Curcuma longa L.

Açafrão, açafroa e cúrcuma.

Sinonímia 
Curcuma domestica Valeton
Família 
Informações gerais 

Originária da Índia e Ásia, encontra-se amplamente difundida no Brasil, sendo cultivada para fins terapêuticos e alimentares. Suas principais indicações são: anti-inflamatória, hipocolesterolemiante, hipoglicemiante, antialérgica, hepatoprotetora, antioxidante, antidispéptica, antiviral, antiofídica, anti-inflamatória, antimicrobiana, antifúngica, antiofídica, imunomoduladora e antitumoral[1,2,3,4,5,6,7,8].

Referências informações gerais
1 - PEREIRA, A. M. S. et al. (Org.). Manual Prático de Multiplicação e Colheita de Plantas Medicinais. Ribeirão Preto: Bertolucci, 2011, p. 79-82.
2 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 541-542.
3 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 2 ed. São Paulo: Bertolucci, 2014, p. 101-103.
4 - WEDLER, E. Atlas de las plantas medicinales silvestres y cultivadas em la zona tropical. 2 ed. Colômbia: Todográficas Ltda, 2017, p. 180-181.
5 - PEREIRA, A. M. S. (Org.). Formulário de Preparação Extemporânea: Farmácia da Natureza – Chás Medicinais. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2017, p. 63-64.
6 - GERMOSÉN-ROBINEAU, L. (Ed.). Hacia una farmacopea caribeña. Tramil 7 edición. Santo Domingo, República Dominicana: Enda-Caribe, UAG & Universidad de Antioquia, 1995, p. 209-213.
7 - GRUENWALD, J. et al. PDR for Herbal Medicines. Montvale: Economics Company, Inc, 2000, p. 775-777.
8 - KRAFT, K.; HOBBS, C. Pocket Guide to Herbal Medicine. New York: Thieme Stuttgart, 2004, p. 121-122.
Descrição da espécie 

Planta herbácea, perene, acaule, ereta, frondosa, caducifólia, atinge em média 1,20 a 1,50 m de altura em condições favoráveis; as folhas são glabras, grandes, oblongo-lanceoladas e oblíquo-nervadas, sendo os pecíolos de mesmo tamanho dos limbos, que se reúnem na base da planta formando um pseudocaule; as flores são brancas a amarelas, pequenas, de 10 a 15 cm de comprimento, dispostas em espigas compridas e cilíndricas, com brácteas verde-claras; o fruto é uma cápsula globular; possui rizoma principal, longo, denominado usualmente de "cabeça" o qual é periforme, arredondado ou ovoide, ao redor deste formam-se ramificações secundárias denominadas de "dedos", sendo estas compridas e tuberizadas, apresentam coloração interna vermelha-alaranjado, possuem aroma forte, agradável, e sabor picante[1,2,3].

Referências descrição da espécie
1 - PEREIRA, A. M. S. et al. (Org.). Manual Prático de Multiplicação e Colheita de Plantas Medicinais. Ribeirão Preto: Bertolucci, 2011, p. 79-80.
2 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 541-542.
3 - GRUENWALD, J. et al. PDR for Herbal Medicines. Montvale: Economics Company, Inc, 2000, p. 775.
Nome popular Local Parte da planta Indicação Modo de preparo Forma de uso Restrição de uso Referências
Cúrcuma, açafrão-da-terra, açafrão e colorífico Brasil Rizoma

No tratamento da artrite reumatoide.

Tintura.

Ingerir de 50 a 70 gotas em 1 xícara d’água 3 vezes ao dia.

Usar com cautela em pacientes com litíase biliar, assim como na associação com anticoagulantes, anti-inflamatórios não-esteroidais, corticoides, hipoglicemiantes e verapamil. O uso em excesso pode ocasionar ansiedade.

[ 1 ]
Cúrcuma, açafrão-da-terra, açafrão e colorífico Brasil Rizoma

Antidispéptica.

Decocção: 1,5 g (3 colheres das de café) em 150 mL de água (1 xícara de chá). 

Uso oral.

Usar com cautela em pacientes com litíase biliar, assim como na associação com anticoagulantes, anti-inflamatórios não-esteroidais, corticoides, hipoglicemiantes e verapamil. O uso em excesso pode ocasionar ansiedade.

[ 1 ]
Cúrcuma, açafrão-da-terra, açafrão e colorífico Brasil Rizoma

Coadjuvante no tratamento de hiperlipidemia, antiflatulenta e anti-inflamatória.

Tintura.

Tomar de 50 a 100 gotas (2,5 a 5 mL) da tintura diluídas em água, 1 a 3 vezes ao dia. 

Usar com cautela em pacientes com litíase biliar, assim como na associação com anticoagulantes, anti-inflamatórios não-esteroidais, corticoides, hipoglicemiantes e verapamil. O uso em excesso pode ocasionar ansiedade.

[ 1 ]
Açafroa Ceará (Brasil) Rizoma

Antidispéptica e carminativa.

Infusão.

 

Uso oral.

-

[ 2 ]
Açafroa Ceará (Brasil) Rizoma

No tratamento de infecções tópicas em geral, e na prevenção da conjuntivite do sarampo.

Usar pedaços do rizoma.

Uso externo: aplicar no local.

-

[ 2 ]
Açafroa Ceará (Brasil) Rizoma

No tratamento de infecções tópicas em geral, e na prevenção da conjuntivite do sarampo.

Usar pedaços do rizoma.

Uso externo: aplicar no local.

-

[ 3 ]
Cúrcuma Colômbia (Zona Tropical) Raiz

Auxilia no processo digestivo, fortacele o sistema circulatório, útil no tratamento da Doença de Alzheimer, antiofídica, anti-inflamatória, hipocolesterolemiante, Antibacteriana, antioxidante e antitumoral.

Infusão ou decocção.

-

-

[ 3 ]
Açafroa Nordeste (Brasil) -

Indicado para pessoas sujeitas a acidentes vasculares por hipercolesterolemia.

In natura (em saladas) ou tintura (1:1).

Ingerir de 5 a 15 g por dia, ou 2 a 5 mL em água adoçada, até 3 vezes ao dia.

-

[ 4 , 5 ]
Açafrão, açafrão-da-terra, cúrcuma e gengibre amarelo Botucatu-SP (Brasil) Rizoma

Antidispéptica e anti-inflamatória.

Decocção: 1,5 g (3 colheres das de café) do vegetal seco, em 150 mL de água (1 xícara de chá).

Uso interno: tomar 1 xícara (chá) de 1 a 2 vezes ao dia.

Recomenda-se o uso em pessoas acima de 12 anos. Usar sob avaliação médica em pacientes com cálculos biliares, e não deve ser utilizada em pessoas portadoras de obstrução dos ductos biliares e úlcera gastrointestinal. Evitar a associação com anticoagulantes.

[ 6 ]
Zarqiwa Sul de Xinjiang (China) Rizoma

Analgésica, depurativa e hidratante cutâneo.

-

-

-

[ 7 ]
Haldi Distrito de Bageshwar (Índia) Rizoma

Indicado para o tratamento de ferimentos internos.

Decocção: 5 g do pó vegetal em 1 copo cheio de leite morno.

Uso interno.

-

[ 8 ]
Haldi Distrito de Bageshwar (Índia) Rizoma

Indicado para o tratamento de cortes e ferimentos.

Pasta.

Uso externo.

-

[ 8 ]
Safran Haiti Rizoma

No tratamento da icterícia.

Decocção (com sal) ou maceração em água.

Uso oral.

-

[ 9 ]
Safran Haiti Rizoma

No tratamento de afecções hepáticas.

Maceração em água.

Uso oral.

-

[ 9 ]
Tjitjima e turmerica Ilha de Santa Lucía (Castries) Raiz

No tratamento de abscessos.

Decocção.

Uso oral.

-

[ 9 ]

Referências bibliográficas

1 - PANIZZA, S. T. et al. Uso tradicional de plantas medicinais e fitoterápicos. São Luiz: Conbrafito, 2012, p. 125.
2 - MATOS, F. J. A. O formulário fitoterápico do professor Dias da Rocha: Informações sobre o emprego na medicina caseira, de plantas do Nordeste, especialmente do Ceará. 2 ed. Fortaleza: EUFC, 1997, p. 52.
3 - WEDLER, E. Atlas de las plantas medicinales silvestres y cultivadas em la zona tropical. 2 ed. Colômbia: Todográficas Ltda, 2017, p. 180-181.
4 - MATOS, F. J. A. Plantas medicinais: Guia de seleção e emprego de plantas medicinais usadas em fitoterapia no Nordeste do Brasil. 2 ed. Fortaleza: Imprensa Universitária – UFC, 2000, p. 158.
5 - MATOS, F. J. A. Farmácias Vivas. Fortaleza: UFC, 1991, p. 35.
6 - LIMA, G. P. P. Medicina verde: programa municipal de plantas medicinais e fitoterápicos de Botucatu (SP) – Saúde - Prescritores. 1 ed. Prefeitura Municipal de Botucatu: Universidade Estadual Paulista, 2015, p. 8.
7 - ABDUSALAM, A. et al. Documenting the heritage along the Silk Road: an ethnobotanical study of medicinal teas used in Southern Xinjiang, China, J Ethnopharmacol, v. 260, p.1-30, 2020. doi: 10.1016/j.jep.2020.113012
8 - OJHA, S. N. et al. Ethnomedicinal knowledge of a marginal hill community of Central Himalaya: diversity, usage pattern, and conservation concerns. J Ethnobiol Ethnomed, v. 16, n. 1, p.1-21, 2020. doi: 10.1186/s13002-020-00381-5
9 - GERMOSÉN-ROBINEAU, L. (Ed.). Hacia una farmacopea caribeña. Tramil 7 edición. Santo Domingo, República Dominicana: Enda-Caribe, UAG & Universidad de Antioquia, 1995, p. 209.

