Echinacea purpurea (L.) Moench

Equinácea.

Família 
Informações gerais 

Originária dos Estados Unidos. No Brasil é cultivada para uso medicinal, e principalmente como ornamental. Suas principais indicações são: antisséptica, antifúngica, antiviral, antibacteriana, anti-inflamatória, antialérgica, imunomoduladora, analgésica, carminativa, cicatrizante e estimulante do sistema nervoso central[1,2,3].

Referências informações gerais
1 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 2 ed. São Paulo: Bertolucci, 2014, p. 111-113.
2 - PEREIRA, A. M. S. (Org.). Formulário de Preparação Extemporânea: Farmácia da Natureza – Chás Medicinais. 1 ed. São Paulo: Bertolucci, 2017, p. 71-74.
3 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 134-135.
Descrição da espécie 

Planta herbácea, perene, com altura média de 50 cm, ereta, pouco ramificada, talo delgado, aveludado; as folhas são ásperas, curto-pecioladas, lanceoladas ou lineares, opostas, inteiras, com três nervuras salientes, medindo entre 7,5 e 20 cm de comprimento; inflorescência em capítulos cônicos, solitárias, compostas por flores centrais pequenas, hermafroditas, de coloração marrom-arroxeadas, e flores externas de corola alongada, de 3 cm de comprimento, cor rosa-arroxeada voltadas levemente para baixo; as sementes são aquênios com 4 faces; as raízes são pivotantes, cilíndricas, levemente espiraladas, sulcadas longitudinalmente, com odor aromático e sabor adocicado deixando um discreto adormecimento na boca[1,2].

Referências descrição da espécie
1 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 134.
2 - PEREIRA, A. M. S. et al. (Org.). Manual Prático de Multiplicação e Colheita de Plantas Medicinais. Ribeirão Preto: Bertolucci, 2011, p. 96.
Nome popular Local Parte da planta Indicação Modo de preparo Forma de uso Restrição de uso Referências
Equinácea Reino Unido Parte aérea

Coadjuvante e preventivo no tratamento de infecções recorrentes do sistema respiratório.

Sumo ou tintura (1:5 em etanol à 55%).

Sumo: tomar de 6 a 9 mL/dia. Tintura: tomar 60 gotas 3 vezes ao dia (= 900 mg/dia de droga vegetal).

Não usar por mais de 8 semanas.

[ 1 ]
- Estados Unidos (indígenas americanos) -

Anti-hemorrágica, antiofídica, antidispéptica, antiartrítica, anti-hemorroidária, no tratamento de picadas de insetos, lesões de pele, afecções respiratórias, malária, doenças venéreas, dor de dente e cabeça. 

Chá.

Gargarejo e cataplasma.

-

[ 2 ]
Equinácea Brasil Planta toda

No tratamento de lesões herpéticas e sarcoma de Kaposi.

Tintura.

Aplicar sobre a área afetada até 3 vezes ao dia.

Não deve ser usada em portadores de esclerose múltipla, artrite reumatoide e lúpus eritematoso. Evitar o uso na gravidez e lactação.

[ 3 ]

Referências bibliográficas

1 - BARNES, J. et al. Plantas medicinales. 1 ed. Barcelona: Pharma Editores, S.L., 2005, p. 186.
2 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 134.
3 - PANIZZA, S. T. et al. Uso tradicional de plantas medicinais e fitoterápicos. São Luiz: Conbrafito, 2012, p. 129.

Anti-inflamatória

Anti-inflamatória
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Parte aérea e raiz

Echinoforce®: contendo 65% do extrato etanólico da parte aérea e raiz (95:5). Concentrações para ensaio: 1:200, 1:400 e 1:800.

In vitro:

Em células de epitélio brônquico humano normal (BEAS-2B) infectadas pelo vírus da influenza (H3N2) incubadas com o extrato vegetal, submetidas análise da concentração de IL-8 e IL-6 após estímulos com lipopolissacarídeo (LPS), e ao ensaio de adesão em Sthaphylococcus aureus ou Haemophilus influenzae, com posterior análise da expressão de ICAM-1, fibronectina, PAFr, TLR4 e NF-kB p65 por microscopia confocal e coloração imunocitoquímica.

 

Observou-se que o fitoterápico inibe a expressão de citocinas pró-inflamatórias e a adesão bacteriana.

[ 3 ]
Raiz

Extrato seco: contendo 1,5% de polifenóis totais. Outra espécie em estudo: Hypericum perforatum. Doses para ensaio: 30 e 100 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos BALB/c submetidos ao ensaio de edema de pata induzido por carragenina, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros hematológicos, e expressão de COX-2 e iNOS por Western blotting, em macrófagos peritoneais isolados.

Observou-se que os extratos vegetais em estudo apresentam atividade anti-inflamatória, na dose de 100 mg/kg.

[ 84 ]
Parte aérea e raiz

Extrato etanólico (EchinaForce®): 65% de parte aérea e 5% de raiz. Contendo: 264,4 mg/mL de ácido caftárico, 40,2 mg/mL de ácido clorogênico, 313,8 mg/mL de ácido cichórico, 6,9 mg/mL de equinacosídeo e 36,3 mg/mL de alquilamida.

In vitro:

Em células humanas de epitélio brônquico e alveolar (BEAS-2B e A-549) e fibroblasto de pele humana, incubados com a bactéria Propionibacterium acne e extrato vegetal, com posterior análise dos níveis de citocinas IL-6, IL-8, TNF-α, GROα, MCP-1 e VEGF.

 

Observou-se que o fitoterápico EchinaForce® apresenta anti-inflamatória, pois reduz principalmente, os níveis de IL-6 e IL-8.

[ 13 ]
Raiz

Extrato: 1 parte do material vegetal/9 partes de solvente (50% de etanol/50% de água). Echinacea angustifolia, E. pallida, E. paradoxa e E. tennesseensis. Os extratos foram armazenados à 20°C/24 meses.

In vitro:

Em células mononucleares de sangue periférico humano (PBMC) incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise dos níveis de IL10, IL-12 e TNF-α e da proliferação celular, e em PBMC de voluntários imunizados com a vacina contra a influenza, incubados com o extrato vegetal e vírus da influenza, com posterior análise dos níveis de IL-2, IL-10 e TNF-α.

 

Observou-se que o extrato de E. purpurea aumenta os níveis de IL-10, somente na ausência do vírus da influenza, enquanto que as outras espécies vegetais aumentam IL-2 (presença viral), IL-10 e a proliferação celular (ausência viral).

[ 27 ]
Raiz

Extrato etanólico. Outras espécies em estudo: Echinacea angustifolia e E. pallida.

In vitro:

Em macrófagos murinos RAW 264.7 incubados com o extrato vegetal, e estimuladas ou não com lipopolissacarídeo (LPS), com posterior análise dos níveis de NO e TNF-α, viabilidade celular e atividade da enzima arginase.

 

Observou-se que os extratos de Echinacea apresentam atividade anti-inflamatória, pois reduzem os níveis de NO e estimulam a ação da arginase.

[ 70 ]

Anti-inflamatória e Antiparasitária

Anti-inflamatória e Antiparasitária
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Parte aérea e raiz

Extrato etanólico (contendo 95% de parte aérea e 5% de raiz) e extrato seco. Outra espécie em estudo: Echinacea angustifolia (extrato etanólico).

In vitro:

Em parasitas Leishmania donovani, L. major e Trypanosoma brucei incubados com os extratos vegetais, com posterior análise do desenvolvimento parasitário.

Em células epiteliais brônquicas (BEAS-2B) e fibroblastos humanos incubados com L. donovani e extratos vegetais, com posterior análise dos níveis de citocinas (IL-6 e IL-8) por ensaio de imunoabsorção enzimática (ELISA).

 

Observou-se que os extratos vegetais apresentam atividade antiparasitária e anti-inflamatória, reduzindo os níveis principalmente, de IL-6 e IL-8.

[ 14 ]

Anti-inflamatória e Antiviral

Anti-inflamatória e Antiviral
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Parte aérea e raiz

Echinoforce®: contendo 65% de extrato etanólico da parte aérea e 5% da raiz. Padronizado com: 2,64 µg/mL de ácido caftárico, 0,40 µg/mL de ácido clorogênico, 3,14 µg/mL ácido cichórico, 0,07 mg/mL de equinacosídeo e 0,36 µg/mL de tetraeno.

In vitro:

Em células humanas de epitélio brônquico (BEAS-B) e células HeLA, incubadas com o extrato vegetal para realização do ensaio MTT, e infectadas com rinovírus tipo A (RVA) com posterior análise dos níveis de citocinas (IL-6 e IL-8) por imunoabsorção enzimática e microscopia histológica.

 

Observou-se que o extrato de E. purpurea apresenta atividade anti-inflamatória e antiviral, além de citotoxicidade insignificativa.

[ 16 ]
-

Extrato aquoso ou etanólico (40% de etanol), contendo ácido cichórico, ácido caftárico ou polissacarídeo. Concentração para ensaio: 10 ou 500 mg/mL.

In vitro:

Em macrófagos murinos (BALB/cByJ, C3H/HeOUJ e C3H/HeJ) e em células humanas de epitélio brônquico (BEAS-B) infectadas com rinovírus tipo 14 (RV14), incubadas com os extratos vegetais, com posterior análise dos níveis de IL-6 por imunoabsorção enzimática (ELISA) e do desenvolvimento viral.

 

Observou-se que o extrato etanólico de E. purpurea apresenta atividades antiviral e anti-inflamatória, enquanto que o extrato aquoso apresenta atividade imunoestimulante.

[ 17 ]
Parte aérea e raiz

Extrato etanólico (Echinaforce®).

In vitro:

Em células humanas de epitélio brônquico (BEAS-B), HeLa (H-1) e fibroblasto cutâneo, em células renais de macaco Vero e felina, e célula renal canina (MDCK), infectadas com os vírus: influenza (H3N2), herpes simplex tipo 1, rinovírus tipo 1A e 14 (RV1A e RV14), adenovírus 3 e 11 e sincicial respiratório (VSR), e tratadas com o extrato vegetal, com posterior análise dos níveis de citocinas IL-6, IL-8 e TNF-α por imunoabsorção enzimática e fluorescência.

 

Observou-se que E. purpurea apresenta atividades anti-inflamatória e antiviral.

[ 18 ]
Raiz

Extrato etanólico. Outras espécies em estudo: Echinacea angustifolia, E. pallida, E. simulata e E. sanguinea.

In vitro:

Em células HeLa37 infectadas com o vírus HIV e incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise da atividade antiviral.

Em células RAW 264.7 incubadas com lipopolissacarídeo (LPS) e extrato vegetal, com posterior análise dos níveis de prostaglandinas (PGE2) e atividade no receptor TRPV1.

 

Observou-se que somente E. purpurea apresenta atividade antiviral, contudo todos os extratos demonstram ação anti-inflamatória (reduz os níveis de PGE2 e agonista do receptor TRPV1).

[ 23 ]

Anti-inflamatória e Bactericida

Anti-inflamatória e Bactericida
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Parte aérea e raiz

Echinoforce®: contendo 65% de extrato etanólico da parte aérea e 5% da raiz. Padronizado com: 264,4 mg/mL de ácido caftárico, 40,2 mg/mL de ácido clorogênico, 313, 8 mg/mL ácido cichórico, 6,9 mg/mL de equinacosídeo e 36,3 mg/mL de alquilamida.

In vitro:

Em células humanas de epitélio brônquico e alveolar (BEAS-2B e A-549) incubadas com os microrganismos Legionella pneumophila, Mycobacterium smegmatis, Hemophilus influenzae, Candida albicans e Trichoderma viride e extrato vegetal, com posterior análise dos níveis de citocinas (IL-8, TNF-α e IL-6) por ensaios de imunoabsorção enzimática e fluorescência.

 

Observou-se que o extrato de E. purpurea apresenta atividades anti-inflamatória e bactericida, principalmente para S. pyogenes, H. influenzae e L. pneumophila.

