Zingiber officinale Roscoe

Gengibre, mangarataia, gengivre e manaratiá.

Família 
Informações gerais 

Originária da Ásia, especialmente na Índia, China tropical e Jamaica. Seu cultivo ocorre em vários países, como China, Nigéria, Serra Leoa, Indonésia, Bangladesh, Austrália, Fiji, Jamaica, Nepal, Haiti, México, Havaí e Japão, para fins medicinais e alimentícios. Encontra-se muito bem aclimatada no Brasil. Suas principais indicações terapêuticas são: analgésica, antiespasmódica, antiemética, antidispéptica, colagoga, febrífuga, carminativa, antitussígena, expectorante, anti-inflamatória, antialérgica, antisséptica, afrodisíaca, hipocolesterolemiante, hipoglicemiante, antiagregante plaquetária, antioxidante, antimicrobiana, afrodisíaca, neuroprotetora, antiartrítica, antiobesidade e antitumoral[1,2,3,4,5,6,7,8,9,10,11,12,13,14,15,16,17,18,19,20,21,22,23,24,25,26,27,28,29,30,31,32,33,34,35,36,37,38,39,40,41,42,43,44,45,46,47,48,49,50,51,52,53,54,55,56,57,58,59,60,61,62,63,64,65,66,67,68,69,70,71,72,73,74,75,76,77,78,79,80,81,82,83,84].

Referências informações gerais
1 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 3 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2021, p. 544.
2 - BRANDÃO, M. G. L. Planta úteis e medicinais na obra de Frei Vellozo. 2 ed. Belo Horizonte: Imprensa Universitária da UFMG, 2019, p. 146.
3 - WEDLER, E. Atlas de las plantas medicinales silvestres y cultivadas em la zona tropical. 2 ed. Colômbia: Todográficas Ltda, 2017, p. 505.
4 - TESKE, M. & TRENTINI, A. M. M. Compêndio de Fitoterapia. 4 ed. Curitiba: Herbarium Lab. Bot. Ltda, 2001, p. 143-145.
5 - BARNES, J. et al. Plantas medicinales. 1 ed. Barcelona: Pharma Editores, S.L., 2005, p. 309-315.
6 - CAMARGO, M. T. L. A. As plantas medicinais e o sagrado: a etnofarmacobotânica em uma revisão historiográfica da medicina popular no Brasil. 1 ed. São Paulo: Ícone, 2014, p. 102, 123 e 188.
7 - GARCÍA, E. C.; SOLÍS, I. M. Manual de fitoterapia. 2 ed. Barcelona: Elsevier, 2016, p. 596-601.
8 - GRUENWALD, J. et al. PDR for Herbal Medicines. Montvale: Economics Company, Inc, 2000, p. 339-342.
9 - KRAFT, K.; HOBBS, C. Pocket Guide to Herbal Medicine. New York: Thieme Stuttgart, 2004, p. 70-71.
10 - EVANS, W. C. Trease and Evans Pharmacognosy. 16 ed. Philadelphia: Saunders, 2009, p. 289-292.
11 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 3. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 336-343.
12 - TALEBI, M. et al. Zingiber officinale ameliorates Alzheimer's disease and Cognitive Impairments: lessons from preclinical studies. Biomed Pharmacother, v. 133, p.1-13, 2021.  doi: 10.1016/j.biopha.2020.111088
13 - LI, C. et al. Vasculoprotective effects of ginger (Zingiber officinale Roscoe) and underlying molecular mechanisms. Food Funct, v. 12, n. 5, p.1897-1913, 2021. doi: 10.1039/d0fo02210a
14 - ALI, B. H. et al. Some phytochemical, pharmacological and toxicological properties of ginger (Zingiber officinale Roscoe): a review of recent research. Food Chem Toxicol, v. 46, n. 2, p.409-420, 2008. doi: 10.1016/j.fct.2007.09.085
15 - WANG, J. et al. Beneficial effects of ginger Zingiber officinale Roscoe on obesity and metabolic syndrome: a review. Ann N Y Acad Sci, v. 1398, n. 1, p.83-98, 2017. doi: 10.1111/nyas.13375
16 - MORVARIDZADEH, M. et al. Effect of ginger (Zingiber officinale) supplementation on oxidative stress parameters: a systematic review and meta-analysis. J Food Biochem, v. 45, n. 2, p.1-14, 2021. doi: 10.1111/jfbc.13612
17 - ATTARI, V. E. et al. A systematic review of the anti-obesity and weight lowering effect of ginger (Zingiber officinale Roscoe) and its mechanisms of action. Phytother Res, v. 32, n. 4, p.577-585, 2018. doi: 10.1002/ptr.5986
18 - AKASH, M. S. H. et al. Zingiber officinale and Type 2 Diabetes Mellitus: evidence from experimental studies. Crit Rev Eukaryot Gene Expr, v. 25, n. 2, p.91-112, 2015. doi: 10.1615/critreveukaryotgeneexpr.2015013358
19 - HANIADKA, R. et al. A review of the gastroprotective effects of ginger (Zingiber officinale Roscoe). Food Funct, v. 4, n. 6, p.845-855, 2013. doi: 10.1039/c3fo30337c
20 - BALLESTER, P. et al. Effect of ginger on inflammatory diseases. Molecules, v. 27, n. 21, p.1-13, 2022. doi: 10.3390/molecules27217223
21 - BANIHANI, S. A. Ginger and testosterone. Biomolecules, v. 8, n. 4, p.1-8, 2018. doi: 10.3390/biom8040119
22 - VERMA, T. et al. Plants used as antihypertensive. Nat Prod Bioprospect, v. 11, n. 2, p.155-184, 2021. doi: 10.1007/s13659-020-00281-x
23 - TOTMAJ, A. S. et al. The effect of ginger (Zingiber officinale) on chemotherapy-induced nausea and vomiting in breast cancer patients: a systematic literature review of randomized controlled trials. Phytother Res, v. 33, n. 8, p.1957-1965, 2019. doi: 10.1002/ptr.6377
24 - DIETZ, B. M. et al. Botanicals and their bioactive phytochemicals for women's health. Pharmacol Rev, v. 68, n. 4, p.1026-1073, 2016. doi: 10.1124/pr.115.010843
25 - SAHARDI, N. F. N. M.; MAKPOL, S. Ginger (Zingiber officinale Roscoe) in the prevention of ageing and degenerative diseases: review of current evidence. Evid Based Complement Alternat Med, p.1-13, 2019. doi: 10.1155/2019/5054395
26 - MARX, W. M. et al. Ginger (Zingiber officinale) and chemotherapy-induced nausea and vomiting: a systematic literature review. Nutr Rev, v. 71, n. 4, p.245-254, 2013. doi: 10.1111/nure.12016
27 - GIACOSA, A. et al. Can nausea and vomiting be treated with ginger extract? Eur Rev Med Pharmacol Sci, v. 19, n. 7, p.1291-1296, 2015.
28 - SAHARDI, N. F. N. M.; MAKPOL, S. Suppression of inflamm-aging by Moringa oleifera and Zingiber officinale Roscoe in the prevention of degenerative diseases: a review of current evidence. Molecules, v. 28, n. 15, p.1-19, 2023. doi: 10.3390/molecules28155867
29 - BOROUJENI, S. N. et al. The most important medicinal plants affecting sperm and testosterone production: a systematic review. JBRA Assist Reprod, v. 26, n. 3, p.522-530, 2022. doi: 10.5935/1518-0557.20210108
30 - PAGANO, E. et al. Ginger (Zingiber officinale Roscoe) as a nutraceutical: focus on the metabolic, analgesic, and antiinflammatory effects. Phytother Res, p.1-15, 2020. doi: 10.1002/ptr.6964
31 - BODAGH, M. N. et al. Ginger in gastrointestinal disorders: a systematic review of clinical trials. Food Sci Nutr, v. 7, n. 1, p.96-108, 2018. doi: 10.1002/fsn3.807
32 - WILSON, P. B. Ginger (Zingiber officinale) as an analgesic and ergogenic aid in sport: a systemic review. J Strength Cond Res, v. 29, n. 10, p.2980-2995, 2015.  doi: 10.1519/JSC.0000000000001098
33 - CHEN, X. C. et al. Efficacy of oral ginger (Zingiber officinale) for dysmenorrhea: a systematic review and meta-analysis. Evid Based Complement Alternat Med, p.1-10, 2016. doi: 10.1155/2016/6295737
34 - ZHU, J. et al. Effects of ginger (Zingiber officinale Roscoe) on type 2 diabetes mellitus and components of the metabolic syndrome: a systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. Evid Based Complement Alternat Med, p.1-11, 2018. doi: 10.1155/2018/5692962
35 - PALATTY, P. L. et al. Ginger in the prevention of nausea and vomiting: a review. Crit Rev Food Sci Nutr, v. 53, n. 7, p.659-669, 2013. doi: 10.1080/10408398.2011.553751
36 - UNUOFIN, J. O. et al. Ginger from Farmyard to Town: nutritional and pharmacological applications. Front Pharmacol, v. 12, p.1-28, 2021. doi: 10.3389/fphar.2021.779352
37 - KIM, S. D. et al. Efficacy and safety of ginger on the side effects of chemotherapy in breast cancer patients: systematic review and meta-analysis. Int J Mol Sci, v. 23, n. 19, p.1-12, 2022. doi: 10.3390/ijms231911267
38 - ALAM, F. et al. Enzymes inhibitors from natural sources with antidiabetic activity: a review. Phytother Res, v. 33, n. 1, p.41-54, 2019. doi: 10.1002/ptr.6211
39 - TÓTH, B. et al. Ginger (Zingiber officinale): an alternative for the prevention of postoperative nausea and vomiting. A meta-analysis. Phytomedicine, v. 50, p.8-18, 2018. doi: 10.1016/j.phymed.2018.09.007
40 - STANISIERE, J. et al. How safe is ginger rhizome for decreasing nausea and vomiting in women during early pregnancy? Foods, v. 7, n. 4, p.1-29, 2018. doi: 10.3390/foods7040050
41 - OZKUR, M. et al. Ginger for healthy ageing: a systematic review on current evidence of its antioxidant, anti-inflammatory, and anticancer properties. Oxid Med Cell Longev, p.1-16, 2022.  doi: 10.1155/2022/4748447
42 - SAMADI, M. et al. A systematic review and meta-analysis of preclinical and clinical studies on the efficacy of ginger for the treatment of fatty liver disease. Phytother Res, v. 36, n. 3, p.1182-1193, 2022. doi: 10.1002/ptr.7390
43 - ASGHARI-JAFARABADI, M.; KHALILI, L. The Effect of ginger (Zingiber officinale) on improving blood lipids and body weight; a systematic review and multivariate meta-analysis of clinical trials. Curr Pharm Des, v. 28, n. 35, p.2920-2943, 2022. doi: 10.2174/1381612828666220926093847
44 - VEISI, P. et al. Renoprotective effects of the ginger (Zingiber officinale) on diabetic kidney disease, current knowledge and future direction: a systematic review of animal studies. BMC Complement Med Ther, v. 22, n. 1, p.1-15, 2022.  doi: 10.1186/s12906-022-03768-x
45 - HANIADKA, R. et al. Zingiber officinale (ginger) as an anti-emetic in cancer chemotherapy: a review. J Altern Complement Med, v. 18, n. 5, p.440-444, 2012. doi: 10.1089/acm.2010.0737
46 - GUMBAREWICZ, E. et al. Zingiber officinale Rosc. in the treatment of metabolic syndrome disorders-a review of in vivo studies. Int J Mol Sci, v. 23, n. 24, p.1-15, 2022. doi: 10.3390/ijms232415545
47 - ANGELOPOULOU, E. et al. Elucidating the beneficial effects of ginger (Zingiber officinale Roscoe) in Parkinson's Disease. ACS Pharmacol Transl Sci, v. 5, n. 10, p.838-848, 2022. doi: 10.1021/acsptsci.2c00104
48 - KIM, S. et al. The effect of ginger and its sub-components on pain. Plants (Basel), v. 11, n. 17, p.1-17, 2022. doi: 10.3390/plants11172296
49 - ARCUSA, R. et al. Potential role of ginger (Zingiber officinale Roscoe) in the prevention of neurodegenerative diseases. Front Nutr, v. 9, p.1-14, 2022.  doi: 10.3389/fnut.2022.809621
50 - BANIHANI, S. A. Effect of ginger (Zingiber officinale) on semen quality. Andrologia, v. 51, n. 6, p.1-7, 2019. doi: 10.1111/and.13296
51 - AL-NAHAIN, A. et al. Zingiber officinale: a potential plant against rheumatoid arthritis. Arthritis, p.1-8, 2014. doi: 10.1155/2014/159089
52 - DAILY, J. W. et al. Efficacy of ginger for alleviating the symptoms of primary dysmenorrhea: a systematic review and meta-analysis of randomized clinical trials. Pain Med, v. 16, n. 12, p.2243-2255, 2015. doi: 10.1111/pme.12853
53 - WHITE, B. Ginger: an overview. Am Fam Physician, v. 75, n. 11, p.1689-1691, 2007.
54 - HUANG, F. Y. et al. Dietary ginger as a traditional therapy for blood sugar control in patients with type 2 diabetes mellitus: a systematic review and meta-analysis. Medicine (Baltimore), v. 98, n. 13, p.1-7, 2019. doi: 10.1097/MD.0000000000015054
55 - SCHEPICI, G. et al. Ginger, a possible candidate for the treatment of dementias? Molecules, v. 26, n. 18, p.1-23, 2021. doi: 10.3390/molecules26185700
56 - ROUDSARI, N. M. et al. Ginger: a complementary approach for management of cardiovascular diseases. Biofactors, v. 47, n. 6, p.933-951, 2021.  doi: 10.1002/biof.1777
57 - LETE, I.; ALLUÉ, J. The effectiveness of ginger in the prevention of nausea and vomiting during pregnancy and chemotherapy. Integr Med Insights, v. 11, p.11-17, 2016. doi: 10.4137/IMI.S36273
58 - YEDJOU, C. G. et al. The management of diabetes mellitus using medicinal plants and vitamins. Int J Mol Sci, v. 24, n. 10, p.1-14, 2023. doi: 10.3390/ijms24109085
59 - HASANI-RANJBAR, S. et al. A systematic review of the efficacy and safety of herbal medicines used in the treatment of obesity. World J Gastroenterol, v. 15, n. 25, p.3073-3085, 2009. doi: 10.3748/wjg.15.3073
60 - PRASAD, S.; TYAGI, A. K. Ginger and its constituents: role in prevention and treatment of gastrointestinal câncer. Gastroenterol Res Pract, p.1-11, 2015. doi: 10.1155/2015/142979
61 - PRZEOR, M. Some common medicinal plants with antidiabetic activity, known and available in Europe (A Mini-Review). Pharmaceuticals (Basel), v. 15, n. 1, p.1-25, 2022. doi: 10.3390/ph15010065
62 - CHOI, J. G. et al. Pharmacotherapeutic potential of ginger and its compounds in age-related neurological disorders. Pharmacol Ther, v. 182, p.56-69, 2018. doi: 10.1016/j.pharmthera.2017.08.010
63 - BALLESTER, P. et al. Antioxidant activity in extracts from Zingiberaceae Family: cardamom, turmeric, and ginger. Molecules, v. 28, n. 10, p.1-21, 2023. doi: 10.3390/molecules28104024
64 - NAEIMI, M. et al. Gastroprotective herbs for headache management in Persian medicine: a comprehensive review. J Integr Med, v. 18, n. 1, p.1-13, 2020. doi: 10.1016/j.joim.2019.11.004
65 - AHMED, S. M. et al. The use of medicinal plants by pregnant women in Africa: a systematic review. J Ethnopharmacol, v. 224, p.297-313, 2018. doi: 10.1016/j.jep.2018.05.032
66 - TEKA, A.; MARYO, M. Ethiopian medicinal plants used for respiratory tract disorders: ethnomedicinal review. Evid Based Complement Alternat Med, p.1-9, 2023. doi: 10.1155/2023/7612804
67 - RAHMANI, A. H. et al. Active ingredients of ginger as potential candidates in the prevention and treatment of diseases via modulation of biological activities. Int J Physiol Pathophysiol Pharmacol, v. 6, n. 2, p.125-136, 2014.
68 - BORRELLI, F. et al. Effectiveness and safety of ginger in the treatment of pregnancy-induced nausea and vomiting. Obstet Gynecol, v. 105, n. 4, p.849-856, 2005. doi: 10.1097/01.AOG.0000154890.47642.23
69 - MOURA, M. G. et al. Oral herbal medicines marketed in Brazil for the treatment of osteoarthritis: a systematic review and meta-analysis. Phytother Res, v. 31, n. 11, p.1676-1685, 2017. doi: 10.1002/ptr.5910
70 - MARMITT, D. J. et al. RENISUS plants and their potential antitumor effects in clinical trials and registered patents. Nutr Cancer, v. 73, n. 10, p.1821-1848, 2021. doi: 10.1080/01635581.2020.1810290
71 - TAN, B. K. H.; VANITHA, J. Immunomodulatory and antimicrobial effects of some traditional chinese medicinal herbs: a review. Curr Med Chem, v. 11, n. 11, p.1423-1430, 2004. doi: 10.2174/0929867043365161
72 - GRZANNA, R. et al. Ginger - an herbal medicinal product with broad anti-inflammatory actions. J Med Food, v. 8, n. 2, p.125-132, 2005. doi: 10.1089/jmf.2005.8.125
73 - ERNST, E.; PITTLER, M. H. Efficacy of ginger for nausea and vomiting: a systematic review of randomized clinical trials. Br J Anaesth, v. 84, n. 3, p.367-371, 2000. doi: 10.1093/oxfordjournals.bja.a013442
74 - THOMSON, M. et al. Effects of ginger for nausea and vomiting in early pregnancy: a meta-analysis. J Am Board Fam Med, v. 27, n. 1, p.115-122, 2014. doi: 10.3122/jabfm.2014.01.130167
75 - MARMITT, D. J. et al. Clinical trials with plants in diabetes mellitus therapy: a systematic review. Expert Rev Clin Pharmacol, v. 14, n. 6, p.735-747, 2021. doi: 10.1080/17512433.2021.1917380
76 - ARRUDA, A. P. N. et al. Herbal medications for anxiety, depression, pain, nausea and vomiting related to preoperative surgical patients: a systematic review and meta-analysis of randomised controlled trials. BMJ Open, v. 9, n. 5, p.1-15, 2019. doi: 10.1136/bmjopen-2018-023729
77 - CHANG, W. P.; PENG, Y. X. Does the oral administration of ginger reduce chemotherapy-induced nausea and vomiting?: A meta-analysis of 10 randomized controlled trials. Cancer Nurs, v. 42, n. 6, p.E14-E23, 2019. doi: 10.1097/NCC.0000000000000648
78 - DE ALMEIDA, E. M. et al. Therapeutic potential of medicinal plants indicated by the Brazilian public health system in treating the collateral effects induced by chemotherapy, radiotherapy, and chemoradiotherapy: a systematic review. Complement Ther Med, v. 49, p.1-12, 2020. doi: 10.1016/j.ctim.2019.102293
79 - ANDDRADE, C. Ginger for migraine. J Clin Psychiatry, v. 82, n. 6, p.21f14325, 2021. doi: 10.4088/JCP.21f14325
81 - ZHOU, Q. et al. Ginger supplementation for the treatment of non-alcoholic fatty liver disease: a meta-analysis of randomized controlled trials. Afr Health Sci, v. 23, n. 1, p.614-621, 2023.  doi: 10.4314/ahs.v23i1.65
82 - BALIGA, M. S. et al. Update on the chemopreventive effects of ginger and its phytochemicals. Crit Rev Food Sci Nutr, v. 51, n. 6, p.499-523, 2011. doi: 10.1080/10408391003698669
83 - ZIMMERMANN-KLEMD, A. M. et al. Phytotherapy in Integrative Oncology-an update of promising treatment options. Molecules, v. 27, n. 10, p.1-25, 2022. doi: 10.3390/molecules27103209
84 - CRICHTON, M. et al. Efficacy of ginger (Zingiber officinale) in ameliorating chemotherapy-induced nausea and vomiting and chemotherapy-related outcomes: a systematic review update and meta-analysis. J Acad Nutr Diet, v. 119, n. 12, p.2055-2068, 2019. doi: 10.1016/j.jand.2019.06.009
Descrição da espécie 