Angiogênica e Apoptótica

Angiogênica e Apoptótica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato etanólico: contendo 1,3% de Curcuma longa.

In vitro:

Em queratinócitos derivados de explantes de pterígio de humanos incubados com o extrato vegetal, com posterior análise da expressão de CAM 5.2 e CD140 (Histoquímica) e VEGE e VEGF-R1 (Imunofluorescência), degradação do DNA (TUNEL), apoptose/necrose (Anexina V-PI/Citometria de fluxo).

 

O extrato etanólico de C. longa apresenta atividade apoptótica e angiogênica, sendo promissor para o tratamento e prevenção do pterígio.

[ 33 ]

Anti-inflamatória

Anti-inflamatória
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Raiz

Extrato: material vegetal (seco) em etanol a 30%. Associação: Curcuma longa e Allium hookeri (3:7). Doses para ensaio: 50 a 500 mg/kg.

In vitro:

Em macrófagos murinos (RAW 264.7) estimulados por lipopolissacarídeos (LPS), incubados com a associação dos extratos vegetais, com posterior análise dos níveis de citocinas inflamatórias (ELISA) e viabilidade celular (MTT).

 

In vivo:

Em camundongos ICR portadores de bolsa de ar cutânea induzida por carragenina, pré-tratados com a associação dos extratos vegetais, com posterior análise de parâmetros histopatológicos cutâneo, imuno-histoquímicos (IFN-γ, IL-1β, IL-6, IL-13 e IL-17), de expressão (NF-kB e COX2) e níveis de iNOS.

A associação dos extratos de C. longa e A. hookeri apresenta atividade anti-inflamatória, por regulação da via NF-kB/COX-2/iNOS.

[ 1 ]
Rizoma

Extrato etanólico. LI73014F2: combinação de Terminalia chebula, Curcuma longa e Boswellia serrata. Concentrações para ensaio: 0 a 50 µg/mL.

In vivo:

Em condrócitos articulares primários de humanos incubados com o fitoterápico e citocina IL-1β (indutor de inflamação), com posterior análise da viabilidade celular (ensaio MTT) e expressão de COX-2, PGE-1 e 2, 5-LOX, LTB4, IL-1β, IL-6, TNF-α, MMP-2, 3, 9 e 13, Bax, Bcl-2, caspase-3 e 9, PARP, NF-kB e MAPK (Western blotting).

O fitoterápico contendo os extratos de T. chebula, C. longa e B. serrata apresenta atividade anti-inflamatória, pois inibe a sinalização da via NF-kB/MAPK.

[ 36 ]
Rizoma

LI73014F2 (2:1:2): associação do extrato aquoso de Terminalia chebula, extrato etanólico de Curcuma longa e resina de Boswellia serrata. Padronizado com 1,8% de ácido gálico, 3,5% de curcuminoides totais e 0,9% de ácido 3-O-acetil-11-ceto-beta-boswélico. Doses para ensaio: 25 a 100 mg/kg.

In vivo:

Em ratos portadores de osteoartrite induzida por iodoacetato monossódico (MIA), tratados com o fitoterápico, com posterior análise dos níveis de IL-1β no líquido sinovial, parâmetros histológicos, expressão de COX-2, PGE2, 5-LOX, IL-1β, IL-6, TNF-α, MMP-2, MMP-3, MMP-13 e LTB4 no tecido cartilaginoso (Western blotting).

O fitoterápico apresenta efetividade no tratamento da osteoartrite por regulação de citocinas inflamatórias e metaloproteinases.

[ 14 ]
Rizoma

Óleo essencial: 500 g do material vegetal (seco), por hidrodestilação. Rendimento: 2,7% (v/p). Concentrações para ensaio: 0,1 a 1%.

In vitro:

Em queratinócitos humanos (HaCaT) incubados com o óleo vegetal para análise de citotoxicidade (ensaio MTT) e estimulados por LPS e TPA para análise dos níveis de TNF-α, IL-6 e IL-1β (ELISA).

 

In vivo:

Em coelhos da Nova Zelândia portadores de irritação cutânea aguda na orelha induzida por TPA, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise do volume do edema, expressão de citocinas pró-inflamatórias (TNF-α, IL-6 e IL-1β), dos níveis de marcadores oxidativos (MDA, NO, SOD e MPO) e parâmetros histopatológicos.

O óleo essencial de C. longa reduz a inflamação tópica, pois regula os níveis de marcadores inflamatórios e oxidativos.

[ 16 ]
-

Extrato: 500 g do material vegetal em 5 L de água. Outras espécies em estudo: Eucommia ulmoides e Gynostemma pentaphyllum. Concentrações para ensaio: 0,5 e 0,1 mg/mL.

In vitro:

Em células mononucleares de sangue periférico de humanos (PBMC) estimuladas por lipopolissacarídeos, incubadas como os extratos vegetais, com posterior análise expressão de antígeno leucocitário humano (HLA-DR) por citometria de fluxo e os níveis de IFN-γ, TNF-α, IL-2, IL-5, IL-10 e IL-13 (ensaio imunoenzimático).

 

O extrato de C. longa apresenta atividade anti-inflamatória mais potente, pois aumenta a expressão de HLA-DR e reduz os níveis de IL-10.

[ 20 ]

Anti-inflamatória e Analgésica

Anti-inflamatória e Analgésica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Extratos hidroalcoólico: Terminalia chebula (fruto), Curcuma longa e Boswellia serrata (resina). Doses para ensaio (in vivo): 250 e 500 mg/kg.

In vitro:

Determinar a atividade inibitória da enzima araquidonato 5-lipoxigensae (5-LOX) após incubação com os extratos vegetais isolados ou em associação.

 

In vivo:

Em ratas Sprague-Dawley portadoras de osteoartrite induzida por iodoacetato monossódico, tratadas com a associação dos extratos vegetais, com posterior análise da capacidade de suporte do peso corporal nos membros posteriores e hiperalgesia térmica.

A associação dos extratos de T. chebula, C. longa e B. serrata (2:1:2) apresenta atividade analgésica e anti-inflamatória mais potente, pois inibe a ação da enzima 5-LOX, além de melhorar a capacidade de suporte de peso.

[ 21 ]

Anti-inflamatória e Antiestresse

Anti-inflamatória e Antiestresse
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato. Outra espécie em estudo: Rhodiola rosea. Doses para ensaio: 250 e 500 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar submetidos ao teste de estresse crônico leve e inflamação induzida por lipopolissacarídeos, tratados com os extratos vegetais (associação ou não), com posterior análise da preferência por glicose, peso corporal, atividade locomotora e níveis de TNF-α e IL-6.

A combinação dos extratos de C. longa e R. rosea apresenta sinergismo para as atividades anti-inflamatória e antiestresse.

[ 24 ]

Anti-inflamatória e Antioxidante

Anti-inflamatória e Antioxidante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Extrato: 100 g do material vegetal (seco) em solução hidroalcoólica (3:7). Rendimento: 7,1%. Doses para ensaio: 50 a 200 mg/kg.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação dos radicais DPPH e ABTS.

 

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley portadores de esofagite de refluxo aguda induzida, pré-tratados com o extrato vegetal, com posterior análise do pH ácido gástrico, expressão de marcadores inflamatórios (Western blotting), níveis hepáticos de ALT, AST, EROs, ONOO- e TBARS, e parâmetros histológicos.

O extrato de C. longa apresenta atividade anti-inflamatória e antioxidante, por ativação das vias MARPKSs/NF-kB e Nrf2, respectivamente, sendo promissor para o tratamento da esofagite de refluxo.

[ 15 ]

Anti-inflamatória e Congestão vascular

Anti-inflamatória e Congestão vascular
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: maceração do material vegetal (pó) em etanol.

In vivo:

Em ratos Wistar submetidos à colostomia, tratados por via intrarretal com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros histopatológicos do segmento intestinal excluso de transito intestinal.

O extrato das folhas de C. longa não reduz a inflamação e a congestão vascular na colite de exclusão.

[ 29 ]

Anti-inflamatória e Inibidora da diferenciação celular

Anti-inflamatória e Inibidora da diferenciação celular
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Extrato: 1 g do material vegetal (seco) em 100 mL de metanol e água. Rendimento: 3,9 e 12,5%, respectivamente. Outras espécies em estudo: Ficus carica, Capsicum annuum e Achyranthes fauriei. Concentrações para ensaio: 3 a 100 µg/mL.

In vitro:

Em macrófagos murinos (J774.1) estimuladas por lipopolissacarídeos, tratados com os extratos vegetais, com posterior análise dos níveis de óxido nítrico e viabilidade celular (MTT).

Em cultura de mioblastos de músculo esquelético de ratos (L6) incubados com os extratos vegetais, com posterior análise da viabilidade celular (MTT) e diferenciação celular (microscopia).

 

Os extratos de Curcuma longa e Ficus carica reduz os níveis de óxido nítrico, além da atividade citotóxica e inibitória da diferenciação em mioblastos (L6).

[ 45 ]

Anti-tripanossoma

Anti-tripanossoma
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Óleo essencial.

In vitro:

Em cepas de Trypanosoma brucei breucei incubadas com os óleos vegetais, com posterior análise da concentração inibitória média (CI50).

Em culturas de fibroblastos de humanos (WI38) e macrófagos murino (J774) incubados com os óleos vegetais, com posterior análise de citotoxicidade e índice de seletividade (IS).

 

Neste estudo, dentre os 37 óleos essenciais, Curcuma longa, C. zedoaria, Zingiber officinale e Litsea cubeba apresentam ação anti-tripanossoma, além de baixa citotoxicidade.