[ 15 ]

Anti-inflamatória e Broncodilatadora

Anti-inflamatória e Broncodilatadora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Parte aérea

Extrato metanólico. Dose para ensaio: 50 mg/kg.

In vivo:

Em porquinhos-da-Índia portadores de inflamação alérgica das vias aéreas induzida por ovalbumina, e tratados com o extrato vegetal, com posterior análise da reatividade da musculatura lisa, da frequência de batimento ciliar, dos níveis de óxido nítrico (NO) e citocinas TH1/TH2.

O extrato de E. purpurea apresenta atividades broncodilatadora e anti-inflamatória, além de não alterar significativamente a frequência dos batimentos ciliares.

[ 50 ]

Anti-inflamatória e Cicatrizante

Anti-inflamatória e Cicatrizante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Raiz

Extrato etanólico (1:10, p/v). Outra espécie em estudo: Echinacea pallida. Concentração para ensaio: 100 mg.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley submetidos a lesões dorsais, tratados com os extratos vegetais, com posterior análise de cicatrização e histologia cutânea.

Observou-se que E. purpurea apresenta atividades anti-inflamatória e cicatrizante, contudo, E. pallida demonstra ação mais potente, devido a presença de equinacosídeo, em maior concentração,  no extrato.

[ 87 ]

Anti-inflamatória e Hipoglicemiante

Anti-inflamatória e Hipoglicemiante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Planta toda e raiz

Extrato hidroalcoólico. Outra espécie em estudo: E. angustifolia. Foram analisados 3 extratos: 1- E. purpurea (raiz); 2- E. purpurea (planta toda), e 3- E. purpurea (planta toda) associado com E. angustifolia (raiz). Doses para ensaio (in vivo): 0,4 mL/kg.

In vitro:

Em células tumorais MCF-7, HeLa e SBR incubadas com os extratos vegetais, e determinar a atividade antioxidante através dos radicais DPPH e ABTS.

 

In vivo:

Em ratos Wistar submetidos ao ensaio de edema de pata, ou portadores de diabetes induzido por aloxana, tratados com os extratos vegetais.

Observou-se atividades anti-inflamatória, hipoglicemiante e antiproliferativa, para os extratos 1, 1 e 3, e 3, respectivamente.

[ 5 ]

Anti-inflamatória e Imunomoduladora

Anti-inflamatória e Imunomoduladora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Parte aérea, raiz e flor

Extratos: etanólico, hidroalcoólico, água/acetato de etila e outros solventes (hexano, benzeno, éter, clorofórmio, acetato de etila, etanol e água). Outras espécies em estudo: Echinacea angustifolia e E. pallida.

In vitro:

Em sangue de humanos saudáveis incubados com os extratos vegetais, com posterior análise dos níveis de citocinas (CD4, CD69, C3PerCP, CD8, CD69/PE, CD3PerCP, CD19, CD69, CD45PerCP, CD56, CD69PE, CD45PerCP) por citometria de fluxo.

 

Observou-se que os extratos aquosos apresentam atividade imunomoduladora mais potente, independente do material vegetal, além da ação anti-inflamatória.

[ 25 ]
Raiz

Extrato (1:5, p/v): maceração do material vegetal (pó) em etanol à 75%.

In vitro:

Em macrófagos murinos 264.7 incubadas com o extrato vegetal, e infectadas pelo vírus da influenza A (cepa PR/8/34), com posterior análise dos níveis de citocinas e PGE2.

 

Observou-se que o extrato de E. purpurea apresenta atividade imunomoduladora e anti-inflamatória, pois suprime a produção de TNF-α e PGE2.

[ 62 ]
Parte aérea e raiz

Extrato: a partir do suco da parte aérea. Concentração para ensaio: 100 µg/mL.

Tintura (p/v): 1 parte de raiz em 9 partes de etanol à 50%. Concentração para ensaio: 50 µg/mL.

In vitro:

Em células epiteliais brônquicas humanas (BEAS-2B) infectadas ou não com rinovírus tipo 14 (RV 14) e incubadas com os extratos vegetais, com posterior análise dos níveis de IL-6, IL-8, TNF-α e eotaxina por imunoabsorção enzimática (ELISA).

 

Observou-se que ambos os extratos de E. purpurea apresentam atividade anti-inflamatória, em células infectadas, contudo, em células saudáveis houve estímulo para a liberação das citocinas em estudo.

[ 35 ]

Antiandrogênica e Imunomoduladora

Antiandrogênica e Imunomoduladora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Raiz

Extrato etanólico. Dose para ensaio: 50 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar submetidos a suplementação com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos, morfológicos e histopatológicos da próstata, epidídimo e testículo.

Observou-se que E. purpurea apresenta atividades imunomoduladora e antiandrogênica.

[ 82 ]

Antibacteriana

Antibacteriana
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato: contendo 3,045% de ácido cichórico, 1,575% de ácido caftárico, 0,065% de ácido clorogênico e 1,635% de isobutilamida do ácido dodeca-2E,4E,8Z,10E/Z-tetraenóico.

In vitro:

Em macrófagos derivados da medula óssea de camundongos incubados com o extrato vegetal, com posterior análise dos níveis de β-actina por RT-PCR, fagocitose celular, atividade bacteriana intracelular, expressão proteica (iNOS, ERK e JNK) por Western blotting, e os níveis de IL-6, IL-10, IL-12, TNF-α, IFN-γ e TGF-β por imunoabsorção enzimática (ELISA).

 

Observou-se que o extrato de E. purpurea apresenta atividade antibacteriana, pois estimula a ação fagocitária dos macrófagos (sinalização da via JNK).

[ 47 ]

Antileucêmica

Antileucêmica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Raiz

Extrato. Dose para ensaio: 0,45 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos DBA/2 imunizados com células eritroleucêmicas não viáveis, suplementados com o extrato vegetal, e submetidos a administração de células tumorais viáveis, para análise dos níveis de células NK do baço e medula óssea por microscopia de imunofluorescência (ASGM-1), identificação e quantificação de células hematopoiética e células imunes por microscopia óptica.

Observou-se que E. purpurea combinada com a imunização, estimula o sistema imunológico, favorecendo o tratamento antileucêmico.

[ 86 ]

Antileucêmica e Imunomoduladora

Antileucêmica e Imunomoduladora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha

Extrato etanólico. Concentração estoque: 10 mg/mL. Dose para ensaio: 7,5 mg/aminal.

In vivo:

Em camundongos AKR/J portadores de linfoma tímico induzido (MuLV), tratados com o extrato vegetal, com posterior análise dos níveis de IFN-α, TNF-α e IL-12 por imunoabsorção enzimática (ELISA).

Observou-se que o extrato de E. purpurea apresenta atividade imunomoduladora e antileucêmica.

[ 88 ]
Folha

Extrato etanólico. Concentração estoque: 10 mg/mL. Dose para ensaio: 7,5 mg/aminal.

In vivo:

Em camundongos AKR/J portadores de linfoma tímico induzido (MuLV), tratados com o extrato vegetal, com posterior análise dos níveis de IFN-α, TNF-α e IL-12 por imunoabsorção enzimática (ELISA).

Observou-se que o extrato de E. purpurea apresenta atividade imunoestimuladora e antileucêmica.

[ 89 ]

Antiofídica

Antiofídica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Raiz

Extrato aquoso. Concentrações para ensaio (in vitro): 4 a 266 µg/mL, e (in vivo): 100 e 200 µg.

In vitro:

Em células mononucleares de sangue periférico humano (PBMC), incubadas com o extrato vegetal e lectinas (PHA, Com A e PWM, separadamente).

 

In vivo:

Em camundongos Swiss infectados com veneno de Bothrops asper e tratados com o extrato vegetal, com posterior análise dos níveis de IgG por imunoabsorção enzimática (ELISA).

Observou-se que o extrato de E. purpurea apresenta atividade antiofídica, além de estimular a proliferação de linfócitos.

[ 22 ]

Antioxidante

Antioxidante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato. Dose para ensaio: 30 mg/kg.

In vitro:

Em ratos submetidos a terapia com nanopartículas magnéticas associado a administração do extrato vegetal, com posterior análise do nível plasmático de testosterona, da expressão proteica (INSL3), histoquímica e morfológica do tecido testicular.

 

Observou-se que o extrato de E. purpurea apresenta atividade antioxidante, reduzindo assim, os efeitos colaterais desenvolvidos pela terapia com nanopartículas magnéticas.

[ 43 ]
-

Extrato seco: associação das espécies Echinacea angustifolia e Echinacea purpurea. Dose para ensaio: 50 mg/kg.

In vivo:

Em ratos portadores de colite aguda induzida por ácido acético, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise de parâmetros bioquímicos (MDA e CAT) e histopatológicos.

Observou-se que a associação das espécies de Echinacea apresenta atividade antioxidante, sendo promissora para o tratamento da colite aguda.

[ 7 ]
Parte aérea e raiz

Extrato: material vegetal submetido a extração sucessiva com éter de petróleo, metanol, clorofórmio, metanol e etanol:água. Outras espécies em estudo: Cyclotrichium niveum, Thymus praecox subsp. caucasicus var. caucasicus e Echinacea pallida.

In vitro:

Determinar a atividade da enzima acetilcolinesterase (AChE) por espectrofotômetria e antioxidante através do radical DPPH e íons ferrosos dos extratos vegetais.

 

Observou-se que o extrato de clorofórmio da parte aérea de E. purpurea apresenta atividade antioxidante através ação quelante de íons ferrosos, contudo não apresenta ação anticolinesterase.

[ 69 ]
Folha e raiz

Extrato: 30 a 50 g do material vegetal (seco) em 400 a 500 mL de etanol à 85%. Rendimento: 6,0% (raiz) e 12,6% (folha). Outras espécies em estudo: Echinacea pallida e E. angustifolia.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através do radical ácido 2,2’-azino-bis(3-etilbenztiazolina-6-sulfônico) (ABTS) e peroxidação lipídica em células de neuroblastoma (SH-SY5Y).

 

Observou-se que todos os extratos vegetais apresentam atividade antioxidante.

[ 39 ]
Raiz

Extrato: material vegetal (pó) em metanol ou clorofórmio. Outras espécies em estudo: Echinacea angustifolia e E. pallida.

In vitro:

Determinar a capacidade quelante (FeCl3, CuCl2, Fe3+ e Cu2+), e atividade antioxidante através dos radicais DPPH e ABTS, peroxidação lipídica em lipossomas e oxidação induzida em LDL humano.

 

Observou-se que todos os extratos apresentam atividade antioxidante, contudo o extrato metanólico de E. pallida demonstra ação mais potente.

[ 40 ]

Antioxidante e Citoprotetora

Antioxidante e Citoprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato: contendo 8,35% (p/v) de ácido caféico e derivados. Outras espécies em estudo: Rosmarinus officinalis, Origanum vulgare e Salvia officinalis.

In vitro:

Em células de adenocarcinoma epitelial colorretal humana (Caco-2) incubadas com o extrato vegetal e peróxido de hidrogênio (H2O2), com posterior análise da integridade da membrana celular (ensaio da liberação da desidrogenase lactato), da viabilidade celular (ensaio de absorção de vermelho neutro), determina a atividade antioxidante (GSH, CAT e SOD) e citotoxicidade (ensaio do Cometa).

 

Observou-se que o extrato de E. purpurea apresenta baixa toxicidade, contudo apenas o extrato de S. officinalis demonstra atividades antioxidante e citoprotetora, significativas.

[ 28 ]

Antioxidante e Hipoglicemiante

Antioxidante e Hipoglicemiante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Flor

Extrato: 1,5 kg do material vegetal (pó) em etanol/água. Rendimento: 27,04%. Concentrações para ensaios: 0 a 50 mg/mL.

In vitro:

Determinar a atividade antioxidante através do radical DPPH.

Analisar a atividade das enzimas α-amilase, α-glucosidade e conversora de angiotensina, após tratamento com o extrato vegetal.