Planta herbácea, perene, de grande porte, medindo de 0,5 a 1,0 m de altura (habitualmente 60 cm no Brasil), ereta; possui caule articulado, foliáceo e rizoma tuberoso, subterrâneo, horizontal, com ramificações situadas num mesmo plano, formado por tubérculos ovoides, curtos, rugosos, achatados e obovados na face superior, prensados uns contra os outros, com superfície externa marrom-clara, com estrias longitudinais e cobertos por cortiça, medindo cerca de 5 a 15 cm de comprimento x 1,5 a 4 cm de largura x 1, a 1,5 cm de espessura, de cheiro e sabor picante, muito agradável, na parte inferior possui raízes adventícias, cilíndricas, carnosas, de coloração esbranquiçada; as folhas são simples, dísticas, invaginantes, lanceoladas ou linear-lanceoladas, ápice acuminado, sésseis, lisas na face adaxial e ásperas na face abaxial, de 5 a 30 cm de comprimento x 8 a 20 cm de largura, com lígula bilobada e glabrescentes, de 2 a mm de comprimento; as flores são hermafroditas, estéreis, reunidas em inflorescências com espigas ovoides ou elipsoides, de 4 a 6 cm de comprimento, de cor branca-amarelada ou esverdeadas, semelhantes a uma orquídea e se apoiam em hastes escamosas que saem do rizoma; o fruto é uma cápsula trilocular que se fende em 3 válvulas; as sementes são azuladas e contém um albúmen carnoso[1,2,3,4,5,6,7,8,9,10].

Referências descrição da espécie
1 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 3 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2021, p. 544.
2 - MATOS, F. J. A. O formulário fitoterápico do professor Dias da Rocha: Informações sobre o emprego na medicina caseira, de plantas do Nordeste, especialmente do Ceará. 2 ed. Fortaleza: EUFC, 1997, p. 133.
3 - PEREIRA, A. M. S. et al. (Org.). Manual Prático de Multiplicação e Colheita de Plantas Medicinais. Ribeirão Preto: Bertolucci, 2011, p. 257-258.
4 - LONDRES. The Department of Health. British Pharmacopoeia 2012, vol. IV. London: Stationery Office Books, p. 3582, 2011.
5 - GARCÍA, E. C.; SOLÍS, I. M. Manual de fitoterapia. 2 ed. Barcelona: Elsevier, 2016, p. 596-597.
6 - GRUENWALD, J. et al. PDR for Herbal Medicines. Montvale: Economics Company, Inc, 2000, p. 339.
7 - EVANS, W. C. Trease and Evans Pharmacognosy. 16 ed. Philadelphia: Saunders, 2009, p. 290.
8 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 3. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 337.
9 - ZHANG, M. et al. Ginger (Zingiber officinale Rosc.) and its bioactive components are potential resources for health beneficial agentes. Phytother Res, v. 35, n. 2, p.711-742, 2021. doi: 10.1002/ptr.6858
10 - PRZEOR, M. Some common medicinal plants with antidiabetic activity, known and available in Europe (A Mini-Review). Pharmaceuticals (Basel), v. 15, n. 1, p.1-25, 2022. doi: 10.3390/ph15010065
Nome popular Local Parte da planta Indicação Modo de preparo Forma de uso Restrição de uso Referências
Guluchimaala Distrito de Odisha (Índia) Liana

Antimalárica.

Decocção.

-

-

Gengibre Ceará (Nordeste, Brasil) Rizoma

Carminativa, estomacal, excitante, antidispéptica e antiespasmódica.

Infusão.

Uso oral.

-

[ 1 ]
Gengibre Ceará (Nordeste, Brasil) Rizoma

Antirreumática e revulsiva.

Pedações triturados com álcool.

Uso local.

-

[ 1 ]
Jengibre Colômbia (Zona Tropical) Rizoma

Antiemética, antidispéptica, antitussígena, tônica do sistema circulatório, anti-inflamatória, antisséptica, afrodisíaca, no tratamento da cefaleia e para aumentar a produção de saliva.

Decocção: 1 colher do material vegetal (pulverizado) em uma xícara de água. Deixar em repouso por 15 minutos.

 Tomar 1 xícara 30 minutos antes das refeições.

-

[ 2 ]
Jengibre Colômbia (Zona Tropical) Rizoma

Antifúngica.

Infusão ou decocção.

Uso externo: na forma de banhos. 

-

[ 2 ]
Jengibre Colômbia (Zona Tropical) Rizoma

No tratamento da tensão muscular e dor lombar.

Decocção: adicionar em óleo de massagem.

Uso externo.

-

[ 2 ]
Jengibre Colômbia (Zona Tropical) Rizoma

Galactógena.

In natura.

-

-

[ 2 ]
Jengibre Colômbia (Zona Tropical) Rizoma

Protetor do sistema cardiovascular (hipocolesterolemiante e antitrombótico) e antitumoral.

Óleo. 

-

-

[ 2 ]
Gengibre Ceará (Nordeste, Brasil) Rizoma

Antidispéptica e carminativa.

-

Uso oral.

-

[ 3 , 4 ]
Gengibre Ceará (Nordeste, Brasil) Rizoma

Revulsiva, antirreumática e no tratamento de dores traumáticas, especialmente na coluna e articulação.

Compressa: ralar o material vegetal (fresco) adicionando-o em pano limpo e fino. 

Uso tópico: aplicar sobre o local.

Deve-se acompanhar o tratamento para evitar o aparecimento de bolhas. Suspender a aplicação e lavar o local com água e sabão, logo que se observe sensação incomoda de queimadura ou início de formação de bolhas.

[ 3 , 4 , 5 ]
Gengibre Botucatu (São Paulo, Brasil) -

Antiemética, antidispéptica e antiespasmódica.

Decocção: 0,5 a 1 g (1 a 2 colheres de café) do material vegetal em 150 mL (1 xícara) de água.

Uso oral.

Pacientes com cálculo biliar deve utilizar esta espécie vegetal apenas com acompanhamento médico. Evitar o uso em pacientes em tratamento com anticoagulantes e em pacientes menores de 6 anos.

[ 6 ]
Gengibre Brasil Rizoma

No tratamento de enjoo, azia, náuseas e vômitos.

Decocção: 0,5 a 1 g (1 a 2 colheres de café) em 150 mL (1 xícara de chá) de água.

Tomar 1 xícara (de chá) de 2 a 4 vezes ao dia.

– Pode ocorrer interação com anticoagulantes e hipoglicemiantes. O uso em excesso pode causar ansiedade e êmese.

[ 7 ]
Atalè Indígenas Yorùbá (África Ocidental) Rizoma

Antitussígena, antiasmática, no tratamento de bronquite e cólicas.

Decocção: 50 g do material vegetal em 1 L de água ou 1 colher (das de chá) em 1 xícara (de chá) de água.

Tomar 1 xícara 3 vezes ao dia, adoçado com mel.

-

[ 8 ]
Atalè Indígenas Yorùbá (África Ocidental) Rizoma

Anti-hemorroidária, antirreumática e no tratamento de traumatismos (coluna vertebral e articulações) e nevralgias.

Cataplasma.

Aplicar sobre o local afetado.

-

[ 8 ]
Atalè Indígenas Yorùbá (África Ocidental) Rizoma

Mascar um pedaço do material vegetal. – Antiemética, no tratamento da rouquidão e dores estomacais.

In natura.

-

-

[ 8 ]
Atalè Indígenas Yorùbá (África Ocidental) Rizoma

Antirreumática.

Tintura: 100 g do material vegetal (moído) em 500 mL de álcool.

Uso externo: fazer fricções no local. 

-

[ 8 ]
Atalè Indígenas Yorùbá (África Ocidental) Rizoma

No tratamento de ferimentos e cortes.

Suco: material vegetal moído. Coar.

Uso externo: aplicar no local.

-

[ 8 ]
- Paquistão Rizoma

No tratamento de irregularidade menstrual.

Pó: em água ou leite.

-

-

[ 9 ]
- Uganda Rizoma

No tratamento da dismenorreia.

Decocção.

-

-

[ 9 ]
- Irã Rizoma

No tratamento da dismenorreia.

Pó.

Uso oral.

-

[ 9 ]
- Japão Rizoma

No tratamento da síndrome pré-menstrual e amenorreia.

Decocção ou pó.

Uso oral.

-

[ 9 ]
Ntangahuzi Comunidade da África Oriental Rizoma

No tratamento de distúrbios sexuais e infertilidade.

Decocção.

Uso oral (chá, com leite ou mingau).

-

[ 10 ]
Adrak Distrito de Odisha (Índia) Rizoma

Antimalárica.

Decocção.

-

-

[ 11 ]
Jiang Província de Guangxi (China) Rizoma

Antiemética e antitussígena.

Decocção.

-

-

[ 12 ]
Yela Etnia Bulang (China) Folha

Antitussígena, antiasmática, desintoxicante, no tratamento de resfriado, distensão e dor abdominal, fratura e faringite.

-

-

-

[ 13 ]
Xin Etnia Dai (China) Caule e folha

Antitussígena, antidismenorreica, no tratamento de resfriado e infecção do trato urinário.