[ 19 ]

Antiartrítica

Antiartrítica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Extrato aquoso livre de óleo. Doses para ensaio: 22,5 a 90 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de osteoartrite no joelho direito, induzida por iodoacetato monossódico, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise da capacidade de suporte de peso, porcentagem de inibição da nocicepção e expressão de genes (COL2A1, MMP-3 e 7) no tecido cartilaginoso do joelho.

O extrato polar de C. longa apresenta atividade antiartrítica, devido a regulação positiva do gene COL2A1 e negativa de MMP-3 e 7.

[ 37 ]

Antibacteriana

Antibacteriana
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Extrato: 20 g do material vegetal (pó) em 100 mL de etanol. Nanopartículas de óxido de zinco e selênio: contendo o extrato vegetal. Concentrações para ensaio (in vitro): 3,9 a 500 µg/mL. Dose para ensaio (in vivo): 2000 mg/kg.

In vitro:

Em cepas de Staphylococcus aureus (resistente à meticilina) incubadas com as nanopartículas contendo o extrato vegetal, com posterior análise da atividade da catalase, peroxidase e antibacteriana (CIM).

 

In vivo:

Em ratos Wistar submetidos a administração das nanopartículas contendo o extrato vegetal, com posterior análise dos testes: toxicidade oral aguda e teratogênico.

As nanopartículas contendo o extrato de C. longa apresenta atividade antibacteriana promissora (CIM = 6,2 µg/mL), contudo, demonstra toxicidade, principalmente, na gravidez.

[ 41 ]
-

Extrato: em 200 mg/mL de propilenoglicol. Outras espécies em estudo: Rosmarinus officinalis e Thymus vulgaris. Concentrações para ensaio: 0,09 a 50 mg/mL.

In vitro:

Em cepas de Streptococcus mutans submetidas ao teste de microdiluição em ágar para determinar a concentração inibitória mínima (CIM).

Em macrófagos murinos (RAW 264.7) infectados por S. mutans, tratados com os extratos vegetais, com posterior análise da viabilidade celular, níveis de óxido nítrico e fagocitose.

 

Os extratos vegetais apresentam atividade antibacteriana, com CIM = 25 mg/mL para C. longa e 50 mg/mL para R. officinalis e T. vulgaris.

[ 10 ]

Antibacteriana e Antioxidante

Antibacteriana e Antioxidante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Extrato: 10 g do material vegetal (pó) em 100 mL de metanol. Concentrações para ensaio: 0 a 100 mg/mL. Outras espécies em estudo: Zingiber officinale, Piper nigrum e P. longum.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação do radical DPPH.

Em cepas de Staphylococcus aureus, Enterococcus faecalis, Acinetobacter baumannii, Citrobacter freundii, Enterobacter aerogenes, Escherichia coli, Klebsiella pneumoniae, K. oxytoca, Proteus mirabilis, Proteus vulgaris e Pseudomonas aeruginosa submetidas ao teste de microdiluição ágar para determinar a concentração inibitória mínima (CIM) e concentração bactericida mínima (CBM).

 

O extrato metanólico de C. longa apresenta atividades antioxidante e antibacteriana mais potentes.

[ 11 ]

Antifúngica

Antifúngica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Óleo: 100 g do material vegetal (fresco), por hidrodestilação. Outra espécie em estudo: Aloe vera. Concentrações para ensaio: 1,25 a 10,0 mg/mL.

In vitro:

Em cultura de Candida tropicalis, C. albicans, Penicillium notatum, Aspergillus fumigatus, A. niger, A. flavus, Trichophyton rubrum, T. violceum e T. mentagrophytes submetidas ao teste de disco-difusão em ágar (associados ou não com antifúngicos comerciais) para determinar a concentração inibitória mínima (CIM) e o índice da concentração inibitória fracionária (FICI).

 

O óleo de C. longa e a mucilagem de A. vera apresentam atividade antifúngica, demonstrando sinergismo com antifúngicos comerciais (clotrimazol, fluconazol, cetoconazol e terbinafina).

[ 48 ]

Antimetastática e Antitumoral

Antimetastática e Antitumoral
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Raiz

Extrato: material vegetal (seco) em etanol a 70%. Rendimento: 12,49%. Concentrações para ensaio (in vitro): 25 e 40 µg/mL. Dose para ensaio (in vivo): 50 mg/kg.

In vitro:

Em células de adenocarcinoma da mama de humanos (MCF7) transfectadas com siRNA de CCR7, incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise da viabilidade celular (MTT) e migração celular (ensaio de arranhões).

 

In vivo:

Em camundongos (MMTV-PyMT), modelo de metástase de câncer de mama, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise da taxa de sobrevivência, parâmetros histológicos (tumor mamário e tecido pulmonar), expressão de genes (RT-PCR) e proteínas (Western blotting).

O extrato de C. longa apresenta atividade antitumoral e antimetastática, pois inibe a migração celular, concentração dependente.

[ 44 ]

Antimicrobiana

Antimicrobiana
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Raiz

Extrato: 30 g do material vegetal (pó) em éter de petróleo, posteriormente em etano. Gel de Carbopol, 50 g (0,1 e 0,5%): contendo a associação dos extratos de Azadirachta indica, Curcuma longa, Allium sativum, Ocimum sactum, Cinnamomum zeylanicum e Tamarindus indica.

In vitro:

Em cepas de Staphylococcus aureus, Bacillus subtilis, Aspergillus niger e Escherichia coli submetidas ao teste de disco-difusão em ágar.

 

O gel contendo 0,5% dos extratos vegetais apresenta atividade antimicrobiana mais potente, além de segurança, contudo, demonstra baixa estabilidade ao longo do tempo.

[ 39 ]

Antimicrobiana (Acanthamoeba triangularis)

Antimicrobiana (Acanthamoeba triangularis)
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Raiz

Extrato: 50 g do material vegetal (pó) em 200 mL de etanol a 95%.

In vitro:

Em trofozoítos e cistos de Acanthamoeba triangularis presentes em plásticos e lentes de contato, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de testes de antiaderentes (cristal violeta) e parâmetros morfológicos (microscopia eletrônica de varredura).

 

O extrato de C. longa apresenta potencial antiadesivo de A. triangularis em lentes de contato.

[ 8 ]

Antimicrobiana e Antitumoral

Antimicrobiana e Antitumoral
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Extrato: 2,5 g do material vegetal (pó) em 100 mL de água. Nanopartículas de prata e de hidrato de cloreto de ouro: contendo o extrato vegetal. Concentrações para ensaio: 150 a 300 µg/mL.

In vitro:

Em cepas de Bacillus subtilis e Escherichia coli submetidas ao teste de disco-difusão em ágar com posterior análise do diâmetro da zona de inibição.

Em cultura de células A549 (adenocarcinoma de pulmão) e PC3 (câncer de próstata) incubadas com as nanopartículas contendo o extrato vegetal, com posterior análise da citotoxicidade (ensaio MTT).

 

As nanopartículas contendo extratos vegetais, provenientes de locais com altitude elevada do Himalaia (colinas de Shimla), demonstram atividades farmacológicas mais potentes.

[ 17 ]

Antimicrobiana e Cicatrizante

Antimicrobiana e Cicatrizante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato: maceração de 50 g do material vegetal (pó) em 200 mL de água. Nanopartículas de prata: contendo o extrato vegetal (AgNPs-CL), revestidas com tecido de algodão.

In vitro:

Determinar a atividade antimicrobiana (Staphylococcus aureus, Pseudomonas aeruginosa, Streptococcus pyogenes, Escherichia coli e Candida albicans) do óleo vegetal e tecido de algodão carreado por AgNPs-CL, através da zona de inibição (mm), concentração inibitória mínima (CIM) e concentração bactericida mínima (CBM).

Em fibroblastos L929 incubados com o tecido de algodão carreado AgNPs-CL, com posterior análise da viabilidade (MTT) e migração celular (ensaio de arranhões).

 

O tecido de algodão carreado por AgNPs-CL apresenta atividade antimicrobiana e cicatrizante promissoras.

[ 5 ]

Antioxidante

Antioxidante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Pó: 40 mg do pó vegetal em 10 mL de óleo de milho. Concentrações para ensaio: 62 a 1000 µg/mL. Dose para ensaio: 0,1 mL (contendo 400 µg de cúrcuma/animal).

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da redução do íon férrico (FRAP).

 

In vivo:

Em camundongos Swiss Webster tratados com o conservante sintético butilparabeno e extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (hormonal), morfológicos e histológicos (testículos e ovários), antioxidantes (MDA, GSH, CAT e SOD), contagem de espermatozoides e classificação e contagem de folículos ovarianos.

Observou-se que C. longa apresenta atividade antioxidante, reduzindo o extresse oxidativo no sistema reprodutor induzido por butilparabeno.

[ 9 ]
Rizoma

Pó. Dose para ensaio: 1% da dieta alimentar.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de diabetes induzido por estreptozotocina, suplementados com dieta deficiente em zinco (Zn), tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (insulina, GOT, GPT, ALP, TG e CT), antioxidantes (MDA, GSH, GSH-Px, SOD, CAT e PT), histológico pancreático e níveis de zinco tecidual (hepático e fêmur).

A suplementação com C. longa apresenta atividade antioxidante, reduzindo os efeitos oxidativos induzidos por deficiência de zinco em ratos diabéticos.

[ 13 ]

Extrato: 20 g do material vegetal (pó) em etanol a 70%. Rendimento: 21,95 g. Dose para ensaio: 100 mg/kg/dia.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação do radical DPPH e redução do íon férrico (FRAP).

 

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de toxicidade induzida por carbofurano, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros hematológicos, bioquímicos (ALT, AST, ALP, LDH, CT, HDL, SOD, GSH-Px e TBARS) e histopatológicos hepáticos.