 

Observou-se que o extrato hidroalcoólico de E. purpurea apresenta atividades antioxidante, hipoglicemiante e anti-hipertensiva.

[ 4 ]

Antioxidante e Imunomoduladora

Antioxidante e Imunomoduladora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Planta toda

Pó. Dose para ensaio: 360 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos ICR, C3H/HeNCrj e C57BL/6crSlc submetidos a radiação (2 Gy de raios-X) e tratados com E. purpurea, com posterior análise dos níveis de leucócitos, linfócitos, granulócitos, monócitos e imunoglobulinas, e atividade antioxidante (SOD) em sangue periférico, análise dos níveis plasmáticos de IgG e IgM por imunoabsorção enzimática (ELISA) e análise dos níveis de CD3, CD4 e CD8 por citometria de fluxo.

Observou-se que E. purpurea apresenta atividade imunomoduladora e antioxidante.

[ 80 ]

Antiparasitária

Antiparasitária
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Parte aérea

Extrato: infusão de 0,6, 2,0 ou 6 g do material vegetal (pó) em 100 mL de água. Doses para ensaio: 30, 100 ou 300 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss infectados pré-tratados com o extrato vegetal, submetidos à infecção aguda e prolongada com cepas de Toxoplasma gondii (linhagem RH ou ME49), com posterior contagem de taquizoítos peritoneal e hepático, e cistos cerebrais.

Observou-se que o extrato de E. purpurea apresenta atividade antiparasitária, reduzindo a concentração parasitária peritoneal, hepática e cerebral.

[ 48 ]

Antitumoral

Antitumoral
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Flor

Extrato: 10 g do material vegetal (pó) em 100 mL de etanol/água. Concentrações para ensaio: 0 a 2000 µg/mL.

In vitro:

Em células de câncer colorretal (HCT-116 e Caco-2) incubadas com o extrato vegetal, e submetidas ao ensaio MTT.

 

O extrato hidroalcoólico das flores de E. purpurea apresenta atividade citotóxica, tempo-dependente.

[ 8 ]

Antitussígena e Broncodilatadora

Antitussígena e Broncodilatadora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Parte aérea

Extrato.

In vivo:

Em porquinhos-da-Índia expostos a um aerossol de ácido cítrico para indução de tosse, e tratados com o extrato vegetal, com posterior análise da reatividade do músculo liso.

O extrato de E. purpurea apresenta atividades antitussígena e broncodilatadora.

[ 51 ]

Antiviral

Antiviral
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Raiz

Extrato: 0,05 g do material vegetal (seco) em 1 mL de etanol à 70%. Frações: n-hexano e acetato de etila. Outras espécies em estudo: Echinacea laevigata, E. pallida var. pallida, E. pallida var. angustifolia, E. pallida var. tennesseensis, E. pallida var. sanguinea, E. atrorubens var. paradoxa e E. atrorubens var. atrorubens.

In vitro:

Em células Vero incubadas com os extratos vegetais, infectadas pelo Vírus Herpes Simples tipo 1 (HSV-1) e expostas à luz visível e UV-A, com posterior determinação da concentração inibitória mínima (CIM).

 

Observou-se que E. purpurea não apresenta atividade antiviral significativa, contudo, as frações de n-hexano (ricos em alcenos e amidas) demonstram ação mais potente.

[ 85 ]
Parte aérea e raiz

Extrato hidroalcoólico (Echinaforce®): 95:5 (parte aérea:raiz). Concentração para ensaio: 50 µg/mL.

In vitro:

Em células renais caninas MDCK (Madin-Darby) incubadas com o extrato vegetal, e infectadas por vírus da influenza humana (H1N1 e H3N2), aviária (H5N1 e H7N7) e suína (S-OIV, H1N1), com posterior análise da concentração inibitória máxima (CIM100), ensaios de hemaglutinação e resistência viral.

 

Observou-se que o extrato de E. purpurea apresenta atividade antiviral, além da baixa toxicidade.

[ 67 ]

Aumenta os níveis de cálcio intracelular

Aumenta os níveis de cálcio intracelular
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Raiz

Extrato etanólico.

In vitro:

Em células humanas não imunológicas (HEK 293) incubadas com o extrato vegetal, inibidor da fosfolipase C e um antagonista do receptor inositol 1,4,5-trifosfato (IP3) com posterior análise dos níveis de cálcio (Ca2+) intracelular e mecanismo de ação.

 

Observou-se que o extrato etanólico de E. purpurea aumenta os níveis de cálcio intracelular, dependentes da fosfolipase C e receptores IP3.

[ 12 ]

Citoprotetora

Citoprotetora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato. Concentração para ensaio: 50 a 400 µg/mL.

In vitro:

Em células mesenquimais embrionárias do palato de camundongos C57BL/6J incubadas com o extrato vegetal e fenitoína, isolados ou em associação, com posterior análise da viabilidade celular (ensaio CCK-8), proliferação celular e apoptose (ensaios de marcação BrdU, citometria de fluxo e Tunel).

 

Observou-se que o extrato de E. purpurea apresenta atividade citoprotetora, principalmente na concentração de 150 µg/mL, sendo promissor na redução da teratogencidade da fenda palatina provocada pela fenitoína (reduz a proliferação celular e estimula a apoptose).

[ 59 ]
-

Extrato seco. Dose para ensaio: 30 mg/kg.

In vivo:

 Em camundongos Swiss submetidos a radiação gama (Césio 137), tratados com o extrato vegetal (antes e após a radiação), com posterior análise de parâmetros bioquímicos, hematológicos, contagem de células da medula óssea, atividade antioxidante (peroxidação lipídica, SOD e GSPx) e análise do tecido hepático (fragmentação do DNA e alterações estruturais).

Observou-se que o extrato de E. purpurea apresenta atividade citoprotetora, contra as radiações gama.

[ 72 ]

Estimulante da produção de células NK

Estimulante da produção de células NK
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Raiz

Extrato. Dose para ensaio: 0,45 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos DBA/2 idosos, submetidos ao tratamento com o extrato vegetal, com posterior análise dos níveis e atividade das células NK do baço e medula óssea por marcação de imunoperoxidase, coloração com tetracromo e imunofluorescência com iodeto de propídio, identificação e quantificação de células hempatopoíeticas (linfoides, mieloides, eritroides nucleados e monocitoides) por microscopia.

Observou-se E. purpurea estimula a produção de novas células NK, além da atividade citolítica.

[ 90 ]

Estimulante da proliferação celular

Estimulante da proliferação celular
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Produto comercial (Ratiopharm). Doses para ensaio: 0,005 a 2,5 mg. Outras espécies em estudo: Echinacea angustifolia, Rhodiola rosea e R. quadrifida.

In vivo:

Em camundongos Balb/c tratados com os extratos vegetais, com posterior isolamento de esplenócitos e incubados com o mitógeno fitohemaglutinina (PHA).

Observou-se que os extratos vegetais, em baixas doses, estimulam a proliferação celular na presença de PHA.

[ 57 ]

Farmacocinética

Farmacocinética
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato: 500 g do material vegetal em 5 L de etanol/água (60:40, v/v). Concentração estoque: 0,5 g/mL.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley submetidos a administração oral do extrato vegetal com posterior análise da concentração plasmática de composto fenólicos (ácidos sirínico, ferúlico, cafeico, vanílico, p-cumárico, 3,4-de-hidroxibenzóico e 4-hidroxibenzóico) por UHPLC-ESI-MS/MS.

A metodologia apresentada pode considerada segura para análise estudos farmacocinéticos em ensaios pré-clínicos.

[ 2 ]
Raiz

Extrato: material vegetal (pó) em etanol à 60%. Rendimento: 5:1. Dose para ensaio: 158,6 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley submetidos a administração do extrato vegetal ou isobutilamida do ácido dodeca-2E,4E,8Z,10E/Z-tetraenóico isolado, com posterior quantificação dos níveis plasmático e urinário, e parâmetros farmacocinéticos do tetraeno.

Observou-se que a isobutilamida é rapidamente absorvida, e sua metabolização é reduzida quando administrada na forma de extrato.

[ 58 ]

Hiperplasia prostática

Hiperplasia prostática
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Raiz

Extrato (1:1): material vegetal (pó) em etanol à 50%. Concentração: 1 mL de extrato contém 90 mg de material vegetal seco. Dose para ensaio: 50 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar portadores de hiperplasia prostática benigna (HPB) induzida, tratados com o extrato vegetal, com posterior análise microscópica, histológica e morfológica do tecido prostático.

Observou-se que o extrato de E. purpurea reduz significativamente as alterações morfológicas provocadas pela HPB.

[ 68 ]

Hipoglicemiante

Hipoglicemiante
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Raiz

Extrato. Concentração para ensaio: 50 µg/mL.

In vitro:

Em pré-adipócitos 3T3-L1 incubados com o extrato vegetal, insulina, 3-isobutil-1-metilxantina e dexametasona, com posterior análise da diferenciação celular e expressão de PPARγ, C/EBPα e β-actina.

 

Observou-se que o extrato de E. purpurea atividade hipoglicemiante, além de estimular a adipogênese, por ativação dos receptores PPARγ e C/EBPα.

[ 54 ]

Imunomoduladora

Imunomoduladora
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Raiz

Extrato. Dose para ensaio: 2 mg/animal.

In vivo:

Em camundongos BALB/cByJ submetidos a suplementação com extrato vegetal, desde a puberdade até a meia idade, com posterior análise das células NK (baço e medula óssea) por marcadores de superfície (ASGM-) e da diferenciação celular (NK, linfócitos, granulócitos, eritróides nucleados e monócitos).

Observou-se que o extrato de E. purpurea apresenta atividade imunomoduladora, relacionando-se ao aumento da longevidade.

[ 78 ]
Parte aérea

Suco (contendo 20% de etanol) ou extrato seco (contendo 2,4% de frutofuranosídeos): a partir da prensagem do material vegetal (fresco). Concentrações para ensaio: 0,01 a 10 µg/mL.

In vitro:

Em macrófagos de sangue periférico humano estimulados por lipopolissacarídeo (LPS) e incubados com os extratos vegetais, com posterior análise dos níveis de IL-1, IL-6, IL-10 e TNF-α por imunoabsorção enzimática (ELISA).

 

Observou-se que as preparações de E. purpurea apresentam atividade imunoestimulante.

[ 41 ]
-

Extrato seco. Outra espécie em estudo: Panax ginseng. Concentrações para ensaio: 0,001 a 100 µg/mL.

In vitro:

Em células mononucleares de sangue periférico de humanos (PBMC) normais, portadores do Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) ou Síndrome da Fadiga Crônica, incubadas com os extratos vegetais, com posterior análise da atividade das células NK e citotoxicidade.

Em células H9 infectadas por herpesvírus humano 6 (HHV-6) incubadas com os extratos vegetais.

 

Observou-se que os extratos de E. purpurea e P. ginseng apresentam atividade imunomoduladora em pacientes normais ou com deficiência imunológica.

[ 42 ]
Planta toda

Extrato seco (cápsula de 250 mg): dissolvido em água ou etanol (25 mg extrato seco/mL de solvente).

Extrato: material vegetal (fresco) em etanol à 44-50%.

In vitro:

Em esplenócitos isolados de camundongos BALB/c, incubados com os extratos vegetais, com posterior análise da aderência celular, presença de células CD3 por citometria de fluxo, citocinas e mediadores pró-inflamatórios por imunoabsorção enzimática (ELISA).

 

Observou-se que os extratos de E. purpurea apresentam atividade imunomoduladora, regulando principalmente, linfócitos não aderentes.

[ 81 ]
-

Suco (EFLA®894): a partir da prensagem do material vegetal fresco. Doses para ensaio: 10, 30 e 100 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos BALB/c submetidos ao tratamento de imunossupressão associado com extrato vegetal, com posterior análise da proliferação celular em homogenato do baço, atividade das células NK, expressão de CD4 e CD8 por citometria de fluxo e de citocinas (IL-6, IL-10 e IL-17) por qPCR.