-

-

-

[ 13 ]
Sa-ga Comunidade de Tsang-la (Grand Canyon Yarlung Tsangpo, China) Rizoma

No tratamento de resfriados.

-

-

-

[ 14 ]
- Argélia Rizoma

No tratamento da rouquidão e dor de garganta.

Uso oral.

-

[ 15 ]
- Argélia Rizoma

No tratamento do bócio (aumento do tamanho da glândula tireoide).

Decocção.

Uso oral. 

-

[ 15 ]
- Argélia Rizoma

No tratamento de doenças de pele e úlceras.

Maceração.

Uso tópico.

-

[ 15 ]
- Argélia Rizoma

No tratamento de doenças pulmonares.

Decocção. 

Uso oral.

-

[ 15 ]
- Argélia Rizoma

No tratamento de colite e icterícia (uso oral) e flatulência (uso tópico).

-

-

-

[ 15 ]
- Argélia Rizoma

No tratamento de infeções e inflamações do sistema urinário.

-

Uso oral.

-

[ 15 ]
Rizoma Argélia -

No tratamento do câncer de mama.

-

Tópico.

-

[ 15 ]
Ata ile Ogbomosho (Oyo, Nigéria) Rizoma

Antiviral (Covid-19).

Decocção ou pó.

-

-

[ 16 ]
Aduwa Nepal Rizoma

Antiviral (Covid-19).

Decocção, pó ou pasta.

-

-

[ 17 ]
- Povos indígenas de Lagos (Nigéria) -

Antidispéptica, antitussígena e antigripal.

-

-

-

[ 18 ]

Referências bibliográficas

1 - MATOS, F. J. A. O formulário fitoterápico do professor Dias da Rocha: Informações sobre o emprego na medicina caseira, de plantas do Nordeste, especialmente do Ceará. 2 ed. Fortaleza: EUFC, 1997, p.  133.
2 - WEDLER, E. Atlas de las plantas medicinales silvestres y cultivadas em la zona tropical. 2 ed. Colômbia: Todográficas Ltda, 2017, p. 505.
3 - MATOS, F. J. A. Farmácias Vivas. Fortaleza: UFC, 1991, p. 40-41.
4 - MATOS, F. J. A. Farmácias Vivas. 2 ed. Fortaleza: UFC, 1994, p. 97.
5 - MATOS, F. J. A. Plantas medicinais: Guia de seleção e emprego de plantas medicinais usadas em fitoterapia no Nordeste do Brasil. 2 ed. Fortaleza: Imprensa Universitária – UFC, 2000, p. 222-223.
6 - LIMA, G. P. P. Medicina verde: programa municipal de plantas medicinais e fitoterápicos de Botucatu (SP) – Saúde - Prescritores. 1 ed. Prefeitura Municipal de Botucatu: Universidade Estadual Paulista, 2015, p. 20.
7 - PANIZZA, S. T. et al. Uso tradicional de plantas medicinais e fitoterápicos. São Luiz: Conbrafito, 2012, p. 153.
8 - BARROS, L. F. Herbarium - Ewé. Maringá/RJ: Bábálawo ati Ojé Ifagbenusola Aworeni, 2014, p. 526-528.
9 - JIAO, M. et al. Comparison of herbal medicines used for women's menstruation diseases in different areas of the world. Front Pharmacol, v. 12, p.1-20, 2022. doi: 10.3389/fphar.2021.751207
10 - KYARIMPA, C. et al. Medicinal plants used in the management of sexual dysfunction, infertility and improving virility in the East African Community: a systematic review. Evid Based Complement Alternat Med, p.1-28, 2023. doi: 10.1155/2023/6878852
11 - NAGENDRAPPA, P. B. et al. Ethnobotanical survey of malaria prophylactic remedies in Odisha, India. J Ethnopharmacol, v. 146, n. 3, p.768-772, 2013. doi: 10.1016/j.jep.2013.02.003
12 - LONG, T. et al. Ethnobotanical study on herbal tea drinks in Guangxi, China. J Ethnobiol Ethnomed, v. 19, n. 1, p.1-29, 2023. doi: 10.1186/s13002-023-00579-3
13 - ZHOU, H. et al. Ethnobotanical study on medicinal plants used by Bulang people in Yunnan, China. J Ethnobiol Ethnomed, v. 19, n. 1, p.1-25, 2023. doi: 10.1186/s13002-023-00609-0
14 - ZHANG, Y. et al. The best choices: the diversity and functions of the plants in the home gardens of the Tsang-la (Motuo Menba) communities in Yarlung Tsangpo Grand Canyon, Southwest China. J Ethnobiol Ethnomed, v. 16, n. 1, p.1-15, 2020. doi: 10.1186/s13002-020-00395-z
15 - BELHOUALA, K.; BENARBA, B. Medicinal Plants used by traditional healers in Algeria: a multiregional ethnobotanical study. Front Pharmacol, v. 12, p.1-23, 2021. doi: 10.3389/fphar.2021.760492
16 - ODEBUNMI, C. A. et al. Ethnobotanical survey of medicinal plants used in the treatment of COVID-19 and related respiratory infections in Ogbomosho South and North Local Government Areas, Oyo State, Nigeria. Plants (Basel), v. 11, n. 19, p.1-27, 2022. doi: 10.3390/plants11192667
17 - KHADKA, D. et al. The use of medicinal plants to prevent COVID-19 in Nepal. J Ethnobiol Ethnomed, v. 17, n. 1, p.1-17, 2021. doi: 10.1186/s13002-021-00449-w
18 - LAWAL, I. O. et al. Ethnobotanical survey of local flora used for medicinal purposes among indigenous people in five areas in Lagos State, Nigeria. Plants (Basel), v. 11, n. 5, p.1-19, 2022. doi: 10.3390/plants11050633

Analgésica

Analgésica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Extrato liofilizado: a partir do extrato etanólico a 70%. Associação com: Aconitum carmichaelii e Angelica gigas. Dose para ensaio: 500 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos C57BL/6 portadores de dor neuropática (alodinia fria e mecânica) induzida por oxaliplatina, tratados com o extrato vegetal, associado ou não com capsazepina A (antagonista de TRPV1), com posterior análise de parâmetros comportamentais, expressão de TRPV1, GFAP e c-fos (PCR e Imuno-histoquímica).

A combinação dos extratos de A. carmichaelii, A. gigas e Z. officinale reduz dor neuropática (alodinia fria), pois reduz a expressão de TRPVI e a ativação de astrócitos.

[ 43 ]
Rizoma

Extrato: 0,5 kg do material vegetal (pó) em etanol a 96%. Rendimento: 5,62%. Dose para ensaio: 100 a 400 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Balb/C portadores de diabetes induzido por estreptozotocina (modelo neuropatia diabética), tratados com o extrato vegetal, com posterior análise dos testes da placa quente (hiperalgesia) e filamento de von Frey (alodinia), expressão de genes (TRPV1 e NMDAR2B) nos segmentos da medula espinhal L1-6 (qRT-PCR) e de insulina no pâncreas (Imuno-histoquímica) e volume da Ilhota pancreática (método Cavalieri).

O extrato de Z. officinale reduz a dor na neuropática diabética, pois reprime a expressão de TRPV1 e NMDAR2B na medula espinhal.

[ 47 ]
Rizoma

Extrato aquoso liofilizado. Rendimento: 17,53%. Doses para ensaio: 100 a 500 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos C57BL/6 portadores de dor neuropática induzida por oxaliplatina, tratados com o extrato vegetal, na presença de antagonistas serotoninérgicos (metisergida/5-HT1A e 2A, NAN-190/5HT1A, cetanserina/5-HT2A e MDL72222/5-HT3), com posterior análise de parâmetros comportamentais (alodinia fria e mecânica) e expressão de HTR1A em seguimentos lombares da medula espinhal (RT-PCR).

O extrato de Z. officinale atenua a dor neuropática induzida por oxaliplatina, pois estimula, principalmente, a expressão do receptor 5-HT1A.

[ 22 ]

Anti-inflamatória

Anti-inflamatória
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Suco: material vegetal (fresco). Concentrações para ensaio (in vitro): 10 a 200 µg/mL.

Extrato: material vegetal (seco) em água. Doses para ensaio (in vivo): 50 e 100 mg/kg.

In vitro:

Em cultura de células do cólon distal incubadas com o suco vegetal, com posterior análise de expressão de proteínas (Western blotting).

 

In vivo:

Em ratos portadores de síndrome do intestino irritável (SII) induzido por ácido acético e expostos a condições de estresse agudo, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise da frequência de defecação e conteúdo de água fecal, reflexo abdominal (distensão colorretal), parâmetros patológicos e expressão de TNF-α, IL-6, iNOS, IkBα e p-65 (RT-PCR e Western blotting) no tecido do cólon.

O suco e extrato de Z. officinale apresenta atividade anti-inflamatória, pois inibem a via de sinalização NF-kB.

[ 42 ]
-

Extrato liofilizado: a partir do extrato etanólico a 70%. Rendimento: 9,48%. Doses para ensaio: 30 a 300 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos C57BL/6J portadores de alterações gastrointestinais induzidas por 1-metil-4-fenil-1,2,3,6-tetrahidropiridina (MPTP), modelo da Doença de Parkinson, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise da expressão de proteínas em homogenato do cérebro e cólon.

O extrato de Z. officinale apresenta atividade anti-inflamatória, pois reduz os níveis de iNOS, COX-2, TNF-α e IL-1β, além de suprimir a apoptose.

[ 45 ]
Rizoma

Extrato: 100 g do material vegetal (pó) em 1 L de etanol a 90%. Outra espécie em estudo: Curcuma longa.

In vitro:

Em cultura de macrófagos murinos (RAW 264.7) e de monócitos humanos (THP-1) estimulados com LPS e IFN-γ, pré-incubados com os extratos vegetais, com posterior análise dos níveis de NO (Griess), TNF e IL-6 (ELISA) e viabilidade celular (MTT); em RAW 264.7 incubados com os extratos vegetais (associação ou não), para avaliar a expressão de HO-1 (Western blotting).

Em cultura celular AREc32 derivada de células mamárias humana (MCF-7) transfectadas com Nrf2, incubadas com os extratos vegetais (associados ou não), com posterior análise do ensaio de luciferase que quantifica a proteína Nrf2.

 

A associação dos extratos de Z. officinalis e C. longa (5:2 p/p) apresenta atividade anti-inflamatória, pois reduz os níveis de NO, TNF e IL-6, além de regular positivamente a expressão de Nrf2 e HO-1.

[ 51 ]
Rizoma

Extrato: 40 g do material vegetal (pó) em 200 mL de água. Concentrações para ensaio: 6,25 a 100 µg/mL.

In vitro:

Em cultura de fibroblastos gengivais humanos incubados com o extrato vegetal, com posterior análise de citotoxicidade (MTT), e estimuladas com LPS para análise dos níveis de MMP-1, MMP2, MMP8, MMP9, IL-1β e IL-8.

 

O extrato aquoso de Z. officinale apresenta atividade anti-inflamatória em tecido periodontal, além de baixa citotoxicidade.

[ 21 ]

Anti-inflamatória (colite)

Anti-inflamatória (colite)
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extratos aquosos e etanólicos a 50%. Associação (KM1608): Zingiber officinale, Terminalia chebula e Aucklandia lappa (1:2:2). Concentração para ensaio (in vitro): 100 µg/mL. Doses para ensaio (in vivo): 200 a 600 mg/kg.

In vitro:

Em cultura de macrófagos de camundongos (RAW 264.7) estimuladas com LPS, incubadas com os extratos vegetais, com posterior análise dos níveis de NO (Griess).

Em cultura de células humanas de adenocarcinoma colorrectal (HT-29) estimuladas com TNF-α, pré-tratadas com os extratos vegetais e co-incubadas com células monocíticas (U937) pré-marcadas com BCECF/AM, com posterior análise da adesão de células epiteliais de monócitos.

 

In vivo:

Em camundongos C57BL/6 e ICR portadores de colite aguda induzida por DSS e TNBS, tratados com os extratos vegetais, com posterior análise do índice de atividade da doença (IAD) e níveis de IL-6, TNF-α e MPO em homogenato do cólon (ELISA).

Neste estudo, dos 350 extratos vegetais, a associação de Z. officinale, T. chebula e A. lappa apresenta atividade anti-inflamatória mais potente, sendo promissor para o tratamento da doença inflamatória intestinal (DII).

[ 53 ]

Anti-inflamatória e Antimicrobiana

Anti-inflamatória e Antimicrobiana
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Enxaguatório bucal: contendo a associação 600 g de cada extrato vegetal (pó) – Zingiber officinale, Curcuma longa e Syzygium aromaticum. Concentrações para ensaio: 25 a 100 µL.

In vitro:

Em culturas de Streptococcus mutans, Enterococcus faecalis, Candida albicans e Staphylococcus aureus submetidas ao teste de disco-difusão em ágar para determinar o halo de inibição e ensaio de desnaturação de albumina.

 

O enxaguatório bucal contendo a associação de extratos vegetais apresenta atividades antimicrobiana e anti-inflamatória promissoras, principalmente, na concentração de 100 µL.

[ 34 ]

Anti-inflamatória e Antioxidante

Anti-inflamatória e Antioxidante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Extrato: 5 kg do material vegetal (pó) em água. Doses para ensaio: 25 a 200 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley portadores de edema de pata induzido por carragenina, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise do volume da pata, níveis de PGE2, TNF-α, IL-1α, IL-1β, IL-6, INFrin, MCP-1, MIP, RANTES e MPO (ELISA) e parâmetros oxidativos (NO e CAT) e histopatológicos.

O extrato aquoso de Z. officinale apresenta atividades anti-inflamatória e antioxidante, dose-dependente.

[ 17 ]
Rizoma

Pó. Doses para ensaio: 108 e 216 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar submetidos a administração de dietilnitrosamina (substância carcinógena), tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos plasmáticos e nos tecidos do fígado, estômago e cólon (AST, ALT, GSH, MDA, NOx, IL-1β, TNF-α, AFP e Nrf 2), imuno-histoquímicos (COX-2) e histopatológicos hepáticos.

O pó de Z. officinale apresenta atividade antioxidante e anti-inflamatória no fígado, estômago e cólon, devido a ativação de Nrf2.

[ 59 ]
Rizoma

Suco: 100 g do material vegetal (fresco, fragmentado) em 100 mL de água. Dose para ensaio: 5 mL/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de lesões nos testículos induzidas por cisplatina, pré-tratados com o suco de gengibre, com posterior análise de parâmetros bioquímicos plasmáticos e em homogenato dos testículos (testosterona, LH, FSH, CAT, SOD, GSH, GPx e MDA), níveis de IL-1β, IL-6, TNF-α, NF-kB, iNOS e NO (ELISA) e histopatológicos.

