]
Folha

Óleo essencial: por hidrodestilação. Concentrações para ensaio: 0 a 500 mg/mL; 0 a 2000 µg/mL. Outras espécies em estudo: Mentha spicata e M. gracilis.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação do radical DPPH, capacidade antioxidante equivalente ao Trolox (TEAC), capacidade de redução do íon ferrico, peroxidação lipídica (em fígado suíno), em cultura de células epiteliais do jejuno suíno (IPEC-J2) na presença de peróxido de hidrogênio e em culturas de Caenorhabditis elegans (dano oxidativo).

 

Os óleos essenciais de M. piperita, M. spicata e M. gracilis apresentam atividade antioxidante promissora.

[ 28 ]

Antioxidante e Inibidora enzimática

Antioxidante e Inibidora enzimática
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: 1 g do material vegetal (pó) em 100 mL de água. As plantas foram submetidas ao estresse hídrico moderado com 65 a 12% de umidade do solo.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação do radical DPPH e ABTS.

Determinar a atividade inibitória de enzimas digestivas (α-amilase, α-glucosidase e lipase pancreática).

 

O extrato de M. piperita cultivada em solo com baixa umidade, apresenta atividades antioxidante e inibidora enzimática mais potentes.

[ 42 ]

Antioxidante e Inibidora enzimática (AChE)

Antioxidante e Inibidora enzimática (AChE)
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: 5 g do material vegetal (pó) em 50 mL de etanol. Rendimento: 5,62%.

In vitro:

Determinar as atividades inibitória da enzima acetilcolinesterase (AChE) e antioxidante (DPPH, CAT e TDHC).

 

Neste estudo, das 26 espécies vegetais, Mentha piperita, M. longifolia, Salvia officinalis, Satureja montana, Teucrium chamaedrys, T. montanum, T. polium e Thymus vulgaris apresentam atividades inibitória da enzima AChE mais potente, além da ação antioxidante, sendo promissoras para o tratamento de doenças neurodegenerativas.

[ 20 ]

Antioxidante e Inibidora enzimática (MAO)

Antioxidante e Inibidora enzimática (MAO)
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Parte aérea

Extrato: 5 g do material vegetal (pó) em 200 mL de diclorometano, acetato de etila, metanol e água. Outras espécies em estudo: Mentha aquatica, M. longifolia, M. pulegium, M. suaveolens.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação dos radicais ABTS e X/XO.

Em cultura de células PC12 estimulada por peróxido de hidrogênio e incubadas com o extrato metanólico vegetal, com posterior análise da viabilidade celular (MTT), níveis intracelulares de LDH e ERO’s, inibição da MAO-A e AChE, e afinidade com o receptor GABAA.

 

O extrato metanólico de M. piperita apresenta atividade antioxidante e inibidora da MAO-A mais potente, sendo que M. aquatica também demonstra afinidade com o receptor GABAA.

[ 47 ]

Antiparasitária e Imunomoduladora

Antiparasitária e Imunomoduladora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: 100 g de material vegetal (seca) em 1000 mL de água/etanol (3:7 v/v). Rendimento: 10%. Dose para ensaio: 100 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Balb/c infectados por cercárias de Schistosomiasis mansoni, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros parasitológicos (contagem de ovos nas fezes, fígado e intestino) e imunológicos (IL-10, IL-5, IL-13, IFN-γ, IgG-1, IgE e IgG2a).

O extrato de M. piperita apresenta atividade antiparasitária e imunomoduladora (IL-10, IFN-γ, IgE e IgG2a).

[ 5 ]

Antiproliferativa e Radioprotetora

Antiproliferativa e Radioprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: material vegetal (fresco) em água. Concentrações para ensaio: 500 µg/mL. Doses para ensaio: 800 mg/kg; 1 gm/kg.

In vitro:

Em cultura de células HeLa incubadas como o extrato vegetal, com posterior análise de citotoxicidade (contagem celular), ciclo celular (citometria de fluxo) e expressão de p21 (RT-PCR).

 

In vivo:

Em camundongos Swiss portadores de papiloma cutâneo induzido por DMBA e óleo de cróton, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros hepáticos (P-450, GST, GSH, GPx, SOD, CAT e LPO); em camundongos Swiss expostos a radiação gama, pré-tratados com o extrato vegetal, com posterior análise da taxa de sobrevivência.

O extrato de M. piperita apresenta atividade antiproliferativa, antioxidante e radioprotetora.

[ 8 ]

Antiprotozoária

Antiprotozoária
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: 5 g do material vegetal (seco) em 100 mL de metanol (frações de diclorometano e residual), diclorometano ou n-hexano. Concentrações para ensaio: 1 a 100 µg/mL.

Extrato: infusão de 5 g do material vegetal (seco) em 100 mL de água.

In vitro:

Em cultura de Giardia lamblia (trofozoítos) incubadas com os extratos vegetais, com posterior análise do número de protozoários (CI50), morfologia (vídeo-microscopia e microscopia eletrônica de transmissão) e aderência.

Em monocamadas de células epiteliais intestinal (IEC-6) incubadas com os extratos vegetais, com posterior análise de citotoxicidade.

 

A fração de diclorometano apresenta atividade antiprotozoária mais potente, exceto o extrato aquoso, além da ausência de citotoxicidade.

[ 4 ]

Antisséptica bucal

Antisséptica bucal
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências

Óleo essencial. Associação com: Terminalia chebula, Psidium guajava, Azadirachta indica, Pongomia pinnata e Syzygium aromaticum.

In vitro:

Determinar a atividade inibitória da enzima glicosiltransferase isolada de Streptococcus mutans.

 

O fitoterápico apresenta atividade antisséptica oral, por inibição não competitiva enzimática, sendo promissor para o tratamento da cárie dental.

[ 13 ]

Antiulcerogênica

Antiulcerogênica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato etanólico. Iberogast (STW 5): associação de Iberis amara, Melissa officinalis, Matricaria recutita, Carum carvi, Mentha x piperita, Glycyrrhiza glabra, Angelica archangelica, Silybum marianum e Chelidonium majus. STW5-II: associação de Iberis amara, Melissa officinalis, Matricaria recutita, Carum carvi, Mentha x piperita e Glycyrrhiza glabra. Doses para ensaio: 2,5, 5,0 e 10,0 mL/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de úlcera gástrica induzida por indometacina, tratados com os extratos vegetais (em associação ou não), com posterior análise do índice de úlcera, acidez total, pH do suco gástrico, concentração de mucina e pepsina, níveis de prostaglandinas e leucotrienos, e analise histológica.

As formulações apresentam atividade antiulcerogênica mais potente, principalmente na dose de 10 mL/kg, se comparado aos extratos isoladamente.

[ 62 ]

Antiviral

Antiviral
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato: 5 g do material vegetal (pó) em 100 mL de acetona, etanol e etanol/água a 70%.

