Taraxacum officinale F.H.Wigg.

Dente-de-leão, taraxaco, amor-dos-homens, amargosa e chicória-silvestre.

Família 
Informações gerais 

Nativa da Europa, especialmente da Bulgária, Romênia, Hungria e Polônia, e da Ásia. Ocorre também nas Américas, encontra-se bem adaptada no Brasil, principalmente nas regiões Sul e Sudeste onde é considerada como planta daninha. É apreciada com alimento, especialmente em saladas, sendo rica em micronutrientes. Suas principais indicações são: diurética, antirreumática, antidispéptica, orexígena, tônica, antiarrítmica, anti-inflamatória, antimicrobiana, antialérgica, hipoglicemiante, laxante, colagoga, colerética, hepatoprotetora, cardioprotetora, depurativa, no tratamento de dermatoses, colecistolitíase e urolitíase[1,2,3,4,5,6,7,8,9,10,11,12,13,14,15,16,17,18].

Referências informações gerais
1 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 3 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2021, p. 163.
2 - PEREIRA, A. M. S. et al. (Org.). Manual Prático de Multiplicação e Colheita de Plantas Medicinais. Ribeirão Preto: Bertolucci, 2011, p. 237-240.
3 - BARNES, J. et al. Herbal Medicines. 3 ed. London: Pharmaceutical Press, 2007, p. 204-206.
4 - TESKE, M. & TRENTINI, A. M. M. Compêndio de Fitoterapia. 4 ed. Curitiba: Herbarium Lab. Bot. Ltda, 2001, p. 120-121.
5 - GARCÍA, E. C.; SOLÍS, I. M. Manual de fitoterapia. 2ª ed. Barcelona: Elsevier, 2016, p. 688-690.
6 - GRUENWALD, J. et al. PDR for Herbal Medicines. Montvale: Economics Company, Inc, 2000, p. 245-246.
7 - KRAFT, K.; HOBBS, C. Pocket Guide to Herbal Medicine. New York: Thieme Stuttgart, 2004, p. 54. 
8 - EVANS, W. C. Trease and Evans Pharmacognosy. 16ª Edition. Philadelphia: Saunders, 2009, p. 439-440, 491, 496.
9 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 3. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 245-253.
10 - WIRNGO, F. E. et al. The physiological effects of dandelion (Taraxacum officinale) in type 2 diabetes. Rev Diabet Stud, v. 13, n. 2-3, p.113-131, 2016. doi: 10.1900/RDS.2016.13.113
11 - GAMBOA-GÓMEZ, C. I. et al. Plants with potential use on obesity and its complications. EXCLI J, v. 14, p.809-831, 2015. doi: 10.17179/excli2015-186
12 - GONZÁLEZ-CASTEJÓN, M. et al. Diverse biological activities of dandelion. Nutr Rev, v. 70, n. 9, p.534-547, 2012. doi: 10.1111/j.1753-4887.2012.00509.x
13 - KANIA-DOBROWOLSKA; BARANIAK, J. Dandelion (Taraxacum officinale L.) as a source of biologically active compounds supporting the therapy of co-existing diseases in metabolic syndrome. Foods, v. 11, n. 18, p.1-17, 2022. doi: 10.3390/foods11182858
14 - GARCIA-OLIVEIRA, P. et al. Traditional plants from Asteraceae family as potential candidates for functional food industry. Food Funct, v. 12, n. 7, p.2850-2873, 2021. doi: 10.1039/d0fo03433a
15 - OLAS, B. New perspectives on the effect of dandelion, its food products and other preparations on the cardiovascular system and its diseases. Nutrients, v. 14, n. 7, p.1-11, 2022. doi: 10.3390/nu14071350
16 - IGNAT, M. V. et al. Plants of the spontaneous flora with beneficial action in the management of diabetes, hepatic disorders, and cardiovascular disease. Plants (Basel), v. 10, n. 2, p.1-35, 2021. doi: 10.3390/plants10020216
17 - SANSORES-ESPAÑA, D. et al. Plants used in mexican traditional medicine for the management of urolithiasis: a review of preclinical evidence, bioactive compounds, and molecular mechanisms. Molecules, v. 27, n. 6, p.1-17, 2022. doi: 10.3390/molecules27062008
18 - SWEENEY, B. et al. Evidence-based systematic review of dandelion (Taraxacum officinale) by natural standard research collaboration. J Herb Pharmacother, v. 5, n. 1, p.79-93, 2005.
Descrição da espécie 

Planta herbácea, anual (parte aérea) ou perene (subterrânea), acaule, lactescente, cespitosa, de 5 a 40 cm de altura; raiz pivotante, com 20 a 50 cm de comprimento x 2,5 de diâmetro, carnosa, enrugada, de coloração amarelada à marrom-escuro ou enegrecido, córtex branco-acinzentado ou acastanhado, possui rizoma perpendicular curto; folhas simples, em roseta basilar densa, sésseis ou com pecíolo muito curto, medindo de 10 a 40 cm de comprimento x 0,7 a 1,5 cm de largura, nervura central bem visível e de coloração marrom-avermelhada escuro a verde amarelo-claro, glabras ou densamente pubescentes, oblongas ou lanceoladas, polimorfas, runcinado-pinatífitas ou pinatipartidas, segmentos ou lobos desiguais, triangulares ou oblongos, agudos, incisados ou denteado-acuminados, sendo o terminal mais amplo, com os segmentos laterais virados para a base, inodoras e com sabor amargo; flores isomorfas, solitárias, de 3 a 5 cm de diâmetro, corola ligulada amarelas, reunidas em capítulos grandes, sobre uma haste oca, ereta ou ascendente, cilíndrica, de até 50 cm de comprimento, com nervuras superficiais finas e longitudinais; frutos em aquênios, de coloração castanho-acinzentando, oblongo-fusiformes, finos, estriados, contendo uma em uma das extremidades uma coroa de pelos sedosos, que se rompem facilmente através do vento, facilitando a dispersão das sementes[1,2,3,4,5,6,7].

Referências descrição da espécie
1 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 3 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2021, p. 163.
2 - PEREIRA, A. M. S. et al. (Org.). Manual Prático de Multiplicação e Colheita de Plantas Medicinais. Ribeirão Preto: Bertolucci, 2011, p. 237-238.
3 - LONDRES. The Department of Health. British Pharmacopoeia 2012, vol. IV. London: Stationery Office Books, p. 3545-3546, 2011.
4 - GARCÍA, E. C.; SOLÍS, I. M. Manual de fitoterapia. 2ª ed. Barcelona: Elsevier, 2016, p. 688-689.
5 - GRUENWALD, J. et al. PDR for Herbal Medicines. Montvale: Economics Company, Inc, 2000, p. 245.
6 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 3. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 245-246.
7 - DHYANI, P. et al. Sesquiterpenoid lactones as potential anti-cancer agents: an update on molecular mechanisms and recent studies. Cancer Cell Int, v. 22, n. 1, p.1-18, 2022. doi: 10.1186/s12935-022-02721-9
Nome popular Local Parte da planta Indicação Modo de preparo Forma de uso Restrição de uso Referências
Dente-de-leão Brasil Folha e raiz

Antidispéptica e diurética.

Extrato etanólico: amassar em pilão 2 colheres (de sopa) de raiz e folhas picadas. Deixar em repouso em 1 xícara (de chá) de álcool de cereais a 75% por 3 dias.

Tomar 1 colher (de chá) diluído em um pouco de água, antes das principais refeições.

-

[ 1 ]
Dente-de-leão Brasil Raiz

No tratamento de afecções no rosto (pruridos, eczemas, escamações e vermelhidão) e irritação dos olhos.

Chá: 1 colher (de sopa) do material vegetal (picado) em 1 xícara (de chá) de água em fervura/5 minutos. Esfriar, coar e adicionar 1 colher (de sobremesa) de mel. 

Uso externo. 

-

[ 1 ]
Dente-de-leão Brasil Planta toda

Antidispéptica, orexígena e diurética.

Decocção: 3 a 4 g (3 a 4 colheres de chá) em 150 mL (1 xícara de chá) de água.

Tomar 1 xícara (de chá) 3 vezes ao dia.

Cautela ao associar com hipoglicemiantes, insulina, anti-hipertensivos e diuréticos. Pode provocar hiperacidez gástrica e em caso de uso tópico pode ocorrer dermatite de contato. Cautela em paciente com obstrução das vias biliares e evitar o uso na gravidez e lactação.

[ 2 ]
Diente de león e dendelion Colômbia Folha

Hepatoprotetora, depurativa, diurética e litolítica.

Infusão (folhas secas) ou in natura.

-

-

[ 3 ]
Khur mang, khur dkar, khur nag, nyin dgun me tog e rnag giKhur mang Tibete Folha

No tratamento de desordens provocadas pelo excesso de calor.

Decocção ou fritas em óleo. 

-

-

[ 3 ]
Peeli booti Paquistão Raiz

Analgésica, anti-inflamatória e no tratamento de edemas.

-

Cataplasma: aplicar a pasta nas articulações e edemas (inchaço).

-

[ 3 ]
Peeli booti Paquistão Folha

Hipoglicemiante, laxante, diurética, tônica e no tratamento de problemas do fígado, baço e coração.

Decocção.

-

-

[ 3 ]
Maslacak Bósnia e Herzegovina Flor

No tratamento de manchas solares cutâneas.

Infusão ou decocção (com leite).

Uso externo.

-

[ 3 ]
Maslacak Bósnia e Herzegovina Flor

Hipoglicemiante, antirreumática, antianêmica, depurativa, reguladora do menstrual, digestiva, orexígena e hepatoprotetora.

Infusão ou decocção (com leite).

Uso interno.

-

[ 3 ]
Lulëpipëze, luleshurdh e pipilia Kosovo Flor e folha

No tratamento de dor de dente.

In natura: mastigar.