O suco de Z. officinale apresenta atividade antioxidante e anti-inflamatória, sendo promissor na redução dos danos testiculares provenientes da cisplatina.

[ 63 ]

Antiangiogênica e Anti-inflamatória

Antiangiogênica e Anti-inflamatória
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Extrato: material vegetal (seco) em etanol/água (80:20), padronizado com 5% de g6-gingerol. Dose para ensaio: 75 mg/kg.

In vivo:

Em ratos portadores de diabetes induzido por estreptozotocina, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise da fotografia do fundo do olho, diâmetro do vaso, parâmetros bioquímicos (glicose), histopatológicos (retina), níveis de TNF-α, VEGF e NF-κB (ELISA, Western blotting e Imuno-histoquímica) e medição da espessura da membrana basal vascular.

O extrato de Z. officinale apresenta atividade anti-inflamatória e antiangiogênica, atenuando as alterações microvasculares da retina.

[ 14 ]

Antiapoptótica e Anti-inflamatória

Antiapoptótica e Anti-inflamatória
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Extrato: 20 g do material vegetal (pó) em 75 mL de água. Dose para ensaio: 1000 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar (recém-nascidos) portadores de enterocolite necrosante (ECN) induzida por LPS, fórmula enteral, hipóxia-hiperoxia e exposição ao frio, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros histopatológicos, imuno-histoquímicos (apoptose) e bioquímicos (XO, SOD, GSH-Px, MDA, MPO, TNF-α, IL-1β e IL-6) do cólon proximal e íleo.

O extrato de Z. officinale apresenta atividades antioxidante, anti-inflamatória, antiapoptótica e imunomoduladora, sendo promissor para o tratamento da ECN.

[ 2 ]
Rizoma

Extrato etanólico a 70% (liofilizado). Dose para ensaio: 1 g/kg.

In vivo:

Em ratos portadores de inflamação intestinal e hepática induzida por lipopolissacarídeo, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos plasmáticos e em homogenato hepático (ALT, AST, DAO, MPO, iNOS e caspase-3), histológicos (fígado e íleo), imuno-histoquímicos (caspase-3, claudina-1 e ZO-1) e expressão de genes e proteínas (qPCR e Western blotting).

O extrato de Z. officinale apresenta atividade protetora intestinal e hepática, devido as ações anti-inflamatória e antiapoptótica.

[ 37 ]

Antiasmática

Antiasmática
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Fitoterápico: decocção de Asarum sieboldii, Aster tataricus, Ephedra sinica, Belamcanda chinensis, Pinellia ternata, Schisandra chinensis, Tussilago farfara, Zingiber officinale e Ziziphus jujuba. Doses para ensaio: 0,63 e 2,52 g/mL.

In vitro:

Em cultura de células T CD4+ isoladas de camundongos BALB/c, incubadas com o fitoterápico, com posterior análise de citotoxicidade e diferenciação celular Th2/Th17 (estimuladas com anti-CD3/anti-CD28).

 

In vivo:

Em camundongos Balb/c sensibilizados com ovalbumina, tratados com o fitoterápico, com posterior análise da hiperresponsividade das vias aéreas, parâmetros bioquímicos (IL-4, IL-17a e IL-23), histológicos e imuno-histoquímicos (CD3 e CD4), níveis de Tregs CD4+Foxp3+ (citometria de fluxo), expressão de genes e proteínas (RT-PCR e Western blotting).

O fitoterápico apresenta atividade anti-inflamatória pulmonar, pois atenua a hiperresponsividade e a diferenciação celular, além de aumentar o número de células Treg e bloquear as vias de sinalização mTOR e NF-kB.

[ 41 ]
-

Extrato hidroalcoólico. Concentrações para ensaio: 50 a 800 µg/mL.

In vitro:

Em cultura de células mononucleares do sangue periférico (PBMCs) isoladas de pacientes asmáticos, incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise da viabilidade celular (MTT) e expressão de GATA-3, ROR-γt e T-bet (qRT-PCR).

 

O extrato de Z. officinale apresenta atividade antiasmática, pois reduz a expressão dos genes T-bet, GATA3 e ROR-γt, que interferem na função das células Th1, Th2 e Th 17, respectivamente, envolvidas na fisiopatologia desta doença.

[ 56 ]

Antibacteriana e Antifúngica

Antibacteriana e Antifúngica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma (período de frutificação)

Extrato: maceração de 10 g do material vegetal (seco) em 100 mL de metanol/água (50:50) ou etanol/água (80:20 v/v). Outra espécie em estudo: Rosmarinus officinalis.

In vitro:

Em culturas de Candida albicans, C. glabrata, C. tropicalis, C. krusei e Streptococcus pneumoniae submetidas ao teste de diluição em ágar para determinar a concentração inibitória mínima (CIM).

 

In vivo:

Em camundongos imunossuprimidos (C57BL6) com ciclofosfamida e infectados com suspensão fúngica, tratados com os extratos vegetais, com posterior análise da taxa de mortalidade.

Em ratos Wistar infectados por instilação intranasal com suspensão de S. pneumoniae, tratados com os extratos vegetais, com posterior análise da contagem bacteriana no tecido pulmonar e da dose efetiva média (DE50).

Os extratos etanólico de Z. officinale e metanólico de R. officinalis apresentam atividades antifúngica e antibacteriana mais potentes.

[ 25 ]

Antibacteriana e Antitumoral

Antibacteriana e Antitumoral
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Extrato: material vegetal (fragmentado) em 200 mL de água. Nanopartículas de prata: contendo o extrato vegetal. Concentrações para ensaio: 10 a 210 µg/mL.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação do radical DPPH.

Em culturas de Staphylococcus epidermidis, Escherichia coli e Pseudomonas aeruginosa submetidas ao teste de disco-difusão em ágar para determinar o halo de inibição.

Em cultura de células de câncer de mama de humanos (MCF-7) incubadas com as nanopartículas de prata contendo o extrato vegetal, com posterior análise de citotoxicidade (MTT).

 

As nanopartículas de prata contendo o extrato de Z. officinale apresenta atividade antibacteriana (principalmente, S. epidermidis), antioxidante e citotóxica.

[ 39 ]

Antidepressiva e Hepatoprotetora

Antidepressiva e Hepatoprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Fitoterápico (XYS): associação de Paeonia lactiflora, Bupleurum chinense, Poria cocos, Atractylodes macrocephala, Angelica sinensis, Glycyrrhiza uralensis, Zingiber officinale e Mentha haplocalyx em etanol a 70%. Rendimento: 21,78%. Doses para ensaio: 0,5 e 1,0 g/mL.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley expostos a condições estressoras leves e aleatórias, tratados com o fitoterápico, com posterior análise dos testes de preferência à sacarose, campo aberto, natação forçada, peso corporal, níveis de IL-1β, IL-6, glutamina e glutamato no fígado (ELISA), parâmetros bioquímicos (ALT, AST, MDA, SOD, GSH-Px, GS e GLS) e metabolômicos hepáticos (RMN e LC-MS).

O fitoterápico apresenta atividades antidepressiva e hepatoprotetora, auxiliando assim, na regulação do metabolismo da glutamina e do glutamato.

[ 49 ]

Antidislipidêmica e Hipoglicemiante

Antidislipidêmica e Hipoglicemiante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Extrato: 50 g do material vegetal (pó) em 250 mL de metanol. Outra espécie em estudo: Curcuma longa. Dose para ensaio: 300 mg/100 mL.

In vivo:

Em ratos portadores dislipidemia diabética induzida por dieta hipercalórica e aloxano, tratados com o extrato vegetal, associado (1:1, Z. officinale e C. longa) ou não, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (glicose, colesterol, CT, LDL, HDL e VLDL).

A combinação dos extratos de Z. officinale e C. longa apresenta resultados promissores para o tratamento da dislipidemia diabética.

[ 4 ]

Antifúngica

Antifúngica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Extrato: 0,2 g do material vegetal (fragmentado) em 100 mL de água. Nanopartículas de prata: contendo a associação dos extratos de Zingiber officinale e Thymus vulgaris.

In vitro:

Em cultura de Candida albicans submetidas ao teste de microdiluição em ágar, para determinar a concentração inibitória mínima (CIM).

Em cultura de fibroblastos dérmicos de humanos incubados com as nanopartículas de prata contendo os extratos vegetais, com posterior análise de citotoxicidade (MTT).

 

As nanopartículas de prata contendo os extratos de Z. officinale e T. vulgaris apresentam atividade antifúngica, além da ausência de citotoxicidade.

[ 29 ]

Antimicrobiana

Antimicrobiana
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Extrato glicólico a 20%, associado com Juglans regia. Concentrações para ensaio: 75:25; 50:50 e 25:75.

In vitro:

Em culturas de Propionibacterium acnes, Staphylococcus epidermidis e Staphylococcus aureus incubadas com a associação de extratos vegetais glicólicos, submetidas ao teste de microdiluição em ágar para determinar as concentrações inibitória mínima (CIM) e microbicida mínima (CMM), e formação de biofilmes.

Em cultura de macrófagos murinos (RAW 264.7) incubados com a combinação dos extratos vegetais glicólicos, com posterior análise da viabilidade celular (MTT) e parâmetros microscópicos (microscopia eletrônica de varredura).

 

A associação dos extratos de Z. officinale e J. regia (75:25) apresenta atividade antimicrobiana, além de baixa citotoxicidade.

[ 19 ]

Antiobesidade

Antiobesidade
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato seco: padronizado com 5,2% de gingerois. Dose para ensaio: 400 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss portadores de obesidade induzida por dieta hipercalórica, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise do índice de adiposidade, parâmetros bioquímicos plasmático e nos tecidos (glicose, TG, IL-1β e TNF-α), oxidativos (DCFH, NO, SOD, GSH/GSSG, CAT, carbonilação de proteínas e MDA), histológicos e fragmentação do DNA em diferentes tecidos (Teste do Cometa).

O extrato de Z. officinale apresenta resultados promissores para o tratamento da obesidade, devido as ações hipoglicemiante, hipolipemiante, antioxidante, anti-inflamatória e citoprotetora.

[ 10 ]
Rizoma

Pó. Dose para ensaio: 500 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos C57BL/6J portadores de obesidade induzida por dieta hipercalórica, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise do peso corporal, ingestão de alimentos, parâmetros bioquímicos (glicose, CT, TG, LDL, LDH, ALT e AST), histológicos, imunofluorescência e expressão de genes e proteínas nos tecidos adiposos branco e marrom (RT-PCR e Western-blotting) e fenotipagem metabólica.

O pó dos rizomas de Z. officinale apresenta resultados promissores para o tratamento da obesidade e suas complicações, pois regula a glicólise, a gliconeogênese e estimula a via SIRT1/AMPK/PGC-1α.

[ 62 ]

Antiobesidade e Antioxidante

Antiobesidade e Antioxidante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Extrato: material vegetal (pó) em água quente. Concentrações para ensaio (in vitro): 15 a 120 µg/mL. Dose para ensaio (in vivo): 5% da dieta.

In vitro:

Em cultura de células 3T3-L1 incubadas com insulina e extrato vegetal, com posterior análise da viabilidade (XTT), expressão de genes e proteínas (RT-PCR e Western blotting).

 

In vivo:

Em camundongos C57BL/6J submetidos a dieta hipercalórica associada a ingestão do extrato vegetal, com posterior análise do peso corporal, parâmetros bioquímicos plasmático e hepático (glicose e TG) e morfológicos (adipócitos).

O extrato de Z. officinale reduz as complicações metabólicas induzidas por dieta hipercalórica, pois indução a oxidação dos ácidos graxos e previne o estresse oxidativo.

[ 9 ]

Antiosteoporose

Antiosteoporose
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato. Dose para ensaio: 33,33 mg/kg.

In vivo:

Em ratos portadores de osteopenia vertebral grave induzida por orquiectomia e cortisol, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (cálcio, fósforo e TRAcP), histomorfométricos e medição do ângulo cifótico (vértebra L5).

O extrato de Z. officinale reduz a perda óssea, as alterações da microarquitetura vertebral e mantém a composição mineral da coluna vertebral, induzidos por deficiência de hormônio gonadal e corticoterapia.

[ 13 ]

Antioxidante

Antioxidante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Pó: Zingiber officinale e Curcuma longa (1:1). Concentrações para ensaio: 100 a 500 µg/mL.

In vitro:

Em cultura de hepatócitos isolados do fígado de ratos Wistar portadoras de estresse oxidativo induzido por bisfenol F (BPS), incubadas com o pó vegetal, com posterior análise dos níveis de espécies reativas ao oxigênio (H2DCF-DA), SOD, tiois totais e capacidade antioxidante total.

 

A associação de Z. officinale e C. longa apresenta atividade antioxidante, principalmente na concentração de 250 µg/mL.

[ 65 ]
Rizoma

Extrato: decocção de 2 kg do material vegetal (pó) em 1000 mL de água. Dose para ensaio: 125 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley submetidos a exposição aguda com cloreto de mercúrio, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de marcadores hepáticos (AST, ALT, LDH, ALP, g-GT, bilirrubina, albumina, colesterol e triglicerídeos) e renais (ureia, ácido úrico e nitrogênio ureico), atividade antioxidante (LPO, SOD, CAT, GPx, GST, GSH, GR e proteínas) e parâmetros histopatológicos.

O extrato de Z. officinale apresenta resultados promissores na redução da toxicidade por cloreto de mercúrio, pois reduz o estresse oxidativo e aumenta os níveis de enzimas antioxidantes.

[ 7 ]

Antioxidante e Antitumoral

Antioxidante e Antitumoral
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Pó e óleo essencial (hidrodestilação): a partir do material vegetal (seco). Doses para ensaio (in vivo): 2,5% e 45 mg/100 g da dieta, respectivamente.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação do radical DPPH.

Em cultura de células HepG2 incubadas com o óleo vegetal, com posterior análise de citotoxicidade (Sulforodamina B).

 

In vivo:

Em ratos albinos portadores de citotoxicidade induzida por dietilnitrosamina, tratados com o óleo vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (ureia, CT, HDL, LDL, VLDL, TG, AST, ALT, ALP, LDH, CAT, GSH-Px e TAC) e histopatológicos (hepático).

[ 18 ]

Antioxidante e Hipolipemiante

Antioxidante e Hipolipemiante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Extrato: material vegetal (pó) em etanol a 80%.

In vivo:

Em hamster submetidos a dieta hipercalórica, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (CT, HDL, TG, apoA-I, PON1 e MPO), expressão de genes e proteínas no tecido do intestino delgado (RT-PCR e Western blotting), quantificação do colesterol fecal e depósito lipídico na válvula aórtica.