In vitro:

Em cultura de células MT-4 e Molt-4 infectadas com o vírus HIV-1, incubadas com os extratos vegetais, com posterior análise da inibição da replicação viral e formação de células gigantes, respectivamente, e da atividade inibitória contra a transcriptase reversa viral (na presença de substrato).

 

Neste estudo, das 46 espécies vegetais, Melissa officinalis, Mentha piperita, Ocimum basilicum, Perilla frutescens, Prunella vulgaris e Satureja montana apresentam atividade antiviral mais potente, principalmente, na concentração de 16 µg/mL.

[ 14 ]
-

Óleo essencial.

In vitro:

Em culturas de células renais RC-37 (macaco verde africano) e virais (HSV-1, HSV-2 e HSV-1-ACVres) incubadas com o óleo vegetal, com posterior análise da viabilidade celular e viral (curva dose-resposta).

Em células RC-37 e vírus HSV (1 e 2), pré-incubados com o óleo vegetal, com posterior análise da adsorção e penetração viral nas células.

 

O óleo de M. piperita apresenta atividade antiviral, agindo principalmente na adsorção viral, além de baixa citotoxicidade (CT50 = 0,014%).

[ 24 ]
Folha

Extrato: 10 g do material vegetal (seco) em 100 mL de água. Outras espécies em estudo: Melissa officinalis, Prunella vulgaris, Salvia officinalis e Thymus vulgaris.

In vitro:

Em cultura de células RC-37 incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise de citotoxicidade.

Em células RC-37 e vírus HSV (HSV-1, HSV-2 e HSV-1-ACVres), pré ou pós-incubados com o óleo vegetal, com posterior análise da adsorção, penetração celular e replicação viral.

 

Os extratos de M. officinalis, M. piperita e T. vulgaris apresentam atividade antiviral mais potente, agindo principalmente antes da adsorção viral.

[ 27 ]

Cicatrizante

Cicatrizante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Pomada (0,5 g): contendo 2, 4 e 8% (p/p) do óleo vegetal.

In vivo:

Em camundongos BALB/c portadores de ferida de excisão e infectadas com Staphylococcus aureus e Pseudomonas aeruginosa, tratados com o fitoterápico, com posterior análise de contagem bacteriana total no tecido, parâmetros histopatológicos e níveis de expressão de IL-1β, IL-10, TNF-α, CCL2, CXCL1, VEGF e FGF-2.

A pomada de M. piperita apresenta atividade cicatrizante, devido as ações anti-inflamatória e antibacteriana, principalmente na concentração de 4%.

[ 43 ]

Espermatogênica

Espermatogênica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências

Extrato (chá): maceração de 5 g do material vegetal (seco) em 250 mL de água. Doses para ensaio: 20 g/L. Outra espécie em estudo: Mentha spicata.

In vivo:

Em ratos Wistar submetidos a administração do extrato vegetal, com posterior análise histológica dos testículos e dos níveis de testosterona, LH e FSH.

Os extratos de M. piperita e M. spicata apresentam atividade espermatogênica, nas doses de 20 e 40 g/L, respectivamente.

[ 19 ]

Estimulante do sistema nervoso central

Estimulante do sistema nervoso central
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Óleo essencial: por hidrodestilação. Doses para ensaio: 50 a 800 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos ddY submetidos a administração de feniletilamina, escopolamina, apomorfina, ciclazocina, cafeína, clorpromazina, haloperidol, diazepam e fisostigmina, e óleos vegetais, com posterior análise do teste de evitação condicionada.

Neste estudo, das 20 plantas medicinais, 6 demonstram atividade no SNC mais potente, sendo Mentha piperita, Matricaria chamomilla e Tilia europaea como estimulantes, e Citrus sinensis, Citrus paradisi, Cupressus sempervirens, Eucalyptus globulus e Rosa damascena como depressoras.

[ 66 ]

Hepatoprotetora

Hepatoprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: material vegetal (pó) em água. Dose para ensaio: 1 g/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss portadores de hepatotoxicidade induzida por arsenito de sódio, pré-tratados com o extrato vegetal, com posterior análise do peso corporal e hepático, parâmetros bioquímicos hepáticos (LPO, LDH, ACP, ALP e GSH) e plasmáticos (SGOT e SGPT).

O extrato aquoso de M. piperita reduz os danos hepáticos provocados por arsenito de sódio.

[ 51 ]

Hipoglicemiante

Hipoglicemiante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: material vegetal (seco) em etanol a 95%. Dose para ensaio: 300 mg/kg. Outras espécies em estudo: Murraya koenigii, Ocimum sanctum e Aegle marmelos.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de diabetes induzido por estreptozotocina, tratados com os extratos vegetais, com posterior análise do teste de tolerância à glicose, parâmetros bioquímicos (hematológico, plasmático e enzimático hepático), atividade de enzimas metabolizadores de carboidratos e metabolismo de glicogênio.

O extrato de M. piperita não apresenta atividade hipoglicemiante significativa, exceto os extratos de M. koenigii, O. sanctum e A. marmelos.

[ 61 ]

Inibidora enzimática (AChE)

Inibidora enzimática (AChE)
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: decocção de 10 g do material vegetal (pó) em 100 mL de água. Nanopartículas de prata (AgNPs): contendo 10 mL do extrato vegetal.

In vitro:

Determinar a atividade inibitória da enzima acetilcolinesterase (AChE) na presença ou ausência de substrato.

 

A nanopartícula de prata contendo o extrato de M. piperita inibe a atividade da enzima AChE, independente da ligação com substrato.

[ 3 ]

Moduladora enzimática

Moduladora enzimática
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Óleo vegetal. Dose para ensaio: 40 µL/animal/dia.

In vivo:

Em camundongos Swiss expostos a radiação gama (8 Gγ), pré-tratados com o óleo vegetal, com posterior da atividade das fosfatases ácida e alcalina plasmáticas.

O óleo de M. piperita modula a atividade das fosfatases em animais expostos a radiação.

[ 57 ]
Folha

Chá: a 2% (p/v). Outras espécies em estudo: Matricaria recutita e Taraxacum officinale.

In vivo:

Em ratos Wistar submetidos a administração dos chás, com posterior análise da atividade de enzimas de metabolização de fármacos de fase I e II (CYP1A2, CYP3A, CYP2E, CYP2D, GST e UDP-glicuronil transferase) em microssomas hepáticos, na presença de substratos específicos, por Cromatografia Líquida de Alta Eficiência (CLAE).

Os chás das ervas em estudo modulam a atividade das enzimas hepáticas metabolizadoras (fase I e II), sendo promissores no processo de desintoxicação.

[ 64 ]

Nefroprotetora

Nefroprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato etanólico. Dose para ensaio: 20 mg/kg/dia.