[ 44 ]
-

Extrato: a partir da prensagem do material vegetal fresco. Outra espécie em estudo: Nigella sativa.

In vivo:

Em camundongos Swiss submetidos a imunização com o vírus da influenza (H5N1), tratados com os extratos vegetais, com posterior análise dos órgãos linfoides, dos níveis de CD4+, CD8+, linfócitos B, IgM e IgG por imunofenotipagem e imunoabsorção enzimática (ELISA).

Observou-se que E. purpurea apresenta atividade imunomoduladora, sendo importante a administração do extrato vegetal dias antes da imunização, em pacientes com processos inflamatórios pós vacinação.

[ 45 ]
-

Extrato: contendo 3,045% de acido cichórico, 1,575% de ácido caftárico, 0,065% de ácido clorogênico e 1,635% de isobutilamida do ácido dodeca-2E,4E,8Z,10E/Z-tetraenóico. Concentração para ensaio: 400 µg/mL.

In vitro:

Em células dendríticas derivadas da medula óssea de camundongos C57BL/6 incubadas com o extrato vegetal com posterior análise dos níveis de CD40, CD80, CD83 e CD86 por citometria de fluxo, fagocitose celular, expressão genética de TLR1 e TLR2 por RT-PCR, expressão proteica de ERK1/2, JNK, p-38 MAPK, NF-kB p65, LaminB1, IkBα e 137 β-actina por Western blotting e presença de citocinas IFN-γ, IL-12p70, IL-10 e TGF-β-1 por imunoabsorção enzimática (ELISA).

 

Observou-se que o extrato de E. purpurea apresenta atividade imunomoduladora, por ativação das vias JNK, p-38 MAPK e NF-kB.

[ 46 ]
-

Tintura (Herbamed AG).

In vitro:

Em leucócitos mononucleares isolados de sangue periférico, incubados com diferentes concentrações da tintura vegetal, com posterior análise dos níveis de citocinas (IL-4, IL-6, IL-8, IL-10, IL-1β e TNF-α).

 

Observou-se que a tintura de E. purpurea, em baixas concentrações, induz a produção de citocinas pró e anti-inflamatórias, sendo importante para o equilíbrio do sistema imunológico (Th1/Th2).

[ 10 ]
Raiz

Extrato. Dose para ensaio: 0,45 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos DBA/2 portadores de leucemia induzida, suplementados com o extrato vegetal, com posterior análise dos níveis de células NK do baço e medula óssea por microscopia de imunofluorescencia (ASGM-1), identificação e quantificação de células hematopoiéticas (linfoides, mieloides, eritroides nucleados e monocitoides) por coloração com tetracromo de MacNeal.

 

Observou-se que o extrato de E. purpurea apresenta atividade imunomoduladora, favorecendo o tratamento antileucêmico.

[ 88 ]
Raiz

Tintura (1:9): material vegetal (fresco) em etanol/água (50:50). Outras espécies em estudo: Echinacea laevigata, E. pallida e E. angustifolia.

In vitro:

Em células mononucleares de sangue periférico humano incubadas com as tinturas, com posterior análise dos níveis de TNF-α, IL-2, IL-10 e da proliferação celular.

 

Observou-se que as tinturas apresentam atividade imunomoduladora, sendo E. laevigata a mais potente.

[ 11 ]
Raiz

Extrato (1:5, p/v): 1,9 kg do material vegetal (pó) em etanol à 75%.

In vitro:

Em células RAW 264.7 incubadas com extratos, a partir de plantas cultivadas em ambiente normal ou em condições estéreis, com posterior análise dos níveis de TNF-α, CCL3/MIP-1α e CCL5/RANTES por imunoabsorção enzimática (ELISA).

 

Observou-se que o extrato de E. purpurea apresenta atividade imunomoduladora, contudo, plantas cultivadas em ambientes estéreis originam extratos sem atividade farmacológica, demonstrando a importância dos microrganismos endofíticos.

[ 52 ]
Raiz

Extrato etanólico: contendo 8,665 µg/g de ácido chicórico e 218,5 µg/g de isobutilamida do ácido dodeca-2E,4E,8Z,10E/Z-tetraenóico. Dose para ensaio: 300 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos BALB/c submetidos ao tratamento com o extrato vegetal, com posterior análise da atividade de células reguladoras (Tregs), efetoras (Teffs) e apresentadoras de antígenos (APCs) por citometria de fluxo.

O extrato de E. purpurea apresenta atividade imunomoduladora, reduzindo o número e a função das células Tregs e estimulando as células APCs.

[ 53 ]
Raiz

Pastilhas: contendo 0,75 g/kg de extrato seco. Outra espécie em estudo: Panax ginseng (pastilhas contendo 0,5 mg/kg do material vegetal).

In vivo:

Em ratos Fischer 344 saudáveis submetidos a administração dos extratos vegetais com posterior análise da expressão de IL-10, TNF-α e TGF-β1 por RT-PCR.

Observou-se que ambos os extratos vegetais apresentam atividade imunomoduladora, pois estimulam a expressão de TNF-α (E. purpurea) e IL-10 (P. ginseng).

[ 55 ]
Parte aérea

Extrato: material vegetal (pó) em etanol à 75%. Rendimento: 15,1%. Outra espécie em estudo: Echinacea angustifolia var. angustifolia. Doses para ensaio: 50, 100 e 200 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Sprague-Dawley submetidos a administração dos extratos vegetais, com posterior análise do desenvolvimento/maturação de células mononucleares da medula óssea femoral através do ensaio Luciferase.

Observou-se que os extratos de ambas as espécies vegetais apresentam atividade imunoestimuladora.

[ 56 ]
Caule e folha

Extrato: material vegetal (fresco) em etanol à 70%. Frações: etanólica, acetato de etila e n-butanol. Rendimento: 10,3, 7,23 e 77,2%, respectivamente.

In vitro:

Em células dendríticas derivadas de monócitos isoladas de células mononucleares de sangue periférico humano (PBMCs) incubadas com o extrato vegetal, com posterior identificação de antígenos (HLADR, CD-14-PE, CD-32-PE, CD-83 e CD-86) por citometria de fluxo, análise da expressão gênica (IL-8, IL-1β, IL-8 e CXCL2, CCL2 e CCL5) e proteica, e citotoxicidade em células dendríticas imaturas através do ensaio MTT.

 

Observou-se que a fração butanólica de E. purpurea apresenta atividade imunomoduladora mais potente, além de baixa citotoxicidade.

[ 20 ]
Folha e caule

Extrato: material vegetal (fresco) em solução hidroalcoólica. Fração: n-butanol, rendimento: 7,23%.

In vitro:

Em células dendríticas derivadas da medula óssea de camundongos incubadas com a fração butanólica, com posterior análise genômica e proteômica por citometria de fluxo, microarray e bioinformática.

 

Observou-se que a fração n-butanólica de E. purpurea modula a motilidade e a fisiologia das células em estudo.

[ 60 ]
Parte aérea

Pó. Dose para ensaio: 500 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar submetidos a administração do extrato vegetal e levamisol, isolados ou em associação, com posterior análise de parâmetros hematológicos, bioquímicos e atividade fagocitária.

Observou-se que E. purpurea apresenta atividade imunoestimuladora, isoladamente ou em associação com levamisol (sinergismo).

[ 61 ]
Parte aérea

Extrato: prensagem do material vegetal (fresco) com posterior precipitação em etanol. Dose para ensaio: 10 mg.

In vivo:

Em camundongos C57BL6 infectados com o vírus da influenza A (WSN) e tratados com o extrato vegetal, com posterior análise do peso corporal e dos níveis de citocinas (IL-1β, IL-2, IL-4, IL-5, KC, IL-10, IL-12, IFN-γ, TNF-α) por imunoabsorção enzimática (ELISA).

Observou-se que o extrato de E. purpurea apresenta atividade imunomoduladora (reduz os níveis de KC, IL-10 e IFN-γ), sem ação antiviral direta.

[ 63 ]
Raiz

Extrato: maceração de 1 g do material vegetal (pó) em 2 mL de etanol à 95.

In vitro:

Em microssomas hepáticos humanos incubados com o extrato vegetal com posterior análise dos níveis de alquilamida e seus metabólitos por Cromatografia Líquida com Espectrômetro de Massa (LC-MS), e em células T leucêmicas humanas (Jurkat) para analisar os níveis de interleucina IL-2 por imunoabsorção enzimática (ELISA).

 

Observou-se que o processo de metabolização das alquilamidas reduz a supressão da secreção de IL-2.

[ 30 ]
Parte aérea e raiz

Extrato etanólico: parte aérea (rico em alquilamida) e raiz (rico em polissacarídeos). Concentrações para ensaio: 50 e 150 µg/mL, 150 e 450 µg/mL, respectivamente.

In vitro:

Em células dendríticas isoladas da medula óssea de camundongos C57B1/6 e OTII/Thy1.1, incubadas com os extratos vegetais, com posterior análise da expressão de MHC classe II, CD11, CD54, CD86 por citometria de fluxo, dos níveis de citocinas IL-6, IL-10, TNF-α por imunoabsorção enzimática (ELISA) e atividade das enzimas COX-1 e 2.

 

Observou-se que os extratos de E. purpurea apresentam atividades imunossupressora (parte aérea) e imunoestimuladora (raiz).

[ 65 ]
Raiz

Extrato (a partir das raízes secas armazenadas por 16 meses): 1 parte do material vegetal/9 partes de etanol/água (50:50, v/v). Outras espécies em estudo: Echinacea angustifolia, E. pallida, E. paradoxa, E. sanguinea, E. simulata e E. tennesseensis.

In vitro:

Em células mononucleares de sangue periférico humano (PBMC) imunizados contra o vírus da influenza tipo A, incubadas com o extrato vegetal com posterior análise dos níveis de IL-2, IL-10 e IFN-γ por imunoabsorção enzimática (ELISA).

 

Observou-se que o processo de armazenamento não interfere na atividade farmacológica dos extratos vegetais, contudo, cada espécie apresenta um perfil de modulação imunológica.

[ 31 ]
Raiz

Extrato: 1 parte do material (pó) em 9 partes de etanol à 50 ou 95%, por método convencional (infusão) ou em aparelho extrator (Soxhlet), respectivamente. Outras espécies em estudo: Echinacea angustifolia var. strigosa, E. tennesseensis e E. pallida.

In vitro:

Em macrófagos murinos RAW 264.7 incubados com os extratos vegetais, e infectados pelo Vírus Herpes Simples (HSV-1), com posterior análise dos níveis de IFN-α e IFN-β, e expressão de proteínas de ligação à guanilato GBP e óxido nítrico sintase (iNOS).

 

Observou-se que o extrato etanólico (à 50%) de E. purpurea obtido por método convencional, apresenta atividade imunoestimulante mais potente, principalmente por induzir a expressão de iNOS.

[ 66 ]
Planta toda, Raiz, Caule e folha

Extrato: material vegetal (fresco) em etanol à 70%. Rendimento: planta toda - 16,3%; caule e folha - 18,4% - raiz, 16,8% e flor - 20,5%.

In vitro:

Em células mononucleares de sangue periférico humano (PBMC) incubadas com os extratos vegetais, com posterior análise dos níveis CD14, CD32, CD83 e CD86 por citometria de fluxo, da viabilidade celular pelo ensaio MTT e da expressão gênica por sistema de microarray.

 

Observou-se que os extratos de E. purpurea modula a diferenciação e a imunidade em células dendríticas.

[ 32 ]
Parte aérea e raiz

Extrato: a partir do suco da parte aérea. Concentração para ensaio: 100 µg/mL.

Tintura (p/v): 1 parte de raiz em 9 partes de etanol à 50%. Concentração para ensaio: 50 µg/mL.