O extrato de Z. officinale aumenta os níveis de HDL, reduz o estresse oxidativo, restaura a quantidade e qualidade de apo-A-I e aumenta o efluxo de colesterol no intestino delgado, devido a restauração da via SIRT1-LXRα/β-PPARγ.

[ 52 ]

Antiparasitária

Antiparasitária
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Óleo essencial. Dose para ensaio: 100 mg/kg. Outra espécie em estudo: Syzygium aromaticum.

In vivo:

Em camundongos Swiss infectados com Trypanosoma cruzi (tripomastigotas sanguíneos), tratados com os óleos vegetais e benznidazol (associados ou não), com posterior análise da parasitemia (hemocultura e qPCR) e taxa de mortalidade.

O óleo essencial de Z. officinale apresenta atividade antiparasitária mais potente, principalmente quando em associação com o benznidazol.

[ 12 ]
-

Extrato: 0,5 g do material vegetal (seco) em 100 mL de etanol. Nanopartículas de óxido de zinco: contendo o extrato vegetal. Dose para ensaio: 10 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss infectados com cepa de Toxoplasma gondii, tratados com as nanopartículas contendo o extrato vegetal, com posterior análise da taxa de sobrevivência, contagem de parasitas (fígado e líquido peritoneal), parâmetros bioquímicos (AST, ALT, NO e CAT), histopatológicos (fígado e cérebro) e morfológicos parasitários.

As nanopartículas de óxido de zinco contendo o extrato vegetal apresentam atividade antiparasitária, com resultados promissores para o tratamento da toxoplasmose.

[ 26 ]
Rizoma

Extrato: 0,2 g do material vegetal (pó) em 100 mL de água. Nanopartículas de prata: contendo o extrato vegetal. Concentrações para ensaio: 0,16 a 40 ppm.

In vitro:

Em culturas de promastigotas de Leishmania major e de macrófagos RAW 264.7 incubados com as nanopartículas de prata contendo o extrato vegetal, com posterior análise de toxicidade (Citometria de fluxo e MTT) e apoptose (Anexina V-FITC e iodeto de propídio).

Em macrófagos RAW 264.7 infectados com L. major (forma amastigota) incubados com as nanopartículas de prata contendo o extrato vegetal, com posterior análise do número de taquizoítos (microscopia ótica).

 

As nanopartículas de prata contendo o extrato vegetal apresenta atividade antiparasitária principalmente nas concentrações de 1,25 e 2,5 ppm.

[ 61 ]

Antitumoral

Antitumoral
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato. Rendimento: 5%. Padronizado: com 12,5 mg de gingerois/350 mg de extrato. Dose para ensaio: 75 a 300 mg/kg.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação dos radicais DPPH e ABTS, redução do íon férrico (FRAP) e teste de branqueamento com β-caroteno.

 

In vivo:

Em ratos Wistar portadores hepatocarcinogênese induzida por dietilnitrosamina e 2-acetilaminofluoreno, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos hepáticos (MDA, CAT, MPO, SOD, GSH, GST e proteína), histopatológicos (nódulos discromáticos e hepatócitos alterados), níveis de AST, ALT e γ-GT, apoptose (caspase-3, TUNEL e M30) e expressão de GST-p, COX-2, NF-κB, ED-2 e iNOS (Imuno-histoquímica).

O extrato de Z. officinale apresenta atividade antitumoral, principalmente na dose de 300 mg/kg, devido as ações antioxidante, anti-inflamatória e indutora da apoptose.

[ 64 ]
Rizoma

Extrato: 30 g do material vegetal (pó) em 1 L de água. Dose para ensaio: 100 mg/kg. Outra espécie em estudo: Terminalia chebula.

In vivo:

Em ratas Wistar portadoras de carcinogênese mamária induzida por DMBA, tratadas com o extrato vegetal, associado (1:4, Z. officinale e T. chebula) ou não, com posterior análise de parâmetros histopatológicos, imuno-histoquímicos, bioquímicos (TBARS, MDA, SOD, GPx, CT, TG, HDL, IL-6, TNF-α) e expressão de genes (mTOR).

A combinação dos extratos de Z. officinale e T. chebula apresenta atividade antitumoral, devido as ações antioxidante, anti-inflamatória e inibição da via mTOR.

[ 3 ]
Rizoma

Extrato: material vegetal (fresco, fragmentado) em 2,5 L de água. Rendimento: 11,43%. Dose para ensaio: 100 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de câncer gástrico induzido por N-nitroso metil ureia, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (gastrina, LDH, GST, ALP, SOD, CAT, GPx, GR, MDA e GSH), moleculares (TRx, GRx, NF-kB, TNF-α, IL-6 e PGE2) e histopatológicos (fígado e estômago).

O extrato de Z. officinale apresenta atividade antitumoral promissora, devido as ações antioxidante e anti-inflamatória.

[ 36 ]
Rizoma

Extrato: decocção do material vegetal (seco) em água. Outra espécie em estudo: Terminalia chebula. Concentrações para ensaio: 10 a 100 µg/mL.

In vitro:

Em cultura de células de câncer de mama humano (MCF-7) incubadas com os extratos vegetais (em associação ou não), com posterior análise de citotoxicidade (MTT), parâmetros morfológicos, apoptose e potencial de membrana mitocondrial-MMP (microscopia fluorescente), nível de espécies reativas ao oxigênio-ERO's (citometria de fluxo) e expressão de genes (RT-PCR).

 

A combinação dos extratos de Z. officinale e T. chebula apresenta atividade antitumoral, pois reduz o MMP, aumenta os níveis de ERO’s e apoptose, além de regular negativamente a expressão dos genes mTOR e hTERT.

[ 6 ]
Rizoma

Extrato: material vegetal (pó) em etanol a 70%. Concentrações para ensaio: 0 a 100 mM. 

In vitro:

Em cultura de células de leucemia mieloide crônica (K562) e células mononucleares do sangue periférico (PBMC) isoladas do sangue periférico de humanos saudáveis incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise da viabilidade celular (MTT), apoptose e potencial de membrana (Anexina-V/PI), níveis de espécies reativas ao oxigênio-ERO's (H2DCFH-DA) e expressão de Bad, Akt, Bax, Bcl-2 e survivina (Western blotting).

 

O extrato de Z. officinale apresenta atividade antitumoral, principalmente na concentração de 50 µM, devido a ação citotóxica, indução de apoptose e acúmulo de ERO's, além da ausência de citotoxicidade para PBMC.

[ 48 ]
Rizoma

Extrato seco (spray dried): a partir da maceração do material vegetal (pó) em 1 L de etanol a 95%. Rendimento: 5,5%. Padronizado com: 2,4% de 6-gingerol. Doses para ensaio: 1000 a 2000 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos sem pelos (BALB/cAJcl-nu/nu) portadores de colangiocarcinoma, induzido por xenoenxerto com células CCA CL-6, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise do peso corporal e tumoral, consumo de alimentos, crescimento tumoral, metástase pulmonar, tempo de sobrevivência e parâmetros histopatológicos.

O extrato seco de Z. officinale apresenta atividade antitumoral, além de aumentar o tempo de sobrevivência.

[ 23 ]
Rizoma

Extrato (1:10): 30 g do material vegetal (pó) em 300 mL de etanol absoluto. Outra espécie em estudo: Glycyrrhiza glabra. Concentrações para ensaio: 50 a 800 µg/mL. Doses para ensaio: 100 a 300 mg/kg.

In vitro:

Em cultura de células de carcinoma do cólon (CT26) incubadas com os extratos vegetais (associados ou não), com posterior análise da viabilidade celular (MTT) e apoptose (Anexina V-FITC).

 

In vivo:

Em camundongos BALB/c infectados com células CT26, tratados com os extratos vegetais (associados ou não), com posterior análise do peso corporal, funções hepáticas e renais (creatinina, BUN, SGOT e SGPT), tamanho do tumor, níveis de células Treg, parâmetros histológicos e expressão de Bax, Bcl-2 e caspase-3 (PCR).

A associação dos extratos de Z. officinale e G. glabra (1:1) apresenta atividade antitumoral mais potente (sinergismo), devido a regulação positiva das proporções de Bax/Bcl-2 e CTL/Treg.

[ 57 ]
-

Nanopartículas de quitosana: contendo o extrato etanólico de Zingiber officinale.

In vitro:

Em cultura de células de câncer de fígado humano (HepG2) incubadas com as nanopartículas de quitosana contendo o extrato vegetal, associado ou não com doxorrubicina, com posterior análise da viabilidade celular (MTT).

 

In vivo:

Em camundongos Swiss portadores de carcinoma hepatocelular induzido por dietilnitrosamina, tratados com as nanopartículas de quitosana contendo o extrato vegetal, associado ou não com doxorrubicina, com posterior análise de parâmetros bioquímicos plasmáticos e em homogenato hepático (ALT, AST, GSH, LDH e CK-MB), expressão de GPx, CAT e MDR1 (RT-PCR), nível de VEGF e Bcl-2 no tecido hepático e MDA e TNF-α no tecido cardíaco (ELISA) e histopatológicos.

As nanopartículas de quitosana contendo o extrato de Z. officinale associado à doxorrubicina apresenta atividade citotóxica mais potente, além de reduzir a cardiotoxicidade.

[ 60 ]
Rizoma

Óleo essencial: 200 g do material vegetal (fresco) em 500 mL de água, por hidrodestilação. Dose para ensaio: 33 µL/100 g.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de neoplasia induzida por 1,2-dimetilhidrazina, tratados com o óleo vegetal, com posterior análise de parâmetros histopatológicos (cripta aberrante) e imuno-histoquímicos (PCNA) do intestino grosso.

O óleo essencial de Z. officinale apresenta atividade antitumoral, demonstrando resultados comparáveis ao medicamento padrão 5-florouracil.

[ 31 ]

Cardioprotetora

Cardioprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Extrato: 200 g do material vegetal em 3600 mL de etanol a 70%. Doses para ensaio: 100 a 400 mg/mL.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de diabetes induzido por estreptozotocina, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (glicose, LDH, AST e CK-MB), histopatológicos e expressão de genes (AT1, TGF-β1 e TGF-β3) no tecido cardíaco.

O extrato de Z. officinale apresenta resultados promissores na redução da cardiopatia diabética (fibrose e inflamação), principalmente na dose de 400 mg/kg, possivelmente por regulação da via SMAD/TGFβ.

[ 11 ]
-

Pó. Dose para ensaio: 500 mg/kg.

O pó de Z. officinale apresenta atividade cardioprotetora (antiapoptótica, antioxidante e anti-inflamatória), pois reduz os danos histológicos, os níveis de marcadores imunológicos (p53 e TNF-α) e bioquímicos.

[ 54 ]

Condroprotetora

Condroprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Extrato (Manjarix): associação do material vegetal (pó) de Zingiber officinale e Curcuma longa. Doses para ensaio: 62,5 a 1000 mg/kg.

In vivo:

Em ratas Wistar portadoras de osteoartrite induzida por iodoacetato monossódico, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise dos níveis de IL-6, IL-8, TNF-α, CTX-II e HA (ELISA), diâmetro da articulação do joelho (calibre digital), mobilidade articular e coordenação motora (rotarod), parâmetros histopatológicos, radiográficos e imuno-histoquímicos (TGF-β1 e caspase-3).

A associação de Z. officinale e C. longa apresenta resultados promissores para o tratamento da osteoartrite, pois reduz a resposta imunológica, inflamatória e a dor artrítica.

[ 55 ]

Estimulante do fluxo salivar

Estimulante do fluxo salivar
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Extratos: 20 mg do material vegetal (fragmentado seco) em 100 mL de metanol a 70%, etanol a 80% e DMSO 100%, respectivamente. Dose para ensaio: 10 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos C57BL/6 submetidos a administração da pilocarpina e extratos vegetais, com posterior análise da taxa do fluxo salivar.

Os extratos de Z. officinale aumentam a taxa do fluxo salivar estimulada pela pilocarpina.

[ 46 ]

Hepatoprotetora

Hepatoprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Extrato: 2 kg do material vegetal (fresco) em 3 L de etanol a 95%. Dose para ensaio: 200 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de doença hepática gordurosa não alcoólica (DHGNA) induzida por dieta hipercalórica, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise parâmetros plasmáticos (glicose, ácidos graxos, TG, CT, AST e ALT), microscópicos hepáticos e expressão de genes (ChREBP, CHOP, XBP1 e GRP78).

O extrato de Z. officinale apresenta atividade hepatoprotetora, sendo promissor para o tratamento da DHGNA, devido a redução do estresse do retículo endoplasmático.

[ 1 ]
Rizoma

Extrato: 400 g do material vegetal (pó) em 1 L de etanol a 96%. Rendimento: 10,2%. Doses para ensaio: 75 a 300 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar submetidos a dieta de cafeteria (baixa qualidade e alto teor calórico), tratados com o extrato vegetal, com posterior análise do peso corporal, parâmetros bioquímicos (CT, HDL, TG, BT, AST e ALT), oxidativos (CAT, SOD, GST, MDA e proteínas) e histológicos hepáticos.

O extrato de Z. officinale apresenta atividade hepatoprotetora, pois reduz o depósito de gorduras nos hepatócitos, a peroxidação lipídica, além da ação antioxidante.

[ 8 ]
Rizoma

Extrato (1:5 p/v): maceração de 10 g do material vegetal em etanol a 70%. Dose para ensaio: 100 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar submetidos a intoxicação por diazinon, pré-tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (ALT, AST, ALP, MDA e GSH) e histopatológicos e imuno-histoquímicos (caspase-3).

O extrato de Z. officinale apresenta atividade hepatoprotetora, devido as ações antioxidante e antiapoptótica.

[ 30 ]

Hepatoprotetora e Hipoglicemiante

Hepatoprotetora e Hipoglicemiante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Extrato: 100 g do material vegetal (fresco) em 2 L de etanol a 70%. Dose para ensaio: 200 mg/kg. Outra espécie em estudo: Annona muricata.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de diabetes induzido por estreptozotocina, tratados com os extratos vegetais, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (insulina, glicose, albumina, bilirrubina, proteína, HbA1c, HOMA-IR, ALT, AST, MDA, SOD, CAT, GPx, GR, TNF-α e NF-kB), apoptose (Bax, Bcl-2 e p53), expressão de INSR e GLUT2 (PCR) e histopatológicos hepáticos.

Os extratos de Z. officinale e A. muricata apresentam atividade hipoglicemiante e hepatoprotetora, devido as ações antioxidante e moduladora de proteínas apoptóticas hepáticas.

[ 27 ]

Hipoglicemiante

Hipoglicemiante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Pó. Dose para ensaio: 500 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley portadores de diabetes induzido por estreptozocina, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (glicose e capacidade antioxidante total), histopatológicos e imuno-histoquímicos (testículo).