-

-

[ 3 ]
Lulëpipëze, luleshurdh e pipilia Kosovo Flor e folha

Hipocolesterolêmica e no tratamento de dores de estômago, cólicas menstruais, infecções urinarias e respiratórias.

Infusão. 

-

-

[ 3 ]
Cicoria burda Itália Flor

Diurética, antitussígena, anti-hipertensiva, hepatoprotetora e adstringente intestinal.

In natura, infusão ou decocção.

-

-

[ 3 ]
Pisciacane, suffione, piscialletto e grugni selvatici Itália Flor e folha

Diurética, colagoga, laxante, hipoglicemiante e estomacal.

In natura (salada) ou decocção.

-

-

[ 3 ]
Pisciacane e suffione Itália Flor e folha

Digestiva, depurativa e refrescante.

Infusão, decocção ou suco.

-

-

[ 3 ]
Pisciacane e suffione Itália Planta toda

Anti-hemorroidária, anti-inflamatória (cutânea) e no tratamento de varizes.

Decocção.

Uso externo: na forma de banhos. 

-

[ 3 ]
Diente de león e dandelion Peru e Bolívia Folha e raiz

Anti-inflamatória.

Infusão.

 Uso externo: na forma de banhos.

-

[ 3 ]
Dandelion Estados Unidos Folha e raiz

Depurativa e laxante

In natura (salada), seca ou macerada em vinho.

Uso interno. 

-

[ 3 ]
Diente de león e dandelion Peru e Bolívia Folha e raiz

Litolítica.

Infusão.

-

-

[ 3 ]
Diente de león México Folha

Antiviral, antibacteriana, antitumoral e no tratamento de doenças hepáticas e biliares.

Infusão.

-

-

[ 3 ]
Dandelion e kamphool Himalaia Folha e raiz

Diurética e no tratamento de problemas hepáticos.

-

-

-

[ 3 ]
Dandelion e kamphool Himalaia Folha e raiz

Antiofídica e anti-inflamatória.

Pasta: por maceração.

Uso: interno ou externo.

-

[ 3 ]
Han, khurmang, sanma e yamngi Índia Raiz

Sedativa e no tratamento de problemas urinários.

Pó: associar com outras plantas medicinais.

-

-

[ 3 ]
Dandelion Gana Planta toda

Anti-hipertensiva.

Pó.

-

-

[ 3 ]
Divlia radice e maslacac Croácia Flor

Antitussígena.

Decocção: adicionar mel.

-

-

[ 3 ]
Löwenzahn e udovaitsch Rússia Folha

Depurativa.

In natura: salada.

-

-

[ 3 ]
Achicoria e diente de león Bolívia Parte aérea

Gastroprotetora e no tratamento de problemas biliares, vesiculares, renais e hepáticos.

Infusão.

-

-

[ 3 ]
Achicoria e diente de león Bolívia Folha

Depurativa.

In natura: salada.

-

-

[ 3 ]
- Venezuela Folha e raiz

Antimalárica.

Decocção.

-

-

[ 3 ]
Pisciacane e suffione Abruzos e Lácio (Itália) Flor e folha

Digestiva e refrescante.

Infusão.

-

-

[ 4 ]
Pisciacane e suffione Abruzos e Lácio (Itália) Látex

No tratamento de verrugas.

Uso externo: aplicar no local.

-

-

[ 4 ]
- Itália Planta toda

Laxante.

Cozida ou in natura.

-

-

[ 5 ]
- Itália Flor

Antitussígena.

Geleia. 

Uso interno: comer algumas vezes ao dia.

-

[ 5 ]
- Itália Raiz

Adstringente intestinal.

Cozida (com lentilha). 

-

-

[ 5 ]
- Itália Folha

Diurética e anti-hipertensiva.

Decocção ou in natura

-

-

[ 5 ]
Hand Azad Jammu e Kashmir (Caxemira, Paquistão) Folha

Para mulheres no pós-parto.

Cozido.

Uso oral.

-

[ 6 ]
Hand Azad Jammu e Kashmir (Caxemira, Paquistão) Folha

Hipoglicemiante e no tratamento da icterícia.

-

Uso oral.

-

[ 6 ]
Hand Comunidade rural de Dhirkot (Azad Jammu e Kashmir, Paquistão) Folha

Hipoglicemiante, antidispéptica e estimulante da vesícula biliar.

-

Uso interno.

-

[ 7 ]
Bathur, Phul dudhli Udhampur (Jamu e Caxemira, Índia) Folha

Antiespasmódica e no tratamento de desordens menstruais.

In natura ou na forma de curry.

Uso oral.

-

[ 8 ]
Peeli buti Vale Manor (Himalaia, Paquistão) Folha e flor

No tratamento de inchaço na mandíbula e dor de dente.

-

-

-

[ 9 ]

Referências bibliográficas

1 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 3 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2021, p. 163.
2 - PANIZZA, S. T. et al. Uso tradicional de plantas medicinais e fitoterápicos. São Luiz: Conbrafito, 2012, p. 127.
3 - MARTINEZ, M. et al. Taraxacum officinale and related species-an ethnopharmacological review and its potential as a commercial medicinal plant. J Ethnopharmacol, v. 169, p.244-262, 2015. doi: 10.1016/j.jep.2015.03.067
4 - GUARRERA, P. M. Traditional phytotherapy in Central Italy (Marche, Abruzzo, and Latium). Fitoterapia, v. 76, n. 1, p.1-25, 2005. doi: 10.1016/j.fitote.2004.09.006
5 - GUARRERA, P. M.; SAVO, V. Perceived health properties of wild and cultivated food plants in local and popular traditions of Italy: a review. J Ethnopharmacol, v. 146, n. 3, p.659-680, 2013. doi: 10.1016/j.jep.2013.01.036
6 - KHAN, M. F. et al. An ethnopharmacological survey and comparative analysis of plants from the Sudhnoti District, Azad Jammu and Kashmir, Pakistan. J Ethnobiol Ethnomed, v. 17, n. 1, p.1-22, 2021. doi: 10.1186/s13002-021-00435-2
7 - FAROOQ, A. et al. Ethnomedicinal knowledge of the rural communities of Dhirkot, Azad Jammu and Kashmir, Pakistan. J Ethnobiol Ethnomed, v. 15, n. 1, p.1-30, 2019. doi: 10.1186/s13002-019-0323-2
8 - BHATIA, H. et al. Traditional phytoremedies for the treatment of menstrual disorders in district Udhampur, J&K, India. J Ethnopharmacol, v. 160, p.202-210, 2015. doi: 10.1016/j.jep.2014.11.041
9 - RAHMAN, I. U. et al. A novel survey of the ethno medicinal knowledge of dental problems in Manoor Valley (Northern Himalaya), Pakistan. J Ethnopharmacol, v. 194, p.877-894, 2016. doi: 10.1016/j.jep.2016.10.068

Anti-adipogênica e Lipolítica

Anti-adipogênica e Lipolítica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha e raiz

Extrato: 100 g do material vegetal (pó) em 1 L de etanol a 60%. Concentrações para ensaio: 300 a 600 µg/mL.

In vitro:

Em cultura de pré-adipócitos de camundongos (3T3-L1) incubados com o extrato vegetal, com posterior análise da diferenciação em adipócitos (agentes adipogênicos), viabilidade celular (MTT), acúmulo de lipídeos (coloração oil red) e expressão de genes envolvidos na adipogênese (RNA).

 

Os extratos de T. officinale apresentam resultados promissores para o tratamento da obesidade, pois reduz a adipogênese e o metabolismo lipídico.

[ 17 ]

Anti-inflamatória

Anti-inflamatória
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato (20 mL/g): material vegetal (pó) em metanol a 70%. Frações: clorofórmio, acetato de etila, n-butanol e água. Concentrações para ensaio: 62,5 a 250 µg/mL.

In vitro:

Em cultura de macrófagos murinos (RAW 264.7) estimuladas com LPS, pré-tratadas com o extrato e frações vegetais, com posterior análise da viabilidade celular (MTT), níveis de NO, PGE2, TNF-α, IL-1β e IL-6 (ELISA) e expressão de iNOS, COX-2, ERK1/2 e JNK (Western blotting).

 

As frações de clorofórmio e acetato de etila apresentam atividade anti-inflamatória mais potente, por inativação da via de sinalização MAP quinase (reduz os níveis de NO, PGE2, citocinas pró-inflamatórias, iNOS e COX-2).

[ 34 ]
Planta toda

Extrato metanólico. Concentrações para ensaio: 0 a 200 µg/mL.

In vitro:

Em cultura de células endoteliais da veia umbilical de humanos (HUVECs) incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise da viabilidade celular (MTS), expressão de genes MCP-1, TNF-α, IL-1β, IL-6 e 18S rRNA (RT-PCR) e proteínas IκBα (Western blotting), adesão de monócitos e translocação nuclear de NF-kB após estimulação com LPS (microscopia de fluorescência).

 

O extrato de T. officinale apresenta atividade anti-inflamatória (vascular), pois inibe a via NF-kB.

[ 38 ]
-

Extrato: decocção do material vegetal (seco) em água. Dose para ensaio: 10 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de pancreatite aguda induzida por colecistoquinina octapeptídeo, pré-tratados com o extrato vegetal, com posterior análise do peso corporal/pâncreas, expressão de HSP60 e HSP72 (Western blotting), IL-6 e TNF-α (ELISA).

O extrato aquoso de T. officinale apresenta atividade anti-inflamatória (reduz os níveis de IL-6 e TNF-α), sendo promissor para o tratamento da pancreatite aguda.

[ 39 ]
Parte aérea

Extrato: 500 g do material vegetal (pó) em 3000 mL de etanol.

In vitro:

Em cultura de células do sistema nervoso (micróglia BV2) incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise de citotoxicidade (MTT); e estimuladas com LPS para analisar os níveis de nitrito, PGE2, TNF-α e IL-1β (ELISA), expressão de proteínas (Western blotting), transfecção de siRNA/HO-1 (ELISA), translocação nuclear de NF-kB (espectrofotômetro) e parâmetros microscópicos (imunofluorescência).