In vivo:

Em coelhos portadores de nefrotoxicidade induzida por gentamicina, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (nitrogênio ureico, creatinina, ácido úrico, sódio, potássio, cálcio, proteínas, fosfatase alcalina, lactato desidrogenase e volume urinário), histológicos e interação medicamentosa.

O extrato de M. piperita apresenta atividade nefroprotetora, além de não influenciar a ação terapêutica da gentamicina.

[ 45 ]

Radioprotetora

Radioprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: material vegetal (pó) em água. Dose para ensaio: 1 g/kg.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação dos radicais DPPH e ABTS.

 

In vivo:

Em camundongos Swiss expostos a radiação gama (8 Gγ), pré-tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (GSH, GST, GP-x, GR, SOD, CAT e LPO).

O extrato aquoso de M. piperita apresenta atividade radioprotetora, devido as ações antioxidante e sequestrante de radicais livres.

[ 37 ]
Folha

Extrato: material vegetal (pó) em água. Dose para ensaio: 1 g/kg.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação dos radicais DPPH e ABTS.

 

In vivo:

Em camundongos Swiss expostos a radiação gama (8 Gγ), pré-tratados com o extrato vegetal, com posterior análise histopatológica e parâmetros bioquímicos (TBARS, atividade da fosfatase ácida e alcalina) dos testículos.

O extrato aquoso de M. piperita apresenta atividade radioprotetora, devido as ações antioxidante e sequestrante de radicais livres.

[ 49 ]
Folha

Extrato: 100 g do material vegetal (pó) em 1500 mL de água. Doses para ensaio: 0,125 a 4 g/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss expostos a radiação gama (4 a 10 Gγ), pré-tratados com o extrato vegetal, com posterior análise da formação de colônias endógenas do baço (CFU-S), peso do baço, taxa de sobrevivência, parâmetros hematológicos (eritrócitos, glóbulos brancos, hemoglobina e hematócrito) e bioquímicos (GSH, TBARS e atividade da fosfatase ácida).

O extrato de M. piperita apresenta atividade radioprotetora em tecido hematopoiético, principalmente na dose de 1 g/kg.

[ 50 ]
Folha

Extrato: material vegetal (pó) em água. Dose para ensaio: 1 g/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss expostos a radiação gama (8 Gγ), pré-tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros histopatológicos do jejuno (vilosidades, células caliciformes, totais, mitóticas e mortas).

O extrato aquoso de M. piperita reduz os danos na mucosa intestinal provenientes da radiação.

[ 52 ]
Folha

Extrato: material vegetal (pó) em água. Dose para ensaio: 1 g/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss expostos a radiação gama (8 Gγ) na medula óssea, pré-tratados com o extrato vegetal, com posterior contagem de células da medula óssea femoral, ensaio do micronúcleo (medula óssea femoral) e nível de eritropoietina plasmática.

O extrato aquoso de M. piperita reduz os danos hematopoiéticos provenientes da radiação, possivelmente por manter o nível de eritropoietina.

[ 53 ]
Parte aérea

Óleo essencial: por hidrodestilação. Doses para ensaio: 40 µL/animal/dia.

In vivo:

Em camundongos Swiss expostos a radiação gama (8 Gγ), pré-tratados com o óleo vegetal, com posterior análise parâmetros hematológicos (eritrócitos, glóbulos brancos, hemoglobina e hematócrito) e taxa de sobrevivência.

O óleo de M. piperita apresenta atividade radioprotetora, pois estimula e protege o sistema hematopoiético, além de aumentar a taxa de sobrevivência (83,33%).

[ 54 ]
Folha

Extrato: material vegetal (pó) em água. Dose para ensaio: 1 g/kg/dia.

In vivo:

Em camundongos Swiss expostos a radiação gama (8 Gγ), pré-tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros citogenéticos (medula óssea femoral) e bioquímicos (GSH e TBARS).

O extrato de M. piperita apresenta atividade radioprotetora, devido as ações antioxidante e antimutagênica.

[ 63 ]

Repelente de insetos

Repelente de insetos
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Óleo essencial. Concentrações para ensaio: 0,005 a 0,025 μL/cm3. Outras espécies em estudo: Citrus sinensis, Cymbopogon citratus e Eucalyptus globulus.

In vitro:

Bioensaio com Musca domestica em câmara de escala laboratorial, para determinar a ação repelente dos óleos vegetais (em associação ou não).

 

O óleo de M. piperita apresenta atividade repelente significativa, isolado ou em associação com C. citratus (70:30).

[ 44 ]
Folha

Óleo essencial: 200 g do material vegetal (fresco), por hidrodestilação. Outras espécies em estudo: Eucaliptus globulus, Ocimum sanctum e Plectranthus amboinicus. Concentração: 20% de óleo essencial em etanol, e associação dos óleos vegetais a 5%.

In vitro:

Em mosquitos da espécie Aedes aegypti submetidos ao ensaio de repelência em placas Petri.

 

Os óleos de M. piperita, O. sanctum e P. amboinicus apresentam atividade repelente mais potente, assim como a associação dos 4 óleos em estudo.

[ 46 ]
Folha

Óleo essencial. Volumes para ensaio: 5 e 10 µL. Outras espécies em estudo: Pimpinella anisum, Eucalyptus camaldulensis, Ocimum basilicum e Laurus nobilis.

In vitro:

Determinar a ação repelente dos óleos vegetais em olfatômetros com tubos em forma de Y.

 

Os óleos vegetais apresentam atividade repelente, contudo, E. camaldulensis, O. basilicum e P. anisum são os mais potentes.

[ 23 ]
Ensaios toxicológicos

Genotoxicidade

Genotoxicidade
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato: por infusão. Outras espécies em estudo: Matricaria chamomilla, Tilia cordata, Mentha pulegium, Uncaria tomentosa e Valeriana officinalis.

In vitro:

Em culturas de larvas de Drosophia melanogaster incubadas com peróxido de hidrogênio e extratos vegetais, com posterior análise do Teste de Mutação Somática e Recombinação (SMART).

 

As infusões em estudo não apresentam genotoxicidade, e sim ação antimutagênica.

[ 59 ]

Hepatotoxicidade

Hepatotoxicidade
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Chá: 5 g do material vegetal em 250 mL de água. Doses para ensaio: 20 g/L. Outra espécie em estudo: Mentha spicata.

In vivo:

Em ratos Wistar submetidos a administração do extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos hepáticos (AST/GOT, ALT/GPT, SOD, GSH-Px, CAT e TBARS) e histológicos.

Observou-se que o uso crônico dos chás de M. piperita e M. spicata apresentam hepatotoxicidade.

[ 32 ]

Inibidora da absorção de ferro

Inibidora da absorção de ferro
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Chá: 5 g do material vegetal em 250 mL de água. Doses para ensaio: 20 g/L. Outra espécie em estudo: Mentha spicata.