In vitro:

Em células epiteliais brônquicas humanas (BEAS-2B) infectadas com rinovírus tipo 14 (RV 14) e incubadas com os extratos vegetais, com posterior análise de fatores de transcrição nuclear (NF-kB, AP-1, AP-2 e STATs 1-6) e das subunidades de NF-kB por imunoabsorção enzimática (ELISA).

 

Observou-se que ambos os extratos de E. purpurea apresentam atividade imunomoduladora, pois reduz os níveis dos fatores de transcrição nuclear.

[ 33 ]
Caule, Folha e flor

Extrato: 250 mg do material vegetal em glicerina à 50%. Dose para ensaio: 0,08 a 0,8 mL/kg.

In vivo:

Em camundongos Swiss submetidos a imunização com glóbulos vermelhos de ovelha (SRBC), com posterior administração do extrato vegetal, para análise dos níveis de IgM.

Observou-se que o extrato de E. purpurea apresenta atividade imunomoduladora, principalmente, após os primeiros sinais de infecção.

[ 37 ]
Parte aérea

Extrato: 100 do material vegetal (pó) em 1000 mL de etanol à 70%. Dose para ensaio: 360 mg/kg.

In vivo:

Em camundongos NMRI prenhes tratadas com extrato vegetal ou levamisol, com posterior análise dos efeitos teratogênicos induzidos pela fenitoína, como a fenda palatina, e avaliações fetais (peso e comprimento).

Observou-se que o extrato de E. purpurea apresenta atividade imunomoduladora, reduzindo a incidência da fenda palatina induzida por fenitoína.

[ 75 ]

Imunomoduladora e Citotóxica

Imunomoduladora e Citotóxica
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Folha e flor

Extrato: maceração de 1 parte do material vegetal (seco) em 5 partes de etanol/água (95:5, 75:25, 50:50 e 25:75). Concentrações para ensaio: 0,1 a 100 µg/mL.

In vitro:

Em linfócitos T humanos (Jurkat) incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise dos níveis de IL-2 por imunoabsorção enzimática (ELISA) e citotoxicidade pelo ensaio XTT.

 

Observou-se que o extrato hidroalcoólico (95:5) de E. purpurea, inibe a produção de IL-2, dose-dependente, provavelmente devido a presença das alquilamidas, além de reduzir a viabilidade celular, independente da dose.

[ 34 ]

Metabolismo

Metabolismo
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Raiz

Extrato: 10 g do material vegetal (pó) em 100 mL de metanol. Frações: clorofórmio, clorofórmio/metanol, clorofórmio/metanol/água e metanol.

Cápsula (extrato seco): extração realizada com metanol.

In vitro:

Em células HepG2 transfectadas com plasmídeos contendo o gene repórte Luciferase (Psg5-PXR), incubadas com o extrato vegetal, com posterior teste de luminescência e expressão de CYP1A2, CYP3A4 e MDR1.

 

Observou-se que os extratos e frações de E. purpurea regulam positivamente a expressão das proteínas citadas neste estudo.

[ 6 ]
-

Extrato (1:20): 200 g do material vegetal (pó) em etanol à 50%. Concentração: 0,5 g/mL.

In vivo:

Em ratos Srague-Dawley submetidos a administração oral do extrato vegetal, com posterior análise dos níveis plasmáticos dos ácidos cichórico, clorogênico, quínico e cafeico por Cromatografia Líquida de Ultra Performance Acoplada à Espectrometria de Massa (UPLC-MS/MS).

Observou-se que esta técnica pode ser considerada segura e eficiente para realizar estudos farmacocinéticos.

[ 49 ]

Modulador da apoptose

Modulador da apoptose
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Raiz

Extrato: contendo 1,5% de polifenóis totais. Doses para ensaio: 30 e 100 mg/kg. Outra espécie em estudo: Hypericum perforatum.

In vivo:

Em camundongos BALB/c tratados com o extrato vegetal, com posterior isolamento de linfócitos esplênicos para análise da fragmentação do DNA e expressão de proteínas envolvidas na apoptose (Fas e Bcl-2), por citometria de fluxo.

Observou-se que os extratos vegetais são moduladores da apoptose, pois estimulam a expressão de Bcl-2 e inibem a expressão de Fas.

[ 83 ]

Redutora de prolactina

Redutora de prolactina
Parte da planta
Extrato / RDD / Padronização
Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Raiz

Pó: contendo 1,5% de polifenóis totais. Doses para ensaio: 30 e 100 mg/kg. Outras espécies em estudo: Hypericum perforatum e Eleutherococcus senticosus.

In vivo:

Em ratos Wistar tratados com o extrato vegetal com posterior análise do nível sérico de prolactina através do ensaio Nb2.

Observou-se que E. purpurea e H. perforatum reduzem os níveis plasmáticos de prolactina, principalmente na dose de 100 mg/kg.

[ 77 ]
Ensaios toxicológicos

Antiespermatogênica

Antiespermatogênica
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Raiz

Extrato. Dose para ensaio: 50 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar submetidos a suplementação com o extrato vegetal, com posterior análise morfológica e histológica do testículo e epipídimo.

Observou-se que o extrato de E. purpurea compromete significativamente espermatogênese.

[ 79 ]

Citotoxicidade

Citotoxicidade
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Extrato: 10 g do material vegetal em 1 mL de água. Concentrações para ensaio: 01, a 10 µg/mL.

In vitro:

Em linhagem celular NK-sensível (GL40), incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise de citotoxicidade por citometria de fluxo.

Em células mononucleares de sangue periférico humano (PBMC) incubadas com o extrato vegetal com posterior análise dos níveis de CD16, CD45, CD56 e CD69, por citometria de fluxo.

 

Observou-se que o extrato de E. purpurea apresenta atividade citotóxica, pois ativa secreção e ação das células NK (célula natural killer).

[ 38 ]
-

Extrato: contendo 3,045% de ácido cichórico, 1,575% de ácido caftárico, 0,065% de ácido clorogênico e 1,635% de isobutilamida do ácido dodeca-2E,4E,8Z,10E/Z-tetraenóico. Concentrações para ensaio: 25 a 200 µg/mL.

In vitro:

Em macrófagos derivados da medula óssea de camundongos incubados com o extrato vegetal, submetidos ao ensaio MTT.

 

Observou-se que o extrato de E. purpurea não apresenta toxicidade nas concentrações de 25 a 100 µg/mL.

[ 47 ]

Interação medicamentosa

Interação medicamentosa
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Cápsula: extrato metanólico. Concentração estoque: 50 µg/mL.

In vitro:

Em células de hepatoplastoma humano (HepG2) incubadas com o extrato vegetal, com posterior análise de expressão proteica (ABCB1 e ABCG2) e identificar microRNAs envolvidos na regulação pós-transcricional através do ensaio Luciferase.

 

Observou-se que o extrato metanólico de E. purpurea atua na expressão proteica, por regulação negativa de MiR-655-3p, sugerindo cautela na associação com antitumorais.

[ 1 ]
Parte aérea e raiz

Cápsula (Sambucus Force®): cada cápsula contém 169 mg de extrato seco de Sambucus nigra, 169 mg de extrato seco de Echinacea purpurea, 10 mg de extrato seco de Olea europaea e 18,7 mg de gelatina.

Solução (EchinaForce®): cada mL contém 15,37 mg da parte aérea e 0,85 mg de raiz de Echinacea purpurea.

In vitro:

Analisar a atividade inibitória da enzima CYP3A4, na presença de testosterona como substrato, após tratamento com os fitoterápicos.

 

Observou-se que apenas EchinaForce® inibe significativamente a enzima CYP3A4.

[ 9 ]
-

Extrato etanólico (Echinagard®).

In vitro:

Analisar a atividade inibitória da enzima CYP3A4, na presença de substratos como: 7-benziloxi-trifluorometilcumarina (BFC), 7-benziloxiquinolina (BQ) e testosterona, após tratamento com o fitoterápico.

 

Observou-se que o extrato de E. purpurea reduz a atividade enzimática, podendo influenciar no metabolismo de outros medicamentos.

[ 19 ]
-

Extrato etanólico.

In vitro:

Em células de adenocarcinoma epitelial colorretal humano (Caco-2) incubadas com o extrato vegetal e substrato radioativo P-gp[3H]-digoxina, com posterior análise do transporte de digoxina.

 

Observou-se que o extrato de E. purpurea inibe o transporte de digoxina mediado por glicoproteína P, influenciando na biodisponibilidade do medicamento.

[ 21 ]
-

Extrato etanólico. Rendimento: 95,6 mg de extrato seco. Concentração estoque: 139,7 mg/mL. Outras espécies em estudo: Hypericum perforatum, Salvia officinalis, Valeriana officinalis e Aesculus hippocastanum.

In vitro:

Investigar o potencial inibitório dos extratos vegetais sobre a atividade de CYP2D6 (c-DNA recombinante), na presença do substrato dextrometorfano, com posterior quantificação de O-desmetilação de dextrometorfano por Cromatografia Líquida de Alta Eficiência (CLAE).

 

Observou-se que E. purpurea inibe a enzima CYP2D6, insignificativamente, contudo H. perforatum, S. officinalis e V. officinalis demonstram ação inibitória potente.

[ 24 ]
Raiz

Extrato etanólico. Outras espécies em estudo: Spilanthes acmella e Hydrastis canadensis.

In vitro:

Investigar o potencial inibitório do extrato vegetal sobre a atividade do citocromo P4502E1, na presença do substrato p-nitrofenol (consequentemente a oxidação), com posterior análise de Vmáx e Km da reação.

 

Observou-se que o E. purpurea inibe, modestamente, a proteína P4502E1, devido presença das alquilamidas, enquanto que H. canadensis apresenta ação inibitória mais potente.

[ 26 ]
-

Extrato etanólico. Rendimento: 95,3 mg. Concentração estoque: 146,6 mg/mL. Concentrações para ensaio: 4,735, 47,35 e 473,5 µg/mL. Outras espécies em estudo: Hypericum perforatum, Salvia officinalis, Valeriana officinalis, Aesculus hippocastanum e Ginkgo biloba.

In vitro:

Em hepatócitos primários normais humanos incubados com o extrato vegetal e indutores de CYP1A2 (omeprazol), CYP2D6 e CYP3A4 (rifampicina), com posterior análise enzimática por Cromatografia Líquida de Alta Eficiência (CLAE).

 

Observou-se que E. purpurea inibe atividade das enzimas, insignificativamente, contudo G. biloba, V. officinalis e H. perforatum demonstram ação inibitória potente.

[ 29 ]
Parte aérea

Cápsula (EchinaCareTM): 50 mg de extrato concentrado em metanol à 70% (50:1). Outras plantas em estudo: Ginkgo biloba e Serenoa repens.

In vitro:

Analisar atividade das enzimas do citocromo P450, CYP2D6, CYP3A4 e CYP2C9, na presença dos extratos vegetais e substratos 3-[2-(N,N-dietil-N metil amino) etil]-7-metoxi-4-metilcumarina (AMMC), éter benzilo resorufina (BzRes), 7-benziloxi-4-trifluorometilcumarina (BFC) e 7-metoxi-4-trifluorometilcumarina (MFC).

 

Observou-se que os extratos de E. purpurea e G. biloba apresentam atividade inibitória leve a moderada, contudo, S. repens demontra ação inibitória potente.

[ 36 ]
-

Extrato etanólico: contendo 3,7% de polifenóis. Dose para ensaio: 50 mg/kg.

In vivo:

Em ratos Wistar submetidos a administração do extrato vegetal, com posterior análise da expressão de enzimas do citocromo P450 (CYP1A1/2, CYP2D1/2, CYP3A1/2, CYP2E1 e CYP2C6) em tecido hepático por RT-PCR.

O extrato de E. purpurea influencia o metabolismo de drogas mediadas principalmente pelas isoformas CYP3A1/2, CYP1A1 e CYP2D1.

[ 64 ]

Intoxicação por cádmio

Intoxicação por cádmio
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
Parte aérea

Extrato: 1 kg do material vegetal (pó) em 1000 mL de etanol a 40%. Concentração: 1 mL de extrato contém 0,089 g de planta seca. Dose para ensaio: 3,5 mL/L.