 

O extrato de T. officinale apresenta atividade anti-inflamatória, possivelmente por regulação da via de sinalização Nrf2/HO-1 e NF-kB.

[ 7 ]
-

Extrato. Concentrações para ensaio: 100 e 1000 µg/mL.

In vitro:

Em cultura primárias de astrócitos de ratos estimulados com LPS e substância negra, incubados com o extrato vegetal, com posterior análise dos níveis de TNF-α e IL-1.

 

O extrato de T. officinale apresenta atividade anti-inflamatória no sistema nervoso central, pois inibe a produção de IL-1 e TNF-α.

[ 41 ]
-

Extrato aquoso.

In vitro:

Em macrófagos peritoneais de camundongos estimulados com rIFN-γ e tratados com o extrato vegetal, com posterior análise dos níveis de óxido nítrico (Griess) e TNF-α (ELISA), e expressão de iNOS (imunocitoquímica).

 

O extrato aquoso de T. officinale apresenta atividade anti-inflamatória, pois em sinergia com rIFN-γ, estimula a liberação de óxido nítrico, sendo este dependente da secreção de TNF-α.

[ 47 ]
-

Extrato: decocção do material vegetal (seco) em água. Doses para ensaio: 2,5 a 10 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos BALB/c portadores de lesão pulmonar aguda (LPA) induzida por LPS, pré-tratados com o extrato vegetal, com posterior análise do peso pulmonar, líquido broncoalveolar (proteínas, TNF-α e IL-6), níveis de SOD e MDA (homogenato pulmonar) e parâmetros histopatológicos.

O extrato de T. officinale apresenta atividade anti-inflamatória promissora, demonstrando efetividade para o tratamento da LPA.

[ 23 ]

Anti-inflamatória (colite)

Anti-inflamatória (colite)
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato. Doses para ensaio: 0,9 e 1,8 g/kg.

In vivo:

Em camundongos C57BL/6 portadores de colite induzida por dextran sulfato de sódio, tratados com posterior análise de parâmetros clínicos, histológicos, expressão de genes (RT-PCR), imuno-histoquímica (TNF-α, IL-6, IL-1β, ACOX3, ALDH3A2, CXCL5, GRO alfa, MIP3a e ADH5), transcriptoma e DNA genômico bacteriano das fezes (16S rDNA).

O extrato de T. officinale apresenta efetividade para o tratamento da colite, principalmente na dose de 1,8 g/kg, devido a ação anti-inflamatória, além de regular a degradação de ácidos graxos e a disbiose microbiana. 

[ 4 ]

Anti-inflamatória (mastite)

Anti-inflamatória (mastite)
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: 100 g do material vegetal (pó) em água. Concentrações para ensaio (in vitro): 10 a 200 μg/mL. Dose para ensaio (in vivo): 4 g/kg.

In vitro:

Em células endoteliais microvasculares mamárias de ratas Sprague-Dawley incubadas com LPS e extrato vegetal, com posterior análise da expressão dos genes ICAM-1 e TNF-α (RT-PCR) e proteínas (ELISA e Western blotting).

 

In vivo:

Em camundongos BALB/c fêmeas lactantes portadoras de mastite induzida por Staphylococcus aureus, tratadas com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros histológicos.

O extrato de T. officinale apresenta atividade anti-inflamatória, in vitro (concentração dependente) e in vivo (tempo dependente), demonstrando efetividade no tratamento da mastite.

[ 20 ]

Anti-inflamatória e Antioxidante

Anti-inflamatória e Antioxidante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato (TADIO): combinação de Dioscorea batatas, Taraxacum officinale e Schizonepeta tenuifolia em etanol a 25% (1:1:1). Doses para ensaio: 500 e 1000 mg/kg.

In vitro:

Em cultura de macrófagos murinos (RAW 264.7) estimuladas com LPS, tratadas com a combinação de extratos vegetais, com posterior análise da viabilidade celular (WST-1), níveis de IL-6, IL-1β, NO e ERO's, ensaio de luciferase (elementos responsivos antioxidantes, AREs) e transfecção de siRNA (Nrf2).

 

In vivo:

Em camundongos C57BL/6 portadores de lesões pulmonares agudas induzidas por LPS, tratados com os extratos vegetais, associados ou não, com posterior análise do nível de células totais e neutrófilos no fluido broncoalveolar, estresse oxidativo no tecido pulmonar (MPO) e expressão de HO-1 e Nrf2 (Western blotting).

A associação dos extratos de D. batatas, T. officinale e S. tenuifolia apresenta atividade anti-inflamatória e antioxidante, por regulação da via de sinalização Nrf2-HO-1, sendo promissor para o tratamento de doenças inflamatórias pulmonares.

[ 35 ]
Raiz

Extrato: 100 g do material vegetal em 200 mL de água. Dose para ensaio: 200 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar expostos a radiação gama (8,5 Gy), pré e pós-tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos plasmáticos e em homogenato do fígado e testículos (MDA, PCO, GSH, SOD, CAT e GPx), níveis de marcadores de lesões hepáticas (PNPase, GLDH, GSH-Ts, AST, ALP, ALT, ALB e LDH) e testiculares (inibina B, LH e FSH), de apoptose e inflamatórios (TNF-α, IL-1β e caspase 3), expressão de genes StAR e P450scc (RT-PCR) e histopatológicos.

O pré-tratamento com o extrato aquoso de T. officinale apresenta efetividade na redução dos danos hepáticos e testiculares provenientes da radiação gama.

[ 10 ]
Folha

Extrato: decocção de 5 g do material vegetal (pó) em 50 mL de metanol ou água. Rendimento: 34,2 e 36,1%, respectivamente. Concentrações para ensaio: 25 a 100 µg/mL.

In vitro:

Em cultura de macrófagos murinos (RAW 264.7) incubados com os extratos vegetais e estimulados com LPS, com posterior análise da viabilidade celular (corante vermelho neutro), níveis de nitrito (teste de Griess), TBARS, GSH, SOD, CAT, GPx e GR, expressão de iNOS e NF-kB (RT-PCR e Western blotting) e translocação de NF-kB (marcado com 32P).

 

O extrato metanólico de T. officinale apresenta atividades antioxidante e anti-inflamatória mais potentes, além da ausência de citotoxicidade.

[ 14 ]

Antialérgica e Antioxidante

Antialérgica e Antioxidante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato (AF-343): associação de Ulmus pumila, Cassia tora e Taraxacum officinale.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação do radical DPPH.

Em cultura de células de leucemia basófila de rato (RBL-2H3) incubados com os extratos vegetais (separadamente), com posterior análise da viabilidade celular (CCK-8); e tratadas com o composto 48/80 e combinação dos extratos vegetais, com posterior análise da degranulação celular, secreção de citocinas pró-inflamatórias (IFN-γ, IL-1β, IL-4, IL-5, IL-6, KC/GRO, IL-10, IL-13 e TNF-α) e nível de espécies reativas de oxigênio (ERO's).

 

A associação dos extratos de U. pumila, C. tora e T. officinale apresenta atividade antialérgica (inibe a liberação de β-hexosaminidase e a produção de IL-4 e TNF-α) e antioxidante (reduz a geração de ERO's).

[ 18 ]

Antiangiogênica e Anti-inflamatória

Antiangiogênica e Anti-inflamatória
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Parte aérea

Extrato: material vegetal (seco) em etanol a 70%. Rendimento: 18,4%. Frações: acetato de etila, n-butanol e água. Rendimentos: 10,2, 21,7 e 68,1%, respectivamente.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação do radical DPPH.

Em membrana corioalantóica de embrião de galinha (CAM) incubada com o extrato e frações vegetais, com posterior análise da angiogênese.

Em cultura de macrófagos murinos (RAW 264.7) estimuladas por LPS e incubadas com o extrato e frações vegetais, com posterior análise dos níveis de espécies reativas ao oxigênio e expressão de iNOS e COX-2 (imunoblotting).

 

In vivo:

Em camundongos ICR e ratos Sprague-Dawley tratados com o extrato e frações vegetais, submetidos aos testes de bolsa de ar intraescapular induzida por carragenina, permeabilidade vascular e contorções abdominais induzidas por ácido acético.

O extrato etanólico apresenta atividade antiangiogênica, anti-inflamatória e antinociceptiva, por inibição da produção de NO e expressão de COX-2.

[ 24 ]

Antidepressiva

Antidepressiva
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha e raiz

Extrato: decocção de 500 g do material vegetal em 2 L de água. Rendimento: 27,8 g. Doses para ensaio: 50 a 200 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos ICR tratados com o extrato vegetal e submetidos aos testes de campo aberto, natação forçada, suspensão da cauda e níveis séricos de corticosterona, hormônio adrenocorticotrófico e corticotrofina (ELISA).

O extrato aquoso de T. officinale apresenta atividade antidepressiva promissora, possivelmente por interação do sistema neuroendócrino, sem alterar a locomoção.

[ 9 ]
Folha

Extrato: material vegetal (pó) em metanol/água. Doses para ensaio: 50 e 100 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos ICR tratados com o extrato vegetal e submetidos ao teste de suspensão da cauda, com posterior análise do nível sérico de corticosterona, de noradrenalina (NAD), dopamina (DOP) e adrenalina (ADA) em homogenato da área límbica do cérebro, e expressão de Mpk1 e Bdnf.

O extrato de T. officinale apresenta atividade antidepressiva promissora, pois inibe a produção de corticosterona, aumenta os níveis de DOP, ADA e NAD, além de modular a expressão de Mpk1 e Bdnf.