O extrato de C. longa apresenta atividade antioxidante potente, reduzindo os efeitos deletérios hematológicos e hepáticos induzidos pelo agrotóxico carbofurano.

[ 25 ]

Antiproliferativa e Hipoglicemiante

Antiproliferativa e Hipoglicemiante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

G-400: associação das espécies Salacia oblonga (30%), Tinospora cordifolia (10%, caule), Emblica officinalis (10%), Curcuma longa (10%) e Gymnema sylvestre (40%). Dose para ensaio: 100 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de diabetes induzido por estreptozotocina, tratados com o fitoterápico, com posterior análise dos níveis glicêmicos, de insulina e teste oral de tolerância à glicose (TOTG).

O fitoterápico apresenta atividade hipoglicemiante.

[ 50 ]

Antitumoral

Antitumoral
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Óleo essencial: 50 g do material vegetal (pó), por hidrodestilação. Outras espécies em estudo: Curcuma phaeocaulis, C. wenvujin e C. kwangsiensis.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação do radical DPPH.

Em culturas de Escherichia coli, Pseudomonas aeruginosa, Staphylococcus aureus, Candida albicans e Sccharomyces cerevisiae submetidas ao teste de microdiluição em ágar, para determinar a concentração inibitória média (MIC).

Em cultura de células humanas de câncer de próstata (LNCaP) e de hepatoma (HepG2) incubadas com os óleos vegetais, com posterior análise de citotoxicidade (ensaio MTT).

 

In vivo:

Em camundongos BALB/c portadores de edema de orelha induzido por TPA, tratados topicamente com os óleos vegetais, com posterior análise do volume da orelha, parâmetros histológicos e imunohistoquímicos (TNF-α e COX-2).

O óleo essencial de C. kwangsiensis (rico em curdiona) apresenta atividade antioxidante e anti-inflamatória mais potente, enquanto que C. phaeocaulis (rico em elemenona), C. wenyujin (rico em curdiona) e C. kwangsiensis demonstram ação antimicrobiana mais potente, e C. phaeocaulis e C. longa (rico em ar-turmerona) atividade citotóxica promissora.

[ 34 ]
Rizoma

Extrato bruto e etanólico a 96% (2:1). Concentrações para ensaio: 3,9 a 62,5 µg/mL; 5 a 200 mg/mL.

In vitro:

Em células humanas de carcinoma da próstata (DU-145) e adenocarcinoma do cólon (HT-29), e células de fibroblastos normais de camundongos (3T3) incubadas com os extratos vegetais e ácido tricloroacético, com posterior análise de citotoxicidade (ensaio Sulforhodamina B).

Em DNA genômico de humanos incubados com os extratos vegetais, com posterior análise de genotoxicidade através do ensaio Tomasevich.

 

Os extratos, bruto e etanólico, de C. longa apresentam atividade antitumoral, contudo o extrato bruto demonstra genotoxicidade.

[ 3 ]
Rizoma

Extrato (10% p/v): 2 g do material vegetal (pó) em 20 mL de água. Nanopartículas de prata: contendo o extrato vegetal.

In vitro:

Em culturas de células de câncer de mama (MDA-MB-231) e epiteliais não tumorais (MCF10A), submetidas a técnica de eletroquimioterapia (pulso elétrico com nanopartículas de prata contendo o extrato vegetal), com posterior análise da viabilidade celular.

 

A técnica de eletroquimioterapia com nanopartículas de prata contendo o extrato de C. longa apresenta a atividade antitumoral promissora, atuando principalmente, no metabolismo glicolítico celular.

[ 38 ]
Rizoma

Extrato: maceração de 100 g do material vegetal (pó) em 500 mL de metanol. Rendimento: 10,31%.

In vitro:

Em culturas de células leucêmicas (CCRF-CEM), de câncer de mama (MDA-MB-231-pcDNA3 e MDA-MB-231-BCRP), de câncer de cólon (HCT116 p53) e células de glioblastoma (U87MG e U87MG.∆EGFR) incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise da citotoxicidade, ciclo celular, apoptose, atividade de caspases, potencial de membrana mitocondrial e níveis de espécies reativas ao oxigênio.

 

Neste estudo, dentre as 18 plantas medicinais, Curcuma longa, Lycopersicon esculentum e Psidium guajava apresentam citotoxicidade promissora, inclusive para fenótipos multirresistentes a quimioterápicos.

[ 46 ]
Rizoma

Extrato: decocção do material vegetal (pó) em água. Combinação - LouHuang (1:15): Curcuma longa e Paridis plyphylla var. yunnanensi. Concentrações para ensaio: 2 a 16 µg/mL; 2 mg/mL. Doses para ensaio: 25 a 100 mg/kg.

In vitro:

Em cultura de células de hepatoma murino (H22) incubadas com o fitoterápico, associação ou não com 10-hidroxicamptotecina (HCPT), com posterior análise de citotoxicidade (MTT) e índice de combinação (sinergismo, aditivo e antagonismo).

Determinar a permeabilidade de HCPT em aparelho intestinal de ratos Sprague-Dawley na presença do fitoterápico por Cromatografia Líquida de Alta Eficiência (CLAE).

 

In vivo:

Em ratos Kunming submetidos a inoculação na cavidade peritoneal de células tumorais (H22), tratados com o fitoterápico, associado ou não com 10-hidroxicamptotecina (HCPT), com posterior análise da taxa de inibição tumoral e níveis plasmáticos de HCPT.

A combinação de C. longa, P. plyphylla var. yunnanensi e do quimioterápico HCPT é promissora, para o tratamento de câncer hepático.

[ 27 ]

Broncodilatadora

Broncodilatadora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Extrato: 100 g do material vegetal (pó) em etanol a 70%. Rendimento: 13%. Concentrações para ensaio: 6,25 a 50 mg/mL.

In vitro:

Em músculo liso da traqueia de ratos Wistar, incubados com metacolina ou cloreto de potássio, com posterior análise da contratilidade muscular na presença do extrato vegetal, propranolol, diltiazem, L-NAME, glibenclamida, atropina, clorfeniramina, indometacina e papaverina.

 

O extrato hidroalcoólico de C. longa apresenta atividade broncodilatadora, comparável à teofilina.

[ 49 ]

Estimulante da adipogênese

Estimulante da adipogênese
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

KI85008F: associação com Moringa oleifera e Murraya koeingii. Doses para ensaio: 100 e 250 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley portadores de obesidade induzida por dieta hipercalórica, tratados como o fitoterápico, com posterior análise do peso corporal, calorimetria indireta, histopatologia do tecido adiposo epididimal, parâmetros bioquímicos e expressão de proteínas.

O fitoterápico estimula o metabolismo de gorduras e carboidratos, via UCP-1, além de reduzir a lipogênese.

[ 7 ]

Gastroprotetora

Gastroprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Raiz

Extrato: 1,5 kg do material vegetal (pó) em 3 L de acetona. Rendimento: 270 g.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de úlcera induzida por etanol, tratados com o extrato vegetal, ranitidina e subsalicilato de bismuto, com posterior análise da interação farmacológica (Índice de Combinação).

O extrato de C. longa apresenta atividade gastroprotetora, demonstrando sinergismo com o subsalicilato de bismuto, contudo, reduz a atividade terapêutica da ranitidina.

[ 6 ]

Hepatoprotetora

Hepatoprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato aquoso. Concentrações para ensaio (in vitro): 50 e 100 µg/mL. Doses para ensaio (in vivo): 300 e 900 mg/kg.

In vitro:

Em células de carcinoma hepatocelular de humanos (HepG2) incubadas com ácido graxo livre, tratadas com o extrato vegetal, com posterior análise do nível intracelular de espécies reativas ao oxigênio e acúmulo de lipídeos.

 

In vivo:

Em camundongos C57BL/6 portadores de doença hepática gordurosa não alcoólica (DHGNA) induzida por dieta hipercalórica, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (AST, ALT e TG), microscópicos hepático, níveis de MDA, expressão de genes e proteínas (CD36, FATP2, FATP5 SREBP-1, ACC, FAS, AMPK, PPAR-α e CPT-1).

O extrato de C. longa é promissor na prevenção da DHGNA, por modulação da captação de ácidos graxos.

[ 2 ]
Rizoma

Extrato (1:10): material vegetal (pó) em etanol a 100%. Dose para ensaio: 40 mg/mL.

In vivo:

Em camundongos ICR portadores de lesões hepáticas induzidas por bleomicina, pré-tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos plasmáticos e hepáticos (bilirrubina total, GGT, MDA, SOD, CAT e ROS).

O extrato etanólico de C. longa apresenta atividade hepatoprotetora, devido a ação antioxidante potente.

[ 35 ]
Rizoma

Extrato: material vegetal (pó) em água quente, posteriormente em etanol. Dose para ensaio: 100 mg/kg.

In vivo:

Em ratos submetidos a dieta hipercalórica, associada a ingestão do extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (MDA, GSH e GSSG), determinação de ácidos graxos hepáticos (Cromatografia Gasosa Acoplada à Espectrometria de Massas).

O extrato de C. longa aumenta o metabolismo hepático da colina, sendo promissor na prevenção de acúmulo de gordura no fígado.

[ 4 ]
Rizoma

Extrato: material vegetal (pó) em etanol a 70%. Doses para ensaio: 100 a 400 mg/kg.

O extrato de C. longa apresenta atividade hepatoprotetora, dose-dependente, devido a ação antioxidante e estabilização da proteína estrutural vimentina.