In vivo:

Em camundongos submetidos a intoxicação por cádmio (Cd) e tratados com o extrato vegetal, com posterior análise dos níveis de cádmio no fígado, rins, coração, baço, e músculo esquelético por espectrofotômetro, análise histológica e atividade apoptótica hepáticas.   

Observou-se que a associação do extrato de E. purpurea e suplementação com Cd, aumenta os níveis deste metal nos tecidos, além de aumentar a atividade apoptótica hepática.

[ 73 ]
Parte aérea

Extrato: 1 kg do material vegetal (pó) em 1000 mL de etanol à 40%. Concentração: 1 mL de extrato contém 0,089 g de planta seca. Doses para ensaio: 0,125 a 0,25 g/kg.

In vivo:

Em camundongos submetidos a intoxicação com cádmio (Cd) e tratados com o extrato vegetal, com posterior análise dos níveis de Cd nos tecidos (sangue, fígado e rim) por espectrofotômetro, análise histológica e atividade apoptótica hepáticas.

Observou-se que associação de E. purpurea e suplementação com Cd, aumenta os níveis deste metal nos tecidos e a apoptose, contudo reduz a atividade mitótica de células hepáticas.

[ 74 ]

Toxicidade embrionária

Toxicidade embrionária
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Comprimido: Immunal Forte®, Echinapur® e Esperitox®.

In vivo:

Em camundongos Balb/c prenhes tratadas com os fitoterápicos com posterior análise da atividade angiogênica embrionária, níveis dos fatores de crescimentos endotelial (VEGF) e fibroblástico básico (bFGF) fetais.

Observou-se que E. purpurea não deve ser recomendada para gestantes, pois pode interferir na angiogênese embrionária.

[ 71 ]

Toxicidade materna e fetal

Toxicidade materna e fetal
Parte da planta Extrato / RDD / Padronização Modelo de ensaio in vitro / in vivo Conclusão Referências
-

Pó. Dose para ensaio: 0,45 mg/dia.

In vivo:

Em ratas DBA/2 prenhes suplementadas com o extrato vegetal, com posterior análise dos níveis de células hematopoiéticas do baço e medula óssea (fêmur), e análise fetal.

Observou-se que o E. purpurea altera o sistema imunológico e eritropoiético durante a gravidez, além de aumentar a reabsorção fetal.

[ 76 ]