[ 15 ]

Antifertilidade

Antifertilidade
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Planta toda

Extrato: 100 g do material vegetal (pó) em 1 L de água. Doses para ensaio: 1,065 e 2,13 g/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar tratados com o extrato vegetal com posterior análise do teste de fertilidade (número de filhotes e suas características), espermatogênese, contagem, mobilidade, morfologia e fragmentação do DNA dos espermatozoides, diâmetro, espessura e morfologia da parede dos túbulos seminíferos, níveis séricos de testosterona e expressão de receptor androgênico.

O extrato aquoso de T. officinale apresenta atividade antifertilidade.

[ 26 ]

Antioxidante

Antioxidante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Flor

Extrato: material vegetal em etanol a 70% (v/v).

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através dos testes: xantina-oxidase (radicais superóxido), eliminação dos radicais OH e DPPH, em emulsão de ácido linoléico, sinergismo com α-tocoferol.

Em culturas de macrófagos murinos (RAW 264.7) incubadas com extrato vegetal, com posterior análise de citotoxicidade (MTT); estimuladas com LPS para determinar o nível de óxido nítrico; e incubadas com AAPH com posterior análise da oxidação intracelular.

 

O extrato de T. officinale apresenta atividade antioxidante, além de baixa citotoxicidade.

[ 22 ]
Folha

Extrato: 100 g do material vegetal (pó) em 1 L de água ou etanol. Concentrações para ensaio: 100 a 500 µg/mL.

In vivo:

Em cultura de macrófagos murinos (RAW 264.7) incubadas com os extratos vegetais, com posterior análise da viabilidade celular (WST-1), concentração intracelular de reativas ao oxigênio na presença de LPS (DCFH-DA) e expressão de proteínas nucleares (Western blotting).

Os extratos de T. officinale apresentam atividade antioxidante, através da regulação da via de sinalização Nrf2/MAPK/PI3K.

[ 31 ]

Antioxidante e Antitumoral

Antioxidante e Antitumoral
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Óleo essencial. Concentrações para ensaio (in vitro): 2 a 95 µg/mL. Doses para ensaio (in vivo): 600 e 1200 mg/kg.

In vitro:

Determinar a atividade através da eliminação do radical DPPH.

Em cultura de células de carcinoma epitelioide cervical humano (HeLa-CCL2) incubadas com o óleo vegetal, com posterior análise de citotoxicidade (MTT).

 

In vivo:

Em camundongos portadores de lesões oxidativas hepato-renal induzidas por acetaminofeno, tratados com o óleo vegetal, com posterior análise do peso corporal e biomarcadores de estresse oxidativo em homogenato tecidual (CAT, SOD, GSH e MDA).

O óleo essencial de T. officinale apresenta atividade antioxidante e antiproliferativa.

[ 1 ]

Antioxidante e Hipolipemiante

Antioxidante e Hipolipemiante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha e raiz

Pó. Dose para ensaio: 250 g/dia (1% da dieta).

In vivo:

Em coelhos da Índia suplementados com dieta hipercalórica, tratados com o pó vegetal, com posterior análise do peso corporal, parâmetros bioquímicos plasmáticos (TG, CT, HDL, LDL, AST, ALT, creatina e fosfolipídios) e em homogenato hepático (proteína, MDA, GSH, GST, GPx, CAT e SOD), e histopatológicos.  

A suplementação com o pó de T. officinale (folha ou raiz) apresenta atividade antioxidante e hipolipemiante, sendo promissor na prevenção e tratamento da aterosclerose.

[ 6 ]
Folha

Extrato: 10 g do material vegetal (pó) em 100 mL de etanol/água (20:80, 40:60, 60:40, 80:20 v/v) ou etanol puro. Dose para ensaio (in vivo): 150 e 300 mg/kg.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante dos extratos vegetais através da eliminação do radical DPPH; e a atividade inibitória da enzima lipase pancreática suína.

 

In vivo:

Em camundongos BALB/c portadores de obesidade induzida por dieta hipercalórica, tratados com os extratos vegetais, com posterior análise do peso corporal, ingestão de alimentos e parâmetros bioquímicos (CT, HDL, LDL, TG, ALT, AST e hemoglobina).

O extrato etanólico a 60% de T. officinale apresenta atividades antioxidante e hipolipemiante mais potentes, principalmente na dose de 300 mg/kg.

[ 12 ]

Antioxidante e Redutora da vasoconstrição

Antioxidante e Redutora da vasoconstrição
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Flor

Xarope: decocção de 161, 30 g (± 3,93 g) do material vegetal (200 flores) em 0,5 L de água, posteriormente, filtrar e adicionar 0,5 kg de sacarose. Cozinhar por mais 1,5 horas. Dose para ensaio: 27,82% (p/p) da dieta.

In vitro:

Em anéis da aorta torácica de ratos incubados com cloreto de potássio, noradrenalina, tromboxano A2, endotelina-1, prostaglandina F2α e xarope vegetal, com posterior análise da contratilidade vascular.

 

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de obesidade induzida por dieta hipercalórica, tratados com o xarope e dieta normolipídica, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (glicose, TG, CT, HDL, LDL, AST, ALT, ALP, SOD, CAT, MDA, TBARS e proteína carbonil) e nível de F2-isoprostano na urina.

O xarope aquoso de T. officinale apresenta atividade antioxidante, além de reduzir a vasoconstrição induzida por prostanoides (mediadores inflamatórios).

[ 5 ]

Antitérmica

Antitérmica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: 500 g do material vegetal (pó) em 2 L de etanol a 70%. Doses para ensaio: 250 e 500 mg/kg. Outras plantas em estudo: Achillea millefolium, Salix alba e Trigonella foenum.

In vivo:

Em ratos albinos portadores de pirexia induzida por levedura de cerveja, tratados com os extratos vegetais, com posterior análise da temperatura retal.

Os extratos vegetais em estudo apresentam atividade antitérmica promissora, principalmente na dose de 500 mg/kg.

[ 44 ]

Antitumoral

Antitumoral
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha e caule

Extrato metanólico.

In vitro:

Em culturas de células Huh7, 293T e HAECs incubadas com o extrato vegetal e TRAIL (ligante indutor de apoptose relacionado ao TNF), com posterior análise da viabilidade celular (MTT), ciclo celular, atividade da caspase-3 e expressão de MKK7-TIPRL.

 

O extrato de T. officinale apresenta atividade antitumoral promissora, pois desempenha papel importante na apoptose induzida por TRAIL.

[ 36 ]
Flor, Folha e raiz

Extrato: 75 g do material vegetal (seco) em água. Rendimento: 8, 11 e 16%, respectivamente.

In vitro:

Em cultura de células de carcinoma mamário humano (MCF-7/AZ) e de câncer de próstata metastático (LNCaP C4-2B) incubadas com os extratos vegetais, com posterior análise da viabilidade (MTT), crescimento (Sulforodamina B) e contagem (hemocitômetro) celulares, penetração celular em colágeno tipo 1 (microscopia invertida), expressão de proteínas p-FAK, p-src e p-ERK (Western blotting) e níveis de enzimas MMP-2 e 9 (Zimografia).

 

Os extratos aquosos das folhas e raízes de T. officinale apresentam atividade antitumoral mais potente.

[ 19 ]
-

Extrato: decocção de 50 g do material vegetal (seco) em 1 L de água. Rendimento: 8% (p/p). Doses para ensaio: 0,02 a 2 mg/mL.

In vitro:

Em células de hepatoma humano (HepG2) incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise da viabilidade celular (MTT), níveis de citocinas TNF-α e IL-1 (ELISA) e apoptose (citometria de fluxo).

 

O extrato de T. officinale apresenta atividade antitumoral promissora, pois induz a liberação das citocinas TNF-α e IL-1α, consequentemente, a apoptose.

[ 21 ]

Antiviral

Antiviral
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: material vegetal (pó) em metanol ou água. Outras espécies em estudo: Urtica dioica, Calea integrifolia e Caesalpinia pulcherrima.

In vitro:

Em células renais de hamster recém-nascidos (BHK-21) incubadas com os extratos vegetais, com posterior análise de citotoxicidade (MTT); e infectadas por células virais de DENV2, com posterior análise da inibição da replicação viral (ensaio de formação de placa).

 

Os extratos metanólicos de T. officinale e U. dioica apresentam atividade antiviral mais potente.

[ 3 ]

Estimulante do esvaziamento gástrico

Estimulante do esvaziamento gástrico
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Planta toda

Extrato: 3,8 kg do material vegetal (seco) em etanol a 70%. Frações: acetato de etila, n-butanol e água. Rendimento: 13,1, 16,7 e 70,2%, respectivamente). Concentração para ensaio (in vitro): 50 mg/L0,01 mL. Dose para ensaio (in vivo): 100 mg/kg.

In vitro:

Em fragmentos circulares musculares do estômago incubados com a fração vegetal de n-butanol, atropina, fentolamina e propranolol, com posterior análise da contração muscular (motilidade).

 

In vivo:

Em camundongos Balb/c e ratos Wistar suplementados com dieta contendo corante vermelho de fenol, pré-tratados com o extrato e frações vegetais, com posterior análise do esvaziamento gástrico.

A fração de n-butanol de T. officinale estimula o esvaziamento gástrico, pois aumenta motilidade do fundo gástrico e antro pilórico, e reduz a do esfíncter pilórico, possivelmente por estimulação colinérgica.

[ 16 ]

Hepatoprotetora

Hepatoprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato (1:10 p/v): 100 g do material vegetal (pó) em água. Dose para ensaio: 500 mg/kg.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação do radical DPPH.

 

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de lesões hepáticas induzidas por dicromato de sódio, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos plasmáticos e em homogenato hepático (proteínas, cromo, glicose, CT, TG, AST, ALT, LDH, TSH, TBARS, SOD, CAT e GPx), histopatológicos e fragmentação do DNA.

O extrato de T. officinale apresenta atividade hepatoprotetora, pois reduz o estresse oxidativo e a genotoxicidade induzidos por dicromato de sódio.