[ 32 ]

Hipoglicemiante e Hipolipemiante

Hipoglicemiante e Hipolipemiante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Extrato: 50 g do material vegetal (pó) em 250 mL de metanol. Outra espécie em estudo: Zingiber officinale. Dose para ensaio: 300 mg/100 mL de água/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de dislipidemia diabética, induzida por dieta hipercalórica e aloxana, tratados com os extratos vegetais (associados ou não), com posterior análise de parâmetros bioquímicos (glicose, TG, HDL, LDL, VLDL e CT).

Os extratos de C. longa e Z. officnale apresentam atividade hipoglicemiante e antidislipidêmica, demonstrando sinergismo promissor.

[ 22 ]

Imunomoduladora

Imunomoduladora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Pó. Associação (1:9,6): Curcuma longa e batata doce roxa. Doses para ensaio: 2 e 5 g/kg.

In vivo:

Em camundongos C57BL/6J infectados com o vírus da leucemia em ratos (LP-BM5 MuLV), tratados com a associação dos extratos vegetais, com posterior análise da expressão do complexo principal de histocompatibilidade (MHC I e II), níveis de linfócitos (CD8a, CD4, CD11b e CD49b), citocinas (IL-2, IL-4, IL-10, IL-12, IL-15 e IFN-γ) e imunoglobulinas (IgA, IgE e IgG), proliferação de células T e B e ativiação da fagocitose de macrófagos peritoneais.

A combinação de C. longa e batata doce roxa apresenta atividade imunomoduladora, principalmente na dose de 5 g/kg.

[ 26 ]

Inibidora da enzima 5α-redutase

Inibidora da enzima 5α-redutase
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Extrato: material vegetal (pó) em etanol a 95%. Concentração para ensaio: 100 µg/mL.

In vitro:

Determinar a atividade da enzima 5α-redutase, isolada de células de câncer de próstata (LNCaP), incubadas com os extratos vegetais, testosterona (substrato) e NADPH (cofator), com posterior análise dos níveis de andrógeno di-hidrotestosterona (metabólito) por Cromatografia Líquida Acoplada à Espectrometria de Massas (LC-MS/MS).

 

Neste estudo, dentre as 10 espécies vegetais, Impatiens balsamina e Curcuma longa apresentam atividade inibitória da enzima 5α-redutase promissora.

[ 43 ]

Nefroprotetora

Nefroprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Extrato (1:10 p/v): 100 g do material vegetal (pó) em etanol a 95%. Outra espécie em estudo: Nigella sativa. Dose para ensaio: 1000 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de nefropatia induzida por adriamicina, tratados com os extratos vegetais (associação ou não), com posterior análise de parâmetros bioquímicos plasmáticos e urinários (albumina, creatinina e filtração glomerular) e histopatológicos.

Os extratos de C. longa e N. sativa apresentam atividade nefroprotetora, demonstrando sinergismo promissor.

[ 23 ]
Rizoma

Óleo essencial: 100 g do material vegetal (fresco), por hidrodestilação. Rendimento: 7%. Outra espécie em estudo: Zingiber officinale. Dose para ensaio: 50 mg/kg.

In vivo:

Em ratos albinos portadores de nefrotoxicidade induzida por cádmio, tratados com os óleos vegetais, com posterior análise de marcadores da função renal (ureia, creatinina, nitrogênio ureico, IL-6, IL-10, TNF-α e atividade da adenosina desaminase).

Os óleos essenciais de C. longa e Z. officinale apresentam atividade nefroprotetora, devido a modulação de marcadores inflamatórios renais.

[ 31 ]

Neuroprotetora

Neuroprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

Extrato: maceração de 500 g do material vegetal (pó) em etanol a 96%. Rendimento: 30,38%, padronizado com 28,08% de curcumina. Doses para ensaio: 100 a 300 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley portadores de danos oxidativo no hipocampo induzido por trimetilestanho, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise do peso corporal e expressão de caspase-3 nas regiões CA1, CA2 e CA3 do hipocampo (imuno-histoquímica).

O extrato etanólico de C. longa apresenta atividade antiapoptótica, principalmente na dose de 200 mg/kg.

[ 42 ]
Rizoma

Extrato: maceração do material vegetal (pó). Dose para ensaio: 100 mg/kg.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através da eliminação do radical DPPH e atividade antioxidante total.

 

In vivo:

Em ratos portadores de lesões neuronais induzidas por cloreto de cério (CeCl3), tratados com o extrato vegetal, com posterior análise dos testes de campo aberto e labirinto radial, parâmetros de estresse oxidativo em homogenato cerebral (PT, TBARS, PCO, AOOP, GPx, SOD e AChE) e histológicos.

Observou-se que C. longa apresenta atividade neuroprotetora, reduzindo os danos cognitivos e o estresse oxidativo.

[ 18 ]
Rizoma

Extrato: 500 g do material vegetal (pó) em 1,25 L de etanol a 96%. Rendimento: 30,38% (p/p). Doses para ensaio: 100, 200 e 300 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley portadores de lesões no hipocampo induzidas por trimetilestanho, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise do teste de labirinto aquático de Morris e número total de neurônios piramidais nas regiões CA1, CA2 e CA3 (método esterológico).

O extrato de C. longa apresenta atividade neuroprotetora, pois previne o déficit de memória e a redução de neurônios piramidais (CA-2 e CA-3), principalmente na dose de 200 mg/kg.

[ 28 ]

Protetora da homeostase da cartilagem

Protetora da homeostase da cartilagem
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Raiz

Extrato polar. Concentrações para ensaio: 31,25 a 500 µg/mL.

In vitro:

Em células de condrócitos articulares do joelho de humanos (NHAC-kn) estimulados por IL-1β e peróxido de hidrogênio, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise da viabilidade celular, apoptose e níveis de IL-6, IL-8, COX-2, PGE2, TNF-α, ICAM-1, glicosaminoglicanos, colágeno tipo II e senescência celular.

Em macrófagos (RAW 264.7) estimulados por lipopolissacarídeos e incubados com o extrato vegetal, com posterior análise dos níveis de NF-kB.

 

O extrato polar de C. longa estimula a produção de marcadores de síntese da matriz cartilaginosa e inibe os degradativos.

[ 40 ]

Renoprotetora

Renoprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Rizoma

SWJH (1:2:1:2): associação dos pós de Curcuma longa, Berberis dictyophylla, Phyllanthus emblica e Tribulus terrestris, por decocção. Doses para ensaio: 0,978, 1,957 e 3,914 g/kg.

In vivo:

Em camundongos (db/db) portadores de nefropatia diabética, tratados com o fitoterápico, com posterior análise do peso corporal, ingestão de alimentos, parâmetros bioquímicos (glicose, creatinina, nitrogênio ureico, ácido úrico, microalbumina e albumina) e histológicos, e expressão de VEGF, TGF-β1 e HIF-1α (imuno-histoquímica e Western blotting).

A associação de C. longa, B. dictyophylla, P. emblica e T. terrestris, melhora a função renal, sendo promissora para o tratamento da nefropatia diabética.

[ 47 ]
-

Extrato: 500 mg do material vegetal em 7,5 L de água, seguidamente em 5 L de etanol a 95%. HKSWF (10:30:15:3): combinação dos extratos de Abelmoschus manihot, Astragalus mongholicus, Polygonum cuspidatum e Curcuma longa.

In vitro:

Em células mesangiais de ratos submetidas ao modelo de fibrose induzida por alto teor de glicose, tratadas com o fitoterápico associado ou não com dicloroacetato de sódio (agonista da piruvato desidrogenase), com posterior análise da expressão de PAI-1, Ang II e piruvato desidrogenase (Western blotting).

 

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley portadores de glomerulonefrite induzida por imunoglobulina antitimócito, tratados com o fitoterápico, com posterior análise de parâmetros bioquímicos plasmáticos e urinários (proteína, creatinina e nitrogênio ureico) e histopatológicos renais, analise de expressão proteica e sequenciamento do RNA.

O fitoterápico apresenta atividade renoprotetora, pois reduz os níveis de piruvato desidrogenase.

[ 30 ]
Ensaio Toxicológico

Interação medicamentosa (dextrometorfano)

Interação medicamentosa (dextrometorfano)
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Rizoma

Extrato: maceração do material vegetal (pó) em etanol. Concentrações para ensaio: 1,25, 2,5, 25,0 e 50, mg/mL.

In vitro:

Em microssomas hepáticos humanos incubados com dextrometorfano, e posteriormente com o extrato vegetal, para avaliar a ação das enzimas CYP3A4 e CYP2D6 e produção de metabólicos por CLEA.

 

O extrato de C. longa inibe a atividade da enzima CYP2D6, principalmente, impedindo a metilação do dextrometorfano.

[ 51 ]
Interação medicamentosa (dextrometorfano)

Redutora da fecundação

Redutora da fecundação
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências Atividade Farmacológica
Rizoma

Extrato: 15 g do material vegetal (pó) em 25 mL de etanol. Concentrações para ensaio: 1 a 192 µg/mL.

In vitro:

Em embriões viáveis de peixe-zebra (Danio rerio) incubados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros toxicológicos (parâmetros embrionários, morfológicos e cardíacos).

 

O extrato etanólico de C. longa reduz a viabilidade da fecundação, a partir da concentração de 96 µg/mL.