O extrato de Z. officinale apresenta atividade hipoglicemiante, sendo promissor na proteção do sistema reprodutor masculino em modelo de animais diabéticos.

[ 5 ]
Rizoma

Extrato: por decocção. Outra espécie em estudo: Terminalia chebula.

In vitro:

Em cultura de células de insulinoma pancreático de rato (RIN-5F), incubadas com a combinação dos extratos vegetais, com posterior análise da viabilidade celular (MTT) e alterações morfológicas (apoptose).

 

In vivo:

Em ratos albinos portadores de diabetes induzido por frutose-estreptozotocina, tratados com os extratos vegetais (associado ou não), com posterior análise de parâmetros bioquímicos (glicose, insulina, CT, HDL, TG, IL-6, TNF-α, HOMA-IR e HOMA-β), antioxidantes hepáticos (SOD, TBARS, MDA e GPx), expressão de mTOR e parâmetros histoquímicos e imuno-histoquímicos (pâncreas e fígado).

A combinação dos extratos de Z. officinale e T. chebula (1:4) apresenta atividade hipoglicemiante mais potente, além da ausência de citotoxicidade.

[ 20 ]

Imunoestimulante

Imunoestimulante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

KM1608: combinação dos extratos etanólicos de Saussurea lappa, Terminalia chebula e Zingiber officinale (2:2:1 p/p/p). Rendimento: 35 a 45%. Concentrações para estudo: 25 a 100 µg/mL.

In vitro:

Em cultura de macrófagos murinos (RAW 264.7) incubados com o fitoterápico, com posterior análise da viabilidade celular (EZ-Cytox), nível de óxido nítrico (Griess) e expressão de genes e proteínas (qRT-PCR e Western blotting).

 

O fitoterápico KM1608 induz a expressão de mediadores envolvidos na resposta imunológica (IFN-α, IFN-β, IL-1β, IL-6, IL-10, iNOS e COX-2), além da ausência de citotoxicidade.

[ 40 ]

Moduladora da microbiota intestinal

Moduladora da microbiota intestinal
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Pó. Dose para ensaio: 500 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos C57BL/6J portadores de obesidade induzida por dieta hipercalórica, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise da gordura corporal total, parâmetros bioquímicos (glicose, insulina, lipídeos totais, TG, TNF-α e IL-6), histológicos (hepático e tecido adiposo branco epididimal), identificação bacterina e concentração de ácidos graxos de cadeia curto das fezes; em camundongos (ausentes de flora intestinal) submetidos ao transplante com microbiota fecal proveniente de camundongos tratados com o extrato vegetal, com posterior análise dos níveis de glicose e composição microbiana.

O pó de Z. officinale apresenta atividades hepatoprotetora, anti-inflamatória, hipoglicemiante e antiobesidade, provenientes da ação moduladora da microbiota intestinal.

[ 44 ]

Neuroprotetora

Neuroprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Extrato: maceração de 2,45 kg do material vegetal (pó) em etanol a 70%. Rendimento: 14,5%. Doses para ensaio: 150 a 600 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de esclerose múltipla induzida por cuprizona, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise da coordenação motora e déficit sensitivo-motor, parâmetros microscópicos (microscopia eletrônica de transmissão) e expressão de Olig2 e MBP (ELISA) no corpo caloso.

O extrato de Z. officinale apresenta atividade neuroprotetora, pois previne a desmielinização e melhora a remielinização no sistema nervoso central.

[ 35 ]
Rizoma

Extrato: 100 g do material vegetal (pó) em 600 mL de etanol a 95%. Fração: acetato de etila. Doses para ensaio: 100 e 200 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de lesões neurológicas induzidas por acetato de chumbo, tratados com a fração vegetal, com posterior análise da atividade da AChE, MAO, XO e nível MDA, Na⁺/ K⁺ ATPase, epinefrina, dopamina, SOD, CAT e GPx (homogenato cerebral e hepático).

A fração de acetato de etila de Z. officinale apresenta atividade neuroprotetora, reduzindo os danos cerebrais provenientes do acetato de chumbo.

[ 38 ]
Rizoma

Extrato etanólico a 95%. Rendimento: 10,48%. Outra espécie em estudo: Cyperus rotundus. Associação: 1:5, C. rotundus e Z. officinale, respectivamente, padronizado com 65 mg/mL de gingerol e 7 mg/mL de quercetina. Doses para estudo: 100 a 300 mg/kg.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação do radical DPPH e redução do íon férrico (FRAP), e atividade inibitória da enzima AChE.

 

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de demência relacionada a idade com déficits de memória induzida por AF64A, tratados com a combinação dos extratos vegetais, com posterior análise do teste do labirinto aquático de Morris, atividade de AChE, estresse oxidativo (MDA, SOD, CAT e GSH-Px), parâmetros histológicos, morfológicos (densidade neuronal no hipocampo) e expressão de ERK1/2 (Western blotting).

A combinação dos extratos de C. rotundus e Z. officinale apresenta atividades neuroprotetora e neurotônica promissoras, pois aumenta a expressão de ERK, reduz o estresse oxidativo e a atividade de AChE no hipocampo.

[ 16 ]

Protetora do sistema reprodutor feminino

Protetora do sistema reprodutor feminino
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Extrato: 20 g do material vegetal (pó) em 80 mL de etanol a 70%. Dose para ensaio: 0,5 mg/100 g de extrato.

In vivo:

Em ratas portadoras de endometriose induzida por autoenxerto na cavidade peritoneal, tratadas com o extrato vegetal, com posterior análise dos níveis de TNF-α e IL-6 (fluido de lavagem peritoneal) e parâmetros histológicos (focos de endometriose).

O extrato de Z. officinale apresenta resultados satisfatórios no tratamento da endometriose, contudo, não altera os níveis de TNF-α e IL-6.

[ 33 ]

Protetora do sistema reprodutor masculino

Protetora do sistema reprodutor masculino
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Extrato: 1 kg do material vegetal (pó) em 5 L de metanol a 70%. Dose para ensaio: 250 mg/kg. Outra espécie em estudo: Cinnamomum verum.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de lesões testiculares induzidas por tetracloreto de carbono (CCl4), pré-tratados com os extratos vegetais (associados ou não), com posterior análise de parâmetros oxidativos em homogenato dos testículos e epidídimo (GPX, SOD, CAT, MDA, capacidade antioxidante total e proteínas) e histopatológicos.

A associação dos extratos de Z. officinale (250 mg/kg) e C. verum (50 mg/kg) apresenta atividade antioxidante mais potente, reduzindo os danos oxidativos no sistema reprodutor masculino provenientes do CCl4.

[ 50 ]
Rizoma

Óleo: obtido por prensagem à frio. Dose para ensaio: 100 a 400 mg/kg.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação dos radicais DPPH e galvinoxil.

 

In vivo:

Em camundongos Swiss submetidos a administração de topiramato (antiepiléptico) e óleo vegetal (associados ou não), com posterior análise de parâmetros bioquímicos plasmáticos e nos testículos FSH, LH, testosterona, proteínas, SOD, CAT, MDA e NO), expressão de Sycp3, Vegfa e Wtl (RT-PCR), parâmetros histopatológicos e imuno-histoquímicos (Bax).

O óleo de Z. officinale apresenta atividade androgênica, reduzindo toxicidade relacionada a disfunção sexual, proveniente do topiramato.

[ 58 ]
Rizoma

Extrato (liofilizado): material vegetal (pó) em etanol a 80%. Dose para ensaio: 100 mg/kg.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da capacidade antioxidante total e capacidade de eliminação do radical DPPH.

 

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley submetidos a administração de arsenito de sódio e extrato vegetal, com posterior análise do peso corporal, parâmetros bioquímicos (CT, LH e testosterona), histopatológicos, antioxidantes (H2O2, GSH, SOD, CAT, MDA) e expressão de genes em homogenato testicular, análise do esperma e nível de arsênio testicular.

O extrato de Z. officinale apresenta atividade protetora do sistema reprodutor masculino contra os efeitos oxidativos do arsênio, devido a ação antioxidante potente.

[ 28 ]

Protetora pulmonar

Protetora pulmonar
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Extrato: 250 mg do extrato vegetal padronizado (5% de gingerois e 5% de shogaols) e 250 mg de pó seco. Dose para ensaio: 1000 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar recém-nascidos portados de displasia pulmonar induzida por hiperóxia e lipopolissacarídeo, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros histopatológicos, imuno-histoquímicos (proteína da membrana do corpo lamelar e SMA), bioquímicos (SAT, SOT, MAD, MPO e proteínas) e níveis de TNF-α, IL-1β, IL-6 e caspase-3 (ELISA).

O extrato de Z. officinale atenua as lesões pulmonares provenientes da hiperóxia e inflamação.

[ 15 ]

Redutora dos efeitos colaterais do lonorxicam

Redutora dos efeitos colaterais do lonorxicam
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Extrato: maceração de 125 g do material vegetal (pó) em 200 mL de água. Dose para ensaio: 600 mg/kg.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação do radical DPPH.

 

In vivo:

Em ratos Wistar submetidos a administração intramuscular de lornoxicam, pré-tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros hematológicos (CTE, PCV%, Hb, HCM, VCM e CHCM), bioquímicos (creatinina, ureia, ácido úrico, ALT, AST, ALP, CAT, GPx, MDA, TNF-α e IL-6) e histopatológicos (fígado, rim, testículo e baço).

O extrato de Z. officinale reduz os efeitos colaterais proveniente da terapia com lornoxicam (analgésico não esteroidal).

[ 32 ]

Reguladora da síndrome metabólica

Reguladora da síndrome metabólica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Extrato: padronizado com 5% de gingerois. Doses para ensaio: 200 a 1800 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos BALB/c portadores de obesidade induzida por dieta rica em carboidratos refinados, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (glicose, CT, TG, chemerina, adiponectina e resistina), microscópicos e histológicos (tecido adiposo epididimal e o fígado), níveis de citocinas no tecido adiposo epididimal (TNF-α, IL-4, IL-6 e IL-13), gasto de energia e consumo de oxigênio.

O extrato de Z. officinale apresenta resultados promissores para o controle da síndrome metabólica, pois previne o aumento da adiposidade, melhora o perfil lipídico e reduz os marcadores inflamatórios.

[ 24 ]
Ensaios toxicológicos

Toxicidade aguda e crônica

Toxicidade aguda e crônica
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Extrato seco (spray dried): a partir da maceração do material vegetal (pó) em 1 L de etanol a 95%. Rendimento: 5,5%. Padronizado com: 2,4% de 6-gingerol. Doses para ensaio: 250 a 5000 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley submetidos aos testes de toxicidade aguda, subaguda e crônica.

O extrato seco de Z. officinale apresenta dose máxima tolerada de 5000 e 2000 mg/kg nos testes agudo e subagudo, respectivamente, e ausência de efeitos adversos na dose de 1000 ng/kg (uso crônico).

[ 23 ]