[ 32 ]
Raiz

Tintura (4:1): em etanol a 12% (v/v). Doses para ensaio: 200 e 600 mg/kg.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação do radical DPPH e redução do íon férrico (FRAP).

 

In vivo:

Em camundongos BALB/c portadores de fibrose hepática induzida por tetracloreto de carbono, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos sérico e em homogenato hepático (ALT, AST, ALP, Cu/Zn SOD e hidroxiprolina), histopatológicos e expressão de GFAP, α-SMA e MT I/II (imuno-histoquímica).

O extrato hidroalcoólico de T. officinale apresenta atividade hepatoprotetora, pois aumenta a capacidade regenerativa, além de inativar as células estreladas hepáticas.

[ 37 ]
Folha

Extrato: 10 g do material vegetal em etanol a 70%. Concentrações para ensaio (in vitro): 10 a 75 µg/mL. Doses para ensaio (in vivo): 0,1 e 0,5 mg/mL.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação dos radicais NO e DPPH, e dano oxidativo à desoxirribose.

 

In vivo:

Em camundongos portadores de lesões hepáticas induzidas por acetaminofeno, pré-tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (TBARS, AST, ALT e proteínas) e histopatológicos.

O extrato de T. officinale apresenta atividade hepatoprotetora, devido a ação antioxidante potente.

[ 40 ]
Folha

Extrato: 200 g do material vegetal (pó) em 1 L de etanol e n-hexano. Doses para ensaio: 200 e 400 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de lesões hepáticas induzidas por tetracloreto de carbono, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (AST, ALT, ALP, CT, VLDL, HDL, TG, SOD, CAT, GPx e MDA) e histopatológicos.

O extrato etanólico de T. officinale apresenta atividade hepatoprotetora mais potente, dose dependente.

[ 42 ]
Raiz

Extrato: material vegetal em água ou etanol a 80%. Concentrações para ensaio (in vitro): 0 a 1000 µg/mL. Doses para ensaio (in vivo): 1 g/kg.

In vitro:

Em cultura de células HepG2 transfectadas com gene humano CYP2E1, incubados com etanol e extratos vegetais, com posterior análise dos níveis de espécies reativas ao oxigênio e citotoxicidade (XTT).

 

In vivo:

Em camundongos ICR portadores de lesões hepáticas induzidas por etanol, pré-tratados com os extratos vegetais, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (AST, ALT, ALP, LDH, CAT, GST, GPx, GR, GSH e MDA).

O extrato aquoso das raízes de T. officinale apresenta atividade hepatoprotetora, devido a ação antioxidante potente.

[ 25 ]

Hipertrofia prostática benigna

Hipertrofia prostática benigna
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato (HX109): associação de Taraxacum officinale, Cuscuta australis e Nelumbo nucifera (2:1:1, total 60 g) em 600 mL de etanol a 25%. Rendimento: 14%. Doses para ensaio: 200 e 300 mg/kg.

In vitro:

Em cultura de células epiteliais de câncer de próstata humano (LNCaP) incubadas com propionato de testosterona e extrato vegetal, com posterior análise da proliferação celular, expressão de genes e proteínas (qRT-PCR, Western blotting e siRNA) e nível de cálcio intracelular.

 

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley submetidos a orquiectomia bilateral e portadores de hiperplasia prostática induzida por propionato de testosterona, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise do peso corporal, parâmetros histopatológicos da próstata, níveis de DHT e PSA (ELISA).

O fitoterápico HX109 apresenta resultados promissores para o tratamento da hiperplasia prostática benigna, pois modula a sinalização dos receptores androgênicos, através da regulação positiva de Ca2+/CaMKKβ e ATF3.

[ 45 ]

Hipoglicemiante

Hipoglicemiante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato (1:10): 40 g do material vegetal (pó) em 400 mL de éter de petróleo, clorofórmio, acetato de etila, acetona, etanol e água. Rendimento: 3,86, 5,20, 5,33, 6,65, 12,58 e 25,95%, respectivamente. Concentrações para ensaio (in vitro): 6,25 a 100 µg/mL. Dose para ensaio (in vivo): 62,5 a 1000 mg/kg. Outra espécie em estudo: Momordica charantia.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante dos extratos vegetais (em associação ou não) através da eliminação do radical DPPH; e inibitória das enzimas α-amilase, α-glucosidase e dipeptidil peptidase-4 (DPP-4).

Em cultura de células musculares esqueléticas de rato (L6) incubadas com os extratos vegetais (em associação ou não), com posterior análise de citotoxicidade e absorção de glicose (2-NBDG fluorescente).

 

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de diabetes induzido por estreptozotocina-nicotinamida, tratados com os extratos vegetais (em associação), com posterior análise do teste de tolerância à glicose.

A associação dos extratos de T. officinale e M. charantia apresenta sinergismo para atividade hipoglicemiante, principalmente os extratos etanólicos.

[ 2 ]
Raiz

Extrato: material vegetal (seco) em etanol a 60%, macerado, filtrado e liofilizado ou macerado, filtrado rotaevaporado e liofilizado. Associação dos extratos: Vaccinium myrtillus, Taraxacum officinale, Cichorium intybus, Juniperus communis, Centaurium umbellatum, Phaseolus ulgaris, Achillea millefolium, Morus nigra, Valeriana officinalis e Urtica dioica. Dose para ensaio: 20 mg/kg.        

In vivo:

Em camundongos não obesos portadores de diabetes induzido por aloxana, tratados com os extratos vegetais, com posterior análise dos níveis séricos de glicose e frutosamina.

O fitoterápico contendo a associação dos extratos vegetais obtidos por maceração, seguida de filtração, rotaevaporação e liofilização, apresenta atividade hipoglicemiante mais potente.

[ 46 ]
Planta toda

Suspensão: material vegetal (pó) em solução de goma tragacanto a 2%. Doses para ensaio: 0,5 a 2 g/kg. Outra espécie em estudo: Portulaca oleracea.

In vivo:

Em coelhos normais ou portadores de diabetes induzido por aloxana, tratados com a suspensão contendo o pó vegetal, com posterior análise da glicemia.

As suspensões contendo o pó de T. officinale e P. oleracea apresentam atividade hipoglicemiante em animais normais.

[ 28 ]

Imunoestimulante e Tônica

Imunoestimulante e Tônica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato: decocção do material vegetal (seco) em água. Concentrações para ensaio (in vitro): 0,01 a 1 mg/kg. Dose para ensaio (in vivo): 10 a 100 mg/kg.

In vitro:

Em cultura de macrófagos peritoneais incubados com o extrato vegetal e rIFN-γ, com posterior análise dos níveis das citocinas TNF-α, IL-12p70 e IL-10 (ELISA) e nitrito (teste de Griess), expressão de genes TNF-α e IL-12p70 (RT-PCR) e proteínas iNOS (Western blotting).

 

In vivo:

Em camundongos ICR tratados com o extrato vegetal e submetidos ao teste de natação forçada, com posterior análise de parâmetros bioquímicos relacionados à fadiga (nitrogênio ureico, creatina quinase, desidrogenase lática, glicose e albumina).

O extrato de T. officinale aumenta os níveis de substâncias energéticas e diminui aquelas relacionadas a fadiga, reduzindo assim, a imobilidade, além da atividade imunoestimuladora.

[ 13 ]

Litolítica

Litolítica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato: infusão de 4 g do material vegetal (pó) em 1 L de água. Outras espécies em estudo: Verbena officinalis, Lithospermum officinale, Equisetum arvense, Arctostaphylos uva-ursi, Arctium lappa e Silene saxifraga.

In vivo:

Em ratos Wistar suplementados com dieta padrão e extrato vegetal, com posterior análise da diurese e parâmetros bioquímicos urinários (pH, cálcio, fosfato, creatinina, citrato e nitrito).

Os extratos aquosos das plantas em estudo apresentam efetividade para o tratamento da urolitíase.

[ 27 ]

Neuroprotetora

Neuroprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Planta toda

Extrato (1:20 p/v): material vegetal (pó) em etanol a 70%. Rendimento: 18,6%. Concentrações para ensaio: 50 a 800 µg/mL.

In vitro:

Em cultura de células do hipocampo de camundongos (HT22) portadores de estresse oxidativo induzido por glutamato, incubadas com o extrato vegetal na presença ou não de SnPP (inibidor de HO), com posterior análise da viabilidade celular (MTT), nível de espécies reativas ao oxigênio, expressão do gene HO-1 (RT-PCR) e proteínas (Western blotting), e translocação nuclear de Nrf2 (imunofluorescência).

 

O extrato de T. officinale apresenta atividade neuroprotetora, por ativação da expressão de HO-1 e aumento dos níveis de Nrf2.

[ 29 ]
Fruto

Extrato: 1 g do material vegetal (fresco) em etanol a 70%. Concentrações para ensaio: 1 a 20 µg/mL.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação dos radicais NO, DPPH, H2O2, OH e Fe2+.

Em fragmentos do córtex, hipocampo e corpo estriado (isolados de ratos Wistar) incubados com nitriprussiato de sódio e extrato vegetal, com posterior análise da viabilidade celular (MTT) e peroxidação lipídica (TBARS).

 

O extrato de hidroalcoólico de T. officinale apresenta atividade neuroprotetora, devido a ação antioxidante potente.

[ 30 ]

Preventiva da formação de cálculos renais

Preventiva da formação de cálculos renais
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Parte aérea

Extrato: 300 g do material vegetal (pó) em 2500 mL de água. Concentrações para ensaio: 1 a 8 mg/mL.

In vitro:

Em amostra de urina sintética incubada com oxalato de sódio e extrato vegetal, com posterior análise da precipitação de oxalato de cálcio, número e morfologia dos cristais (espectrofotometria e microscopia).

 

O extrato de T. officinale apresenta efetividade na redução da cristalização do oxalato de cálcio, consequentemente, na formação de cálculos urinários.