Referências bibliográficas

1 - AWORTWE, C. et al. MicroRNA-655-3p regulates Echinacea purpurea mediated activation of ABCG2. Xenobiotica, v. 48, n. 10, p.1050-1058, 2018. doi: 10.1080/00498254.2017.1390624
2 - DU, Y. et al. Simultaneous determination of seven phenolic acids in rat plasma using UHPLC-ESI-MS/MS after oral administration of Echinacea purpurea extract. Molecules, v. 22, n. 9, p.1-15, 2017. doi: 10.3390/molecules22091494
3 - VIMALANATHAN, S. et al. Prevention of influenza virus induced bacterial superinfection by standardized Echinacea purpurea, via regulation of surface receptor expression in human bronchial epithelial cells. Virus Res, v. 233, p.51-59, 2017. doi: 10.1016/j.virusres.2017.03.006
4 - CHIOU, S. Y. et al. Antioxidant, antidiabetic, and antihypertensive properties of Echinacea purpurea flower extract and caffeic acid derivatives using in vitro models. J Med Food, v. 20, n. 2, p.171-179, 2017. doi: 10.1089/jmf.2016.3790
5 - AARLAND, R. C. et al. Studies on phytochemical, antioxidant, anti-inflammatory, hypoglycaemic and antiproliferative activities of Echinacea purpurea and Echinacea angustifolia extracts. Pharm Biol, v. 55, n. 1, p.649-656, 2017. doi: 10.1080/13880209.2016.1265989
6 - AWORTWE, C. et al. Echinacea purpurea up-regulates CYP1A2, CYP3A4 and MDR1 gene expression by activation of pregnane X receptor pathway. Xenobiotica, v. 45, n. 3, p.218-229, 2015. doi: 10.3109/00498254.2014.973930
7 - DOGAN, Z. et al. The antioxidant effect of Echinacea angustifolia and Echinacea purpurea in rat colitis model induced by acetic acid. Bratisl Lek Listy, v. 115, n. 7, p.411-415, 2014. doi: 10.4149/bll_2014_081
8 - TSAI, Y. L. et al. Cytotoxic effects of Echinacea purpurea flower extracts and cichoric acid on human colon cancer cells through induction of apoptosis. J Ethnopharmacol, v. 143, n. 3, p.914-919, 2012. doi: 10.1016/j.jep.2012.08.032
9 - SCHORODER-AASEN, T. et al. In vitro inhibition of CYP3A4 by the multiherbal commercial product Sambucus Force and its main constituents Echinacea purpurea and Sambucus nigra. Phytother Res, v. 26, n. 11, p.1606-1613, 2012. doi: 10.1002/ptr.4619
10 - KAPAI, N. A. et al. Selective cytokine-inducing effects of low dose Echinacea. Bull Exp Biol Med, v. 150, n. 6, p.711-713, 2011. doi: 10.1007/s10517-011-1230-2
11 - SENCHINA, D. S. et al. Phytochemical and immunomodulatory properties of an Echinacea laevigata (Asteraceae) tincture. J Altern Complement Med, v. 17, n. 4, p.375-377, 2011. doi: 10.1089/acm.2010.0373
12 - WU, L. et al. Echinacea-induced cytosolic Ca2+ elevation in HEK293. BMC Complement Altern Med, v. 10, n. 72, p.1-13, 2010. doi: 10.1186/1472-6882-10-72
13 - SHARMA, M. et al. The potential use of Echinacea in acne: control of Propionibacterium acnes growth and inflammation. Phytother Res, v. 25, n. 4, p.517-521, 2011. doi: 10.1002/ptr.3288
14 - CANLAS, J. et al. Echinacea and trypanasomatid parasite interactions: growth-inhibitory and anti-inflammatory effects of Echinacea. Pharm Biol, v. 48, n. 9, p.1047-1052, 2010. doi: 10.3109/13880200903483468
15 - SHARMA, S. M. et al. Bactericidal and anti-inflammatory properties of a standardized Echinacea extract (Echinaforce): dual actions against respiratory bacteria. Phytomedicine, v. 17, n. 8-9, p.563-568, 2010. doi: 10.1016/j.phymed.2009.10.022
16 - SHARMA, M. et al. The efficacy of Echinacea in a 3-D tissue model of human airway epithelium. Phytother Res, v. 24, n. 6, p.900-904, 2010. doi: 10.1002/ptr.3051
17 - VOHRA, S. et al. Selection of natural health products for clinical trials: a preclinical template. Can J Physiol Pharmacol, v. 87, n. 5, p.371-378, 2009. doi: 10.1139/y09-021
18 - SHARMA, M. et al. Induction of multiple pro-inflammatory cytokines by respiratory viruses and reversal by standardized Echinacea, a potent antiviral herbal extract. Antiviral Res, v. 83, n. 2, p.165-170, 2009. doi: 10.1016/j.antiviral.2009.04.009
19 - HANSEN, T. S.; NILSEN, O. G. In vitro CYP3A4 metabolism: inhibition by Echinacea purpurea and choice of substrate for the evaluation of herbal inhibition. Basic Clin Pharmacol Toxicol, v. 103, n. 5, p.445-449, 2008. doi: 10.1111/j.1742-7843.2008.00307.x
20 - WANG, C. Y. Genomics and proteomics of immune modulatory effects of a butanol fraction of Echinacea purpurea in human dendritic cells. BMC Genomics, v. 9, n. 479, p.1-20, 2008. doi: 10.1186/1471-2164-9-479
21 - HANSEN, T. S.; NILSEN, O. G. Echinacea purpurea and P-glycoprotein drug transport in Caco-2 cells. Pthytother Res, v. 23, n. 1, p.86-91, 2009. doi: 10.1002/ptr.2563
22 - CHAVES, F. et al. Effect of Echinacea purpurea (Asteraceae) aqueous extract on antibody response to Bothrops asper venom and immune cell response. Rev Biol Trop, v. 55, n. 1, p.113-119, 2007. doi: 10.15517/rbt.v55il.6061
23 - BIRT, D. F. Echinacea in infection. Am J Clin Nutr, v. 87, n. 2, p.488S-492S, 2008. doi: 10.1093/ajcn/87.2.488S
24 - HELLUM, B. H.; NILSEN, O. G. The in vitro inhibitory potential of trade herbal products on human CYP2D6-mediated metabolism and the influence of ethanol. Basic Clin Pharmacol Toxicol, v. 101, n. 5, p.350-358, 2007. doi: 10.1111/j.1742-7843.2007.00121.x
25 - PILLAI, S. et al. Use of quantitative flow cytometry to measure ex vivo immunostimulant activity of echinacea: the case for polysaccharides. J Altern Complement Med, v. 13, n. 6, p.625-634, 2007. doi: 10.1089/acm.2006.6361
26 - RANER, G. M. et al. Effects of herbal products and their constituents on human cytochrome P450(2E1) activity. Food Chem Toxicol, v. 45, n. 12, p.2359-2365, 2007. doi: 10.1016/j.fct.2007.06.012
27 - MCCANN, D. A. et al. Cytokine- and interferon-modulating properties of Echinacea spp. root tinctures stored at -20 degrees C for 2 years. J Interferon Cytokine Res, v. 27, n. 5, p.425-436, 2007. doi: 10.1089/jir.2006.0104
28 - AHERNE, S. A. et al. Effects of plant extracts on antioxidant status and oxidant-induced stress in Caco-2 cells. Br J Nutr, v. 97, n. 2, p.321-328, 2007. doi: 10.1017/S0007114507250469
29 - HELLUM, B. H. et al. The induction of CYP1A2, CYP2D6 and CYP3A4 by six trade herbal products in cultured primary human hepatocytes. Basic Clin Pharmacol Toxicol, v. 100, n. 1, p.23-30, 2007. doi: 10.1111/j.1742-7843.2007.00011.x
30 - CECH, N. B. et al. Liver enzyme-mediated oxidation of Echinacea purpurea alkylamides: production of novel metabolites and changes in immunomodulatory activity. Planta Med, v. 72, n. 15, p.1372-1377, 2006. doi: 10.1055/s-2006-951718
31 - SENCHINA, D. S. et al. Year-and-a-half old, dried Echinacea roots retain cytokine-modulating capabilities in an in vitro human older adult model of influenza vaccination. Planta Med, v. 72, n. 13, p.1207-1215, 2006. doi: 10.1055/s2006-947254
32 - WANG, C. Y. et al. Modulatory effects of Echinacea purpurea extracts on human dendritic cells: a cell- and gene-based study. Genomics, v. 88, n. 6, p.801-808, 2006. doi: 10.1016/j.ygeno.2006.08.011
33 - SHARMA, M. et al. Echinacea extracts modulate the production of multiple transcription factors in uninfected cells and rhinovirus-infected cells. Phytother Res, v. 20, n. 12, p.1074-7079, 2006. doi: 10.1002/ptr.1998
34 - SASAGAWA, M. et al. Echinacea alkylamides inhibit interleukin-2 production by Jurkat T cells. Int Immunopharmacol, v. 6, n. 7, p.1214-1221, 2006. doi: 10.1016/j.intimp.2006.02.003
35 - SHARMA, M. et al. Echinacea extracts modulate the pattern of chemokine and cytokine secretion in rhinovirus-infected and uninfected epithelial cells. Phytother Res, v. 20, n. 2, p.147-152, 2006. doi: 10.1002/ptr.1824
36 - YALE, S. H.; GLURICH, I. Analysis of the inhibitory potential of Ginkgo bilobaEchinacea purpurea, and Serenoa repens on the metabolic activity of cytochrome P450 3A4, 2D6, and 2C9. J Altern Complement Med, v. 11, n. 3, p.433-439. doi: 10.1089/acm.2005.11.433
37 - FREIER, D. O. et al. Enhancement of the humoral immune response by Echinacea purpurea in female Swiss mice. Immunopharmacol Immunotoxicol, v. 25, n. 4, p.551-560, 2003. doi: 10.1081/iph-120026440
38 - GAN, X. H. et al. Mechanism of activation of human peripheral blood NK cells at the single cell level by Echinacea water soluble extracts: recruitment of lymphocyte-target conjugates and killer cells and activation of programming for lysis. Int Immunopharmacol, v. 3, n. 6, p.811-824, 2003. doi: 10.1016/S1567-5769(02)00298-9
39 - SLOLEY, B. D. et al. Comparison of chemical components and antioxidants capacity of different Echinacea species. J Pharm Pharmacol, v. 53, n. 6, p.849-857, 2001. doi: 10.1211/0022357011776009
40 - HU, C.; KITTS, D. D. Studies on the antioxidant activity of Echinacea root extract. J Agric Food Chem, v. 48, n.5, p.1466-1472, 2000. doi: 10.1021/jf990677+
41 - BURGER, R. A. et al. Echinacea-induced cytokine production by human macrophages. Int J Immunopharmacol, v. 19, n. 7, p.371-379, 1997. doi: 10.1016/s0192-0561(97)00061-1
42 - SEE, D. M. et al. In vitro effects of echinacea and ginseng on natural killer and antibody-dependent cell cytotoxicity in healthy subjects and chronic fatigue syndrome or acquired immunodeficiency syndrome patients. Immunopharmacol, v. 35, n. 3, p.229-235, 1997. doi: 10.1016/s0162-3109(96)00125-7
43 - AWAAD, A. et al. Insulin-like 3 expression and fibrosis induction after intra-testicular injection of magnetic nanoparticles in rat testis and the ameliorative role of Echinacea purpurea extract. Biotech Histochem, v. 93, n. 2, p.118-132, 2018. doi: 10.1080/10520295.2017.1399465
44 - PARK, S. et al. Echinacea purpurea protects against restraint stress-induced immunosuppression in BALB/c mice. J Med Food, v. 21, n. 3, p.261-268, 2018. doi: 10.1089/jmf.2017.4073
45 - RAZIN, M. A. F. et al. Immune responses to killed reassorted influenza virus supplemented with natural adjuvants. Acta Microbiol Immunol Hung, v. 64, n. 3, p.313-330, 2017. doi: 10.1556/030.64.2017.011
46 - LI, Y. et al. Echinacea pupurea extracts promote murine dendritic cell maturation by activation of JNK, p38 MAPK and NF-κB pathways. Dev Comp Immunol, v. 73, p.21-26, 2017. doi: 10.1016/j.dci.2017.03.002
47 - FU, A. et al. Echinacea purpurea extract polarizes m1 macrophages in murine bone marrow-derived macrophages through the activation of JNK. J Cell Biochem, v. 118, n. 9, p.2664-2671, 2017. doi: 10.1002/jcb.25875
48 - GASPAROTTO JUNIOR, A. et al. Effects of extracts from Echinacea purpurea (L) MOENCH on mice infected with different strains of Toxoplasma gondii. Parasitol Res, v. 115, n. 10, p.3999-4005, 2016. doi: 10.1007/s00436-016-5167-2
49 - GAN, C. et al. Simultaneous determination and pharmacokinetic study of four phenol compounds in rat plasma by ultra-high performance liquid chromatography with tandem mass spectrometry after oral administration of Echinacea purpurea extract. J Sep Sci, v. 39, n. 9, p.1628-1637, 2016. doi: 10.1002/jssc.201600051
50 - SUTOVSKÁ, M. et al. Echinacea complex-chemical view and anti-asthmatic profile. J Ethnopharmacol, v. 175, p.163-171, 2015. doi: 10.1016/j.jep.2015.09.007
51 - CAPEK, P. et al. Chemical and pharmacological profiles of Echinacea complex. Int J Biol Macromol, v. 79, p.388-391, 2015. doi: 10.1016/j.ijbiomac.2015.05.010
52 - TODD, D. A. et al. Ethanolic Echinacea purpurea extracts contain a mixture of cytokine-suppressive and cytokine-inducing compounds, including some that originate from endophytic bacteria. PLoS One, v. 10, n. 5, p.1-20, 2015. doi: 10.1371/journal.pone.0124276
53 - KIM, H. R. et al. Immune enhancing effects of Echinacea purpurea root extract by reducing regulatory T cell number and function. Nat Prod Commun, v. 9, n. 4, p.511-514, 2014. doi: 10.1177/1934578X1400900422
54 - SHIN, D. M. et al. Echinacea purpurea root extract enhances the adipocyte differentiation of 3T3-L1 cells. Arch Pharm Res, v. 37, n. 6, p.803-812, 2014. doi: 10.1007/s12272-013-0251-y
55 - ULUISIK, D.; KESKIN, E. Effects of ginseng and echinacea on cytokine mRNA expression in rats. Sci World J, p.1-6, 2012. doi: 10.1100/2012/942025
56 - RAMASAHAYAM, S. et al. Effects of chemically characterized fractions from aerial parts of Echinacea purpurea and E. angustifolia on myelopoiesis in rats. Planta Med, v. 77, n. 17, p.1883-1889, 2011. doi: 10.1055/s-0031-1279990
57 - SKOPINSKA-RÓZEWSKA, E. et al. Dose-dependent in vivo effect of Rhodiola and Echinacea on the mitogen-induced lymphocyte proliferation in mice. Pol J Vet Sci, v. 14, n. 2, p.265-272, 2011. doi: 10.2478/v10181-011-0040-9
58 - ARDJOMAND-WOELKART, K. et al. Absolute/relative bioavailability and metabolism of dodeca-2E,4E,8Z,10E/Z-tetraenoic acid isobutylamides (tetraenes) after intravenous and oral single doses to rats. Planta Med, v. 77, n. 16, p.1794-1799, 2011. doi: 10.1055/s-0030-1271120
59 - HU, X. et al. Effects of phenytoin and Echinacea purpurea extract on proliferation and apoptosis of mouse embryonic palatal mesenchymal cells. J Cell Biochem, v. 112, n. 5, p.1311-1317, 2011. doi: 10.1002/jcb.23044
60 - YIN, S. Y. et al. Stimulatory effect of Echinacea purpurea extract on the trafficking activity of mouse dendritic cells: revealed by genomic and proteomic analyses. BMC Genomics, v. 11, p.1-18, 2010. doi: 10.1186/1471-2164-11-612
61 - SADIGH-ETEGHAD, S. et al. Synergetic effects of oral administration of levamisole and Echinacea purpurea on immune response in Wistar rat. Res Vet Sci, v. 91, n. 1, p.82-85, 2011. doi: 10.1016/j.rvsc.2010.07.027
62 - CECH, N. B. et al. Echinacea and its alkylamides: effects on the influenza A-induced secretion of cytokines, chemokines, and PGE₂ from RAW 264.7 macrophage-like cells. Int Immunopharmacol, v. 10, n. 10, p.1268-1278, 2010. doi: 10.1016/j.intimp.2010.07.009
63 - FUSCO, D. et al. Echinacea purpurea aerial extract alters course of influenza infection in mice. Vaccine, v. 28, n. 23, p.3956-3962, 2010. doi: 10.1016/j.vaccine.2010.03.047
64 - MROZIKIEWICZ, P. M. et al. The effect of standardized Echinacea purpurea extract on rat cytochrome P450 expression level. Phytomedicine, v. 17, n. 10, p.830-833, 2010. doi: 10.1016/j.phymed.2010.02.007
65 - BENSON, J. M. et al. Echinacea purpurea extracts modulate murine dendritic cell fate and function. Food Chem Toxicol, v.f48, n. 5, p.1170-1177, 2010. doi: 10.1016/j.fct.2010.02.007
66 - SENCHINA, D. S. et al. Effects of Echinacea extracts on macrophage antiviral activities. Phytother Res, v. 24, n. 6, p.810-816, 2010. doi: 10.1002/ptr.2991
67 - PLESCHKA, S. et al. Anti-viral properties and mode of action of standardized Echinacea purpurea extract against highly pathogenic avian influenza virus (H5N1, H7N7) and swine-origin H1N1 (S-OIV). Virol J, v. 6, p.1-9, 2009. doi: 10.1186/1743-422X-6-197
68 - SKAUDICKAS, D. et al. The effect of Echinacea purpurea (L.) Moench extract on experimental prostate hyperplasia. Phytother Res, v. 23, n. 10, p.1474-1478, 2009. doi: 10.1002/ptr.2805
69 - ORHAN, I. et al. Acetylcholinesterase inhibitory and antioxidant properties of Cyclotrichium niveum, Thymus praecox subsp. caucasicus var. caucasicusEchinacea purpurea and E. pallida. Food Chem Toxicol, v. 47, n. 6, p.1304-1310, 2009. doi: 10.1016/j.fct.2009.03.004
70 - ZHAI, Z. et al. Echinacea increases arginase activity and has anti-inflammatory properties in RAW 264.7 macrophage cells, indicative of alternative macrophage activation. J Ethnopharmacol, v. 122, n. 1, p.76-85, 2009. doi: 10.1016/j.jep.2008.11.028
71 - BARCZ, E. et al. Influence of Echinacea purpurea intake during pregnancy on fetal growth and tissue angiogenic activity. Folia Histochem Cytobiol, v. 45, Suppl 1, p.S35-S39, 2007. doi: 10.2478/4486
72 - ABOUELELLA, A. M. et al. Phytotherapeutic effects of Echinacea purpurea in gamma-irradiated mice. J Vet Sci, v. 8, n. 4, p.341-351, 2007. doi: 10.4142/jvs.2007.8.4.341
73 - ZITKEVICIUS, V. et al. Influence of Echinacea purpurea (L.) Moench extract on the toxicity of cadmium. Ann N Y Acad Sci, v. 1095, p.585-592, 2007. doi: 10.1196/annals.1397.063
74 - SMALINSKIENE, A. et al. Assessment of the effect of Echinacea purpurea (L.) Moench on apoptotic and mitotic activity of liver cells during intoxication by cadmium. Ann N Y Acad Sci, v. 1095, p.574-584, 2007. doi: 10.1196/annals.1397.062
75 - KHAKSARY, M. M. et al. A comparison study of effects of Echinacea extract and levamisole on phenytoin-induced cleft palate in mice. Regul Toxicol Pharmacol, v. 46, n. 3, p.163-166, 2006. doi: 10.1016/j.yrtph.2006.06.005
76 - CHOW, G. et al. Dietary Echinacea purpurea during murine pregnancy: effect on maternal hemopoiesis and fetal growth. Biol Neonate, v. 89, n. 2, p.133-138, 2006. doi: 10.1159/000088795
77 - DI CARLO, G. et al. Effect on prolactin secretion of Echinacea purpurea, Hypericum perforatum and Eleutherococcus senticosus. Phytomedicine, v. 12, n. 9, p.644-647, 2005. doi: 10.1016/j.phymed.2004.03.011
78 - BROUSSEAU, M.; MILLER, S. C. Enhancement of natural killer cells and increased survival of aging mice fed daily Echinacea root extract from youth. Biogerontology, v. 6, n. 3, p.157-163, 2005. doi: 10.1007/s10522-005-7951-8
79 - SKAUDICKAS, D. et al. The effect of Echinacea purpurea extract on sexual glands of male rats. Medicina (Kaunas), v. 40, n. 12, p.1211-1218, 2004. 
80 - MISHIMA, S. et al. Antioxidant and immuno-enhancing effects of Echinacea purpurea. Biol Pharm Bull, v. 27, n. 7, p.1004-1009, 2004. doi: 10.1248/bpb.27.1004
81 - HWANG, S. A. et al. Cytokine production by non-adherent mouse splenocyte cultures to Echinacea extracts. Clin Chim Acta, v. 343, n. 1-2, p.161-166, 2004. doi: 10.1016/j.cccn.2004.01.011
82 - SKAUDICKAS, D. et al. Effect of Echinacea (Echinacea purpurea L. Moench) preparations on experimental prostate gland. Medicina (Kaunas), v. 39, n. 8, p.761-766, 2003. 
83 - DI CARLO, G. et al. Modulation of apoptosis in mice treated with Echinacea and St. John's wort. Pharmacol Res, v. 48, n. 3, p.273-277, 2003. doi: 10.1016/s1043-6618(03)00153-1
84 - RASO, G. M. et al. In-vivo and in-vitro anti-inflammatory effect of Echinacea purpurea and Hypericum perforatum. J Pharm Pharmacol, v. 54, n. 10, p.1379-1383, 2002. doi: 10.1211/002235702760345464
85 - BINNS, S. E. et al. Antiviral activity of characterized extracts from Echinacea spp. (Heliantheae: Asteraceae) against herpes simplex virus (HSV-I). Planta Med, v. 68, n. 9, p.780-783, 2002. doi: 10.1055/s-2002-34397
86 - CURRIER, N. L.; MILLER, S. C. The effect of immunization with killed tumor cells, with/without feeding of Echinacea purpurea in an erythroleukemic mouse model. J Altern Complement Med, v. 8, n. 1, p.49-58, 2002. doi: 10.1089/107555302753507177
87 - SPERONI, E. et al. Anti-inflammatory and cicatrizing activity of Echinacea pallida Nutt. root extract. J Ethnopharmacol, v. 79, n. 2, p.265-272, 2002. doi: 10.1016/s0378-8741(01)00391-9
88 - CURRIER, N. L.; MILLER, S. C. Echinacea purpurea and melatonin augment natural-killer cells in leukemic mice and prolong life span. J Altern Complement Med, v. 7, n. 3, p.241-251, 2001. doi: 10.1089/107555301300328115
89 - HAYASHI, I. et al. Effects of oral administration of Echinacea purpurea (American herb) on incidence of spontaneous leukemia caused by recombinant leukemia viruses in AKR/J mice. Nihon Rin Men Gak Kais, v. 24, n. 1, p.10-20, 2001. doi: 10.2177/jsci.24.10
90 - CURRIER, N. L.; MILLER, S. C. Natural killer cells from aging mice treated with extracts from Echinacea purpurea are quantitatively and functionally rejuvenated. Exp Gerontol, v. 35, n. 5, p.627-639, 2000. doi: 10.1016/s0531-5565(00)00106-6