In vivo:

Em ratos Wistar submetidos a administração do extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos plasmáticos (ferro, ferritina e capacidade de ligação do ferro insaturado).

O uso crônico do chá de M. piperita inibe a absorção de ferro mais potente, quando comparado ao de M. spicata

[ 35 ]

Interação medicamentosa

Interação medicamentosa
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Óleo essencial: por hidrodestilação. Doses para ensaio: 0,1 a 0,2 mL/kg.

In vivo:

Em camundongos NMRI submetidos a administração (aguda e crônica) do óleo vegetal, pós-tratados com pentobarbital, codeína e midazolam, com posterior análise do tempo de sono, efeito analgésico e coordenação motora, respectivamente, e da motilidade intestinal (carvão vegetal e goma arábica).

O óleo de M. piperita pode alterar a motilidade intestinal, bem como a farmacodinâmica de medicamentos sintéticos.

[ 40 ]

Nefrotoxicidade

Nefrotoxicidade
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Chá: 5 g do material vegetal em 250 mL de água. Doses para ensaio: 20 g/L. Outra espécie em estudo: Mentha spicata.

In vivo:

Em ratos Wistar submetidos a administração do extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos renais (ureia, creatinina, TBARS, GSH-Px, CAT e SOD) e histológicos.

O uso crônico do chá de M. piperita não apresenta nefrotoxicidade, exceto para M. spicata.

[ 33 ]

Toxicidade oral

Toxicidade oral
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Parte aérea

Óleo essencial: por hidrodestilação. Doses para ensaio: 20 a 100 µL/animal/dia.

In vivo:

Em camundongos Swiss submetidos ao teste de toxicidade oral (durante 3 dias consecutivos).

O óleo essencial de M. piperita não apresenta sinais de toxicidade (morbidade, mortalidade ou comportamental) até a dose de 100 µL/animal/dia.

[ 54 ]