[ 11 ]

Protetora do sistema reprodutor feminino

Protetora do sistema reprodutor feminino
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha e caule

Extrato. Concentrações para ensaio: 0 a 10%.

In vitro:

Em células da granulosa ovariana (GCs) isoladas de oócitos incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise da proliferação celular, expressão de IGF-1R, LHR, FSHR, LHCGR e CYP19A1 (PCR), e dos níveis de estradiol e progesterona (ELISA).

 

O extrato de T. officinale melhora a função endócrina ovariana, pois promove a proliferação de células GCs, além de regular positivamente a síntese de hormônios esteroides e a expressão de receptores hormonais.

[ 43 ]

Renoprotetora

Renoprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato. Dose para ensaio: 100 mg/kg. Outra espécie em estudo: Silybum marianum.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de lesões renais induzidas por tetracloreto de carbono, tratados com os extratos vegetais, com posterior análise de parâmetros bioquímicos plasmáticos (ALP, GGT, Na, K, Ca, Cl, P, ureia, ácido úrico e creatinina) e em homogenato renal (MDA, ALP, GGT, GSH e GST), e histopatológicos.

Os extratos de T. officinale e S. marianum apresentam atividade renoprotetora, devido a ação antioxidante, reduzindo assim, o estresse oxidativo renal.

[ 8 ]

Tônica

Tônica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato: decocção do material vegetal (seco) em água. Doses para ensaio: 10 a 100 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Kunming tratados com o extrato vegetal, submetidos ao teste de natação forçada e análise de parâmetros bioquímicos (triglicerídeos, glicose e lactato).

O extrato de T. officinale apresenta atividade antifadiga, pois atrasa a redução da glicose no sangue e impede o aumento das concentrações de lactato e triglicerídeos mediante esforço físico.

[ 33 ]
Ensaios toxicológicos

Toxicidade aguda

Toxicidade aguda
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato (1:10): 40 g do material vegetal (pó) em 400 mL de éter de petróleo, clorofórmio, acetato de etila, acetona, etanol e água. Rendimento: 3,86, 5,20, 5,33, 6,65, 12,58 e 25,95%, respectivamente. Dose para ensaio (in vivo): 2000 mg/kg. Outra espécie em estudo: Momordica charantia.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley submetidos ao teste de toxicidade aguda.

A combinação dos extratos de T. officinale e M. charantia não apresenta sinais de toxicidade na dose em estudo.

[ 2 ]
Planta toda

Suspensão: material vegetal (pó) em solução de goma tragacanto a 2%. Doses para ensaio: 3 a 6 g/kg. Outra espécie em estudo: Portulaca oleracea.

In vivo:

Em coelhos submetidos ao teste de toxicidade aguda.

As suspensões contendo o pó de T. officinale e P. oleracea não apresentam sinais de toxicidade até a dose de 6 g/kg.

[ 28 ]

Toxicidade aguda e crônica

Toxicidade aguda e crônica
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Raiz

Extrato: maceração do material vegetal (seco) em etanol a 60%, posteriormente, filtrado rotaevaporado e liofilizado. Associação dos extratos (m/m): Vaccinium myrtillus (6,6%), Taraxacum officinale (9,7%), Cichorium intybus (17,7%), Juniperus communis (6,2%), Centaurium umbellatum (12,3%), Phaseolus ulgaris (14%), Achillea millefolium (3,5%), Morus nigra (7,4%), Valeriana officinalis (7,8%) e Urtica dioica (7,0 e 7,4%). Dose para ensaio: 20 mg/kg.    

In vivo:

Em camundongos CBA/HZg normais submetidos aos testes de toxicidade aguda, subcrônica e crônica.

O fitoterápico contendo a associação dos extratos vegetais não apresenta sinais de toxicidade significativos.

[ 48 ]