[ 12 ]
Redutora da fecundação

Referências bibliográficas

1 - LEE, S. Y. et al. Anti-inflammatory effect of Curcuma longa and Allium hookeri co-treatment via NF-κB and COX-2 pathways. Sci Rep, v. 10, n. 1, p.1-11, 2020. doi: 10.1038/s41598-020-62749-7
2 - MUN, J. et al. Water extract of Curcuma longa L. ameliorates non-alcoholic fatty liver disease. Nutrients, v. 11, n. 10, p.1-13, 2019. doi: 10.3390/nu11102536
3 - COSQUILLO-RAFAEL, M. F. et al. In vitro cytotoxic and genotoxic effect of the crude and ethanolic extract from the rhizome of Curcuma longa L. Rev Peru Med Exp Salud Publica, v. 37, n. 3, p.454-461, 2020. doi: 10.17843/rpmesp.2020.373.4817
4 - TRANCHIDA, F. et al. Hepatic metabolic effects of Curcuma longa extract supplement in high-fructose and saturated fat fed rats. Sci Rep, v. 7, n. 1, p.1-13, 2017. doi: 10.1038/s41598-017-06220-0
5 - MAGHIMAA, M.; ALHARBI, S. A. Green synthesis of silver nanoparticles from Curcuma longa L. and coating on the cotton fabrics for antimicrobial applications and wound healing activity. J Photochem Photobiol B, v. 204, p.1-11, 2020. doi: 10.1016/j.jphotobiol.2020.111806
6 - ORONA-ORTIZ, A. et al. Mucoadhesive effect of Curcuma longa extract and curcumin decreases the ranitidine effect, but not bismuth subsalicylate on ethanol-induced ulcer model. Sci Rep, v. 9, n. 1, p.1-11, 2019. doi: 10.1038/s41598-019-53089-2
7 - KUNDIMI, S. et al. Combined extracts of Moringa oleifera, Murraya koeingii leaves, and Curcuma longa rhizome increases energy expenditure and controls obesity in high-fat diet-fed rats. Lipids Health Dis, v. 19, n. 1, p.1-13, 2020. doi: 10.1186/s12944-020-01376-7
8 - MITSUWAN, W. et al. Curcuma longa rhizome extract and Curcumin reduce the adhesion of Acanthamoeba triangularis trophozoites and cysts in polystyrene plastic surface and contact lens. Int J Parasitol Drugs Drug Resist, v. 14, p.218-229, 2020. doi: 10.1016/j.ijpddr.2020.11.001
9 - ARA, C. et al. Abnormal steroidogenesis, oxidative stress, and reprotoxicity following prepubertal exposure to butylparaben in mice and protective effect of Curcuma longa. Environ Sci Pollut Res Int, v. 28, n. 5, p.6111-6121, 2021. doi: 10.1007/s11356-020-10819-8
10 - FIGUEIRA, L. W. et al. Curcuma longa L. (turmeric), Rosmarinus officinalis L. (rosemary), and Thymus vulgaris L. (thyme) extracts aid murine macrophages (RAW 264.7) to fight Streptococcus mutans during in vitro infection. Arch Microbiol, v. 202, n. 8, p.2269-2277, 2020. doi: 10.1007/s00203-020-01945-5
11 - SWAIN, S.; RAUTRAY, T. R. Estimation of trace elements, antioxidants, and antibacterial agents of regularly consumed indian medicinal plants. Biol Trace Elem Res, v. 199, n. 3, p.1185-1193, 2021. doi: 10.1007/s12011-020-02228-2
12 - YESUDHASON, B. V. et al. Developmental stages of zebrafish (Danio rerio) embryos and toxicological studies using foldscope microscope. Cell Biol Int, v. 44, n. 10, p.1968-1980, 2020. doi: 10.1002/cbin.11412
13 - TEBBOUB, I.; DECHRID, Z. Effect of curcuma on zinc, lipid profile and antioxidants levels in blood and tissue of streptozotocin-induced diabetic rats fed zinc deficiency diet. Arch Physiol Biochem, v. 127, n. 2, p.162-169, 2021.
14 - KIM, H. L. et al. Herbal composition LI73014F2 alleviates articular cartilage damage and inflammatory response in monosodium iodoacetate-induced osteoarthritis in rats. Molecules, v. 25, n. 22, p.1-14, 2020. doi: 10.3390/molecules25225467
15 - LEE, J. A. et al. Protective effects of inflammation of Curcuma longa rhizoma 30% EtOH extract on acute reflux esophagitis rats. Biomed Res Int, p.1-16, 2021. doi: 10.1155/2021/8854945
16 - KUMAR, A. et al. Essential oil from waste leaves of Curcuma longa L. alleviates skin inflammation. Inflammopharmacol, v. 26, n. 5, p.1245-1255, 2018. doi: 10.1007/s10787-018-0447-3
17 - SHARMA, M. et al. Unveiling antimicrobial and anticancerous behavior of AuNPs and AgNPs moderated by rhizome extracts of Curcuma longa from diverse altitudes of Himalaya. Sci Rep, v. 10, n. 1, p.1-11, 2020. doi: 10.1038/s41598-020-67673-4
18 - KADRI, Y. et al. Protective effects of Curcuma longa against neurobehavioral and neurochemical damage caused by cerium chloride in mice. Environ Sci Pollut Res Int, v. 25, n. 20, p.19555-19565, 2018. doi: 10.1007/s11356-018-2151-7
19 - LE, T. B. et al. Evaluation of the anti-trypanosomal activity of vietnamese essential oils, with emphasis on Curcuma longa L. and its componentes. Molecules, v. 24, n. 6, p.1-13, 2019. doi: 10.3390/molecules24061158
20 - WU, H. P.; LIN, Y. K. Effect of Eucommia ulmoides Oliv., Gynostemma pentaphyllum (Thunb.) Makino, and Curcuma longa L. on Th1- and Th2-cytokine responses and human leukocyte antigen-DR expression in peripheral blood mononuclear cells of septic patients. J Ethnopharmacol, v. 217, p.195-204, 2018. doi: 10.1016/j.jep.2018.02.024
21 - KARLAPUDI, V. et al. A placebo-controlled double-blind study demonstrates the clinical efficacy of a novel herbal formulation for relieving joint discomfort in human subjects with osteoarthritis of knee. J Med Food, v. 21, n. 5, p.511-520, 2018. doi: 10.1089/jmf.2017.0065
22 - HUSSAIN, N. et al. Synergistic potential of Zingiber officinale and Curcuma longa to ameliorate diabetic-dyslipidemia. Pak J Pharm Sci, v. 31, n. 2, p.491-498, 2018.
23 - MOHEBBATI, R. et al. Mixed hydroalcoholic extracts of Nigella sativa and Curcuma longa improves adriamycin-induced renal injury in rat. Saudi J Kidney Dis Transpl, v. 28, n. 6, p.1270-1281, 2017. doi: 10.4103/1319-2442.220880
24 - VASILEVA, L. V. et al. Beneficial effect of chronic treatment with extracts from Rhodiola rosea L. and Curcuma longa L. on the immunoreactivity of animals subjected to a chronic mild stress model. Folia Med (Plovdiv), v. 59, n. 4, p.443-453, 2017. doi: 10.1515/folmed-2017-0046
25 - HOSSEN, M. S. et al. Protective mechanism of turmeric (Curcuma longa) on carbofuran-induced hematological and hepatic toxicities in a rat model. Pharm Biol, v. 55, n. 1, p.1937-1945, 2017. doi: 10.1080/13880209.2017.1345951
26 - PARK, S. J. et al. The Effects of Curcuma longa L., purple sweet potato, and mixtures of the two on immunomodulation in C57BL/6J mice infected with LP-BM5 murine leukemia retrovirus. J Med Food, v. 21, n. 7, 689-700, 2018. doi: 10.1089/jmf.2017.4093
27 - LIU, Z. et al. Combination treatment with rhizoma Paridis and rhizoma Curcuma longa extracts and 10-hydroxycamptothecin enhances the antitumor effect in H22 tumor model by increasing the plasma concentration. Biomed Pharmacother, v. 83, p.627-634, 2016. doi: 10.1016/j.biopha.2016.07.026
28 - YULIANI, S. et al. Turmeric (Curcuma longa L.) extract may prevent the deterioration of spatial memory and the deficit of estimated total number of hippocampal pyramidal cells of trimethyltin-exposed rats. Drug Chem Toxicol, v. 41, n. 1, p.62-71, 2018. doi: 10.1080/01480545.2017.1293087
29 - LIMA, A. M. et al. Efficacy of Curcuma longa in the treatment of diversion colitis in rats. Arq Bras Cir Dig, v. 32, n. 3, p.1-4, 2019. doi: 10.1590/0102-672020190001e1456
30 - LU, T. et al. HUANGKUISIWUFANG inhibits pyruvate dehydrogenase to improve glomerular injury in anti-Thy1 nephritis model. J Ethnopharmacol, v. 253, p.1-10, 2020. doi: 10.1016/j.jep.2020.112682
31 - AKINYEMI, A. J. et al. Nephroprotective effect of essential oils from ginger (Zingiber officinale) and turmeric (Curcuma longa) rhizomes against cadmium-induced nephrotoxicity in rats. J Oleo Sci, v. 67, n. 10, p.1339-1345, 2018. doi: 10.5650/jos.ess18115
32 - AWONIRAN, P. O.; ADEYEMI, D. O. Ethanol extract of Curcuma longa rhizome mitigates potassium bromate-induced liver changes in the wistar rat: histological, histochemical and immunohistochemical assessments. Morphologie, v. 102, n. 339, p.276-288, 2018. doi: 10.1016/j.morpho.2018.07.004
33 - SANCILIO, S. et al. Curcuma longa is able to induce apoptotic cell death of pterygium-derived human keratinocytes. Biomed Res Int, p.1-9, 2017. doi: 10.1155/2017/2956597
34 - ZHANG, L. et al. Variation on composition and bioactivity of essential oils of four common Curcuma herbs. Chem Biodivers, v. 14, n. 11, p.1-21, 2017. doi: 10.1002/cbdv.201700280
35 - KARAMALAKOVA, Y. D. et al. Hepatoprotective properties of Curcuma longa L. extract in bleomycin-induced chronic hepatotoxicity. Drug Discov Ther, v. 13, n. 1, p.9-16, 2019. doi: 10.5582/ddt.2018.01081
36 - KIM, H. L. et al. Anti-osteoarthritic effects of an herbal composition LI73014F2 on interleukin-1β-induced primary human articular chondrocytes. Molecules, v. 25, n. 9, p.1-12, 2020. doi: 10.3390/molecules25092033
37 - MURUGAN, S. et al. Antiarthritic effect of polar extract of Curcuma longa on monosodium iodoacetate induced osteoarthritis in rats. Antiinflamm Antiallergy Agents Med Chem, v. 16, n. 3, p.193-202, 2017. doi: 10.2174/1871523017666180126150341
38 - MITTAL, L. et al. High-throughput, label-free quantitative proteomic studies of the anticancer effects of electrical pulses with turmeric silver nanoparticles: an in vitro model study. Sci Rep, v. 10, n. 1, p.1-18, 2020. doi: 10.1038/s41598-020-64128-8
39 - BHINGE, S. D. et al. Formulation development and evaluation of antimicrobial polyherbal gel. Ann Pharm Fr, v. 75, n. 5, p.349-358, 2017. doi: 10.1016/j.pharma.2017.04.006
40 - VELUSAMI, C. C. et al. Polar extract of Curcuma longa protects cartilage homeostasis: possible mechanism of action. Inflammopharmacol, v. 26, n. 5, p.1233-1243, 2018. doi: 10.1007/s10787-017-0433-1
41 - MAJEED, A. et al. Green synthesized selenium doped zinc oxide nano-antibiotic: synthesis, characterization and evaluation of antimicrobial, nanotoxicity and teratogenicity potential. J Mater Chem B, v. 8, n. 36, p.8444-8458, 2020. doi: 10.1039/d0tb01553a
42 - YULIANI, S. et al. Turmeric extract inhibits apoptosis of hippocampal neurons of trimethyltin-exposed rats. Bratisl Lek Listy, v. 118, n. 3, p.142-148, 2017. doi: 10.4149/BLL_2017_028
43 - SRIVILAI, J. et al. A new label-free screen for steroid 5α-reductase inhibitors using LC-MS. Steroids, v. 116, p.67-75, 2016. doi: 10.1016/j.steroids.2016.10.007
44 - KAYA, P. et al. Curcumae radix extract decreases mammary tumor-derived lung metastasis via suppression of C-C chemokine receptor type 7 expression. Nutrients, v. 11, n. 2, p.1-19, 2019. doi: 10.3390/nu11020410
45 - YOKOGAWA, T. et al. Pharmacological evaluation for improvement of Kanazawa Sutra, medicinal thread for anal fistula. J Nat Med, v. 71, n. 2, p.339-348, 2017. doi: 10.1007/s11418-016-1059-0
46 - MBAVENG, A. T. et al. Cytotoxicity of 18 Cameroonian medicinal plants against drug sensitive and multi-factorial drug resistant cancer cells. J Ethnopharmacol, v. 222, p.21-33, 2018. doi: 10.1016/j.jep.2018.04.036
47 - LAI, X. et al. Amelioration of diabetic nephropathy in db/db mice treated with tibetan medicine formula Siwei Jianghuang decoction powder extract. Sci Rep, v. 8, n. 1, p.1-11, 2018. doi: 10.1038/s41598-018-35148-2
48 - OGIDI, C. O. et al. Synergistic antifungal evaluation of over-the-counter antifungal creams with turmeric essential oil or Aloe vera gel against pathogenic fungi. BMC Complement Med Ther, v. 21, n. 1, p.1-12, 2021. doi: 10.1186/s12906-021-03205-5
49 - EMAMI, B. et al. Relaxant effect of Curcuma longa on rat tracheal smooth muscle and its possible mechanisms. Pharm Biol, v. 55, n. 1, p.2248-2258, 2017. doi: 10.1080/13880209.2017.1400079
50 - KURIAN, G. A. et al. Short-term effect of G-400, polyherbal formulation in the management of hyperglycemia and hyperlipidemia conditions in patients with type 2 diabetes mellitus. Nutrition, v. 30, n. 10, p.1158-1164, 2014. doi: 10.1016/j.nut.2014.02.026
51 - AL-JENOOBI, F. I. et al. Effect of Curcuma longa on CYP2D6- and CYP3A4-mediated metabolism of dextromethorphan in human liver microsomes and healthy human subjects. Eur J Drug Metab Pharmacokinet, v. 40, n. 1, p.61-66, 2015. doi: 10.1007/s13318-014-0180-2 