Referências bibliográficas

1 - SHAYEGH, S. et al. Phytotherapeutic inhibition of supragingival dental plaque. Nat Prod Res, v. 22, n. 5, p.428-439, 2008. doi: 10.1080/14786410701591739
2 - SAMBER, N. et al. Synergistic anti-candidal activity and mode of action of Mentha piperita essential oil and its major componentes. Pharm Biol, v. 53, n. 10, p.1496-504, 2015. doi: 10.3109/13880209.2014.989623
3 - KHATOON, A. et al. Silver nanoparticles from leaf extract of Mentha piperita: eco-friendly synthesis and effect on acetylcholinesterase activity. Life Sci, v. 209, p.430-434, 2018. doi: 10.1016/j.lfs.2018.08.046
4 - VIDAL, F. et al. Giardia lamblia: the effects of extracts and fractions from Mentha x piperita Lin. (Lamiaceae) on trophozoites. Exp Parasitol, v. 15, n. 1, p.25-31, 2007. doi: 10.1016/j.exppara.2006.05.001
5 - DEJANI, N. N. et al. Immunological and parasitological parameters in Schistosoma mansoni-infected mice treated with crude extract from the leaves of Mentha x piperita L. Immunobiology, v. 219, n. 8, p.627-632, 2014. doi: 10.1016/j.imbio.2014.03.015
6 - SUN, Z. et al. Chemical composition and anti-inflammatory, cytotoxic and antioxidant activities of essential oil from leaves of Mentha piperita grown in China. PLoS One, v. 9, n. 12, p.1-15, 2014. doi: 10.1371/journal
7 - RAGHAVAN, R. et al. Effectiveness of Mentha piperita leaf extracts against oral pathogens: an in vitro study. J Contemp Dent Pract, v. 19, n. 9, p.1042-1046, 2018.
8 - KUMAR, A. et al. Anticancer and radioprotective potentials of Mentha piperita. Biofactors, v. 22, n. 1-4, p.87-91, 2004. doi: 10.1002/biof.5520220117
9 - MIMICA-DUKIC, N. et al. Antimicrobial and antioxidant activities of three Mentha species essential oils. Planta Med, v. 69, n. 5, p.413-9, 2003. doi: 10.1055/s-2003-39704
10 - RASOOLI, I. et al. Phytotherapeutic prevention of dental biofilm formation. Phytother Res, v. 22, n. 9, p.1162-1167, 2008. doi: 10.1002/ptr.2387
11 - JAIN, D. et al. Evaluation of cytotoxicity and anticarcinogenic potential of Mentha leaf extracts. Int J Toxicol, v. 30, n. 2, p.225-236, 2011. doi: 10.1177/1091581810390527
12 - OGALY, H. A. et al. Antifibrogenic influence of Mentha piperita L. essential oil against CCl4-induced liver fibrosis in rats. Oxid Med Cell Longev, p.1-15, 2018. doi: 10.1155/2018/4039753
13 - MANDAVA, K. et al. Design and study of anticaries effect of different medicinal plants against S. mutans glucosyltransferase. BMC Complement Altern Med, v. 19, n. 1, p.1-8, 2019. doi: 10.1186/s12906-019-2608-3
14 - YAMASAKI, K. et al. Anti-HIV-1 activity of herbs in Labiatae. Biol Pharm Bull, v. 21, n. 8, p.829-33, 1998. doi: 10.1248/bpb.21.829
15 - RAJKOWSKA, K. et al. Candida albicans impairments induced by peppermint and clove oils at sub-inhibitory concentrations. Int J Mol Sci, v. 18, n. 6, p.1-11, 2017. doi: 10.3390/ijms18061307
16 - YIGIT, D. et al. An investigation on the anticandidal activity of some traditional medicinal plants in Turkey. Mycoses, v. 52, n. 2, p.135-140, 2009. doi: 10.1111/j.1439-0507.2008.01552.x
17 - VUUREN, S. F. V. et al. The antimicrobial activity of four commercial essential oils in combination with conventional antimicrobials. Lett Appl Microbiol, v. 48, n. 4, p.440-446, 2009. doi: 10.1111/j.1472-765X.2008.02548.x
18 - IBRAHIM, S. Y.; EL-SALAM, M. M. A. Anti-dermatophyte efficacy and environmental safety of some essential oils commercial and in vitro extracted pure and combined against four keratinophilic pathogenic fungi. Environ Health Prev Med, v. 20, n. 4, p.279-286, 2015. doi: 10.1007/s12199-015-0462-6
19 - AKDOGAN, M. et al. Effects of peppermint teas on plasma testosterone, follicle-stimulating hormone, and luteinizing hormone levels and testicular tissue in rats. Urology, v. 64, n. 2, p.394-398, 2004. doi: 10.1016/j.urology.2004.03.046
20 - VLADIMIR-KNEZEVIC, S. et al. Acetylcholinesterase inhibitory, antioxidant and phytochemical properties of selected medicinal plants of the Lamiaceae family. Molecules, v. 19, n. 1, p.767-782, 2014. doi: 10.3390/molecules19010767
21 - GOLESTANI, M. R. et al. Analysis and evaluation of antibacterial effects of new herbal formulas, AP-001 and AP-002, against Escherichia coli O157:H7. Life Sci, v. 135, p.22-26, 2015. doi: 10.1016/j.lfs.2015.05.007
22 - MOHSENZADEH, M. Evaluation of antibacterial activity of selected Iranian essential oils against Staphylococcus aureus and Escherichia coli in nutrient broth médium. Pak J Biol Sci, v. 10, n. 20, p.3693-3697, 2007. doi: 10.3923/pjbs.2007.3693.3697
23 - ERLER, F. et al. Repellent activity of five essential oils against Culex pipiens. Fitoterapia, v. 77, n. 7-8, p.491-494, 2006. doi: 10.1016/j.fitote.2006.05.028
24 - SCHUHMACHER, A. et al. Virucidal effect of peppermint oil on the enveloped viruses herpes simplex virus type 1 and type 2 in vitro. Phytomedicine, v. 10, n. 6-7, p.504-510, 2003. doi: 10.1078/094471103322331467
25 - MUBARAKALI, D. et al. Plant extract mediated synthesis of silver and gold nanoparticles and its antibacterial activity against clinically isolated pathogens. Colloids Surf B Biointerfaces, v. 85, n. 2, p.360-365, 2011. doi: 10.1016/j.colsurfb.2011.03.009
26 - HEIMES, K. et al. Mode of action of peppermint oil and (-)-menthol with respect to 5-HT3 receptor subtypes: binding studies, cation uptake by receptor channels and contraction of isolated rat ileum. Phytother Res, v. 25, n. 5, p.702-708, 2011. doi: 10.1002/ptr.3316
27 - NOLKEMPER, S. et al. Antiviral effect of aqueous extracts from species of the Lamiaceae family against Herpes simplex virus type 1 and type 2 in vitro. Planta Med, v. 72, n. 15, p.1378-1382, 2006. doi: 10.1055/s-2006-951719
28 - WU, Z. et al. Chemical composition and antioxidant properties of essential oils from peppermint, native spearmint and scotch spearmint. Molecules, v. 24, n. 15, p.1-16, 2019. doi: 10.3390/molecules24152825
29 - BOUARI, C. et al. Antimicrobial activity of Mentha piperita and Saturenja hortensis in a murine model of cutaneous protothecosis. J Mycol Med, v. 24, n. 1, p.34-43, 2014. doi: 10.1016/j.mycmed.2013.11.005
30 - ROMERO, M. C. et al. Peppermint (Mentha piperita) and albendazole against anisakiasis in an animal model. Trop Med Int Health, v. 19, n. 12, p.1430-1436, 2014. doi: 10.1111/tmi.12399
31 - KASEM, R. F. et al. Chemopreventive effect of Mentha piperita on dimethylbenz[a]anthracene and formaldehyde-induced tongue carcinogenesis in mice (histological and immunohistochemical study). J Oral Pathol Med, v. 43, n. 7, p.484-491, 2014. doi: 10.1111/jop.12150
32 - AKDOGAN, M. et al. Investigation of biochemical and histopathological effects of Mentha piperita Labiatae and Mentha spicata Labiatae on liver tissue in rats. Hum Exp Toxicol, v. 23, n. 1, p.21-28, 2004. doi: 10.1191/0960327104ht412oa
33 - AKDOGAN, M. et al. Investigation of biochemical and histopathological effects of Mentha piperita L. and Mentha spicata L. on kidney tissue in rats. Hum Exp Toxicol, v. 22, n. 4, p.213-219, 2003. doi: 10.1191/0960327103ht332oa
34 - BELLASSOUED, K. et al. Protective effects of Mentha piperita L. leaf essential oil against CCl4 induced hepatic oxidative damage and renal failure in rats. Lipids Health Dis, v. 17, n. 1, p.1-14, 2018. doi: 10.1186/s12944-017-0645-9