Referências bibliográficas

1 - KAMAL, F. Z. et al. Chemical composition, antioxidant and antiproliferative activities of Taraxacum officinale essential oil. Molecules, v. 27, n. 19, p.1-18, 2022. doi: 10.3390/molecules27196477
2 - PERUMAL, N. et al. Synergistic antidiabetic activity of Taraxacum officinale (L.) Weber ex F.H.Wigg and Momordica charantia L. polyherbal combination. Biomed Pharmacother, v. 145, p.1-13, 2022. doi: 10.1016/j.biopha.2021.112401
3 - FLORES-OCELOTL, M. R. Taraxacum officinale and Urtica dioica extracts inhibit dengue virus serotype 2 replication in vitro. BMC Complement Altern Med, v. 18, n. 1, p.1-10, 2018. doi: 10.1186/s12906-018-2163-3
4 - CHEN, W. et al. Taraxacum officinale extract ameliorates dextran sodium sulphate-induced colitis by regulating fatty acid degradation and microbial dysbiosis. J Cell Mol Med, v. 23, n. 12, p.8161-8172, 2019. doi: 10.1111/jcmm.14686
5 - MAJEWSKI, M. et al. The composition and vascular/antioxidant properties of Taraxacum officinale flower water syrup in a normal-fat diet using an obese rat model. J Ethnopharmacol, v. 265, p.1-10, 2021. doi: 10.1016/j.jep.2020.113393
6 - CHOI, U. K. et al. Hypolipidemic and antioxidant effects of dandelion (Taraxacum officinale) root and leaf on cholesterol-fed rabbits. Int J Mol Sci, v. 11, n. 1, p.67-78, 2010. doi: 10.3390/ijms11010067
7 - DONG, L. et al. Taraxacum officinale Wigg. attenuates inflammatory responses in murine microglia through the Nrf2/HO-1 and NF-κB signaling pathways. Am J Chin Med, v. 48, n. 2, p.445-462, 2020. doi: 10.1142/S0192415X20500238
8 - KARAKUŞ, A. et al. Protective effect of Silybum marianum and Taraxacum officinale extracts against oxidative kidney injuries induced by carbon tetrachloride in rats. Ren Fail, v. 39, n. 1, p.1-6, 2017. doi: 10.1080/0886022X.2016.1244070
9 - LI, Y. C. et al. Antidepressant effects of the water extract from Taraxacum officinale leaves and roots in mice. Pharm Biol, v. 52, n. 8, p.1028-1032, 2014. doi: 10.3109/13880209.2013.876432
10 - ABDEL-MAGIED, N. et al. Differential effect of Taraxacum officinale L. (dandelion) root extract on hepatic and testicular tissues of rats exposed to ionizing radiation. Mol Biol Rep, v. 46, n. 5, p.4893-4907, 2019. doi: 10.1007/s11033-019-04939-9
11 - GHALE-SALIMI, M. Y. et al. Inhibitory effects of taraxasterol and aqueous extract of Taraxacum officinale on calcium oxalate crystallization: in vitro study. Ren Fail, v. 40, n. 1, p.298-305, 2018. doi: 10.1080/0886022X.2018.1455595   
12 - AABIDEEN, Z. U. et al. Anti-obesity attributes; UHPLC-QTOF-MS/MS-based metabolite profiling and molecular docking insights of Taraxacum officinale. Molecules, v. 25, n. 21, p.1-20, 2020. doi: 10.3390/molecules25214935
13 - LEE, B. R. et al. Effects of Taraxacum officinale on fatigue and immunological parameters in mice. Molecules, v. 17, n. 11, p.13253-13265, 2012.  doi: 10.3390/molecules171113253
14 - PARK, C. M. et al. Taraxacum officinale Weber extracts inhibit LPS-induced oxidative stress and nitric oxide production via the NF-κB modulation in RAW 264.7 cells. J Ethnopharmacol, v. 133, n. 2, p.834-842, 2011. doi: 10.1016/j.jep.2010.11.015
15 - GAO, C. et al. Antidepressive effects of Taraxacum officinale in a mouse model of depression are due to inhibition of corticosterone levels and modulation of mitogen-activated protein kinase phosphatase-1 (Mkp-1) and brain-derived neurotrophic factor (Bdnf) expression. Med Sci Monit, v. 25, p.389-394, 2019. doi: 10.12659/MSM.912922
16 - JIN, Y. R. et al. The effect of Taraxacum officinale on gastric emptying and smooth muscle motility in rodents. Neurogastroenterol Motil, v. 23, n. 8, p. 766-333, 2011. doi: 10.1111/j.1365-2982.2011.01704.x
17 - GONZÁLEZ-CASTEJÓN, M. et al. Reduction of adipogenesis and lipid accumulation by Taraxacum officinale (dandelion) extracts in 3T3L1 adipocytes: an in vitro study. Phytother Res, v. 28, n. 5, p.745-752, 2014. doi: 10.1002/ptr.5059
18 - LEE, E. K. et al. Inhibitory effects of AF-343, a mixture of Cassia tora L., Ulmus pumila L., and Taraxacum officinale, on compound 48/80-mediated allergic responses in RBL-2H3 cells. Molecules, v. 25, n. 10, p.1-12, 2020. doi: 10.3390/molecules25102434
19 - SIGSTEDT, S. C. et al. Evaluation of aqueous extracts of Taraxacum officinale on growth and invasion of breast and prostate cancer cells. Int J Oncol, v. 32, n. 5, p.1085-1090, 2008. doi: 10.3892/ijo.32.5.1085
20 - HU, G. et al. Effects of aqueous extracts of Taraxacum officinale on expression of tumor necrosis factor-alpha and intracellular adhesion molecule 1 in LPS-stimulated RMMVECs. BMC Complement Altern Med, v. 17, n. 1, p.1-9, 2017. doi: 10.1186/s12906-016-1520-3
21 - KOO, H. N. et al. Taraxacum officinale induces cytotoxicity through TNF-alpha and IL-1alpha secretion in Hep G2 cells. Life Sci, v. 74, n. 9, p.1149-1157, 2004. doi: 10.1016/j.lfs.2003.07.030
22 - HU, C.; KITTS, D. D. Dandelion (Taraxacum officinale) flower extract suppresses both reactive oxygen species and nitric oxide and prevents lipid oxidation in vitro. Phytomedicine, v. 12, n. 8, p.588-597, 2005. doi: 10.1016/j.phymed.2003.12.012
23 - LIU, L. et al. Taraxacum officinale protects against lipopolysaccharide-induced acute lung injury in mice. J Ethnopharmacol, v. 130, n. 2, p.392-397, 2010. doi: 10.1016/j.jep.2010.05.029
24 - JEON, H. J. et al. Anti-inflammatory activity of Taraxacum officinale. J Ethnopharmacol, v. 115, n. 1, p.82-88, 2008. doi: 10.1016/j.jep.2007.09.006
25 - YOU, Y. et al. In vitro and in vivo hepatoprotective effects of the aqueous extract from Taraxacum officinale (dandelion) root against alcohol-induced oxidative stress. Food Chem Toxicol, v. 48, n. 6, p.1632-1637, 2010. doi: 10.1016/j.fct.2010.03.037
26 - TAHTAMOUNI, L. H. et al. Dandelion (Taraxacum officinale) decreases male rat fertility in vivo. J Ethnopharmacol, v. 135, n. 1, p.102-109, 2011. doi: 10.1016/j.jep.2011.02.027
27 - GRASES, F. et al. Urolithiasis and phytotherapy. Int Urol Nephrol, v. 26, n. 5, p.507-511, 1994. doi: 10.1007/BF02767650
28 - AKHTAR, M. S. et al. Effects of Portulaca oleracae (kulfa) and Taraxacum officinale (dhudhal) in normoglycaemic and alloxan-treated hyperglycaemic rabbits. J Pak Med Assoc, v. 35, n. 7, p.207-210, 1985.
29 - HUANG, S. et al. Neuroprotective effects of Taraxacum officinale Wigg. extract on glutamate-induced oxidative stress in HT22 cells via HO-1/Nrf2 pathways. Nutrients, v. 10, n. 7, p.1-12, 2018. doi: 10.3390/nu10070926
30 - COLLE, D. et al. Antioxidant properties of Taraxacum officinale fruit extract are involved in the protective effect against cellular death induced by sodium nitroprusside in brain of rats. Pharm Biol, v. 50, n. 7, p.883-891, 2012. doi: 10.3109/13880209.2011.641981
31 - YOON, H. S.; PARK, C. M. Alleviated oxidative damage by Taraxacum officinale through the induction of Nrf2-MAPK/PI3K mediated HO-1 activation in murine macrophages RAW 264.7 cell line. Biomolecules, v. 9, n. 7, p.1-10, 2019. doi: 10.3390/biom9070288
32 - HFAIEDH, M. et al. Hepatoprotective effect of Taraxacum officinale leaf extract on sodium dichromate-induced liver injury in rats. Environ Toxicol, v. 31, n. 3, p.339-349, 2016. doi: 10.1002/tox.22048
33 - JINCHUN, Z.; JIE, C. The effects of Taraxacum officinale extracts (TOE) supplementation on physical fatigue in mice. Afr J Tradit Complement Altern Med, v. 8, n. 2, p.128-133, 2011. doi: 10.4314/ajtcam.v8i2.63198
34 - KOH, Y. J. et al. Anti-inflammatory effect of Taraxacum officinale leaves on lipopolysaccharide-induced inflammatory responses in RAW 264.7 cells. J Med Food, v. 13, n. 4, p.870-878, 2010. doi: 10.1089/jmf.2009.1249
35 - LEE, W. et al. Botanical formulation, TADIOS, alleviates lipopolysaccharide (LPS)-induced acute lung injury in mice via modulation of the Nrf2-HO-1 signaling pathway. J Ethnopharmacol, v. 270, p.1-12, 2021. doi: 10.1016/j.jep.2021.113795
36 - YOON, J. Y. et al. Novel TRAIL sensitizer Taraxacum officinale F.H. Wigg enhances TRAIL-induced apoptosis in Huh7 cells. Mol Carcinog, v. 55, n. 4, p.387-396, 2016. doi: 10.1002/mc.22288
37 - DOMITROVIĆ, R. et al. Antifibrotic activity of Taraxacum officinale root in carbon tetrachloride-induced liver damage in mice. J Ethnopharmacol, v. 130, n. 3, p.569-577, 2010. doi: 10.1016/j.jep.2010.05.046
38 - JEON, D. et al. Anti-inflammatory evaluation of the methanolic extract of Taraxacum officinale in LPS-stimulated human umbilical vein endothelial cells. BMC Complement Altern Med, v. 17, n. 1, p.1-10, 2017. doi: 10.1186/s12906-017-2022-7
39 - SEO, S. W. et al. Taraxacum officinale protects against cholecystokinin-induced acute pancreatitis in rats. World J Gastroenterol, v. 11, n. 4, p.597-599, 2005. doi: 10.3748/wjg.v11.i4.597
40 - COLLE, D. et al. Antioxidant properties of Taraxacum officinale leaf extract are involved in the protective effect against hepatoxicity induced by acetaminophen in mice. J Med Food, v. 15, n. 6, p.549-556, 2012. doi: 10.1089/jmf.2011.0282
41 - KIM, H. M. et al. Taraxacum officinale inhibits tumor necrosis factor-alpha production from rat astrocytes. Immunopharmacol Immunotoxicol, v. 22, n. 3, p.519-530, 2000. doi: 10.3109/08923970009026009
42 - GULFRAZ, M. et al. Effect of leaf extracts of Taraxacum officinale on CCl4 induced hepatotoxicity in rats, in vivo study. Pak J Pharm Sci, v. 27, n. 4, p.825-829, 2014. 
43 - WANG, T. et al. Effect of dandelion extracts on the proliferation of ovarian granulosa cells and expression of hormone receptors. Chin Med J (Engl), v. 131, n. 14, p.1694-1701, 2018. doi: 10.4103/0366-6999.235864
44 - AJAZ, M. et al. Phytochemical screening and antipyretic effects of hydroalcoholic extracts of selected medicinal plants of Rawalakot, Azad Jammu and Kashmir in albino rats. Pak J Pharm Sci, v. 32, n. 2, p.581-592, 2019.
45 - LIM, S. et al. Botanical formulation HX109 ameliorates TP-induced benign prostate hyperplasia in rat model and inhibits androgen receptor signaling by upregulating Ca2+/CaMKKβ and ATF3 in LNCaP cells. Nutrients, v. 10, n. 12, p.1-15, 2018. doi: 10.3390/nu10121946
46 - PETLEVISKI, R. et al. Effect of 'antidiabetis' herbal preparation on serum glucose and fructosamine in NOD mice. J Ethnopharmacol, v. 75, n. 2-3, p.181-184, 2001. doi: 10.1016/s0378-8741(01)00177-5
47 - KIM, H. M. et al. Activation of inducible nitric oxide synthase by Taraxacum officinale in mouse peritoneal macrophages. Gen Pharmacol, v. 32, n. 6, p.683-688, 1999. doi: 10.1016/s0306-3623(98)00227-4
48 - PETLEVSKI, R. et al. Toxicological assessment of P-9801091 plant mixture extract after chronic administration in CBA/HZg mice-a biochemical and histological study. Coll Antropol, v. 32, n. 2, p.577-581, 2008.

Referências bibliográficas

1 - BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira 1ª edição. Brasília: Anvisa, p. 62, 2011.
2 - BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira 1ª edição – Primeiro Suplemento. Brasília: Anvisa, p. 87-88, 2018.
3 - BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira 1ª edição – Primeiro Suplemento. Brasília: Anvisa, p. 147-148, 2018.
4 - BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira 2ª edição. Brasília: Anvisa, p. 195-198, 2021.

Farmácia da Natureza
[ 1 ]

Fórmula

Tintura

Alcoolatura

Componente

Quantidade

Componente

Quantidade*

Etanol/água 70%

1000 mL

Etanol/água 80%

1000 mL

Rizoma seco

100 g

Rizoma seco

200 g

                                                                    *Após a filtragem ajustar o teor alcoólico da alcoolatura para 70%, com adição de etanol 98%, se necessário. 
Modo de preparo

Tintura: pesar 100 g de rizoma seco pulverizado e colocar em frasco de vidro âmbar; em seguida adicionar 1000 mL de etanol a 70%, tampar bem o frasco e deixar a planta em maceração por 7 dias, agitando o frasco diariamente. Após esse período, filtrar em papel de filtro e envasar em frasco de vidro âmbar.

Alcoolatura: pesar 200 g de rizoma fresco, lavar, picar e colocar em frasco de vidro âmbar; em seguida adicionar 1000 mL de etanol a 80%, tampar bem o frasco e deixar a planta em maceração por 7 dias, agitando o frasco diariamente. Após esse período, filtrar em papel de filtro e envasar em frasco de vidro âmbar.
Principais indicações

Planta toda: inapetência, dispepsia, flatulência e como colagoga e diurética (BLUMENTHAL, 1998). Afecções hepáticas e das vias biliares.

Raiz: diurética (EMA, 2009).
Posologia

Uso oral: tomar de 1 a 3 gotas por quilo de peso, divididas em 3 vezes ao dia, sempre diluídas em água (cerca de 50 mL ou meio copo).

Farmácia da Natureza
[ 2 ]

Fórmula

Componente

Número da cápsula e quantidade

Taraxacum officinale (droga vegetal)

N° 0 (220 a 230 mg)

Q.s.p

1 cápsula

 
Modo de preparo

Pulverizar a droga vegetal e encapsular.

Principais indicações

Afecções hepáticas e das vias biliares.

Posologia

Uso oral: tomar 1 cápsula, 1 a 2 vezes ao dia.

Farmácia da Natureza
[ 3 ]

Fórmula

Componente

Quantidade

Planta toda seca rasurada

0,4 a 0,6 g ou uma colher de chá caseira cheia

Água q.s.p.