Referências bibliográficas

1 - KANDEIL, M. A. et al. Zingiber officinale extract and omega-3 fatty acids ameliorate endoplasmic reticulum stress in a nonalcoholic fatty liver rat model. J Food Biochem, v. 43, n. 12, p.1-9, 2019. doi: 10.1111/jfbc.13076
2 - CAKIR, U. et al. Ginger (Zingiber officinale Roscoe) for the treatment and prevention of necrotizing enterocolitis. J Ethnopharmacol, v. 225, p.297-308, 2018. doi: 10.1016/j.jep.2018.07.009
3 - MATOS, F. J. A. Farmácias Vivas. Fortaleza: UFC, 1991, p. 40-41.
4 - HUSSAIN, N. et al. Synergistic potential of Zingiber officinale and Curcuma longa to ameliorate diabetic-dyslipidemia. Pak J Pharm Sci, v. 31, n. 2, p.491-498, 2018.HUSSAIN, N. et al. Synergistic potential of Zingiber officinale and Curcuma longa to ameliorate diabetic-dyslipidemia. Pak J Pharm Sci, v. 31, n. 2, p.491-498, 2018.  
5 - AL-SHATHLY, M. R. et al. Zingiber officinale preserves testicular structure and the expression of androgen receptors and proliferating cell nuclear antigen in diabetic rats. Andrologia, v. 52, n. 3, p.1-8, 2020. doi: 10.1111/and.13528
6 - MATHIYAZHAGAN, J.; MUTHUKALIANNAN, G. K. Combined Zingiber officinale and Terminalia chebula induces apoptosis and modulates mTOR and hTERT gene expressions in MCF-7 cell line. Nutr Cancer, v. 73, n. 7, p.1207-1216, 2021. doi: 10.1080/01635581.2020.1792518
7 - JOSHI, D. et al. Zingiber officinale and 6-gingerol alleviate liver and kidney dysfunctions and oxidative stress induced by mercuric chloride in male rats: a protective approach. Biomed Pharmacother, v. 91, p.645-655, 2017.  doi: 10.1016/j.biopha.2017.04.108
8 - LEAL, D. T. et al. Zingiber officinale formulation reduces hepatic injury and weight gain in rats fed an unhealthy diet. An Acad Bras Cienc, v. 91, n. 4, p.1-11, 2019. doi: 10.1590/0001-3765201920180975
9 - SEO, S. H. et al. Ginger (Zingiber officinale) attenuates obesity and adipose tissue remodeling in high-fat diet-fed C57BL/6 mice. Int J Environ Res Public Health, v. 18, n. 2, p.1-13, doi: 10.3390/ijerph18020631
10 - LUCIANO, T. F. et al. Effects of Zingiber officinale extract supplementation on metabolic and genotoxic parameters in diet-induced obesity in mice. Br J Nutr, v. 126, n. 7, p.970-981, 2021. doi: 10.1017/S0007114520005073
11 - ABDI, T. et al. Ginger (Zingiber officinale Roscoe) extract protects the heart against inflammation and fibrosis in diabetic rats. Can J Diabetes, v. 45, n. 3, p.220-227, 2021. doi: 10.1016/j.jcjd.2020.08.102
12 - SARTO, M. P. M. et al. Essential oils from Syzygium aromaticum and Zingiber officinale, administered alone or in combination with benznidazole, reduce the parasite load in mice orally inoculated with Trypanosoma cruzi II. BMC Complement Med Ther, v. 21, n. 1, p.1-11, 2021. doi: 10.1186/s12906-021-03248-8
13 - ZAMMEL, N. et al. Proficiencies of Zingiber officinale against spine curve and vertebral damage induced by corticosteroid therapy associated with gonadal hormone deficiency in a rat model of osteoporosis. Biomed Pharmacother, v. 103, p.1429-1435, 2018. doi: 10.1016/j.biopha.2018.04.159
14 - DONGARE, S. et al. Zingiber officinale attenuates retinal microvascular changes in diabetic rats via anti-inflammatory and antiangiogenic mechanisms. Mol Vis, v. 22, p.599-609, 2016.
15 - ÇIFCI, A. et al. Ginger (Zingiber officinale) prevents severe damage to the lungs due to hyperoxia and inflammation. Turk J Med Sci, v. 48, n. 4, p.892-900, 2018. doi: 10.3906/sag-1803-223
16 - SUTALANGKA, C.; WATTANATHORN, J. Neuroprotective and cognitive-enhancing effects of the combined extract of Cyperus rotundus and Zingiber officinale. BMC Complement Altern Med, v. 17, n. 1, p.1-11, 2017. doi: 10.1186/s12906-017-1632-4
17 - EZZAT, S. M. et al. The hidden mechanism beyond ginger (Zingiber officinale Rosc.) potent in vivo and in vitro anti-inflammatory activity. J Ethnopharmacol, v. 214, p.113-123, 2018. doi: 10.1016/j.jep.2017.12.019
18 - FAHMI, A. et al. Phytochemicals, antioxidant activity and hepatoprotective effect of ginger (Zingiber officinale) on diethylnitrosamine toxicity in rats. Biomarkers, v. 24, n. 5, p.436-447, 2019. doi: 10.1080/1354750X.2019.1606280
19 - DA SILVA, L. A. et al. Effect of combining Zingiber officinale and Juglans regia extracts on Propionibacterium acnes, Staphylococcus aureus and Staphylococcus epidermidis: antibiofilm action and low toxicity. An Acad Bras Cienc, v. 94, n. 4, p.1-13, 2022. doi: 10.1590/0001-3765202220201133
20 - MATHIYAZHAGAN, J.; MUTHUKALIANNAN, G. K. The role of mTOR and oral intervention of combined Zingiber officinale-Terminalia chebula extract in type 2 diabetes rat models. J Food Biochem, v. 44, n. 7, p.1-9, 2020. doi: 10.1111/jfbc.13250
21 - AL-SHIBANI, N. et al. Effects of ginger (Zingiber officinale) on gingival fibroblasts: an in vitro study. Clin Exp Dent Res, v. 8, n. 4, p.906-911, 2022. doi: 10.1002/cre2.575
22 - LEE, J. H. et al. Zingiber officinale Roscoe rhizomes attenuate oxaliplatin-induced neuropathic pain in mice. Molecules, v. 26, n. 3, p.1-12, 2021. doi: 10.3390/molecules26030548
23 - PLENGSURIYAKARN, T.; NA-BANGCHANG, K. Preclinical toxicology and anticholangiocarcinoma activity of oral formulation of standardized extract of Zingiber officinale. Planta Med, v. 86, n. 2, p.104-112, 2020. doi: 10.1055/a-1037-4081    
24 - OLIVEIRA, C. T. et al. Ginger (Zingiber officinale Rosc.) ameliorated metabolic and inflammatory dysfunction induced by high-refined carbohydrate-containing diet in mice. J Med Food, v. 22, n. 1, p.38-45, 2019. doi: 10.1089/jmf.2018.0062
25 - AKROUM, S. Anti-microbial activity of Rosmarinus officinalis and Zingiber officinale extracts on the species of the genus Candida and on Streptococcus pneumonia. Ann Pharm Fr, v. 79, n. 1, p.62-69, 2021. doi: 10.1016/j.pharma.2020.06.003
26 - EL-KADY, A. M. et al. Zinc oxide nanoparticles produced by Zingiber officinale ameliorates acute toxoplasmosis-induced pathological and biochemical alterations and reduced parasite burden in mice model. PLoS Negl Trop Dis, v. 17, n. 7, p.1-21, 2013. doi: 10.1371/journal.pntd.0011447
27 - SYAAD, K. M. A. et al. Effect of graviola (Annona muricata l.) and ginger (Zingiber officinale Roscoe) on Diabetes Mellitus induced in male Wistar albino rats. Folia Biol (Praha), v. 65, n. 5-6, p.275-284, 2019. 
28 - SEIF, M. et al. Zingiber officinale ethanolic extract attenuates oxidative stress, steroidogenic gene expression alterations, and testicular histopathology induced by sodium arsenite in male rats. Environ Sci Pollut Res Int, v. 28, n. 16, p.19783-19798, 2021. doi: 10.1007/s11356-020-11509-1
29 - MOHAMMADI, M. et al. Green synthesis of silver nanoparticles using Zingiber officinale and Thymus vulgaris extracts: characterisation, cell cytotoxicity, and its antifungal activity against Candida albicans in comparison to fluconazole. IET Nanobiotechnol, v. 13, n. 2, p.114-119, 2019. doi: 10.1049/iet-nbt.2018.5146
30 - BEKLAR, S. Y. et al. The hydroalcoholic extract of Zingiber officinale diminishes diazinon-induced hepatotoxicity by suppressing oxidative stress and apoptosis in rats. Biotech Histochem, v. 96, n. 4, p.269-275, 2021. doi: 10.1080/10520295.2020.1794039
31 - DE LIMA, D. A. N. et al. Evaluation of antineoplasic activity of Zingiber officinale essential oil in the colorectal region of Wistar rats. Asian Pac J Cancer Prev, v. 21, n. 7, p.2141-2147, 2020. doi: 10.31557/APJCP.2020.21.7.2141
32 - EL-BAHR, S. M. et al. Aqueous ginger (Zingiber officinale) extract ameliorates the harmful effects of high-dose lornoxicam in albino male rats. Biomed Res Int, p.1-15, 2022. doi: 10.1155/2022/1546734
33 - DE MORAIS FILHO, J. M. et al. Zingiber officinale Roscoe (ginger) as a complementary option for clinical treatment of endometriosis: an experimental study in rats. J Med Food, v. 24, n. 4, p.342-347, 2021. doi: 10.1089/jmf.2019.0320
34 - GARAPATI, B. et al. Formulation, development, and evaluation of anti-inflammatory and antimicrobial effects of a novel polyherbal mouthwash-an in vitro study. J Popul Ther Clin Pharmacol, v. 29, n. 3, p.1-10, 2022. doi: 10.47750/jptcp.2022.943
35 - MORADI, V. et al. The effect of Zingiber officinale extract on preventing demyelination of corpus callosum in a rat model of multiple sclerosis. Iran Biomed J, v. 26, n. 4, p.330-339, 2022.  doi: 10.52547/ibj.2979
36 - MANSINGH, D. P. et al. Palliative role of aqueous ginger extract on n-nitroso-n-ethylurea-induced gastric cancer. Nutr Cancer, v. 72, n. 1, p.157-169, 2020. doi: 10.1080/01635581.2019.1619784
37 - GUO, X. X. et al. Ginger and 6-gingerol prevent lipopolysaccharide-induced intestinal barrier damage and liver injury in mice. J Sci Food Agric, v. 102, n. 3, p.1066-1075, 2022. doi: 10.1002/jsfa.11442
38 - OKESOLA, M. A. et al. Neuromodulatory effects of ethyl acetate fraction of Zingiber officinale Roscoe extract in rats with lead-induced oxidative stress. J Integr Med, v. 17, n. 2, p.125-131, 2019. doi: 10.1016/j.joim.2019.01.002
39 - KALANTARI, K. et al. Autoclave-assisted synthesis of AgNPs in Z. officinale extract and assessment of their cytotoxicity, antibacterial and antioxidant activities. IET Nanobiotechnol, v. 13, n. 3, p.262-268, 2018. doi: 10.1049/iet-nbt.2018.5066
40 - TRINH, T. A. et al. Effect of herbal formulation on immune response enhancement in RAW 264.7 macrophages. Biomolecules, v. 10, n. 3, p.1-16, 2020.  doi: 10.3390/biom10030424
41 - LIN, C. C. et al. A decocção de Shegan-Mahuang melhora a hiperresponsividade das vias aéreas asmáticas, regulando negativamente as células Th2/Th17, mas regulando positivamente os Tregs CD4+FoxP3+. J Etnofarmacol, v. 253, p.1-9, 2020. doi: 10.1016/j.jep.2020.112656 
42 - ZHANG, C. et al. Ginger relieves intestinal hypersensitivity of diarrhea predominant irritable bowel syndrome by inhibiting proinflammatory reaction. BMC Complement Med Ther, v. 20, n. 1, p.1-10, 2020. doi: 10.1186/s12906-020-03059-3
43 - LEE, J. H. et al. JI017 attenuates oxaliplatin-induced cold allodynia via spinal TRPV1 and astrocytes inhibition in mice. Int J Mol Sci, v. 22, n. 16, p.1-15, 2021.  doi: 10.3390/ijms22168811
44 - WANG, J. et al. Beneficial effects of ginger on prevention of obesity through modulation of gut microbiota in mice. Eur J Nutr, v. 59, n. 2, p.699-718, 2020. doi: 10.1007/s00394-019-01938-1
45 - HUH, E. et al. Ginger and 6-shogaol protect intestinal tight junction and enteric dopaminergic neurons against 1-methyl-4-phenyl 1,2,3,6-tetrahydropyridine in mice. Nutr Neurosci, v. 23, n. 6, p.455-464, 2020.  doi: 10.1080/1028415X.2018.1520477
46 - KAN, C. Y. et al. Effect of sustained systemic administration of ginger (Z. officinale) rhizome extracts on salivary flow in mice. Int Dent J, v. 73, n. 1, p.63-70, 2023. doi: 10.1016/j.identj.2022.04.011
47 - FAJRIN, F. A. et al. Ginger extract and its compound, 6-shogaol, attenuates painful diabetic neuropathy in mice via reducing TRPV1 and NMDAR2B expressions in the spinal cord. J Ethnopharmacol, v. 249, p.1-24, 2020. doi: 10.1016/j.jep.2019.112396
48 - TIBER, P. M. et al. Biological effects of whole Z. officinale extract on chronic myeloid leukemia cell line K562. Gene, v. 692, p.217-222, 2019. doi: 10.1016/j.gene.2019.01.015
49 - CHEN, C. et al. Studies on the potential link between antidepressant effect of Xiaoyao San and its pharmacological activity of hepatoprotection based on multi-platform metabolomics. J Ethnopharmacol, v. 249, p.1-15, 2020. doi: 10.1016/j.jep.2019.112432
50 - MAZANI, M. et al. The protective effect of cinnamon and ginger hydro-alcoholic extract on carbon tetrachloride-induced testicular damage in rats. Andrologia, v. 52, n. 7, p.1-9, 2020. doi: 10.1111/and.13651
51 - ZHOU, X. et al. Synergistic anti-inflammatory activity of ginger and turmeric extracts in inhibiting lipopolysaccharide and interferon-γ-induced proinflammatory mediators. Molecules, v. 27, n. 12, p.1-17, 2022. doi: 10.3390/molecules27123877
52 - BARBALATA, T. et al. Hyperlipidemia determines dysfunctional HDL production and impedes cholesterol efflux in the small intestine: alleviation by ginger extract. Mol Nutr Food Res, v. 63, n. 19, p.1-27, 2019.  doi: 10.1002/mnfr.201900029
53 - LEE, J. et al. Preparation of herbal formulation for inflammatory bowel disease based on in vitro screening and in vivo evaluation in a mouse model of experimental colitis. Molecules, v. 24, n. 3, p.1-16, 2019. doi: 10.3390/molecules24030464
54 - EL-HAWWARY, A. A.; OMAR, N. M. The influence of ginger administration on cisplatin-induced cardiotoxicity in rat: light and electron microscopic study. Acta Histochem, v. 121, n. 5, p.553-562, 2019. doi: 10.1016/j.acthis.2019.04.013
55 - ABDEL-RAHMAN, R. F. et al. Manjarix attenuated pain and joint swelling in a rat model of monosodium iodoacetate-induced osteoarthritis. Food Funct, v. 11, n. 9, p.7960-7972, 2020. doi: 10.1039/d0fo01297a
56 - KARDAN, M. et al. Efeito do extrato de gengibre na expressão de GATA3, T-bet e ROR-γt em células mononucleares do sangue periférico de pacientes com asma alérgica. Imunopatol Allergol (Madr), v. 47, n. 4, p.378-385, 2019. doi: 10.1016/j.aller.2018.12.003
57 - SAEEDIFAR, A. M. et al. Synergistic evaluation of ginger and licorice extracts in a mouse model of colorectal cancer. Nutr Cancer, v. 73, n. 6, p.1068-1078, 2021. doi: 10.1080/01635581.2020.1784440
58 - EL MAKAWY, A. I. et al. Effect of antiepileptic drug (Topiramate) and cold pressed ginger oil on testicular genes expression, sexual hormones and histopathological alterations in mice. Biomed Pharmacother, v. 110, p.409-419, 2019. doi: 10.1016/j.biopha.2018.11.146
59 - MANSOUR, D. F. et al. The carcinogenic agent diethylnitrosamine induces early oxidative stress, inflammation and proliferation in rat liver, stomach and colon: protective effect of ginger extract. Asian Pac J Cancer Prev, v. 20, n. 8, p.2551-2561, 2019. doi: 10.31557/APJCP.2019.20.8.2551
60 - MANSOUR, H. E. A. et al. Ginger extract loaded into chitosan nanoparticles enhances cytotoxicity and reduces cardiotoxicity of doxorubicin in hepatocellular carcinoma in mice. Nutr Cancer, v. 73, n. 11-12, 2021. doi: 10.1080/01635581.2020.1823436
61 - MOHAMMADI, M. et al. Efficacy of green synthesized silver nanoparticles via ginger rhizome extract against Leishmania major in vitro. PLoS One, v. 16, n. 8, p.1-12, 2021. doi: 10.1371/journal.pone.0255571
62 - WANG, J. et al. Ginger prevents obesity through regulation of energy metabolism and activation of browning in high-fat diet-induced obese mice. J Nutr Biochem, v. 70, p.105-115, 2019. doi: 10.1016/j.jnutbio.2019.05.001
63 - FAMUREWA, A. C. et al. Ginger juice prevents cisplatin-induced oxidative stress, endocrine imbalance and NO/iNOS/NF-κB signalling via modulating testicular redox-inflammatory mechanism in rats. Andrologia, v. 52, n. 10, p.1-10, 2020. doi: 10.1111/and.13786
64 - HAMZA, A. A. et al. Standardized extract of ginger ameliorates liver cancer by reducing proliferation and inducing apoptosis through inhibition oxidative stress/ inflammation pathway. Biomed Pharmacother, v. 134, p.1-9, 2021. doi: 10.1016/j.biopha.2020.111102
65 - PASCIU, V. et al. Evaluation of curcuma and ginger mixture ability to prevent ROS production induced by bisphenol S: an in vitro study. Drug Chem Toxicol, v. 45, n. 1, p.324-330, 2022. doi: 10.1080/01480545.2019.1690499

Referências bibliográficas

1 - BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira 1ª edição. Brasília: Anvisa, p. 65, 2011.
2 - BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira 1ª edição. Brasília: Anvisa, p. 98, 2011. 
3 - BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira 1ª edição – Primeiro Suplemento. Brasília: Anvisa, p. 95-96, 2018.
4 - BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira 2ª edição. Brasília: Anvisa, p. 214-217, 2021.