35 - AKDOGAN, M. et al. Effect of Mentha piperita (Labiatae) and Mentha spicata (Labiatae) on iron absorption in rats. Toxicol Ind Health, v. 20, n. 6-10, p.119-122, 2004. doi: 10.1191/0748233704th206oa
36 - SAMARTH, R. M. et al. Modulatory effects of Mentha piperita on lung tumor incidence, genotoxicity, and oxidative stress in benzo[a]pyrene-treated Swiss albino mice. Environ Mol Mutagen, v. 47, n. 3, p.192-198, 2006. doi: 10.1002/em.20185
37 - SAMARTH, R. M. et al. Radioprotective influence of Mentha piperita (Linn) against gamma irradiation in mice: antioxidant and radical scavenging activity. Int J Radiat Biol, v. 82, n. 5, p.331-337, 2006. doi: 10.1080/09553000600771523
38 - HU, Z. et al. Antioxidant effect of aromatic volatiles emitted by Lavandula dentata, Mentha spicata, and M. piperita on mouse subjected to low oxygen condition. Biosci Biotechnol Biochem, v. 81, n. 12, p.2386-2395, 2017. doi: 10.1080/09168451.2017.1385382
39 - ARRUDA, M. O. et al. The hydroalcoholic extract obtained from Mentha piperita L. leaves attenuates oxidative stress and improves survival in lipopolysaccharide-treated macrophages. J Immunol Res, p.1-9, 2017. doi: 10.1155/2017/2078794
40 - SAMOJLIK, I. et al. Acute and chronic pretreatment with essential oil of peppermint (Mentha × piperita L., Lamiaceae) influences drug effects. Phytother Res, v. 26, n. 6, p.820-825, 2012. doi: 10.1002/ptr.3638
41 - RAMOS, R. S. et al. Chemical composition and in vitro antioxidant, cytotoxic, antimicrobial, and larvicidal activities of the essential oil of Mentha piperita L. (Lamiaceae). SciWorldJ, p.1-8, 2017. doi: 10.1155/2017/4927214
42 - FIGUEROA-PÉREZ, M. G. et al. Metabolite profile, antioxidant capacity, and inhibition of digestive enzymes in infusions of peppermint (Mentha piperita) grown under drought stress. J Agric Food Chem, v. 62, n. 49, p.12027-12033, 2014. doi: 10.1021/jf503628c
43 - MODARRESI, M. et al. Topical application of Mentha piperita essential oil accelerates wound healing in infected mice model. Inflammopharmacol, v. 27, n. 3, p.531-537, 2019. doi: 10.1007/s10787-018-0510-0
44 - CHAUHAN, N. et al. Repellency potential of essential oils against housefly, Musca domestica L. Environ Sci Pollut Res Int, v. 25, n. 5, p.4707-4714, 2018. doi: 10.1007/s11356-017-0363-x
45 - ULLAH, N. et al. Mentha piperita in nephrotoxicity-a possible intervention to ameliorate renal derangements associated with gentamicina. Indian J Pharmacol, v. 46, n. 2, p.166-170, 2014. doi: 10.4103/0253-7613.129309
46 - LALTHAZUALI; MATHEW, N. Mosquito repellent activity of volatile oils from selected aromatic plants. Parasitol Res, v. 116, n.2, p.821-825, 2017. doi: 10.1007/s00436-016-5351-4
47 - LÓPEZ, V. et al. Neuroprotective and neurochemical properties of mint extracts. Phytother Res, v. 24, n. 6, p.869-874, 2010. doi: 10.1002/ptr.3037
48 - DE SOUZA, A. A. S. et al. Antispasmodic effect of Mentha piperita essential oil on tracheal smooth muscle of rats. J Ethnopharmacol, v. 130, n. 2, p.433-436, 2010. doi: 10.1016/j.jep.2010.05.012
49 - SAMARTH, R. M.; MEENAKSHI, S. Protection against radiation-induced testicular damage in Swiss albino mice by Mentha piperita (Linn.). Basic Clin Pharmacol Toxicol, v. 104, n. 4, p.329-334, 2009. doi: 10.1111/j.1742-7843.2009.00384.x
50 - SAMARTH, R. M.; ASHOK, K. Radioprotection of Swiss albino mice by plant extract Mentha piperita (Linn.). J Radiat Res, v. 44, n. 2, p.101-109, 2003. doi: 10.1269/jrr.44.101
51 - SHARMA, A. et al. Protective effect of Mentha piperita against arsenic-induced toxicity in liver of Swiss albino mice. Basic Clin Pharmacol Toxicol, v. 100, n. 4, p.249-257, 2007. doi: 10.1111/j.1742-7843.2006.00030.x
52 - SAMARTH, R. M. et al. Mentha piperita (Linn) leaf extract provides protection against radiation induced alterations in intestinal mucosa of Swiss albino mice. Indian J Exp Biol, v. 40, n. 11, p.1245-9, 2002.
53 - SAMARTH, R. M. et al. Protection against radiation induced hematopoietic damage in bone marrow of Swiss albino mice by Mentha piperita (Linn). J Radiat Res, v. 48, n. 6, p.523-528, 2007. doi: 10.1269/jrr.07052
54 - SAMARTH, R. M. et al. Protection of swiss albino mice against whole-body gamma irradiation by Mentha piperita (Linn.). Phytother Res, v. 18, n. 7, p.546-550, 2004. doi: 10.1002/ptr.1483
55 - CASTILLO-JUÁREZ, I. et al. Anti-Helicobacter pylori activity of plants used in Mexican traditional medicine for gastrointestinal disorders. J Ethnopharmacol, v. 122, n. 2, p.402-405, 2009. doi: 10.1016/j.jep.2008.12.021
56 - AMMON, H. P. T. et al. Spasmolytic and tonic effect of Iberogast (STW 5) in intestinal smooth muscle. Phytomedicine, v. 13, n. Suppl 5, p.67-74, 2006. doi: 10.1016/j.phymed.2006.08.004
57 - SAMARTH, R. M. et al. Modulation of serum phosphatases activity in Swiss albino mice against gamma irradiation by Mentha piperita Linn. Phytother Res, v. 16, n. 6, p.586-589, 2002. doi: 10.1002/ptr.984
58 - ATTA, A. H.; ALKOFAHI, A. Anti-nociceptive and anti-inflammatory effects of some Jordanian medicinal plant extracts. J Ethnopharmacol, v. 60, n. 2, p.117-124, 1998. doi: 10.1016/S0378-8741(97)00137-2
59 - ROMERO-JIMÉNEZ, M. et al. Genotoxicity and anti-genotoxicity of some traditional medicinal herbs. Mutat Res, v. 85, n. 1-2, p.147-155, 2005. doi: 10.1016/j.mrgentox.2005.05.004
60 - MOHOMMADIFAR, M. et al. Anti-osteoarthritis potential of peppermint and rosemary essential oils in a nanoemulsion form: behavioral, biochemical, and histopathological evidence. BMC Complement Med Ther, v. 21, n. 1, p.1-12. doi: 10.1186/s12906-021-03236-y
61 - NARENDHIRAKANNAN, R. T. et al. Biochemical evaluation of antidiabetogenic properties of some commonly used Indian plants on streptozotocin-induced diabetes in experimental rats. Clin Exp Pharmacol Physiol, v. 33, n. 12, p.1150-1157, 2006. doi: 10.1111/j.1440-1681.2006.04507.x
62 - KHAYYAL, M. T. et al. Antiulcerogenic effect of some gastrointestinally acting plant extracts and their combination. Arzneimittelforschung, v. 51, n. 7, p.545-553, 2001. doi: 10.1055/s-0031-1300078
63 - SAMARTH, R. M.; KUMAR, A. Mentha piperita (Linn.) leaf extract provides protection against radiation induced chromosomal damage in bone marrow of mice. Indian J Exp Biol, v. 41, n. 3, p.229-237, 2003.
64 - MALIAKA, P. P.; WANWIMOLRUK, S. Effect of herbal teas on hepatic drug metabolizing enzymes in rats. J Pharm Pharmacol, v. 53, n. 10, p.1323-1329, 2001. doi: 10.1211/0022357011777819
65 - CHO, B. O. et al. Anti‑inflammatory effect of Chrysanthemum zawadskii, peppermint, Glycyrrhiza glabra herbal mixture in lipopolysaccharide‑stimulated RAW264.7 macrophages. Mol Med Rep, v. 24, n. 1, p.1-8, 2021. doi: 10.3892/mmr.2021.12171
66 - UMEZU, T. et al. Evaluation of the effects of plant-derived essential oils on central nervous system function using discrete shuttle-type conditioned avoidance response in mice. Phytother Res, v. 26, n. 6, p.884-891, 2012. doi: 10.1002/ptr.3665
67 - ZAHID, R. et al. In vitro and in vivo anti-Helicobacter pylori activity of selected medicinal plants employed for the management of gastrointestinal disorders. Pak J Pharm Sci, v. 33, n. Suppl 6, p.2809-2814, 2020. 