150 mL

 

Componente

Quantidade

Rizoma seco fragmentado

1,4 a 1,6 g ou uma colher de chá caseira cheia

Água q.s.p.

150 mL

 
Modo de preparo

Planta toda: preparar por infusão, por 5 minutos.

Rizoma: preparar por decocção, por 5 minutos.

Principais indicações

Planta toda: inapetência, dispepsia, flatulência e como colagoga e diurética (BLUMENTHAL, 1998). Afecções hepáticas e das vias biliares. 

Raiz: diurética (EMA, 2009).
Posologia

Uso oral: adultos devem tomar 150 mL (1 xícara de chá) do infuso ou decocto três a quatro vezes ao dia.

Referências bibliográficas

1 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 3 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 280-283.
2 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 3 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 409-411.
3 - PEREIRA, A. M. S. (Org.). Formulário de Preparação Extemporânea: Farmácia da Natureza. 2 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 188-190.

Dados Químicos
[ 1 , 2 , 3 , 4 , 5 , 6 , 7 , 8 , 9 , 10 , 11 , 12 , 13 , 14 , 15 ]
Marcador:
Principais substâncias:

Ácidos

cafeico, clorogênico, cítrico, p-hidroxifenilacético, mono e dicafeoiltartáricos, p-hidroxibenzóico, cicórico, cafeoilquinico, coumárico, ferúlico, protocatecuico, vanílico, siríngico e hidroxicinâmico.

Ácidos graxos

oléico, linolênico, linoléico, palmítico e mirístico.

Alcaloides

taraxina.

Carboidratos

frutose, glucose e sacarose.

Carotenoides

taraxantina, violoxantina, luteína e β-caroteno.

Cumarinas

cichoriína, esculina, umbeliferona, esculetina e scopoletina.

Enzimas

serina proteinase.

Fitosteróis

β-sitosterol, estigmasterol, taraxasterol, homotaraxasterol, campesterol e cicloartenol.

Flavonoides

apigenina, luteolina, quercetina e ramnetina.

Lactonas sesquiterpênicas

dihidro-lactucina, taraxacolide, ixerina, ácido taraxínico, ainsliosídeo e tetrahidroridentina B.

Minerais

potássio, ferro, silício, magnésio, manganês, cobre, fósforo, zinco e enxofre.

Mucilagens

Oleorresinas

Outras substâncias

levulina, lecitinas, inulina e pectina.

Princípios amargos

taraxicina, lactopicrina, taraxerina, inulina e taraxacosídeo.

Resinas

taraxacina.

Saponinas

Taninos

Triterpenoides

lupano, bauerano, eufano, betulina, oficinatriona, 18β,19β-epoxi-21β-hidroxilupan-3β-il acetato, 21-oxolup-18-en-3β-il acetato, 11α-methoxioleano-12-en-3-ona, eufa-7,24-dien-3-ona e 24-oxoeufa-7,24-dien-3β-il acetato.

Vitaminas

A, B, C, D, E e K.

Referências bibliográficas

1 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 3 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2021, p. 163.
2 - PEREIRA, A. M. S. et al. (Org.). Manual Prático de Multiplicação e Colheita de Plantas Medicinais. Ribeirão Preto: Bertolucci, 2011, p. 239.
3 - BARNES, J. et al. Herbal Medicines. 3 ed. London: Pharmaceutical Press, 2007, p. 204-205.
4 - GARCÍA, E. C.; SOLÍS, I. M. Manual de fitoterapia. 2ª ed. Barcelona: Elsevier, 2016, p. 689.
5 - GRUENWALD, J. et al. PDR for Herbal Medicines. Montvale: Economics Company, Inc, 2000, p. 245.
6 - KRAFT, K.; HOBBS, C. Pocket Guide to Herbal Medicine. New York: Thieme Stuttgart, 2004, p. 54.
7 - EVANS, W. C. Trease and Evans Pharmacognosy. 16ª Edition. Philadelphia: Saunders, 2009, p. 208, 439-440.
8 - WIRNGO, F. E. et al. The physiological effects of dandelion (Taraxacum officinale) in type 2 diabetes. Rev Diabet Stud, v. 13, n. 2-3, p.113-131, 2016. doi: 10.1900/RDS.2016.13.113
9 - GONZÁLEZ-CASTEJÓN, M. et al. Diverse biological activities of dandelion. Nutr Rev, v. 70, n. 9, p.534-547, 2012. doi: 10.1111/j.1753-4887.2012.00509.x
10 - KANIA-DOBROWOLSKA; BARANIAK, J. Dandelion (Taraxacum officinale L.) as a source of biologically active compounds supporting the therapy of co-existing diseases in metabolic syndrome. Foods, v. 11, n. 18, p.1-17, 2022. doi: 10.3390/foods11182858
11 - IGNAT, M. V. et al. Plants of the spontaneous flora with beneficial action in the management of diabetes, hepatic disorders, and cardiovascular disease. Plants (Basel), v. 10, n. 2, p.1-35, 2021. doi: 10.3390/plants10020216
12 - SANSORES-ESPAÑA, D. et al. Plants used in mexican traditional medicine for the management of urolithiasis: a review of preclinical evidence, bioactive compounds, and molecular mechanisms. Molecules, v. 27, n. 6, p.1-17, 2022. doi: 10.3390/molecules27062008
13 - KIKUCHI, T. et al. Three novel triterpenoids from Taraxacum officinale roots. Molecules, v. 21, n. 9, p.1-11, 2016. doi: 10.3390/molecules21091121
14 - BOGACHEVA, A. M. et al. A new subtilisin-like proteinase from roots of the dandelion Taraxacum officinale Webb S. L. Biochemistry (Mosc), v. 64, n. 9, p.1030-1037, 1999. 
15 - DHYANI, P. et al. Sesquiterpenoid lactones as potential anti-cancer agents: an update on molecular mechanisms and recent studies. Cancer Cell Int, v. 22, n. 1, p.1-18, 2022. doi: 10.1186/s12935-022-02721-9

Propagação: 

realizada por sementes, principalmente, ou por divisão de touceira. A semeadura deve ser realizada em caixilho de isopor, bandejas plásticas ou tubetes. Depositam-se as sementes (3 unidades) sobre o substrato solo, areia e esterco (3:2:1), sem adição de substrato por cima das sementes, pois estas necessitam de luz para germinar (sementes fotoblásticas). A germinação ocorre em 15 dias e as mudas devem permanecer no viveiro por 2 meses. Posteriormente, devem ser transferidas para local definitivo (a pleno sol ou meia-sombra), em canteiros nivelados, eliminando os terrões, com pelo menos 15 cm de altura e 1,20 m de largura, em covas com espaçamento de 30 cm entre plantas e 30 cm entre linhas [ 1 , 2 , 3 ] .

Tratos culturais & Manejo: 

a irrigação deve ser realizada em dias alternados quando plantadas a pleno sol, e se cultivadas a meia-sombra irrigar 2 vezes por semana ou quando for observado o murchamento das folhas [ 2 ] .

Colheita: 

as raízes são colhidas quando as plantas atingirem 2 anos de cultivo, no final do inverno. As raízes devem ser lavadas com água corrente e com auxílio de escova, para que seja retirado todo o solo. A sabedoria popular recomenda que a colheita do sistema radicular das plantas deva ser realizada preferencialmente na lua minguante. Os frutos devem ser colhidos manualmente, com cuidado para não os dispersar, em seguida acondicioná-los em frasco de vidro, que devem permanecer abertos por 5 dias para a secagem das sementes. Posteriormente, etiquetar o recipiente, o qual deve ser mantido a temperatura ambiente. As sementes podem ser armazenadas por 1 ano [ 2 , 3 ] .

Pós-colheita: 

o fitoterápico pode ser preparado a partir de raízes frescas ou secas. O processo de secagem consiste em colocar as raízes em estufa com ar circulante a temperatura de 40°C/36 horas. A droga vegetal pode ser armazenada por 6 meses quando íntegra. Quando submetida a moagem, em moinho de faca (até 40 mesh), a droga vegetal deve ser armazenada em ambiente não úmido e ser utilizada por período máximo de 1 anos [ 2 ] .

Problemas & Soluções: 

as mudanças sazonais (alta temperatura, verão) podem alterar a composição química do látex radicular, favorecendo o aumento da concentração do ácido taraxínico (lactona sesquiterpênica), que apresenta um potencial defensivo contra larvas de Melolontha melolontha [ 4 , 5 ] .

Referências bibliográficas

1 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 3 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2021, p. 163.
2 - PEREIRA, A. M. S. et al. (Org.). Manual Prático de Multiplicação e Colheita de Plantas Medicinais. Ribeirão Preto: Bertolucci, 2011, p. 238-239.
3 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 3. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 246.
4 - HUANG, W. et al. Impact of seasonal and temperature-dependent variation in root defense metabolites on herbivore preference in Taraxacum officinale. J Chem Ecol, v. 46, n. 1, p.63-75, 2020. doi: 10.1007/s10886-019-01126-9
5 - HUBER, M. et al. A latex metabolite benefits plant fitness under root herbivore attack. PLoS Biol, v. 14, n. 1, p.1-27, 2016. doi: 10.1371/journal.pbio.1002332

Tipo: Internacional
Tipo de Monografia: Agência Europeia de Medicamentos
Ano de Publicação: 2021
Arquivo: PDF icon Download (256.21 KB)

Tipo: Internacional
Tipo de Monografia: Medicamentos e Produtos de Saúde do Canadá
Ano de Publicação: 2018
Arquivo: PDF icon Download (82.84 KB)

Tipo: Internacional
Tipo de Monografia: Organização Mundial de Saúde
Ano de Publicação: 2007
Arquivo: PDF icon Download (111.73 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 1926
Arquivo: PDF icon Download (51.77 KB)

Referências bibliográficas

Parceiros