Farmácia da Natureza
[ 1 ]

Fórmula

Tintura

Alcoolatura

Componente

Quantidade

Componente

Quantidade*

Etanol/água 70%

1000 mL

Etanol/água 80%

1000 mL

Rizoma seco

100 g

Rizoma fresco

200 g

                                                               * Após a filtragem ajustar o teor alcoólico da alcoolatura para 70%, com adição de etanol 98%, se necessário. 
Modo de preparo

Tintura: pesar 100 g de rizoma seco pulverizado e colocar em frasco de vidro âmbar; em seguida adicionar 1000 mL de etanol a 70%, tampar bem o frasco e deixar a planta em maceração por 7 dias, agitando o frasco diariamente. Após esse período, filtrar em papel de filtro e envasar em frasco de vidro âmbar.

Alcoolatura: pesar 200 g de rizoma fresco, lavar, picar e colocar em frasco de vidro âmbar; em seguida adicionar 1000 mL de etanol a 80%, tampar bem o frasco e deixar a planta em maceração por 7 dias, agitando o frasco diariamente. Após esse período, filtrar em papel de filtro e envasar em frasco de vidro âmbar.

Principais indicações

Náuseas e vômitos na cinetose (incluindo em embarcações) (WHO, 1999a; EMA, 2012), náusea pós-operatória e hiperemese gravídica (WHO, 1999a). Dispepsia e cinetose (BLUMENTHAL, 1998). Antiemética, antidispéptica, expectorante e nos casos de cinetose (BRASIL, 2016; BRASIL, 2018). Broncoespasmos e tosses produtivas, labirintoses e zumbidos. Como anti-inflamatório em doenças inflamatórias como osteoartrite (GHASEMIAN et al., 2016; DRAGOS et al., 2017) e na dismenorreia primária (NAHID et al., 2009; OZGOLI et al., 2009; RAHNAMA et al., 2012; JENABI, 2013).

Posologia

Uso oral: tomar de 1 a 3 gotas por quilo de peso, divididas em 3 vezes ao dia, sempre diluídas em água (cerca de 50 mL ou meio copo).

Farmácia da Natureza
[ 2 ]

Fórmula

Componente

Quantidade

Rizoma seco fragmentado

0,9 a 1,1 g ou uma colher de café cheia

Água q.s.p.

150 mL

Modo de preparo

Preparar por decocção, por 5 minutos.

Principais indicações

Náuseas e vômitos na cinetose (incluindo em embarcações) (WHO, 1999a; EMA, 2012), náusea pós-operatória e hiperemese gravídica (WHO, 1999a). Dispepsia e cinetose (BLUMENTHAL, 1998). Antiemética, antidispéptica, expectorante e nos
casos de cinetose (BRASIL, 2016; BRASIL, 2018). Broncoespasmos e tosses produtivas, labirintoses e zumbidos. Como anti-inflamatório em doenças inflamatórias como osteoartrite (GHASEMIAN et al., 2016; DRAGOS et al., 2017) e na dismenorreia primária (NAHID et al., 2009; OZGOLI et al., 2009; RAHNAMA et al., 2012; JENABI,
2013).

Posologia

Uso oral: adultos devem tomar 150 mL (1 xícara de chá) do decocto três a quatro vezes ao dia.
Uso oral: crianças acima de 6 anos devem tomar 3 mL (1 colher de chá caseira) do infuso por quilograma de peso corporal por dose, duas a três vezes ao dia.

Referências bibliográficas

1 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 3 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 307-309.
2 - PEREIRA, A. M. S. (Org.). Formulário de Preparação Extemporânea: Farmácia da Natureza. 2 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 209-212.

Dados Químicos
[ 1 , 2 , 3 , 4 , 5 , 6 , 7 , 8 , 9 , 10 , 11 , 12 , 13 , 14 , 15 , 16 , 17 , 18 ]
Marcador:
Principais substâncias:

Ácidos graxos

palmítico, oleico, linoleico, caprílico, cáprico, láurico, mirístico, pentadecanoico, heptadecanoico, esteárico, linoleico e araquídico.

Ácidos orgânicos

oxálico, tartárico, láctico, acético, cítrico, succínico, fórmico e malônico.

Aminoácidos

arginina, ácido aspártico, cisteína, glicina, isoleucina, leucina, serina, treonina, valina, glutamato, alanina, cistina, metionina, tirosina, fenilalanina, lisina, histidina, prolina e triptofano.

Compostos fenólicos

gingerois, [6]-shogaol, [6]-paradol e zingerona.

Diarilheptanoides

curcumina, dihidrocurcumina, bisgingerdionas B, hexahidrocurcumina, 6-diacetato de gengibre e 8-isodehidrogingerdiona.

Esteroides

β-sitosterol, daucosterol, stigmast-4-en-3,6-diona, 6β-hidroxistigmast-4- en-3-ona, estigmast-4-en-3-ona e estigmasterol.

Minerais

Mg, Ca, P, Fe, K, Mn, Al, Zn, Ba, Ga, Na, Cu, Ni, Co, Cr, Cd, As, Hg, Sb, Cl, Br, Rb e Cs.

Monossacarídeos

galactose, glicose, manose, arabinose, ramnose e xilose.

Oleorresinas

Óleos essenciais

citral, neral, 1,8-cineol, zingiberenol, β-bisaboleno, zingibereno, geraniol, acetato de geranila, zingiberol, β-felandreno, β-sesquifelandrol, borneol, linalol, canfeno, limoneno, α e β-pineno, calameneno, mirceno, α-anforfeno, β-cariofileno, β-elemeno, β-ilangeno, germacreno, α e β-farneseno, β-eudesmol, β-sesquisabineno, folueno, undecano, dodecano, butanal, pentanal, heptanonas, criptona, farnesol, α-curcumeno, β-sesquifelandreno, D-cânfora, α-terpineol, α-terpineno, terpinoleno, cis-piperitol, elemol, tau-muurolol, mirtenol, facitronelol, nerolidol, fenchol, plinol, hexanal, octanal, decanal, allo-aromadendreno, α-cedreno, β-tujeno, α-bergamoteno, α-gurjuneno, sabineno, γ-humuleno, moslene, 3-careno, δ-cadineno, α-cubebeno, α-copaeno, cimeno, isoeugenol, zerumbona e β-micereno.

Outras substâncias

zingibaína (enzima proteolítica).

Polissacarídeos

amido.

Princípios amargos

Princípios picantes

gingerdiona, dihidrogingerdiona, isogingerenona e fenilalacananona.

Proteínas

Vitaminas

A, B e C.

Referências bibliográficas

1 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 3 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2021, p. 544.
2 - PEREIRA, A. M. S. et al. (Org.). Manual Prático de Multiplicação e Colheita de Plantas Medicinais. Ribeirão Preto: Bertolucci, 2011, p. 259.
3 - BARNES, J. et al. Herbal Medicines. 3 ed. London: Pharmaceutical Press, 2007, p. 293-294.
4 - GARCÍA, E. C.; SOLÍS, I. M. Manual de fitoterapia. 2 ed. Barcelona: Elsevier, 2016, p. 597.
5 - GRUENWALD, J. et al. PDR for Herbal Medicines. Montvale: Economics Company, Inc, 2000, p. 339.
6 - KRAFT, K.; HOBBS, C. Pocket Guide to Herbal Medicine. New York: Thieme Stuttgart, 2004, p. 71.
7 - EVANS, W. C. Trease and Evans Pharmacognosy. 16 ed. Philadelphia: Saunders, 2009, p. 291.
8 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 3. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 337.
9 - ZHANG, M. et al. Ginger (Zingiber officinale Rosc.) and its bioactive components are potential resources for health beneficial agentes. Phytother Res, v. 35, n. 2, p.711-742, 2021. doi: 10.1002/ptr.6858
10 - MAO, Q. Q. et al. Bioactive compounds and bioactivities of ginger (Zingiber officinale Roscoe). Foods, v. 8, n. 6, p.1-21, 2019. doi: 10.3390/foods8060185
11 - LI, C. et al. Vasculoprotective effects of ginger (Zingiber officinale Roscoe) and underlying molecular mechanisms. Food Funct, v. 12, n. 5, p.1897-1913, 2021. doi: 10.1039/d0fo02210a
12 - ALI, B. H. et al. Some phytochemical, pharmacological and toxicological properties of ginger (Zingiber officinale Roscoe): a review of recent research. Food Chem Toxicol, v. 46, n. 2, p.409-420, 2008. doi: 10.1016/j.fct.2007.09.085
13 - LIU, Y. et al. Research progress on chemical constituents of Zingiber officinale Roscoe. Biomed Res Int, p.1-21, 2019. doi: 10.1155/2019/5370823
14 - HU, W. et al. Extraction, purification, structural characteristics, biological activities, and applications of the polysaccharides from Zingiber officinale Roscoe. (Ginger): a review. Molecules, v. 28, n. 9, p.1-22, 2023. doi: 10.3390/molecules28093855
15 - KIYAMA, R. et al. Nutritional implications of ginger: chemistry, biological activities and signaling pathways. J Nutr Biochem, p.1-15, 2020. doi: 10.1016/j.jnutbio.2020.108486
16 - UNUOFIN, J. O. et al. Ginger from Farmyard to Town: nutritional and pharmacological applications. Front Pharmacol, v. 12, p.1-28, 2021. doi: 10.3389/fphar.2021.779352
17 - LI, X. et al. Zingiberis Rhizoma Recens: a review of its traditional uses, phytochemistry, pharmacology, and toxicology. Evid Based Complement Alternat Med, p.1-20, 2021. doi: 10.1155/2021/6668990
18 - AFZAL, M. et al. Ginger: an ethnomedical, chemical and pharmacological review. Drug Metabol Drug Interact, v. 18, n. 3-4, p.159-190, 2001. doi: 10.1515/dmdi.2001.18.3-4.159

Propagação: 

realizada a partir de rizomas com no mínimo dois brotos (gomos vegetativos), diretamente no campo a pleno sol, em covas de 15x15 cm, cobertos por uma camada de 10 cm de solo, com espaçamento de 30 cm entre plantas e 40 cm entre linhas, ou 15x25 cm. A propagação também pode ser realizada em canteiros e saquinhos plásticos contendo substrato solo, areia e esterco (3:2:1) e após 30 dias em viveiro, serem transplantados para o local definitivo em covas adubadas com esterco. O plantio deve ser realizado no início da estação das chuvas, de agosto a novembro. O solo precisa ser bem revolvido e a incorporação de matéria orgânica favorece o desenvolvimento dos rizomas. Durante o ciclo de desenvolvimento da planta, geralmente ao 3 a 5 meses após o brotamento, é recomendado fazer a amontoa (movimentar o solo até o pé da planta) [ 1 , 2 , 3 , 4 , 5 ] .

Tratos culturais & Manejo: 

a irrigação deve ser realizada em dias alternados, pois esta cultura é exigente em água, mas não tolera encharcamento. Não deve ser cultivado seguidamente no mesmo lugar, pois a produção fica comprometida [ 1 ] .

Colheita: 

os rizomas devem ser colhidos de 7 a 12 meses após o plantio, em maio ou junho (no inverno), quando a parte aérea começa a ficar com uma tonalidade amarelada, em dia ensolarado e quando o solo estiver seco. Os rizomas devem ser lavados com água corrente, até que seja retirado todo o solo, sendo recomendado o uso de escova para facilitar a remoção de eventuais resíduos. A sabedoria popular recomenda que a colheita do sistema radicular das plantas deva ser realizada preferencialmente na lua minguante [ 1 , 5 ] .

Pós-colheita: 

o medicamento deve ser preparado a partir dos rizomas frescos, pois o processo de secagem pode comprometer a qualidade química do material vegetal. Os rizomas podem ser utilizados ou comercializados semi-frescos, quando expostos à sombra por 5 a 6 dias [ 1 , 3 ] .

Problemas & Soluções: 

pode ser acometida por mancha foliar ou amarelão (Phyllosticta sp.) podridão dos rizomas (Rhizoctonia solani e Fusarium oxysporum) sendo controladas por rotação de culturas [ 3 ] .

Referências bibliográficas

1 - PEREIRA, A. M. S. et al. (Org.). Manual Prático de Multiplicação e Colheita de Plantas Medicinais. Ribeirão Preto: Bertolucci, 2011, p. 258-259.
2 - MATOS, F. J. A. Farmácias Vivas. 2 ed. Fortaleza: UFC, 1994, p. 96-97.
3 - MING, L. C. Medicina verde: programa municipal de plantas medicinais e fitoterápicos de Botucatu (SP) – Agricultores. 1 ed. Prefeitura Municipal de Botucatu: Universidade Estadual Paulista, 2015, p. 22.
4 - EVANS, W. C. Trease and Evans Pharmacognosy. 16 ed. Philadelphia: Saunders, 2009, p. 289-290.
5 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 3. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 337.

Tipo: Internacional
Tipo de Monografia: Medicamentos e Produtos de Saúde do Canadá
Ano de Publicação: 2022
Arquivo: PDF icon Download (173.39 KB)
Site: Health Canada (https://www.canada.ca/en.html)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 2019
Arquivo: PDF icon Download (848.48 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Memento Fitoterápico da Farmacopeia Brasileira
Ano de Publicação: 2016
Arquivo: PDF icon Download (129.26 KB)

Tipo: Internacional
Tipo de Monografia: Agência Europeia de Medicamentos
Ano de Publicação: 2012
Arquivo: PDF icon Download (131.67 KB)

Tipo: Internacional
Tipo de Monografia: Agência Europeia de Medicamentos
Ano de Publicação: 2012
Arquivo: PDF icon Download (519.46 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Agência Nacional de Vigilância Sanitária
Ano de Publicação: 2012
Arquivo: PDF icon Download (345.44 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Sistema de Farmacovigilância de Plantas Medicinais
Ano de Publicação: 2012
Arquivo: PDF icon Download (372 KB)

Tipo: Internacional
Tipo de Monografia: Organização Mundial de Saúde
Ano de Publicação: 1999
Arquivo: PDF icon Download (90.29 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 1926
Arquivo: PDF icon Download (52.62 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 1926
Arquivo: PDF icon Download (34.16 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 1926
Arquivo: PDF icon Download (30.08 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 1926
Arquivo: PDF icon Download (44.89 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 1926
Arquivo: PDF icon Download (35.14 KB)

Parceiros