Referências bibliográficas

1 - BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira 1ª edição. Brasília: Anvisa, p. 29, 2011.
2 - BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira 1ª edição. Brasília: Anvisa, p. 74, 2011.
3 - BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira 1ª edição – Primeiro Suplemento. Brasília: Anvisa, p. 34, 2018.
4 - BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira 1ª edição – Primeiro Suplemento. Brasília: Anvisa, p. 108, 2018.
5 - BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira 1ª edição – Primeiro Suplemento. Brasília: Anvisa, p. 110, 2018.
6 - BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira 2ª edição. Brasília: Anvisa, p. 61, 2021.

Farmácia da Natureza
[ 1 ]

Fórmula

Tintura

Alcoolatura

Componente

Quantidade

Componente

Quantidade*

Etanol/água 70%

1000 mL

Etanol/água 80%

1000 mL

Rizoma seco

100 g

Rizoma fresco

200 g

                                                                     * Após a filtragem ajustar o teor alcoólico da alcoolatura para 70%, com adição de etanol 98%, se necessário. 
Modo de preparo

Tintura: pesar 100 g de rizoma seco pulverizado e colocar em frasco de vidro âmbar; em seguida adicionar 1000 mL de etanol a 70%, tampar bem o frasco e deixar a planta em maceração por 7 dias, agitando o frasco diariamente. Após esse período, filtrar em papel de filtro e envasar em frasco de vidro âmbar.

Alcoolatura: pesar 200 g de rizoma fresco, lavar, picar e colocar em frasco de vidro âmbar; em seguida adicionar 1000 mL de etanol a 80%, tampar bem o frasco e deixar a planta em maceração por 7 dias, agitando o frasco diariamente. Após esse período, filtrar em papel de filtro e envasar em frasco de vidro âmbar.

Principais indicações

Flatulência e dispepsia (WHO, 1999a). Como antidispéptico, antiespasmódico, antiflatulento, colerético, colagogo, hipolipemiante e anti-inflamatório (BRASIL, 2018). Na uveíte crônica anterior, na doença inflamatória intestinal e em úlceras cutâneas (MICROMEDEX, 2017). Osteoartrose do joelho e do quadril (BRASIL, 2018). Como adjuvante no tratamento da depressão (LOPRESTI et al., 2014; AL-KARAWI et al., 2015; LOPRESTI et al., 2015; LOPRESTI e DRUMMOND, 2017). Asma (MANARIN et al., 2019).

Posologia

Uso oral: tomar de 1 a 3 gotas por quilo de peso, divididas em 3 vezes ao dia, sempre diluídas em água (cerca de 50 mL ou meio copo).

Uso tópico: na forma de creme e gel, aplicar na área afetada 2 a 3 vezes ao dia.

Farmácia da Natureza
[ 2 ]

Fórmula

Componente

Quantidade

Rizoma (seco)

200 g

Etanol 98°

100 mL

Propilenoglicol

900 mL

 
Modo de preparo

Pesar os rizomas e em seguida colocar na solução de etanol e propilenoglicol.  Deixar por 7 dias em maceração e filtrar. Envasar e etiquetar.

Principais indicações

Anti-inflamatória, antialérgica e cicatrizante.

Posologia

Uso tópico após incorporado em cremes, pomadas e loções.

Farmácia da Natureza
[ 3 ]

Fórmula

Componente

Quantidade

Água destilada

80 mL

Curcuma longa (tintura a 10% em etanol 70%)

10 mL

Pterodon emarginatus (tintura a 20% em etanol 98%)

10 mL

 
Modo de preparo

Misturar as tinturas com a água destilada.

Principais indicações

Rinite alérgica e sinusite.

Posologia

Uso tópico: diluir ao meio com soro fisiológico e pingar 1 gota em cada narina 2 ou 3 vezes ao dia.

Farmácia da Natureza
[ 4 ]

Fórmula

Componente

Número da cápsula e quantidade

Curcuma longa (droga vegetal)

N° 0 (350 a 360 mg)

Q.s.p

1 cápsula

Modo de preparo

Pulverizar a droga vegetal (rizoma) e encapsular. 

Principais indicações

Flatulência e dispepsia (WHO, 1999a). Como antidispéptico, antiespasmódico, antiflatulento, colerético, colagogo, hipolipemiante e anti-inflamatório (BRASIL, 2018). Na uveíte crônica anterior, na doença inflamatória intestinal e em úlceras cutâneas (MICROMEDEX, 2017). Osteoartrose do joelho e do quadril (BRASIL, 2018). Como adjuvante no tratamento da depressão (LOPRESTI et al., 2014; AL-KARAWI et al., 2015; LOPRESTI et al., 2015; LOPRESTI e DRUMMOND, 2017). Asma (MANARIN et al., 2019).

Posologia

Uso oral: tomar 1 cápsula, 1 a 2 vezes por dia.

Farmácia da Natureza
[ 5 ]

Fórmula

Componente

Quantidade

Rizoma seco fragmentado

0,4 a 0,6 g ou ½ colher de café

Água q.s.p.

150 mL

 
Modo de preparo

Preparar por decocção, por 5 minutos.

Principais indicações
Posologia

Uso oral: adultos devem tomar 150 mL (1 xícara de chá) do decocto duas a três vezes ao dia.