Referências bibliográficas

1 - BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira 1ª edição – Primeiro Suplemento. Brasília: Anvisa, p. 40, 2018.
2 - BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira 2ª edição. Brasília: Anvisa, p. 73, 2021.
3 - BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira 2ª edição. Brasília: Anvisa, p. 74, 2021.

Farmácia da Natureza
[ 1 ]

Fórmula

Tintura

Alcoolatura

Componente

Quantidade

Componente

Quantidade*

Etanol/água 70%

1000 mL

Etanol/água 80%

1000 mL

Planta toda ou raiz seca

100 g

Planta toda ou raiz fresca

200 g

                                                                     * Após a filtragem ajustar o teor alcoólico da alcoolatura para 70%, com adição de etanol 98%, se necessário. 
Modo de preparo

Tintura: pesar 100 g da planta toda ou raiz seca pulverizada e colocar em frasco de vidro âmbar; em seguida adicionar 1000 mL de etanol a 70%, tampar bem o frasco e deixar a planta em maceração por 7 dias, agitando o frasco diariamente. Após esse período, filtrar em papel de filtro e envasar em frasco de vidro âmbar.

Alcoolatura: pesar 200 g da planta toda ou raiz fresca, lavar e picar (não lavar as flores) e colocar em frasco de vidro âmbar; em seguida adicionar 1000 mL de etanol a 80%, tampar bem o frasco e deixar a planta em maceração por 7 dias, agitando o frasco diariamente. Após esse período, filtrar em papel de filtro e envasar em frasco de vidro âmbar.

Principais indicações

Raiz: infecções das vias aéreas superiores (gripes e resfriados) e infecções urinárias (BLUMENTHAL, 1998; WHO, 1999a; EMA, 2010; EMA, 2014). Preventivo e coadjuvante no tratamento dos sintomas de resfriados e infecções do trato respiratório e urinário (BRASIL, 2014; BRASIL, 2016; BRASIL, 2018). Infecções de repetição.  Planta toda: alergias das vias respiratórias e da pele, incluindo úlceras cutâneas.

Posologia

Uso oral: tomar de 1 a 3 gotas por quilo de peso, divididas em 3 vezes ao dia, sempre diluídas em água (cerca de 50 mL ou meio copo).

Farmácia da Natureza
[ 2 ]

Fórmula

Componente

Quantidade

Tintura de Echinacea purpurea e tintura de Cocos nucifera

1:1

 
Modo de preparo

Em uma proveta graduada, medir as quantidades de tinturas desejadas e verter em frasco de vidro âmbar esterilizado. Tampar, agitar e rotular.

Principais indicações

Infecções virais agudas.

Posologia

Uso oral: tomar 30 gotas, 3 vezes ao dia, por 10 dias.

Farmácia da Natureza
[ 3 ]

Fórmula

Componente

Quantidade

Raiz seca fragmentada

0,4 a 0,6 g ou uma colher de chá caseira cheia

Água q.s.p.

150 mL

 
Modo de preparo

Raiz: preparar por decocção, por 5 minutos.

Principais indicações

Infecções das vias aéreas superiores (gripes e resfriados) e infecções urinárias (BLUMENTHAL, 1998; WHO, 1999a; EMA, 2010; EMA, 2014). Preventivo e coadjuvante no tratamento dos sintomas de resfriados e infecções do trato respiratório e urinário (BRASIL, 2014; BRASIL, 2016; BRASIL, 2018). Infecções de repetição.

Posologia

Uso oral: adultos devem tomar 150 mL (1 xícara de chá) decocto duas a três vezes ao dia.

Uso oral: crianças acima de 1 ano devem tomar 3 mL (1 colher de chá caseira) do decocto por quilograma de peso corporal por dose, duas a três vezes ao dia.

Referências bibliográficas

1 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 3 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 115-118.
2 - PEREIRA, A. M. S. et al. Formulário Fitoterápico da Farmácia da Natureza. 3 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 311.
3 - PEREIRA, A. M. S. (Org.). Formulário de Preparação Extemporânea: Farmácia da Natureza. 2 ed. São Paulo: Bertolucci, 2020, p. 68-71.

Dados Químicos
[ 1 , 2 , 3 , 4 , 5 , 6 ]
Marcador:
Principais substâncias:

Ácidos fenólicos

cafeico, p-cumárico, caftárico, p-hidroxibenzóico e protocatéquico.

Ácidos graxos

ácido palmítico e outros.

ácido palmítico e outros.

Alcaloides pirrolizidínicos

tussilagina e isotussilagina.

Alquilamidas

isobutilamida.

Antocianidinas

Cetonas

Fenilpropanoides

ácido chicórico, equinacosídeo, verbascosídeo, cafeoilquinacosídeo, ácido clorogênico, ácido caftárico e cinarina.

Fitosteróis

β-sitosterol e estigmasterol.

Flavonoides

quercetina, rutina, camferol, isoramnetina e seus glicosídeos.

Minerais

zinco e enxofre.

Óleos essenciais

borneol, acetato de bornila, humuleno, D-germacreno, cariofileno, campferol e pentadeca-8-em-2-ona.

Outras substâncias

betaína, equinolona, vanilina, açúcar simples.

Poliacetilenos

Polissacarídeos

inulina e arabinogalactano.

Proteínas

arabinogalactana.

Taninos

Vitaminas

A, B1, B2, C e E.

Referências bibliográficas

1 - BARNES, J. et al. Plantas medicinales. 1 ed. Barcelona: Pharma Editores, S.L., 2005, p. 184-185.
2 - LORENZI, H. & MATOS, F. J. de A. Plantas medicinais no Brasil: Nativas e exóticas. 2 ed. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2008, p. 135.
3 - PEREIRA, A. M. S. et al. (Org.). Manual Prático de Multiplicação e Colheita de Plantas Medicinais. Ribeirão Preto: Bertolucci, 2011, p. 97-98.
4 - SENCHINA, D. S. et al. Phytochemical and immunomodulatory properties of an Echinacea laevigata (Asteraceae) tincture. J Altern Complement Med, v. 17, n. 4, p.375-377, 2011. doi: 10.1089/acm.2010.0373
5 - CHEN, Y. et al. Macrophage activating effects of new alkamides from the roots of Echinacea species. J Nat Prod, v. 68, n. 5, p.773-776, 2005. doi: 10.1021/np040245f
6 - MANAYI, A. et al. Echinacea purpurea: Pharmacology, phytochemistry and analysis methods. Pharmacogn Res, v. 9, n. 17, p.63-72, 2015. doi: 10.4103/0973-7847.156353

Propagação: 

é realizada por sementes, em caixilho ou saquinho plástico (10 cm de largura por 15 cm de comprimento) contendo substrato solo, areia e esterco (3:2:1). Permanecer em viveiro por 60 dias, com sombrite 60%, e posteriormente transferir para local definitivo, em covas de 15x15 cm com adubação de 0,5 kg de esterco, com espaçamento de 0,3 m entre plantas e 0,3 m entre linhas e a pleno sol. A irrigação deve ser realizada em dias alternados [ 1 ] .

Semeadura em caixilho.

Semeadura em caixilho

Semeadura em caixilho.

Semeadura em caixilho

Colheita: 

a planta toda (raiz e parte aérea com flor) deve ser colhida no momento em que as flores desabrocham, preferencialmente no período final da lua cheia. O medicamento deve ser preparado com a planta fresca ou seca. A colheita das sementes deve ser realizada quando apresentarem tonalidade marrom escuro e a haste principal estiver seca, debulhando-as sobre uma peneira com malha de 3 mm. Posteriormente, são pesadas e acondicionadas em frascos etiquetados e armazenados em local adequado [ 1 ] .

Sementes

Sementes

Sementes

Sementes

Pós-colheita: 

antes do processo de secagem, é recomendado, lavar as raízes e picá-las. Secar em estufa de ar circulante, a temperatura de 45°C/36 horas. Após este procedimento a droga vegetal, deve ser armazenada em ambiente não úmido, e ser utilizada dentro do período de 6 meses. A droga vegetal deve ser moída em moinho de faca, até a granulometria de 40 mesh, para o preparo de tinturas e extratos. Drogas vegetais moídas não devem ser armazenadas por período superior a 6 meses [ 1 ] .

Referências bibliográficas

1 - PEREIRA, A. M. S. et al. (Org.). Manual Prático de Multiplicação e Colheita de Plantas Medicinais. Ribeirão Preto: Bertolucci, 2011, p. 96-97.

Tipo: Internacional
Tipo de Monografia: Medicamentos e Produtos de Saúde do Canadá
Ano de Publicação: 2018
Arquivo: PDF icon Download (137.92 KB)

Tipo: Internacional
Tipo de Monografia: Agência Europeia de Medicamentos
Ano de Publicação: 2017
Arquivo: PDF icon Download (122.14 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Memento Fitoterápico da Farmacopeia Brasileira
Ano de Publicação: 2016
Arquivo: PDF icon Download (113.43 KB)

Tipo: Internacional
Tipo de Monografia: Agência Europeia de Medicamentos
Ano de Publicação: 2015
Arquivo: PDF icon Download (180.35 KB)

Tipo: Nacional
Tipo de Monografia: Agência Nacional de Vigilância Sanitária
Ano de Publicação: 2014
Arquivo: PDF icon Download (345.94 KB)

Tipo: Internacional
Tipo de Monografia: Organização Mundial de Saúde
Ano de Publicação: 1999
Arquivo: PDF icon Download (89.44 KB)

Parceiros