Referências bibliográficas

1 - BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira 1ª edição. Brasília: Anvisa, p. 42, 2011.
2 - BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira 1ª edição. Brasília: Anvisa, p. 82-83, 2011.
3 - BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira 1ª edição – Primeiro Suplemento. Brasília: Anvisa, p. 136-137, 2018.
4 - BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira 1ª edição – Primeiro Suplemento. Brasília: Anvisa, p. 62-63, 2018.
5 - BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira 2ª edição. Brasília: Anvisa, p. 131-134, 2021.

Farmácia da Natureza
[ 1 ]

Fórmula

Tintura

Alcoolatura

Componente

Quantidade

Componente

Quantidade*

Etanol/água 70%

1000 mL

Etanol/água 80%

1000 mL

Parte aérea seca

100 g

Parte aérea fresca

200 g

* Após a filtragem ajustar o teor alcoólico da alcoolatura para 70%, com adição de etanol 98%, se necessário. 
Modo de preparo

Tintura: pesar 100 g de parte aérea seca, rasurada e colocar em frasco de vidro âmbar; em seguida adicionar 1000 mL de etanol a 70%, tampar bem o frasco e deixar a planta em maceração por 7 dias, agitando o frasco diariamente. Após esse período, filtrar em papel de filtro e envasar em frasco de vidro âmbar.

Alcoolatura: pesar 200 g de parte aérea fresca, lavar, picar e colocar em frasco de vidro âmbar; em seguida adicionar 1000 mL de etanol a 80%, tampar bem o frasco e deixar a planta em maceração por 7 dias, agitando o frasco diariamente. Após esse período, filtrar em papel de filtro e envasar em frasco de vidro âmbar.

Principais indicações

Cólicas digestivas, biliares e flatulência (BLUMENTHAL, 1998). Síndrome do intestino irritável, flatulência, dispepsia, mialgia e cefaleia (WHO, 1999b). Expectorante, carminativa e antiespasmódica e no tratamento da síndrome do cólon irritável (BRASIL, 2014; BRASIL, 2018).

Posologia

Uso oral: tomar de 1 a 3 gotas por quilo de peso, divididas em 3 vezes ao dia, sempre diluídas em água (cerca de 50 mL ou meio copo). 

Farmácia da Natureza
[ 2 ]

Fórmula

Componente

Quantidade

Tintura de Mentha x piperita e tintura de Rosmarinus officinalis

1:1

 
Modo de preparo

Em uma proveta graduada, medir as quantidades de tinturas desejadas e verter em frasco de vidro âmbar esterilizado. Tampar, agitar e rotular. 

Principais indicações

Flatulência.

Posologia

Uso oral: Tomar 60 gotas, 2 vezes ao dia, por 2 meses.

Farmácia da Natureza
[ 3 ]

Fórmula

Componente

Número da cápsula e quantidade

Mentha x piperita (droga vegetal)

N° 0 (220 a 230 mg)

Q.s.p

1 cápsula

 
Modo de preparo

Pulverizar a droga vegetal e encapsular. 

Principais indicações

Cólicas digestivas, biliares e flatulência (BLUMENTHAL, 1998). Síndrome do intestino irritável, flatulência, dispepsia, mialgia e cefaleia (WHO, 1999b). Expectorante, carminativa e antiespasmódica e no tratamento da síndrome do cólon irritável (BRASIL, 2014; BRASIL, 2018). 

Posologia

Uso oral: tomar 1 cápsula, 1 a 3 vezes ao dia.

Farmácia da Natureza
[ 4 ]

Fórmula

Componente

Quantidade

Parte aérea seca rasurada

0,4 a 0,6 g ou uma colher de chá caseira cheia

Água q.s.p.

150 mL

Modo de preparo

Preparar por infusão, por 5 minutos.

Principais indicações

Cólicas digestivas, biliares e flatulência (BLUMENTHAL, 1998). Síndrome do intestino irritável, flatulência, dispepsia, mialgia e cefaleia (WHO, 1999b). Expectorante, carminativa e antiespasmódica e no tratamento da síndrome do cólon irritável (BRASIL, 2014; BRASIL, 2018).

Posologia

Uso oral: adultos devem tomar 150 mL (1 xícara de chá) do infuso três a quatro vezes ao dia. Uso oral: crianças acima de 5 anos devem tomar 3 mL (1 colher de chá caseira) do infuso por quilograma de peso corporal por dose, duas a três vezes ao dia.

Referências bibliográficas

1 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 3 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 177-180.
2 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 3 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 311-312.
3 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 3 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 396-398.
4 - PEREIRA, A. M. S. (Org.). Formulário de Preparação Extemporânea: Farmácia da Natureza. 2 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 109-111.

Dados Químicos
[ 1 , 2 , 3 , 4 , 5 , 6 , 7 , 8 , 9 , 10 , 11 , 12 , 13 , 14 , 15 ]
Marcador:
Principais substâncias:

Ácidos

acético, fenilacética, valeriânico, rosmarínico, p-cumárico, ferúlico, cafeico, clorogênico e litospérmico.

Aminoácidos

betaína.

Antraquinonas

emodina, aloe-emodina e crisofanol.

Elementos químicos

cromo, cobre, zinco, vanádio, ferro, níquel, chumbo e cádmio.

Fitosteróis

β-sitosterol e daucosterol.

Flavonoides

apigenol, apigenina, luteolol, luteolina, mentosídeo, rutina, isoroifolina, diosmetina, eriocitrina, narirutina, hesperidina, diosmina, flavomentina, ácido rosmarínico, 5,7-dihidroxicromona-7-O-rutinosídeo, acacetina, crisoeriol, linarina, tilianina, nodifloretina, xantomicrol e gardenina D.

Óleos essenciais

mentol, neomentol, acetato de metila, mentona, neomentona, isomentona, neoisomentol, mentofurano, ésteres de mentolpineno, pulegona, 1,8-cineol, limoneno, felandreno, piperitona, viridoflorol, mentofurano, sabineno, eucaliptol, carvona, germacreno, α e β-pineno, isoeugenol, jasmona, cariofileno, bisabolol, acetato de metil, ledol, 2(4H)-benzofurona,5,6,7,7a-tetrahidro-3,6-dimetil, ácido b-(3-tienil) acrílico, biciclogermacreno, 1-α-terpineol, β-elemeno, β-cubebeno, spatulenol, viridiflorol, linalol, epoxiocimeno, 3-careno, cis-careno, mirceno, ácido trans-cinâmico e p-cimeno.

Taninos

Vitaminas

A, C e D.