Uso oral: crianças acima de 3 anos devem tomar 3 mL (1 colher de chá caseira) do decocto por quilograma de peso corporal por dose, duas a três vezes ao dia.

Uso tópico: aplicar o decocto sobre a pele ou úlcera duas a três vezes ao dia.

Referências bibliográficas

1 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 3 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 105-108.
2 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 3 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 341-342.
3 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 3 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 372.
4 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 3 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 384-386.
5 - PEREIRA, A. M. S. (Org.). Formulário de Preparação Extemporânea: Farmácia da Natureza. 2 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 61-63.

Dados Químicos
[ 1 , 2 , 3 , 4 , 5 , 6 , 7 , 8 , 9 , 10 , 11 , 12 ]
Marcador:
Principais substâncias:

Amidos

Carboidratos

Curcuminoides

curcumina, dicafeilmetano, dihidrocurcumina, desmetoxicurcumina, bis-desmetoxicurcumina, caferuilmetano e ciclocurcumina.

Lipídeos

Minerais

cálcio, sódio, potássio, ferro, fósforo, manganês e magnésio.

Óleos essenciais

p-cimeno, 1,8-cineol, α e β-pineno, canfeno, 6-metil-5-hepten-2-ona, β-mirceno, cis-β-terpineol, linalol, d-verbenol, citronelol, artemiseol, borneol, α e γ-terpineno, 1-terpineno-4-ol, p-ment-1-em-8-ol, cis-trans-citral, trans-geraniol, z-citral, α e γ-curcumeno, zingibereno, farneseno, β-sesquifelandreno, α-felandreno, β-cariofileno, ar-curcumeno, ar-tumerona, α e β-tumerona, β-bisaboleno, cubenol, santalol, óxido de cariofileno, óxido de aromadendreno, (E)-nuciferol, α-himachaleno, neocurdiona, ledano, eucaliptol, terpinoleno, ar-tumerol, germacrona, curlona, dehidrocurcumeno, guayano, limoneno, d-sabineno, eugenol, curcumenol, germacreno, ocimeno, α-tujona, alcanfor, γ-atlantona e curcumol.

Polissacarídeos

ukonan A, B, C e D.

Proteínas

Saponinas

Vitaminas

tiamina, riboflavina, niacina e ácido ascórbico.

Referências bibliográficas

1 - PANIZZA, S. T. et al. Uso tradicional de plantas medicinais e fitoterápicos. São Luiz: Conbrafito, 2012, p. 125.
2 - PEREIRA, A. M. S. et al. (Org.). Manual Prático de Multiplicação e Colheita de Plantas Medicinais. Ribeirão Preto: Bertolucci, 2011, p. 81.
3 - WEDLER, E. Atlas de las plantas medicinales silvestres y cultivadas em la zona tropical. 2 ed. Colômbia: Todográficas Ltda, 2017, p. 180-181.
4 - JOSHI, J. et al. Early human safety study of turmeric oil (Curcuma longa oil) administered orally in healthy volunteers. J Assoc Physicians India, v. 51, p.1055-1060, 2003.
5 - OGIDI, C. O. et al. Synergistic antifungal evaluation of over-the-counter antifungal creams with turmeric essential oil or Aloe vera gel against pathogenic fungi. BMC Complement Med Ther, v. 21, n. 1, p.1-12, 2021. doi: 10.1186/s12906-021-03205-5
6 - MATSUMURA, S. et al. Inhibitory activities of essential oil obtained from turmeric and its constituents against β-secretase. Nat Prod Commun, v. 11, n. 12, p.1785-1788, 2016. 
7 - ZHANG, L. et al. Variation on composition and bioactivity of essential oils of four common Curcuma herbs. Chem Biodivers, v. 14, n. 11, p.1-21, 2017. doi: 10.1002/cbdv.201700280
8 - BRAGA, M. C. et al. Curcuma longa L. leaves: characterization (bioactive and antinutritional compounds) for use in human food in Brazil. Food Chem, v. 265, p.308-315, 2018. doi: 10.1016/j.foodchem.2018.05.096
9 - LE, T. B. et al. Evaluation of the anti-trypanosomal activity of Vietnamese essential oils, with emphasis on Curcuma longa L. and its components. Molecules, v. 24, n. 6, p.1-13, 2019. doi: 10.3390/molecules24061158
10 - KUMAR, A. et al. Essential oil from waste leaves of Curcuma longa L. alleviates skin inflammation. Inflammopharmacol, v. 26, n. 5, p.1245-1255, 2018. doi: 10.1007/s10787-018-0447-3
11 - GERMOSÉN-ROBINEAU, L. (Ed.). Hacia una farmacopea caribeña. Tramil 7 edición. Santo Domingo, República Dominicana: Enda-Caribe, UAG & Universidad de Antioquia, 1995, p. 210.
12 - GRUENWALD, J. et al. PDR for Herbal Medicines. Montvale: Economics Company, Inc, 2000, p. 776.

Propagação: 

é realizada por rizoma que são plantados em sacos plásticos, a aclimatação das mudas deve ser realizada com sombrite 50% e o transplante é realizado quando as mudas atigirem entre 20 a 25 cm de altura. É indicado também o plantio dos rizomas diretamente no solo em local definitivo, em covas rasas de 10x10 cm, adubadas com 1 kg de esterco bovino, com espaçamento de 30 cm entre plantas e 40 cm entre linhas. O plantio pode ser feito em leiras e o solo deve ser "afofado", sendo a melhor época em outubro no início do período das chuvas. Desenvolve-se melhor em solos areno-argilosos e bem drenados [ 2 , 3 , 4 ] .

Propagação

Propagação

Propagação

Propagação

Tratos culturais & manejo: 

o pH do solo deve estar em torno de 6,5. Solos compactos ou pesados, retardam a rizomatização, dando origem a rizomas tortos. Para melhorar a aeração e a textura do solo, utiliza-se cinza de casca de arroz, adubação orgânica e/ou areia. Tolera clima quente mas não causticante, é uma planta sequiosa por chuva. Deve-se realizar amontoa sempre que os rizomas aflorarem a superfície. A irrigação deve ser realizada 1 vez por semana [ 3 , 4 ] .

Colheita: 

é realizada manualmente arrancando os rizomas, quando a parte aérea começa a secar, aproximadamente de 10 a 12 meses após o plantio. Este processo deve ser realizado cuidadosamente para evitar o cortes e rompimentos excessivos do rizoma. A sabedoria popular recomenda que a colheita do sistema radicular das plantas deve ser realizada preferencialmente, na lua minguante. Pode-se realizar seguidamente um novo plantio [ 1 , 2 , 3 , 4 ] .

Pós-colheita: 

os rizomas são lavados com máquina de lavar de alta pressão e colocados sob telado por 24 horas para reduzir o excesso de umidade. Posteriormente, os rizomas são fatiados para evitar brotação das gemas e facilitar o processo de secagem, que deve ser realizado em estufa de ar circulante a temperatura de 45°C/15 dias. Após este procedimento a droga vegetal deve ser armazenada em ambiente úmido e ser utilizada dentro do período de 1 ano. Deve ser moída em moinho de faca, até a granulometria de 40 mesh para a preparação de tinturas e extratos. O processo de moagem deve ser realizado somente para a quantidade exata para a preparação do fitoterápico, pois neste caso, a droga vegetal moída degrada facilmente em função da grande quantidade de óleo presente no rizoma [ 2 , 4 ] .

Problemas & Soluções: 

por ser uma espécie nitrófila, a partir do terceiro mês de cultivo pode apresentar sintomas de deficiência de nitrogênio. É susceptível à nematoides, e a contaminação por fungos pode acometer inicialmente as folhas mais velhas (lesões necróticas). Rizomas colhidos tardiamente tornam-se duros e fibrosos, sendo indicado a utilização para um novo plantio [ 3 , 4 ] .

Referências bibliográficas

1 - MATOS, F. J. A. Plantas medicinais: Guia de seleção e emprego de plantas medicinais usadas em fitoterapia no Nordeste do Brasil. 2 ed. Fortaleza: Imprensa Universitária – UFC, 2000, p. 157.
2 - PEREIRA, A. M. S. et al. (Org.). Manual Prático de Multiplicação e Colheita de Plantas Medicinais. Ribeirão Preto: Bertolucci, 2011, p. 80-81.
3 - FERRO, D. & PEREIRA, A. M. S. Fitoterapia: Conhecimentos tradicionais e científicos, vol. 1. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2018, p. 286-287.
4 - MING, L. C. Medicina verde: programa municipal de plantas medicinais e fitoterápicos de Botucatu (SP) – Agricultores. 1 ed. Prefeitura Municipal de Botucatu: Universidade Estadual Paulista, 2015, p. 10.

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Sistema de Farmacovigilância de Plantas Medicinais
Ano de Publicação: 2021
Arquivo: PDF icon Download (282 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Ministério da Saúde
Ano de Publicação: 2020
Arquivo: PDF icon Download (8.02 MB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 2019
Arquivo: PDF icon Download (586.68 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 2019
Arquivo: PDF icon Download (175.33 KB)

Tipo: Internacional
Tipo de Monografia: Agência Europeia de Medicamentos
Ano de Publicação: 2018
Arquivo: PDF icon Download (141.81 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 2017
Arquivo: PDF icon Download (791.88 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 2017
Arquivo: PDF icon Download (152.07 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 2010
Arquivo: PDF icon Download (414.37 KB)

Tipo: Internacional
Tipo de Monografia: Organização Mundial de Saúde
Ano de Publicação: 1999
Arquivo: PDF icon Download (90.79 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 1959
Arquivo: PDF icon Download (55.28 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Farmacopeia
Ano de Publicação: 1959
Arquivo: PDF icon Download (34.39 KB)

Parceiros