Referências bibliográficas

1 - MATOS, F. J. A. Plantas medicinais: Guia de seleção e emprego de plantas medicinais usadas em fitoterapia no Nordeste do Brasil. 2 ed. Fortaleza: Imprensa Universitária – UFC, 2000, p. 231-232.
2 - PEREIRA, A. M. S. et al. (Org.). Manual Prático de Multiplicação e Colheita de Plantas Medicinais. Ribeirão Preto: Bertolucci, 2011, p. 153.
3 - TESKE, M. & TRENTINI, A. M. M. Compêndio de Fitoterapia. 4 ed. Curitiba: Herbarium Lab. Bot. Ltda, 2001, p. 182.
4 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 2. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 221.
5 - SUN, Z. et al. Chemical composition and anti-inflammatory, cytotoxic and antioxidant activities of essential oil from leaves of Mentha piperita grown in China. PLoS One, v. 9, n. 12, p.1-15, 2014. doi: 10.1371/jornal
6 - SCHMIDT, E. et al. Chemical composition, olfactory evaluation and antioxidant effects of essential oil from Mentha x piperita. Nat Prod Commun, v. 4, n. 8, p.1107-1112, 2009.
7 - SOKOVIC, M. D. et al. Chemical composition of essential oils of Thymus and Mentha species and their antifungal activities. Molecules, v. 14, n. 1, p.238-249, 2009. doi: 10.3390/molecules14010238
8 - MIMICA-DUKIC, N. et al. Antimicrobial and antioxidant activities of three Mentha species essential oils. Planta Med, v. 69, n. 5, p.413-9, 2003. doi: 10.1055/s-2003-39704
9 - NARENDHIRAKANNAN, R. T. et al. Mineral content of some medicinal plants used in the treatment of diabetes mellitus. Biol Trace Elem Res, v. 103, n. 2, p.109-115, 2005. doi: 10.1385/BTER:103:2:109
10 - INOUE, T. et al. Antiallergic effect of flavonoid glycosides obtained from Mentha piperita L. Biol Pharm Bull, v. 25, n. 2, p.256-259, 2002. doi: 10.1248/bpb.25.256
11 - DO NASCIMENTO, L. D. et al. Bioactive natural compounds and antioxidant activity of essential oils from spice plants: new findings and potential applications. Biomolecules, v. 10, n. 7, p.1-35, 2020. doi: 10.3390/biom10070988
12 - BALIGA, M. S.; RAO, S. Radioprotective potential of mint: a brief review. J Cancer Res Ther, v. 6, n. 3, p.255-62, 2010. doi: 10.4103/0973-1482.73336
13 - GERMOSÉN-ROBINEAU, L. (Ed.). Hacia una farmacopea caribeña. Tramil 7 edición. Santo Domingo, República Dominicana: Enda-Caribe, UAG & Universidad de Antioquia, 1995, p. 371.
14 - GRUENWALD, J. et al. PDR for Herbal Medicines. Montvale: Economics Company, Inc, 2000, p. 580.
15 - KRAFT, K.; HOBBS, C. Pocket Guide to Herbal Medicine. New York: Thieme Stuttgart, 2004, p. 102-103.

Propagação: 

por sementes (adquiridas de empresas produtoras de sementes, seguindo as especificações para semeadura), estacas ou estolões. As estacas devem ser preparadas a partir de ramos tenros, medindo 8 cm de comprimento (com 2 ou 3 gemas), com 2 pares de folhas na parte terminal da estaca. Inserir a mesma em saco plástico contendo substrato solo, areia e esterco (3:2:1) e manter em viveiro (sombrite 50%) por 60 dias. Posteriormente, as mudas devem ser transferidas para local definitivo (a pleno sol), em covas medindo 15x15 cm e adubadas com ½ kg de esterco bovino, com espaçamento de 20 cm entre plantas e 20 cm entre linhas. A melhor época de plantio é na primavera e outono. Prefere solos férteis, areno-argilosos, bem drenados, mas não seco [ 1 , 2 ] .

Tratos culturais & Manejo: 

a irrigação deve ser realizada por aspersão e diariamente, contudo, o cultivo pode ser prejudicado pelo excesso ou falta de água. Após 2 anos a cultura deve ser renovada, ou após 4 a 6 anos de cultivo deve-se realizar a rotação de culturas com leguminosas [ 1 , 2 ] .

Colheita: 

as folhas devem ser colhidas a partir das 10 horas da manhã, após 90 dias do transplante para o campo. O corte é realizado com tesouras de poda na altura de 5 a 10 cm acima do solo, no início do florescimento. Deve-se realizar um intervalo de 90 dias para futuras colheitas. A sabedoria popular recomenda que a colheita das partes aéreas das plantas seja realizada na lua cheia [ 1 , 2 ] .

Pós-colheita: 

a secagem pode ser realizada a sombra ou em estufa de ar circulante a 40°C/36 horas. Posteriormente, a droga vegetal deve ser armazenada em ambiente não úmido e ser utilizada no período máximo de 3 meses [ 1 , 2 ] .

Problemas & Soluções: 

pode ser atacada por cigarrinhas e formigas, e as principais doenças são oídio e ferrugem. Suporta oscilações de temperaturas, mas não tolera geadas [ 1 ] .

Referências bibliográficas

1 - MING, L. C. Medicina verde: programa municipal de plantas medicinais e fitoterápicos de Botucatu (SP) – Agricultores. 1 ed. Prefeitura Municipal de Botucatu: Universidade Estadual Paulista, 2015, p. 29.
2 - PEREIRA, A. M. S. et al. (Org.). Manual Prático de Multiplicação e Colheita de Plantas Medicinais. Ribeirão Preto: Bertolucci, 2011, p. 151-152.

Tipo: Internacional
Tipo de Monografia: Agência Europeia de Medicamentos
Ano de Publicação: 2020
Arquivo: PDF icon Download (178.15 KB)

Tipo: Internacional
Tipo de Monografia: Agência Europeia de Medicamentos
Ano de Publicação: 2020
Arquivo: PDF icon Download (130.44 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Agência Nacional de Vigilância Sanitária
Ano de Publicação: 2020
Arquivo: PDF icon Download (332.38 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Agência Europeia de Medicamentos
Ano de Publicação: 2020
Arquivo: PDF icon Download (397.4 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 2019
Arquivo: PDF icon Download (564.05 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 2019
Arquivo: PDF icon Download (345.85 KB)

Tipo: Internacional
Tipo de Monografia: Medicamentos e Produtos de Saúde do Canadá
Ano de Publicação: 2018
Arquivo: PDF icon Download (192.78 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Agência Nacional de Vigilância Sanitária
Ano de Publicação: 2017
Arquivo: PDF icon Download (851.51 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Sistema de Farmacovigilância de Plantas Medicinais
Ano de Publicação: 2012
Arquivo: PDF icon Download (391.24 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Agência Nacional de Vigilância Sanitária
Ano de Publicação: 2010
Arquivo: PDF icon Download (470.37 KB)

Tipo: Internacional
Tipo de Monografia: Organização Mundial de Saúde
Ano de Publicação: 2002
Arquivo: PDF icon Download (156.69 KB)

Tipo: Internacional
Tipo de Monografia: Organização Mundial de Saúde
Ano de Publicação: 2002
Arquivo: PDF icon Download (142.41 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 1926
Arquivo: PDF icon Download (49.31 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Agência Nacional de Vigilância Sanitária
Ano de Publicação: 1926
Arquivo: PDF icon Download (27.9 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Agência Nacional de Vigilância Sanitária
Ano de Publicação: 1926
Arquivo: PDF icon Download (22.27 KB)

Parceiros